One Piece RPG
Sessão da Tarde: Um Zoológico da Pesada - Página 2 XwqZD3u


One Piece RPG : A GRANDE ERA DOS PIRATAS
 
InícioBuscarMembrosGruposRegistrar-seConectar-se
Últimos assuntos
» Bell Farest
Sessão da Tarde: Um Zoológico da Pesada - Página 2 Emptypor ADM.Noskire Hoje à(s) 19:25

» Helves
Sessão da Tarde: Um Zoológico da Pesada - Página 2 Emptypor ADM.Noskire Hoje à(s) 19:22

» Caçadoras Eternas: Almas entrelaçadas!
Sessão da Tarde: Um Zoológico da Pesada - Página 2 Emptypor Kenshin Himura Hoje à(s) 18:53

» O Segredo de Um Ladrão
Sessão da Tarde: Um Zoológico da Pesada - Página 2 Emptypor ADM.Tidus Hoje à(s) 18:11

» Art. 5 - The hunt is on
Sessão da Tarde: Um Zoológico da Pesada - Página 2 Emptypor ADM.Tidus Hoje à(s) 18:10

» Cap.1 Deuses entre nós
Sessão da Tarde: Um Zoológico da Pesada - Página 2 Emptypor Thomas Torres Hoje à(s) 18:09

» The Hero Rises!
Sessão da Tarde: Um Zoológico da Pesada - Página 2 Emptypor GM.Alipheese Hoje à(s) 17:21

» VIII - The Unforgiven
Sessão da Tarde: Um Zoológico da Pesada - Página 2 Emptypor GM.Alipheese Hoje à(s) 17:10

» 11º Capítulo - Cataclismo em Skypeia!
Sessão da Tarde: Um Zoológico da Pesada - Página 2 Emptypor Far Hoje à(s) 16:17

» Ato 157: Se eu quisesse tua opinião, Eu tirava na Porrada
Sessão da Tarde: Um Zoológico da Pesada - Página 2 Emptypor K1NG Hoje à(s) 15:52

» Vol 1 - The Soul's Desires
Sessão da Tarde: Um Zoológico da Pesada - Página 2 Emptypor Arthur Infamus Hoje à(s) 15:41

» Apresentação 6 ~ Falência Bombástica
Sessão da Tarde: Um Zoológico da Pesada - Página 2 Emptypor Furry Hoje à(s) 13:22

» Seasons: Road to New World
Sessão da Tarde: Um Zoológico da Pesada - Página 2 Emptypor GM.Muffatu Hoje à(s) 10:55

» [FICHA] Sonny Delahunt
Sessão da Tarde: Um Zoológico da Pesada - Página 2 Emptypor ADM.Senshi Hoje à(s) 10:10

» Sonny Delahunt
Sessão da Tarde: Um Zoológico da Pesada - Página 2 Emptypor ADM.Senshi Hoje à(s) 10:09

» Capitulo II: Sangue e navalhas! O Golpe em Las Camp
Sessão da Tarde: Um Zoológico da Pesada - Página 2 Emptypor Oni Hoje à(s) 08:33

» Meu nome é Mike Brigss
Sessão da Tarde: Um Zoológico da Pesada - Página 2 Emptypor Oni Hoje à(s) 08:18

» Evento Natalino - Amigo Secreto
Sessão da Tarde: Um Zoológico da Pesada - Página 2 Emptypor Hisoka Hoje à(s) 03:24

» Ler Mil Livros e Andar Mil Milhas
Sessão da Tarde: Um Zoológico da Pesada - Página 2 Emptypor Fukai Hoje à(s) 01:54

» [MINI-DoflamingoPDC] A pantera negra da ilha montanhosa
Sessão da Tarde: Um Zoológico da Pesada - Página 2 Emptypor Makei Hoje à(s) 01:53



------------
- NOSSO BANNER-

------------

Naruto AkatsukiPokémon Mythology RPG
Naruto RPG: Mundo Shinobi
Conheça o Fórum NSSantuário RPG
Erilea RegionRPG V Portugal
The Blood OlympusPercy Jackson RPG BR
A Song of Ice and FireSolo Leveling RPG
Veritaserum RPGPeace Sign RPG
Pokémon Adventure RPG

------------

:: Topsites Zonkos - [Zks] ::


 

 Sessão da Tarde: Um Zoológico da Pesada

Ir em baixo 
Ir à página : Anterior  1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9  Seguinte
AutorMensagem
Mephisto
Caçador de Recompensas
Caçador de Recompensas
Mephisto

Créditos : 111
Warn : Sessão da Tarde: Um Zoológico da Pesada - Página 2 10010
Masculino Data de inscrição : 06/04/2017
Idade : 22
Localização : Wars Island (North Blue)

Sessão da Tarde: Um Zoológico da Pesada - Página 2 Empty
MensagemAssunto: Sessão da Tarde: Um Zoológico da Pesada   Sessão da Tarde: Um Zoológico da Pesada - Página 2 EmptySex Nov 02 2018, 18:43

Relembrando a primeira mensagem :

Sessão da Tarde: Um Zoológico da Pesada

Aqui ocorrerá a aventura do(a) pirata Ahab. A qual não possui narrador definido.


____________________________________________________

Make love, not war


[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

2017 Achievements:
 


2018 Achievements:
 
Voltar ao Topo Ir em baixo

AutorMensagem
Shiro
Pirata
Pirata


Data de inscrição : 23/04/2015

Sessão da Tarde: Um Zoológico da Pesada - Página 2 Empty
MensagemAssunto: Re: Sessão da Tarde: Um Zoológico da Pesada   Sessão da Tarde: Um Zoológico da Pesada - Página 2 EmptyDom Nov 11 2018, 13:23


AHAB
POST 05
Os radicais se revelaram no horizonte. O primeiro era um primata que era grande para sua espécie mas bem pequeno para mim, não chegava nem na minha cintura o coitado. ‘Eh, não vai ser tão difícil…’ foi a primeira reação que tive e também a qual eu sustentei, mesmo quando vi dois outros grandes animais chegarem, um felino e um canino, acreditando que com meus braços e o velho com as armas conseguiríamos derrotá-los sem grandes esforços. Mas uma quarta figura me fez repensar a dificuldade daquela luta. Um enorme gorila do meu tamanho caminhava atrás dos outros três animais, de longe eu percebi que ele tinha o meu tamanho e que era ele a fonte daqueles pesados passos que ouvimos segundos antes. ‘Merda…’ meu sorriso morreu, mas minha sobrancelha continuou meio franzida, dando um ar de preocupação ao meu semblante. Lutar contra três animais que eram metade do meu tamanho era uma atividade complicada, mas possível, só que aquele bicho gigante mudava todo o balanço do conflito. Se ele me segurasse, o que seus músculos enormes denunciavam serem capazes de fazer, os outros três ficariam livre para me atacar de todos os lados e isso poderia significar meu fim. Ainda mais no lugar amplo que é a praia, onde eles terão mais facilidade de explorar meus pontos cegos e de burlarem minha altura.

O velho foi até a beira do pessimismo e anunciou que ali iríamos morrer. - Morrer? - Respondi para ele, erguendo a sobrancelha direita ligeiramente acima da esquerda. - Ba! Relaxa! Tenho um plano. - Daria um sorriso pra ele e então voltaria a olhar para a trupe zoológica que se aproximava. - Deixa tudo comigo…

Relaxaria o pescoço, balançando a cabeça para direita e esquerda, tocando as orelhas em cada um dos ombros. Meus joelhos se flexionariam levemente e ambas as minhas mãos se abririam na frente do meu peito com os dedos apontados para frente como garras. Inclinaria então minha cabeça para frente, depois o tronco e então iniciaria uma investida utilizando meu próprio peso como força inicial de propulsão. O meu alvo era o macaco que caminhava na frente do grupo. Avançaria na direção do mesmo ligeiramente virado de lado, como se eu fosse atingi-lo com meu ombro direito. Quando chegasse próximo o bastante para conseguir tocá-lo minhas duas mãos avançariam na direção do braço esquerdo dele. A esquerda agarraria seu pulso e a direita o seu ombro por debaixo do sovaco. Pressionaria então o meu corpo contra o dele e espaçaria bem as pernas, posicionando-as uma atrás da outra em linha reta, formando um espaço vertical entre elas em comparação com o vazio horizontal entre os pés do alvo.

- aaaAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA!!!!!!!!!!!!! - Começaria a gritar, ao mesmo tempo que eu giraria em torno do meu próprio eixo, puxando o primata pelo braço e arrancando-o do chão como se ele fosse um porrete. Quando eu completasse o giro e, mais uma vez, o grupo animalesco estivesse de frente de meu rosto, eu soltaria o macaco branco no ar, utilizando do peso de seu próprio corpo e da breve rotação que eu havia empregado sobre ele para arremessá-lo na direção de seus companheiros.

- CORRE NEGADA! - Gritaria, sorrindo largamente dando os passos mais rápidos possíveis na direção do velho e da jovem. Meus dois braços se esticariam horizontalmente como se eu fosse dar um abraço em algo extremamente largo. E quando eu chegasse perto dos dois eu envergaria meu tronco para baixo, tentando apanhar ambos, pressionando meu bíceps contra a parte frontal do corpo deles e meu antebraço contra suas costas, agarrando-os. - Se segurem no meu ombro! - Exclamaria aos dois, erguendo os punhos acima de minha cabeça e afrouxando a segurada que eu estaria dando em ambos, abrindo espaço para que eles pudessem fazer o que eu estava pedindo. Meus olhos estariam a procura de alguma outra entrada na floresta que não fosse a da qual o quarteto havia entrado. Encontrado-a, eu começaria a correr em sua direção. Caso tal busca falhasse, eu correria pela orla praia, tentando desaparecer da vista do grupo através de uma corrida que caso se estendesse por muito tempo poderia me fazer circundar toda a ilha.
   
Por que eu teria pego a menina? Bem, porque no meio da correria eu gritaria para ela. - Ei, garota, onde ficam as montanhas? - E então seguiria suas indicações, caso ela as desse. Apesar de ela ser um ser meio animalesca como os outros, suas atitudes haviam provado que ela não era amiga dele e que talvez estivesse disposta a me ajudar na fuga. No entanto, se ela não me respondesse eu tentaria seguir o que meus olhos me mostrassem, procurando por aquele relance montanhoso que eu havia visto quando atracamos na ilha para então segui-lo.
   
Procuraria as montanhas pois esconder-me na floresta é suicídio. Seria como se eu estivesse correndo de uma cobra e fosse me esconder em seu ninho. Nas montanhas, além de eu ter uma visão privilegiada sobre os radicais, eu poderia buscar algum barco na costa que pudesse me fazer fugir daquele local. - BAHAHAHA! Velho, seu filho é maluco de ter vindo pra cá! - Comentaria no meio da correria.  Apesar da situação tensa, eu certamente estaria animado.

Nada como um pouco de confusão para começar o dia se divertindo.

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

Histórico:
 

Objetivos:
 
Voltar ao Topo Ir em baixo
Boreal
Pirata
Pirata
Boreal

Créditos : 4
Warn : Sessão da Tarde: Um Zoológico da Pesada - Página 2 10010
Feminino Data de inscrição : 31/03/2013
Idade : 20

Sessão da Tarde: Um Zoológico da Pesada - Página 2 Empty
MensagemAssunto: Re: Sessão da Tarde: Um Zoológico da Pesada   Sessão da Tarde: Um Zoológico da Pesada - Página 2 EmptyQua Nov 14 2018, 17:39

Aparentemente o único indivíduo a demonstrar mesmo preocupação naquele lugar era a menina-raposa. Sigmund até soltava sua opinião sobre a possibilidade da morte dos humanos, mas era respondido por Ahab com dizeres de que tinha um plano. Era só deixar com ele, e foi o que o velhote aparentemente assumiu fazer, mantendo os revólveres prontos, mas não agindo no primeiro momento.

O gigante disparou, e os selvagens também o fizeram. Numa surpresa, ele consegue agarrar o braço do primata que avançava a frente do grupo, com toda selvageria estampada em seu semblante. O pirata de dreadlocks girou, e enquanto girava somente viu as mãos do grande macaco descendo sobre ele.

Conseguiu lançar o macaco menor contra os outros, mas recebeu um golpe que o lançara para trás, arrastado nas areias até molhar os glúteos na água. Mas não parou. Com o segundo de vantagem gerado pelo movimento anterior, Ahab agarra os dois não-inimigos ali, e começa a implicar fuga pela praia, a primeiro instante.

- ME SOLTA, ME SOLTA! ISSO NÃO VAI DAR CERTO, CARAMBA! - A raposa parecia totalmente desesperada, se debatendo e sequer respondendo a pergunta do pirata sobre as montanhas. Enquanto isso, Sigmund, carregado também, alternava entre disparos com um revólver e outro, mas não havia tempo o suficiente para olhar e saber se ele havia acertado. O velho, por sinal, estava determinado.

Mas Ahab vislumbrou as montanhas. Estavam distantes, muito mais adentro da ilha, mas um caminho entre a floresta que ele encontrava talvez pudesse direcioná-lo até o local. Agora, se os selvagens houvessem simplesmente seguido-os naquele grupo, as coisas já estariam complicadas, contudo, agora não estavam mais sozinhos.

O primata menor os perseguia pulando pelas árvores, enquanto o lobo, um pouco mais atrás, acompanhava a corrida do jaguar, que era o que mais se aproximava do gigante correndo. Aquele animal era extremamente rápido e venceria com facilidade a velocidade de Ahab em alguns segundos se não fizesse alguma coisa.

Já o macacão seguia com seus passos pesados, próximo ao lobo naquela corrida. Ele se mostrava rápido, mas os obstáculos naturais o retardavam um pouco. E, como se não bastasse, agora um grupo de mais outros primatas, como o menor, 4 para ser mais específico, pulavam com ele pelas árvores, perseguindo o pirata.

O jaguar saltou e conseguiu produzir arranhões nas pernas de Ahab, que começavam a sangrar de leve. A região das montanhas ainda estava relativamente longe, talvez desse para alcançá-la, mas para isso precisava deter seus perseguidores. De outro lado, alguns metros a frente, como que escondido entre relvas e plantas, [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] parecia acenar para ele.

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Shiro
Pirata
Pirata
Shiro

Créditos : Zero
Warn : Sessão da Tarde: Um Zoológico da Pesada - Página 2 5010
Data de inscrição : 23/04/2015

Sessão da Tarde: Um Zoológico da Pesada - Página 2 Empty
MensagemAssunto: Re: Sessão da Tarde: Um Zoológico da Pesada   Sessão da Tarde: Um Zoológico da Pesada - Página 2 EmptyQui Nov 15 2018, 10:21


AHAB
POST 06


Meu plano havia dado certo e com a bunda cheia de areia e molhada de água do mar eu comecei a correr.

A garota, irada, não quis responder minha pergunta. Enquanto isso o velho agraciava nossos inimigos com um tiro ou outro de suas pistolas. Não precisei, no entanto, das indicações da pirralha pois vi com meus próprios olhos as montanhas, mesmo que distantes, e enfiei-me numa trilha que parecia me levar até elas.

Eles nos perseguiam, no entanto, com igual ou maior voracidade com a qual eu corria. Era possível ouvir em minhas costas os balançares pesados das árvores. Deduzi que era o sujeito que eu havia arremessado em seus amigos, pulando de uma grande planta para outra, procurando uma brecha para me atacar de cima. Eu ouvi também os pesados passos do gorilão, ao mesmo tempo em que eu sentia o jaguar avançar como se fosse minha sombra. Um tropeção, um passo em falso e o filha da mãe me alcançaria. Olhei para as montanhas, e te digo, elas estavam bem longe. Morreu ali a esperança de chegar nelas sem lutar, mas mesmo assim continuei a correr. Um homem sem esperança tem esperança que sua esperança seja recobrada. Meio complicado mas era mais ou menos nessa situação em que eu me encontrava.

As coisas se tornaram cada vez mais turbulentas. O barulho das árvores agora pipocavam com um intervalo mais baixo de tempo. Franzi as sobrancelhas me indagando se aquele maldito macaco branco havia se tornado mais rápido do nada ou se eram o número de puladores de árvore que havia aumentado. Não olhei pra trás, no entanto, temendo perder o embalo da  corrida. O jaguar, por um momento, deu-me uma patada que arrancou-me um pouco de sangue da perna. - Ei, bichado, é só isso que você tem? Eu estava preocupado por você estar na minha cola mas depois desse arranhão eu to mais tranquilo. Não sabia que você era tão fraco... - Eu ergui um pouco a boca no lado direito. Debochar dos outros, principalmente quando eles querem te matar, é uma sensação magnífica. - Vocês são tão lentos, idiotas, que estão me fazendo acreditar que eu sou rápido! BAHAHAHAHA! - Comentei aos perseguidores, gargalhando, pois de fato eu não sou acostumado a vencer alguém na corrida. Velocidade nunca foi meu forte.

Nesse momento, no entanto, vi alguma estranha figura escondida numa porção de mata acenar para mim.

Hm?! - O som soaria mesmo com minha boca fechada. Cerraria meus olhos, acreditando que dessa forma eu conseguiria ver com mais clareza o que era aquele aceno e se ele era para mim. Se por acaso ele estivesse me chamando, como se me mostrasse uma rota para fuga, eu mudaria o curso da corrida para o local indicado por ele, mesmo que isso significasse entrar num emaranhado de árvores. Não que eu seja de confiar no primeiro estranho que me aparece acenando num arbusto, mas como eu já disse, a situação estava cada vez mais levando à batalha, se esse homem-do-mato estivesse me enganando eu só estaria adiantando as coisas.

Mas se aquele aceno não fosse nada disso, quando eu passasse por ele eu acenaria de volta, erguendo a mão esquerda com a palma aberta ao lado da minha orelha. - Oi! - E então continuaria a correr por onde eu já estava correndo. Dessa vez, temendo que a distância até a montanha fosse me cansar e me tornar mais lento, eu seria um pouco mais ousado: se houvessem pedregulhos no caminho eu pularia por cima eles, esticando ambas as pernas ao máximo para que a rocha passasse por debaixo delas. Se fosse necessário, quando eu estivesse no ar, eu até colocaria ambas as mãos sobre a rocha para me apoiar e me impulsionaria com elas um pouco para frente se isso fose possível. E então quando eu pousasse de novo no chão eu continuaria a correr. Faria isso com qualquer outro grande obstáculo que aparecesse na minha frente, tentando assim abrir distancia entre eu e aqueles demônios que não saiam da minha cola.

- Ei… Velho… - Diria para o mesmo em algum momento da correria. - Quantos deles estão nos seguindo? - E então olharia para a menina, por um breve momento, de canto de olho. - E você, garota, é melhor me ajudar a fugir disso. Se souber alguma rota desembucha porque se eles conseguirem me matar imagina só o que vão fazer com você! BA! - Soltaria um principio de gargalhada, quase que uma exclamação, batendo minha mão esquerda no peito. - Ei, bichano, toda essa correria deve estar te deixando cançado...- Comentaria ao felino que me seguia, aplicando um pouco de peso a mais sobre meu pé direito, de forma que no próximo passo que eu desse, a pressão empregada nesse passo fosse capaz de arrancar um pouco de terra e mais qualquer coisa que estivesse debaixo da sola do meu calçado, arremessando esses dejetos para trás, aonde eu acreditava estar a cara do animal.

Focaria agora no terreno por onde eu ia para desviar de antemão de possíveis tropeções e quedas.

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

Histórico:
 

Objetivos:
 

____________________________________________________



Ficha
| [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Boreal
Pirata
Pirata
Boreal

Créditos : 4
Warn : Sessão da Tarde: Um Zoológico da Pesada - Página 2 10010
Feminino Data de inscrição : 31/03/2013
Idade : 20

Sessão da Tarde: Um Zoológico da Pesada - Página 2 Empty
MensagemAssunto: Re: Sessão da Tarde: Um Zoológico da Pesada   Sessão da Tarde: Um Zoológico da Pesada - Página 2 EmptyTer Nov 20 2018, 15:27

Ahab notou o aceno daquela figura lupínico-humana um pouco mais a sua frente, mas a dúvida sobreveio ele, de forma que ele forçava um pouco os olhos tentando entender se não era mesmo o que ele achava. Percebeu que sim, pois o lobo agora fazia sinais para que o seguísse.

O envolta de onde esta nova figura estava tinha um pouco mais de densidade na mata, de forma que ninguém conseguiria enfiar-se por seu meio se não fosse pelo caminho onde estava a figura. Sigmund contara para Ahab o números de criaturas que o seguiam (o mesmo descrito no post anterior), e a menina-raposa só segui tentando se desvencilhar, até ter visto também o homem-lobo, e agora parecer ficar mais desesperada, por algum motivo.

Assim, tudo aconteceu muito rápido: No instante em que o pirata gigante passou para aquela bifurcação em meio aos caminhos densos da mata, uma grande pedra rolou, prendendo a passagem no ponto certo para que os perseguidores não o alcançassem. Estava feita a parede natural, e Ahab agora estava em segurança.

Contudo, como nem tudo são rosas, temos de ver que por mais que fosse arquitetada(como explicarei posteriormente), não poderia ser perfeita, e até raspou um pouco do ombro do pirata de dreadlocks, mas pior do que isso foi para o velho Sigmund, que fora empurrado e lançado para fora do segurar do gigante. Ele caiu, sem conseguir passar, e pelos gritos não dava para saber se havia sido esmagado pela pedra ou ficado para o lado dos perseguidores.

- Grrrrr... - A raposa produzia um som selvagem para o homem-lobo que estava ali, ao outro lado, com um sorriso satisfeito no rosto.

- Você sabe que eu acho próprio falarmos na língua humana quando acompanhados de um. - Dizia o lobo, com as mãos na cintura.

[color=pink]- Que seja, eu já sei bem o porquê de nos ter salvado, Hector! - Ela respondia, agora falando normalmente, e saltando dos braços de Ahab para a frente do lobo, ficando em pé como humanoide.

[b]- É claro que você sabe, Grazi. Eu nunca escondi que minha luta é feita por humanos, mas também com humanos.
- Ele explicava, demonstrando um certo jeito malandro no falar. De trás da pedra, saia um[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.], com um grande capacete e um sobretudo roxo, de aproximadamente 1,80 m, que aparentemente havia a empurrado.

- Não podemos mantê-lo aqui! Só daremos mais motivos para eles justificarem suas atrocidades, Hector! - A raposa parecia realmente estressada e brava, como dando uma bronca no outro.

- Mas isso é ele quem deveria decidir, não acham? - O macaco vinha, com um andar meio lordótico, para o lado dos dois. - Diga-nos, humano enorme, o que você prefere: ajudar nossa causa em um ataque que faremos e garantir um navio para sair daqui ou... - Fazia uma cara triste, sendo bem claro que estava manipulando a pergunta. - Ser solto de volta na floresta com os radicais te caçando, com poucas possibilidades de sair daqui?

- Ei, isso não...! - A raposa iria reclamar, quando Hector colocara um dedo em sua boca, calando-a. Assim, eles olhavam para Ahab, esperando uma decisão do mesmo, apesar das informações tão vagas.

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Shiro
Pirata
Pirata
Shiro

Créditos : Zero
Warn : Sessão da Tarde: Um Zoológico da Pesada - Página 2 5010
Data de inscrição : 23/04/2015

Sessão da Tarde: Um Zoológico da Pesada - Página 2 Empty
MensagemAssunto: Re: Sessão da Tarde: Um Zoológico da Pesada   Sessão da Tarde: Um Zoológico da Pesada - Página 2 EmptyQua Nov 21 2018, 12:44

Ahab


A corrida havia se estendido por tanto tempo que já era possível abstrair-me de das pernas, como se elas fossem algo à parte, movendo-se automaticamente e adaptando-se sozinha às dificuldades do solo e aos obstáculos que haviam pelo caminho. Quando percebi que o sujeito por trás do arbusto me mostrava uma passagem, lá foram elas, a dupla com pés, me arrastando para o lugar indicado. Enquanto os passos avançavam eu pensava que aquilo podia ser mais uma armadilha. “E lá vamos nós…” comentei em meu íntimo, já esperando pela encurralada. Mas aquilo era uma aposta, se fosse uma armadilha eu só adiantaria o futuro certo, se fosse de fato uma alternativa para fuga seria um presente de sorte dado pelo destino. Eu não tinha muita coisa ali nada a perder, de qualquer jeito, a não ser mais alguns minutos correndo.  

Quando passei ao lado do indivíduo vi que ele tinha pelos por seu corpo, presas e algumas garras. Concluí então que ele fazia parte dos grupo que me seguia. “Pronto.” pensei, enquanto minhas pernas avançavam como duas malucas, ao ponto de quase se embolarem uma na outra. Ouvi e logo após vi uma enorme pedra rolar para cima de mim e vi como certo a emboscada. Que morte patética teria sido essa! Mas minhas pernas, que pareciam querer viver mais do que eu, apertaram o passo e evitaram o meu esmagamento. Só que nessa minúscula janela de tempo eu senti o braço no qual eu segurava o velho ficar mais leve e os gritos dele soaram atrás de mim. Quando olhei para trás a pedra me dividia dele e dos perseguidores. - Boa sorte, velho!- Gritei para ele, colocando ambas as mãos em volta da boca para amplificar o som de minha voz. Eu sabia, no entanto, que aquele era o seu fim. Desejei boa sorte pois o cara havia me salvado do naufrágio, mas não tinha muito mais o que eu podia fazer. Andávamos juntos desde que atracamos ali, mas nossas intenções, desde o inicio, nos guiavam para lugares completamente diferentes. Acabou que a definitiva bifurcação de nossos destinos foi feita por uma enorme e pesada pedra.

- Ufa, foi por pouco… - Comentei comigo mesmo, olhando para o ombro que havia sido raspado pela rocha. E ao olhar para o ombro eu percebi que a menina que estava lá também havia sumido. "Eita, ela caiu também?" Respondi minha pergunta quando olhei para baixo e vi ela rosnando para o sujeito do arbusto. De perto e sem as folhas para escondê-lo eu pude ver que tal homem se assemelhava muito há um lobisomem. Mais uma vez eu sorri largamente, empolgado por ter que entrar em batalha com um bicho que eu só havia conhecido nas histórias da vovó Cruela. O mundo fora de Yakira era, como a velha sempre falava, um lugar cheio de coisas interessantes. Eu só não esperar ver essas coisas antes de chegar na Grand Line.

Mas por incrível que pareça o homem-lobo ignorou-me naquele momento, envolvendo-se numa discussão com a menina. Aquilo confundiu-me, me levando a cruzar os braços e observar tudo com o sobrolho franzido. - Que que tá acontecendo? - Falei tão baixo que talvez eu tivesse só pensado em tais palavras. E os dois prosseguiram com a conversa da qual eu não estava entendendo nada, mas isso mudou quando a garota falou sobre como me manter ali traria problemas e eu percebi que o homem lobo não havia tentado me matar, pelo contrário, ele realmente havia auxiliado em minha fuga. Aquilo me surpreendeu positivamente mas antes que eu pudesse reagir de qualquer forma um macaco corcunda entrou na cena, roubando toda a minha atenção.

Ele direcionou sua fala a mim, chamando-me de humano enorme. Meu cenho deu uma leve pulsada, e eu, ainda com os braços cruzados, dei uma breve risada pelo nariz. ‘Humano enorme, que engraçado. Faz muito tempo da última vez em que me chamaram de humano…’ Pra ser sincero, eu nem sei quando que isso aconteceu. Na verdade, eu nem sei se sou um. Sou tão acostumado a ouvir 'Gigante!' e 'Monstro!' que eu sempre achei que fosses os dois. Mas como isso não é tão relevante, eu deixei essa linha de pensamento escoar para longe e me foquei no que o velho primata falava.

Quando escutei sua primeira proposta, mais precisamente quando as palavras “um navio para sair daqui” atingiram meus ouvidos, eu descruzei os braços, sorri um sorriso fechado e que se estendia de canto a canto no rosto, e dei um passo na direção do macaco, estendendo minha mão para ele como se fosse fechar um negócio: - Me dê um navio, macaco, eu ataco até o diabo se você quiser… - Eu nem quis ouvir a outra sugestão, tanto que, se ele a disse eu acabei ignorando-a completamente. Era o navio o que eu queria. Qualquer coisa diferente daquilo não me interessava. Riquezas, talvez, mas riquezas e um navio. Ser rico preso numa selva é como ser um gigante anão, não faz muito sentido.

Engana-se, no entanto, quem acha que apertos de mão de minha parte signifiquem alguma coisa. Seria tolice acreditar nisso. Meu objetivo ali é o navio, mais nada. E é só vê-lo que eu pularei pra cima dele e correrei para o mar, deixando que os animais se virem com toda aquela idiotice. Já em cima do barco, bem longe da costa, talvez eu olhe de volta para a ilha e até torça fervorosamente para um dos lados, como um apostador num ringue de luta. Mas mais do que isso? Não é do meu feitio. As coisas só me interessam na medida que elas me favorecem.

Mas até encontrar o barco eu teria que manter as aparências, distribuir uma meia dúzia de sopapos pela causa deles e me fazer de aliado, o que eu não via como um grande problema, mas mais como um passatempo. - Então, vocês vão me explicar o que eu tenho que fazer ou vão ficar ai olhando pra mim? - Coçaria a pele em volta dos ferimentos de bala que eu tinha no pescoço. - Ah, vocês conhecem algum médico? Uns marinheiros me deram uns tiros e essas merdas não param de coçar... - Diria com a maior naturalidade do mundo, como se eu tomasse um tiro no café da manhã e outro no jantar todo o santo dia.  E ali, me coçando ao ponto de fazer caretas de desconforto, eu esperaria pelo o que o trio de meio-animais tinham a dizer.

Histórico:
 

Objetivos:
 

____________________________________________________



Ficha
| [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]


Última edição por Shiro em Ter Dez 04 2018, 15:18, editado 1 vez(es)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Boreal
Pirata
Pirata
Boreal

Créditos : 4
Warn : Sessão da Tarde: Um Zoológico da Pesada - Página 2 10010
Feminino Data de inscrição : 31/03/2013
Idade : 20

Sessão da Tarde: Um Zoológico da Pesada - Página 2 Empty
MensagemAssunto: Re: Sessão da Tarde: Um Zoológico da Pesada   Sessão da Tarde: Um Zoológico da Pesada - Página 2 EmptyDom Nov 25 2018, 18:11

O aperto de mãos entre o macaco corcunda esverdeado, vestido uma capa e um grande capacete, e o pirata dreadlocker de alguns metros de altura, fechava uma espécie de acordo entre Ahab e as figuras minks, apesar de isso não ter muito valor na mente do homem.

- Combinado, então. - O macaco tinha um certo sorriso de canto de rosto, com um leve toque de manipulador, com uma satisfação de que havia conseguido seus objetivos. - Vistes, Grazi, é uma aliança. O grandão nos ajuda, e nós ajudamos ele.

- Mesmo com a ajuda dele, nós não temos força para combater de forma direta os extremistas e os guerreiros de Shizuka, Hector. Nós só damos mais abertura para eles nos marginalizarem mais e mais. - A menina-raposa voltava a dizer, com um certo ar cansado, como se, mesmo que estivesse falando, soubesse que eles não dariam ouvidos.

- É aí que você se engana, minha amiga! - Ele ia falar isso, e a pergunta de Ahab sobre o que teria que fazer caiu como uma luva. Se virando na direção do caminho que eles tinham a frente, ele dizia. - Sigam-me até nossa toca e eu lhes mostrarei...

- Daremos um jeito em seus ferimentos lá, grandalhão. - O macaco de pele esverdeada dizia, colocando a mão no lado da perna de Ahab (que era o único local onde ele alcançava). A raposa parecia não ter muito o que fazer, e seguiria.

E se Ahab seguisse junto a eles, caminhariam por alguns instantes em meio aquela mata fechada, no único caminho estreito que ali havia. Na verdade nem era tão estreito assim, mas para Ahab era, principalmente em comparação ao anterior onde ele corria, que era um tanto maior. Chegariam então a um pequeno buraco próximo a uma árvore relativamente grande, entre suas raízes, que abrigava uma pequena caverna no subterrâneo ali. Todos começaria a entrar, quando notariam que o gigante não tinha como. - E agora, o que você vai fazer, esperto? - A raposa dizia, em tom um pouco provocativo, ao homem-lobo.

Mas, no caminho até lá, o primata lordótico seguiria ao lado do pirata, tentando puxar assunto com o mesmo. - Então, como disseste que é o teu nome, humano? Eu sou o Cabo Graham. - Ele dizia aquilo alto o suficiente, somente, para que Ahab escutasse, principalmente quando dizia a palavra "cabo", aproveitando que Hector e Grazi seguiam a frente, com ela tentado dizer algumas coisas, estressada, para ele. - Por que você decidiu vir para Kyanon Island?
NPCs:
 

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Shiro
Pirata
Pirata
Shiro

Créditos : Zero
Warn : Sessão da Tarde: Um Zoológico da Pesada - Página 2 5010
Data de inscrição : 23/04/2015

Sessão da Tarde: Um Zoológico da Pesada - Página 2 Empty
MensagemAssunto: Re: Sessão da Tarde: Um Zoológico da Pesada   Sessão da Tarde: Um Zoológico da Pesada - Página 2 EmptyDom Nov 25 2018, 22:18

Ahab

Caminhávamos pela mata. Meus olhos iam ora no caminho ora naqueles animais que falavam. O macaco, que aparentava ser o mais velho do grupo, manteve uma estranha proximidade durante todo o percurso. ‘O que esse macaco quer?’ A pergunta me acompanhou por todo o trajeto, mas eu não quis perguntar nada, dei espaço para o silêncio e deixei-o reinar por um momento. Só de ver a caverna de longe já dava pra ver que eu não entraria ali. - Pode deixar, eu já tô acostumado a sentar do lado de fora! - Exclamei em resposta ao comentário da menina. Tive que elevar a voz pois ela estava um pouco na frente.

E parece que o chimpanzé se aproveitou disso para falar coisas que, pelo tom, eu percebi que deveriam ser escutadas somente por mim. Achei estranho, mas continuei mudo, deixando-o prosseguir. ‘Cabo?’  Interrompi meus passos e minha sobrancelha direita ergueu a cima do nível de sua irmã gêmea. ‘Esse animais tem um exército organizado? Num lugar como esse? Que estranho…’ E ele completou com uma pergunta.

- Porque eu estou aqui? Ba! - Bateria na barriga com a mão direita. - Tu nem vai acreditar. Eu sou um pirata, sabe? Então, estava no mar trabalhando e um tufão me pegou BAHAHAHA! Pensa na loucura... Ai um velho me achou boiando e me arrastou pra cá. - Olharia para longe por alguns segundos, tomado pelas lembranças, mas sem muita demora eu voltaria a falar: - Perdi meus companheiros e um navio nessa loucura todo ai. Mas essas coisas acontecem! É normal pessoas em minha volta acabarem morrendo, se eu fosse vocês animais eu teria cuidado hein, BAHAHAHAHA!  - Daria um tapa em sua corcunda, indicando com aquele 'carinho' que eu estava só brincando.

Mas me diga, Graham... - Sorriria. - De qual exército você faz parte? - E meu sorriso aumentaria, deixando meus dentes de fora. - Vocês anti-radicais tem um exército também ou você vem de outro lugar que nem eu? - Minha fala viria carregada de um certo veneno, o que seria proposital pois quero demonstrar que havia alguma coisa esquisita naquilo tudo. Talvez seja um delírio meu achar que há algum caroço naquele angu, mas toda aquela situação me levava a acreditar nisso: o seguir do meu ritmo durante a caminhada, essa conversa afastada dos outros... Bem, pode ser que tenha alguma coisa ai como também pode ser invenção da minha cabeça. Mas por via das dúvidas eu assistiria com cuidado a reação dele, vendo se eu conseguia captar alguma intenção ou desconforto subliminar na forma com a qual ele respondesse.

Independente da resposta eu daria um aceno de cabeça, como se não estivesse interessado mas só puxei assunto por puxar mesmo. - Hmmm, ok. - E caso não fosse preciso dar prosseguimento àquela conversa eu caminharia até uma das laterais da caverna, me sentaria de lado em relação à sua abertura e cruzaria as pernas. - Ah! Graham, quem vai cuidar dos meus ferimentos mesmo? Essa merda ta ficando pior cada segundo que passa... - Meus dedos estariam pressionando  uma das entradas de tiro no meu pescoço fazendo movimentos circulares. - E me traga alguma coisa para beber também. Dizem que álcool é bom para ferimento de balas! BAHAHAHAHA! - E esperaria pela bebida e pela cura.

Se houvesse algum intervalo no qual eu não precisasse focar minha atenção em nenhum dos três, eu viraria meu rosto para o lugar do qual nós havíamos chegado. Concentraria em fazer o máximo de silencio possível para que assim eu pudesse escutar sons distantes. Meu objetivo seria os pesados passos daquele gorila gigante, para saber se eles ainda nos seguiam ou não.


Histórico:
 

Objetivos:
 

____________________________________________________



Ficha
| [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]


Última edição por Shiro em Qua Dez 26 2018, 21:24, editado 1 vez(es)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Boreal
Pirata
Pirata
Boreal

Créditos : 4
Warn : Sessão da Tarde: Um Zoológico da Pesada - Página 2 10010
Feminino Data de inscrição : 31/03/2013
Idade : 20

Sessão da Tarde: Um Zoológico da Pesada - Página 2 Empty
MensagemAssunto: Re: Sessão da Tarde: Um Zoológico da Pesada   Sessão da Tarde: Um Zoológico da Pesada - Página 2 EmptyQui Dez 06 2018, 21:44

- O exército de uma causa muito maior do que esta, grandão. - Era a resposta, discreta, do macaco Graham, ao perguntado por Ahab sobre o exército a qual ele fazia parte. Vinha também outra pergunta, agora direcionada ao grupo como um todo, que questionava sobre o grupo deles.

- Somos o MIR! O "Movimento da Integração Racial"! - O lobo se aprontava para frente, com o ego um pouco mais inflado por poder gerir, sem problemas do aliado pirata, a reunião ali fora. - Nós acreditamos na bandeira da equidade entre povos... Mais especificamente, da não distinção entre humanos e não-humanos.

- Veja... O ser humano é o ser mais odiado pelas outras raças. Por serem em maior número, naturalmente subjugaram as outras, o que despertou a raiva de diversas espécies, de animais a homens-peixe...

- Mas nós acreditamos na Integração Racial! Acreditamos que devemos lutar todos os dias para desconstruir os estigmas que separam os humanos das outras raças, promovendo assim uma gradual assimilação da equidade entre raças, sem que humanos continuem a se sobrepor aos outros, e sem maiores rebeliões provindas das raças minoritárias! - Seus olhos de lobo brilhavam, com o peito estufado, como se falasse algo do qual realmente se orgulhava.

- Não vão falar da parte das armas? - A raposa dizia, com um olhar um pouco provocativo, como se estivesse apontando um ponto que eles não quisessem falar. - Afinal, por que trouxeram ele aqui?

- Ah... - Perdia um pouco o inflar de seu peito, apesar de ter assumido uma postura levemente mais autoritária. - Malcárques, nosso guru intelectual, disse que essa luta precisa ser feita com o também pegar em armas. E neste instante, especificamente, o MIR tem travado uma guerra contra as forças radicais anti-humanas, que tem ascendido na ilha com a legitimação de alguém muito influente entre os animais...

Com o lembrar de que tinha que ter seus ferimentos tratados, e o pedir de algum valor alcoólico, Ahab viu o macaco esverdeado entrar na toca e sair com duas coelhas, que tinham alguns aspectos humanos em suas estruturas físicas, mas que num geral eram coelhas mesmo. Uma delas trazia algumas folhas, e começava a tratar dos ferimentos de Ahab, se escalando nele quando necessário, utilizando somente de folhas para tal, enquanto a outra rolava um enorme cocô, do tamanho da entrada da toca, cerrando-o para que o pirata pudesse beber. Não era muito grande ainda, apesar do tamanho enorme, mas serviria pra matar a sede de alguém no deserto, talvez.

- Veja, grandão. Nós precisamos de sua ajuda. Eles estão organizando uma grande execução em massa de humanos, que só vai servir para impulsionar suas ideias humanofóbicas! Em dois dias, se não conseguirmos detê-los, estaremos perdidos! - Dizia o lobo, se aproximando do grande homem, enquanto seus ferimentos eram tratados. A menina lobo parecia, contudo, ainda contrariada.

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Shiro
Pirata
Pirata
Shiro

Créditos : Zero
Warn : Sessão da Tarde: Um Zoológico da Pesada - Página 2 5010
Data de inscrição : 23/04/2015

Sessão da Tarde: Um Zoológico da Pesada - Página 2 Empty
MensagemAssunto: Re: Sessão da Tarde: Um Zoológico da Pesada   Sessão da Tarde: Um Zoológico da Pesada - Página 2 EmptySex Dez 07 2018, 14:58

Ahab


Não foi fácil concentrar na palestra do homem-lobo. A frase que Graham havia dito momentos antes cutucava-me como uma farpa. Um incômodo pequeno, porém contínuo. Olhava o palestrante fixamente para parecer que estava atento. Contudo, quanto mais ela falava mais desinteressado eu ficava por toda aquela merda. Quase ri por conta do teor daquela conversa. “Você realmente acredita nas merdas que está falando?” Sorri silencioso ao mesmo tempo em que ele falava sobre armas.

Foi então que meu resto de atenção deixou-se capturar por um par de coelhas que saíram da caverna. Olhei-as enquanto meus ouvidos eram bombardeados pelo lobisomem. Uma delas começou a tratar dos meus ferimentos, trepando em mim como se eu fosse um tronco e ela uma macaca. A outra rolou e abriu um enorme coco para mim. - Ah! - Minha garganta seca agradeceu só por vê-lo. Tomei aquela esfera rachada e bebi tão entusiasmado que se a água doce vazasse de meus lábios eu não me importaria. Por fim, consegui voltar minha atenção ao discurso do homem-lobo, que já estava nos seus segundos finais. "Execução em massa? Esses bichos são malucos..." Suspendi as sobrancelhas e teria dado um sorriso caso a fruta ainda não estivesse tampando minha boca.

Terminaria de beber virando a cabeça para trás para sugar todo o liquido daquela coisa. Tendo secado o fruto, bateria-o no chão à minha frente sem soltá-lo de minha mão direita, ao mesmo tempo em que tapearia minha barriga com a mão esquerda. - Urhhh… - Arrotaria, complementando com um sorriso que desse ênfase aos meus dentes de cima. - Eu já disse, me dando o barco eu ajudo vocês no que quiserem. - Secaria os lábios com o antebraço. - Falando nisso, onde está esse barco? - A pergunta sairia rápida. Pararia de sorrir, voltando a relaxar o rosto, escondendo minha intenção traiçoeira atrás da ingenuidade simulada. - Ah, outra coisa, esse tal de Malcárques, quem é ele? - Fitaria Graham, já que sua velhice e seu ar de inteligente me fazia automaticamente pensar nele como esse tal guru intelectual. E se fosse ele, bem, eu arregalaria os olhos, rindo como se o riso fosse um soluço. - Nome engraçado, velho. - Buscaria o fundo de seus olhos.

Com o fim da falação eu arrancaria com as unhas um naco da carne branca do coco. Com a polpa entre os dedos, sugaria-a e morderia-a, sem desviar os olhos do macaco.

Mesmo de boca cheia, questionaria: - Então, que cês querem que eu faça?


Histórico:
 

Objetivos:
 

____________________________________________________



Ficha
| [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Convidado
Convidado
avatar


Sessão da Tarde: Um Zoológico da Pesada - Página 2 Empty
MensagemAssunto: Re: Sessão da Tarde: Um Zoológico da Pesada   Sessão da Tarde: Um Zoológico da Pesada - Página 2 EmptyQui Dez 27 2018, 19:47

Enfim, mais um dia. Eu não estava no meu ápice de empolgação, pois reconhecia a monotonia que me esperava lá fora. Forjar sempre foi um prazer, mas a inquietude da inexistência de um propósito voltara a me atormentar. Normalmente isso não se prolongava muito, bastava algumas marteladas sob o calor agradável da oficina que esses pensamentos se afastavam até o suportável. Outro método, igualmente eficiente, é permitir-me alguns momentos de sossego em uma das colinas de Kyanon Island, local não tão afastado que oferece uma visão ampla da ilha.

É curioso a quantidade de acontecimentos que podem ser captados do alto de uma colina. A posição não exige uma visão tão aguçada para se deduzir os principais eventos do dia. A movimentação, os sons e até mesmo os cheiros denunciavam com certa precisão o que ocorria sob a copa das árvores, entre as clareiras e no pé das formações montanhosas, e aquilo que fugia aos sentidos era divertidamente preenchida com a imaginação. E por esse motivo, seria meu destino no momento, sair de minha cama e passar algum tempo por ali até que decidisse tomar outro rumo.

E então, deitado sobre a grama sem preocupações, é que enfim me ocorreria o que me fugira completamente da memória desde o dia anterior. Gullin Kambi, meu mestre ferreiro que no momento detinha a propriedade que já fora minha casa e dos meus pais, pedira para que eu fosse comprar ferro logo pela manhã, uma vez que o estoque do material se esgotara. - Hunf... - resmungaria em alto e bom som, deixando que os pelos próximos do focinho balançassem. "Sabia que tava esquecendo alguma coisa. Nunca é tão simples."

Rapidamente deixaria a colina, caso eu afinal tenha ido até ela em algum momento, para adentrar a parte em que o comércio se fazia agitado em Kyanon Island. A ilha não era tão grande, tampouco a região ocupada pelos habitantes, e por isso seria fácil localizar a loja. Assim que a encontrasse, cumprimentaria o atendente com cortesia, pois era muito provável que já me conhecesse dado o meu ofício e a fama de meu mestre, o velho leopardo. - Saudações, meu caro! Gullin está precisando de materiais pra forja, não especificou exatamente a matéria-prima desejada, mas me deu o dinheiro exato do que julgou suficiente. - E separaria 25 mil berries sobre o balcão, aguardando o material. Assim que o tivesse, agradeceria o mink que me atendesse e deixaria a loja, com a nova aquisição guardada.

Iria tão rápido quanto minhas curtas pernas permitiriam e depositaria o material em seu lugar devido na oficina. Minha intenção era reconhecer se havia o suficiente para forjar um martelo, pois a última encomenda incluíra o único equipamento bárbaro para entrega imediata, e era prudente que eu tivesse em mãos algo para me defender mesmo com o ritmo pacífico que levava nos últimos dias. Dificilmente o leopardo protestaria se eu fizesse um novo martelo para mim, bastaria dizer que pretendo afinar minhas capacidades como ferreiro e guerreiro. - Senhor, perdoe-me pelo atraso... sei que já fui mais ágil. Posso pegar emprestado um pouco deste material para mim? Pretendo criar uma arma própria. - diria caso o visse, sem depositar muita emoção em meu pedido de desculpa.

Histórico:
 
Voltar ao Topo Ir em baixo
Remenuf
Designer
Designer
Remenuf

Créditos : 19
Warn : Sessão da Tarde: Um Zoológico da Pesada - Página 2 10010
Masculino Data de inscrição : 01/12/2017
Idade : 20
Localização : No seu coração

Sessão da Tarde: Um Zoológico da Pesada - Página 2 Empty
MensagemAssunto: Re: Sessão da Tarde: Um Zoológico da Pesada   Sessão da Tarde: Um Zoológico da Pesada - Página 2 EmptySeg Dez 31 2018, 12:28


Narração : 09

Ahab

No momento em que Ahab perguntava sobre o barco Graham e Hector se entreolharam, afinal agora já sabiam da procedência pirata do gigante, mas não confunda com falta de confiança, era mais algo como uma reação inconsciente em se preocupar com a validade do trato antes feito, mas se quisessem uma parceria efetiva os mink não tinham nada a esconder, fora o lobo o qual respondeu a pergunta.

- É uma pena que você não consiga ver com os próprios olhos, mas essa entrada na verdade é apenas a saída de uma gruta que está conectada ao mar, o barco está lá dentro, talvez você até consiga ver se for pelo outro lado das montanhas, mas ainda não é a hora, é perigoso com os Radicais ainda alertas. - Ele dava uma pequena pausa apenas para se lembrar de algo que talvez fosse revelante ali. - É uma boa embarcação, demos sorte de conseguir ela, ainda precisa de uns reparos, está meio danificada, mas estará pronta na hora correta não se preocupe. Attros está cuidando dela, ele é um ótimo carpinteiro. - Finalizou fazendo um sinal positivo com o polegar.

Em seguida o questionamento era sobre Malcárques, e era o macaco que tomava a frente dessa vez.

- Ele era um velho mink que servia de guia para nossa comunidade, era de fato muito sábio, iniciou as palavras de igualdade entre os animais e humanos, todo o MIR existe graças a ele. Infelizmente fora morto pelos planos de um da nossa espécie recentemente, a culpa foi toda jogada em um humano, este fora executado na hora e desde então os radicais vem ganhando moral dentre a população. - Enquanto falava, era perceptível uma certa tristeza no olhar de Graham, muito provavelmente fora próximo do sábio. Por fim, a última pergunta de Ahab, e era ainda o macaco que explicava enquanto as outras duas minks trazidas para servir o gigante se retiravam.

- Bom, nosso foco principal é impedir essa execução pública dos humanos, só isso já deve bastar para baixar a moral dos radicais e acalmar a população, nem todos os apoiam sabe, os minks na verdade só estão com medo. - Ele dava uma pausa e olhava brevemente para a raposa. - Eu concordo que raramente algo de bom pode vir de um conflito armado, mas as vezes é a única opção, ou então aqueles ao nosso redor não acordarão para a realidade nunca. - Grazi ainda parecia incomodada, mas não tinha como refutar tal fato, seria apenas teimosia, dito isto ela apenas fechou os olhos meio cansada de tudo aquilo e então adentrou a caverna.

Façam o que acharem melhor então”, disse meio de birra. Deixando então para que Graham terminasse sua palavra.

- Como eu ia dizendo… Os que nos apoiam não são de fato os melhores lutadores, diferente das radicais que pregam a violência e superioridade mink acima de tudo, especialmente aquele gorila incrivelmente grande que você deve ter conhecido antes, não temos como parar um monstro daquele.

- E é aí que você pode nos ajudar grandão. - Interrompeu Hector. - Se conseguirmos ao menos abrir passagem e segurar os radicais enquanto os outro soltam os humanos, a vitória é nossa.

- Agora mesmo Hector está indo buscar algumas armas que podem nos ajudar. - Complementou o macaco. - Se puder ajudar ele com isso seria de grande ajuda também.

Baldur
Um pouco mais cedo no mesmo dia...

A manhã de Baldur se iniciava de forma usual, um tranquilo passeio até as partes altas de Kyanon Island, de lá era possível observar uma parte da ilha com certa facilidade, mas não era só o interior, pois também era um ótimo lugar para observar internamente, e quando digo isso falo de auto reflexão, talvez aquele fosse o lugar que o mink bode fosse para desestressar, quem sabe pensar o por que diabos ainda se encontrava naquela ilha, muito provavelmente a espera de um empurrão. Mas deixando isso de lado, uma vez que não se pode definir o que se passa na mente de Baldur, vamos ao menos mostrar o que se passou em seus sentidos.

Um pouco ao longe, se aproximando da ilha, era possível ver uma pequena embarcação atracando, normalmente não chamaria atenção alguma, e talvez nem mesmo poderia ser vista a distância, mas o que roubava os holofotes era uma de tamanho considerável em cima do veículo. Uma movimentação na floresta também era notável, passos pesados vinham de dentro da selva, e não demorou muito para o som de tiros ser projetado até as orelhas do bode, algum conflito estava acontecendo, o que na verdade era normal nos últimos dias de Baldur.

Ele sabia - sendo um morador do local - que um certo escândalo corria pela ilha, Marcárques, uma figura importante da sociedade mink parecia ter sido assassinado por um humano, e desde então uma retaliação se iniciara, com radicais sedentos pela superioridade mink se livrando de qualquer não animal na ilha. Algo que também poderia vir das memórias de Baldur eram as palavras de seu mestre, o velho leopardo tinha convicção que aquilo tudo estava errado, humanos e minks não deveriam brigar de tal forma, e que o assassinato do velho guru muito provavelmente havia sido uma armação.

Isto posto, ali perdido em pensamentos, o mink finalmente se lembrava de algo importante, uma tarefa passada por seu mestre que não só era seu dever como discípulo como também interesse próprio. O Mink desceu até a “cidade” e lá só confirmou mais uma vez a situação caótica que se passava. Os radicais, antes um grupo recluso, uma minoria sem muito poder, agora se manifestavam nas ruas abertamente e demonstravam sua violência justificada pelo apoio moral do povo, cartazes com o [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] de uma besta cruzada por garras representavam o movimento, traziam mensagens como “ajude-nos a exterminar a praga”, “Supremacia Mink”, “Colocaremos os humanos em seu devido lugar”, dentre outras. Era quase como se eles tivessem assumido o poder da ilha, não em questões políticas mas sim ideológicas.

Passando pela Old Tree, Baldur avistava a região no qual se encontrava um cárcere aberto de humanos, expostos ao ridículo para que quem passasse jogasse objetos ou xingamentos, havia também um certo rumor correndo pelo local, rumor este que dizia que tais humanos não seriam mantidos ali por muito tempo, que seria bom aproveitar o quanto dava, pois em dois aconteceria uma execução pública. Obviamente que nem todos concordavam com isso, também era possível ver minks que evitavam o local, protestavam contra e até tentavam convencer terceiros de que aquilo estava errado, mas acabavam sendo ridicularizados pelos Radicais que os chamavam de “Humanistas”.

Após caminhar mais alguns minutos Baldur chegava a um pequeno estabelecimento bem abaixo da grande árvore, parecia um armazém em geral, lá continha comidas, materiais medicinais, de uso comum dentre outras coisas. Conhecendo bem o local Baldur se dirigia prontamente para o balcão onde era recebido por um Mink cachorro bem velho.

- Ooh, bom dia garoto, já faz um tempo que não lhe vejo, como tem passado? - O pedido pelo material era feito, quando o dinheiro era posto a mesa e o nome de Gulin era citado era possível notar um certo descontentamento e cansaço no velho cachorro. - Ainda com aquele leopardo fanfarrão? - Ele pegava os Berries e os pesava na mão, como se medisse o valor e indicasse escassez. - Você sabe que ele ainda me deve o pagamento do mês passado certo? - Dizia com um olhar meio triste por alguns segundos antes de suspirar bem profundamente. - Ok! - Recolhia então o pagamento e dos fundos da loja trazia uma algibeira com alguns lingotes de ferro dentro. - São tempos difíceis, vou lhe fazer esse favor dessa vez. Agora caia fora daqui! - Finalizou meio carrancudo.

Uma vez com o material em mãos Baldur partiu em direção a sua casa, ou melhor, oficina, chegando lá o local estava surpreendentemente vazio, o local se dividia em basicamente três partes, a entrada, com uma pequena recepção e uma parede aberta que levava até a segunda parte que se tratava da oficina, e em seguida uma porta que levava para o resto do que deveria ter uma casa. Lá se encontrava os materiais de uma forja completa, e enquanto guardava os materiai em seus devidos lugares checava que havia o suficiente para forjar seu estimado martelo.

Um barulho vinha da porta, era um velho leopardo com roupas de tecido e uma prótese de metal na perna esquerda, Gulin, o mestre de Baldur. Ele mancava para dentro carregando uma figura encapuzada no qual levou até um banco um tanto oculto dentro da oficina, por dentro dos pano, o mink bode podia observar que se tratava de um humano velho, em um estado entre a consciência e o desmaio.

- Bom dia Baldur! - Dizia um tanto empolgado até. - Não se preocupe com detalhes, acenda as Fráguas que eu tive a ideia para uma nova arma que vinha projetando. - O bode então fazia seu pedido, recebendo uma resposta quase que imediata e brincalhona. - Oooh, então meu bodinho está crescendo? Querendo fazer a própria arma? Kakakaka. Muito bem, acenda duas então, vamos ter trabalho hoje.




Npc's:
 

Legenda:
 

Histórico:
 
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Conteúdo patrocinado




Sessão da Tarde: Um Zoológico da Pesada - Página 2 Empty
MensagemAssunto: Re: Sessão da Tarde: Um Zoológico da Pesada   Sessão da Tarde: Um Zoológico da Pesada - Página 2 Empty

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
Sessão da Tarde: Um Zoológico da Pesada
Voltar ao Topo 
Página 2 de 9Ir à página : Anterior  1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9  Seguinte

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
One Piece RPG :: Oceanos :: West Blue :: Kano Country-
Ir para: