One Piece RPG
 As mil espadas - As mil aranhas - Página 2 XwqZD3u


One Piece RPG : A GRANDE ERA DOS PIRATAS
 
InícioBuscarMembrosGruposRegistrar-seConectar-se
Últimos assuntos
» O Regresso do Anjo Torto
 As mil espadas - As mil aranhas - Página 2 Emptypor DanJo Hoje à(s) 15:18

» Meu nome é Mike Brigss
 As mil espadas - As mil aranhas - Página 2 Emptypor Shiro Hoje à(s) 14:38

» [E.M] - Gostosuras e Travessuras
 As mil espadas - As mil aranhas - Página 2 Emptypor Thomas Kenway Hoje à(s) 14:05

» [MINI - Gates] O Pantera Negra
 As mil espadas - As mil aranhas - Página 2 Emptypor Ryoma Hoje à(s) 13:46

» Xeque - Mate - Parte 1
 As mil espadas - As mil aranhas - Página 2 Emptypor TheJoker Hoje à(s) 13:31

» Art. 4 - Rejected by the heavens
 As mil espadas - As mil aranhas - Página 2 Emptypor Kenshin Himura Hoje à(s) 12:50

» Apresentação 6 ~ Falência Bombástica
 As mil espadas - As mil aranhas - Página 2 Emptypor Furry Hoje à(s) 11:20

» [M.E.P] Joe Blow
 As mil espadas - As mil aranhas - Página 2 Emptypor Joe Blow Hoje à(s) 09:56

» [Mini-Aventura] Joe Blow
 As mil espadas - As mil aranhas - Página 2 Emptypor Joe Blow Hoje à(s) 09:55

» Livro Um - Atitudes que dão poder
 As mil espadas - As mil aranhas - Página 2 Emptypor gmasterX Hoje à(s) 09:54

» [M.E.P] Veruir
 As mil espadas - As mil aranhas - Página 2 Emptypor Veruir Hoje à(s) 08:16

» [Mini-Aventura] Veruir
 As mil espadas - As mil aranhas - Página 2 Emptypor Veruir Hoje à(s) 08:14

» Mise en place
 As mil espadas - As mil aranhas - Página 2 Emptypor arthurbrag Hoje à(s) 07:24

» I - A Whole New World
 As mil espadas - As mil aranhas - Página 2 Emptypor Makei Hoje à(s) 07:01

» ブルーベリーパイ ~ Blueberry Pie
 As mil espadas - As mil aranhas - Página 2 Emptypor Skÿller Hoje à(s) 04:45

» Sidney Thompson
 As mil espadas - As mil aranhas - Página 2 Emptypor Zed Hoje à(s) 01:19

» Ler Mil Livros e Andar Mil Milhas
 As mil espadas - As mil aranhas - Página 2 Emptypor Fukai Hoje à(s) 00:49

» Seasons: Road to New World
 As mil espadas - As mil aranhas - Página 2 Emptypor Ravenborn Hoje à(s) 00:26

» Hello darkness my old friend...
 As mil espadas - As mil aranhas - Página 2 Emptypor Zed Hoje à(s) 00:09

» Phantom Blood
 As mil espadas - As mil aranhas - Página 2 Emptypor Licia Ontem à(s) 23:50



------------
- NOSSO BANNER-

------------

Naruto AkatsukiPokémon Mythology RPG
Naruto RPG: Mundo Shinobi
Conheça o Fórum NSSantuário RPG
Erilea RegionRPG V Portugal
The Blood OlympusPercy Jackson RPG BR
A Song of Ice and FireSolo Leveling RPG
Veritaserum RPGPeace Sign RPG
Pokémon Adventure RPG

------------

:: Topsites Zonkos - [Zks] ::


 

  As mil espadas - As mil aranhas

Ir em baixo 
Ir à página : Anterior  1, 2, 3, 4, 5, 6  Seguinte
AutorMensagem
ADM.Tidus
Duque Azul
Duque Azul
ADM.Tidus

Créditos : 62
Warn :  As mil espadas - As mil aranhas - Página 2 10010
Masculino Data de inscrição : 10/06/2011
Idade : 27
Localização : 1ª Rota - Karakui

 As mil espadas - As mil aranhas - Página 2 Empty
MensagemAssunto: As mil espadas - As mil aranhas    As mil espadas - As mil aranhas - Página 2 EmptyQua 27 Maio 2020, 16:27

Relembrando a primeira mensagem :

As mil espadas - As mil aranhas

Aqui ocorrerá a aventura do(a) marinheiro Julian D'Capri. A qual não possui narrador definido.


____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

Olá Convidado, seja bem-vindo ao One Piece RPG.
Links para ajuda: [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo

AutorMensagem
jonyorlando
Sargento
Sargento


Data de inscrição : 15/04/2016

 As mil espadas - As mil aranhas - Página 2 Empty
MensagemAssunto: Re: As mil espadas - As mil aranhas    As mil espadas - As mil aranhas - Página 2 EmptySeg 22 Jun 2020, 19:40




Avante marinheiros! Julian no comando!
Julian D’Capri

Podia ser que o sargento ainda estivesse tentando se acostumar com a patente, ou como um trabalho em equipe funciona, mas ver todos os presentes dando-lhe ouvidos enquanto dizia seu planejamento era algo que encarava de maneira sensacional, não era um sentimento de superioridade ou importância que lhe subia à cabeça e sim um acalento, um sentimento de pertencer a um grupo, o loiro nunca foi alguém tão cercado de pessoas e agora estando, sua cabeça ainda tentava digerir a ideia, ainda que fosse um nada, ações que seriam consideradas comuns para outras pessoas, para ele não era.

Com todos nas posições que haveria pedido ficaria mais fácil do grupo se proteger e sustentar, apesar da situação em que se encontravam, o samurai já esperava encontrar as aranhas só que torcia para não ser tão cedo, infelizmente sua sorte não era das melhores então não era de se espantar que isso ocorreria mais cedo que o normal, pelo menos ele esperava isso. Ao menos D’Capri tinha certeza de que estava certo em alguma coisa, além dos perigos que habitavam no escuro, a chama espantava os aracnídeos, mesmo que fosse momentâneo uma vantagem era uma vantagem, ele e seus aliados deveriam aproveitar o máximo disso, assim ele fez.

O espadachim mostrava mais uma vez o porquê de estar em sua posição, conseguindo usar com maestria suas armas para abrir caminho para os marinheiros até a voz que gritava de terror, com força e técnica, a lâmina do jovem cortavam os animais, confirmando que suas forças poderiam se equiparar à das suas oponentes e que sua equipe estava muito bem sincronizada, uma vez que Noami e os atiradores agiram em defesa do loiro.

Logo o grupo poderia visualizar a situação como um todo, um homem prestes a ser devorado, Julian ficava levemente aliviado, pensava que a visão poderia acabar sendo bem pior do que está que estava a sua frente, usando de sua espada o espadachim tentaria atacar as aranhas novamente, saltando ou avançando contra elas com um corte horizontal, procurando arrancar mais algumas patas, se acertasse tudo bem, mas o que ele queria mesmo era as espantar para permitir a aproximação de seu grupo.
- Marinheiros, mantenham a formação, cubram este homem! - O jovem dizia sério e já imaginando o que poderia vir a acontecer caso tudo não fosse feito às pressas. - Segure isto se quiser viver pirata. - O sargento entregaria seu lampião ao criminoso enquanto aproveitaria de sua mão livre para sacar uma outra espada, a Dansaobusanaito (Espada level 2).

A batalha seria dura, um erro poderia ser fatal e aquele pirata deveria ser mantido vivo, tudo deveria ser feito pensando sempre a frente, sem o criminoso não haveriam pistas sobre os demais, e informações seriam importantes de agora em diante. Mesmo não tendo sentimento nenhum por piratas, além de sentir que todos eram apenas desordeiros da paz, o médico tinha pela vida, aquele era um homem desarmado ferido e incapaz, pirata ou não ainda era uma vida.

Com duas katanas em punho o loiro se colocaria na frente do grupo em modo defensivo, ele encarava que era o mais resistente de todos, portanto deveria fazer da linha de frente, os combatentes segurariam as aranhas para não avançarem contra os atiradores e estes poderiam as executar, Noami parecia mais ágil que robusta, então ela poderia muito bem agir como coringa, ajudando onde precisasse.
- Preparem-se para o combate! Não larguem suas posições e sairemos dessa juntos! - Discursava, tentando animar seus companheiros.

O loiro precisaria finalizar as aranhas o mais rápido que pudesse, ou as criaturas iriam ganhá-los pelo cansaço, seus números poderiam ficar ainda maiores com o tempo e isso seria um sinal que o superior tentaria manter-se atento, para fugir caso os números das aranhas começassem a aumentar ou caso os marinheiros estivessem em maus lençóis.

A estratégia de batalha continuaria a de mirar nas aranhas para matá-las rapidamente usando das lâminas de suas espadas, agora com duas espadas encaixar uma morte poderia acabar por ser mais fácil, com uma das armas ele cortaria as patas das criaturas, que ao caírem levariam ou uma estocada na cabeça ou um corte às partindo, de toda forma não é o estilo de espada que importa e sim a forma em como você o usa.

Sem o lampião agora a única forma de se defender seria a casual, usando as espadas para frear o ataque inimigo, bloqueando suas bocas e patas como desse, fosse colocando as espadas em X ou em paralelo, uma vez com a investida bloqueada o samurai não poderia distrair-se com apenas um inimigo e deveria livrar-se dele de imediato, realizando um contra-golpe antes de defender, ou, no caso da defesa, empurrando os aracnídeos para longe.

Julian também poderia usar seu corpo para afastar as criaturas, realizando joelhadas, cotoveladas ou chutes, como o jovem não é versado em combate desarmado seus ataques apenas serviriam para atordoar ou afastar as criaturas, sempre tentando acertar nos olhos, onde ele acharia que seriam as áreas mais sensíveis dos animais, se acabasse sendo pego pelas aranhas durante um de seus ataques atordoantes o espadachim usaria de suas espadas para atacar a criatura que tivesse o pego, golpeando ela com a coronha de sua arma, para a fazer largar-lhe, ou com a lâmina, para a finalizar.

Se algum de seus aliados próximos, Noami, soldado ou algum atirador, apresentasse dificuldade para lidar com seus oponentes o loiro iria de imediato ajudar, não poderia fazer nada pelos mais atrás além de ordenar que um dos marinheiros fosse o ajudar, se Julian saísse da posição todos acabariam ficando sem uma linha de frente resistente.
- Ajude-o. - Ele diria para qualquer um que estivesse disposto a sair da formação para auxiliar o outro.

Se em algum momento o número de aranhas começasse a aumentar assustadoramente o sargento logo pediria para todo seu grupo recuar.
- Recuar! São muitas! Temos que ir para um local longe da mata fechada! - Ele diria levantando sua voz e indo até o homem ferido, já tendo quase certeza de que este não conseguiria andar adequadamente e puxando seu corpo para si, o marinheiro o carregaria.

O único caminho que o jovem tinha em mente como passagem de fuga seria por onde vieram e caso ninguém desse uma ideia melhor, seria por lá que ele seguiria.


Histórico:
 

Ferimentos:
 

Objetivos:
 

Pistas:
 

OFF:
 



Créditos: [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] e [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

Voltar ao Topo Ir em baixo
Revescream
Narrador
Narrador
Revescream

Créditos : 10
Warn :  As mil espadas - As mil aranhas - Página 2 10010
Masculino Data de inscrição : 09/10/2019
Idade : 16
Localização : Desconhecida

 As mil espadas - As mil aranhas - Página 2 Empty
MensagemAssunto: Re: As mil espadas - As mil aranhas    As mil espadas - As mil aranhas - Página 2 EmptyQua 24 Jun 2020, 18:29


Narração
Horário: Dia
Clima: Primavera
Localização: Floresta Paradisíaca - Ilha Aracne

Julian D'Capri



A sensação de que uma verdadeira chacina iria acontecer era evidente para os marinheiros, mas a dúvida que aquele sentimento angustiante também deixava era outra preocupação: Qual dos lados que iria ser massacrado? Os marinheiros? Os piratas? Ou as aranhas? Dependeria somente das decisões que cada um tomasse...

Focando em Julian, o comandante do esquadrão atacava as aranhas que estavam próximas ao corpo quase morto do pirata. Infelizmente, elas conseguiam escapar da sequência de cortes, mas por consequência afastavam-se do criminoso debilitado e davam espaço para Julian e sua tropa formarem uma nova posição em defesa do primeiro. Quando se aproximava do corpo despojado no chão os olhos analíticos e familiarizados com a área medicinal descobriam mais detalhes que eram completamente desfavoráveis para suas seguintes ações.

Muitos dos ossos do pirata estavam expostos e, provavelmente, alguns deles estariam até perfurando alguns dos órgãos do sujeito; a coloração da pele atendia a diversas tonalidades de roxo a esverdeado, dando uma indicativa para o médico de que aquilo se tratava de veneno; suas feridas continuavam a espirrar sangue formando uma pequena lagoa de pigmentação vermelha ao seu redor. Definitivamente, aquele homem não teria muito tempo de vida restante.

Depois de entregar o seu lampião, o qual o ferido sentia até dificuldades de agarra-lo, D'Capri sacava mais uma espada e rapidamente assumia a linha de frente novamente, impedindo o avanço repentino de uma das dezenas de aranhas assassinas. Suas palavras até eram cativantes para o grupo, mas precisaria ir além das palavras motivacionais para ultrapassar aquele desafio. Os movimentos de defesa e contra-ataque do sargento surtiam bastante efeito naquele momento, cerca de três a cinco aranhas sempre partiam a atacar espadachim simultaneamente, mas que graças ao seu pensamento e reflexos rápidos conseguia bloquear e repelir a maioria dos golpes com maestria.

No entanto, a estratégia de atacar as pernas das criaturas aracnídeas, por outro lado, trazia muitas dificuldades consigo. Defender-se atentamente de uma dúzia de aranhas já era uma tarefa de árdua execução e que ligada às tentativas de acertar as numerosas e ágeis pernas tornavam-se uma tarefa quase que impossível. Tivera que recorrer diversas vezes aos ataques corpo-a-corpo, mas que graças as suas experiências com as lutas de rua, conseguia equilibrar-se junto as espadas, realizando cotoveladas e joelhadas inconscientemente, servindo para que ao menos conseguisse sobreviver àquela ninhada inicial...

Outro aspecto que D'Capri já possuía em mente, mas que acontecia numa velocidade drasticamente alta, era o número contínuo e crescente de aranhas atacando o pequeno grupo. O sargento que lidava com sete aranhas percebia um aumento de mais quatro para seu desespero, este mesmo cenário também se repetia com o restante do grupo. - CUIDADO! - Uma advertência, seguido de um grito de lástima, era Majolu que avisava seu companheiro do perigo eminente, mas que tardiamente era realizado quando este era abocanhado na região do braço de maneira violenta.

- Olhem para o alto! - Outro aviso era efetuado, mas que conseguia chamar a atenção de todos antes que fosse tarde, a cena visualizada não era nenhum pouco agradável. - São muitas! Sargento D'Capri, soldado Leonidas está ferido! A retaguarda está comprometida! - As palavras do soldado demonstravam o esforço do próprio em continuar mantendo-se firme no combate, mas não se sabia ao certo por quanto tempo permaneceria naquele ritmo. As próximas ordens do comandante, certamente, seriam decisivas e resultariam em consequências que marcariam a vida de alguns presentes.


Histórico:
 

Legenda:
 

OFF:
 
Voltar ao Topo Ir em baixo
jonyorlando
Sargento
Sargento
jonyorlando

Créditos : 11
Warn :  As mil espadas - As mil aranhas - Página 2 10010
Masculino Data de inscrição : 15/04/2016
Idade : 20
Localização : Grand Line - 2º rota - Ilha Aracne

 As mil espadas - As mil aranhas - Página 2 Empty
MensagemAssunto: Re: As mil espadas - As mil aranhas    As mil espadas - As mil aranhas - Página 2 EmptyQui 25 Jun 2020, 17:49




Retirada! Derrota iminente!
Julian D’Capri

Estava tudo desandando, o pirata estava gravemente ferido, mal sendo capaz de executar uma simples ordem como a de segurar um objeto, aquele homem estava no fim de sua vida e mais nada poderia ser feito por ele, Julian o abandonaria ali mesmo e queria o fazer, mas havia uma voz em seu subconsciente que martelava sua cabeça, era o timbre de seu antigo companheiro, que outrora impediu o médico de matar um pirata a sangue frio, felizmente aquele homem era uma pessoa amigável e no final das contas ele havia dado uma lição ao agora sargento.

“Um médico salva vidas, não as desperdiça”.


Podia ter passado a muito tempo, mas o lutador marcial ainda morava na memória do jovem… Onde ele estaria agora?

Com as espadas cintilando o samurai fatiava e afastava o máximo de aranhas que podia, porém seu corpo já parecia estar demonstrando sensações de cansaço, mesmo sendo um preguiçoso de primeira classe D’Capri já lidou com situações de cansaço extremo, o problema era que essa era a primeira vez que o número de inimigos praticamente dobrava a cada segundo, os aracnídeos multiplicavam-se cada vez que o superior os expulsava e isso estava começando a pesar, não só para ele, mas seus companheiros também devia estar sofrendo com o esmagador número de adversários.

A informação que Julian queria ignorar agora parecia cada vez mais nítida, algo que antes ele só via na penumbra lhe observando agora subitamente brilhava na escuridão da densa floresta e soprava-lhe as vestes e o cabelo longo:

Morte!

Spoiler:
 

Isso fazia o espadachim segurar com ainda mais força suas armas, ele não queria que seus companheiros fossem prejudicados, que suas vidas fossem cortadas, seus olhos já testemunharam diversas presas da fome insaciável da morte e mais do que tudo, ele não queria mais ver isso acontecer novamente.
- RECUAR! - Seus lábios abririam, fervorosos, dando a impressão de que uma energia misteriosa preencheu todo corpo do sargento. - São muitas! Peguem os feridos!

A formação estava comprometida, haviam dois feridos, muitos inimigos, a situação pioraria muito mais caso os marinheiros não saíssem dali, o que provavelmente aconteceria já que ninguém saberia quantas aranhas ainda poderiam chegar e se as que chegariam não poderiam ser piores que estas, o fogo não mais espantava os animais, não havia maneira de eles manterem a posição, aquilo podia ser uma derrota, mas o sargento não deixaria que fosse um massacre.
- Majolu, pegue o soldado Leonidas! Alguém pegue o pirata! Vamos sair!

E logo após dizer com convicção suas palavras o sargento começaria a forçar seus músculos enquanto controlaria sua respiração e seguraria apenas sua espada Dansao em mãos, Julian tinha que abrir caminho para todos passarem, não importava o número de inimigos a sua frente, ele teria que conseguir, seus companheiros estavam contando com ele e o próprio também estava, flexionando as pernas e mantendo uma posição de ataque segurando a espada a frente do corpo, ele avançaria violentamente.
- MIL CORTES: THETA! - Exclamaria soltando o pouco de ar que podia antes de partir para seu ataque.

Mil cortes:
 

Suas técnicas sempre eram guardadas para os combates mais fervorosos, Julian jamais as tinha usado contra um número tão grande de inimigos, mas ele tinha que tentar, ele queria pelo menos abrir passagem para que todos aproveitassem essa brecha e fugissem, o grupo tinha que ir para onde havia luz solar, lá eles teriam alguma chance se sobrevivência.

O loiro tinha como objetivo principal salvar seus companheiros, portanto ficaria como o último homem, para, no pior das hipóteses, segurar as aranhas que acabassem por os seguir e permitir que seu grupo escapasse. Com um caminho aberto ou faltando pouco para tal o espadachim manteria-se em posição de combate, mesmo que pudesse estar mais cansado não daria trégua até sua equipe estar segura, e com isso voltaria novamente a atacar os aracnídeos, para ganhar espaço.
- Rápido! Noami na frente, os com os feridos atrás! Vamos! Mexam-se! - Diria o loiro puxando forças para falar mesmo ofegante após o uso da técnica.

Enquanto os marinheiros lutavam para escapar o superior pensava o que poderia fazer, mas seus planos não mais vinham a mente, nenhum pensamento sequer preenchia sua cabeça, ele havia esvaziado tudo para apenas se concentrar no agora e no momento que vivia, seu corpo se movia pelo instinto de proteger aqueles do seu lado, mesmo que isso anulasse sua sobrevivência, não que tenha se importado com isso de verdade alguma vez.

Se alguém estivesse prestes a ser atacado Julian não pensaria duas vezes antes de pular para ajudar, talvez as palavras do capitão Rurear tenham cativado o jovem muito mais do que ele sequer daria conta.
- “Nenhum homem fica para trás.” - E ele repetiria essa frase em voz alta enquanto a mesma ecoava em sua cabeça com a voz do superior, que no final das contas, estava certo.

D’Capri não mais se preocuparia com que parte do corpo das criaturas poderia estar cortando ou golpeando, agora o plano não era lutar e sim o oposto.


Histórico:
 

Ferimentos:
 

Objetivos:
 

Pistas:
 



Créditos: [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] e [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]


____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.][Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

Aventuras:
 


[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Revescream
Narrador
Narrador
Revescream

Créditos : 10
Warn :  As mil espadas - As mil aranhas - Página 2 10010
Masculino Data de inscrição : 09/10/2019
Idade : 16
Localização : Desconhecida

 As mil espadas - As mil aranhas - Página 2 Empty
MensagemAssunto: Re: As mil espadas - As mil aranhas    As mil espadas - As mil aranhas - Página 2 EmptySeg 29 Jun 2020, 22:41


Narração
Horário: Dia
Clima: Primavera
Localização: Floresta Paradisíaca - Ilha Aracne

Julian D'Capri



Retirar-se de batalha é uma atitude a ser interpretada de diversas maneiras, como uma derrota, ou covardia, ou talvez uma manobra estratégica para alcançar uma vitória futura; No entanto, independente do significado, subentendido ou não, todas possuem o mesmo propósito em sua execução: A Preservação da Vida.

Talvez fosse esse sentimento, adquirido de sua profissão e experiências passadas, que jogava o sargento contra a parede e o fazia chocar-se com a realidade. Novamente, independente da escolha, qualquer opção era válida, menos a morte. Um grito era o suficiente para todos se mobilizarem conforme era ordenado, posteriormente Majolu carregava seu companheiro ferido pelo braço saudável enquanto outro soldado, que se encontrava na linha de frente junto a D'capri e Noami, resgatava o pirata semimorto do chão. Este último derrubava acidentalmente o lampião que segurava, deixando-o apagar e se perder em meio a escuridão junto a ninhada de aranhas...

O que antes era um combate desgastante acabar por se tornar uma perseguição em massa, dezenas de aranhas seguiam os foragidos - que ironicamente eram os defensores da lei, sem nenhum indício de que teriam piedade contra o pequeno grupo de invasores. Aranhas começavam a cair da copa das árvores, felizmente sobre o local onde grupo estava anteriormente, mas que também logo iniciavam a corrida pelo massacre. Noami e os atiradores eram quem mantinham a atual retaguarda protegida, a primeira conseguia ser tão ágil quanto às aranhas e decepa-las era uma facilidade notória para ela, o trio de rifles alvejavam uma parte significativa das aranhas com um fuzilamento combinado, compensando o tempo que demandaria a fuga eliminando uma relativa quantidade de aranhas.

Na linha de frente da fuga, entretanto, novamente D'capri tomava a dianteira e limpava o caminho a frente do grupo; Embora cansando, os ataques que visavam apenas em finalizar a vida dos aracnídeos surtiam seu devido efeito, recorrendo a sua técnica especial Jullian conseguia executar duas aranhas numa velocidade absurda, as outras seis que existiam no caminho ou também possuíam suas vidas ceifadas pelo espadachim ou morriam para os outros subordinados deste.

Passavam-se mais alguns minutos de desespero pela sobrevivência que, inacreditavelmente, o grupo conseguia retornar a praia na qual haviam chegado anteriormente. Era possível visualizar os dois marinheiros que haviam ficado para trás conversando próximos um ao outro, perto dos veículos motorizados, porém, ainda distantes de onde o atual grupo se encontrava. Olhando para trás, Jullian poderia sentir-se aliviado, as últimas aranhas eram mortas pelos atirados que demonstravam um desgaste físico muito elevado e que ficavam sem munição após correrem e dispararem ao mesmo tempo por vários metros consecutivos.

Observando o restante da frota; Noami encontrava-se de joelhos para areia, transpirando intensamente, provavelmente a mais exausta depois do comandante; Majolu deitava o companheiro Leonidas sobre a areia da praia, ambos igualmente cansados, era visível para o médico que a ferida do marinheiro estava imbuída com veneno; O pirata encontrava-se desacordado, talvez estivesse morto, sendo carregado nas costas de um soldado que simplesmente cai pelo chão; Os outros se davam ao luxo de desabarem também sobre a terra amarela e descasarem as armas que estavam erguidas em todo esse tempo. Jullian era o que mais se encontrava cansado de todos, infelizmente, uma pausa deveria ser feita urgentemente, pelo menos naquele breve momento, seria um momento de refletir e revisar suas recompensas com aquele "reconhecimento de área".


Histórico:
 

Legenda:
 

OFF:
 
Voltar ao Topo Ir em baixo
jonyorlando
Sargento
Sargento
jonyorlando

Créditos : 11
Warn :  As mil espadas - As mil aranhas - Página 2 10010
Masculino Data de inscrição : 15/04/2016
Idade : 20
Localização : Grand Line - 2º rota - Ilha Aracne

 As mil espadas - As mil aranhas - Página 2 Empty
MensagemAssunto: Re: As mil espadas - As mil aranhas    As mil espadas - As mil aranhas - Página 2 EmptyTer 30 Jun 2020, 15:27




Salvação! Vitória da vida!
Julian D’Capri

A batalha havia sido intensa e desgastante, porém todos estavam vivos e era isso que importava, de certa forma o sargento estava feliz por isso, apesar de achar bem estranha a situação que chegaram a enfrentar, as aranhas estavam bem ativas mesmo que pela manhã, sendo que na cabeça do loiro esses animais apenas seriam notívagos, além do que as criaturas mostravam-se muito mais impiedosas e o marinheiro tentava entender, sem sucesso, o porque, ele não era um especialista em animais, então a única explicação que passava por sua cabeça foi relacionada ao líder que os aracnídeos tinham, mas isso não mais tinha importância ou interferia em algo.

D’Capri apesar de estar exausto não poderia tardar em demonstrar seu ofício, a medicina, um de seus companheiros estava ferido e envenenado, qualquer atraso poderia significar uma piora em seu quadro, ou a morte, portanto ele deveria agir de imediato, indo até um dos peixes, especificamente no que teria vindo, que seria onde seu kit médico e de fármacos estariam, o problema era que o jovem não sabia nada sobre venenos, e provavelmente seus cuidados básicos não surtiriam efeito sem um conhecimento especializado.
- Alguém de vocês sabe algo sobre venenos? - O médico perguntaria para a equipe, envergonhado de não saber desse assunto, mas em sua voz o sentimento que se sobressaia era o de nervosismo, ele não deixaria o soldado morrer.

Se todos ali afirmassem que nada sabiam sobre o assunto requerido pelo sargento, o mesmo teria de mandá-lo para o navio principal da marinha, mais valia a vida dele do que sua presença na missão, após realizar os cuidados básicos, para prevenir uma infecção e tentar atrasar o veneno, o superior diria.
- Soldado. - Falaria, referindo-se a um dos dois homens que estariam de guarda, especificamente o que não havia ido realizar o reconhecimento. - Leve-o até o navio, ele precisa de cuidados, envenenamento por mordida de aranha, avise que ela tinha cerca de 1,40 de altura. - O sargento ajudaria a carregar o homem e colocá-lo no peixe, já sua fala com as descrições da aranha seria para facilitar na procura de um antídoto, ou tratamento, algo parecido com o processo de quando alguém é picado por uma cobra, ele acreditava que podia ajudar. - Fique vivo homem. - Tocando no ombro do ferido, despedia-se. - Vá e volte assim que puder! - Ordenaria ao piloto.

Caso algum dos homens desse uma resposta positiva quanto ao assunto de toxicologia, o sargento sentiria-se mais aliviado, sinalizando para que esse se aproximasse para ajudá-lo no tratamento daquela ferida.
- Preciso de sua ajuda aqui. - Diria abrindo as maletas dos kits e preparando as ferramentas que precisaria usar, tirando até mesmo sua farda caso fosse preciso para ajudar a arrumar o paciente, colocando sua camisa para apoiar sua cabeça e o lenço em seu pescoço para amarrar a ferida e tentar conter o fluxo de sangue daquela área.

Independente do rumo que tudo tomasse, o mais importante era o agora, o pirata que ali estava provavelmente estaria morto, o médico apenas chegaria perto do corpo para confirmar isso, verificando suas feridas e sinais vitais, infelizmente aquilo seria uma terrível forma de morrer e gastar materiais com aquele homem seria um desperdício, já que com um rápido olhar, anteriormente, foi visto que seus ferimentos chegavam a um nível mortal, fosse esse homem um civil, companheiro ou alguém importante, sua morte não poderia ser evitada, apenas adiada.

Julian reconhecia que seus sentimentos amargos poderiam-lhe estar ocultando aquela vida, era um homem que tinha seus sonhos, seus pensamentos e ambições, essas sendo puras ou não, mas o marinheiro não poderia ignorar tudo que viu até o momento, toda desgraça que piratas haviam causado e feito pessoas passarem, seus passos o fariam gradativamente aproximar do pirata, tateando aquele corpo o marinheiro procuraria informações, algo em seus bolsos, vestes ou tatuagens e marcas, algo que ligasse o homem ao restante da tripulação que fazia parte, ou pistas de para onde seguir.

Ao que terminasse de analisar o corpo o sargento já estaria inconscientemente ajudando o pirata, limpando seus ferimentos e tratando o que pudesse, sem gastar muito com isso, afinal não valia a pena apenas adiar sua dor, isso caso não houvesse chance alguma de o salvar, caso contrário ele o faria. O marinheiro lançaria o pirata ao mar quando confirma-se sua morte, e se alguém questiona-se-o por que, ele explicaria.
- Piratas procuram o mar em busca de liberdade, um lugar onde eles acham seus tesouros… Ou sua morte. - Faria uma pausa, observando o azul das águas. - Acho esse um enterro digno de um pirata. - Viraria de costas para terminar seus assuntos pendentes.

Agora olhando para seu companheiro piloto, o qual havia sido incubido de averiguar a área ao redor, ou apenas olhando de canto de olho enquanto tentava realizar alguma cirurgia ou preparativo para salvar alguma vida, ele cobraria seu relatório.
- E então soldado? Que relatório tem para me entregar? Algo suspeito? - Questionaria, pronto para ouvi-lo.

Feito o que pudesse para cuidar dos feridos o superior voltava sua atenção para o restante do grupo, provavelmente ainda bastante cansado.
- Alguém mais está ferido? Todos estão bem? - Questionaria com um tom de voz mais preocupado, apesar de parecer bem mais relaxado de quando teve de atender o soldado Leonidas.

Tendo cuidado de todos os seus aliados Julian finalmente sentaria para respirar e descansar um pouco, sem contar sua cabeça, cheia de pensamentos, o jovem não sabia muito bem o que poderia fazer por agora, apenas pensava em poder encontrar uma vila próxima, isso até ele lembrar de Noami e sua informação.
- Soldada Noami, aqueles rastros que você havia verificado iam para o Leste e para o lado oposto, não? - Diria esperando uma confirmação da mesma. - Então temos que seguir para estes locais pelo mar, será muito melhor que pela terra, primeiro descansaremos um pouco aqui, quando estiverem totalmente recuperados partiremos, tudo bem para vocês?

Mesmo que estivesse cansado o sargento reconhecia sua falta de preparo para muitas coisas durante esta missão, sendo a principal o meio de transporte que os marinheiros possuíam no momento, fazendo o loiro suspirar, desejando ter o poder de aprender esse tipo de coisa apenas por osmose, sem precisar gastar tempo de descanso para tal, e dessa forma o tempo passaria, sua preguiça lhe havia dominado antes de perceber, apenas despertando para isso quando já estivesse completamente descansado.

Assim que que todos os presentes estivessem descansados e preparados para partir o sargento iria até um dos peixes e se colocaria na sela de carona, apesar de que ele pediria para o piloto lhe ensinar a como pilotar um daqueles peixes, se novamente fosse Majolu o qual lhe guiaria como piloto, antes de pedir para lhe ensinar, agradeceria.
- Ah, soldado Majolu, gostaria de agradecer ao apoio que tem dado nesta missão, e ao suporte que tem oferecido, obrigado. - Julian diria sério, agora completando com o pedido para treino. - Eu gostaria de saber se poderia me ensinar a como pilotar um peixe desses? Aparentemente será necessário para meu futuro e eu gostaria de não mais oferecer peso algum a vocês. - Diria sentindo um certo peso na consciência.

Dependendo do relatório entregue pelo marinheiro que realizou a ronda talvez D’Capri procurasse também realizar uma pequena parada próxima ao gigantesco crustáceo morto, para observar o que poderia estar acontecendo ali, isso se ele já não estivesse na direção que o sargento pretendia ir.


Histórico:
 

Ferimentos:
 

Objetivos:
 

Pistas:
 

OFF:
 



Créditos: [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] e [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]


____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.][Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

Aventuras:
 


[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Revescream
Narrador
Narrador
Revescream

Créditos : 10
Warn :  As mil espadas - As mil aranhas - Página 2 10010
Masculino Data de inscrição : 09/10/2019
Idade : 16
Localização : Desconhecida

 As mil espadas - As mil aranhas - Página 2 Empty
MensagemAssunto: Re: As mil espadas - As mil aranhas    As mil espadas - As mil aranhas - Página 2 EmptyQui 02 Jul 2020, 23:14


Narração
Horário: Dia
Clima: Primavera
Localização: Floresta Paradisíaca - Ilha Aracne

Julian D'Capri



D'capri novamente sentia aquele sentimento, testemunhar a espreitada da morte e sobreviver a ela em seguida. Muitas dúvidas pairavam sobre a mente do rapaz quanto ao que se referem ao comportamento das aranhas, elas eram semelhantes em alguns aspectos com as que tiveram enfrentado no incidente de dias atrás, mas ainda possuíam muitas diferenças que notavelmente deixavam essas atuais mais ameaçadoras e letais. Contundo, o sargento estava certo ao lembrar-se de sua profissão, ele fazia medicina e não biologia, assim que conseguia se levantar ele rapidamente caminhava em direção aos seus colegas para auxiliar em seus ferimentos.

Com seu kit médico em mãos, primeiramente, Jullian pretendia melhorar a condição na qual um de seus subordinados se encontrava, ferido e parcialmente envenenado, porém não antes de fazer uma pergunta na qual surpreendia todos. O silêncio era a única resposta que o médico recebia, provavelmente, todos os soldados presentes exerciam um "cargo" específico entre eles como Majolu sendo um Navegador e Noami uma Rastreadora, assim, era no mínimo preocupante o talvez único médico da frota não possuir conhecimentos sobre a área de venenos.

Depois de realizar alguns tratamentos básicos em seus companheiros, e desfazer-se de dois soldados na sequência, o comandante da frota caminhava em direção ao pirata que aparentemente estava morto... Somente aparentava mesmo, pois ainda se encontrava respirando de maneira frenética e intensamente, lutando pela sobrevivência, porém, como o próprio médico já deduzia, não havia maneira de evitar a sua morte... Mas era possível adia-la, e foi assim que se sucedeu.

O foragido soltava roucos gemidos de dor quando o marinheiro limpava algumas de suas feridas, este que também aproveitava para verificar quaisquer pistas que pudessem existir pelo corpo do pirata, mas não conseguia encontrar nada além de areia em suas vestes. - E... E-eles... Eles estão... Mortos. - Dizia algumas palavras sem nexo, seus olhos marejavam enquanto seu último suspiro era dado e o brilho de seus olhos desaparecia completamente.

Confirmando a morte do criminoso Jullian jogava seu corpo ao relento do mar aberto, alguns marinheiros achavam curiosa aquela atitude, mas eram agraciados logo em seguida com a explicação do sargento e suas palavras sinceras. - Realmente... Talvez seja mesmo. - Majolu pronunciava em resposta, porém, parecia mais um comentário em voz alto para si próprio do que para o sargento, distraído em seus devaneios e pensamentos.

Deixando-se procrastinar gradativamente, Jullian questionava a integrante feminina do grupo sobre a informação que a própria tinha dado anteriormente esperando que ela reconfirmasse sua tese. No entanto, era correspondido em desaprovação pelo par de olhos estreitos da morena. - Perdão, senhor, mas eu disse que eles seguiram para o Leste e para frente. Provavelmente, quase certeza, dividiram-se em dois grupos de números irregulares. O de menor quantidade foi para o Leste enquanto o de maior seguiu adentrando a mata pelo caminho em que estávamos... - Ela dava um certo ênfase em algumas de suas palavras, entretanto, respeitando o tom de voz que um soldado deveria corresponder para com seu superior, deixando uma ponta de decepção surgir em sua face. - Eu o informei de maneira equivocada? - Antes que percebesse Jullian parecia ter se agarrado ao sono, embora o próprio ainda estivesse consciente e ouvindo as palavras que lhe eram dirigidas, fazendo a mulher bufar de irritação com aquela atitude.

Um período indeterminado de tempo se passava, não saberia ao certo dizer quanto, porém, ainda foi pouco o bastante para que o céu não mudasse sua coloração da manhã para tarde. Finalmente o sargento despertava de seu sono, revigorado, observando os arredores e percebendo que sua frota também estava sem as antigas expressões de cansaço. Entretanto, curiosamente, os marinheiros mais distantes pareciam não terem notado o grupo nem após esse intervalo, somente liberando um dos peixes para que dupla antiga de soldados pudesse retornar para o navio como solicitado.


Histórico:
 

Legenda:
 

OFF:
 
Voltar ao Topo Ir em baixo
jonyorlando
Sargento
Sargento
jonyorlando

Créditos : 11
Warn :  As mil espadas - As mil aranhas - Página 2 10010
Masculino Data de inscrição : 15/04/2016
Idade : 20
Localização : Grand Line - 2º rota - Ilha Aracne

 As mil espadas - As mil aranhas - Página 2 Empty
MensagemAssunto: Re: As mil espadas - As mil aranhas    As mil espadas - As mil aranhas - Página 2 EmptySex 03 Jul 2020, 11:40




O peso da justiça! Os pensamentos de um jovem!
Julian D’Capri

Infelizmente no momento em que Julian foi posto a teste suas habilidades careceram outra vez, sua falta de conhecimento na área era de fato uma complicação, principalmente levando em conta que sua profissão era uma das mais importantes dentro de uma missão e que sua posição na marinha lhe aplicava grande peso, outra vez o jovem confirmava sua falta de preparo para as situações que vivenciava, mas ele nada podia fazer diante isso, não naquele momento. Apesar disso o peso de sua consciência não era apagado apenas com a tentativa de ignorar o fato, e sim fomentava ainda mais a ideia do jovem estar despreparado e ter muito ainda para evoluir, retrocedendo sua memória até um objetivo profundo que o médico guardava na mente, de algum tempo atrás.

Com seu conhecimento o loiro fez o que podia diante da situação em que se encontravam, Leonidas conseguiu ser enviado para cuidados especializados e o pirata agora estava morto, verdadeiramente, era uma tragédia, a qual não mais podia ser feito nada, suas últimas palavras, no entanto, traziam consigo uma notícia esclarecedora, os piratas estavam mortos, o grupo que estava com este último integrante foi devorada pelas aranhas, um fim trágico, mas suscetível a todos que adentram aquela ilha, como quase foi o caso dos marinheiros. Por outro lado a morte dos piratas também era algo bom, menos trabalho, a maior parte se foi.

Contudo, nem tudo eram flores e sua conversa com Noami confirmava isso, ela estava certa e o sargento cansado, não que o preguiçoso tivesse um momento específico para seus ataques de procrastinação.
- Perdão soldada, equivoquei-me, agradeço a correção. - Diria Julian, agradecendo as palavras da rastreadora, percebendo seu olhar irritado.

Julian já foi mais inteligente, bem como mais prestativo, talvez o ataque de aranhas tenha-o demandado uma carga mental que não esperava ter, foi a primeira vez comandando um grupo que estava exclusivamente sob seu comando em uma missão designada a eles, o peso da responsabilidade realmente existia e aproveitando-se do momento de descanso o loiro aproveitaria para fazer o que faz de melhor, relaxar.

Aquele momento de calmaria realmente se faria necessário, o espadachim sabia que uma boa noite de descanso era o melhor remédio para a fadiga e um dos melhores preparativos para uma batalha, entretanto sua cabeça não parava de pensar, nem em um relaxamento ele conseguia de fato o fazer, pegando sua mente diversas vezes o depreciando e questionando o porquê dele estar ali, relembrando de suas falhas e despreparos até agora, mas D’Capri tinha uma ótima filosofia de vida que o fazia rapidamente dispersar as palavras da sua frente, mesmo que elas mantivessem-se em sua cabeça.
"Eu sou realmente um preguiçoso, Asuna estava certa, eu sou negligente demais... O que será que todos pensam de mim?... Fui promovido apenas por pena?... O que todos diriam ao me ver agora?... Os capitães teriam orgulho ao me verem agora? O que eles diriam?... Será que estou no caminho certo... Ou apenas segui tudo da maneira mais errônea possível?... Mereço estar aqui?... Eu sou útil de verdade?"

Por sorte o preguiçoso recuperou-se de forma rápida, uma benção para o andamento da missão, permitindo que ele voltasse a movimentar-se, acenando com a cabeça para seus aliados e aproximando-se destes o garoto daria suas próximas ordens, eles tinham dois soldados a menos, mas isso não importava tanto quanto a perda permanente de um deles, a missão estava tendo um bom andamento até agora.
- Estão todos prontos para darmos nossa partida? - Questionaria o sargento, esperando todos ficarem de pé e/ou seguirem.

Agora se aproximando da dupla de marinheiros que ficaram responsáveis pela segurança dos peixes o sargento acenaria levemente com a mão, em um gesto para ambos “descansarem”, D’Capri não podia os culpar ou reclamar de suas ações, ele havia lhes dado uma ordem e ambos obedeceram.
- Relatório senhores. - Pediria, quase ordenando, o loiro tinha que saber o que exatamente estava acontecendo para tomar seus próximos passos, afinal estratégia foi a única ferramenta, até agora, a qual ele obteve um bom desempenho.

Com as palavras dos homens sendo ouvidas o superior confirmaria com a cabeça uma vez que suas falas tivessem encontrado seu fim, confirmando seu entendimento sobre o que lhe foi dito.
- Muito bem, bom trabalho. - Diria ao término do relatório entregue.

Julian viraria-se para seus companheiros marinheiros e encarando todos nos olhos, passaria as próximas ordens.
- Seguiremos para o lado leste da ilha, como a soldada Noami bem disse, foi para lá que o outro grupo de piratas seguiu, provavelmente são os únicos dos 12 piratas que ainda estão vivos, visto nossa última visita ao interior da floresta. - Com uma rápida pausa o superior se recompunharia e daria continuidade. - De antemão agradeço a todos vocês por sua colaboração, estamos partindo. - Caso nenhum dos dois marinheiros relatasse algo estranho, como movimentação duvidosa ou ter visto os piratas pela área que fez a ronda o sargento finalizaria sua fala, caso contrário ele adicionaria essa informação ao discurso, para que todos estivessem cientes dos próximos passos que tomariam.

Dando continuidade a sua ordem de partida o marinheiro logo se direcionaria a um dos peixes e se colocaria na sela de carona, esperando que o piloto chegasse para que então todos pudessem partir, de costume o loiro não se importaria muito em estar na sela de carona, isso se não fossem por seus sentimentos de inutilidade e peso para a equipe, os quais começariam a fazê-lo se incomodar.
Assim que todos estivessem prontos para partir e se arrumando nos peixes o jovem viraria para seu piloto, esperando poder pedir para este um treino de pilotagem, caso fosse Majolu o qual lhe guiaria como piloto, antes de pedir para lhe ensinar, agradeceria ao navegador.
- Ah, soldado Majolu, gostaria de agradecer ao apoio que tem dado nesta missão, e ao suporte que tem oferecido. - Julian diria sério, agora completando com o pedido para treino. - Eu gostaria de saber se poderia me ensinar a como pilotar um peixe desses? Aparentemente será necessário para meu futuro e eu gostaria de não mais oferecer peso algum a vocês. - Diria sentindo um certo peso nos ombros.

Poderia não ser uma hora propícia para tal ensinamento e se uma resposta negativa vinhesse dos lábios de Majolu, o espadachim compreenderia.
- Eu entendo, não se preocupe.

Dando a partida a frota começaria a se mover e dependendo do relatório entregue pelo marinheiro que realizou a ronda, D’Capri provavelmente procuraria realizar uma pequena parada próxima ao gigantesco crustáceo morto e redondezas, para observar o que poderia estar acontecendo ali, isso se ele já não estivesse na direção em que o sargento pretendia ir.


Histórico:
 

Ferimentos:
 

Objetivos:
 

Pistas:
 



Créditos: [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] e [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]


____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.][Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

Aventuras:
 


[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Revescream
Narrador
Narrador
Revescream

Créditos : 10
Warn :  As mil espadas - As mil aranhas - Página 2 10010
Masculino Data de inscrição : 09/10/2019
Idade : 16
Localização : Desconhecida

 As mil espadas - As mil aranhas - Página 2 Empty
MensagemAssunto: Re: As mil espadas - As mil aranhas    As mil espadas - As mil aranhas - Página 2 EmptySeg 06 Jul 2020, 23:23


Narração
Horário: Dia
Clima: Primavera
Localização: Floresta Paradisíaca - Ilha Aracne

Julian D'Capri



Após um breve intervalo de descanso e mais alguns longos minutos de reflexões e incertezas, o sargento e sua tropa prosseguiam em direção a dupla de marinheiros que guardavam os veículos voador-aquáticos. Embora os questionamentos de sua liderança ainda perpetuassem em sua mente D'Capri matinha a mentalidade sobre sua missão e responsabilidade com seus companheiros, deixando que seus erros e défices servissem como forma de aprendizado e melhora de suas capacidades.

Chegando próximo aos soldados em questão o sargento acenava para ambos e cobrava o relatório dos mesmos, sendo correspondido com um outro acenar de cabeças da dupla. Para sua felicidade, ou não, os dois relatavam não testemunharem nada pelas áreas que estavam responsáveis, restando somente então ao sargento agradecer pelo esforço de sua frota e ordenar o próximo avanço na ilha. Era perceptível uma inquietude vinda de alguns, mas nada que fosse muito visível de confirmar.

Seguindo adiante - coincidentemente, todos subiam em suas montarias com suas respectivas duplas, fazendo Jullian ser acompanhado de Majolu na pilotagem do peixe-voador. - Sem problemas, senhor! Será um imenso prazer ensina-lo, mas temo que agora não seria muito adequado... Talvez depois da missão? - O solado respondia seu superior com um sorriso descontraído no semblante, apesar de perceber a seriedade nas palavras do sargento, parecia tentar animar o comandante com aquele pequeno gesto espontâneo.

Levantando voou, os marinheiros partiam em direção ao Leste da ilha e aproveitavam para averiguar novamente a paisagem de cima. O sargento conseguia visualizar o ponto memorável de onde teve sua "derrota" contra as aranhas, embora a folhagem intensa das árvores atrapalhesse bastante, também avistava o caranguejo gigante ainda encalhado na praia, e como relatado pelo subordinando, sem sinais bruscos de qualquer alteração.

Quando finalmente cruzavam as margens da esquerda para a direita Majolu chamava a atenção da companhia ao lado, indicando que estavam perto de aterrissarem. - Esses barcos sempre estiveram aqui? - O comentário desconfiado fazia os olhos do sargento encararem a paisagem abaixo, visualizando os barcos que reconhecia tê-los vistos na rondas feitas anteriormente. Agora, estando mais perto, também poderia ver que existia uma trilha mais afundo da floresta que se conectava diretamente com o caminho do cais onde os barcos se atracavam.


Histórico:
 

Legenda:
 

OFF:
 
Voltar ao Topo Ir em baixo
jonyorlando
Sargento
Sargento
jonyorlando

Créditos : 11
Warn :  As mil espadas - As mil aranhas - Página 2 10010
Masculino Data de inscrição : 15/04/2016
Idade : 20
Localização : Grand Line - 2º rota - Ilha Aracne

 As mil espadas - As mil aranhas - Página 2 Empty
MensagemAssunto: Re: As mil espadas - As mil aranhas    As mil espadas - As mil aranhas - Página 2 EmptyTer 07 Jul 2020, 17:06




De volta ao combate! A pausa analítica!
Julian D’Capri

Por sorte os relatórios entregues pelos homens não citavam nenhuma movimentação suspeita, isso poderia significar que a ilha ao menos estava quieta, não que isso fosse sinônimo de calmaria, mas ao menos as preocupações diminuiriam, com isso o foco era apenas um, acabar com os planos dos piratas e prender o restante dos fugitivos.

O loiro torcia para que seus aliados estivessem tendo sucesso em suas respectivas missões.

Uma vez montado no peixe e preparado para partir o sargento ouvia as palavras de Majolu, contendo sua resposta, e agradeceria as mesmas em seguida, ele estava certo, não era o momento ideal para um aprendizado, todavia o soldado oferecia tal ensino em uma ocasião posterior mais favorável.
- Quando for mais oportuno está tudo bem, grato soldado Majolu.

Apesar das boas palavras do navegador, D'Capri já sabia que provavelmente nem todos pensavam de forma igual, seus homens eram bons, mas provavelmente sua falta de experiência começaria a afetar a maneira de como todos o viam, ele esperava conseguir a confiança de todos novamente e para isso teria que se esforçar bastante, realmente ser um líder não era algo fácil.

Dando continuidade ao andamento da missão os marinheiros partiram, rapidamente cobrindo uma grande área da ilha em pouco tempo graças a velocidade de suas montarias, o sargento reconhecia sua utilidade e sua versatilidade, eram criaturas magníficas que mereciam os devidos créditos, isso só fazia o jovem pensar o quão pouco sabia do mundo e o quanto ainda precisaria aprender.

A ronda parecia tranquila, até que demais (não que Julian estivesse se incomodando com a ociosidade), isso até o grupo de marinheiros avistar algumas áreas suspeitas, sendo Majolu o primeiro a comentar sobre isto.
- Estavam, mas não nessa posição… - Responderia o superior, ficando em alerta. - Temos que descer, vamos parar mais a frente. - Outra vez estaria se preocupando com os animais, pedindo uma posição mais oculta para ganharem um esconderijo para eles, caso a posição que estivessem fosse afastada o suficiente do “palco de combate” então ele diria no lugar. - Vamos parar aqui.

Talvez não fosse só D’Capri que tivesse notado a trilha, mesmo assim sentia que valia a pena seu comentário em voz alta.
- Aquela trilha, não havia notado antes, mas parece que ela está se aprofundando mais na floresta. - Comentava mais para si do que para os “subordinados”, como um sussurro em voz alta.

Quando todo o time estivesse em terra e “estacionado” os peixes num local seguro o sargento então esperaria os aliados estarem completamente prontos e dispostos.
- Não sabemos de quem são aqueles barcos ou o que, e quem, podemos encontrar por aqui, então teremos que seguir cautelosos, nesse primeiro momento faremos o reconhecimento da área, temos que saber o que está acontecendo. - E com suas palavras ele encararia seus homens. - Se alguém tiver algum plano de ação estou disposto a ouvir.

Caso ninguém se pronunciasse, ou caso o fizesse e pedisse a posição do sargento, então o loiro continuaria e explicaria o plano que tinha em mente.
- Vamos seguir pela mata, próximo de onde está a trilha, ficaremos ocultos até termos uma visão plena de tudo, depois tomaremos as devidas providências, entendido?

Com a confirmação de todos, o time de defensores da justiça poderia partir em direção a missão, seguindo o mais sorrateiramente possível, talvez se Julian não fosse privilegiado por ter uma calma divina ele estaria suando como num deserto, tanto pela adrenalina quanto por sua preocupação em alcançar as expectativas de seus companheiros, mas esse não era o caso, então o superior apenas continuaria sua cuidadosa caminhada com seu clássico rosto apático.


Histórico:
 

Ferimentos:
 

Objetivos:
 

Pistas:
 

OFF:
 



Créditos: [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] e [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]


____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.][Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

Aventuras:
 


[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Revescream
Narrador
Narrador
Revescream

Créditos : 10
Warn :  As mil espadas - As mil aranhas - Página 2 10010
Masculino Data de inscrição : 09/10/2019
Idade : 16
Localização : Desconhecida

 As mil espadas - As mil aranhas - Página 2 Empty
MensagemAssunto: Re: As mil espadas - As mil aranhas    As mil espadas - As mil aranhas - Página 2 EmptyQui 09 Jul 2020, 00:26


Narração
Horário: Dia
Clima: Primavera
Localização: Floresta Paradisíaca - Ilha Aracne

Julian D'Capri



Poucas palasvras eram necessárias para que toda frota seguisse para um local mais distante, e de maneira sorrateira, do cais em que se encontravam os barcos. Embora, inicialmente, o comandante não falasse nada a respeito da possibilidade de existir indivíduos próximos aos alvos, o esquadrão de marinheiros agia conforme as regulações que a situação necessitava. Posteriormente obedeciam ao comando do sargento e pousavam seus veículos próximos a um "banco de areia", ocultando-os em rochedos que existiam perto da costa.

Chegando a terra firme, ainda mantendo uma distância considerável do cais, os defensores se preparavam de antemão para qualquer situação inesperada, ou no mínimo plausível, que poderia existir daquele ponto em diante. Notava-se um clima tenso sendo criado em torno do grupo, quase todos pareciam cautelosos com as ações que seriam tomadas a seguir, quando D'Capri dava a oportunidade para que alguém se pronunciasse rapidamente uma mão era levantada chamando a atenção de todos ali presentes. Para a surpresa, ou não, do sargento, tratava-se da única pessoa que parecia estar serena, depois de Jullian, com toda aquela situação: Noami.

- Não existe ninguém dentro de cinquenta metros dessa área, senhor. - A afirmação dita, e a maneira casual de como era falada, chocava a todos os deixando com um semblante de surpresa no rosto, entretanto, a integrante feminina não parava por ali. - Apesar de o terreno arenoso demonstrar que sim, algumas pessoas estavam aqui, cerca de meia hora atrás, precisamente falando, eu já consegui visualizar que não existe nenhum perigo visual aparente nessa região. - A tranquilidade proporcionada pela soldada talvez chamasse a atenção de D'Capri, de uma forma positiva, com isso não demorava muito para que alguns dos soldados suspirassem de alívio e contentarem-se com as palavras da morena.

- Visão abençoada, é como dizem? Não é atoa que lhe apelidaram de "A Pantera" no QG de Baterilla! - Um tom cômico era perceptível na fala de um dos marinheiros, como se conhecesse ou fosse um velho amigo da soldada que afirmava sua tese, porém aquilo não era tão bem visto pela morena que correspondia com um olhar ameaçador que transparecia penetrar o espírito do soldado brincalhão, deixando-o assustado com a reação. - Pelo visto, não é somente nas habilidades que ela se assemelha. - Um sussurro, quase em tom de riso, era realizado pelo soldado Majolu, sendo ouvido apenas por Jullian e outro soldado que estava ao seu lado e que também sorria da situação.

Após aquele momento de descontração se esvair, os marinheiros seguiam com suas ações um pouco mais relaxadas, mas ainda em alerta para uma possível armadilha não detectada pela "sensora" da equipe. Percorriam todo o perímetro, espalhando-se pela área inteira, realizando o tão acostumado reconhecimento de área que todos praticavam em algum momento de sua carreira, averiguando com mais detalhes tudo sobre aquele cenário.

Resumindo, primeiramente, graças as capacidades da rastreadora, era possível afirmar que realmente havia pessoas transitando por aquele local. Dos quinze barcos que estavam atracados no cais, em doze se encontravam mantimentos como água e comida e alguns objetos "suspeitos", como livros, acessórios de metal, e ornamentos de barro, que posteriormente um soldado os declarava como falsificados após uma breve análise. Os arredores, como também falado por Noami, não apresentavam nada fora do normal do que já tinha sido visto anteriormente. Contudo, ninguém se arriscou a verificar a trilha que se destacava para o fundo da nova mata...


Histórico:
 

Legenda:
 

OFF:
 
Voltar ao Topo Ir em baixo
jonyorlando
Sargento
Sargento
jonyorlando

Créditos : 11
Warn :  As mil espadas - As mil aranhas - Página 2 10010
Masculino Data de inscrição : 15/04/2016
Idade : 20
Localização : Grand Line - 2º rota - Ilha Aracne

 As mil espadas - As mil aranhas - Página 2 Empty
MensagemAssunto: Re: As mil espadas - As mil aranhas    As mil espadas - As mil aranhas - Página 2 EmptyQui 09 Jul 2020, 13:17




Quietude! O cais fantasma!
Julian D’Capri

O sargento mais uma vez conseguia se impressionar com as habilidades dos soldados que o rodeavam, Noami surpreendia outra vez com suas incríveis vantagens de rastreador entregando um relatório visual motivador, era como ter um anjo da guarda, a soldado de certo era especial e não só era uma honra a ter por perto, como te-la do lado da marinha também era um grande alívio na busca pela justiça, porém, outra vez, o superior questionava-se como que alguém como ele é que estava no comando?

Sem muito tempo para reflexões filosóficas a ignorância do loiro agiu, ocultando e guardando seu pensamento no baú mental, enquanto a mente dele pensava no que fazer em seguida, se os “donos” do cais não estavam por perto, tinham que ter ido para alguma outra localidade e provavelmente apenas a trilha lhes daria tal resposta.

Desligando-se um pouco da mente o jovem acabava por voltar ao momento em que os comentários sobre a “Pantera” estavam no ar, talvez um bom apelido para se colocar na soldada, que realmente se assemelhava em mais de um aspecto com o predador, um sorriso de canto era esboçado por D’Capri ao processar os cochichos que ouvia.
- Grato por suas palavras soldada Noami, bom trabalho. - Dizia relaxando, dissipando um pouco da tensão que sentia em seus ombros. - E é bom ver uma conterrânea por aqui. - Completava com um comentário casual, uma vez que o samurai também vinha da mesma ilha.

Prosseguindo com a missão o superior terminava de verificar os barcos junto dos soldados e com a inspeção rápida de um dos seus homens era esclarecido que todos os produtos mais valiosos eram todos falsos, o que deixava uma pulga atrás de sua orelha, no primeiro momento em que a capitã Kokai e todos chegaram à praia, foi confirmado que em caixotes haviam substâncias suspeitas, provavelmente drogas, ao contrário desses barcos, haviam algumas possibilidades do porquê disso:
- 1: Aqueles barcos abatidos pelos marinheiros eram os únicos que transportavam as drogas
- 2: Esses barcos já tiveram as substâncias descarregadas e esses itens estavam sendo usados como distração
- 3: São dois bandos de piratas diferentes
D’Capri acreditava mais na segunda opção.

Com todo o reconhecimento da área feito só havia mais uma opção a ser seguida, explorar a trilha que os levaria para o fundo da mata, tomando a frente e encarando os soldado outra atualização na missão seria feita.
- Daqui para frente deveremos encontrar alguns empecilhos em nosso caminho, vamos seguir trilha vegetação a dentro e descobrir até onde isso leva, olhos abertos e que nossa sorte esteja em dia. - Antes de dar as costas e seguir o loiro daria mais uma observação. - Ah, informar isso também é importante... - Sussurrava. - Quando aqui cheguei com minha capitã descobrimos que os piratas carregavam consigo caixotes cheios de substâncias suspeitas, não atirem em nenhum caixote que virem, vai que isso manda todo mundo pelos ares.

Agora sim Julian estava pronto para seguir pela trilha enquanto os piratas não vem apenas dando ordens para que uma formação de combate fosse formada, igual a que fizeram quando seguiram mata adentro pela primeira vez, Julian e Noami a frente, ela por ser rápida e a rastreadora (e amuleto da sorte), Julian por ser o mais resistente e superior, atiradores no meio junto de um combatente (caso houvesse um para isso, e o restante de combatentes na retaguarda, com o espaçamento entre os grupos de no máximo dois metros.

Enquanto não estivessem em batalha o espadachim estaria um pouco mais relaxado, porém não desatento, verificando sempre seus arredores e com uma mão apoiada na bainha infinita pronto para sacar uma espada.

O superior também achava-se na obrigação de agradecer Noami, sua ajuda na missão até agora foi imprescindível, assim como Majolu suas ações lhe destacavam bastante.
- Obrigado por seu esforço soldada Noami, você foi uma das peças chaves nessa missão, sei que não sou o melhor, por isso agradeço a seu apoio e paciência.

Como outrora havia pensado, Julian nunca presenciou um trabalho em equipe de uma forma tão vívida quanto essa, estava acostumado a apenas fazer tudo sozinho ou com pouca ajuda, dessa vez ele tinha certeza que sem aqueles homens não teria nem mesmo saído da floresta das aranhas, quiçá do barco, então não sabia como reagir direito a tudo isso.
- Obrigado pela sorte também. - Um pequeno sorriso seria esboçado pelo sargento. - Acho que quanto maior o gato maior a sorte.

Seu último comentário fazia ponte com o tal apelido "Pantera" que a jovem aparentemente tinha, já que gatos são conhecidos por trazer energias positivas e sorte, na cabeça dele foi uma ótima analogia e elogio.

Continuando o caminho o loiro manteria-se focado na missão e na trilha, quando observasse qualquer movimento não natural ou fosse alertado disso por alguém entraria de imediato em uma pose de batalha, ou mandaria todos se esconderem, se houvesse como, caso achassem alguma área suspeita o loiro mandaria todos começarem a adotar um andar mais discreto, para que pudessem seguir sem chamar a atenção e observarem o que estaria acontecendo para bolarem um plano de ação (Modo stealth), nesse primeiro o samurai não queria entrar em combate para não chamar a atenção e consequentemente piorar a situação que os marinheiros se encontravam, todos estavam em um ambiente desconhecido e sem informação do que estaria ocorrendo mais a frente, mais piratas poderiam surgir e prender os marinheiros, usando-os como reféns ou simplesmente como exemplo e os executando.

De qualquer forma nenhuma das opções era boa, a não ser fazer o reconhecimento da área antes de uma possível batalha.


Histórico:
 

Ferimentos:
 

Objetivos:
 

Pistas:
 



Créditos: [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] e [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]


____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.][Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

Aventuras:
 


[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Conteúdo patrocinado




 As mil espadas - As mil aranhas - Página 2 Empty
MensagemAssunto: Re: As mil espadas - As mil aranhas    As mil espadas - As mil aranhas - Página 2 Empty

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
As mil espadas - As mil aranhas
Voltar ao Topo 
Página 2 de 6Ir à página : Anterior  1, 2, 3, 4, 5, 6  Seguinte

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
One Piece RPG :: Grand Line - Paradise (Paradaisu) :: Ilha Aracne-
Ir para: