One Piece RPG
Tríade Selvagem - Página 2 XwqZD3u


One Piece RPG : A GRANDE ERA DOS PIRATAS
 
InícioBuscarMembrosGruposRegistrar-seConectar-se
Últimos assuntos
» Seasons: Road to New World
Tríade Selvagem - Página 2 Emptypor Volker Hoje à(s) 20:28

» Lurion
Tríade Selvagem - Página 2 Emptypor Lurion Hoje à(s) 20:26

» [Ficha] Mika Mizushima (Completa)
Tríade Selvagem - Página 2 Emptypor ADM.Senshi Hoje à(s) 19:50

» [Ficha] Alex Fate
Tríade Selvagem - Página 2 Emptypor ADM.Senshi Hoje à(s) 19:33

» Fran B. Air
Tríade Selvagem - Página 2 Emptypor ADM.Noskire Hoje à(s) 19:32

» Raven Nevar
Tríade Selvagem - Página 2 Emptypor ADM.Noskire Hoje à(s) 19:29

» Forxen Dalmore
Tríade Selvagem - Página 2 Emptypor ADM.Noskire Hoje à(s) 19:26

» Alex Fate
Tríade Selvagem - Página 2 Emptypor ADM.Senshi Hoje à(s) 19:26

» Thomas Kenway
Tríade Selvagem - Página 2 Emptypor ADM.Noskire Hoje à(s) 19:21

» Akira Suzuki
Tríade Selvagem - Página 2 Emptypor Ceji Hoje à(s) 19:02

» Arco 4: Segredos enterrados em gelo!
Tríade Selvagem - Página 2 Emptypor Jean Fraga Hoje à(s) 17:54

» Apresentação 5 ~ Falência Sensacionalista
Tríade Selvagem - Página 2 Emptypor Licia Hoje à(s) 16:54

» Pay! Eye For Eye!
Tríade Selvagem - Página 2 Emptypor Thomas Kenway Hoje à(s) 16:36

» Cap. 2 - The Enemy Within
Tríade Selvagem - Página 2 Emptypor King Hoje à(s) 15:20

» Pandamonio, Vol 1 - Rumo à Grand Line!
Tríade Selvagem - Página 2 Emptypor Jean Fraga Hoje à(s) 14:05

» Cap.1 Deuses entre nós
Tríade Selvagem - Página 2 Emptypor K1NG Hoje à(s) 12:46

» Blue Guardian! Luca o soldado da justiça!
Tríade Selvagem - Página 2 Emptypor K1NG Hoje à(s) 12:23

» ブルーベリーパイ ~ Blueberry Pie
Tríade Selvagem - Página 2 Emptypor CaraxDD Hoje à(s) 05:40

» Escuridão total sem estrelas
Tríade Selvagem - Página 2 Emptypor CaraxDD Hoje à(s) 04:50

» Enuma Elish
Tríade Selvagem - Página 2 Emptypor Thomas Kenway Hoje à(s) 03:36



------------
- NOSSO BANNER-

------------

Naruto AkatsukiPokémon Mythology RPG
Naruto RPG: Mundo Shinobi
Conheça o Fórum NSSantuário RPG
Erilea RegionRPG V Portugal
The Blood OlympusPercy Jackson RPG BR
A Song of Ice and FireSolo Leveling RPG
Veritaserum RPGPeace Sign RPG
Pokémon Adventure RPG

------------

:: Topsites Zonkos - [Zks] ::


 

 Tríade Selvagem

Ir em baixo 
Ir à página : Anterior  1, 2, 3  Seguinte
AutorMensagem
ADM.Tidus
Duque Azul
Duque Azul
ADM.Tidus

Créditos : 59
Warn : Tríade Selvagem - Página 2 10010
Masculino Data de inscrição : 10/06/2011
Idade : 27
Localização : 1ª Rota - Karakui

Tríade Selvagem - Página 2 Empty
MensagemAssunto: Tríade Selvagem   Tríade Selvagem - Página 2 EmptyDom 05 Jul 2020, 14:46

Relembrando a primeira mensagem :

Tríade Selvagem

Aqui ocorrerá a aventura do(a) civil Shaanti Mochan. A qual não possui narrador definido.


____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

Olá Convidado, seja bem-vindo ao One Piece RPG.
Links para ajuda: [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo

AutorMensagem
Furry
Game Master
Game Master


Data de inscrição : 27/03/2015

Tríade Selvagem - Página 2 Empty
MensagemAssunto: Re: Tríade Selvagem   Tríade Selvagem - Página 2 EmptyQua 22 Jul 2020, 12:01





Presente de despedida X Vingança

5


Shaanti olhava para o pedaço de bolo que Emily mais uma vez lhe oferecia, agora para partilharem e sentiu que não havia qualquer maneira de poder recusar uma oferta feita daquele jeito. - Certo. - Pegou o pedaço jogando-o para dentro da boca em uma única e nada educada ''mordida''. - Pareceu ter o mesmo gosto de sempre. - Tinha um sorriso cheio de dentes pontudos de alguém que divertia-se ao implicar com a pequenina. - Afinal sempre como com você. - Assim que disse isso daria as costas a Emily para poder apreciar o momento de talvez ter conseguido deixá-la sem resposta.

>><<

Mantinha o punho encostado ao de Emily. - Na verdade quando falei aquilo era pra pegar comida na casa do velho e importunar o pirralho 2 ai sobre a ilha e não para ir até a cidade, hehehe. - Shaanti afastou a mão em punho e levou-a para trás de sua cabeça coçando-a sem graça por ter causado tal confusão ao não se expressar direito. - A Marreta deve ter atrapalhado. - Sim, obviamente a falta de coesão em explicitar seus desejos podia ser muito bem atribuído a marreta.


Assim havia podido tranquilamente terminar o serviço e até mesmo descobrir algumas coisas sobre os dials. - Nas praias é? - Seria como caçar tesouros e isso fez Shaanti lembra-se de uma conversa antiga que havia tido com Emily sobre o X marcar o local do tesouro. - Será que eles ficam enterrados embaixo de um X na areia? - Virou-se para Emily lançando-lhe a pergunta antes de cair na risada.


- HAHAHAHAHA, POR UM MINUTO EU ACHEI. HAHAHAHA. - Estava agora de saída junto ao ajudante do carpinteiro preparando-se para voltar a doca. - QUE VOCÊ DISSE. HAHAHAHA. - Estava rindo de nervosa. - Que eu tenho que pagar dois milhões? - Seu tom de voz agora havia se abaixado e ela olhava fixamente para o aprendiz. - Mas eu devo ter ouvido errado não é? - Shaanti estava assim por na verdade estar com "pouco" dinheiro. - AHHHHH, MALDITOS. DEIXEI O DINHEIRO QUASE TODO NO BANCO E DUVIDO QUE TENHA UM BANCO AQUI. - Não, não, tenho certeza que você disse um milhão não disse. - Shaanti continuava a tentar aplicar suas "táticas de barganha" com o aprendiz enquanto voltavam pelo caminho e teria sido realmente chata nisso. - A certo, certo, agora tenho certeza de que ouvi direito. Você disse quinhentos né? Hehehe, foi quinhentos né? - E assim continuou tentando negar-se a verdade.


>>Inicio do aprendizado de Marcenaria<<


Talvez você se pergunte porque de Shaanti ter resolvido aprender isso. Bem, já que estava pagando mesmo ou teria que pagar pelo conserto do barco ela havia achado que nada mais justo que o barco possuir uma grande estátua sua de madeira. Ela também tinha certeza de que a frota da marinheira iriam sentir tanta falta dela agora que não estaria mais a viajar com eles e esse pensamento a comoveu de tal maneira que achou que era assim o seu dever fazer algo a respeito e… que melhor forma do que uma estátua gigante sua no meio do convés principal?

Shaanti iniciaria seu aprendizado inicialmente indo até a floresta circundante para arrumar uma árvore. Afinal não queria usar o material do velho para fazer algo e ainda ter que pagar por tal. Para tal tarefa teria arrastado dessa vez o aprendiz para lhe mostrar o melhor tipo de árvore para usar.

Era provável que a escultura que desejava não fosse ser possível fazer com apenas uma, mas também não planejava aprender fazendo-a e sim iria produzir algo menor para seu aprendizado. Por via das dúvidas levaria 3 árvores imaginando que essa madeira, assim como as do navio, iriam ser frágeis de mais.

Cortaria as árvores em blocos e então os levaria para a oficina sentando-se próxima ao rabujo para observá-lo e começar a repetir os seus movimentos. Pouco tempo depois a tritã havia percebido que o real problema não estaria a ser o domínio das ferramentas. Havia tido alguma prática com elas no navio agora a pouco ao ter que fazer tábuas. O problema em si se mostrava quando a sua veia artística para criar as formas.

- Parece um barco? - Shaanti perguntaria ao aprendiz após ter terminado. Essa era já sua quinta tentativa e dessa vez havia optado por esculpir um barco que era algo que conhecia bem, já que o cachorro parecia um revólver, o peixe parecia uma tábua de carne e ela não queria nem lembrar do dragão que fora descrito como uma minhoca.

- Hunn. - Foi o único aceno concordante do rabujo. Shaanti olhava para o barco em suas mãos, ainda não estava perfeito, mas era realmente parecido. Umas lixadas aqui, uns detalhes ali e ficaria realmente bom.  

- Certo, agora o cachorro de novo. - Passaria a um novo bloco de madeira e voltaria a tentar criar o cachorro, o peixe e o dragão.

>>Fim do aprendizado<<


Teria dado-se por satisfeita quando houvesse atingido os resultados ao menos medianos na criação daquelas três formas e estaria agora procurando pelo trio. Para irem embora. Bem… É claro. Havia pago os 2kk ao aprendiz do velho.

- Podemos deixar o navio por aqui? A Nanika deve vir buscá-lo alguma hora. - Falaria com o aprendiz. - Vou armar umas barracas por aqui, amanhã partimos. - Falou também para o mesmo. - Alias…. Ouvimos umas histórias de que existem grifos por aqui… É verdade? Algo similar também serve.



>>><<<

Histórico:
 
Voltar ao Topo Ir em baixo
Licia
Caçador de Recompensas
Caçador de Recompensas
Licia

Créditos : 14
Warn : Tríade Selvagem - Página 2 10010
Feminino Data de inscrição : 20/01/2019
Idade : 21

Tríade Selvagem - Página 2 Empty
MensagemAssunto: Re: Tríade Selvagem   Tríade Selvagem - Página 2 EmptySex 24 Jul 2020, 06:00



Emily ergueu as sobrancelhas abrindo a boca de surpresa, e em seus lábios logo formou-se grande sorriso alegre. - Sim! Nós precisamos de um mapa. - A garotinha compartilhava da mesma paixão de Shaanti em encontrar tesouros escondidos, então quando a tritã levantou a possibilidade de encontrar os dials enterrados na areia para Emily havia enxergado como se fosse uma incrível brincadeira, onde poderia explorar a ilha e encontrar uma relíquia, claro que essa idéia só parecia tão legal porque ela poderia fazê-la junto de Shaanti. - Roger! Você precisa aprender a cavar. - Emily devaneava feliz já tomando como realidade a busca pelo tesouro, ela cerrou os punhos ao redor do corpo em sinal de determinação e já fazia planos para a exploração. - QUACK! - Roger era contaminado pela euforia e fazia continência com a asa batendo firme a pata no chão, como se tivesse escutado e acatado uma ordem. Porém alguns instantes depois. - QUAAAAA!? - Roger demorava um pouco para processar o que Emily havia falado para ele aprender, o pato então virou o pescoço na direção da garota ficando de bico aberto de tão confuso e perplexo que estava com a "ordem" de Emily, não era possível entender o que ele "falava" mas provavelmente era algo como: Tu ficou doida é garota, como vou fazer isso? Emily por sua vez cobriu a boca com as mãozinhas e começou a gargalhar baixinho, se imaginando como uma valente exploradora vivenciando incríveis aventuras atrás do tesouro.

A realidade mostrava-se dura e cruel para a tritã que perdias momentaneamente as palavras e também assim seus sentidos pareciam ter ficados ambaralhados, ela provavelmente havia escutado errado, talvez o aprendiz de carpinteiro deve ter travado a língua na hora de falar ou então ele havia se confundido com os valores, afinal não era possível que Shaanti tivesse escutado errado certo? - Bem… É que na verdade os reparos teriam custado mais caro, mas como você ajudou com a entrega dos móveis foi possível abaixar esse valor. - De fato havia ocorrido um equívoco, mas não pelo valor dos reparos estar superfaturado e sim por Shaanti ter de pagar um valor menor em relação ao preço normal. O aprendiz não se intimidava com a atitude persuasiva da tritã, porém ele ficava muito sem graça e coçoubas costas da cabeça enquanto sorria desconsertado ao falar sobre a divida de Shaanti. - O navio ficou bem detonado durante a subida de vocês, geralmente nos barcos que chegam até aqui não ficam em condições tão ruins, e o valor dos reparos é consideravelmente menor. - O aprendiz se explicava honestamente num tom calmo para acalmar a tritã, ele também demonstrava estar um pouco cabisbaixo tendo empatia pelo problema de Shaanti. - O mestre realmente gostou de você, talvez, eu posso dizer isso, talvez podemos abaixar um pouco o preço, 1 milhão e 700 mil bellys, é realmente o menor valor que podemos cobrar sem prejuízos. - Disse o aprendiz após ter tirado alguns instantes para pensar, ele então esboçava um sorriso receoso esperando pela compreensão de Shaanti. De certa forma a negociação de Shaanti havia funcionado, definiram não dá mesma proporção que ela gostaria mas ainda sim havia economizado 300 mil bellys.

Realmente é admirável o quão Shaanti pode ser benevolente, a tritã sensibilizou-se por seus companheiros que poderiam sentir saudades de alguém tão querida quanto ela, e além pagar pelos reparos do navio Shaanti ainda se prontificou a oferecer um presente, e assim poderão sempre se lembrarem dela quando estiverem no convés principal. Realmente Shaanti é uma pessoa maravilhosa, é de comover o coração ver alguém que se importa tanto com o bem estar dos companheiros. Sniff sniff… Acho que entrou um cisco no meu olho.

Talvez o problema de Shaanti não fosse a ausência da "veia artística" mas talvez o problema todo fosse o foco, transformar um peixe num revólver, certamente essa é uma proeza e tanto para Shaanti que apenas estava praticando a algumas horas suas habilidades de marceneira, agora imagine se ela possuísse mais tempo, poderia fazer um tubarão brazuca, seria uma incrível obra prima.

Começava a entardecer quando a tritã finalmente conseguiu alcançar um nível aceitável para suas esculturas, bastante suor escorria pela testa azulada de Shaanti, de fato o esforço físico desta vez foi infinitamente menor se comparado aos reparos do navio ou transporte de móveis, contudo o problema era toda a concentração que Shaanti precisou para esculpir entalhos mais sofisticados na madeira, e isso havia sido bem desgastante, principalmente pelas madeiras da ilha do céu serem "extremamente frágeis" a ponto de quebrarem com qualquer "forcinha" extra feita pela tritã, felizmente as árvores escolhidas por Shaanti era muito altas e possuíam uma enorme quantidade de madeira.

- Grifos!? - O aprendiz levou a mão no peito assustado e começou tremer ao escutar Shaanti falar do animal que até então só existia nas lendas. - Nas montanhas… Mas não vá atrás deles senhorita Shaanti, eu sei que você é muito forte, mas alguns animais que voam acima daquelas montanhas são perigosos, há lugares que ninguém de Olympo ousa cruzar. - O aprendiz parecia estar diante uma assombração, contando alguma história, porém era ele quem ficava com os joelhos tremendo de medo, não dava para saber se o aprendiz realmente acreditava na existência de animais mitológicos ou se eles de fato existem na ilha, a única coisa real era o terror do aprendiz em relação as montanhas no céu.

- Voltamos Shaanti! - O grito serelepe de Emily era escutado de longe. - Me des-desculpe se eu a assustei, podem passar a noite aqui, e não se preocupe com o navio, eu e o mestre tomaremos conta dele até a comodoro retornar. - O aprendiz se desculpava as preças mas sem querer ser grosseiro ou desrespeitar Shaanti, e acabava atropelando as palavras e tropeçando nos próprios, se atrapalhando todo enquanto se despedia, pedia desculpas, oferecia ajuda, então ele curvou-se em uma reverência respeitosa e retornou para sua casa. - QUAAACK! - O pato brandou heroicamente para Shaanti, ele batia a asa no peito orgulhoso de si por trazer as crianças em segurança, querendo mostra para a tritã que havia feito um ótimo serviço. - Olympo é bem diferente do que eu imaginava, quer dizer é uma ilha no céu, mas é tão parecido com Panthehorn, posso jurar que até vi uma agência do banco mundial aqui. - Gutinho falava com Shaanti mas não estava totalmente imerso em seus pensamentos, a ponto de parecer que conversava consigo mesmo. - Toma, o povo daqui do céu é realmente muito, muito legal. - Emily havia retornado com outra trouxa de pano, desta vez com uma marmita contendo bolinhos de arroz e carne bovina cortada em cubos com molho, o trio parecia bem alimentado, realmente aquela garota possuía algum tipo de poder para atrair comida.


____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Furry
Game Master
Game Master
Furry

Créditos : 54
Warn : Tríade Selvagem - Página 2 10010
Masculino Data de inscrição : 27/03/2015
Idade : 28

Tríade Selvagem - Página 2 Empty
MensagemAssunto: Re: Tríade Selvagem   Tríade Selvagem - Página 2 EmptySab 25 Jul 2020, 15:37





Finalmente. Exploremos.

6


Os olhos da Tritã piscavam enquanto ela observava a súbita empolgação de Emily. Ele levou a sério. - Havia brincado ao falar sobre o X, mas em sua brincadeira havia ignorado a verdadeira idade de Emily, que embora fosse muito madura em alguns aspectos era ainda uma criança sonhadora em outros e assim, com aquela empolgação logo começava a se ver contagiada e animada com a ideia de uma simples caça a tesouros os quais nem precisam ser moedas de ouro, mas sim qualquer coisa nova que pudessem gastar o tempo se divertindo enquanto esquecem das responsabilidades da vida. Precisarei arrumar uma pá. - Hehehe, vai precisar cavar bastante Pato, iremos dedicar os dias a aperfeiçoar sua técnica. - Estaria orgulhosa de Emily naquele instante, mesmo que a jovem não houvesse feito de forma proposital ainda havia arrumado uma forma para Shaanti se divertir com os treinamentos da dupla. - Talvez, quem sabe você até possa desenvolver uma técnica de salvamento triunfal com essa habilidade. - Tentou incentivá-lo ao esforço.


>><<

Pobre era o jovem aprendiz que tentava justificar para a Tritã os custos do conserto, suas palavras uma a uma iam apenas afundando-o mais em seu destino. - Então o navio ficou bem detonado é? Então você tá dizendo que a culpa é minha AHNNNN? QUE É PORQUÊ NÃO NAVEGUEI DIREITO QUE ELE FICOU PIOR AHNNN? - Shaanti como navegadora havia sentido-se diretamente ofendida pelos comentários do pirralho. - ACHO QUE GOSTAREI DE VER VOCÊ FAZENDO MELHOR, VOCÊ FARIA MELHOR AHNN? - A vontade de Shaanti era de chutar o pirralho para fora do céu apenas para vez se ele chegaria ali vivo novamente… bem, talvez ele morresse na queda, mas.para a Tritã isso não era uma desculpa aceitável. - Você tem sorte de pirralha estar por aqui. - Shaanti não estava naquele momento socando bom senso dentro da cabeça do aprendiz única e exclusivamente devido a existência de Emily. - Em outros tempos teria espetado essa cabecinha em um arpão. - Começou a marchar em frente tendo aceitado seu destino de pagar por um concerto de um navio que sequer era seu.


>>Depois do aprendizado.<<


- Sim, Grifos, algo assim nada parecido com aquele pato folgado. - Shaanti confirmava o que desejava ao ver a retruca surpresa que o aprendiz lhe havia dirigido e tentava garantir que não acabasse de alguma forma terminando com um outro pato, já que sua última busca por uma fera selvagem havia resultado nisso. - OHHHH, então realmente há algo assim? - Shaanti não havia ouvido qualquer parte da advertência, tendo o seu cérebro parado de processar a voz do aprendiz após a confirmação da existência de algo nas montanhas. - Hehehe, bom bom, isso vai ser bom. Acho que com um desses vou até poder descer daqui sem um navio. - Já começava a sonhar com o futuro onde ''cavalgava'' sobre uma criatura alada, perspectiva que nunca antes havia possuído na vida, mas que com aquelas informações fortalecia-se entre os seus desejos.

- ÓOOO, VOLTARAM. VEJA, ELE DISSE QUE DEVE TER GRIFOS SIM, NÃO É UMA EXCELENTE NOTÍCIA PIRRALHO? - Dizia em alto e bom som achando que Gutinho se sentiria mais motivado a se fortalecer com essas notícias. - MAS PRA TER UM VOCÊ NÃO VAI PODER VIRAR COMIDA DELE. - Grifos comem gente né? Digo, carne? - Perguntou ao aprendiz ao lado. Mas se  mesmo já não estivesse ali. - Pra onde ele foi?

- Sim sim, ótimo trabalho Pato, continue assim e não te uso de alimento pro Grifo. - Como sempre Shaanti soaria extremamente motivacional para com seus aliados.

Mas então Gutinho falava sobre a possível existência de um banco, o qual Shaanti duvidava muito já que… Bem, era só ver como era a única forma de subida para se chegar ali para se perceber que seria muito provavelmente dispendioso demais construir algo assim. - Você deve ter visto outra coisa. - Recebia então de Emily a "marmita". - Bem a tempo. - Afagaria a cabeça da pirralha parabenizando-a dessa vez por ter trazido comida. - Que tal irmos descansar pra amanhã caçar alguns tesouros? - Shaanti ainda tinha os planos de produzir uma estátua, mas não via porque apressá-los de modo que se permitiria a diversão por alguns dias.


- Arrumem as barracas já que voltaram. - Sentar-se-ia em algum lugar para comer o que Emily havia lhe trazido e se preparando na sequência para ir dormir, planejando levantar cedo no dia seguinte para começarem a se aventurar pela ilha.

>>No dia Seguinte<<


Buscaria levantar cedo acordando o trio encrenca se já não estivessem de pé, os planos para o dia eram simples; andar por aí. - Hora de buscar pelos X. - Brincou com Emily, pois mesmo que se não encontrassem nada do tipo ainda poderiam aproveitar o dia na praia, nadando, ou mesmo buscando lagos e cavernas em locais mais remotos.


>>><<<

Histórico:
 

____________________________________________________



[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]


Voltar ao Topo Ir em baixo
Licia
Caçador de Recompensas
Caçador de Recompensas
Licia

Créditos : 14
Warn : Tríade Selvagem - Página 2 10010
Feminino Data de inscrição : 20/01/2019
Idade : 21

Tríade Selvagem - Página 2 Empty
MensagemAssunto: Re: Tríade Selvagem   Tríade Selvagem - Página 2 EmptySeg 27 Jul 2020, 02:59



Se Shaanti possui algum super poder provavelmente seria o de atormentar e pentelhar as pessoas e pato a sua volta, ou talvez a tritã tenha uma ótima invasão de treinadora infernal, onde até mesmo o simples ato de cavar tornava-se um rigoroso treinamento em potencial, e até mesmo Emily era vista aos olhos da tritã ruiva como uma auxiliar de treino.

E o aprendiz tão solidário e prestativo era vítima das vilanias de Shaanti, ela da maneira que quis interpretou as palavras ingênuas do aprendiz e tornou aquilo como verdade absoluta, definitivamente aquele não era um comportamento fácil de ser lidar. - Nã-nã-não, d-de forma alguma eu quis falar isso. - O pobre aprendiz ficava vermelho como um tomate e começava a balançar as mãos na frente do rosto tentando se justificar. - E-eu estava me referindo a outros fatores. - As palavras haviam se tornado difíceis de serem proferidas pelo aprendiz, a pressão psicológica imposta por Shaanti o deixava com a mente embaralhadas. - Em momento algum eu quis ofendê-la senhorita Shaanti, eu achei que o geyser pudesse ter sido mais forte do que o normal, f-fo-foi só isso. - O aprendiz não ficava com medo das ameaças, o pior para ele era poder ter magoado a tritã e por isso tentava se justificar mesmo com dificuldade, apesar de que Shaanti possa não compreender isso, afinal ela ficou profundamente ofendida.

>><<

Gutinho coçou a lateral da cabeça confuso. - Mas tinha até um letreiro escrito Banco, banco dos sonhos ou algo assim. - O garoto olhava para baixo pensativo. - Aaaaaahhhhh! É uma confeitaria, a dona de lá é muito legal, foi ela que me deu os doces mais cedo. - Gutinho então aceitava que havia interpretado a situação erroneamente.

Ao escutar dos grifos Gutinho congelou, suas mãos começaram a tremer, e em sua boca formou-se um largo sorriso de empolgação. - Yes! - Ele cerrou os punhos ficando de olhos fechados e começou rir com os dentes á mostra. - É sério mesmo? Podemos mesmo ter um grifo aqui no céu? - Gutinho estava maravilhado com a descoberta era difícil para o garoto acreditar em algo tão "mágico". - Eu devo tá sonhando, alguém me beslica. - Os olhos de Gutinho estavam arregalados e brilhavam encantados, ele ficava um pouco distante sonhando acordado cavalgando em seu grifo pelos céus. Até que… - AIIII! Era jeito de falar Emily. - Gutinho massageava seu braço fazendo beicinho para a garota, Emily por sua vez apenas deu ombros inclinando o rosto para o lado sem entender a reclamação, afinal ela fez o que Gutinho pediu. - Mas, ué! - Exclamou Emily confusa.

Então Shaanti atacava novamente com sua malvadeza, Gutinho foi murchando e encolhendo os ombros, ele parecia menor e mais franzino, e o espírito da vida parecia escapar de seu corpo… - Calma, calma, ela não falou sério. - Emily consolava seu amigo com alguns tapinhas nos ombros, e aos poucos Gutinho ergueu seu olhar recobrando os últimos filetes de esperança. - Eu acho… - Emily torcia a boca desviando o olhar, ela não era realmente boa em mentir, ou esconder a verdade… Então Gutinho caiu desiludido com os joelhos no chão e começou a desenhar círculos na areia com o dedo indicador, bastante depressivo, se imaginando agora sendo devorado por um bando de grifos famintos. Emily então se enfureceu, inflou as bochechas de ar e estufou o peito, virando na direção de Shaanti e cruzou os braços batendo a ponta do pé no chão repetidas vezes. - Tá vendo o que você fez? Pede desculpas! - A garota não percebia que havia agravado a situação do garoto, e simplesmente jogava a culpa em outra coisa, nesse caso em Shaanti, afinal foi a tritã que deixou Gutinho assustado primeiro. Onde será que eu já vi isso…

>><<

O dia então amanhecia em Olympo o quarteto havia tido uma noite tranquila sem grandes comoções, e o aprendiz de carpinteiro levava o café da manhã para a trupe, era simples, pão caseiro, chá a um pouco de leite, ele ainda estava encabulado por ter magoado a tritã na tarde anterior e seria sua maneira de pedir desculpas. - Você vai mesmo nas montanhas senhorita Shaanti? - O aprendiz estava mais calmo e conseguia conversar normalmente agora que o impacto inicial havia passado.

>><<

Após a conversa com o aprendiz, ou não. Já na praia não muito longe de onde acamparem o quarteto caminhava, talvez uns mais empolgados que outros. - Caçar o X! Caçar o X! - Emily cantarolava serelepe, mesmo que soubesse que o X não estaria desenhado ou pintado em algum canto, a garotinha estava se divertindo apenas por estar em uma "aventura" com seus amigos. - QUACK! QUACK! - Roger por sua vez acompanhava a cantoria de Emily enquanto marchava animado ao lado dela. Gutinho estava mais vivido em comparação ao dia anterior, mas não feliz o suficiente para cantarolar, talvez os ouvidos da tritã agradeçam por isso.

Não teriam encontrado um grande tesouro, ou algo de enorme valor, algumas moedas, uma pulseira e dois anéis, provavelmente algum celestial havia perdido enquanto aproveitava o dia na praia, mas nenhum dos acessórios aparentava ser caro, provavelmente eram bijuterias, apesar de ficar um pouco desapontada com os "tesouros" Emily se divertia na companhia de Shaanti encontrando os pontinhos brilhantes na areia, havia também muitas conchas espalhadas na areia, coloridas de tamanhos diferentes, mas nenhum dial.

Roger estava nadando no mar do céu composto por nuvens, afinal ele é um pato e patos gostam de ficar na água, apesar de serem nuvens… Ele acompanhava o ritmo do grupo, porém, um objeto não reconhecível parecia nadar pela correnteza abaixo da água, provavelmente um peixe? Roger então decidiu adiantar o almoço e foi pescar, ele afundou primeiro a cabeça e mergulhou, alguns segundos se passaram sem que o pato retornasse a superfície. - Shaanti… - Emily puxava a calça da tritã. - Esse mar tem fundo? - Ela perguntou curiosa, afinal eles estavam no céu e abaixo deles eram longos quilômetros de queda livre, talvez não seja uma boa idéia mergulhar ou explorar cavernas submersas.

Mas para a in felicidade de Shaanti, o pato voltava a superfície das nuvens. - QCKK! QCKK! - Ele se debatia espalhafatosamente e nadava esbaforido até a areia, Roger então correu em direção ao grupo a cabeça dele estava meio azulada sem ar. - Ele tá engasgando! - Emily exclamou horrorizada, a garotinha correu na direção de Roger para ajudá-lo, porém Gutinho foi mais rápido e começou a apertar a barriga de Roger o abraçando pelas costas. Roger então cuspiu uma concha comprida e espiralada de cor vermelha, com cerca de 10cm, lembrava um dial mas a função era totalmente desconhecida. - QUA! QUA! QUA! - O pato parecia brigar com a concha na areia e então deu um chute fazendo a concha voar longe, mas para a infelicidade da ave a concha ia direção do rosto da tritã mais calma e compreensiva do mundo todo **ironia**, vulgo Shaanti.

O pato respirava aliviado sem perceber que sua vida poderia estar muito mais ameaçada agora. - Roger! Você não pode sair comendo qualquer porcaria. - Emily repreendia o pato, mas logo acariciava as costas dele, ficando feliz por seu amigo estar bem.



____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Furry
Game Master
Game Master
Furry

Créditos : 54
Warn : Tríade Selvagem - Página 2 10010
Masculino Data de inscrição : 27/03/2015
Idade : 28

Tríade Selvagem - Página 2 Empty
MensagemAssunto: Re: Tríade Selvagem   Tríade Selvagem - Página 2 EmptySeg 27 Jul 2020, 14:22





Exploração

7


Velhos hábitos ficam realmente agarrados ao ser e são verdadeiramente difíceis de se perder. Shaanti é e sempre havia sido alguém difícil de se conversar, uma tritã que sempre havia sido mais apta a resolver as coisas com seus punhos do que com sua boca e esse era um dos principais motivos. Ela possui um ego sensível e um perverso prazer em ver o desespero alheio essas duas coisas somadas a sua inaptidão proverbial tornaram-na o terror daqueles que pouco sabiam se expressar. - Hnmm, sei… Outros fatores… - Seus olhos estreitaram-se na direção do aprendiz enquanto considerava se aceitaria ou não aquilo. - Certo, mas você vai ficar me devendo um favor. - Porque? Bem, simplesmente assim era porque assim ela queria.  


>><<

- PEDIR DESCULPAS PELO QUE? TÁ MALUCA? É uma dúvida genuína. Um grifo não deve ser que nem esse pato aí afinal… Que que ele come mesmo? Se vamos ter um temos que saber com o que alimentar ele e se o pivete aí não se esforçar pode acabar virando a comida. Eu não disse que usaria ele de comida… Talvez eu use o pato, MUAHAHAHAHAHAHAHA. - Obviamente ela não poderia terminar de se explicar sem alguma ameaça a alguma criatura viva. - CERTO, CERTO, ESTOU BRINCANDO, NÃO..NÃO, HAHAHAH, USARIA O PATO. - Então completaria baixinho. - Não deve ser saboroso mesmo. - Com isso ela queria dizer que talvez até fizesse mal.


>>No dia seguinte<<


- Vou, mas não hoje, mas iremos. - Os grifos ou o que quer que lá existisse estava lá por centenas de anos, não seria um dia ou uma semana a mais que mudaria isso, ao menos Shaanti assim esperava. - Hoje vamos andar por aí. Eles tiveram uns dias estressantes acho que podemos vadiar um pouco antes de tudo. - Por baixo de toda a postura cruel ela na verdade se importava mesmo com Emily e Gutinho… Com o pato nem tanto. - Vou deixar algumas coisas por aqui até decidirmos o que fazer e espero que você cuide direito delas. - Esse seria o "favor que o aprendiz estava lhe devendo". Assim somente com algumas poucas coisas, como suas armas, água, faca e fósforos do material de acampar, além do dial de luz e o coral que permitia respirar embaixo d'água sairia após o café da manhã. Se não possuísse tudo em suas coisas pediria para Emily pegar com o Aprendiz. - Pega o que faltou com o Pirralho 2 pra podermos ir.

- Não vamos atrás de nada perigoso hoje, então se não quiser mesmo virar comida é melhor parar de ser fresco.  - Falaria com Gutinho enquanto caminhavam pela praia. - Só… não cante. - Olharia com a testa enrugada na direção da dupla de idiotas que saltitava alegres a frente.

- Bem… Alguns pontos talvez, afinal tem montanhas que começam nas nuvens… Mesmo que não faça nenhum sentido. Mas… hehehe, em outros não tem não, mas não se preocupe tenho certeza que ele aprende a voar mais fácil do que cavar. E assim que terminava de falar o maldito pato sortudo voltava a tona. - Viu? Não precisa se preocupar. Idiotas tem muita sorte. - E como se para dar razão às suas palavras o pato mostrava ser realmente um idiota.

Shaanti ao ver o projétil ergueria a mão para apará-lo. E eu achando que ele era inútil. - HAHAHAHA, BOA SEU PATO IDIOTA, VOCÊ ACHOU UM. - O pato havia se safado por sua idiotice. - CERTO, AGORA VÁ LÁ E ENGULA MAIS DESSAS PRA MIM.

- Não, não Emily, não repreenda ele, ele foi ótimo. - Shaanti completamente tomada por interesse estava na verdade feliz com o pato. Não tá feliz só pra contrariar a narrador, ela é do contra pra tudo mesmo. - Agora ele só precisa achar mais uma centena dessas, hahaha. - Shaanti tinha a concha em mãos pondo-a à frente dos olhos para "estudá-la", mas como isso não combinava muito com ela logo estaria a procurar um "botão" para ativá-la e descobrir por experimentação o que é que ela faz, procurando é claro não apontá-lo na direção de Emily ou até mesmo do seu precioso Pato pescador de Dials.

Após testá-lo, fosse o resultado qual fosse ela declararia ser hora de "pescar". Comandária Gutinho e o pato a catar lenha e tentar fazer algum fogo enquanto ela e Emily iriam nadar/pescar. - Aqui, põe na boca e vê se consegue respirar. - Pediria para Emily testar o colar antes de pô-la em suas costas e começar a caminhar para dentro do mar.

Mergulharia com cuidado e devagar, buscando ir costeando a rocha que formava a terra da ilha, pois imaginava que se fosse haver algo para encontar seria nesta região. Usuaria das mãos para se guiar se a visibilidade fosse ruim e se desconfiasse sobre o fundo usaria de um dos pés esticando-o para baixo para sentir antes de prosseguir, mas de toda forma evitaria descer demais, pois se imaginava que o Pato poderia aprender a voar não supunha o mesmo de si.

Todavia a caçada em si era somente uma desculpa para se divertir e nadar com Emily, Shaanti por sua vez não teria se atido somente a procurar os dials como também teria nadado junto a peixes diversos para que a pirralha pudesse vê-los, além é claro de se manter atenta a peixes que estiverem muito cheios de si e pudessem tentar vê-las como uma refeição fácil. Se isso acontecesse não se acanharia em dar um belo de um murro quando se aproximasse.




>>><<<

Histórico:
 

____________________________________________________



[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]


Voltar ao Topo Ir em baixo
Licia
Caçador de Recompensas
Caçador de Recompensas
Licia

Créditos : 14
Warn : Tríade Selvagem - Página 2 10010
Feminino Data de inscrição : 20/01/2019
Idade : 21

Tríade Selvagem - Página 2 Empty
MensagemAssunto: Re: Tríade Selvagem   Tríade Selvagem - Página 2 EmptyQua 29 Jul 2020, 19:54


O nobre herói estava a consolar seu companheiro seu companheiro sem forças no relento, afinal é o que se esperaria de um valente e nobre guerreiro com sua capa vermelha esvoaçando ao vento Roger dava alguns tapinhas nas costas de Gutinho. - QUAQUA! QUAQUAQUACK! QUACKQUACK! QUAAACK! - Ele parecia fazer um discurso motivador batendo no peito estufado e rosto erguido querendo dizer que cuidaria de qualquer ameaça, até que… - QUAAAAAA!? - O pato virou-se assustado para Shaanti ao ouvir que a vilã "tritãnesca" iria usá-lo de isca. - QUACK! QUACK! QUACK! - O nobre herói então reunia coragem para confrontar a maligna Shaanti, Roger batia as asas e ficava pisoteando o solo esbravejando seu descontentamento, ele realmente não gostou de ouvir que poderia causar uma má indigestão se fosse devorado, e parecia estar disposto a provar Shaanti do contrário… Acho que ele não entendeu direito o que isso significaria, e só queria discordar da tritã sem pensar nas consequências.

>><<

Os ventos da má sorte continuavam a soprar contra o valente herói de capa vermelha, que após escapar da morte era coagido por sua algoz a enfrentar novamente o perigoso mar de nuvens para "pescar" mais dials. - QUAA!? - Exclamou incrédulo diante o egoísmo da tritã que só pensava em reunir artefatos, mesmo que isso custasse a queda de um aliado tão digno. - QUACK! QUACK! QUACK! - Roger tentava dialogar com a vil tritã, mesmo que as chances de comovê-la sejam menores do que zero.

Preocupando-se em apenas não apontar o dial na direção de Emily, Shaanti acabou por apontar a concha contra Roger e Gutinho que por não saberem o que o dial fazia se abaixaram cobrindo as cabeças. - Esse treinamento infernal não tá indo longe demais? - Gutinho questionou a intenção. - QUA! QUACK.- O pato também era incapaz de compreender se havia sido proposital ou não.

Então um barulho de algo sendo destravado era ouvido, como se houvesse alguma coisa travando o mecanismo, a dupla ao chão fechou os olhos e começou a tremer, e… Um pequeno jato de nuvens/água saiu da concha caindo a poucos centímetros na frente da tritã. - Estamos no céu? - Questionou Gutinho ao acreditar que sua curta vida havia se encerrado.

E da concha era possível escutar o batuque de tambores, mas o som estava abafado, como se os tambores estivessem distantes, e uma melodia começou a tocar, era semelhante ao som de uma flauta, a música não era feita por instrumentos refinados e sim por algo mais tribal, mas não que algum dos ali presentes pudesse discernir tal peculiaridade. Então uma profecia era contada em forma de poema pelo dial. *Quando a grande chama ao apogeu. Fazendo cair a ponta da terra que estremeceu. O rugido das feras desapareceu. E do alto topo o governante se ergueu.* A voz era de uma única pessoa, que quando escutada não havia mais o som da flauta apenas os tambores abafados ainda tocavam. A voz tinha um sotaque primitivo mas era compreensivo.

Emily, Gutinho e Rogers pararam e começaram a escutar aquela mensagem em volta de Shaanti, a reação dos três era bem parecida, primeiro olhando para o Dial e em seguida para Shaanti, como se perguntassem para a tritã qual o significado daquilo.

Olhando melhor era possível ver que o dial possuía algumas dezenas de anos, provavelmente mais de um século e pequenas rachaduras espalhadas na concha, e uma grande ranhura que percorria toda a superfície, o botão quando apertado emperrou e continuou tocando a melodia por quase 3 minutos até voltar a conformação original.

>><<

Chegava a hora em que as barrigas começavam a roncar novamente de fome, o sol logo acima de suas cabeças indicava ser por volta de meio dia e caçadora do mar azul se aventurava a pescar no mar branco, os conhecimentos assim como a vivência não lhe foram muito úteis no mar de nuvens, a praia era turva e esbranquiçada afinal era feita de nuvens, e isso obrigava a Shaanti a se aproximar muito dos peixes para sequer conseguir enxergar a silhueta, e animais marinhos fugiam quando sentiam a tritã se aproximando.

Emily por sua vez mergulhou junto de Shaanti, mas a garota possuía outras intenções, ela ficava maravilhada com os peixes diferentes que nadavam próximo de si sem temê-la, mesmo com a visibilidade ruim os peixes eram bem coloridos, de formato alongado e achatado como se fosse uma faixa, ou então um largo tapete fino, esses não pareciam ter muita carne, e Emily ficava bastante tempo submersa pois o coral funcionava melhor no mar branco se comparado ao mar azul, devido a maior quantidade de oxigênio presente nas nuvens.

Então que um grande peixe era identificado, a diferença entre ele os demais espécimes visto até então era discrepante, esse tinha um formato oval, com cerca de 3m de tamanho e nada com o auxílio de uma cauda nas costas. A tritão jamais deixaria um peixe tão grande e provavelmente com bastante carne escapar, Shaanti avançou ferozmente contra o peixe que nadava despreocupado, e acertou um soco na barriga do peixe. - FUIIIIIIIIIiiiiiiinnnnn……- Semelhante a uma bexiga o ar começou a extravasar pela boca do peixe, que era empurrado para trás enquanto "encolhia" deixando um rastro de ar por onde serpenteava até desaparecer de vista.

A pescaria talvez não havia sido das melhores, Shaanti conseguiu apanhar 6 peixes compridos, entre 30-45cm de comprimento, e 15 de largura, todos da mesma espécie, achatados e "enrugados" parecido com algas marinhas do mar azul. - Isso é de comer? - Perguntou Emily enquanto coçava as costas da cabeça. Roger por sua vez farejou os peixes e parecia querer devorá-los ali mesmo, já abrindo o bocão para querer engolir alguns.

Os pertences de Shaanti estavam secos pois Gutinho havia ficado com eles, principalmente os fósforos enquanto a tritã mergulhava, e o restante estava na residência do carpinteiro pois o aprendiz certificou-se de cuidar deles, pois não seria problemático.


____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Furry
Game Master
Game Master
Furry

Créditos : 54
Warn : Tríade Selvagem - Página 2 10010
Masculino Data de inscrição : 27/03/2015
Idade : 28

Tríade Selvagem - Página 2 Empty
MensagemAssunto: Re: Tríade Selvagem   Tríade Selvagem - Página 2 EmptyQui 30 Jul 2020, 12:40





Exploração

8


- Não seja egoísta, vamos lá Pato. Você tá pensando só em você mesmo. O pirralho tá aqui pra te salvar sempre que precisar. - Shaanti esfregava as mãos de forma Vil enquanto tentava persuadir o pato a continuar nadando e engolindo Dials para trazer para ela.

- Acho que to esperando demais de você afinal. - Aceitou que o pato não faria parte do esquema e dedicou-se a descobrir o que aquele dial fazia. …. - Olhava para a nuvem misturada a água que caiu impotente no chão sem saber o que sentir quanto a isso. - Sim, estamos. - Respondeu Gutinho, afinal estavam realmente no céu. Estava pronta para ir até a dupla e fazê-los se levantar como homens quando a música começou a tocar fazendo com que Shaanti erguesse a concha próxima a altura dos olhos e começou a movê-la estudando ao menos até o poema misterioso começar a ser entoado.

Poderia parecer estranho que ela imediatamente pensasse que se tratava de algum mistério ao invés de simplesmente pensar que alguém havia gravado qualquer coisa ali? Mas acontece que a vida de Shaanti junto a Emily não poderia ser outra coisa senão esse amontoado de coincidências proféticas que acabavam sendo constantemente jogadas na sua cara, afinal a própria primeira aventura que ela e Emily tiveram juntas havia sido um pequeno cervo que as havia guiado, então… Seria assim tão estranho que está fosse cuspida por um pato? - Se fosse a voz do teu pai eu teria ficado realmente assustada. - Shaanti não pensava ainda nas palavras, afinal mesmo que o fizesse tinha certeza que não entenderia nada e por isso apenas sentiu-se aliviada por não ser a Voz de Dio RedHeart.

- Estão olhando o que? - Comentaria ao trio expectante. - Você não vive dizendo que eu sou só músculos? - Implicou com Emily. - Já que você é o cérebro. - Abaixou a mão com o dial ofertando-o para Emily. - Toma aqui. - Esperava que a pirralha pegasse. - Agora você tem o X. - Seu sorriso cresceu com a metáfora dita. Tinham o seu mistério que poderia ser nada ou que poderia ser algo, no final talvez houvesse achado uma antiga canção de alguma civilização o que também já seria uma aventura que poderiam ir atrás.

>><<

- É peixe. - Respondeu para Emily sobre a possibilidade de comer o que pescaram ao mesmo tempo que precisava erguer o pescado para evitar que o Pato o comesse Cru. - Hehehe, que bom que se ofereceu para assá-los. - Patos podiam assar peixes não podiam? - Agora que Delgado não tá mais aqui a gente precisa mesmo de um novo cozinheiro. - Era uma ideia completamente idiota, mas talvez Shaanti estivesse se encontrando afetada pela convivência ou estava apenas a implicar com o pato.

Iria deixar os peixes com Gutinho. - Aqui, segura, vou fazer uns espetos. - Shaanti usaria de suas mais novas habilidades de trabalho em madeira para fazer alguns espetos. Iria as árvores próximas onde quebraria alguns galhos e usaria a lâmina do seu arpão para moldá-los.

- HAHAHAHA, CERTO, HORA DE EMPALÁ-LOS. - Vibrou com voracidade e de forma ameaçadora com os espetos em mãos como se eles fossem na verdade estacas e os peixes fossem inimigos abatidos pelo seu imenso poder. - ASSIM QUANDO PENSARAM DUAS VEZES EM CRUZAR O MEU CAMINHO, HAHAHAHAHAHAHA. - Ria de forma Tritãnesca.

Espetaria os peixes e cravaria as madeiras ao redor do fogo que era para ter sido feito por Gutinho.Disporia os 3 primeiros espetos em círculos ao redor do mesmo encostando-os no centro acima das chamas como se fossem um tripé. Os outros 3 dividiria com Gutinho e Emily para que sentados ao redor do fogo pudessem ficar assando-os como marshmallows de peixe. Se o pato mostrasse querer participar entregaria o seu espeto para ele e ficaria responsável por cuidar dos três cravados na areia virando-os eventualmente, por estarem talvez mais altos esses iriam ficam mais defumados e demorarassem bem mais para assar, mas para descobrir ela se veria obrigada a provar usando do arpão como faca para retirar um pedaço e ver.

Enquanto assavam e comiam iria puxar conversa com Emily. - A gente pode ir tentar encontrar de onde esse dial pode ter vindo. Talvez achar rios próximos daqui e ir subindo por eles, talvez existam algumas ruínas com outras velharias e é claro…. Ouro antigo, hehehe, seria ótimo encontrar ouro.

Comeria e dividiria a água entre eles. Não estava exatamente com pressa, mas por fim quando terminasse iria jogar no mar o que houvesse sobrado dos peixes e chamaria o grupo para seguir pela praia mais afundo na tentativa de encontrar algum rio que desembocava no mar, pois seu lado lógico lhe dizia que isso poderia ser o mais provável que houvesse acontecido para que a concha houvesse chegado até eles.

A possibilidade, mesmo que altamente remota de encontrar ouro antigo a havia feito esquecer completamente dos planos de um dia de relaxamento na praia. - VAMOS LÁ BANDO DE INÚTEIS, VAMOS ENCONTRAR ESSE TESOURO. - O mais provável ainda era que não encontrasse nada.  



>>><<<

Histórico:
 

____________________________________________________



[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]


Voltar ao Topo Ir em baixo
Licia
Caçador de Recompensas
Caçador de Recompensas
Licia

Créditos : 14
Warn : Tríade Selvagem - Página 2 10010
Feminino Data de inscrição : 20/01/2019
Idade : 21

Tríade Selvagem - Página 2 Empty
MensagemAssunto: Re: Tríade Selvagem   Tríade Selvagem - Página 2 EmptySeg 03 Ago 2020, 07:00


Diferente do que Shaanti poderia esperar o pato Rogers não reclamava ficava receoso com a intimação feita pela tritã a respeito dele cozinhar os peixes. - QUACK! QUACK! - Ele batia a com a asa no peito puxando a responsabilidade para si, mas então a asa escorregava até a barriga e Roger lambia o bico, com seu olhar ficando distante, provavelmente imaginando o sabor dos peixes. . - Eu quase posso ver os pensamentos dele. - Emily comentava um pouco incrédula pela falta de sutileza demonstrada por Roger ao tentar disfarçar o interesse por comer o almoço e falhar miseravelmente.

- Shaanti! Para de brincar com a comida, a gente com fome aqui. - Emily resmungava sentindo a barriga ronca fazendo-a massagear o abdome, enquanto Gutinho e Roger acenavam em afirmação com a cabeça, concordando com Emily, atitude que tirava todo o peso do devaneio sanguinário da tritã, empalando os corpos dos inimigos sem vida, poderia até render algumas risadas de Gutinho e do pato, se eles não estivessem com fome.

E quanto ao peixe, bom, ele tinha gosto de peixe, e é isso, foi assado com espeto e fogo, sem nenhum tempero ou algo do tipo, o peixe que mais parecia uma alga marinha não tinha muita carne, então não enxia a barriga, talvez fosse servido como um apertivo mas não poderia ser considerado um almoço, porém apesar da falta de técnicas refinadas durante o preparo, o peixe por si só tinha um sabor agradável e mais marcante do que a maioria dos peixes no mar azul, ele foi assado bem rápido precisando de apenas alguns minutos para ficar com a pele sequinha e crocante, fazendo soar uns *crock! crock! crock!* enquanto mastigavam. - Se o Delgado tivesse aqui aposto esse peixe ia ficar com o sabor ainda melhor. - Emily comentava mas sem soar como reclamação ou afronta, era apenas a sensação de que faltava algo para o peixe ficar realmente delicioso de se comer. - Será que eles custam caro no mar azul? Emily pensava alto, aquela poderia ser uma dúvida pertinente afinal era uma iguaria exótica em qualquer outro local.

Após o grupo terminar de comer Shaanti se desfazia do que havia sobrado dos peixes assim como dos espetos que eram finos galhos de árvores. - VAAMOS! Em busca de um X ainda maior. - - Vamos capturar os grifos! - Enquanto Shaanti era motivada pela ganância do ouro antigo, Emily deseja por mais aventuras, e Gutinho por sua vez queria ir atrás do grifo. - QUAAAAAAACK! - E o Roger viu todo mundo comemorando e gritando, e decidiu imitar.

O grupo deixava a praia em busca de um rio que desembocasse na praia e pudesse levar até a origem do dial. - Grande chama… Grande chama… - Emily segurava o dial com bastante cuidado usando ambas as mãos, afinal havia sido um presente de Shaanti, e a garotinha tentava decifrar o enigma, repetindo o cantitico diversas, pelo visto ela não gostou de ser esnobada por Shaanti no fim das contas. Emily enrugava a testa, fazendo um zumbido pensativo. - Pode ter sido um incêndio? Talvez um incêndio grande o suficiente pra fazer as chamas subirem, então os animais fugiram em debandada do fogo? Isso talvez explique a terra tremendo e o barulho das bestas desaparecendo, mas o que o governante teria haver com isso….- Da cabeça de Emily quase saía fumaça, e a garotinha massageava as têmporas tentando decifrar aquela profecia.

- Olhando melhor agora para o dial, acho que papai não teria como ter gravado nada aqui, ele parece ser bem antigo, e não funciona direito, talvez essa rachadura maior tenha feito ele dar algum defeito, e ela parece ser tão antiga quanto o dial. - Emily que havia ficado sem saber como responder a tritã quando a mesma comentou de seu pai, agora retornava ao assunto após ter analisado e descoberto um pouco a história da concha. Shaanti poderia notar que Emily ficou um pouco mais relaxada por descartar a possibilidade de seu pai estar envolvido com a mensagem na concha, talvez assim ela pudesse simplesmente se divertir em uma aventura, e não ter que ficar se preocupando com tudo, com medo de perder alguma mensagem.

Após mais de meia hora caminhando na costa o grupo se deparou com uma cordilheira alta de duas montanhas rochosas, e o rio passava pelas duas montanhas e chegava no mar, provavelmente a nascente ficava no topo de alguma delas, mas seguir pelo rio seria possível apenas nadando contra a corrente, ou então se arriscando a escalarem as montanhas rochosas e íngremes.

Entretanto havia uma trilha que parecia contornar a montanha mais próxima do quarteto, se seguissem pela trilha veria o solo mudando drasticamente, de nuvens fofinhas compactadas, para uma terra seca e rochosa, não tinha muita vegetação, as árvores cresciam um pouco espalhadas e tinham troncos secos e galhos retorcidos, elas cresciam tanto do chão quanto das frestas nas montanhas, onde também era possível ver alguns arbustos e gramas, curiosamente a vegetação aparecia em maior quantidade enquanto quanto maior a altura na montanha.

Seguindo pela trilha, não encontraram grifos, felizmente, ou infelizmente para Gutinho, apenas algumas sombras grandes passavam por eles, provavelmente algum pássaro voando, mas quando olhava para cima não enxergavam nada, além do céu sem nuvens, do alto das pedras era possível escutar o canto dos pássaros, mas o sol alto do meio da tarde ficava na mesma direção das pedras de onde se escutava o barulho, dificultando a visão dos animais. Seguindo por um caminho largo o grupo se via diante uma bifurcação, um caminho estreito que seguia montanha acima, e outro. Mais abrangente prosseguindo ao redor da montanha.

Mas antes que Shaanti pudesse dar o próximo passo, uma lança primitiva passou por detrás de seu ombro e ao lado do pescoço acertando o chão na frente da tritã sem cortá-la. O canto agora parecia mais frenético, e os "pássaros" finalmente se revelaram, diversos indivíduos trajando vestes tribais com pinturas de guerra no corpo desciam da montanha ficando equilibrados nas pedras encrustadas, as armas possuídas por eles não se destacavam visualmente para a tritã.

- Vocês, povo de fora, o que querem na nossa terra? - O que parecia ser o líder da tribo falava com Shaanti apontando outra lança em direção ao rosto da tritã, o sujeito em questão tinha um cocar grande até metade das costas, com um elmo de falcão que também lhe servia como máscara cobrindo a metade superior da face. Os demais membros da tribo estavam com as armas em punho apontando-as para o grupo da tritã, numa demonstração de hostilidade.

Gutinho e Rogers se abraçavam com as pernas trêmulas. - Será que eles vão me dar de comida pros grifos? Ou pior ainda, e se forem canibais? - Gutinho batia os dentes assustados. - QUAAAAAAAA!? - E sabe se lá o motivo razão ou circunstância, Roger ficava com mais medo após o garoto comentar que os nativos poderiam ser canibais.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Furry
Game Master
Game Master
Furry

Créditos : 54
Warn : Tríade Selvagem - Página 2 10010
Masculino Data de inscrição : 27/03/2015
Idade : 28

Tríade Selvagem - Página 2 Empty
MensagemAssunto: Re: Tríade Selvagem   Tríade Selvagem - Página 2 EmptyTer 04 Ago 2020, 09:18





Tribais

10


Caminhando pouco mais atrás dos outros Shaanti observava com certo deleite o "sofrimento" de Emily, todavia aos que apenas superficialmente a conhecem pode parecer que ela estava a se divertir devido ao sofrimento, mas a felicidade da tritã se dava por um motivo muito mais nobre por assim dizer-se. Era como se novamente ela pudesse estar sendo uma criança, algo que era o profundo desejo de Shaanti, que Emily pudesse ter esses momentos de apenas ser uma criança. Absorta nesses pensamentos acabou nem dando por si quando respondeu no automático aquilo que ouvia de Emily. - Um vulcão? - A resposta era também uma pergunta, uma dúvida que havia se formado em sua mente ao ouvir o cântico repetido pela pequena garota. - Tem um monte de vulcões no fundo do mar. - Shaanti daria os ombros enquanto explicava do porque ter falado. - É foda de se ver, muahahahaha, os covardes todos fogem de medo. - Claro que com isso ela não tinha qualquer pretensão de se incluir no grupo. Mas talvez Emily viesse a perguntar sobre o que ela fazia, e ainda absorta: - Ah, eu nunca cheguei muito per… QUERO DIZER, É CLARO QUE EU NÃO FUJO EU DAVA UM SOCO NA LAVA. - Enquanto falava socava o ar demonstrando o que fazia. - E O SIMPLES MOVER DO MEU PUNHO ACABAVA COM TODO O FOGO HAHAH...HAHAHA...HAHAHAH...HAHAHAA. - Obviamente era isso, mas após engasgar com "saliva que entrou no buraquinho errado" ela limpou a garganta e andou até perto de Emily pondo sua mão sobre a cabeça da pirralha. - Não se prende muito nisso, pode só ser uma música qualquer que nem faça sentido. Você sabe como os artistas são, cheio de floreios e frescuras. Se bobear esse cara aí viu uma tocha, soltou um pum e fez todo esse alarde ai. - Bagunçou os cabelos dela antes de remover a mão. - Um raio? - Chutou outra coisa e talvez se você esteja se perguntando o porque era simplesmente porque ela não queria ver a pequena sofrendo por alguma coisa. - Os maiores realmente fazem tudo tremer. - Shaanti ter-se-ia sentindo mal pelo que havia falado anteriormente sobre poder ser somente um exagero de algum artista doido, afinal isso estragava toda a aventura que ela desejava que Emily tivesse e por tal motivo voltava a chutar outras possíveis causas para aquele trecho da "profecia".


>><<

- CERTO BANDO DE MOLENGAS, AQUI PARECE UM BOM PONTO PARA MAIS UM POUCO DE TREINAMENTO. MUAHAHAHAHAHA.  - Com as mãos formando garras ela inclinou-se para trás rindo alto para os céus ao observar o caminho a frente. - Vocês dois montem no Pato. - Ou seja, Shaanti não tava afim de ouvir reclamações dos pirralhos devido ao árduo caminho montanha acima e decidiu que seria melhor só ouvir o QUAAK.

O caminho em si, era algo que Shaanti acabava por não notar os pequenos detalhes, a vegetação, ou como era o chão. Todas essas coisas passavam completamente apercebidas ao olhar desatento da ruiva que no momento pensava em algo completamente diferente. - Eu devia ter comprado Saquê antes de vir.

Continuavam a seguir o caminho enquanto Shaanti começava a notar a existência das aves. - Elas são boas em se esconder. - Shaanti pensou sobre as aves das quais tinha quase que plena certeza que estavam ali, mas sempre que tentava procurá-las não conseguia encontrar. Obviamente essa dificuldade se dava a grande habilidade das aves e não a sua completa inaptidão a vida no "mato" .

Shaanti viasse observando a bifurcação, considerando por onde devia seguir. - Por este. - Apontou para o caminho que parecia mais fácil, pois pensava em não forçar tanto a marcha hoje, mas antes que pudesse tomar a frente e seguir por lá uma lança cortou o ar ao lado de sua cabeça.


- Tsk, não eram pássaros. - Não só isso como também pareciam hostis e ela não os havia percebido, um sinal claro que que o convívio na civilização como boa samaritana a estava tornando molenga também. - Ahnnn? Porque te interessa homem pássaro? - Bem… Sim, era óbvio… Era a terra deles e ela estava invadindo, mas Shaanti não conhecia realmente muito bem esse conceito de propriedade… A não ser é claro que fosse sua propriedade. - Vocês vão mesmo ficar me apontando esses palitos de dentes? - Já que recebia hostilidade ela responderia no mesmo nível de energia.Ignorando perguntas que pudessem estar sendo feitas o que não devia ajudar em nada a resolver o clima de tensão do local. - Se é assim que vocês recebem visitantes não me impressiona que não tenham nenhum. - Olharia para o pato. - Pare de tremer seu herói de meia tigela, você tem um trabalho lembra? - Shaanti já muitas vezes havia incubido o pato de manter a pequena Emily segura em uma fuga e neste momento esperava que ele se mantivesse focado nisso.  

Shaanti por sua vez agora precisava-se manter focada nos palitos de dentes e em qualquer movimento que indicasse que algum seria arremessado na sua direção. - E então? Vão abaixar essas varetas ou terei que fazer isso pra vocês? - Obviamente seguir com as ameaças era a melhor forma de resolver o conflito.

Se alguma das armas fosse arremessada na direção deles ela mover-se-ia para golpear a mesma com as costas da manopla para longe do grupo, mover-se-ia a toda velocidade caso o golpe não fosse direcionado a si e sim ao trio usando-se do seu corpo flexível e equilíbrio para interceptar o golpe antes que o mesmo pudesse oferecer risco para Emily.

Imediatamente após a tentativa de bloqueio ela lançaria uma represália na direção do maldito que houvesse ousado por Emily em perigo criando uma pequena lança de água e arremessando-a em direção ao solo entre as pernas do sujeito sem qualquer alívio em seu poder. - A próxima não vou errar, então abaixem esses palitos. - Proporia novamente, mas sem se interromper nas defesas sempre usando uma das mãos para bloquear enquanto a outra disparou o tiro de aviso contra o atacante.

Se os ataques fossem físicos agiria de maneira bastante similar, mas bloqueando a arma com suas manoplas enquanto movia o braço como um chicote para projetar o ataque para o lado através da explosão de água de suas manoplas e usaria o impulso contrário para girar seu corpo aplicando um chute com o calcanhar ao concluir a rotação para jogar tal agressor para longe.




>>><<<

Histórico:
 

____________________________________________________



[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]


Voltar ao Topo Ir em baixo
Licia
Caçador de Recompensas
Caçador de Recompensas
Licia

Créditos : 14
Warn : Tríade Selvagem - Página 2 10010
Feminino Data de inscrição : 20/01/2019
Idade : 21

Tríade Selvagem - Página 2 Empty
MensagemAssunto: Re: Tríade Selvagem   Tríade Selvagem - Página 2 EmptySeg 10 Ago 2020, 10:59


A nobre Shaanti era movida por intenções altruístas, feliz pela criança poder ter seus momentos de brincadeiras divertidas, cogitando até mesmo a possibilidade de um vulcão nas montanhas do céu, é hipótese que aflorava ainda mais a imaginação da pequena garota, mas… - Ahaaaam… - Emily não parecia acreditar muito em Shaanti, a menina ficava olhando de canto. - Então tomara que seja um vulcão beeeem grandão. - Emily esticava os braços ao redor do corpo fazendo menção do tamanho. - Porque aí a incrível Shaanti vai poder demonstrar toda a força de seus punhos enfrentando a lava. - Emily não havia acreditado muito na versão da tritã, mas ao invés de questionar a menina dava corda aos feitos grandiosos de Shaanti. - Pff! Um peido? E fizeram um poema pra isso? O povo que morava aqui devia ser muito desocupado. - A segunda possibilidade sugerida pela tritã poderia ser um banho de água fria na aventura, mas Emily conseguia encontrar motivos para rir. Então Emily ficou muda e boquiaberta encarando a tritã de maneira incrédula. - Caramba Shaanti, você realmente falou algo plausível agora. - Emily não falava por mal, era uma reação espontânea, então a garotinha coçou a lateral da cabeça deduzindo a profecia considerando a hipótese do raio. - Um raio pode ter acertado a montanha e derrubado algumas pedras, então os animais fugiram… Mas só isso? Deve ter outra coisa mais, o poema pode estar incompleto? - Ao mesmo tempo que Emily parecia queimar alguns neurônios a menina ficava com os olhinhos brilhando e com um sorriso largo no rosto imaginando qual seria o mistério por trás da aventura.

>><<

Observando agora com mais calma os anfitriões tribais que recepcionavam o grupo, Shaanti pode notar que não eram homens feitos por assim dizer, a maioria deles era menor do que a tritã em tamanho e também tinha o corpo esguio sem músculos desenvolvidos, além de aparentarem ter a idade aproximada de Gutinho, talvez um ou dois anos a mais, o grupo tribal era composto por 7 adolescente quase atingindo a maioridade.

O rapaz que parecia ser o líder rangia os dentes irritado com a falta de sutileza demonstrada pela ruiva ao retrucá-lo, mesmo que a tritã ainda não tivesse declarado. - Quem é você estrangeira, o que faz em noss..! - Antes que o líder com o elmo de ave pudesse terminar a fala uma flecha era disparada por um dos outros integrante do grupo, a coloração do projétil de tornava completamente negra por alguns instantes mas ao colidir com a manopla da ruiva a flecha rodopiou no ar e caiu chão com a ponta quebrada. - Não era pra atac…! - Não estava sendo um fácil para aquele rapaz conseguir manter um diálogo pois novamente era interrompido, desta vez por uma flecha de água indo na direção de seu companheiro, não o acertava mas derrubava a pedra não muito firme que o membro da tribo mais hostil estava equilibrado, fazendo-o deslizar por alguns metros e cair de bunda de no chão. - Maldita! Ataquem a estrangeira! - Então os outros desciam pela montanha deslizando com "patins" pelo terreno íngreme.

- Isso doeu… Espera! Você! - O sujeito que havia caído da montanha massageava a região dolorida mas então ficava perplexo ao observar Roger mais de perto. - QUACK? - O pato apontava para o próprio rosto usando a ponta da asa. - Sim, é você! Ei Kino é o… - Então outro rapaz que atendia pelo nome Kino olhava para o amigo perplexo. - Pare de perder, precisamos dele! - A dupla de rapazes ignorava as ordens do líder e começava a perseguir o pato. - QUAAAAAACK! - Roger corria em círculos enquanto era perseguido, e ao ver a primeira oportunidade disparava pelo caminho que parecia contornar a montanha, enquanto era perseguido pelos dois sujeitos.

- Ei! Era pra voc! - POF! Novamente o líder era interrompido, desta vez por um murro de Shaanti direto no bico do elmo. - Você vai pagar por isso estrangeira! - O líder ameaçava a tritã, mas não havia como ele parecer muito intimidador, sentado no chão, com um filete de sangue escorrendo do nariz. - Shaanti, acho que você exagerou, ele é só um menino. - Emily ficava um pouco irritada com Shaanti por ter ferido outra pessoa, mas essa irritação só era devido ao fato do rapaz ter demonstrado ser muito mais fraco do que a tritã - Deve ter quebrado o nariz, certeza! - Até mesmo Gutinho perdia o medo dos sujeitos da tribo. O "combate" prosseguia, os adolescentes ignoravam as Emily e Gutinho, focando seus ataques apenas em Shaanti, mas aos olhos das duas crianças parecia quase uma aula ou um sessão do treinamento infernal que Shaanti tanto adora aplicar, eles tinham alguma noção de luta individual, mas o trabalho em equipe dele apresentava falhas, mesmo que não tão graves Shaanti cujo a experiência nesse ramo é elevada se aproveitava das brechas para punir os adversários, como se estivesse apontando os erros deles através dos punhos. A sessão de treino prosseguia por mais alguns minutos até restar apenas o líder de pé, com o elmo largo torto na cabeça.

E ao longe um eco desesperado era escutado. - ...quack quack quack. - A intensidade do som aumentava rapidamente e um Roger estabanado surgia correndo batendo suas completamente sem ritmo. - QUACK! QUACK! QUACK! QUACK! - O pato então pulava atrás da tritã se abaixando no chão e cobrindo o rosto com as asas, definitivamente ele não está escondido… E logo depois surgia os outros dois perseguidores, também gritando em desespero com os braços jogados ao vento e sem armas em punho. -KYAAAAAAAAAAAAH!!!- Eles seguiam reto ignorando tudo e todos, atém desaparecem de vista pelo caminho por onde Shaanti havia chegado. - ROOAAAAR! - Um rugido ensurdecedor ecoou. E alguns instantes depois um leão da montanha furioso surgia salivando de raiva, mas ao ver que os dois perseguidores haviam desaparecido o leão apenas fungou em desprezo. - Hunpf. - Então a criatura com cerca de três metros, de pelagem acinzentada e grandes presas afiadas rosnou na direção de Roger. - QUACK! - Um arrepiou eriçou todas as penas de Roger que se tremia aterrorizado, mas então… - Quack? - Roger abriu um olho na direção do felino. - Roar! - O leão continuava a rosnar. - Quack! Quack! Quack! - O pato já de pé respondia o leão casualmente. - Roar! Roar! Roar! - Após a conversa amigável o leão parecia saudar o pato e se retirava retornando por onde veio. Então o mais nobre e valente dos heróis cruzou as asas estufando o peito, com seu queixo erguido, numa pose que apenas os mais orgulhosos dos guerreiros ostenta após vencer uma luta e exclamou com braveza. - QUAAAAAAACK! - Clamando a vitória contra seus perseguidores, tendo tido a "pequeníssima" ajuda de seu fiel escudeiro felinesco.

O gostinho da vitória desfrutada pelo pato durava poucos segundos, pois logo outra presença se juntava ao grupo, um sujeito com seus dois metros de altura, músculos avantajados caía entre a tritã e o líder dos membros da tribos, com os pés afundando alguns centímetros no chão junto de pequenas rachaduras, Roger por reflexo retornava instantaneamente para seu "esconderijo". - O que você pensa que tá fazendo? - Ele estava virado de frente para Shaanti, com o corpo contraído e os músculos parecendo que poderiam rasgar pele a qualquer momento, e bom, o sujeito estava furioso com os olhos semicerrados e sua voz grave soando com frieza. - HÁ! Agora já era pra você estrangeira, o Grande Kaynã vai acabar com su! - Pobre deste jovem que por uma série de infortúnios estava tendo terríveis dificuldades de completar uma frase, pois ele foi alvejado com um cascudo no topo do elmo, e caiu com o rosto quase afundado no chão. - Eu tô falando com você pirralho! - Kaynã se virava para o jovem estirado no chão dando uma bronca nele, parecia até mesmo um pai educando o filho, mas a diferença de idade entre os dois não era tanta. - Quack! Quack! - Então nosso herói novamente se erguia para enfatizar a bronca. Kaynã não se incomodava e num nobre gesto de estender a mão para ajudar o rapaz caído no chão, apanhava o elmo e tirou a poeira com a mão antes de colocá-lo abaixo do braço. - Aiiii…. - O rapaz sentava no chão com as pernas cruzadas e tocava com cuidado um enorme galo na cabeça, com os olhos marejados tentando segurar o choro.

- Me desculpe por isso, mas você deve imaginar como são os jovens impulsivos, eu me chamo Kaynã e sou o líder da tribo Asa Escura,  qual razão a trouxe até aqui? - O homem coçava as costas da cabeça num semblante de lamentação, com sua voz agora soando de maneira mais calma e melódica, aparentando ser até mesmo outra pessoa, pois a feição hostil de uma fera incontrolável havia desaparecido, Kaynã parecia ainda ficar um pouco tenso pois esperava que a tritã pudesse compreendê-lo. - Espero que você possa perdoar essas crianças, posso te oferecer um pouco da bebida de nossa tribo como pedido de desculpas. - Fato é que os adolescentes poderiam ter colocado a vida de Emily e Gutinho em risco, mas o homem a frente de tritã demonstrava querer evitar aquele conflito.

- Shan-Shan-Shan-Shaan-Shaanti! - Gutinho tentava falar, mas estava tão ansioso que atropelava as palavras que saiam de sua boca, incapazes de acompanhar o ritmo acelerado dos pensamentos. - U-u-u-um GRIIIIFO! - Exclamou Gutinho, com os punhos cerrados e o corpo inteiro tremendo, mas não por medo, e sim pela excitação de ver tal animal majestoso pousando alguns metros ao lado da trupe, as penas brancas das asas ficava gradativamente dourada até alcançar as extremidades que pareciam reluzir ao sol, a criatura possuía uma cela nas costas, e assim como Kaynã não demonstrava qualquer hostilidade, ficando pacificamente observando o desenrolar dos fatos.

Kaynã:
 

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Furry
Game Master
Game Master
Furry

Créditos : 54
Warn : Tríade Selvagem - Página 2 10010
Masculino Data de inscrição : 27/03/2015
Idade : 28

Tríade Selvagem - Página 2 Empty
MensagemAssunto: Re: Tríade Selvagem   Tríade Selvagem - Página 2 EmptyQua 12 Ago 2020, 12:34





Asa Negra

11


Ao ver-se lutando contra crianças ela se viu mudando sua postura, algo automático que vinha agora do seu dia a dia. Uma possível luta mais hostil havia logo sido deixada de lado para um lado mais tutor assumir. Esse seu lado foi ainda mais estimulado devido aos agressores não estarem virando seus ataques em direção a Emily ou gutinho… Bem… Esse pato maldito sempre arrumando confusão. - Via o pato correr enquanto perseguido pelo pirralho afobado.

- Se eu estivesse exagerando, isso já teria acabado.  - Responderia Emily após afastar mais um dos agressores enquanto continuava a bater nos mesmos, seria mais fácil afinal, conversar após tê-los adequadamente cançado. - Além de que. Eles sabem usar Haki. - Recordava-se da explicação que havia lhe sido dada pela Nanika outrora e percebia que aquele primeiro ataque só poderia ser isso.

Sem ainda chegar ao fim daquilo presenciava o retorno "triunfal" do pato que aparentemente havia feito um amigo peludo no breve período que passara afastado, todavia tudo que Shaanti conseguia pensar era que aquele leão teria dado um belo jantar, ainda mais após os peixes delgados que havia conseguido anteriormente.

Estava prestes a reclamar com o pato quando alguém mais chegou ao local e por estar apenas respondendo aos ataques a ruiva parou esperando algum movimento do sujeito, embora pelas palavras do pirralho galinha era provável que ele fosse ser também um incômodo, mas…

Ao vê-lo socar o pirralho toda a guarda mantida por Shaanti relaxou, abandonando por completo a postura combativa e ficando mais uma vez em pé com o corpo relaxado dando a Emily um olhar vitorioso. - Viu? - O que Shaanti queria dizer era que seus métodos de ensino eram justos e até mesmo aplicados por outras pessoas. O pequenino com essa atitude já havia ganho mais um em respeito com a tritã que aprovava seus métodos para com crianças indisciplinadas. - E você criticando o peteleco que dei antes. - Completaria a frase para Emily antes de olhar para o pequeno novamente.

E vendo o pato querer bancar o Herói novamente a tritã moveria a mão prendendo o bico do mesmo entre os dedos. - Mais um Quack e você vai acabar que nem o pirralho ali, ainda não me esqueci que você fugiu do serviço antes, então fica ligado bicudo.

Com o novo sujeito parecia ser muito mais fácil conversar, não que Shaanti fosse alguém em que isso fosse fácil desde o princípio. - Ta tranquilo, eu já tava cansada de só andar mesmo, dar uma surra em uns moleques ajuda a relaxar. - Movia o pescoço e os ombros com um sorriso cheio de presas no rosto. - Achamos uma música. - Shaanti deu os ombros. - Em uma concha boiando no mar de nuvens perto da praia. - Apontaria com o dedão para Emily. - Ei pirralha, mostra ai, é mais fácil.


….

- Hnmmm, de que tipo de bebida estamos falando? Se você me oferecer chá te chutarei pra fora da montanha. - "Aceitou" o convite com sua simpatia de sempre, não tinha nada a perder e também imaginava que nada a ganhar, ao menos até o momento seguinte.   Então não era histórinha pra boi dormir… - Seus olhos focaram-se na criatura, não havia gaguejando como Gutinho, mas isso talvez se desse pelo simples fato de nem mesmo ter tentado falar e apenas ficado observando a criatura inesperada a distância. E então após um breve momento sorriu. - Sim, um desses vai servir. - A tempos, desde que havia vistos os Ferus em Mawakun a tritã passou a desejar possuir uma criatura feroz só sua, algo que impusesse respeito a sua chegada, afinal em sua posição atual não lhe era muito fácil ter respeito, isso era algo muito mais difícil de conseguir do que o medo, pois mesmo possuindo formas de comprovar que não era uma reles tritã ela ainda enfrentava as dificuldades de aceitação.

- É… - Respondeu a Gutinho, seus olhos agora se estreitando e o sorriso correndo para apenas um dos cantos da boca. - A bebida parece boa agora. Essa era outra coisa que eu estava querendo encontrar. - Não faria questão de esconder do sujeito que desejava um grifo. - Aquele é seu? - Esperou a resposta antes de chegar no que desejava perguntar. As desavenças anteriores, a luta, a canção, essas coisas já haviam ficado à sombra da memória da tritã, pois tudo que corria agora por seu corpo era a pura e simples eletricidade vinda do desejo. - Existem outros? - Outra pergunta simples e direta.

Se o Pequeno disse-se que ali não era o melhor local para conversarem ela não reclamaria e apenas seguiria com o mesmo para a tribo que ele havia dito. Também se apresentaria caso o mesmo insistisse no tópico visto que até então não o teria dito seu nome, e também os nomes de Emily e Gutinho caso a mesma já não tivesse feito. - E esse aqui é o pato. O carrego para casos de emergência. - Ela não especificaria a emergência, mas para ela era certamente a escassez de comida embora os outros pudessem interpretar como quisessem. - Sim sim, você chama de Rogers eu de pato, Já tivemos essa conversa. - Responderia caso Emily a retrucasse sobre o nome. - Alias… EIII! - Chamaria em direção ao Pirralho afobado - Você ai afobado, porque tava perseguindo o Pato?



>>><<<

Histórico:
 

____________________________________________________



[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]


Voltar ao Topo Ir em baixo
Conteúdo patrocinado




Tríade Selvagem - Página 2 Empty
MensagemAssunto: Re: Tríade Selvagem   Tríade Selvagem - Página 2 Empty

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
Tríade Selvagem
Voltar ao Topo 
Página 2 de 3Ir à página : Anterior  1, 2, 3  Seguinte

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
One Piece RPG :: Grand Line - Paradise (Paradaisu) :: Parthenon :: Olympo-
Ir para: