One Piece RPG
Stranger Family - Wild Creation - Página 5 XwqZD3u


One Piece RPG : A GRANDE ERA DOS PIRATAS
 
InícioBuscarMembrosGruposRegistrar-seConectar-se
Últimos assuntos
» [MINI-ARTHURBRAG] COMEÇANDO UMA AVENTURA
Stranger Family - Wild Creation - Página 5 Emptypor Ryoma Hoje à(s) 16:14

» I - A Whole New World
Stranger Family - Wild Creation - Página 5 Emptypor ADM.Tidus Hoje à(s) 14:37

» Apresentação 6 ~ Falência Bombástica
Stranger Family - Wild Creation - Página 5 Emptypor Furry Hoje à(s) 12:39

» [ficha] Arthur D.
Stranger Family - Wild Creation - Página 5 Emptypor arthurbrag Hoje à(s) 12:25

» Enuma Elish
Stranger Family - Wild Creation - Página 5 Emptypor GM.Alipheese Hoje à(s) 11:22

» [Mini-Aventura] A volta para casa
Stranger Family - Wild Creation - Página 5 Emptypor Fiest Hoje à(s) 10:51

» Ler Mil Livros e Andar Mil Milhas
Stranger Family - Wild Creation - Página 5 Emptypor Fukai Hoje à(s) 10:10

» Cap 3: O alvorecer da névoa trovejante
Stranger Family - Wild Creation - Página 5 Emptypor PepePepi Hoje à(s) 7:50

» Pandamonio, Vol 1 - Rumo à Grand Line!
Stranger Family - Wild Creation - Página 5 Emptypor Thomas Kenway Hoje à(s) 6:02

» Hey Ya!
Stranger Family - Wild Creation - Página 5 Emptypor GM.Mirutsu Hoje à(s) 2:56

» [E.M] - Gostosuras e Travessuras
Stranger Family - Wild Creation - Página 5 Emptypor GM.Jinne Hoje à(s) 2:08

» [Ficha] Raveny Moonstar
Stranger Family - Wild Creation - Página 5 Emptypor ADM.Senshi Hoje à(s) 1:38

» Raveny Moonstar
Stranger Family - Wild Creation - Página 5 Emptypor ADM.Senshi Hoje à(s) 1:36

» ブルーベリーパイ ~ Blueberry Pie
Stranger Family - Wild Creation - Página 5 Emptypor CaraxDD Hoje à(s) 1:11

» Escuridão total sem estrelas
Stranger Family - Wild Creation - Página 5 Emptypor CaraxDD Hoje à(s) 0:39

» Capítulo I: Meu nome é Cory Atom! Filho de Kouha Atom
Stranger Family - Wild Creation - Página 5 Emptypor Kiomaro Hoje à(s) 0:27

» Arco 5: Uma boa morte!
Stranger Family - Wild Creation - Página 5 Emptypor Kenshin Himura Ontem à(s) 23:58

» A inconsistência do Mágico
Stranger Family - Wild Creation - Página 5 Emptypor CaraxDD Ontem à(s) 23:45

» Seasons: Road to New World
Stranger Family - Wild Creation - Página 5 Emptypor Volker Ontem à(s) 22:44

» Ain't No Rest For The Wicked
Stranger Family - Wild Creation - Página 5 Emptypor Hoyu Ontem à(s) 21:55



------------
- NOSSO BANNER-

------------

Naruto AkatsukiPokémon Mythology RPG
Naruto RPG: Mundo Shinobi
Conheça o Fórum NSSantuário RPG
Erilea RegionRPG V Portugal
The Blood OlympusPercy Jackson RPG BR
A Song of Ice and FireSolo Leveling RPG
Veritaserum RPGPeace Sign RPG
Pokémon Adventure RPG

------------

:: Topsites Zonkos - [Zks] ::


 

 Stranger Family - Wild Creation

Ir em baixo 
Ir à página : Anterior  1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9  Seguinte
AutorMensagem
ADM.Tidus
Duque Azul
Duque Azul
ADM.Tidus

Créditos : 62
Warn : Stranger Family - Wild Creation - Página 5 10010
Masculino Data de inscrição : 10/06/2011
Idade : 27
Localização : 1ª Rota - Karakui

Stranger Family - Wild Creation - Página 5 Empty
MensagemAssunto: Stranger Family - Wild Creation   Stranger Family - Wild Creation - Página 5 EmptySex 25 Maio - 17:06

Relembrando a primeira mensagem :

Stranger Family - Wild Creation

Aqui ocorrerá a aventura dos piratas Royce Khajit e Ken rock e da civil Layla Morningstar. A qual não possui narrador definido.


____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

Olá Convidado, seja bem-vindo ao One Piece RPG.
Links para ajuda: [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo

AutorMensagem
TerryBogard
Pirata
Pirata


Data de inscrição : 13/04/2016

Stranger Family - Wild Creation - Página 5 Empty
MensagemAssunto: Re: Stranger Family - Wild Creation   Stranger Family - Wild Creation - Página 5 EmptyDom 8 Jul - 6:27


Ilha

- Humpf! Está bem. - falaria, colocando Rise cuidadosamente no chão - Só não ache que eu vou andar mais devagar, quero chegar logo nessa tal cidade.

Aparentemente Rise não corria mais risco de vida, bom, era um problema a menos. Porém eu ainda tinha alguns ferimentos e precisava tratá-los para que não atrapalhem o meu desempenho em batalha, então continuaria seguindo naquela mesma direção que o tal Toretto havia indicado.

Caso topasse com alguém no meio do caminho, e visse uma cidade pegando fogo no horizonte, me viraria para a direção da pessoa e perguntaria: - O que está acontecendo naquele lugar? - questionaria, ríspida e diretamente como sempre faço. Caso perguntem meu nome, quem eu sou ou o que quero, responderia: - Sou Jurgen E. Rutherford, procuro um médico. - então viraria a cabeça para a cidade e continuaria: - Acredito que deva existir um médico naquele lugar. - caso me avisem que é perigoso, responderia: - Humpf! - e viraria as costas. - São eles que deveriam me temer, não o inverso. - então começaria a andar na direção da cidade - Mas não se preocupe, não atacarei ninguém indiscriminadamente, esmagarei apenas pessoas ligadas ao governo, ou que tentem interferir em meus planos. - caso a/as pessoas ofereçam ajuda, eu aceitaria, então iria para a cidade.

Caso fosse atacado por algo ou alguém, naquela ou em outra situação, faria o possível para bloquear os ataques com minha lança e meus braços, caso não fosse possível, resistir aos danos da melhor forma possível, mas continuar lutando. Na primeira chance que eu tivesse, contra atacaria o(s) meu(s) adversários com uma sequência de cortes sucessivos horizontais e diagonais com a minha naginata, buscando sempre colocar o máximo de força nos músculos dos braços, para causar maior dano aos inimigos atingidos pelos meus golpes, caso algum deles tente se aproximar para acertar pelas pernas, desferiria uma furiosa porretada com o cabo da lança de preferência na cabeça do adversário, apenas para impedi-lo(s) de causar danos naquela região, mesma coisa com hipotéticos ataques pelas costas que eu consiga escutar chegando. Caso eu seja atacado com projéteis pequenos, tentaria bloqueá-los levantando o cabo de minha lança em suas direções, e tentando resistir caso seja atingido. No caso de projéteis maiores como balas de canhão, tentaria me esconder atrás de alguma estrutura firme caso disponível, caso não, tentaria resistir.


Histórico:
 

Objetivos:
 
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ken Rock
Pirata
Pirata
Ken Rock

Créditos : Zero
Warn : Stranger Family - Wild Creation - Página 5 9010
Data de inscrição : 27/05/2015

Stranger Family - Wild Creation - Página 5 Empty
MensagemAssunto: Re: Stranger Family - Wild Creation   Stranger Family - Wild Creation - Página 5 EmptyTer 10 Jul - 12:22

#012
No chão, com calma, procuraria observar as minhas vadias em suas lutas. Parecia que a loira estava se saindo melhor do que a ruiva e que cassandra estava na dela como sempre. Acho que poderia me concentrar na minha luta sem me preocupar em gastar balas para protegê-las, se viessem a morrer também seria um problema para lidar com mais adversários porém não me importaria com isso. Nessa observação, olharia para aquele trono, de longe aparentava ser melhor do que o meu e isso me deixava puto da vida, afinal como um zé ruela com um bigode ridículo como aquele tinha um trono superior ao meu. Se em meio a minha delicada observação ao trono, notasse o velho e a garotinha escondidos ali e observando a luta não perderia tempo e pensaria rápido… “ Olha só aqueles lambaris! Preciso fazer um teste rápido”

Me colocaria de pé ajeitando minhas costas e responderia as palavras de monk em quanto me posicionaria na direção do trono, para que o mesmo não percebesse deixaria ele no meio do caminho. Precisaria apenas que ele o trono estivesse na minha linha de ação por alguns instantes naquela luta até que minha experiência terminasse…. - Respondendo a sua pergunta anterior seu merda! Eu sou mais macho que você debaixo de outro macho! Infelizmente um zé ruela me deixou assim, gostosão, mas nada que me impeça de te foder com os esplendoroso Ken Fuck Rock seu bosta!...

Com minhas armas em punho, disparia três vezes na direção do imbecil. O primeiro tiro seria na direção de sua cabeça como os anteriores, o segundo em seu joelho e o terceiro em sua cabeça novamente. Rapidamente após essa sequência de disparos, pegaria a besta e dispararia em direção ao trono. Aos olhos de pessoas normais, eu estaria provavelmente atirando contra o homem, porém minha intenção nunca foi acertá-lo com a besta e sim as pessoas que estivessem escondidas no trono. Com a minha isca lançada esperaria o próximo movimento de meu peixe. é claro que manteria o meu corpo em movimento, lateral se necessário em ziguezague buscaria sempre deixar o trono na linha de ataque.

Se o homem de armadura fizesse o que eu estaria imaginando, aplicaria mais quatro tiros com cada uma das minhas armas, a minha sequência de ataque seria da seguinte forma. Dois tiros aplicados em direção a sua cabeça, se o escudo fosse levantado correria com a minha aceleração para diminuir a distância entre nós, sempre buscando a esquiva caso algum ataque fosse lançado contra meu maravilhoso corpo azul, assim que ele desfizesse a sua defesa contra o seu rosto aplicaria mais dois tiros contra a sua cabeça e novamente me aproximaria. Se estivesse próximo o suficiente para surpreendê-lo para um combate corpo a corpo, aplicaria dois tiros contra a sua perna, aquela que anteriormente já teria conhecido a dor,  pendularia algumas vezes para evitar os ataques de sua espada e recuaria (não muito, ainda queria estar dentro do meu limite no combate corpo a corpo) aplicando mais dois tiros (completando a sequência de 4 tiros) os dois na direção de sua cabeça, sendo que um deles propositalmente disparado contra as duas pessoas do trono.

Apostaria que o Monk usado o seu escudo ou espada para defender essas sequências de ataque, já que o mesmo fez isso no passado, se a mesma desse certo iria para o verdadeiro golpe intencional. Na opção do seu braço que estivesse esgrimindo a sua espada estivesse mais próximo e seu escudo levantado para bloquear o ataque disparado, concentraria a aceleração de minhas pernas e movimentaria em direção ao seu braço com uma mordida. O foco seria nas articulações do cotovelo ou do pulso. Como no passado havia sofrido alguns golpes de meus inimigos com essa tática de mordida, estaria mais focado em meu plano. Assim que aplicasse a mordida, não perderia tempo com dentadas para ferir a área ou até mesmo cravar os dentes para um futuro movimento, realizaria uma mordida forte para abocanhar uma grande área de carne e balançaria a cabeça bruscamente para retirar a base de meu oponente.
------

Na oportunidade do braço da espada estar longe do meu alcance, partiria a minha investida contra o seu escudo e começaria a mordê-lo até alcançar e abocanhar o braço dele. Durante o meu ataque contra a sua defesa, dispararia contra a sua mão, a que estava segurando a espada, e seus joelhos também. Caso notasse que o ataque contra o escudo não fosse resultar em nada, recuaria aplicando alguns tiros mantendo a distância para um futuro ataque mais planejado. O recuo seria uma espécie de jogo de corpo contendo pêndulos e movimentos em ziguezague. Mas, se obtivesse êxito em morder o braço do oponente, realizia o balançar de cabeça descrito acima para desestabilizar a postura do oponente e seguinguir com a investida descrita a seguir (lembrando que a próxima sequência, serve para ambos os casos)
-----

Preocupado com possíveis ataque contra minha maravilhosa cabeça e/ou corpo escultural, no momento da mordida aplicaria mais três tiros. Um contra o joelho, outro na cabeça e o tercero, se houvesse a oportunidade, na axila do braço em que eu estaria mordendo. Se não houvesse como acertar a axila aplicaria o terceiro tiro, pela primeira vez, contra o outro joelho.

Recuaria alguns metros em ziguezague, aumentando a distância conta o Monk. No recuo, buscaria recarregar rapidamente minhas pistolas, assim que uma delas estivesse pronta olharia rapidamente as garotas e pensaria comigo mesmo…. “Como eu gostaria de estar fodendo com uma delas nesse momento”...  Aplicaria dois tiros contra os oponentes da que estivesse com mais dificuldade, para que talvez a mesma tivesse uma janela para contra atacar o seu oponente.

Ainda em movimento, continuaria a recarregar minhas armas e a besta também. Manteria sempre uma distância segura entre o meu estupendo ser e o Monk de merda. Se a lança ainda estivesse em minha posse, colocaria o espírito de guerreiro de Monk a prova. Pegaria a lança e sem pensar duas vezes lançaria contra o velho e a criança que estavam escondidos. Sem que o mesmo tivesse algum tempo de reação, brilharia intensamente a minha MARAVILHOSA crista no salão, sacaria minha arma e besta. O tiro da besta seria contra a cabeça/ pescoço do Monk, após o uso da besta sacaria a segunda pistola. Junto com o tiro da besta, aplicaria 5 tiros tiros, 3 contra o trono e dois em cada joelho do oponente, com a segunda pistola dispararia mais 5 vezes novamente. Os disparos obedeceriam a seguinte ordem, um em cada joelho, um na direção do trono e o restante em sua sua cabeça.

Novamente carregaria a minhas armas e pararia de brilhar após carregar e ficar em uma posição segura e protegida contra qualquer ataque e contra possíveis avanços de qualquer oponente dispararia em alguma das brechas de suas armaduras.

No caso da minha aproximação ser falha e ele simplesmente ignorar meus ataques contra os vermes escondidos no trono, partiria para o plano B. Seguraria uma das mãos retiradas dos guardas, correria em Ziguezague aplicando dois tiros no joelho, machucado do Monk, Depois mudaria bruscamente minha movimentação e circulando lateralmente o Monk na direção de seu escudo, buscaria deixar a espada dele longe o suficiente e fazê-lo movimentar o seus joelhos e base. Durante o movimento atiraria mais uma vez contra o joelho e lançaria uma das mãos com o dedo do meio levantado aos berros - Ken Fuck Yeah Shoot … Assim que a mão fosse lançada na direção de sua cabeça, mais especificamente de seus olhos,  dispararia mais duas vezes na mesma direção. O primeiro tiro seria da pistola e o segundo, com um certo atraso, seria o da besta.

Dessa forma estaria contando com algumas situações, que o Monk usasse a espada e o escudo para se defender e depois baixar a sua defesa para os seus joelhos, já que estaria viciando os meus ataques com as pistolas teriam sido feitos sequencialmente naquela região. Se por um acaso desse errado e o mesmo defendesse, esperaria que o dardo lançado silenciosamente pela besta, fizesse a sua função em atingir o inimigo. Se o ataque fosse válido, descarregaria uma de minhas pistolas nos joelhos e cabeça, com a idéia de forçá-lo a deixar se escudo no alto.

E caso o infeliz viesse contudo em minha direção,em uma distância confortável, pegaria uma de minhas bolas de ferro e diria comigo mesmo …. - Foda-se seu merda…. Brilharia a minha crista de galo enquanto lançaria a minha esplendorosa, magnífica, única e muito boa técnica suprema aos berros e muita baba…. - ULTRA MEGA FIST SHOOT !!!!!!!

Após o ataque, carregaria as minhas pistolas (se necessário) e alvejaria todas as brechas que houvesse no corpo do monk aos berros!!! - Vou te furar inteira minha puta banguela MUAHSUHAUHSUHAUHAUH!!!!
Histórico:
 

Dados Player:
 


Objetivos:
 

____________________________________________________

Legendas:
 
Voltar ao Topo Ir em baixo
Fran B. Air
Pirata
Pirata
Fran B. Air

Créditos : 32
Warn : Stranger Family - Wild Creation - Página 5 10010
Feminino Data de inscrição : 30/11/2017
Idade : 24
Localização : The Wonderful Land

Stranger Family - Wild Creation - Página 5 Empty
MensagemAssunto: Re: Stranger Family - Wild Creation   Stranger Family - Wild Creation - Página 5 EmptyQua 11 Jul - 11:58



Narração - Wild Tide Ft. TerryBogard



ROYCE

Depois de ter injetado em si mesmo hormônios dos quais ainda não tem total controle, Royce se viu em uma encruzilhada, mas não qualquer uma, era a escuridão, seu subconsciente e por mais que quisesse ter o controle de suas ações, de si mesmo, o Mink não conseguiu. Os hormônios que injetou em seu jovem corpo de felino tomaram tudo, praticamente alterando sua personalidade de gatuno que fazia as coisas na encolha durante a calada da noite. O gato havia se transformado em uma espécie de monstro, ainda com seus princípios de querer conquistar as coisas, mas de maneira bem mais violenta que antes.

Atiçado por Shizuka que sempre quis ver o gatuno como um matador poderoso, ele não se conteve, estalou seu pescoço ao movê-lo para o lado como alguém que se preparava para alguma coisa, enquanto sacou suas espadas as batendo uma na outra e se dirigia na direção dos guardas, que não demoraram nada para ver o que os aguardava, ficando ambos em guarda com as lanças apontadas na direção do gatuno e seus escudos levantados. O Mink parou na entrada do corredor os encarando e lambendo os lábios, estando pronto para avança e fazer o que a coelha sempre quis que ele fizesse.

Depois de uma leve encarada, embora os guardas não tenham se estremecido nem por um segundo, o Mink avançou com tudo em sua direção, fazendo com que naquele espaçoso corredor, os guardas se afastassem levemente da porta para que tivessem espaço suficiente para manejar suas armas com maestria. Em sua investida, Royce cruzou suas lâminas a frente de seu abdômen, enquanto os guardas mantinham suas posições esperando a chegada do gatuno que corria em sua direção.

Ao se aproximar, o guarda da direita desferiu um corte diagonal de cima para baixo, que foi facilmente evitado pelo Mink ao se movimentar para sua lateral, fazendo com que o guarda errasse. Foi então que o gatuno em um rápido movimento, atacou a lança do adversário ao mais uma vez cruzar suas espadas e logo depois descruzá-las as puxando para os lados e fazendo com que suas pontas curvas em quase que um piscar de olhos cortassem a lança que possuía o cabo de madeira em duas partes, deixando o guarda com nada mais que um pedaço de madeira em suas mãos.

- MORRA, DESGRAÇADO! -

Mas em um rápido impulso somado a um grito ensurdecedor, o outro homem que segurava sua lança, já estava com um ataque preparado para acertar o gatuno, sendo que aquele que teve sua lança perdida, o empurrou com seu escudo, dando a oportunidade para que o outro acertasse uma estocada no braço esquerdo de Royce, mesmo que pegando de raspão devido a posição desfavorável ao atacar sem ter tempo para se posicionar bem, sangue começou a escorrer do Mink, somado a uma profunda e ardente dor em seu braço, uma dor muito estranha para um corte tão superficial.

Depois de desarmar ao menos um de seus oponentes, Royce correu na direção daquele que ainda portava uma lança para o acertar, conseguiu se esquivar com eficácia de uma estocada que foi desferida contra seu abdômen, ao mesmo tempo que foi dar um corte vertical no mesmo, é claro que vendo aquilo, seu oponente levantou o escudo para bloquear o corte, mas já esperando por isso, o Mink utilizou a parte curva de sua outra espada ao puxar o calcanhar do homem, fazendo com que ele caísse para trás e batesse a cabeça com força na parede, fazendo com que um som alto de metal caindo ressoasse pelo lugar.

O que o Mink não esperava vindo do outro homem, já que talvez por ter entrado em seu estado de fúria, tenha descartado tal possibilidade ou se esquecido, era que ele tinha outra arma além de sua lança, sua espada ainda embainhada. Então, durante o movimento de Royce, de derrubar um dos inimigos, o guarda que havia tido sua lança cortada sacou sua espada, desferindo um corte diagonal no Mink, acertando a anca direita de seu corpo, mas ignorando a dor e continuando seu movimento, o gatuno não dava tempo ao azar, antes que o homem caído se levantasse, ele fincava suas armas nas intersecções da armadura do homem caído, fazendo com que o mesmo, que não dava para saber se estava apenas caído, desmaiado ou morto com a pancada na cabeça, gritasse de dor, mostrando seu estado atual, por mais que a armadura tivesse impedido que o homem perdesse suas pernas, ele tinha recebido um grande dano ao tê-las levemente perfuradas horizontalmente, nas canelas.


TERRYBOARD

Jurgen, que não deu bola nenhuma para Toretto, o deixou sem entender nada do que o gigante queria, vendo ele sair sem mais nem menos junto de sua companheira, Toretto simplesmente balançou os ombros para cima como se não se importasse, andou até Layla, estalando os dedos algumas vezes na frente da garota para ver se ela despertava de seu transe, mas percebendo que não teria sucesso, passou o seu braço em sua testa para retirar levemente o suor da mesma e voltou a dar uma de lenhador, deixando Jurgen com o som das machadadas *TAC... TAC...* vindo da margem da ilha, enquanto adentrava a floresta naquela tarde, alguma horas antes da guerra dar início.

Horas estas que começaram a se passar conforme ele andava tentando resistir à dor de seus ferimentos que ainda não haviam sido devidamente tratados, coisa que o retardava levemente em sua empreitada indo na indicação dada pelo marceneiro. Era uma floresta não muito fechada, hora ou outra era possível de se notar alguns insetos como borboletas voando e centopeias nas árvores. Depois de algumas horas andando por aquela floresta, já estava começando a anoitecer e esfriar, sendo possível se escutar uivos de lobos e piados de corujas, então Rise falou em seu tom de sempre assim que ficou possível se notar uma iluminação forte mais à frente, bem mais forte que a lua e as estrelas que iluminavam a floresta. Vendo aquilo, Rise falou sorrindo ao ver algum sinal de vida, depois de tanto tempo.

- Olhe, tem pessoas ali! –


Foi quando Jurgen viu o que estava ocorrendo, havia um tritão maior ainda do que o gigante e outro quase do mesmo tamanho que Rise, eles estavam sentados no chão de pernas e braços cruzados enquanto olhavam a cidade sendo tomada pelo caos. Fumaça negra saia do fogo, acompanhada por alguns gritos de pessoas desesperadas, enquanto algumas corriam na direção da floresta e outras montadas em cavalos corriam atrás dessas que tentavam fugir, as matando na tentativa de não deixar um só sobrevivente. Ao se aproximar das pessoas sentadas, ele escutava um pouco da conversa, antes que falasse alguma coisa ou os dois o notassem, o maior falava de maneira completamente compreensível, mas o menor deles fazia alguns gestos com as mãos e não era possível de se entender claramente o que falava.

- Será que eles vão perceber que a gente não fez esse caos? E que ficou um pouco maior do que era para acontecer? Bahahaha. –

- Hummm... Humhum... Huuuuum... HUMHUMHUMHUM –

- Talvez a gente devesse ajudar, mas eu estou com preguiça, além disso, aqueles caras não devem ter problemas em sair de lá... E a Lua está tão legal hoje... Perfeita para tirar uma soneca, aaaah... Só faltou alguma coisa feita pela Cassandra... –

- Hum, Hummhummm... HUMM! –

- Hum? –


Nesse momento, o gigante se aproximou o suficiente, permitindo que Akuma notasse sua presença junto da mulher sorrindente e calma, ele então pergunta aos dois o que estaria acontecendo lá. Escutando isso, Big G olha para baixo para ver o gigante que mesmo em pé era levemente menor que o tritão sentado, dá uma puxada em sua barba o encarando, mas sem falar nada, então sorri e começa a explicar o que os dois tritões têm apreciado já a alguns minutos, sendo seguido por Akuma que também olha para o gigante e confirma ao balançar a cabeça com os olhos fechados e dizer algo também.

- Bem, a cidade começou a ser atacada por um exército de repente, não acho que você deva ir para lá... A não ser que não tema a morte... –

- Hum. –

- Não custa nada tentar... -

Mesmo com o alerta, Rise os responde com um tom descontraído apesar da situação e junto de Jurgen, mostram não temer nada e nem ninguém, continuando com o avanço na direção do exército que atacava a cidade, com isso começou a avançar na direção da mesma sem temer nada e nem ninguém. Vendo aquela situação caótica e o homem indo na direção da cidade pegando fogo, Akuma e Big G se entreolharam, de modo que Akuma bateu a mão em sua testa e Big G puxou a barba e suspirou ao falarem ao mesmo tempo.

- Hummm... –

- Anf... Eu só queria descansar um pouco, já estava indo ajudar Ken e os outros, mas fazer o que... Agora que ele está indo para aquele inferno, não podemos ficar relaxando mais e dar a chance de se encontrar com os outros e falar o que aconteceu... Vamos acabar com isso logo Akuma... –

Então, Jurgen que não temia nada, junto de Rise e acompanhado logo atrás por Big G e Akuma seguiu na direção da cidade, não demorando mais que alguns minutos para chegar lá, passando pela rua principal da mesma e vendo pessoas correndo. Alguns homens tentaram se aproximar dos que chegavam de supetão na cidade, os atacando, mas eram facilmente repelidos por Jurgen com sua naginata e Big G junto de Akuma com potentes socos, até que os três se aproximaram dos muros do castelo e viam um grande amontoado de cavaleiros cercando a entrada para o mesmo, por serem altos o suficiente, Big G, Akuma que pulou em seu ombro e Jurgen que estava ao seu lado, viram no meio desses cavaleiros, um homem e uma mulher, cada um portando uma espada, lutando contra um terceiro homem, também de armadura em velocidades absurdas, quase não dando para acompanhar com os olhos, os três pareciam ter força para continuar tranquilamente e aparentemente o homem e a mulher que lutavam lado a lado, estavam protegendo o castelo da invasão do exército e o homem inimigo. Vendo a cena, Akuma fala em voz alta, fazendo com que alguns soldados que cercavam a luta distraídos com os movimentos, olhassem para trás, percebendo a presença dos quatro que invadiam aquele campo de guerra.

- HUMMM! –


KEN

O tritão transformado em mulher, ao menos em certas partes, analisava todo o cenário antes de tomar alguma atitude, vendo que as garotas estavam dando conta do recado e das lutas que elas mesmas entraram e o velho e a garota continuavam escondidos atrás do trono, vendo isso, ele optou por continuar sua luta com o Monk. Ele se levantou, respondendo Monk, já com um plano traçado para tentar finalizar com aquela luta em alguns instantes e acabar com aquilo que estava ocorrendo no local.

Ken disparou alguns tiros alvejando acertar a cabeça do homem, mas aquilo já era mais do que esperado, dando a oportunidade para que ele desviasse os tiros com sua espada e defendesse o que acertaria seu joelho com seu escudo. Mesmo desviando as balas, a primeira pegou de raspão em sua bochecha esquerda por ter sido de surpresa, fazendo com que sangue escorresse pela mesma e as sobrancelhas dele descessem em sinal de fúria. Por fim, nesse momento de distração, Ken pegou sua besta e realizou um disparo contra o trono, de modo que o dardo passasse exatamente por um dos furos detalhados do mesmo e acertasse o braço do velho que lá se escondia, fazendo com que ele gritasse de dor.

- AAARGH. –

- O QUÊ VOCÊ PENSA QUE ESTÁ FAZENDO TRITÃO? QUER MORRER AGORA? –


Feito isso, o tritão disparava mais quatro tiros contra a cabeça do Monk que desviava facilmente três deles, mas estando tão próximo do tritão, não conseguiu desviar o quarto, que arrancava um pedaço de sua orelha direita, fazendo com que mais sangue escorresse pelo pescoço do homem desproporcionalmente grande. Então o tritão se aproximou de maneira brusca, dando a oportunidade para que o Monk o atacasse, causando um corte diagonal em seu peito, por mais que fosse de raspão devido aos rápidos movimentos do tritão, mesmo assim, causando uma grande ardência. Durante o movimento, o tritão realizou dois tiros na perna machucada do Lord, que em um rápido movimento conseguiu colocar o escudo para se proteger ao ver a mira do tritão que o alvejava, por fim, o tritão realizou mais dois tiros que novamente era repelidos de maneira eficaz pela espada do homem, que os desviava do alvo fatal.

De toda forma, se aproveitando do momento de distração do adversário, Ken abocanhou com seus afiados dentes o braço que utilizara a espada para se defender, começando a balançar sua cabeça na tentativa de ferir seu oponente, não demorou até que sua armadura amaçasse, pressionando o braço do mesmo a níveis extremos de dor. Mas em resposta ao movimento do tritão, seu adversário o acertou rapidamente na cabeça com seu escudo, deixando o tritão levemente desestabilizado e fazendo com que soltasse seu braço. O problema foi que algo que o Monk não esperava ocorreu, ao perceber que seria atacado, Ken pegou sua arma e disparou no joelho, na axila e na cabeça de seu adversário, não dando chances para o mesmo se defender no desespero de fazer com que o tritão se soltasse, mas devido a péssima posição ao estar o abocanhando, o primeiro tiro pegou de raspão na armadura e o terceiro sequer o acertou, mas o segundo o acertou em cheio na axila, fazendo com que a bala varasse tanto sua armadura, quanto sua axila e ombro, fazendo com que sangue voasse pela sala.

Depois de todos esses disparos, Ken recuou enquanto o Monk segurava seu ombro que recebeu o tiro, recarregando suas armas e sua besta e observando rapidamente as garotas que lutavam, vendo que a loira estava tendo dificuldades ao segurar com sua vara de pesca os ataques de dois homens, estes estando com várias flechas encravadas em suas armaduras e corpos, provavelmente disparadas por Cassandra e a barbara segurando a cabeça decapitada de outro dos homens a erguendo e mostrando para o outro enquanto pisava no corpo do decapitado. Com isso Monk avançou na direção de Ken, que segurando sua lança, a disparou com força na direção do trono, onde estavam a garota e o velho, além de acender sua crista, iluminando toda a sala como uma granada de luz, a lança seguiu de modo que varou o trono, o empurrando e derrubando no chão, sendo possível se escutar três gritos ecoando pela sala no mesmo momento, sendo respectivamente, o do velho, da garota e do Monk.

- AAAAAAAH. –

- AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAH. -

- DESGRAÇADO, VAI MORRER AGORA! –

Com isso, começou a disparar contra os joelhos do monk, sua cabeça e o trono em vários disparos, mas imaginando o que seu oponente faria, ele deixou seu escudo a frente de sua cabeça e sua espada a frente de seus joelhos, de modo que bloqueasse os disparos de Ken nesses locais, por sorte foi exatamente o que o tritão fez, como das vezes passadas, de modo que ele conseguisse se defender. Do trono que estava jogado no chão, em cima da garota e do velho, nenhum som mais era escutado, apesar de ter recebido os disparos, talvez ambos estivessem mortos depois de tudo que sofreram, mesmo sem fazer nada para merecer tal destino.

Por fim, Ken apagou sua crista, pegou a mão de um dos guardas que havia guardado após retira-la do corpo na muralha e correu em ziguezague na direção do Monk atirando em seu joelho, embora ele mantivesse sua espada lá ainda, devido a resquícios da cegueira causada anteriormente. Então quando o Monk finalmente conseguiu recuperar sua visão, tudo que viu foi uma mão sendo arremessada com o dedo do meio apontado para sua cara, fazendo com que ele novamente colocasse de frente para sua face o escudo que havia retirado para ver a situação, se defendendo da mão e do disparo seguinte, mas não do da besta, sendo que Ken aguardou até que ele retirasse o escudo para ver, atingindo de raspão sua outra orelha, deixando o Lord com duas orelhas destruídas pelos disparos. Por fim, depois de todo esse embate, o Lord Monk furioso correu na direção de Ken aos berros, se preparando para o atacar.

- PUTA BANGELA? VOU TE CORTAR EM DOIS, SEU TRAVESTI AZUL! -

Clima:
 

Histórico:
 

Mapa:
 


Cenário:
 

Castelo:
 

Lord Monk:
 

Garota Atrás do Trono:
 

Soldados de Armadura:
 

Velho:
 

Merlinda:
 

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.][Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.][Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.][Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Convidado, consistência é o segredo! Só vai!


Última edição por Fanalis B. Ria em Qua 11 Jul - 14:57, editado 1 vez(es)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ken Rock
Pirata
Pirata
Ken Rock

Créditos : Zero
Warn : Stranger Family - Wild Creation - Página 5 9010
Data de inscrição : 27/05/2015

Stranger Family - Wild Creation - Página 5 Empty
MensagemAssunto: Re: Stranger Family - Wild Creation   Stranger Family - Wild Creation - Página 5 EmptyQua 11 Jul - 14:05

#013
TRITÃO FANTÁSTICO COM PODERES TITÂNICOS
Musiquinha S2:
 
Talvez pelo momento, êxtase, alegria do desespero alheio, vítimas inocentes, aceleração dos batimentos devido a luta, ignoraria por hora o ferimento causado em meu tórax. Com a minha atenção voltada no touro louco que corria aos berros em minha direção. Seria até louvável a atitude daquele homem que tentava com todas as suas forças derrotas os invasores do seu sossego… Realmente seria louvável mas, eu queria era jogá-lo ainda mais na agonia, queria ver o desespero, seus olhos chorando enquanto eu realizaria o coito magnífico com a deusa da vitória!

- MUAHSUHAUHSUHAUHS puta será você e aquela menina quando eu acabar com essa luta! Você experimentará como uma virgem aos prantos a minha pistola azul cilíndrica! Muyahushuahushuah

Responderia, também aos berros, aquele imbecil com provocações com a intenção de desestabilizá-lo ainda mais enquanto iniciava a minha movimentação. E dessa vez apostaria no vício da memória corporal do infeliz! Aproveitaria esse momento para recarregar a minhas armas.

Apostaria as duas em direção ao Monk enquanto me movimentava, dessa vez mais lento do que havia feito anteriormente, com as duas pistolas apontadas para o inimigo dispararia duas vezes o primeiro tiro como de costume na cabeça do Monk, já o segundo seria a aposta. Antes do primeiro tiro, deixaria propositalmente a outra arma levemente apontada na linha abaixo da cintura só que o meu seria no pé do verme e não mais em seus joelhos. Realizaria o disparo no pé do bastardo, mais precisamente quando o mesmo estivesse no alto preste para finalizar a pisada. A intenção seria possivelmente ferir o pé e fazer com que o impacto da bala agisse como uma espécie de pedra ou algo que fizesse ele desequilibrar e abrir completamente a sua postura.

---
Se em algum momento o Monk encurtasse a distância a fim de conseguir realizar o seus ataques, correria na diagonal e perdulária e até mesmo faria movimento em ziguezague para esquivar de seus ataques a fim de evitar mais ferimentos ou até mesmo algum golpe que pudesse me complicar futuramente. Assim que conseguisse realizar, tal possível feito, aumentaria um pouco a minha distância indo para o centro do são ou para o lado da barbaria que estaria com um inimigo a menos.
---

Na alegria da técnica ter dado certo e ocorresse uma brecha na sua postura, aplicaria um tiro no joelho da perna que estivesse como base e um outro no ombro do braço equipado com a espada. Enquanto isso com a minha outra deliciosa mão pegava uma das minhas bolas de ferro ]não é essa que você imaginou safadinha(o)]. Sem dizer nada, até esse momento, e com um sorriso sarcástico e eufórico no rosto gritaria junto com um acúmulo desproporcional de baba a minha técnica exuberante enquanto brilharia a minha crista para apimentar ainda mais a situação ..  - ULTRA MEGA FIST SHOOT !!!!!!!....

Após o lançamento dispararia mais quatro vezes contra o monk, nesse meio tempo estaria pegando outra bola de ferro (isso mesmo bebê, tenho duas). Três tiros da minha bela arma seriam contra a parte genital de monk e o quarto nos dedos da mãos em que estaria segurando a espada. Se ele tivesse resistido a minha técnica e ainda estivesse de pé, lançaria mais uma vez a Ultra Mega Fist Shoot, dessa vez em silêncio porém, gargalhando muito brilharia antes de iniciar o movimento.

Recuaria mais um pouco evitando ficar encurralado nas paredes ou em qualquer coisa do tipo. Se ainda houvesse tempo de olhar a situação das minhas xerecas amigas veria qual estivesse com mais dificuldade e atiraria contra o oponente.

Se o monk estivesse caído, mas ainda vivo, Atiraria algumas vezes em seus braços e pernas, focado nas áreas desprotegidas de sua armadura, Se a espada dele já não estivesse em suas mãos pegaria para mim ou a jogaria contra um de seus capangas que estivesse lutando com as xerecas. O escudo arremessaria o mesmo para a bárbara. Carregaria novamente as armas e com cuidado em iria direção ao trono. Ficaria atento para qualquer tipo de aproximação suspeita ou até mesmo aquelas espíritas em que o inimigo simplesmente retira a força do interior de sua cavidade anal para desferir aquele golpe que estraga a ação de qualquer pessoa.

Sim, estaria focado em minha próxima ação e atento a qualquer intervenção divina. Assim que chegasse no trono olharia a situação da menina e do velho. Se eles ainda estivessem vivos, aplicaria 8 tiros contra eles. Dois nos joelhos ou canelas e os outros dois contra os braços ou mãos…. se ainda fosse necessário ou não chutaria ou pisaria com força no  o rosto/ barriga deles . “Por enquanto está bom, não vou matá-los sem saber quem são! Depois eu mato ou faço alguma coisa importante!”

---
Na hipótese de ao chegar no trono e um dos dois ou os dois estivessem armados, usaria a minha aceleração para me movimentar rapidamente e sair da direção do ataque. Ao mesmo tempo dispararia toda a munição das duas pistolas até eliminar os dois… - Morre caralho, que susto vocês me deram porra!
---

Novamente com a olharia a situação das xerecas e dessa vez com um pouco de raiva…” Caralho, abre as pernas logo e matem esses putos no sexo!”... Pegaria minhas pistolas e começaria a disparar contra o inimigo da barbará com a intenção de abrir uma brecha que ajudaria a ruiva a finalizar o seu embate. Se a mesma conseguisse, com a minha atenção focada contra os outros oponentes e gritaria com a ruiva… - Anda logo porra, to com pressa, quero sentar no meu novo trono!

No caso da Barbará já ter eliminado o seu oponente, colocaria o trono no local correto. Pegaria novamente a minha lança, bolas de ferro e mão humana e as guardaria comigo. Caso o mesmo estivesse caído, arrastaria o corpo do velho e da menina e os jogaria confortavelmente na frente do trono, pisaria em ambos e sentaria no mesmo enquanto carregaria minhas armas e pistolas. Não tiraria meus olhos do Monk em nenhum momento e deixaria minha arma sempre apontada ao mesmo e perguntaria ao velho e a menina… - Quem são vocês porra? Começa a falar ou vou enfiar a merda da minha bala dentro do crânio de bosta de vocês dois, vadia mirim e velho pedófilo!
Histórico:
 

Dados Player:
 


Objetivos:
 

____________________________________________________

Legendas:
 
Voltar ao Topo Ir em baixo
Furry
Game Master
Game Master
Furry

Créditos : 62
Warn : Stranger Family - Wild Creation - Página 5 10010
Masculino Data de inscrição : 27/03/2015
Idade : 28

Stranger Family - Wild Creation - Página 5 Empty
MensagemAssunto: Re: Stranger Family - Wild Creation   Stranger Family - Wild Creation - Página 5 EmptyQua 11 Jul - 15:53





Royce

WilD MinD



Com dois curtos saltos para trás o gatuno voltava a observar a situação. Pois não só sentia, como também apreciava o ardor que os golpes sofridos traziam.

Sorrindo falou com o soldado restante.


Uma caçada sem emoção não é uma caçada, grauuu.

As palavras eram de verdadeira apreciação, mas não por respeito ao seu oponente, mas apenas pela luxúria da diversão.

Empertigou-se de modo a passar uma pose despreocupado, o que de fato seria veracidade.

Uma caçada onde as presas não resistem não traz satisfação, graauu.

Com o excesso de testosterona vinha o excesso de confiança e orgulho, bem como uma maior predisposição à agressividade. E por esse motivo Royce agia daquela forma convicta.

Faça-o sofrer. - Chegou o apelo de Shizuka no pé de seu ouvido.

Apelo atendido pelo espadachim.

Ataque-me pequeno roedor. - abriria os braços evidenciando mais a zombaria.

Royce esperia o primeiro movimento do seu oponente para então eaquilva-lo de forma simples sendo essa um passo ao lado, uma inclinação de tronco, ou mesmo um passo atrás.

Se tivesse sido uma estocada o gatuno tentaria no mesmo movimento de esquiva deslocar uma de suas armas para prender na guarda da arma oponente enquanto a outra desceria como uma guilhotina no braço do sujeito com a finalidade de decepar.

Primeiro o braço. - cantaria enquanto o golpe descia.

Esperava ou desarmar seu oponente, ou ferir gravemente o braço ou quem sabe cortá-lo fora.


Se tivesse obtido sucesso usaria o momento de dor do oponente ou mesmo a falta de arma deste para aumentar a vantagem é pôr logo um fim ao combate usando agora ambas as espadas para enganchar o escudo de seu alvo e jogá-lo para o lado em em cima do outro lanceiro para fazê-lo cair a dar a abertura necessária para cravar os.punhais na base do pescoço.

>>>>><<<<

No entanto poderia ser um golpe cruzado em diagonal e para esses Royce teria tentado se esquivar movendo-se para a lateral e girando 90 graus aproveitando do movimento para atacar respectivamente em um corte giratório com a espada mais próximo ao sujeito, sabendo que muito provavelmente o escudo seria movido para interceptar o golpe. Visando isso é as características de fio de corte de suas espadas o golpe teria sido feito de tal forma que a parte do gancho de sua arma fosse capaz de alcançar as costas do inimigo para que assim o gancho ficasse livre do escudo para que quando Royce puxasse novamente sua arma pudesse prendê-la no mesmo para então girar o corpo no sentido oposto do primeiro giro puxando o escudo e girando o corpo como se fosse aplicar um soco, mas portando as Hook sword seria na verdade um golpe com a guarda mão afiada da arma. Esse soco seria dado na direção do ombro que portava a espada.


Se atingisse o local forçaria também o outro braço conta o escudo jogando assim seu oponente para trás e afastando-se um passo para então tentar agarrar ambas as pernas do homem com seus ganchos a fim de derrubá-lo para então avançar sobre o mesmo, pisando no escudo e no braço da espada.

Fim da caçada. - desceria um golpe circular na direção do pescoço para finalizar a luta.


>>>><<<


Se os dois oponentes tivessem ido ao chão se mostrando ao menos incapacitados Royce lentamente se aproximaria deles, mas não hesitante. Não, hesitante, não. Seria apenas uma caminhada vagarosa para observar os homens enquanto estes agonizavam sem conseguir alcançar o descanso.

Aplicaria mais duas punhaladas em cada um, evitando áreas fatais, apenas tentando atingir veias e outros pontos que fossem causar sangramento, mas que não fossem levar os guerreiros a óbito.


Bom, bom, bom….. - animava-se Shizuka.

- Sim, grauuu, mas tenho mais coisas a fazer, grauu. - dito isso Royce finalizaria ambos, agachar-se-ia junto aos corpos a procura de souvenirs e então com estes coletados abriria a grande porta a frente.


>>>>><<<<


Se tivesse sido interrompido por ataques do oponente, ataques estes que fossem de forma consecutivos e rápidos sem lhe dar espaço o gatuno apenas continua o seu jogo de pernas e contragolpes enquanto buscava a chance de encaixar os seus planos para o lutador adversário.

Mantendo o padrão de esquivas simples e menos desgastantes enquanto provocaria o soldado a frente encorajando-o a se esforçar.

- Os vermes que matei na muralha não eram tão empolgados que nem você-grauu, a família dele deveria me agradecer, grauu.

E assim continuaria com os movimentos simples esperando uma oportunidade concedida para finalizar a luta, revistar os corpos e avançar para a grande porta.




”objetivos”:
 

Histórico:
 

”Dados da Ficha”:
 





____________________________________________________



[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]


Voltar ao Topo Ir em baixo
TerryBogard
Pirata
Pirata
TerryBogard

Créditos : Zero
Warn : Stranger Family - Wild Creation - Página 5 10010
Masculino Data de inscrição : 13/04/2016
Localização : Shells

Stranger Family - Wild Creation - Página 5 Empty
MensagemAssunto: Re: Stranger Family - Wild Creation   Stranger Family - Wild Creation - Página 5 EmptyQui 12 Jul - 2:24


Ilha

A cidade estava um caos, tomada por uma guerra pelos motivos os quais eu ainda desconhecia, mas não que eu me importe, afinal meu único objetivo no momento é arrumar um médico para tratar de meus ferimentos.

Eu enxergava vários cavaleiros cercando a entrada dos muros do castelo, no meio deles, conseguia discernir três indivíduos mais fortes que o normal, dois deles aparentemente lutavam do mesmo lado, seus interesses não me importam no momento, apesar de tudo, são apenas uma pequena barreira impedindo minha entrada no castelo, afinal, por ser um lugar fortificado, é bem possível que tenha médicos lá.

Me aproximaria sem pestanejar da peleja próxima a entrada do castelo, e proclamaria em um berro, com minha voz de gigante, que eu iria passar por ali, não importando quem tentar me impedir, afinal eu sou o grande salvador deste mundo, destinado a ter todas as minhas ambições cumpridas.

Abram caminho!!! - Berraria, com uma voz possante e cheia de fúria - Vou entrar nesse castelo e não me responsabilizo pela integridade física de qualquer um de vocês vermes que tentar me impedir!!! - Caso perguntem quem eu sou, me apresentaria, com meu costumeiro tom estóico - Meu nome é Jurgen E. Rutherford, e eu entrarei nesse castelo custe o que for!


Avançaria caminhando, naginata em punho, sem me preocupar com ataques inimigos porém atento a qualquer manifestação ofensiva, ergueria minha naginata na mão direita e, colocando toda a força no braço, desferiria um corte em diagonal, mirando o primeiro inimigo(s) que se colocar em meu caminho e/ou que eu perceba um ataque vindo.

Caso visse que, em algum momento, seria impossível contra atacar um ou mais ataques de um ou mais inimigos, tentaria bloquear usando o cabo da naginata como barreira, e então empurrar o inimigo de volta para trás aplicando toda a minha força, e então contra atacar com o golpe descrito acima, e caso seja impossível, faria o máximo para resistir ao ataque e aguentar a dor, e então contra atacar, caso o golpe viesse de uma arma com lâmina, tentaria furiosamente apará-lo com a lâmina de minha naginata, e faria o descrito acima.

Caso fosse atacado vários inimigos ao mesmo tempo pela frente, ergueria minha naginata com as duas mãos e, com today minha força, desferiria um longo golpe horizontal em forma de meia lua, com o objetivo de acertar vários inimigos de uma vez, e então tentaria continuar pressionando-os com uma sequência de cortes em todas as direções para atingi-los.

Se por acaso tentem me cercar e atacar por todas as direções, ergueria novamente a naginata com as duas mãos ao redor do corpo, e flexionaria bem os joelhos, para então girar os calcanhares em 360 graus e desferir um golpe giratório com a naginata, na intenção de atingir vários inimigos ao mesmo tempo, e então tentaria continuar pressionando-os com uma sequência de cortes em todas as direções para atingi-los.

Na primeira chance que eu percebesse um inimigo com a guarda baixa, contra atacaria o(s) meu(s) adversários com uma sequência de cortes sucessivos horizontais e diagonais com a minha naginata, buscando sempre colocar o máximo de força nos músculos dos braços, para causar maior dano aos inimigos atingidos pelos meus golpes, caso algum deles tente se aproximar para acertar pelas pernas, desferiria uma furiosa porretada com o cabo da lança de preferência na cabeça do adversário, usando toda a minha força, apenas para impedi-lo(s) de causar danos naquela região, mesma coisa com hipotéticos ataques pelas costas que eu consiga escutar chegando, faria um giro em 360 graus e tentaria acertar uma furiosa porretada com a lança no atacante. Caso eu seja atacado com projéteis pequenos, tentaria bloqueá-los levantando o cabo de minha lança em suas direções, e tentando resistir caso seja atingido. No caso de projéteis maiores como balas de canhão, tentaria me esconder atrás de alguma estrutura firme caso disponível, caso não, tentaria resistir.


Caso consiga uma chance, adentraria o castelo em busca de um médico


Histórico:
 

Objetivos:
 

____________________________________________________

Ficha: [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Fran B. Air
Pirata
Pirata
Fran B. Air

Créditos : 32
Warn : Stranger Family - Wild Creation - Página 5 10010
Feminino Data de inscrição : 30/11/2017
Idade : 24
Localização : The Wonderful Land

Stranger Family - Wild Creation - Página 5 Empty
MensagemAssunto: Re: Stranger Family - Wild Creation   Stranger Family - Wild Creation - Página 5 EmptySex 13 Jul - 0:49



Narração - Wild Tide Ft. TerryBogard



KEN

Naquele cenário de várias lutas ocorrendo ao mesmo tempo, com o ressoar de metal e gritos por todo salão com os combates que se desenrolavam, o foco de Ken era outro, estava completamente centrado em matar o Lord Monk. Ele provocava seu adversário que vinha em sua direção com tudo e com isso se moveu vagarosamente na direção do homem, já sacando suas armas pronto para atirar, com isso, pouco antes do Lord se aproximar, ele disparou contra sua cabeça, mas acabou sendo defendida por seu escudo, sendo que o homem trocou a arma e o escudo de mãos pouco antes, provavelmente porque um dos membros estava debilitado devido ao tiro sofrido em sua axila. Foi nesse momento que o Lord saltou aproveitando de sua corrida ao pegar impulso e vendo que Ken estava mirando em seu pé, colocou sua espada na frente desviando o tiro e continuando com seu avanço no ar, mas o tritão se moveu para a diagonal na tentativa de se esquivar, embora, mesmo assim fosse pego de raspão em seu braço direito pelo ataque do tritão que sangrava levemente com o dano recebido.

- AAAARGHH. -

O monge conseguiu acertar o ataque, mas ao retornar ao chão, ele não se levantou imediatamente, ficou ajoelhado com uma das pernas enquanto soltava um grito de dor ao colocar a mão que segurava sua espada em cima do ferimento que recebeu em sua cocha no início da luta, mas é claro que não tirou os olhos de Ken nem por um instante. Mas, àquela pequena fração de dor, havia sido uma brecha perfeita encontrada por Ken para finalizar aquele homem, dando um tiro que por pouco acertou o joelho do homem, que ainda assim conseguiu mover seu escudo para bloquear o disparo. Logo depois, realizou outro disparo, dessa vez alvejando o ombro que ele usava para segurar sua espada, mas mais uma vez ele desviou o tiro, embora não com tanta eficácia quanto no inicio da luta, de modo que suas costas fossem atingidas, fazendo com que mais sangue voasse para fora de seu corpo, e o Monk gritasse de dor mais uma vez.

- AAAAAARRRGHH. COMO ISSO ESTÁ ACONTECENDO? –


Ken que pegou uma de suas bolas de ferro durante o último tiroteio, se posicionou ao segurá-la e a arremessou com força na direção do homem ao utilizar uma de suas técnicas especiais e acender sua crista, mesmo com o homem estando levemente afastado. A bola voou na direção do Monk e o acertou na região das costelas em cheio, ele até tentou se movimentar para se defender, mas não conseguiu prever o rumo do ataque a tempo de se mexer e se posicionar, ao ser acertado, foi lançado para o lado junto dá bola que deixou sua armadura amassada, como se tivesse feito uma pequena cratera para dentro do corpo do homem.

- LOOORD MOONK. -

Ele estava no chão em agonia quando Ken ia disparar, foi quando um dos homens que lutava veio em sua direção e pulou na direção do tritão, nesse mesmo instante Cassandra acertou uma ultima flecha por trás da cabeça do homem que mais parecia um porco espinho de tantas flechas enfincadas em sua armadura e corpo. De modo que Ken acabou no chão com o corpo de um soldado morto lotado de flechas por cima. Antes que conseguisse o tirar de cima para ver o que acontecia na sala, Ken viu um brilho azul que iluminou toda a sala, era o Lord Monk que estava em pé, uma áurea emanava e cobria todo seu corpo enquanto ele segurava sua espada por trás, não demorou nada para que a parte de cima de sua armadura se desfizesse, o deixando apenas com a proteção nas pernas e um vento saia de seu corpo, como se fosse dar um golpe devastador, mesmo estando a alguns metros de distância do tritão e sem o alcance para sua espada.

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

- EU ACHEI QUE NUNCA TERIA que USAR ISSO NA VIDA, MAS AGORA JÁ ERA PARA VOCÊ! -



ROYCE

Depois de sua investida e deixar um dos homens inconscientes no chão, Royce recuou dando alguns passos para trás para observar a situação, falou algumas frases de efeito, talvez para abalar o soldado, talvez para se sentir melhor consigo mesmo e mais uma vez, Shizuka o motivou a fazer com que os outros sofressem, sendo mais uma vez de forma efetiva, o Mink continuava a não estar nem um pouco normal depois de ter sido afetado pelo hormônio que injetou em seu corpo. Zombou do homem aguardando seu ataque, mas tudo que o soldado fez foi observar seu companheiro caído e correr contra Royce, de modo que não parecesse não ligar para as provocações, embora estivesse furioso e procurasse vingança.

Ao se aproximar em seu impulso, o homem tentou um corte diagonal de baixo para cima com sua espada, percebendo o que ocorreria, o felino se moveu para a lateral, mas não foi rápido o suficiente, de modo que o corte pegasse diagonalmente do centro de seu peito, até o abdômen, embora fosse de raspão. Então, Royce, que girou noventa graus, desferiu um golpe giratório, que obviamente foi defendido por seu escudo, mas algo que o homem não esperava ocorreu, a espada do gatuno ficou posicionada de modo que o gancho da mesma alcançasse as costas do adversário, então ele puxou ao girar, de modo que com a outra hook sword acertasse o ombro do guarda, que não teve tempo para fazer nada a respeito.

Então o Mink forçou também o braço que segurava o escudo e empurrou o homem, que foi para trás, nesse movimento, talvez no desespero do combate, o soldado segurou firme sua espada e a arremessou na direção de Royce, de modo que ela foi girando verticalmente, quase acertando a cabeça do felino em um golpe mortal, mas acabou por pouco pegando seu ombro, fazendo com que sangue fosse expelido para cima. Mesmo assim, Royce não parou seu avanço, com suas espadas, do mesmo jeito que derrubou o outro soldado, derrubou o remanescente, o finalizando ao dizer que era o fim da caçada e acertar seu pescoço, de modo que sangue voasse, deixando a face e o peito do felino, que já estava manchado, repletos de sangue.

Após derrotar seus inimigos, que já estavam caídos um próximo do outro, sendo que o primeiro havia desmaiado e o segundo mantinha sua mão no pescoço se mexendo um pouco ao tentar parar o sangramento enquanto agonizava, sem hesitar, Royce se aproximou deles devagar e apunhalou os dois com suas espadas, atingindo eles em seus abdomens, mas em regiões não fatais, coisa que deixava Shizuka animada e talvez até o Mink, levando em conta o estado que estava, por sorte, ele estava com pressa, então enfiou sua espada passando pelas armaduras até o coração dos dois que morreram na hora sem reagir, tudo para procurar por qualquer coisa que encontrasse nos corpos e partisse, mas nada encontrou além das armaduras e roupas ensopadas por sangue.

Com isso, Royce viu uma sala, sendo que bem no meio dela havia um baú aberto, ele era um pouco menor que a metade do tamanho de Royce, estando empanturrado de peças de ouro e algumas gemas que aparentavam ter grande valor, sendo verdes vermelhas e azuis. Além disso, ao fundo havia uma arma bastante parecida com as que o Mink utiliza para lutar, com uma escritura em cima dela escrita "Arma Lendária".


TERRYBOARD

Lá estava Jurgen abaixo das estrelas e da Lua que iluminavam o lugar, junto das casas e cabanas próximas ao castelo, que ardiam em chamas, dando uma sensação de calor altíssima, ainda mais com a fuligem e a fumaça que chegavam aos seus pulmões em cada respirada. O gigante andou pela cidade até que se encontrou de frente para o exército que atacava o castelo, mas seu ego não deixou que ele fosse em bora, o que ele queria era um médico e ninguém em seu caminho faria com que o mesmo parasse.

Ao se aproximar o suficiente de um amontoado de homens de frente para o castelo, berrou de modo que o som ecoasse pelo campo de batalha e todos os soldados, que ali observavam a luta entre as três figuras, aguardando para saber quem seriam os vencedores, viram aquele gigante dizendo que ignoraria tudo e simplesmente entraria no castelo, independentemente daqueles que lá estavam, um dos homens até perguntou quem ele era, mas tudo que disse foi que seu nome era Jurgen e entraria não importando o que acontecesse. Vendo aquilo, Akuma colocou a mão na cabeça, a mexendo para os lados em sinal de desaprovação pela vantagem que tinham e foi eliminada em questão de segundos. Já Big G, começou a puxar sua barba e rir ao falar alto, de modo que Jurgen escutasse, estando ambos os tritões mais para trás do gigante e sua companheira, estando está ao lado do gigante mantendo um sorriso em seu semblante.

- Humm! -

- HAHAHAHA. Gostei desse cara. -

É claro que o exército não perdoaria uma aproximação aleatória de terceiros, indo grande parte para cima do gigante, que balançou sua naginata e matou quatro homens de uma vez, enquanto Rise o dava cobertura ao derrotar um ou outro que conseguia se aproximar o bastante do gigante com suas espadas e lanças. Enquanto isso, Akuma e Big G, davam socos mais atrás derrotando inimigos mais desgarrados que os atacavam, o único problema era que era um exército inteiro contra quatro pessoas. Dispararam bolas de canhão, sendo que uma delas atingiu Jurgen em cheio na lateral de seu abdômen, causando um sério ferimento e deixando que sangue escorresse.

Então dez homens se aproximaram pela frente, mas mesmo cambaleando um pouco devido ao último ataque sofrido, Jurgen conseguiu desferir um golpe horizontal, que acertou o abdômen, o peito ou até mesmo as pernas dos homens que cortou, fazendo com que fossem jogados longe. Mas mais balas de canhão foram disparadas, atingindo pela frente, seu abdômen e peito, com isso, uma dor aguda que para muitos seria insuportável começou a ser sentida pelo gigante, que já estava ferido e agora bem pior, por fim, antes que mais inimigos se aproximassem, uma outra bala acertou a perna do gigante, causando mais uma explosão, esta fazendo com que se ajoelhasse com uma de suas pernas. Percebendo o que ia acontecer, Akuma fala algo para o outro tritão que era maior que o próprio gigante que sofria na luta, aquele que seria o mestre de Ken apontava para o topo da muralha enquanto falava, sendo que Big G apenas confirmou com a cabeça e ambos saíram correndo na direção de Jurgen.

- HUUUUUUM! -

Ao se aproximarem, Akuma segurou a garota, que ficou se debatendo querendo sair, mas logo percebeu que não parecia ser um inimigo, a segurando, o tritão pulou no ombro de Big G, que também segurou Jurgen com um dos braços e pulou na direção da muralha, de modo que agarrasse seu topo com o outro braço, então ele forçou para cima e conseguiu atravessar aquela grande murada, ainda segurando Jurgen que estava bastante ferido, Akuma então deixou Rise no chão que o agradeceu, mas agora estavam diante de alguns dos soldados que ficavam no pátio que existia entre os muros e o castelo, havendo cerca de setenta homens e mulheres armados com armas e escudos. Vendo aquilo, Rise falou sorrindo, já se preparando para partir para cima.

- É... Ter invadido o lugar assim foi uma péssima ideia... Vamos lá! -


Clima:
 

Histórico:
 

Mapa:
 

Cenário:
 

Castelo:
 

Lord Monk:
 

Garota Atrás do Trono:
 

Soldados de Armadura:
 

Velho:
 

Merlinda:
 


____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.][Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.][Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.][Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Convidado, consistência é o segredo! Só vai!


Última edição por Fanalis B. Ria em Sex 13 Jul - 13:47, editado 3 vez(es)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ken Rock
Pirata
Pirata
Ken Rock

Créditos : Zero
Warn : Stranger Family - Wild Creation - Página 5 9010
Data de inscrição : 27/05/2015

Stranger Family - Wild Creation - Página 5 Empty
MensagemAssunto: Re: Stranger Family - Wild Creation   Stranger Family - Wild Creation - Página 5 EmptySex 13 Jul - 13:19

#014
Depois de ter conseguido me livrar daquele guarda, maldito e intrometido era surpreendido pelo quase morto Monk que resolveu simplesmente levantar e começar a gritar como um imbecil. Estaria mentindo se não estivesse frustrado ao vê-lo levantar, mas foi uma situação momentânea, agora teria que fodê-lo de uma maneira mais forte e assim enfiar um fim nessa maldita luta de merda! Por outro lado, estaria feliz…. afinal a minha área de tiros aumentou depois que ele despedaçou a sua proteção com aquele gritinho de merda!

“Puta que pariu! Esse cara deve ser aqueles ninfomaníacos que não cansam de ser fodidos! Sempre voltam e pedem por mais, mais, mais e mais…. no começo é legal, depois fica cansativo! Não gosto de ficar com a mesma carne o tempo todo!”


- Foi legal brincar com você, então até mais seu merda! Vou me dedicar e brincar com o vovô e a criança... se é que eles ainda estão vivos. Então até mais pedófilo!

Enquanto me perdia em meus pensamentos puros e esperançosos, começaria a recuar enquanto carregava todas as minhas armas, inclusive a besta! No momento em que eu começasse a falar, já teria começado a correr em direção ao trono sem perder o foco no Monk ou em qualquer palhaço dos seus soldados de merda que pudessem simplesmente surgir do nada e agarrar o meu corpo desejado novamente. Correria, pelo menos, com uma de minhas estupendas armas em mãos.

Se em meio a minha corrida em direção ao trono notasse que o infeliz estivesse se aproximando como um animal em um instante, deixaria que o mesmo saborear-se a sensação de um caçador, aquele em que você finalmente coloca as presas em seu animal o êxtase da vitória onde aquela sensação, aquele pensamento de EU CONSEGUI, VOCÊ ESTÁ ACABADO. Afinal, qualquer um que tem o seu inimigo em seu alcance pensa nessa situação, até mesmo que seja de uma forma involuntária. Para ser sincero teria sentido essa sensação ao colocá-lo no chão anteriormente e foi essa sensação que me fez perder o meu foco em todo o ambiente.

Quando finalmente chegasse o momento do mesmo desferir o seu golpe, utilizaria toda a minha aceleração e moveria o meu corpo na diagonal em direção ao chão. Essa movimentação poderia ser realizada em um salto, em uma corrida ou em uma mudança brusca de direção, colocaria toda a esquiva do meu estupendo corpo para que a espada do mesmo não alcançasse o meu corpo de uma maneira que pudesse me ferir gravemente ou quem sabe abreviar os meus movimentos, dificultado assim minhas investidas. Cortes superficiais poderiam vir acontecer, mas meu foco não seria com eles.

Essa mudança de direção seria para que o mesmo passasse reto e quem sabe se chocasse contra o trono ou coisa do tipo.

Indiferente do que fosse acontecer com ele, assim que o desviasse de seu ataque dispararia 6 vezes contra o seu corpo com a pistola e uma vez com a besta (caso a mesma estivesse carregada). Os tiros teriam direções variadas e tempo. Os três primeiros efetuaria-os sem perder tempo no disparo e seus alvos seriam coxa, tronco e dedos/mão que estivessem empunhando a espada. Se o meu corpo estivesse no chão, rolaria para aumentar a distância enquanto realizo mais dois disparos em lugares opostos de seu tronco. Ficaria novamente de pé, saltaria, não muito alto, para trás e efetuaria o sexto e último disparo de minha pistola em visando acertar a sua testa e com a besta um disparo no meio de seu tronco.

Guardo a besta e saco a segunda pistola com essa aplico mais quatro tiros e mais dois com a outra pistolas que após esses disparos estariam sem munição e a guardaria por um instante antes que eu pudesse efetuar a recarga da mesma. Dessa vez, não colocaria uma pausa nos disparos, efetuaria todos na mesma sequência de disparos. Mas os dois disparos restantes da arma menos carregada seriam simultâneos com a toda carregada. E a ordem dos disparos seguiram a seguinte sequência: os dois primeiros tiros iniciais seriam da arma mais carregada e eles teriam como objetivo a região do tronco e cintura, os outros dois tiros seriam disparados no olho direito, na mão que estivesse segurando a espada, caso a mesma ainda houvesse sido machucada, mas o alvo seria a outra se na sequência anterior o tiro tivesse alcançado o seu objetivo com sucesso. simultaneamente com esses dois tiros estariam os outros dois da arma menos carregada, esses teriam o foco no meio da cintura e na região da boca do filho de uma prostituta de merda.
Em meios a esses ataques não descartaria a possível recuperação do Monk ou até mesmo de algum guarda de merda que pudesse vir me atrapalhar ou me impedir de manter a distância, sim eu estaria recuando cada vez mais e dessa vez meu foco seriam as pilastras do local a procura de abrigo para recarregar minhas pistolas e bestas. Para evitar a aproximação de meus inimigos, usaria a aceleração de minhas pernas ao máximo quando necessário e somente em momentos críticos, pendularia ou efetuaria a movimentação em ziguezague com a intenção de esquivar e continuar com o recuo. Na iminência de de não conseguir efetuar o desvio por completo, usaria a tática feita a muito tempo.
---

A tática teria o seguinte foco. No caso de ser um dos soldados do Monk, dispararia contra a mão(s) que estivesse(m) segurando a(s) armas, mudaria a direção do meu recuo para avanço com toda aceleração. Dessa forma reduziria ainda mais a minha direção e efetuaria uma mordida em seu pescoço com a intenção de separar a cabeça do infeliz do seu corpo. E se o puto do Monk estivesse vindo em minha direção, brilharia novamente e jogaria o corpo de seu guarda na direção de sua arma. Aproveitaria esse momento e correria em direção ao trono, apagaria minha crista assim que chegasse lá. Pisaria no pescoço do velho e enfiaria a minha pistola na boca da criança e gritaria ao Monk…. - Vai querer antecipar a morte desses merdas ou irá se ajoelhar pedindo perdão diante dos meus belos pés?...  Se por ventura o Monk tentasse blefar dizendo que a vida deles não teriam nenhuma importância, aplicaria o tiro na criança e pisaria, com força, no pescoço do velho dizendo … - Cuidado com o que você pede Muahushuahushauhusha!!

Carregaria apenas uma de minhas armas e apontaria contra o Monk, pronto para esquivar usando minha aceleração e disparando em contra ataque todas as minhas balas contra o seu peito ou costas.

Mas se a aproximação se fosse a do Monk, a situação seria outra, brilharia na hora e dispararia contra o seu corpo e pena, um tiro para cada local, com a minha aceleração realizaria um movimento em diagonal para o lado em que a espada do mesmo não estivesse, pegaria minha última esfera de ferro e sem dizer nada dispararia novamente minha santa técnica contra o mesmo..."Ultraaaa Megaaa Fist Sooot"Após o disparo carregaria a besta e aplicaria um tiro contra a sua perna, recuaria mais e carregaria apenas uma de minhas armas, mantendo a mesma na mão em que eu não efetuei a técnica… “ Mas que droga, meu braço já começou a doer!”

Sabia das consequências e dos meus limites, mas mesmo no recuo procuraria a primeira esfera e se a mesma estivesse próxima a pegaria para um uso futuro. Por enquanto manteria a arma em mãos e aplicaria mais 3 tiros contra seu corpo. Recuaria mais a fim de procurar abrigo em alguma das pilastras próximas, caso não houvesse, me moveria em recuo efetuando esquivas de pêndulo ou ziguezague somente o mesmo viesse em minha direção
---

Uma vez que meus ataques parassem o Monk e o mesmo fosse derrotado completamente, olharia para as xerecas para saber a situação, caso as mesma tivesse dado fim aos seus oponente, iria até o trono e colocaria o mesmo de pé, pegaria os velho e a criança dizendo - Dê joelhos, fiquem na frente no meu trono agora! Se recusassem, atiraria na lateral do abdome de cada um dizendo… - Não estou com paciência e humor, levante o cu fedido de vocês e façam o que eu estou mandando! … Se recusassem, aplicaria um tiro na testa daquele que negou e voltaria a minha atenção ao que restou…. - Quer pegar o mesmo trem verme? Basta continuar ai!.... Se ficasse realizaria a mesma ação que fora feita com o outro.

Tendo ambos ajoelhados na frente do trono, sentaria no mesmo e caso a luta das xerecas ainda estivesse acontecendo gritaria - CHEGAAA!!... realizaria aquela pequena pausa dramática…. - O VERME DO SEU REI FOI SUBJUGADO, DERROTADO, HUMILHADO E DAQUI A POUCO SERÁ MEU MEIO DE TRANSPORTE!!! DOU APENAS DUAS OPÇÕES, OU VOCÊS IRÃO TIRAR A PRÓPRIA VIDA AGORA OU IRÃO SE TORNAR LAMBARIS DO SINDICATO PIRATA!

Aguardaria a decisão deles sentado no trono, caso negassem ambas as opções olharia para as xerecas e diria… - Fodam com a vida desses bostas agora!!!
Histórico:
 

Dados Player:
 


Objetivos:
 

____________________________________________________

Legendas:
 
Voltar ao Topo Ir em baixo
Furry
Game Master
Game Master
Furry

Créditos : 62
Warn : Stranger Family - Wild Creation - Página 5 10010
Masculino Data de inscrição : 27/03/2015
Idade : 28

Stranger Family - Wild Creation - Página 5 Empty
MensagemAssunto: Re: Stranger Family - Wild Creation   Stranger Family - Wild Creation - Página 5 EmptySex 13 Jul - 18:15





Royce

WilD MinD



A nova arrogância dele não permitia mostrar o quando os machucados incomodava, afinal um homem orgulhoso não demonstra suas fraquezas e por esse motivo fingia ignorar os ferimentos, embora sentisse-os a cada passada que dava.

Entrando na sala a frente o lutador se deparava com um aposento quase inteiramente vazio.

- Sala do tesouro então? Grauu. - olhando em volta seguiu até a única coisa que parecia ver e ignorando por completo o ouro e joias pegou o que lhe interessava.

Ergueria a arma alto em frente a seus olhos, movendo-a de forma a fazer a luz dançar pela lâmina pura da mesma.


- Uma arma digna. - falou com o sorriso crescente que revelava suas presas.

Testaria a arma a sua frente, para então prendê-la (magicamente) nas costas junto às outras duas.

Enquanto voltava para o corredor iria discretamente tentar transformar suas garras em agulhas…. Endorfina é um bom hormônio para momentos como este, no entanto geralmente não é sintetizado nestas circunstâncias, a não ser é claro que você seja um maníaco homicida viciado em sangue.


Passaria caminhando pelos guardas mortos, olhando-os e também a poça de sangue enquanto cravava as agulhas em seu corpo.

- A morte alivia a dor, não? - falaria sem humor e com a voz grave. - Mas ela-grauu não é remédio para mim. - se concentraria em endorfina, popularmente chamado de hormônio do prazer, mas que era muito mais que isso, pois também ligava-se aos receptores de dor, por sua vez inibindo-a até certo ponto. Então enquanto andava calmamente tentaria injetar o hormônio de forma discreta em seu corpo.


>>>><<<<

Se obtivesse sucesso na injeção de endorfina.

- Você-gara sabia que isso ia acontecer, nyan? - perguntou Royce a Shizuka, afinal a endorfina também tinha papel relaxante e de bem estar, mudando muitas vezes o humor da pessoa afetada trazendo assim mais uma vez o antigo Royce.

Ponderando sobre a situação o jovem começava a tirar algumas conclusões.

- Que sorte que o velho tinha aquele livro-nyan. Se não eu-gara estaria sem entender nada. - a prioridade agora era encontrar Monk e sair rapidamente do local, mas Royce já havia se esquecido disso e assim, perdido em seus pensamentos ia distraidamente abrindo porta a porta em sua lenta caminhada contemplativa.

- Se eu viro mulher… Bem acho que posso dizer que viro mulher.. Por outro lado se exagerar na testosterona.. Fico agressivo demais, ai se inibir a agressividade fico normal. - seguindo sua curiosidade nata o jovem não resistiria em apenas abrir as portas e assim também abriria uma ou duas gavetas no local.

Você devia estar tão relaxado? - talvez esse fosse outro efeito da endorfina.

- Acho que sim, nyan. - respondeu o jovem dando os ombros e abrindo mais uma gaveta para pegar miudezas e então olhando para a miudeza. - Ahhhhhh, esqueci do tesouro, nyannn. - gritaria alarmado para voltar até a sala do tesouro.

- Licença… nyan. - pediria aos guardas mortos adentrando novamente na sala e pegando dessa vez o baú. Obviamente se nenhum imprevisto houvesse se sucedido.

- O tritão não pararia de me encher se esquecesse isso…. - pararia ao mencionar o tritão.

- Será que ele achou o Monk? - Shizuka deu voz ao pensamento do gatuno.

- Ele-gara foi para o outro lado, talvez fosse bom ir ver. - e então agora com mais objetividade o gatuno seguiria em frente, buscando ir para a mesma direção que o tritão havia partido.


Sendo novamente ele mesmo o jovem estaria avançando com cautela, agora que havia se focado novamente na tarefa, espiaria cuidadosamente o corredor antes de avançar e então seguiria tentando trilhar o mesmo caminho do tritão e o restante de seus companheiros.


Buscaria ouvir os sons dos tiros, afinal…. Era o tritão azul pistoleiro mais puto dos sete mares, certamente estaria atirando feito louco. Sabendo que não só ele poderia estar ouvindo, mas também outros soldados.

>>><<<


Caso percebesse a movimentação de soldados em direção a sala o jovem largaria então o baú e correria de forma a interceptar os homens. Se pelas costas pularia de forma furtiva no último da fila, sacando suas espadas e cravando o punhal na base do pescoço cruzando as lâminas em direção a espinha.

- EIIIIII, NYANNN. - gritaria pra chamar a atenção dos outros. - ONDE FICA O BANHEIRO, GARA? e com essa poderosa frase de efeito ficaria pronto para a luta… Ou não, pois correria de volta no corredor se os homens começassem a persegui-lo para então adentrar em uma das salas fechando a porta atrás de si.


>>><<<<

Se fosse visto antes de atacar faria apenas o chamado de atenção pedindo informações e então correria, obviamente se os soldados tivessem começado a persegui-lo, o que era provável já que estava coberto de sangue.


>>><<<<

No entanto se o caminho tivesse se mostrado limpo e assim chegasse a sala do Lord, ou ao ponto que encontrasse o tritão o jovem pararia encostado a porta de entrada. Olharia a agitação, largaria o baú e cantarolando baixinho começaria a caminhar junto a parede em direção ao confronto aleatório mais perto, onde falaria para o guarda.


- Eii, seu sapato tá desamarrado. - Sacando subitamente suas espadas e puxando os pés do mesmo. (Provavelmente seria do oponente da Bárbara. ) - Denada. - encostar-se-ia na parede tranquilamente enquanto observava os outros. - Se divertindo? - perguntaria pra quem estivesse junto. - AHHH, voltei a ser eu-gara mesmo.


A lição que podemos tirar disso? Não exagere na morfina.



”objetivos”:
 

Histórico:
 

”Dados da Ficha”:
 





____________________________________________________



[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]


Voltar ao Topo Ir em baixo
TerryBogard
Pirata
Pirata
TerryBogard

Créditos : Zero
Warn : Stranger Family - Wild Creation - Página 5 10010
Masculino Data de inscrição : 13/04/2016
Localização : Shells

Stranger Family - Wild Creation - Página 5 Empty
MensagemAssunto: Re: Stranger Family - Wild Creation   Stranger Family - Wild Creation - Página 5 EmptySex 13 Jul - 19:44


Ilha

Eu estava furioso, havia derrubado vários soldados e esse mesmo seria o destino daquele exército caso esse maldito tritão não tivesse me carregado até aqui! Estava prestes a protestar quando percebi um grupo de mais ou menos 70 soldados ainda aqui no pátio do castelo, foi então que realizei que, no fim das contas eu havia entrado no castelo, consegui meu objetivo imediato, e ainda tinha inimigos para derrotar, além de encontrar o médico, agora mais necessário do que nunca.

Porém, apesar de tudo, estava ferido devido aos múltiplos tiros de canhão que eu havia recebido, embora a dor extrema pudesse ser difícil de aguentar, eu era Jurgen, o salvador do mundo, não iria desistir de lutar por causa de ferimentos, o quão grande eles pudessem ser.

Humpf! você acaba de salvar a vida daqueles soldados, Tritão. - falaria, 100 por cento convicto - Mas a luta ainda não terminou, vamos exterminar o restante dos insetos. - declararia, enquanto tossiria um pouco de sangue na minha mão esquerda.

Mesmo com todos os ferimentos, ergueria minha naginata com as duas mãos e me colocaria em postura de combate, mesmo com todos os ferimentos, ainda assim lutaria, afinal eu sou Jurgen, e minha chance de perder é zero.

Avançaria caminhando, naginata em punho, sem me preocupar com ataques inimigos porém atento a qualquer manifestação ofensiva, ergueria minha naginata na mão direita e, colocando toda a força no braço, desferiria um corte em diagonal, mirando o primeiro inimigo(s) que se colocar em meu caminho e/ou que eu perceba um ataque vindo.

Caso visse que, em algum momento, seria impossível contra atacar um ou mais ataques de um ou mais inimigos, tentaria bloquear usando o cabo da naginata como barreira, e então empurrar o inimigo de volta para trás aplicando toda a minha força, e então contra atacar com o golpe descrito acima, e caso seja impossível, faria o máximo para resistir ao ataque e aguentar a dor, e então contra atacar, caso o golpe viesse de uma arma com lâmina, tentaria furiosamente apará-lo com a lâmina de minha naginata, e faria o descrito acima.

Caso fosse atacado vários inimigos ao mesmo tempo pela frente, ergueria minha naginata com as duas mãos e, com today minha força, desferiria um longo golpe horizontal em forma de meia lua, com o objetivo de acertar vários inimigos de uma vez, e então tentaria continuar pressionando-os com uma sequência de cortes em todas as direções para atingi-los.

Se por acaso tentem me cercar e atacar por todas as direções, ergueria novamente a naginata com as duas mãos ao redor do corpo, e flexionaria bem os joelhos, para então girar os calcanhares em 360 graus e desferir um golpe giratório com a naginata, na intenção de atingir vários inimigos ao mesmo tempo, e então tentaria continuar pressionando-os com uma sequência de cortes em todas as direções para atingi-los.

Na primeira chance que eu percebesse um inimigo com a guarda baixa, contra atacaria o(s) meu(s) adversários com uma sequência de cortes sucessivos horizontais e diagonais com a minha naginata, buscando sempre colocar o máximo de força nos músculos dos braços, para causar maior dano aos inimigos atingidos pelos meus golpes, caso algum deles tente se aproximar para acertar pelas pernas, desferiria uma furiosa porretada com o cabo da lança de preferência na cabeça do adversário, usando toda a minha força, apenas para impedi-lo(s) de causar danos naquela região, mesma coisa com hipotéticos ataques pelas costas que eu consiga escutar chegando, faria um giro em 360 graus e tentaria acertar uma furiosa porretada com a lança no atacante. Caso eu seja atacado com projéteis pequenos, tentaria bloqueá-los levantando o cabo de minha lança em suas direções, e tentando resistir caso seja atingido. No caso de projéteis maiores como balas de canhão, tentaria me esconder atrás de alguma estrutura firme caso disponível, caso não, tentaria resistir.

Se por acaso eu não conseguisse lutar devido aos ferimentos, me ajoelharia furioso e me concentraria apenas em bloquear os golpes com minha naginata, e contra atacar com cortes em todas as direções.

- Maldição, preciso me mexer! - exclamaria, caso os ferimentos não me permitissem lutar.

Caso vença a batalha, adentraria o castelo, procuraria por uma espécie de porta principal, e então continuaria em busca de um médico, e lutaria com quem mais se colocar em meu caminho.


Histórico:
 

Objetivos:
 

____________________________________________________

Ficha: [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Fran B. Air
Pirata
Pirata
Fran B. Air

Créditos : 32
Warn : Stranger Family - Wild Creation - Página 5 10010
Feminino Data de inscrição : 30/11/2017
Idade : 24
Localização : The Wonderful Land

Stranger Family - Wild Creation - Página 5 Empty
MensagemAssunto: Re: Stranger Family - Wild Creation   Stranger Family - Wild Creation - Página 5 EmptySeg 16 Jul - 12:13



Narração - Wild Tide Ft. TerryBogard



ROYCE

O felino, que havia acabado de exterminar aqueles quer guardavam uma sala do tesouro sentia ardências por todo seu corpo, mas especialmente em seu braço, onde o guarda havia atingido e causado uma certa queimação, embora não tivesse como Royce dizer exatamente o que era, estava começando a latejar e piorar conforme o tempo passava. Mesmo assim, ele não mostrava sua dor ou seus incômodos, os ignorou, abriu a grande porta vermelha e adentrou a sala vendo aquilo que o interessava, além de um belo tesouro, lá estava uma espada de tamanha grandeza quanto o próprio Mink esperava, não pensou duas vezes antes de pegá-la e guardá-la consigo.

Pegando a arma, saiu da sala já com suas garras transformada e saltando para fora do mesmo modo que da última vez que usou seus recém adquiridos poderes. Mais uma vez, utilizou de seu conhecimento em hormônios, através dos ensinamentos que obteve por anatomia humana e injetou em si mesmo endorfina, acalmando seu corpo enfurecido e voltando ao seu estado normal e distraído de antes. Quando voltava ao normal, começou a conversar com Shizuka naturalmente, como sempre fez, sem deixar que o que havia ocorrido lhe afetasse ou qualquer coisa do tipo.

Durante a conversa, Royce saiu andando despreocupado, adentrando uma sala ou outra atrás de qualquer coisa que achasse interessante para que levasse consigo, mas antes que encontrasse algo, se recordou do tesouro que havia esquecido na sala da qual lutou e matou para ter acesso. Com isso, mais uma vez voltou ao lugar, passando por cima dos corpos dos guardas e pegou o baú que estava bastante pesado com todo aquele ouro e aquelas joias o recheando.

Ao sair da sala, notou que o som de todo aquele ouro balançando com seu movimento era bastante alto, mas é claro que não deixaria o tesouro que poderia ser bastante valioso para trás, então seguiu em frente, ainda ignorando seus ferimentos. Royce não viu ninguém pelo caminho, mas conforme avançou por aquele absurdamente longo corredor, começou a escutar disparos sendo feitos, chegando rapidamente a conclusão de que não podia ser ninguém menos que Ken, o tritão que não economizava balas para derrotar seus inimigos.


KEN

Vendo o golpe traiçoeiro que o Lord Monk estava planejando utilizar, Ken não pensou duas vezes e correu na direção do trono, já se preparando para derrotar seu rival ao se esquivar e o atacar. O que o tritão não esperava, era que o Monk não fosse atrás dele para o atingir com sua espada, o homem cortou o próprio ar, fazendo com que um ataque devastador fosse lançado, de modo que por pouco o tritão não foi atingido em cheio, embora tivesse pego de raspão em seu torso, fazendo com que mais sangue jorrasse, descendo pela lateral de seu corpo, além do que o golpe não parou, atingindo a parede que se encontrava atrás do trono que agora estava caído, fazendo um corte perfeito onde a atingiu, continuando e saindo para fora do castelo.

Mais uma vez o Monk se preparou para atacar, foi quando Ken desferiu três tiros, o atingindo em cheio sua coxa, tronco e sua mão esquerda, mas mesmo sendo acertado, o Monk não se moveu, apenas ficou com a cara mais enraivada ao abaixar suas sobrancelhas e desferiu seu ataque, ao mesmo tempo que Ken disparou dois tiros contra seu tronco, o atingindo em cheio novamente, na tentativa de finalizar o Lord, Ken então mirou na testa do mesmo, de modo que o corte a distância do Monk continuou, quase acertando a bala, mas o resultado final, foi que ambos passaram, de modo que o Lord fosse atingido na testa, caindo no chão ao cessar com todo o vento na sala e Ken levasse o golpe em cheio no peito.

Por ter derrotado aquele homem poderoso, Ken que havia recebido um golpe fatal para qualquer um levemente desafortunado, simplesmente não estava sentindo dor, olhou para como estavam as garotas, vendo apenas a barbara finalizando o último dos guardas que havia restado ao ajudar a loira que o segurava com sua vara de pescar ao decapita-lo. Percebendo que as coisas andavam bem, guardou suas armas, ainda com o sangue escorrendo pelo seu corpo e andou na direção do trono, o levantando e percebendo que o velho de antes havia sido atingido em cheio pela lança, estando morto no chão por cima da garota que chorava sem conseguir tirar o corpo do velhote de cima.

Foi então que ele removeu a lança ainda encravada no trono, a deixando no chão e se sentou nele, isso logo depois de remover o velho de cima da criança e deixa-la ajoelhada em sua frente, mesmo estando aterrorizada e ensopada pelo sangue do velho. Assim que se sentou, sentiu uma forte dor em seu corpo e seus olhos se fecharam lentamente, perdendo a consciência como o rei que dormia em cima do trono de seu reino, estando exausto por resolver vários problemas do dia a dia, a única diferença era que o manto vermelho que geralmente eram usados por reis, estava sendo representado pelo seu sangue que não parava de escorrer pelas sua pele e pingar no chão, formando uma pequena poça em volta daquele belo trono e do tritão de seios totalmente pelado.


TERRYBOARD

Enquanto as coisas estavam frenéticas do lado de dentro do castelo, do lado de fora não era diferente, Jurgen, que acabara de lutar com um exército de incontáveis homens e mantinha firme a ideia de que poderia os vencer, embora tivesse sido salvo por Big G em um ato de heroísmo, estava agora focado no pequeno exército do castelo, que se mantinha agrupado aguardando para ver se seus inimigos invadiriam. Seu salvador, o tritão que era maior do que o próprio gigante o deixou no chão, enquanto Jurgen resmungou o fato do tritão ter salvo a vida daquele exército, sendo que o tritão simplesmente coçou a cabeça e puxou sua barba ao suavemente bater na cabeça do gigante como um pai batendo na cabeça de uma criança, então falou sorrindo com um tom irônico ao tirar onda com o guerreiro, que talvez nem percebesse já que realmente acreditava que venceria todos.

- Hahaha. Foi mal garoto, da próxima vou deixar você acabar com o exército, na verdade, tem um pequeno bem ali... –

- Não liguem para ele, ele é sempre assim... Haha. -

- Huuum... –

Finalizou Big G apontando para os soldados que corriam na direção de todos, acompanhado por Akuma que estava sentado de pernas e braços cruzados no ombro de seu amigo tritão e Rise que pulou no chão e posicionou sua arma a frente de seu corpo, pronta para lutar com aqueles que corriam em sua direção. Jurgen sentia fortes dores por todo seu corpo, devido aos ferimentos que já tinha, somados aos que conseguiu em sua última investida contra aquele enorme exército do lado de fora, mas não se abalava, sua incrível resistência o permitia que se mantivesse de pé, apesar de ter recebido tanto dano, o único problema, era até quando ele conseguiria suportar a dor?

Andou na direção daqueles que corriam para atacar o grupo naquela noite não muito fria, onde a Lua, as estrelas e algumas tochas iluminavam o local, sendo possível de se escutar os gritos tanto daqueles que corriam em sua direção, quanto dos que morriam do lado de fora logo depois do som de canhões que eram disparados, causando a morte de várias pessoas. O chão ainda estava forrado de flechas por todas as partes, embora alguns rastros de flechas removidas se formassem, provavelmente com a movimentação dos soldados, dando liberdade para que Akuma e Rise se movam livremente, já que Big G e Jurgen eram tão grandes que o simples pisar quebrava as flechas ou as empurrava como se não fossem nada.

Quando os homens se aproximaram o suficiente, Jurgen deu um ataque horizontal, que cortou cerca de cinco homens, os derrubando imediatamente, enquanto que alguns se defenderam e outros conseguiram se esquivar, mas mesmo assim, o avanço não parou, Big G em toda sua grandiosidade, junto de Akuma davam socos, fazendo com que vários dos homens saíssem voando e Rise pulava de um em um, os atingindo com golpes certeiros e fatais, os eliminando, parecia uma vitória certa, até que Jurgen foi cercado, embora ele conseguisse varrer seus inimigos ao girar seu corpo e os acertar, no muro, canhões se voltaram para dentro dos muros, disparando e acertando o gigante por trás, na altura de seu ombro e Big G nas costas.

No momento em que Jurgen foi acertado, foi a gota d’água para o pirata, sua visão começou a ficar embaçada e aos poucos, com a visão turva, se foram seus sentidos, fazendo com que ele desmaiasse, embora se mantivesse em pé, foi quando Big G, vendo que seria um alvo fácil, pegou o gigante já bastante ferido novamente, o mantendo em baixo dos braços, junto de Akuma e Rise com a outra mão, assim que o fez, saiu correndo, atropelando aquelas pessoas, de modo que levasse vários golpes de espada em suas pernas, mas ele chegou até o grande portão que havia no castelo, portão esse que arrombou com tudo, já o fechando com força, ao segurá-lo com as próprias costas e deixar todos no chão em sua frente.


TODOS

Foi quando Royce, que chegava na sala carregando o tesouro pelo corredor, viu seu companheiro em maus lençóis ao entrar na sala e segurar a porta para que ninguém entrasse. O que ocorria naquele salão era que Big G segurava a porta, enquanto Jurgen estava desmaiado no chão, Ken estava pelado no trono, também desmaiado, a barbara, Cassandra e Merlinda estavam bastante feridas devido a luta e Royce, que talvez fosse um dos que se mantinha em melhor estado, com exceção de Akuma e Rise, estava envenenado e com alguns ferimentos, além de ter uma garota de joelhos em frente ao Ken, sendo esse talvez um dos piores cenários possíveis para ela, que parecia estar em choque. Vendo o felino se aproximando, Big G fala estando um pouco nervoso, embora não parecesse abalado, seguido por Merlinda, que ao ver a situação do tritão, fala para todos, ainda mantendo a calma, apesar da situação desesperadora.

- Tivemos um pequeno problema na baderna que criamos... -

- Tomara que achemos a passagem secreta e que caiba alguém tão grande, se não, estamos ferrados... -

Clima:
 

Histórico:
 

Mapa:
 

Castelo:
 

Lord Monk:
 

Garota Atrás do Trono:
 

Soldados de Armadura:
 

Velho:
 

Merlinda:
 


____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.][Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.][Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.][Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Convidado, consistência é o segredo! Só vai!
Voltar ao Topo Ir em baixo
Conteúdo patrocinado




Stranger Family - Wild Creation - Página 5 Empty
MensagemAssunto: Re: Stranger Family - Wild Creation   Stranger Family - Wild Creation - Página 5 Empty

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
Stranger Family - Wild Creation
Voltar ao Topo 
Página 5 de 9Ir à página : Anterior  1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9  Seguinte

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
One Piece RPG :: Grand Line - Paradise (Paradaisu) :: Farol-
Ir para: