One Piece RPG
Partindo pra briga! A primeira caçada! - Página 2 XwqZD3u


One Piece RPG : A GRANDE ERA DOS PIRATAS
 
InícioBuscarMembrosGruposRegistrar-seConectar-se
Últimos assuntos
» Sidney Thompson
Partindo pra briga! A primeira caçada! - Página 2 Emptypor Zed Hoje à(s) 01:19

» Ler Mil Livros e Andar Mil Milhas
Partindo pra briga! A primeira caçada! - Página 2 Emptypor Fukai Hoje à(s) 00:49

» Seasons: Road to New World
Partindo pra briga! A primeira caçada! - Página 2 Emptypor Ravenborn Hoje à(s) 00:26

» Hello darkness my old friend...
Partindo pra briga! A primeira caçada! - Página 2 Emptypor Zed Hoje à(s) 00:09

» Phantom Blood
Partindo pra briga! A primeira caçada! - Página 2 Emptypor Licia Ontem à(s) 23:50

» [M.E.P]Kujo
Partindo pra briga! A primeira caçada! - Página 2 Emptypor Kujo Ontem à(s) 23:42

» [Mini-Aventura] A volta para casa
Partindo pra briga! A primeira caçada! - Página 2 Emptypor Ryoma Ontem à(s) 23:30

» Enuma Elish
Partindo pra briga! A primeira caçada! - Página 2 Emptypor Thomas Kenway Ontem à(s) 23:07

» [E.M] - Gostosuras e Travessuras
Partindo pra briga! A primeira caçada! - Página 2 Emptypor Blum Ontem à(s) 22:44

» Xeque - Mate - Parte 1
Partindo pra briga! A primeira caçada! - Página 2 Emptypor Ceji Ontem à(s) 22:22

» Ain't No Rest For The Wicked
Partindo pra briga! A primeira caçada! - Página 2 Emptypor Hoyu Ontem à(s) 22:00

» BOOH!
Partindo pra briga! A primeira caçada! - Página 2 Emptypor Oni Ontem à(s) 21:35

» [LB] O Florescer de Utopia III
Partindo pra briga! A primeira caçada! - Página 2 Emptypor Kekzy Ontem à(s) 21:27

» Apresentação 6 ~ Falência Bombástica
Partindo pra briga! A primeira caçada! - Página 2 Emptypor Furry Ontem à(s) 21:24

» Meu nome é Mike Brigss
Partindo pra briga! A primeira caçada! - Página 2 Emptypor Oni Ontem à(s) 21:07

» The One Above All - Ato 2
Partindo pra briga! A primeira caçada! - Página 2 Emptypor Thomas Kenway Ontem à(s) 21:07

» Que se ascenda o fogo!
Partindo pra briga! A primeira caçada! - Página 2 Emptypor ADM.Tidus Ontem à(s) 21:01

» Mise en place
Partindo pra briga! A primeira caçada! - Página 2 Emptypor ADM.Tidus Ontem à(s) 21:01

» [MINI - Gates] O Pantera Negra
Partindo pra briga! A primeira caçada! - Página 2 Emptypor Ryoma Ontem à(s) 20:46

» [M.E.P - Gates] O Pantera Negra
Partindo pra briga! A primeira caçada! - Página 2 Emptypor Ryoma Ontem à(s) 20:44



------------
- NOSSO BANNER-

------------

Naruto AkatsukiPokémon Mythology RPG
Naruto RPG: Mundo Shinobi
Conheça o Fórum NSSantuário RPG
Erilea RegionRPG V Portugal
The Blood OlympusPercy Jackson RPG BR
A Song of Ice and FireSolo Leveling RPG
Veritaserum RPGPeace Sign RPG
Pokémon Adventure RPG

------------

:: Topsites Zonkos - [Zks] ::


 

 Partindo pra briga! A primeira caçada!

Ir em baixo 
Ir à página : Anterior  1, 2, 3, 4, 5, 6  Seguinte
AutorMensagem
ADM.Tidus
Duque Azul
Duque Azul
ADM.Tidus

Créditos : 62
Warn : Partindo pra briga! A primeira caçada! - Página 2 10010
Masculino Data de inscrição : 10/06/2011
Idade : 27
Localização : 1ª Rota - Karakui

Partindo pra briga! A primeira caçada! - Página 2 Empty
MensagemAssunto: Partindo pra briga! A primeira caçada!   Partindo pra briga! A primeira caçada! - Página 2 EmptyQua 08 Maio 2019, 13:07

Relembrando a primeira mensagem :

Partindo pra briga! A primeira caçada!

Aqui ocorrerá a aventura do(a) civil Kirihara Tetsuya. A qual não possui narrador definido.


____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

Olá Convidado, seja bem-vindo ao One Piece RPG.
Links para ajuda: [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo

AutorMensagem
Raizen
Administrador
Administrador


Data de inscrição : 18/04/2011

Partindo pra briga! A primeira caçada! - Página 2 Empty
MensagemAssunto: Re: Partindo pra briga! A primeira caçada!   Partindo pra briga! A primeira caçada! - Página 2 EmptyQua 15 Maio 2019, 21:24


Quando eu tive a certeza de que aqueles piratas nojentos haviam ido embora, não pensei duas vezes antes de sair do arbusto e me aproximar da mulher cuidadosamente afim de conseguir algumas informações, eu sei que eu não sou a pessoa mais sensível do mundo ou o mais educado, mas naquela hora eu tentei ser tudo isso e mais um pouco, porque ser grosseiro com uma pessoa que passou pelo o que ela havia passado era algo cruel demais até mesmo para os meus padrões de hostilidade. Aparentemente a minha abordagem fez algum efeito, porque eu fui conseguindo informações pouco a pouco, porém uma coisa me incomodou enquanto aquela mulher falava, ela de certa forma estava me diminuindo, dizendo que eu não tinha chances sem sequer me conhecer ou me ver lutar, ela simplesmente me julgou pela aparência. Depois que ela me julgou, eu simplesmente parei de prestar atenção no que ela falava, pois só passava uma coisa pela minha cabeça naquele momento. - " Quem ela pensa que é?! Ela não pode simplesmente falar essas merdas sem esperar que eu responda! " - e foi exatamente o que eu fiz, antes mesmo de esperar ela terminar de falar, eu respondi. - Escuta aqui! - disse de forma grosseira e impaciente junto com uma expressão hostil. - Eu não sei quem você pensa que é ou acha que eu sou! Mas você não pode simplesmente me julgar pela aparência e dizer que eu não sou capaz sem nem me conhecer ou ver minhas habilidades! Não é porque o fraco do seu marido tomou uma surra, que significa que ninguém pode derrotar aqueles idiotas. - dei uma pequena pausa, pois realmente estava aborrecido com a maneira que ela falou, isso resultou em um leve rosno enquanto a encarava nos olhos. - E só pra você saber, eu não estou preocupado contigo ou com aquele fracote, simplesmente eu estava procurando um pirata para caçar e vocês estavam entre mim e ele, o que será de vocês não me interessa! - finalizei o que eu queria dizer a ela e em seguida dei as costas.

Ok, eu poderia ter reagido de outra forma e dizer o que eu disse de maneira menos agressiva, mas essas coisas eu não consigo evitar, minha sinceridade excessiva somado com meu gênio forte é uma combinação bem perigosa pra esse tipo de situação. Eu sabia o caminho que os piratas haviam tomado e logo comecei minha corrida até lá, porém antes que eu pudesse me afastar muito eu senti um cheiro bem conhecido: sangue. No momento em que farejei isso e notei que estava bem próximo de mim, meus olhos arregalaram e eu imediatamente olhei para trás, vendo que a mulher estava caída no chão e havia  sangue. - Maldição! - eu disse quase como um reflexo, naquela hora eu poderia ter ignorado e seguido meu caminho, principalmente depois das coisas que ela havia dito, porém, naquele momento parecia que meu corpo havia se mexido sozinho e eu imediatamente voltei atrás, indo em direção a ela, segurando sua cabeça com cuidado com uma das mãos. - Ei!! O que houve?! Eii!! - tentei fazer algum tipo de contato, mas sem sucesso, aparentemente ela estava desmaiada.

- Mas que droga! O que eu faço?! - disse com a expressão um tanto preocupada enquanto olhava eo meu redor, buscando algum tipo de vida humana ou algo do gênero, se não tivesse sucesso, eu iria a carregar nos braços, fecharia os olhos para me concentrar em meus outros sentidos e tentar farejar humanos ou ouvir alguma coisa que pudesse me levar a uma aldeia, mas logo me veio a mente uma coisa que o Kirin disse. Desde pequeno eu sempre tive um intelecto um pouco avantajado, alguns até me chamariam de gênio, mas isso não importa agora, eu sempre fui muito bom em aprender coisas com extrema facilidade, memorizar e resolver diversos tipos de padrões. - " Aquele covardão me disse que o povo da ilha vive perto da grande árvore... " - pensei enquanto desviei o olhar para a árvore. Se eu não encontrasse ninguém nesse local que eu estivesse, teria um novo destino: ir até a grande árvore. Com a mulher nos braços eu iria correr o mais rápido que eu conseguisse tomando cuidado para não tropeçar ou nada do gênero, se durante a corrida eu me cansasse por estar com muito peso, pararia alguns segundos e me encostaria em uma das árvores para descansar um pouco e recuperar o fôlego, mas não demoraria muito porque aquela mulher precisava de ajuda e eu iria tentar chegar na árvore o mais rápido possível. Uma vez que eu chegasse no local, não faria o mínimo esforço para ser discreto, assim que eu visse sinal de vida, chegaria correndo e gritando. - Médico!! Eu preciso de um médico, essa mulher está morrendo! - diria de forma bem alta sem me importar com as consequências, se encontrasse pessoas dispostas a ajudar, eu não pensaria duas vezes em segui-las para ajudar aquela mulher. Mas se ao invés de encontrar pessoas dispostas a ajudar, encontrasse pessoas hostis, eu iria parar, deixar a mulher no chão cuidadosamente e diria bem preocupado. - Eu não ligo para o que vocês pensam de mim ou se eu sou bem vindo ou não. Mas não deixem ela morrer por causa disso! - diria e me afastaria do corpo, saindo de perto do vilarejo e me escondendo entre as árvores.








Histórico:
 
Voltar ao Topo Ir em baixo
Paulo Bruno XVIII
Membro
Membro
Paulo Bruno XVIII

Créditos : Zero
Warn : Partindo pra briga! A primeira caçada! - Página 2 9010
Data de inscrição : 02/04/2019
Idade : 19
Localização : Organ Island

Partindo pra briga! A primeira caçada! - Página 2 Empty
MensagemAssunto: Re: Partindo pra briga! A primeira caçada!   Partindo pra briga! A primeira caçada! - Página 2 EmptySab 18 Maio 2019, 19:35


Partindo pra briga! A primeira caçada!


– Entregue ela para nós imediatamente. – um homem desconhecido trajando um avental branco falava enquanto vestia umas luvas que eram sacadas de seus dois únicos bolsos imediatamente – Sou médico, entregue-a para mim – dois outros homens ajudavam Kirihara a leva-la para dentro de uma casa construída a base de bambu coberto por uma folhagem de coloração amarelo queimado, já que aparentemente se tratava de uma oca antiga.

– Espere-nos aqui fora, é um procedimento padrão para evitar que qualquer bactéria entre nesse lugar. – era estranho a afirmação desse médico acerca da proteção do ressinto já que se tratava de uma oca com duas enormes janelas ao lado e um buraco que havia sido onde os dois homens que pegaram a mulher dos braços do mink tinham entrado. – Iremos checar o que ela tem e então prestar os devidos cuidados. – falou o médico já de costas seguindo em direção a uma maca onde os homens colocaram a Elizabeth.

Aparentemente eles não se importavam que o humanoide ficasse ali assistindo os procedimentos pelo buraco que era a porta, o homem de nome ainda desconhecido imediatamente media os batimentos cardíacos da jovem colocando seu dedo indicador e o do meio no pulso dela, eram procedimentos básicos para que ele pudesse dar início na pesquisa acerca do o que ela tinha.

Enquanto isso ao redor de Kirihara, aparentemente ele estava em uma tribo de menor porte, o jovem ainda não tinha certeza de onde estava, em seu entorno haviam outras 3 ocas além da que o médico estava, não eram de grande porte mas da posição atual em que ele estava era possível ver em torno de umas 8 pessoas, pessoas essas que trajavam panos que tapavam suas genitais e que demonstravam medo vendo aquela cena que havia ocorrido tão rápido.

Ainda era esquisito o fato daquele individuo estar tratando Elizabeth assim de repente, talvez ele fosse algum próximo da jovem e por isso ele não tinha hesito em prestar ajuda, ou talvez fosse só um homem fazendo caridade para alguém que estava mal. Agora dependia apenas do mink o que ele irá fazer, novamente risadas podiam ser escutas apenas por ele que vinham aparentemente do litoral da ilha, exatamente para a direção que os piratas haviam ido, talvez ele pudesse ir conferir para saber se o homem estava bem, ou então ele pudesse esperar até que a jovem estivesse melhor, poderia ele conferir o local que estava falando com alguém, essa escolha dependerá apenas de Kirihara...



Falas:
 


____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Raizen
Administrador
Administrador
Raizen

Créditos : 60
Warn : Partindo pra briga! A primeira caçada! - Página 2 10010
Masculino Data de inscrição : 18/04/2011
Localização : Grand Line – 6ª Rota – Alabasta

Partindo pra briga! A primeira caçada! - Página 2 Empty
MensagemAssunto: Re: Partindo pra briga! A primeira caçada!   Partindo pra briga! A primeira caçada! - Página 2 EmptySab 18 Maio 2019, 23:42


Depois que a mulher simplesmente desmaiou com todo aquele sangue em volta, mesmo eu estando com raiva da atitude dela, eu não consegui ir embora e deixa-la ali para quem sabe, morrer. Tomado por um sentimento de ter visto minha mãe morrer por uma doença que era incurável, eu a segurei nos braços e corri o mais rápido possível sem hesitar. Mesmo não querendo admitir, por associar aquela situação com a de minha falecida mãe, eu de certa forma estava preocupado. Corri muitos metros tentando sentir o cheiro de algo ou algum tipo do som de humanos e para minha sorte, tive sucesso. Depois de ter certeza onde havia vida, aumentei mais a minha velocidade até finalmente chegar, a princípio fiquei um pouco receoso, mas diante da situação eu não me importei muito com as consequências e logo clamei por ajuda, o que para a minha sorte novamente, fui respondido. Depois que o suposto médico e seus auxiliares recolheram a mulher dos meus braços, eu fiquei um pouco mais aliviado e isso resultou em um pequeno suspiro seguido de um relaxamento muscular, baixando levemente a minha guarda nesse curto intervalo. - " Bom... Pelo menos não tive que chutar nenhuma bunda para conseguir ajuda pra ela. " - foi a primeira coisa que passou pela minha cabeça.

Quando a mulher finalmente estava segura, eu pude me dar ao luxo de olhar em volta e observar onde exatamente eu estava e logo percebi que se tratava de uma pequena tribo onde não haviam muitos habitantes, aliás, dava pra contar nos dedos quantos haviam. - " Eu certamente não chamaria isso de tribo, ta mais pra um acampamento... - pensei um pouco desapontado com o que via, mas era o que tinha para hoje. Não demorou muito até que eu finalmente notasse o que aquelas pessoas vestiam e isso me fez arquear uma de minhas sobrancelhas e fechar um pouco a cara. - " Essa gente não tem vergonha?! - eram tantas coisas passando pela minha cabeça naquele momento que eu mal conseguia me concentrar. Felizmente eu havia conseguido ajuda para aquela mulher, então não tinha motivo algum para eu ficar ali, afinal eu sequer gostava dela, se eu fizesse uma médida do quanto eu simpatizo e não simpatizo com ela, certeza que o não simpatizo teria muito mais coisas escritas, então sem dizer uma só palavra eu me retirei daquele acampamento e é claro que eu já tinha um novo destino.

Ao contrário do que aquela pessimista me disse, eu sabia que era capaz e iria provar que era, com isso em mente eu me dirigi até o local onde ouvia as risadas. - " Com certeza são eles, piratas realmente não sabem rir... " - uma coisa que me incomodava bastante era o jeito que gente má ria, eu tinha quase certeza que existia um manual para isso, e era regra rir de forma escrota, mas isso é história para outra aventura. Eu fui correndo em direção ao barulho, e quando sentisse que estava me aproximando, ia diminuindo um pouco o rítimo e deixaria os meus melhores sentidos agirem, a audição e o olfato. A partir do momento que eu começasse a andar mais devagar, levaria a minha destra até o cabo de minha espada e começaria a caminhar lentamente e com a guarda bem fechada, pronto para sacar minha katana e bloquear qualquer tipo de ataque surpresa que eu pudesse notar. - " Eles provavelmente devem estar em algum tipo de acampamento ou um navio, então as chances de ter algum sentinela é alta, se eles forem espertos, claro... " - eu tinha alguma noção do que poderia me esperar e por isso os meus cuidados eram redobrados. Tentaria me aproximar o máximo possível usando a furtividade para ocultar a minha presença e claro, tomando cuidado com as árvores e arbustos afim de encontrar algum vigia ou algo do gênero, se encontrasse e percebesse que estava sozinho, iria cuidadosamente dar a volta até ficar em um ângulo onde pudesse me aproximar por trás dele e assim, se conseguisse a aproximação com sucesso, chegaria por trás dele e usando bastante força eu bateria com o cabo de minha katana em sua nuca para faze-lo desmaiar, e assim esconderia o corpo onde conseguisse. Se fosse mais de um vigia, eu tentaria não chamar muito a atenção, e por isso daria a volta e procuraria um local onde não tivesse vigias e ao mesmo tempo tivesse uma boa visão de tudo. Uma vez que conseguisse ficar bem posicionado, tentaria observar tudo o que conseguisse, como a quantidade de piratas, as armas que usavam, onde estavam o líder e o prisioneiro, se era um acampamento ou algo do gênero para assim eu ter alguma noção do que fazer. Se em algum momento eu fosse notado, usando minha aceleração com furtividade eu tentaria me misturar nos arbustos e árvores para sumir da visão deles e assim evitar um confronto no qual eu estivesse despreparado.








Histórico:
 

____________________________________________________



[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] l [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]



Olá Convidado, seja bem-vindo ao One Piece RPG.
Links para ajuda: [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | Mudanças Importantes | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]



Voltar ao Topo Ir em baixo
Ceji
Caçador de Recompensas
Caçador de Recompensas
Ceji

Créditos : 2
Warn : Partindo pra briga! A primeira caçada! - Página 2 10010
Masculino Data de inscrição : 04/02/2013

Partindo pra briga! A primeira caçada! - Página 2 Empty
MensagemAssunto: Re: Partindo pra briga! A primeira caçada!   Partindo pra briga! A primeira caçada! - Página 2 EmptyDom 19 Maio 2019, 06:09

Welcome To The Jungle - Parte I

Em meio à escuridão, uma luz surgia no horizonte, quase que me chamando em sua direção, me acolhendo em seu confortável calor. Meus olhos lentamente se abriam, mesmo ainda querendo se manterem fechados, apenas para ver a luz de antes invadir minha visão de uma vez. Meu braço esquerdo rapidamente cobria meus olhos para impedir que a luz prejudicasse minha vista, enquanto meus outros sentidos lentamente seguiam seguiam a liderança da minha visão e retornavam a atividade. Ondas batiam em minhas pernas de tantos em tantos segundos, impedindo-as de secarem sob o sol, enquanto minhas costas clamavam por ajuda, apoiadas sob aquela dura e ao mesmo tempo maleável areia molhada. Todas aquelas informações eram mais do que o suficiente para uma dedução, ao menos sobre onde estava no momento, e mesmo antes de sequer me levantar a imagem da praia já vinha a minha mente.

Enquanto me levantava, finalmente com minhas forças de volta após despertar, e, ao ver aquela vasta floresta atras da praia, percebia que uma parte da minha memória parecia faltar. Eu nunca havia visto aquela ilha, e mesmo assim lá estava eu. Eu sabia que meu raciocínio ainda não estava tão rápido, mas graças a um certo desespero que me afligia naquele momento, não tinha como não tentar primariamente lembrar de como havia ido parar naquele lugar. Forçando minhas têmporas, logo me peguei tentar retornar a fita das minhas memórias, vendo que estavam todas em branco, excerto... O barco. Minha mente ia clareando conforme eu recordava do ocorrido, da tempestade que havia atingido o barco mercante ao qual eu estava trabalhando e pegando carona, a confusão, o estrago, o naufrágio... Minhas últimas memórias acessíveis eram eu agarrado a um pedaço de madeira, lutando para não ser arrastado pelas ondas enquanto rezava para minha jornada não se encerrar ali. Por mais que fossem eventos teoricamente desconexos, não era difícil deduzir como havia parado ali, provavelmente trazido pelas ondas da tempestade, ou por sorte ao ser levado em direção a correntes marítimas. Como exatamente eu havia chegado ali não mais importava, o que importava era como eu sairia - Eu tô ferrado... - Murmuraria, me tocando da enrascada em que havia me metido.

Tudo bem, eu havia por sorte sobrevivido à tempestade e ao naufrágio, o que já era algo para se agradecer, mas dando uma olhada na ilha ela não parecia na uma oporão muito melhor, aquele monte de árvores parecia a configuração típica de ilhas desertas, e, por mais que eu desejasse do fundo do meu coração que dessa vez estivesse errado, não poderia agir ali contando com uma chance pequena de encontrar nativos amigáveis. Sem muito ânimo para continuar observando aquele mar de árvores, me pus rápido a vasculhar meus bolsos para ver o que havia sobrevivido aquilo tudo. Suprimentos, armas, itens fúteis, tudo havia sido levado pelas ondas tortuosas, me deixando apenas com algumas notas úmidas que deveriam somar cerca de cinquenta mil berries, e não podia deixar de ficar triste constatando isso - Droga, até minhas balas de café... - Reclamava com o nada, de forma idiota pensando antes na falta da cafeína do que na falta de armas naquele território possivelmente hostil.

Naquele momento eu tinha duas opções: Ficar mais um pouco na praia para o sol secar minhas roupas, ou me agitar logo ali para resolver o máximo de problemas no menor espaço de tempo. Por mais que trabalhar com roupas leves e secas fosse tentador, infelizmente havia entrado areia nas minhas roupas; sem a opção de me despir totalmente ali para limpar a areia, eu acabaria tendo que procurar um riacho ou cachoeira pra deixar a água corrente carregar os grãos, o que significava que eu acabaria tendo que me molhar denovo, tornando a primeira opção um tanto quanto impraticável. Decidindo meu curso de ação, logo adentraria em meio às árvores, buscando três coisas: um riacho, frutas ou sinais de vida humana por ali. Sendo o riacho minha prioridade, tentaria a todo momento tentar escutar o barulho de água corrente, ao qual, caso ouvisse, iria imediatamente em sua direção, mas tomando o cuidado de ter certeza que não cruzaria com nenhum animal ou coisa parecida no meio do caminho. Uma vez que chegasse no riacho que possivelmente houvesse encontrado, entraria no mesmo e, submergindo o máximo possível, começaria a sacudir a bater na parte interna das minhas vestes, tentando fazer a areia sair para a água e limpar as roupas, em especial a roupa íntima. Após me livrar da areia, sairia da água e, me balançando um pouco para me livrar do excesso de água, retornaria a busca pela ilha.

Caso encontrasse frutas no meio do caminho, fossem em árvores ou em arbustos, por não saber identificar se eram comestíveis ou venenosas, tentaria ver indícios de que animais as comeram. Frutas no chão pela metade, com marcas de mordida ou bicada de pássaros seriam indícios que animais as comiam, o que significava que não eram venenosas; nesse caso eu cataria algumas, nem que precisasse tentar as derrubar da árvore tacando pedrinhas, caso em que eu agradeceria por ter uma mira minimamente boa. Caso eu ouvisse ou visse algum ser humano ou similar no meio do caminho ou adiante, tentaria me esconder atrás de alguma árvore, e então sobre-ouvi-lo e o observar, para tentar averiguar se era um nativo pacífico, um nativo agressivo ou uma pessoa de fora assim como eu. Sendo o último caso, eu me aproximaria - Err... C-com licença? - Diria, juntando coragem pra interagir com aquele estranho, uma vez que eu precisava me localizará ali, e ele talvez pudesse me ajudar com algo - V-você sabe onde tem um riacho por a-aqui? Essa ilha tem p-pessoas? Eu meio que naufraguei aqui... - Questionaria a certa distância, ainda com receio de me aproximar. Não por medo de ele ser agressivo, mas por puro receio de contato mesmo, especialmente por medo das minhas roupas molhadas ainda estarem colando um pouco no corpo, o que seria problemático.
OFF:
 

Histórico do Ceji:
 

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

R.I.P. Lars:
 


Última edição por Ceji em Sab 06 Jul 2019, 11:27, editado 1 vez(es)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Paulo Bruno XVIII
Membro
Membro
Paulo Bruno XVIII

Créditos : Zero
Warn : Partindo pra briga! A primeira caçada! - Página 2 9010
Data de inscrição : 02/04/2019
Idade : 19
Localização : Organ Island

Partindo pra briga! A primeira caçada! - Página 2 Empty
MensagemAssunto: Re: Partindo pra briga! A primeira caçada!   Partindo pra briga! A primeira caçada! - Página 2 EmptyDom 19 Maio 2019, 14:58


Partindo pra briga! A primeira caçada!


Akira:

Akiria havia posteriormente participado de um tragédia em um barco mercantil cujo ele trabalhava e pegava carona, em especial a jovem havia acabado em Torino Kingdom, uma ilha com predominância vegetal tendo em seu centro uma arvore de tamanho colossal, os matos dessa ilha em uma primeira visão deixavam claro ser densos gerando certa dificuldade para o trafego de qualquer indivíduo sem algum meio de retirá-los.

A garota natural de Micqueot não aparentava estar tão suja, a presença de areia entre e abaixo de suas pesadas roupas eram quase mínimas devido as suas densidades, mas aparentemente isso ainda a incomodava. Coisas como a hidratação e a alimentação que eram aspectos importantíssimos para Akira após um coma e o enorme ingestão da salgada água do mar era necessário para seu bem estar um tempo de repouso junto a uma completa alimentação.

Meio fraca, sua escolha a princípio era encontrar algum meio fluido de agua presente na ilha, um riacho seria perfeito para limpeza total de seu corpo. Em torno de meia hora caminhando, devido ao clima estar fresco e sem presença de muitos insetos à primeira vista, tudo parecia tranquilo, sons de pássaros a chilrear tornavam o ambiente extremamente confortável junto a temperatura agradável que podia ser presenciado ali, mas nada do que ela buscava era encontrado tão fácil assim.

Tentando utilizar de sua audição para encontrar algum possível som de agua correndo, Akira não tinha sucesso, poucas elevações existiam na ilha fazendo assim ser difícil o encontro com quedas de agua, quando de repente a sua frente um balde velho meio enterrado era encontrado, ele possuía certa quantidade de agua que aparentemente era mais do que o necessário para sua “higienização”.

Por se tratar de algo meio velho com até presença de musgos em algumas partes, o balde deveria ter sido descartado por alguém ou ido parar ali por forças da natureza que o carregaram a aquele lugar. Não muito longe do balde uma arvore exuberante com diversas maças gordas ricas em pectina e vitaminas, substancias essas que seriam de eximia ajuda para a jovem. Eram maças vermelhas tradicionais, Akiria não deveria ter medo de ingeri-las devido a banalidade dessas frutas.

Em direção contraria ao balde, um som de risadas era facilmente escutado por ela, era como se um bando nativo estivesse a festejar ou algo assim, o som não era tão facilmente identificado, apenas poderia ser deduzido que era a risada de diversas pessoas conciliadas pelo ar, após sua refeição e limpeza ela teria ainda a escolha de ir checar o que era já que quem sabe poderia encontrar alguns nativos que tivessem armas consigo para dar ou vender a garota, isso dependeria apenas dela agora.


Kirihara:

Seu objetivo a princípio agora era retornar ao encontro dos piratas vistos mais cedo, mas dessa vez para estudá-los com mais precisão do que foi no última vez. Para a sorte de Elizabeth agora ela estava sobre cuidados de aparentes médicos, Kirihara mesmo que negasse de certa forma não deixaria uma humana inocente morrer da forma que ela quase morreu, como um benfeitor faria, o humanoide buscou ajuda e teve sucesso na procura fazendo com que assim ela tivesse a maior chance de sobreviver.

Seguindo agora em direção as risadas que podiam unicamente serem escutadas por ele naquele local em que estava, de forma cautelosa ele avançava pronto para defender o que pudesse vir a atingi-lo, conforme fosse se aproximando iria diminuído sua velocidade e ficando mais atento para o pior, como vigias que fossem estar ao rodear de onde o capitão estivesse, que era uma das incógnitas para o mink que só tinha informação de onde eles estavam e não de quem estava lá.

Para sua sorte nenhum humano que pudesse ser hostil fora presenciado por ele, nem cheiro e nem sinal de vigias, o único concentrar dessas pessoas era na praia que já estava muito próxima da posição de Kirihara. O cheiro sentido mais cedo era novamente presenciado, era um cheiro podre muito similar ao de petrificação, combado com o cheiro de suor seco era meio difícil para o homem cachorro estar ali, quanto mais ia na direção deles, mais o cheiro piorava tornando quase impossível permanecer ali, o que era um problema.

Um denso mato antes da areia da praia era um ótimo esconderijo para o mink, devido ao déficit na proteção do lugar pelos piratas o jovem poderia usar e abusar de diversos esconderijos sem ser visto, algumas arvores grossas também estavam postas antes da areia sendo ótimos esconderijos além do mato, o hibrido de homem e cão tinha a sua disposição diversas opções para transitar e buscar mais detalhes dos piratas que agora já estavam presentes dentro do seu campo de visão.

A princípio uma enorme cadeira estava na praia com um enorme cara sentado nela, era o já conhecido do mink Kaio, o Anarquista. Sem pelo algum pelo corpo ele estava com seus enormes dentes a gargalhar possivelmente do homem que estava a sua frente machucado, Kaio estava agora vestindo duas enormes luvas de box vermelhas com ataduras expostas em seu pulso que possivelmente também estavam nas mãos dele, ambas estavam repletas de sangue mas era mais nítido nas ataduras que naturalmente eram de coloração brancas.

Na espécie de um círculo ao redor do homem tanto o capitão do bando quanto os piratas se encontravam olhando para o homem também visto posteriormente pelo humanoide. – Não vai me dizer onde está o mapa? Seu inseto. – Era proferido por Kaio para provocar e buscar a resposta do que ele estava aparentemente buscando com o homem. – E-eu não vou dizer... – Lentamente o já machucado conhecido de Elizabeth dizia em tom lento e com pronuncia arrastada.

Analisando a cena e contando, haviam 12 piratas juntos ao Kaio naquele lugar aparentemente desarmados já que estavam sem camiseta e não tinham onde esconderem armas, próximo a encosta do mar um navio simplório com uma bandeira atada no mastro mostrando uma caveira sem muito detalhe. Na própria praia havia várias caixas, cerca de umas 7 tendo uma sozinha e outras 6 empilhadas espalhadas pela praia, havia também uma fogueira apagada um pouco longe mas que possivelmente havia sido feita também por eles, tudo isso compunha basicamente um acampamento dos piratas na ilha de Torino Kingdom.

Talvez não fosse apropriado para o mink se intrometer naquilo, no total havia 13 pessoas hostis que o atacariam caso tentasse intervir, ele infelizmente teria de assistir de longe a morte daquele homem sem poder agir caso almejasse ter um futuro, quando de repente um assobio era escutado por ele, atrás dele ainda meio longe um home com seus olhos fechados a assobiar se aproximava lentamente, ele estavam se camiseta apenas com uma calça vermelha e uma longa arma pendurada em seu tórax, por estar despreocupado ele andava reto em direção à praia com os olhos lentamente sendo abertos, era um pirata do bando de Kaio, o que Kirihara faria para não ser visto?
Kaio, o Anarquista:
 



Falas:
 


____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ceji
Caçador de Recompensas
Caçador de Recompensas
Ceji

Créditos : 2
Warn : Partindo pra briga! A primeira caçada! - Página 2 10010
Masculino Data de inscrição : 04/02/2013

Partindo pra briga! A primeira caçada! - Página 2 Empty
MensagemAssunto: Re: Partindo pra briga! A primeira caçada!   Partindo pra briga! A primeira caçada! - Página 2 EmptySeg 20 Maio 2019, 13:05

Welcome To The Jungle - Parte II

Por mais que eu estivesse definitivamente tenso e com um pouco de medo de não conseguir sair daquela ilha, não tinha como não esboçar um sorriso ao saborear aquelas saborosas maçãs naturais. O tempo que eu fiquei a deriva aparentemente havia me deixado com mais fome do que eu havia imaginando inicialmente, o que me fazia devorar as maçãs com uma voracidade incrível, com uma em cada mão, fazendo restarem apenas as sementes das frutas - Ao menos algo de bom nessa espelunca! - Exclamava no intervalo entre as mordidas. Não só a "carne" da fruta, mas o fato da maçã ser uma fruta bastante úmida, liberando seu suco a cada mordida, apenas contribuía à minha apreciação, graças a sede que a água salgada havia me causado. Havia sido uma sorte tremenda achar maçãs em vez de qualquer outra fruta, de tão perfeitamente que elas ajudavam as minhas privações. Quer dizer, quase todas, já que comer tanta maçã apenas aumentava minha vontade de beber um pouco de café, mesmo sabendo que naquela situação isso seria um pouco complicado.

Agora que estava limpo e alimentado, finalmente conseguia raciocinar direito, era hora de buscar algum meio de buscar algo que me desse a esperança de sair daquela ilha. É claro que se eu quisesse algo assim eu precisaria de um barco ou ao menos de uma jangada, mas infelizmente havia um problema: Eu não fazia a menor ideia de como trabalhar com madeira e muito menos fazer barcos, então não precisava de nem dois neurônios pra saber que não conseguiria fazer sozinho. Quer dizer, eu poderia chegar em algum resultado com algumas semanas e várias tentativas, mas eu definitivamente não estava disposto a esperar esse tempo todo ali. Eu precisava achar alguém que pudesse me ajudar, mas isso implicaria em necessitar de alguma outra pessoa na ilha, e que ainda estivesse disposta a ajudar. Bom, nesse caso eu poderia também tentar conseguir um barquinho pronto, mas confiar nesse nível de boa vontade dos outros não seria uma boa.

Quase que como chamando minha atenção e estilhaçado meus pensamentos, um som de risada ressoou próxima, uma risada aparentemente humana. Só por aquilo não dava pra saber se eram vozes amigáveis ou hostis, mas definitivamente eram de alguma pessoa, vozes próximas que indicavam que aquela ilha possívelmente não era deserta como eu temia. Me enchi de animação ao ouvir aquilo, chegando até a dar um pulo de supetão, mas sabia que poderia ser perigoso simplesmente me aproximar, já que nada me garantia que não seria um bando pirata ancorado, ou até mesmo nativos violentos, mas eu não podia simplesmente ficar ali parado e jogar aquela oportunidade fora. Pegando uma maçã menos madura e de aparência saudável, guardaria a mesma comigo e em seguida lentamente me aproximaria das vozes. Eu não esperava conseguir chegar ao lado deles sem ser notado, mas torcia para ao menos conseguir os visualizar de uma boa distância.

Uma vez que me aproximasse o suficiente para conseguir ver os donos da risada, tentaria forçar meus olhos para identificar algo nos mesmos. Se eram nativos, gente de fora, se tinham algum uniforme, alguma tatuagem, o que estavam fazendo, era necessário saber se eram piratas ou coisa parecida antes de arriscar me aproximar, porque se não acabaria me metendo em uma enrascada sem tamanho. Eu sabia que existia a possibilidade de não conseguir identificar nada da suposta distância segura, mas se eles gargalhavam alto daquele jeito, esperava que fossem tão expressivos quanto no vestuário e ações. Caso minha análise confirmasse que eram piratas ou ao menos gente fazendo algo incrivelmente suspeito, teria que abandonar a esperança e me afastar, já que não adiantaria tentar sair da ilha se fosse capturado ou morto. Se fosse ainda por cima visto por eles e tentassem me perseguir, tentaria correr a toda velocidade na direção contrária, na esperança de os despistar ou abrir distância, sempre cogitando pular nos cipós para tentar me impulsionar pra cima de uma árvore ou pra outro local, até ter certeza que não estava mais sendo perseguido. Caso apenas um deles, talvez um vigia, me visse e tentasse me atacar, daria um avanço na direção contrária, tente ao chão, pra tentar catar uma pedra, ao qual tentaria jogar em seu rosto para o fazer parar e me dar tempo de correr. Uma vez livre denovo, voltaria a vagar pela ilha em busca de um rio ou riacho, ao qual seguiria seu curso em busca de pessoas, fosse um acampamento ou uma aldeia.

Caso fossem nativos aparentemente amigáveis ou gente aparentemente normal se divertindo, me aproximaria lentamente tentando identificar melhor, mas preparado para correr caso não fosse o que eu pensava. No caso de ainda não parecerem hostis, apareceria no local em que estavam - Err... Oi? D-desculpe incomodar, mas algum de vocês saberia me dizer que local é esse? - Perguntaria, com as duas mãos visíveis para mostrar que não era uma ameaça, mas ainda suando frio e preparado pra correr. Sendo respondido ou ao menos recebesse uma interação amigável em resposta, me aliviaria e deixaria parte da tensão se dissipar - Eu meio que naufraguei aqui, então eu agradeceria se pudessem me dar uma noção geral sobre a ilha. Se tiverem um pouco de café eu também teria interesse, tenho um pouco de dinheiro pra comprar - Mas, se fossem nativos, completaria com as sobrancelhas franzidas - ...Embora não tenha c-certeza de vocês aceitam essas notas aqui.
Histórico do Ceji:
 

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

R.I.P. Lars:
 


Última edição por Ceji em Sab 06 Jul 2019, 11:34, editado 1 vez(es)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Raizen
Administrador
Administrador
Raizen

Créditos : 60
Warn : Partindo pra briga! A primeira caçada! - Página 2 10010
Masculino Data de inscrição : 18/04/2011
Localização : Grand Line – 6ª Rota – Alabasta

Partindo pra briga! A primeira caçada! - Página 2 Empty
MensagemAssunto: Re: Partindo pra briga! A primeira caçada!   Partindo pra briga! A primeira caçada! - Página 2 EmptySeg 20 Maio 2019, 23:03


Depois de ter deixado aquela mulher pessimista com os médicos, finalmente já era hora de eu partir, e eu sabia exatamente para onde ir. Seguindo o barulho que aqueles trogloditas emitiam, logo eu senti que estava me aproximando, isso porque novamente senti aquele cheiro repugnante de antes. - " Não! De novo não! " - pensei enquanto rapidamente levei o meu antebraço até o nariz. Quanto mais me aproximava, mais sentia aquele cheiro pesado e mais forte, sem dúvida alguma era um grande desafio para mim, pois ao mesmo tempo que o meu olfato me ajudava bastante, em certas ocasiões como essa, ele me incomodava muito, não chegava a atrapalhar, mas incomodava sim bastante. Quando cheguei no local, imediatamente busquei um bom esconderijo, o que não foi difícil, pois aqueles macacos eram muito descuidados e arrogantes e isso facilitou bastante a minha vida, que logo me aproximei o suficiente para escutar o que era dito. Fiquei atentamente escondido ouvindo tudo o que era dito, e uma coisa me chamou muito a atenção. - " Um mapa? Mas de que? Seria um tesouro? Bom, eles são piratas, muito provavelmente seria um mapa de tesouro, e isso não me deixa surpreso... Não duvido nada que tenha algum tipo de tesouro nessa ilha onde judas perdeu as botas... " - pensava comigo mesmo enquanto continuava a observar.

Dessa vez eu estava melhor posicionado e por isso consegui ver de forma mais clara o que buscava saber, eram 12 homens desarmados e sem camisa, não pareciam ser grande coisa, mas aquele Kaio sim seria um possível problema. - " Maldito careca, com certeza vai me dar trabalho. " - eu já estava começando a ficar um pouco aflito, porque apesar de me achar forte, fiquei em dúvida se conseguiria encarar 13 homens de uma só vez, ainda mais com o Kaio, que parecia ser bem mais forte que aqueles insetos ao seu redor. O tempo foi passado e cada vez mais a situação ia se complicando, uma vez que eu já estava vendo a hora de eles matarem o refém e eu estava em dúvida do que fazer. - " Maldição!! O que eu faço? " - a dúvida, o medo e o receio começaram a tomar conta do meu corpo e eu comecei a rosnar levemente por estar em conflito e isso me deixou levemente exaltado. Eu estava rosnando baixo, mas por via das dúvidas me afastei um pouco mais para não chamar a atenção de nenhuma forma.

Naquele momento em que me afastei um pouco para me recompor, escutei um tipo de assobio e imediatamente olhei para o local de onde vinha e me escondi de forma mais segura para observar. Era um homem que se vestia como os piratas e estava com a guarda aparentimente baixa. Eu não sabia ao certo se ele era um dos piratas ou algo do gênero, mas eu sempre sou racional e tento sempre tomar o caminho mais seguro. - " Na pior das hipóteses ele é um membro daquele grupo e está com uma arma de fogo nas costas, quanto menos gente e menos armas eu puder enfrentar, melhor... Não vou correr o risco! " - se ele fosse um inimigo, seria um a menos para enfrentar, assim como uma arma a menos para me preocupar. Com isso em mente, eu olharia para o chão e tentaria achar qualquer coisa que pesasse, seja um galho ou uma pedra ou o que for, eu pegaria, mas se não encontrasse nada eu desamarraria a minha espada da cintura e sacaria a katana, ficando com a arma na mão direita e a bainha na mão esquerda. Uma vez que tivesse alguma coisa com um certo peso em mãos, usando minha furtividade eu tentaria me aproximar do meu alvo de forma segura e se conseguisse chegar perto dele, tentaria me posicionar atrás do alvo e assim jogaria a pedra/galho/bainha para o lado esquerdo afim de fazer um tipo de barulho para chamar a atenção do homem e faze-lo olhar naquela direção. Se conseguisse fazer isso com sucesso, eu imediatamente correria de forma silenciosa pelo lado oposto e chegaria por trás dele usando o cabo da minha espada para acerta-lo na nuca com bastante força e assim faze-lo desmaiar.  Uma vez que tivesse conseguido isso, se eu tivesse jogado a bainha da minha espada, iria pegar de volta e amarrar em seu devido local e logo em seguida pegaria o homem pelos pés e o arrastaria até um arbusto grande para esconder o corpo. Antes de abandonar o corpo, eu tiraria a arma dele e pegaria para mim, assim como buscaria outras coisas de interessante que ele portasse. - " Essa arma pode ser útil. Mesmo que eu não saiba usar, posso encontrar alguém que saiba, e já seria uma adição para mim. " - pensaria enquanto penduraria a arma no meu toráx. Uma vez que tivesse com essa arma, eu imediatamente voltaria correndo para o vilarejo afim de encontrar alguém que pudesse me ajudar. Uma vez que chegasse no vilarejo, não diria e nem faria nada, apenas ficaria agindo de forma discreta enquanto observaria todos que ali estavam até encontrar alguém que eu julgasse que seria útil. Se em algum momento o meu plano contra o suposto pirata falhasse, eu imediatamente iria me esconder entre os arbustos e usando minha furtividade eu faria me movendo em volta dele até conseguir uma chance de acerta-lo e seguir com minhas ações, mas se ele começasse a gritar por socorro, eu simplesmente abandonaria o local de forma rápida e furtiva.








Histórico:
 

____________________________________________________



[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] l [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]



Olá Convidado, seja bem-vindo ao One Piece RPG.
Links para ajuda: [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | Mudanças Importantes | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]



Voltar ao Topo Ir em baixo
Paulo Bruno XVIII
Membro
Membro
Paulo Bruno XVIII

Créditos : Zero
Warn : Partindo pra briga! A primeira caçada! - Página 2 9010
Data de inscrição : 02/04/2019
Idade : 19
Localização : Organ Island

Partindo pra briga! A primeira caçada! - Página 2 Empty
MensagemAssunto: Re: Partindo pra briga! A primeira caçada!   Partindo pra briga! A primeira caçada! - Página 2 EmptyTer 21 Maio 2019, 18:58


Partindo pra briga! A primeira caçada!


Akira:

Akira havia resolvido checar a origem das risadas que ele ouvia, aparentemente ele estava curioso e em busca de respostas acerca de onde era seu paradeiro atual. A jovem não estava muito longe do local de onde vinham as risadas, muito pelo contrário, ela estava a aproximados 3 minutos de caminhada do local porém mesmo assim devido a vasta e densa floresta era impossível averiguar de lá do que se tratava as gargalhadas desse bando que ele escutava, talvez pudessem mesmo ser nativos amigáveis que possuíam o que ele buscava.

Chegando próximo ao local, de forma sorrateira a jovem procurava fazer um reconhecimento de quem e de o que estava lá, não demoraria muito para ela ver em sua frente um barco ancorado na encosta da ilha de tamanho médio com uma bandeira negra sinalizando se tratar de piratas, ainda na areia cerca de 12 desses piratas de porte similar juntos a um maior completamente sem pelos, aparentemente esse era o capitão.

– Eu estou perdendo minha paciência com você... – Levantando o enorme homem murmurava com uma voz grave e uma feição que demonstrava insatisfação em não receber o que buscava. – ME DIGA ONDE ESTÁ O MAPA!!! – Um grito realizado pelo homem ecoava por quase um quilometro, era tão alto que mesmo quem estava muito longe poderia escutar, esse grito talvez assustasse Akira que estava a aproximados 10 metros de distância da roda.

Analisando a situação haviam 7 caixas não muito longe de Akira, 6 estavam empilhadas em dupla e uma outra estava sozinha aberta logo mais próximo ao mar, aparentemente eram mantimentos para a estadia dos piratas na ilha. As duas caixas que estavam praticamente na frente de Akira continham escrito “Aguaz e caféis” de forma erronia mas justificável já que se tratavam de piratas, porém essa era a caixa que estava em baixo, a que estava sobre essa continha escrito “balaz de ganham” possivelmente fazendo jus ao balas de canhão.

Olhando mais atentamente para o que estava acontecendo com os piratas, o possível capitão dos piratas estava extremamente irritado com a situação da persistência de um cara completamente machucado que estava no centro de uma roda feita pelos bandidos, ele aparentemente já havia apanhando tanto que sua sobrevivência era uma incógnita, Akira tinha agora teria a chance de intervir na situação mesmo desarmado tentando evitar a morte daquele homem, ou então de forma sorrateira, furtar o café que estava buscando, por se tratar de piratas talvez ela não ligasse muito em roubar, mas como consequência o homem morreria, cabia apenas a ela o que fazer.
[/justify]


Kirihara:

Kirihara tinha uma boa ideia, nocautear o homem que se aproximava do bando para evitar um conflito maior, embora aquele fosse o único do bando que realmente portasse uma arma, nesse caso uma de fogo, devido a suas vestes e ao percurso que ele estava realizando, o homem com quase toda certeza do mundo fazia parte do bando de Kaio e seria mais tarde uma dor de cabeça caso não fosse evitado.

A estratégia do mink era chamar a atenção do homem arremessando o que achasse para depois com um golpe certeiro em sua nuca nocauteá-lo, era um bom plano devido a sua situação. Ele não havia achado nada realmente pesado, olhando para o chão era quase impossível realmente ver o solo devido a densa grama do local, restava apenas o uso de sua bainha como distração para colocar aquele possível pirata para dormir.

Não demorando muito Kirihara arremessava sua bainha atrás do homem fazendo com que ele se virasse para checar. – O que foi isso? – Em um tom mediano era dito pelo homem enquanto imediatamente sacava sua arma de suas costas e apontava para onde havia vindo o barulho. Essa situação havia feito com que as costas dele ficasse completamente exposta, Kirihara abusando de sua furtividade executava o golpe logo após se aproximar e tinha sucesso em nocauteá-lo.

Agora sua prioridade era esconder o corpo do homem e averiguar o que ele portava, embora não achasse nada além de grãos de café em seus dois bolsos, a arma que ele portava seria útil. Ela era então colocada nas costas do humanoide com a intenção de ser usado por algum aliado que ele fizesse, os grãos de café estavam na sua escolha se seriam levados ou não, eram aproximados 10 grãos.

Antes que ele pudesse seguir para o vilarejo onde havia deixado Elizabeth sobre cuidados do médico, algo acontecia fazendo com que o mink analisasse melhor a situação. – ME DIGA ONDE ESTÁ O MAPA!!! – Era Kaio quem gritava demonstrando ódio podendo ser escutado a quilômetros devido ao tom de voz usado por ele, aparentemente ele agora iria matar o conhecido de Elizabeth, Kirihara demoraria cerca de 30 minutos para ir até vilarejo.

Talvez a vida daquele homem não fosse realmente tomada, Kaio ainda não tinha conseguido o que queria com ele e mata-lo seria praticamente perder o que buscava, entretanto a raiva por ele demonstrada deixava claro que ele estava tomado por ódio e como consequência poderia estar irracional, agindo brutalmente sem ter ciência do que estava fazendo, Kirihara ainda enfrentava o odor que vinha daqueles piratas, o que dificultava o uso de seu olfato para outros fins, mais um ponto negativo para combater naquele lugar, mas a vida do homem estava em jogo e algo deveria ser feito a respeito antes que ocorresse uma baixa.



Mapinha para facilitar as coisas:
 
Falas:
 


____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ceji
Caçador de Recompensas
Caçador de Recompensas
Ceji

Créditos : 2
Warn : Partindo pra briga! A primeira caçada! - Página 2 10010
Masculino Data de inscrição : 04/02/2013

Partindo pra briga! A primeira caçada! - Página 2 Empty
MensagemAssunto: Re: Partindo pra briga! A primeira caçada!   Partindo pra briga! A primeira caçada! - Página 2 EmptyQua 22 Maio 2019, 14:08

Welcome To The Jungle - Parte III

Claro, piratas, sempre piratas. Aquelas pestes que infestavam os mares haviam chegado naquela ilha, e pareciam tão em casa que me fazia questionar como aqueles imbecis coseguiam chegar com tanta facilidade em tantas ilhas diferentes, as vezes antes mesmo do que exploradores de profissão. Talvez houvesse sido por puro acaso e maldade do destino, mas se um jeito ou de outro eles certamente possuíam um objetivo ali, e eu não duvidaria se fosse uma busca por algum tesouro ou de algo caro que existia na ilha. Piratas eram indescritivelmente gananciosos, e roubavam praticamente qualquer coisa de valor que lhes dessa na telha roubar, e isso era só uma das coisas que os deixavam tão perigosos. Senso sincero, eu não entendia pra que eles fazia isso; não adiantava de nada ter rios de dinheiro se eles roubavam tudo, talvez pra transações no submundo ou em locais que eles não tem condições de roubar? Talvez, mas eu não conhecia muito o mundo deles e nem queria saber, então pra mim eles sempre foram e sempre seriam apenas animais em busca de coisas brilhantes.

Eu, diferentemente, tinha me atenção focada em outras coisas, nas caixas pertencentes aos piratas. Os suprimentos dele estavam espalhados pela praia, dando sopa enquanto eles se concentravam em tentar conseguir alguma informação do cara. Eu normalmente não pensaria em roubar algo deles, talvez não valesse o risco e nem me fosse agradável a consiencia, mas dessa vez um rótulo em específico me chamou mais a atenção do que deveria: café. Eu possivelmente não teria condições de conseguir café de outra forma naquele lugar, o que me impedia se simplesmente ignorar uma oportunidade como aquela - "O problema seria como carregar esse café" - Eu pensava, mas duvidava que fosse já a bebida, por mais que estivesse junto de água. Café na forma de bebida estraga muito rápido, não é rentável de se carregar por aí, então era bem provável que aquilo fosse um carregamento de grãos, e pra isso eu poderia usar os vários pequenos bolsos da minha jaqueta - "Bom... Esses carregamentos devem ser roubados, então não tem problema roubar de ladrões, né?"

Agradecendo pela caixa do café ser a mais próxima de mim, logo me aproveitaria da comoção dos piratas com aquele cara para me esgueirar agaixando até as caixas, tentando ficar atrás delas. Verificaria seus pesos e se estivessem fechadas, porque, se fosse possível, levaria a do café e a que estava em cima da mesma rapidamente de volta para a floresta ao lado, onde as botaria no chão em meio a grama alta, para que seu som fosse abafado pelos vegetais e não chamasse a atenção dos piratas. Eu não esperava que as balas de canhão fossem tão pesadas, já que um bando relativamente desconhecido e com poucos membros dificilmente teria um canhão mais pesado ou sequer um navio que suportasse um, o que significava também balas mais leves, se eu tivesse sorte de meio quilo cada. Caso conseguisse baixar ambos os caixotes sem chamar atenção, abriria o do café e começaria a preencher meus bolsos com os prováveis grãos. Caso estivessem fechados e pregados, procuraria uma pedra fina para enfiar na abertura do mesmo e pressionar na direção contrária, com o objetivo de alavancar a "tampa" pra fora. Caso, porém, eu não conseguisse tirar os dois caixotes dali, o que provavelmente incluiria não conseguir tirar o caixote de balas de canhão de cima do de café, eu tentaria aproveitar a gritaria daquele capitão para tentar arrancar uma das "tiras" de madeira da lateral do caixote, na esperança dos grãos de café escorrerem para que eu pudesse os pegar e por no bolso, mesmo que junto de alguns grãos de areia.

Durante minha ação paralela, não nego entretanto que a situação daquele cara no meio dos piratas me preocupava um pouco. Ele estava sendo abusado por eles de um jeito semelhante que eu já havia sido em Micqueot, então eu sentia uma certa empatia por ele. Eu sabia que não seria viável tentar interceder por ele, especialmente eu estando desarmado, eu acabaria morrendo junto da mesma forma que ocorreu com Leroy quando ele tentou me ajudar anos atrás, mas eu também não podia o deixar à própria sorte. Ele havia sido a distração para eu conseguir aquele café, afinal. Caso desse tempo após pegar o café, ou caso eu percebesse que o pirata iria o matar, rapidamente tentaria agir. Caso as balas de canhão realmente fossem modelos leves como eu havia pensado e estivesse abertas, eu pegaria uma e, com um giro do meu corpo, a arremessaria em direção ao capitão daqueles piratas. Caso não houvesse como jogar as bolas de canhão, pegaria pedras ou frutas grandes (como cocos) que pudessem estar pela área inicial da floresta para jogar. Felizmente eu possuia uma boa mira, e tinha confiança de que conseguiria ao menos lhe acertar ou chamar sua atenção, por isso nesse meio tempo pegaria mais balas de canhão (ou pedras/cocos) pra continuar jogando na direção dos mesmos até eles se tocarem do que estava havendo - Bom dia, grandão, por acaso o mapa que está atrás é pra indicar uma peruca pra cobrir essa sua careca horrorosa? Está precisando - Diria, com a timidez reprimida graças a minha boa distância deles e da adrenalina já correndo frenerica pelo meu corpo, tentando o provocar diretamente. O capitão estava tão irritado com aquela situação que eu não acharia estranho ele se virar contra mim, mandar seus capangas em minha direção ou até me perseguir pessoalmente depois de ter sido atingido por várias bolas de canhão ou similares, além de ter sido ofendido diretamente - "Se eu tiver sorte ele vai vir tentar descontar pessoalmente a fúria contra mim, o que significaria que os outros piratas provavelmente não tocariam no cara nesse meio tempo por receio de fazerem merda e serem retaliados pelo capitão" - Pensaria, preparado para sair correndo pra longe dos piratas.

Meu objetivo ali não era confrontar eles ou tentar libertar o cara, era simplesmente chamar suas atenções e os dividir, fazendo-os me perseguir. Eu sabia que não conseguiria os enfrentar, mas fugir era outra história. Eu apenas torcia para ao menos dar tempo para aquele cara recuperar o fôlego ou talvez até fugir sozinho nesse meio tempo, mas essa pare era por conta dele, eu já teria feito minha parte. Sendo perseguido, eu sairia correndo de volta para a floresta tentando seguir exatamente pelo caminho que havia usado para vir até ali antes, me aproveitando da distância que estava dos piratas inicialmente para tomar uma distância inicial. Naquela floresta todos corriamos o risco de sermos atrapalhados pelo cenário, especialmente pelas raízes que tornavam o chão irregular, e por isso eu seguiria pelo caminho/trilha que eu já conhecia, o que me permitiria correr pra longe deles sem ficar tendo que me preocupar tanto com os obstáculos, por já conhecer parte deles. Enquanto corria na velocidade máxima que conseguia ali, agradeveria aos deuses por aqueles caras não estarem com nenhuma arma de fogo, pois seria problemático se tentassem atirar em mim ao invés de me perseguir. Me manteria atento aos piratas me perseguindo para nunca tomar distância demais, para não fazer eles desistirem da perseguição, a não ser que já estivéssemos correndo a um tempo e estivéssemos suficientemente longe da praia. Nesses casos eu reduziria ligeiramente minha velocidade, para que eles continuassem a perseguição na esperança de ainda conseguirem me alcançar. Caso, ao contrário, eles estivessem me alcançando, não só eu tentaria me curvar para frente para aumentar minha aerodinâmica, como buscaria ao meu redor duas árvores altas com galhos grossos e próximas uma da outra; as achando, correria em sua direção. Eu usaria meus conhecimentos Acrobáticos para saltar em cima do tronco de uma e ir chutando de uma para a outra para me impulsionar para cima, agarrar um galho grosso e me balançar para cima dele. Lá de cima, eu buscaria algum outro galho grosso e firme ao qual pudesse saltar, e tentaria os despistar em cima dos galhos, pelas árvores, me aproveitando da folhagem para os confundir.
OFF:
 

Histórico do Ceji:
 

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

R.I.P. Lars:
 
Voltar ao Topo Ir em baixo
Raizen
Administrador
Administrador
Raizen

Créditos : 60
Warn : Partindo pra briga! A primeira caçada! - Página 2 10010
Masculino Data de inscrição : 18/04/2011
Localização : Grand Line – 6ª Rota – Alabasta

Partindo pra briga! A primeira caçada! - Página 2 Empty
MensagemAssunto: Re: Partindo pra briga! A primeira caçada!   Partindo pra briga! A primeira caçada! - Página 2 EmptyQua 22 Maio 2019, 21:49


Eu me encontrava em uma situação bastante delicada, um civil estava sendo refém por obter algum tipo de mapa ou informação de um tipo de mapa e por algum motivo forte não queria dizer onde estava, mesmo que isso lhe custasse a vida, mas eu já estava notando uma leve mudança no comportamento dos piratas, principalmente no líder, Kaio, ele estava se alterando pouco a pouco. Aquela situação estava me deixando nervoso porque eu me encontrava de mãos atadas, por mais que eu quisesse fazer alguma coisa, mesmo sendo arrogante sobre minha força eu não era burro, eu não podia simplesmente partir pra cima de 13 inimigos sem uma estratégia. Enquanto me mantinha naquela dúvida, apareceu um provável membro daquele bando, por ter o elemento surpresa e ele estar com a guarda totalmente aberta eu não tive dificuldade para nocautea-lo e esconder o corpo. Ao revistar ele eu pude ver que ele não carregava nada demais consigo, apenas uma arma e uns grãos de café. - " Não sei se será útil, mas quando você acordar, não quero que tenha nada! " - eu nem estava muito interessado em grãos de café, mas eu peguei por pura birra, eu sou assim e não podia negar quem sou.

Depois de saquear e esconder o corpo do pirata, eu estava pronto para voltar a tribo onde eu estava, cheguei inclusive a correr alguns metros, porém ao ouvir a voz de Kaio claramente alterado e impaciente, isso fez meu corpo parar automaticamente e uma gota de suor escorreu pela minha testa. - " Isso vai dar merda... " - pensei enquanto olhei para trás. Naquele momento uma dúvida bateu em meu interior: eu seguia com o plano ou tentava pensar em outra coisa. - " Se eu for pra tribo, quando eu voltar pode ser tarde demais. Eu não me importo se aquele fracote morrer, mas eu quero estar presente quando acontecer alguma coisa, pois então eu iria conseguir agir durante esse momento. " - continuei perdido em meus pensamentos tentando explicar de alguma forma o porque das minhas atitudes cuidadosas, afinal ele era só um humano, eu não tinha porque me importar, e por isso pensava esse tipo de coisa, para eu acreditar nela. Mas mesmo com isso em mente eu voltei ao local onde eu estava anteriormente observando os piratas contra os meus instintos, ou talvez seguindo-os. Mesmo sabendo que eu não tinha muito o que fazer, eu simplesmente voltei para olhar de novo, talvez tivesse esperando algum tipo de brecha ou um milagre. - Maldição! O que eu estou fazendo aqui ainda...? - continuei refletindo enquanto observava, esperando.

Se em algum momento eu notasse que eu teria alguma oportunidade de entrar, mesmo que fosse mínima, se os piratas se distraíssem com algo ou baixassem a guarda, eu primeiro observaria um pouco mais para ver o que eles iriam fazer, e se eles por algum motivos se separassem ou perdessem o foco, usando a minha furtividade junto com minha aceleração, eu iria correr silenciosamente em direção aos piratas procurando ficar de um ângulo que eles não me vissem, indo por trás do mais próximo de mim e se conseguisse me aproximar, sacaria a minha katana e desferiria um corte diagonal de baixo para cima no pirata que estivesse mais fácil de acertar, iria fatia-lo com força para tira-lo da luta imediatamente, e antes que ele caísse no chão, eu o chutaria pra cima do pirata que estivesse mais próximo para desequilibra-lo e aproveitando a brecha, giraria o meu corpo para o lado esquerdo e na finalização do giro eu tentaria desferir mais um poderoso corte no pirata seguinte, dessa vez focaria as pernas por não ter um bom ângulo de ataque, pois mesmo que eu não o ferisse gravemente, se eu acertasse as pernas já anularia muito o poder de locomoção dele. Se eu tivesse conseguido usar bem o efeito surpresa, provavelmente eu abriria uma "porta" naquele circulo de piratas, ou o que sobrou daquele circulo caso tivessem se separado. Se eu tivesse conseguido abrir uma brecha, olharia fixamente para o conhecido de Elizabeth e gritaria. - Sai daqui!! - diria apontando para a floresta.

Com minha audição aguçada eu tentaria ouvir qualquer tipo de passo que tivesse se aproximando de mim ou do homem ao mesmo tempo que manteria meus olhos bem atentos a tudo, se em algum momento eu fosse ataco, usaria a minha espada para bloquear os ataques deixando a lâmina contra o agressor, ou seja, se me atacassem com as mãos nuas, provavelmente iriam se machucar bastante se eu conseguisse bloquear. Eu tentaria bloquear todos os golpes vindo em minha direção ao mesmo tempo que daria alguns saltos para trás e tentar me afastar para analisar a situação e pensar em uma nova abordagem. Se o homem tentasse correr e os piratas tentassem impedir, usando minha aceleração eu tentaria me aproximar o mais rápido possivel, tentando bloquear possíveis ataques durante minhas investidas ( sempre que eu usasse o bloqueio, seria com a lâmina contra os inimigos, para faze-los se cortar, caso eu conseguisse bloquear ) e tentaria proteger e dar cobertura para o homem conseguir fugir, mesmo que me custasse levar alguns socos no lugar dele, mas claro que sempre tentando bloquear todos os ataques, uma vez que eu era bastante habilidoso na arte do bloqueio.








Histórico:
 

____________________________________________________



[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] l [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]



Olá Convidado, seja bem-vindo ao One Piece RPG.
Links para ajuda: [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | Mudanças Importantes | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]



Voltar ao Topo Ir em baixo
Paulo Bruno XVIII
Membro
Membro
Paulo Bruno XVIII

Créditos : Zero
Warn : Partindo pra briga! A primeira caçada! - Página 2 9010
Data de inscrição : 02/04/2019
Idade : 19
Localização : Organ Island

Partindo pra briga! A primeira caçada! - Página 2 Empty
MensagemAssunto: Re: Partindo pra briga! A primeira caçada!   Partindo pra briga! A primeira caçada! - Página 2 EmptySex 24 Maio 2019, 18:39


Partindo pra briga! A primeira caçada!


Akira:

Akira de forma bondosa se sentia forçado a prestar ajudas ao homem que estava sobre submissão dos piratas ele não tinha certeza do o que estava acontecendo e o porque, mas mesmo assim ele não iria deixar aquela cena proceder. De forma irracional a jovem pegava a primeira coisa ao seu redor que pudesse ser arremessado contra o capitão daquele bando que estava enfurecido, o seu achado, uma banana que estava no chão aparentando estar estragada. Incrivelmente a jovem tinha hesito em seu arremessar, talvez o calor do momento tivesse ajudado, porém era algo que talvez só fosse acontecer uma vez na vida. A banana era arremessada e acertava exatamente no centro do crânio de Kaio. – MAS O QUE?! QUEM OUSA FAZER ISSO CONTRA KAIO, O ANARQUISTA?! – Quase que imediatamente o enorme lutador virava com suas luvas de boxes ensanguentadas para checar quem lhe havia atingido.

Akira sabia que a coisa estava preta para seu lado, quase que imediato ele começava a correr na direção que havia vindo, sem hesito em pegar o café devido ao vasto peso da caixa que acima estava e ao fato de caixote ser composto por quatro chapas solidas de madeira, a jovem precisava logo ingerir sua cafeína, tanto quanto despistar aqueles homens que estavam agora atrás dela. A velocidade da jovem não era uma das mais rápidas, despistar aquele enorme cara junto de diversos capangas que vieram junto a ela era uma tarefa difícil, porém ela possuía uma estratégia para se salvar, usando de sua perícia em acrobacias ela tinha êxito em se propulsar até um galho não muito alto, e então saltitar de arvore em arvore tentando tornar impossível ser vista.

Kaio tinha uma velocidade surpreendente, para o tamanho dele era quase impossível imaginar que fosse capaz de correr tanto em tão pouco tempo. A jovem se encontrava exatamente em cima do balde de mais cedo. – Onde foi aquela pessoa?! Não quero saber como, mas achem logo ela e tragam a mim! – Provando estar irritado, o capitão pirata dizia em uma entonação grave causando certo desconforto em quem ouvisse tal timbre, à primeira vista todos os piratas estavam ali, dependia de Akira o que fazer para se livrar. A jovem estava muito alta, uma das opções talvez fosse caminhar pelos topos das arvores em busca de algo, como a praia que agora poderia estar sem nenhum vigia para então adquirir seu almejado café.


Kirihara:

Tetsu ainda estava escondido sem saber o que fazer presenciando aquela situação, quando de repente uma banana vinha em direção a cabeça de Kaio. – MAS O QUE?! QUEM OUSA FAZER ISSO CONTRA KAIO, O ANARQUISTA?! – O capitão do bando imediatamente falava enquanto se virava na direção em que a banana havia vindo, um desconhecido havia arremessado a banana e imediatamente corrido, talvez Tetsuya não entendesse o que havia acontecido mas mesmo assim deveria sentir um alivio pelo fato de não ter que se arriscar tanto pelo homem que estava sendo quase que um refém daqueles piratas. 11 homens incluído o capitão seguiam imediatamente correndo atrás daquela pessoa, apenas dois ficaram para trás. – Eu não vou permitir que ele saia impune daquela situação, eu vou lá ajudar e você fica aqui. – Um dos piratas dizia enquanto seguia junto ao bando que havia corrido.

Agora parecia a hora perfeita para o jovem avançar e salvar o homem. Abusando de sua aceleração e sua furtividade, Kirihara seguia na direção oposta em que o pirata estava olhando, seu objetivo era tirar ele de combate e salvar o homem de uma possível morte. Mesmo que seu avanço tivesse sido quase perfeito, no momento em que o mink fizesse seu primeiro ataque contra o lutador que estava a sua frente, de forma inacreditável o pirata se esquivava com sucesso do corte. – Muito lento, eu diria. – Sorrindo enquanto executava um contra-ataque no homem-cão, o jovem recebia de forma direta um soco em sua costela do lado esquerdo, nada muito sério ou que fosse realmente machuca-lo devido ao fato do pirata estar usando luvas de boxe.

– Eu não sei quem diabos é você, mas pode ter certeza que eu sou um dos piratas mais for... – Antes mesmo que pudesse completar sua frase, o homem que aparentava estar incapaz de se mexer se havia se levantado e com uma pedra que estava próxima a ele executado um ataque direto na cabeça do pirata, imediatamente o bandido do mar se ia ao chão sem muito tempo de reação. – Obrigado por isso... – Escorrendo sangue e com a respiração ofegante, o homem mostrava estar quase morrendo devido aos ferimentos, mas de alguma forma havia conseguido tirar forças de algum lugar para “ajudar” Kirihara, mas logo após tal ato, o homem de ainda nome desconhecido voltava ao chão embora estivesse ainda conciente. – Essa arma... Você não aparenta saber usa-la, de ela para mim, fui um atirador da marinha... – Ele proporia para o mink desejando a arma que ele realmente não sabia usar, dependia apena do jovem o que fazer, o acampamento estava todo ao seu despor, mas ele ainda deveria responder ao homem o que faria.



Falas:
 


____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Conteúdo patrocinado




Partindo pra briga! A primeira caçada! - Página 2 Empty
MensagemAssunto: Re: Partindo pra briga! A primeira caçada!   Partindo pra briga! A primeira caçada! - Página 2 Empty

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
Partindo pra briga! A primeira caçada!
Voltar ao Topo 
Página 2 de 6Ir à página : Anterior  1, 2, 3, 4, 5, 6  Seguinte

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
One Piece RPG :: Oceanos :: South Blue :: Torino Kingdom-
Ir para: