One Piece RPG
Tróia - Parte 3 - Pandemonium - Página 4 XwqZD3u


One Piece RPG : A GRANDE ERA DOS PIRATAS
 
InícioBuscarMembrosGruposRegistrar-seConectar-se
Últimos assuntos
» [ficha] Arthur D.
Tróia - Parte 3 - Pandemonium - Página 4 Emptypor ADM.Senshi Hoje à(s) 11:32

» Mini-Aventura
Tróia - Parte 3 - Pandemonium - Página 4 Emptypor Makei Hoje à(s) 10:44

» MEP _ IRUH
Tróia - Parte 3 - Pandemonium - Página 4 Emptypor Makei Hoje à(s) 10:43

» [MINI - PALERMITO PALERMOLE] O GRITO DO LEÃO FAMINTO POR CARNE VERMELHA E SUCULENTA
Tróia - Parte 3 - Pandemonium - Página 4 Emptypor Makei Hoje à(s) 10:43

» [M.E.P] - PALERMITO
Tróia - Parte 3 - Pandemonium - Página 4 Emptypor Makei Hoje à(s) 10:42

» O que me aguarda em Ponta de Lança? Espero que belas Mulheres, hihihi
Tróia - Parte 3 - Pandemonium - Página 4 Emptypor GM.Muffatu Hoje à(s) 10:40

» Mini-Aventura
Tróia - Parte 3 - Pandemonium - Página 4 Emptypor Makei Hoje à(s) 10:40

» [M.E.P] Azarado
Tróia - Parte 3 - Pandemonium - Página 4 Emptypor GM.Jinne Hoje à(s) 10:28

» [MEP] Akaza
Tróia - Parte 3 - Pandemonium - Página 4 Emptypor Makei Hoje à(s) 10:27

» Mini Aventura (Yoshi)
Tróia - Parte 3 - Pandemonium - Página 4 Emptypor GM.Jinne Hoje à(s) 10:24

» [Mini-Apolo] O punho furioso
Tróia - Parte 3 - Pandemonium - Página 4 Emptypor GM.Jinne Hoje à(s) 10:24

» [MINI-sinhorelli] Punho flamejante
Tróia - Parte 3 - Pandemonium - Página 4 Emptypor GM.Jinne Hoje à(s) 10:24

» [Mini-Aventura] A volta para casa
Tróia - Parte 3 - Pandemonium - Página 4 Emptypor Ryoma Hoje à(s) 03:51

» Ler Mil Livros e Andar Mil Milhas
Tróia - Parte 3 - Pandemonium - Página 4 Emptypor Misterioso Hoje à(s) 03:04

» [E.M] - Gostosuras e Travessuras
Tróia - Parte 3 - Pandemonium - Página 4 Emptypor OverLord Hoje à(s) 01:13

» O catálogo continua, Baterilla a cidade da beleza
Tróia - Parte 3 - Pandemonium - Página 4 Emptypor maximo12 Hoje à(s) 00:23

» I - A Whole New World
Tróia - Parte 3 - Pandemonium - Página 4 Emptypor Achiles Hoje à(s) 00:14

» Um novo tempo uma nova história
Tróia - Parte 3 - Pandemonium - Página 4 Emptypor new man reformed Ontem à(s) 20:57

» [MINI-MECHZZZZ] O ponto de partida
Tróia - Parte 3 - Pandemonium - Página 4 Emptypor Ryoma Ontem à(s) 19:42

» [M.E.P.] - Mechzzzz
Tróia - Parte 3 - Pandemonium - Página 4 Emptypor Ryoma Ontem à(s) 19:40



------------
- NOSSO BANNER-

------------

Naruto AkatsukiPokémon Mythology RPG
Naruto RPG: Mundo Shinobi
Conheça o Fórum NSSantuário RPG
Erilea RegionRPG V Portugal
The Blood OlympusPercy Jackson RPG BR
A Song of Ice and FireSolo Leveling RPG
Veritaserum RPGPeace Sign RPG
Pokémon Adventure RPG

------------

:: Topsites Zonkos - [Zks] ::


 

 Tróia - Parte 3 - Pandemonium

Ir em baixo 
Ir à página : Anterior  1, 2, 3, 4, 5 ... 10 ... 16  Seguinte
AutorMensagem
ADM.Tidus
Duque Azul
Duque Azul
ADM.Tidus

Créditos : 62
Warn : Tróia - Parte 3 - Pandemonium - Página 4 10010
Masculino Data de inscrição : 10/06/2011
Idade : 27
Localização : 1ª Rota - Karakui

Tróia - Parte 3 - Pandemonium - Página 4 Empty
MensagemAssunto: Tróia - Parte 3 - Pandemonium   Tróia - Parte 3 - Pandemonium - Página 4 EmptyQua 11 Abr 2018, 21:22

Relembrando a primeira mensagem :

Tróia - Parte 3 - Pandemonium

Aqui ocorrerá a aventura do(a) agente Achiles. A qual não possui narrador definido.


____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

Olá Convidado, seja bem-vindo ao One Piece RPG.
Links para ajuda: [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo

AutorMensagem
Fran B. Air
Pirata
Pirata


Data de inscrição : 30/11/2017

Tróia - Parte 3 - Pandemonium - Página 4 Empty
MensagemAssunto: Re: Tróia - Parte 3 - Pandemonium   Tróia - Parte 3 - Pandemonium - Página 4 EmptyQua 20 Jun 2018, 22:33



~PANDEMONIUM~



~Achiles~



Depois de seu encontro predestinado com o surfista, Achiles voltava para a sala de treinos para seu momento de novamente, buscar descobrir o que poderia fazer pra melhorar mais ainda seu outro braço, nesse momento ele se surpreendia de encontrar One no local, com sua memória que normalmente se mostra, deturpada. Ele agradecia a garota ruiva mesmo assim por ele estar no lugar. - Nós tínhamos marcado, pra mesmo horário hoje.- O olhar dela de certo modo mostrava um pouco da frustração que carregava por tudo que aconteceu. Achiles se trocava caminhando para o ring enquanto mas mudando de ideia a garota dizia. - Bem esquece faz todo o percurso, e depois a gente vem pro ring.-  e esperava que ele começasse o percurso, era inicialmente o alvo, a movimentação do garoto agora passava uma memória visual perfeita de como tudo acontecia. Ele iniciava dando alguns golpes mais perdidos de início, e ousados demais para quem estava treinando usar uma perna e um braço novo, mesmo que já a algum tempo, afinal, mesmo tendo aprendido a usar chutes por meio de luta de rua, ele ainda não sabia completamente aplicar coisas de complexidades altas, ele conseguia acertar uma primeira vez o alvo com a bicicleta, o que removia um pouco do mau humor de One, que acabava rindo da forma ousada que eles estava a treinar. - Calma rapaz, o alvo não é tão rápido quanto um inimigo, mas você ainda pode se machucar, vejo que aprendeu a usar as pernas, mas  vamos devagar garoto taekwondo, que tem muito pra aprender ainda- e acabava soltando um sorriso em relação a última ação da bicicleta.

Levantando rapidamente com o impulso da mão as tentativas continuavam, socos, chutes, bicicletas, sim ele fazia umas bicicletas, a maioria delas errava, por o movimento ser mais complexos, os socos, no dia de hoje, pelo fato de o braço já estar pouco a pouco se adaptando ao ambiente e modo de luta novo, estavam acertando bem mais, os chutes, tanto por serem uma novidade, e por também usarem do lado pouco hábil, mostravam-se menos efetivos, alguns acertavam mas a maioria ainda era bola fora, de vez em quando uma joelhada era colocada em prática, o que mostrava pra a garota, o quanto ele tinha pego de aprendizado nesses últimos tempos, pra ela era bom ver que o boxeador não tinha entrado em inércia. Depois de alguns minutos se colocando no treino pesado, o garoto então fazia uma leve parada, e depois vinha o inimigo mortal do menino lobo, o joão bobo, o maior carrasco de Achiles, mais perigoso que o Crasus, e hoje ainda mais cruel. Depois de beber uma das garrafas de água, e falar com ela ele partia, enquanto a ruiva só alertava. - Cuidado, esse daí é novo, ta no fino do fino.- e sentando daquela maneira meio despreocupada que a caracteriza, pernas abertas roupa meio largada, jeitão de homem, ela partia comendo suas barras de chocolate, enquanto esperava pra ver o resultado do campeão.

Achiles olhava para o joão bobo, que devolvia um olhar 43 mortal para o garoto, aquele rosto assassino do boneco era perturbador até as mentes mais sãs, mas ele não é o tipo de homem que foge da morte, jamais, quanto mais o inimigo fosse destrutivo, maior a vontade dele. E partindo para cima como um lobo para sua presa um soco devastador no boneco que voltava com tudo, mas usando do seu poder defensivo o garoto bloqueava, animador de verdade, e talvez perigoso, pois aquilo o fazia subestimar seu potencial, e bem, era hora da bicicleta da águia voadora das ruas, o golpe devastador no rosto do joão bobo, mas que também o deixava vulnerável, e assim que o bicho ia pra trás, ele voltava com uma força esmagadora sobre o tórax de Achiles, que começava sendo derrubado, mas ele não desanima por isso, e levantando mais uma vez o feroz embate continuava, mais e mais. Socos chutes, joelhadas, as vezes bloqueia, e às vezes bem… ele apanhava do boneco algumas vezes mais, era uma luta acirrada até que depois de um dos golpes mais devastadores do boneco, ele ia ao chão exausto. O jovem boxeador exprimia seu cansaço e a garota de cabelos vermelhos vendo ele no chão se levantava de onde estava e sentava do seu lado. - Você está melhorando.- Dizia ela estendendo uma garrafa de água, e uma barrinha de cereal energética. -Toma vai precisar por que pra finalizar ainda temos a luta. - dizia ela com um tom bem calmo e celebre. - quando estiver menos cansado um pouco e se sentir pronto, você vem pro ring, e treinamos algo mais um a um.- Ela parecia ter algo por trás do que falava como se não fosse só uma luta, ou um treino era como se os planos dela fossem muito além.

E finalmente a luta ia começar em seus primeiros movimentos ele tentava rodear ela, como se fosse um predador encurralando sua presa. One seguia ele apenas com o olhar bem focado no que ele poderia estar fazendo, e na verdade, não parecia se preocupar, talvez pelo fato de saber que ele usaria apenas a parte esquerda do corpo. A ideia mais bizarra se passava pela cabeça do boxeador, então indo ao chão com uma das mãos ele tentava rapidamente aplicar uma rasteira usando essa mão de apoio para fazer funcionar. O giro era rápida em direção a perna de one, que apenas subia o pé direito bloqueando sem usar muito de força física, aplicando um leve chute no pé de apoio, e em seguida saltando, e chutando o braço bem no cotovelo com um giro de 180º no ar, ela estava diferente dos dias anteriores, e isso era notável até pela sua forma de reação, já que normalmente  ela não teria feito um ataque como aquele que chegava a derrubar Achiles de uma maneira até um pouco cruel, e rapidamente vendo rapaz no chão saltava em cima dele, subindo ficando com ele meio as pernas dela e rapidamente falava. - Por que você não fez nada ontem?- e desferiu um soco no peito dele, as lágrimas passavam a escorrer do rosto dela e uma expressão que parecia um misto de confusão e tristeza a cercavam, e ela seguia aplicando alguns socos, mas não pareciam machucar Achiles, eles não tinham força. -Você é um idiota!!-  e no momento deitava a cabeça sobre o peito do mesmo, apenas por alguns segundos, onde lentamente descia as mãos por ali também de modo relaxado, o rosto parecia agora mais determinado que triste, e se aproximava do do rapaz.

Os lábios dela lentamente se aproximavam dele fisgando aos poucos o que poderia ser uma sensação talvez desconfortável para alguns pela ansiedade que isso trouxesse. - Você ontem, eu queria saber por que você não me beijou? Você fez tudo certo mas no fim, você só saiu... Por que?- era uma pergunta sincera que ela fazia para o garoto, não havia um entendimento, ela às vezes possuía uma auto estima questionável, e algo desse modo poderia talvez afetar ela muito mais do que o esperado, isso por diversos motivos, já que a noite pra ela tinha sido quase perfeita, o que fazia com que se perguntasse, onde ela tinha errado? e a resposta era em lugar nenhum, apenas uma falta de comunicação não verbal que por mais sinais que fossem apresentados, não se conseguiu atingir a mente do boxeador. Mas independente da resposta, ela seria egoísta nesse momento. E descendo os lábios lentamente os recostava sobre os do garoto, iniciando um beijo. One tinha seus motivos, e naquela hora seus olhos fechados, somados a sua expressão mostravam um pouco do por que ela fazia tal.

A garota terminando o primeiro beijo se manteria ainda em cima dele e questionaria. - Foi ruim? se for eu não repito a dose, me desculpe mas eu precisava que você provasse isso antes de qualquer coisa.- Ela dizia com certa convicção apesar de o medo no olhar dela ser claro em relação a resposta, ele era o primeiro rapaz que One de fato beijara, isso por que após os tempos como escrava nunca tinha tentado qualquer coisa do gênero, por jamais ter se visto confortável, a esse ponto, e aqueles dias tinham provado a ela que ser assim com o garoto era mais do que possível, era assustador pensar que ele talvez não a visse do mesmo modo, mas precisava da verdade e nada menos que isso, e mesmo que fosse dolorosa queria ouvir dos lábios dele o que ele achou. Os braços dela tremiam um pouco quando esperava a respostas e os dedos das mãos se mostravam inquietos, e isso só proporciona uma  tensão ainda maior, seus ombros arqueados também passavam o mesmo, ela estava em uma posição completamente defensiva.

Independente do que ele dissesse após isso ela levantaria, e começaria a explicação dos novos exercícios. - Bem no barco combinamos algo melhor, mas trouxe hoje duas seções além das que praticamos agora.- Se afastando por 15 segundos ela saia por alguns poucos instantes voltando com 4 pesos, 2 de pulso e 2 de tornozelo passando a explicar o que aconteceria ali. - Muito bem, são pesos de 10kg, como estávamos a algum tempo usando os de 5, vamos aumentar um pouco mas o que quero é o seguinte, 100 flexões usando apenas a direita para o chão, e depois mais 100 agachamentos, mas esses agachamentos vão ser diferentes, colocaremos sua perna direita para as costas, e você segurará com as mãos no ring, enquanto força apenas a sua esquerda. É um pouco pesado, mas não acho que isso venha a ser tanto pra você então depois disso, quero mais duas series em todos os brinquedos, inclusive no novo Boneco de treino, eu tinha quebrado os antigos, então acabamos precisando de um novo e fui atrás esses dias.- Dizia completando a ideia sorrindo um pouco sem graça, sobre o assunto, o boneco de madeira parecia interessante de se usar pra treinar realmente, ela havia saído de cima dele de uma vez só por simplesmente não saber como avançar naquele ponto, por isso apenas tinha mudado de assunto e trago algo novo tão drasticamente, e isso poderia ser estranho ao homem que nunca tinha visto ela agir tão agoniada assim, apesar de que talvez sua memória da primeira vez que viu ela ferida e deu a pomada, fosse interessante. Talvez uma pista pra tudo isso, de todo modo eles teriam muito o que conversar ao fim desse tempo.

Fora do campo de visão do jovem garoto, Ramiel e Akame estavam completando todas as preparações para a viagem, as agentes iam ser divididas em dois grupos, Six, One e Nine, iam estar junto com Achiles na missão, enquanto as outras, partiriam no navio falso, Akame e Ramiel, iriam no mesmo barco que o boxeador, enquanto, dois outros superiores acompanhariam as garotas na distração, o plano estava começando a ficar interessante, exceto por uma coisa, alguém que estava ali talvez, não fosse tão confiável e no fim o mundo poderia direcionar a raiva para pessoas que não tinham nada haver. Rannah, finalmente estava de volta a Loguetown, nesse momento ainda no porto, mas depois do enterro de seus pais ela ainda não estava bem, apesar de melhor, de todo modo, o objetivo principal dela era ver seu boxeador favorito (Pois é só se vira man) afinal ela precisava de algo pra alegrar mais seus dias, que tinham sido puramente caos nas últimas semanas.

~Drake~



O garoto ainda estava frustrado com sua demonstração de combate, onde por mais que não fosse exatamente isso ele se via como fraco perante um monstro como Bruce, ele verdadeiramente se via um tanto perdido mas logo sua frase se mostrava como um novo desafio para o homem que havia o derrotado audacioso? talvez, mas era interessante imaginar o quão forte ele estaria no futuro, e o capitão ali presente pensava até mesmo nisso. - Estarei esperando por isso garoto, um dia iremos fazer uma nova luta, quem sabe nessa você me derrote nela. Mas temos mais coisas a fazer.- E finalmente os dois seguiam para o destino principal a área de treinamento onde o teste estava pra acontecer ele seria pesado, mas Kira agora tinha em mente o tanto que ele precisava treinar para poder se colocar à frente do inimigo. Na sala ele começava fazendo suas flexões enquanto sua mente de certo o torturava um pouco, agora após o alongamento as flexões iniciavam, uma após uma contraindo seus músculos elas continuavam, até que nas 70 ele sentia o peso de ter se forçado até ali, seu corpo de certo modo fraquejavam, e sua mente gritava para ele o quanto aquilo era importante, e pouco a pouco ele fazia as últimas 30 sofridas flexões. - Muito bem garoto, estamos em um bom início, por um breve momento achei que fosse falhar- Falava ao som de leves palmas ao fundo pela vitória dele naquele momento, mas por estranho que parecesse aquele não era o capitão que falava um homem de madeixas negrass com uma média de 1,85 metros, ele estava próximo ao fim da sala o que indicava que estava ali a muito tempo. Sua presença era fraca, o que devia ter confundido talvez até bruce que olhava de volta, com um rosto sério e inexpressivo.

O garoto então depois de terminar aquilo partia para a pista, ele iniciava com uma partida absurdamente rápida, sua aceleração se colocava à prova, sua velocidade era incrível e ele quase passava da curva, mas assim com um drift, ele simplesmente conseguiu fazer com que o giro na curva fosse quase perfeito, e avançava na pista, mas uma nova ideia vinha quando ele terminava as vinte voltas, e na sua cabeça e ele tratava de tal com o capitão que o ouvindo respondia de maneira super calma. - Não vejo problemas desde que o número seja cumprido, o método aplicado pode ser qualquer um, desde que a pista toda seja percorrida.- completava com um olhar um tanto curioso de o que o rapaz iria fazer, o homem de madeixas negras distante, parecia colocar os olhos nele de maneira muito voraz, sua atenção era grande em relação a Drake, ele olhava com olhos de interesse, como se algo no jovem chamasse sua atenção, o que? bem a mente dele era um mistério, talvez a determinação de agora a pouco, e talvez a força de vontade, ou a velocidade dele agora, mas algo que ele gostava e/ou admirava estava bem ali. Drake depois da permissão do seu supervisor, ele continuava seguindo agora, sempre forçando a curva a ser em momentos mais e mais precisos, usando seu pé como uma alavanca de certo modo, girando em torno do seu próprio eixo pra completar o giro e nisso simplesmente fazer com que as curvas se tornassem mais dinâmicas. - Muito bem, agora vamos para os Abdominais.- Falava o capitão que estava de fato, testando a resistência do garoto, e até onde ela podia ir, isso por que de certo sua velocidade tinha se provado durante a luta, e também na própria corrida que fora feita agora. Os exercícios variados que ele propunha eram justamente para não deixar que apenas um ponto fosse explorado.

Nesse momento o garoto começava a aposta que tinha feito, ele deitava ao chão para começar a flexionar seu abdômen, o início se mostrava simples, mas aos poucos não só o fôlego faltava como, como ele já aos poucos passava a não aguentar, as últimas 20 abdominais, eram um desafio a cada contração, mas mesmo que quase se sufocando ele as terminava com muita garra, e era finalmente o momento da natação, ele estava com o suor pingando de seu rosto, ofegante até próximo de seu limite, mas se parasse, talvez ele não conseguisse levantar mais. - Sim garoto é hora da natação, pode partir para a piscina, pois ela é um dos seus últimos desafios.- Falava o homem em tom sério, uma postura perfeita, e uma voz que entoava rouca, porém calma. O garoto aproveitava o nado sem se forçar muito, ele nadava de forma bem mais graciosa que forçada de certo, o que era um bom momento, os 20 minutos se passavam, e finalmente estava finalizado, o processo de aceitação do garoto na marinha era concluído assim que esse nado acabava. - Muito bem pode sair. - falava ele esperando que o garoto finalmente saísse. - Me siga. - falava caminhando pra o vestiário do local.

Mas antes que finalmente chegassem até lá o garoto que assistiu tudo aquilo parava por poucos segundos apenas para abordar o jovem. - Muito bem, eu gostei da forma como se movia, gostaria de desafiar você um dia garoto. Boa sorte nas primeiras missões, um dia nos vemos por aí. - Ele possuía um leve sorriso no rosto pouco expressivo, mas tratava muito bem do que era que ele queria fazer, um desafio a Drake? bem era algo que ele queria ter no futuro, não agora, mas em um momento… bem alguma hora essas duas almas deveriam se cruzar por esses mares caóticos, era um garoto estranho mas que talvez desse um bom desafio. - Vamos garoto.- Falava bruce enquanto o outro se retirava, saindo rapidamente da vista deles, praticamente sumia, por mais que em nenhum momento tenha mostrado correr, ele pareceu caminhar tão calmo, mas sumiu dali. Calmos os dois entravam ao vestiário, onde abrindo um armário ele pegava as coisas do mágico. - Esse é o mesmo uniforme que o Sargento Thor te deu, assim como a Medalha de admissão, são as mesmas, eu apenas precisava confirmar por protocolo, isso por que, ela não havia feito o teste de maneira oficial, mas apenas por isso, você está aprovado.- falava ele com um certo orgulho na voz.

~Alipheese & Makei~



A confusão na cabeça da pequenina continuava, até mesmo o sadismo de Jibril, parecia gentileza, ela aceitava a garota completamente, de um modo que até mesmo ela tinha dificuldade de entender, aos poucos ela entendia que não era a comida que a fazia mal. Alipheese sentia algo diferente, talvez ela estivesse apaixonada? era uma questão que ficaria na cabeça de alguém que pudesse observar de fora, talvez até mesmo do velho Kamui… mas naquele pequeno momento, esse tipo de coisa não era o que a preocupava, mesmo que tivessem outros ali, a mente dela se focava, em como Jibril iria estar e no que ela pensava. A garota queria que ela ficasse feliz, e talvez de uma maneira um pouco distinta e intensa, queria que a celestial tivesse um sentimento igual. A pequenina dizia para si mesma, que ela precisava se concentrar apenas na colher, e de certo a celestial estava a par disso, a colher adentrava lenta e tortuosamente na boca dela, mas não só isso apenas o caldo descia, o que fazia o segundo ponto, chamar ela de mestra. Mesmo que a garota tivesse antes se forçado tanto feito algo para se forçar a olhar em seus olhos e de modo tão fofo proferir que queria mais, a celestial não perdoava que apenas aquilo a fizesse dar toda a comida, cobrando que ela fosse chamada de mestra. Para a albina, isso era algo novo, os motivos não vinham em sua cabeça, provavelmente pela própria inocência que carregava consigo,não existia tanta conexão na ideia. Apesar de que talvez fosse apenas uma questão de gosto, e pensar que aquilo podia a fazer feliz, era algo simplesmente incrível, parecia um motivo bobo para alguns, mas aquilo era suficiente pra ela, pois era a sensação de fazer outra pessoa se sentir bem, e ela podia não ter plena certeza, mas era a ideia de colocar o bem estar da pessoa que lhe oferecia aquela comida, acima do dela propria.

Mais uma vez se forçando a se colocar em um momento desconfortável, a garota proferia as palavras da maneira mais fofa possível, Jibril com o mesmo sorriso sádico que mantinha aos poucos a respondia, dando a comida pra ela como a recompensa pelo esforço. A garota colocava o pedaço de carne na boca, se aproximando da pequena que já estava a tempos feliz, ela chorava de felicidade por aquele momento intenso estar cada vez mais preenchendo seu coração, de forma a quase a dominar por completo, a sensação da entrega e da vulnerabilidade que habitava nela era simplesmente incrível. Porém de outro lado o sentimento que consumia Lynn não era tão positivo, ele se sentia em primeiro lugar enganado, não só pela beleza do corpo exuberante da celestial, mas o que tanto podia ser real naquele momento? o quanto ela teria de verdade gostado daquilo e ainda mais, ela estava só os usando? ou ela verdadeiramente tinha um motivo para estar se colocando ao lado deles, mas não era só isso em segundo ponto a inveja. Ver as duas garotas se colocando daquela maneira, era simplesmente surpreendente, as drogas afetando seu corpo, o fazia desejar ter elas, e ao mesmo tempo se sentir inútil, pois ele sentia que poderia ter tido tudo, por uma pequena dobra de joelhos e agora era simplesmente tarde demais. Ele não sabia o que fazer além de se sentir estúpido naquele momento, um misto de grande raiva com um pouco do que seria, o sentimento de derrota estava passando pouco a pouco por ele.

A celestial em seu momento sadico sabia disso com sua última provocação colocando a carne na boca para começar o momento mais puro e certeiro no coração de ambos. A garota de início não entendia o que era aquilo, por que a carne estava apontada para a boca dela, ela estava tendo algo diferente estaria a carne sendo oferecida? e sim era isso mas para ela, era muito mais especial aquilo seria o que chamaria de seu primeiro beijo, um momento inacreditável, não era o pedaço de carne que marcava aquilo, os rostos quase encostados, a respiração que se fazia próxima uma da outra, e claro, assim que a carne era mordida os lábios se tocavam, mas Jibril não só fazia que aquilo fosse rápido… ela deixava que eles se mantivessem por mais alguns segundos encostados, para que a sensação perdurasse, por alguns poucos momentos a mais, e quando aquilo terminava, para a pequenina, a sensação era simplesmente incrível, era seu primeiro beijo, e ela queria que aquilo continuasse, no fundo do seu coração ela queria isso. Talvez se ela pudesse pedir? a mulher continuaria? Bem essas são as dúvidas que mais corroem as pessoas, o famoso “E se” bem talvez seja algo que os tímidos carreguem como uma maldição eterna. Algo que está no DNA deles, a coragem para expressar suas vontades às vezes fugia de suas bocas, mas o que mais fazer? entretanto aquilo estava longe de terminar.

Lynn naquele momento do beijo, diante da pergunta da celestial, se via completamente arrasado. Ele não sabia como reagir, o que era maior orgulho ou seu libido? a resposta estava no seu sorriso triste, que se fazia fronte a cena, e a sensação de completa devastação emocional, o que fazer? ele não tinha resposta mas temia que não houvesse nada. Entretanto aquela pergunta afetava Ali negativamente também, ela estava disposta a fazer aquilo com outras pessoas? isso simplesmente no fundo machucava, doía, ela queria que aquilo fosse unicamente dela, era algo egoísta ao que se pensava mas não parecia no fim errado de se pensar. A sensação da comida ainda perdurava nela, seu corpo estava quente e era bom, mas ao mesmo tempo trazia certa agonia… o que fazer? ela não sabia e apenas pressionava as coxas uma contra a outra, e naquele momento ela precisava de todo o apoio para aguentar aquilo até o fim, era uma reação tão fofa mas ao mesmo tempo assustada. A celestial sorria pra ela quando ouvia aquilo, era um momento tão bonito de se observar do ponto onde Jibril olhava. Ela então entregava a mão para a garota mantendo seu rosto muito perto olhando bem nos olhos dela. - Tudo bem fofinha, você merece.- e dava um leve beijinho na testa dela, mas naquele momento um comentário leve escapava. -Suas mãos são bem macias.- Enquanto com a mão ela fazia de leve o aviãozinho para pouco a pouco a comida ir acabando e a sensação ruim diminuindo.

A melhor parte do show começava agora, a pequenina tinha de lamber o prato por meio da sugestão da garota de asas, ela não entendia bem o motivo, mas começava lentamente a lamber colocando a linguinha pra fora se esforçava para fazer aquilo dar certo, mesmo com a dificuldade que era apresentada para ela. Jibril em um momento simplesmente a abraçava, aquele momento aconchegante e carinhoso pagava por todo o sentimento ruim que pudesse ter vindo até a pequenina, as duas estavam se acertando aos poucos, talvez por serem tão distintas mas parecidas ao mesmo tempo, a timidez de Ali era o contraponto a espontaneidade de Jibril que conseguia até mesmo ultrapassar o ponto do que era ser intenso, mas aquilo de certo modo era também importante pra anjinha, por mais estranha que fosse, essa maneira de se aproximar que ela exercia, era verdadeira, era algo que em um momento iria fazer real diferença para as duas, aos poucos talvez aquilo se tornasse o que a albina desejava, mas mesmo que ainda tivesse visões um pouco diferentes de tudo aquilo era algo puro. Talvez não tão inocente na mente de alguma delas, mas apenas a própria forma como Ali enxergava, tornava aquilo legitimo.

~Alipheese, Makei & Drake~


A passos tímidos Ali adentrou na sala do homem, já Lynn mesmo depois de seu momento de tristeza estava firme adentrando no lugar, e claro havia mais partes firmes dele em todo momento, já que seus joelhos não dobravam, bem, nada dobra, ele ouvia o que Cruzis tinha pra falar e não estava muito feliz com isso, a experiência que teve com superiores não foi boa, e de fato ele estava drogado, logo nada do que dissesse seria estranho, e claro ele tinha uma porrada de coisas que ia perguntando. - Bla bla bla, vire o mapa moleque.- falava ele arqueando as sobrancelhas, e mostrando um pouco da indignação e tudo estava escrito atrás do mapa com algumas informações importantes. - Apenas preste atenção no que está acontecendo e nada vai dar errado, levem o mapa, vocês tem um sinalizador, usem ele. Vocês podem ter tido qualquer problema que seja em suas missões anteriores, mas aqui é tudo organizado, a marinha de loguetown está sobre minha supervisão, se eu te mandei pra essa área X é nela que você vai trabalhar entendeu?- falava com um olhar completamente sério. Não gostava de ver suas habilidades de liderança confrontadas, ainda mais por um novato de Shells Town, mas não passava de apenas fazer esse rosto de desprezo.  - A área é segura pra um marinheiro, a não ser que você não consiga lidar com criminosos comuns, vocês vão pra melhorar a moral dos civis, a missão não é lutar contra um assassino implacável com poderes mágicos. Agora só vai antes que eu mude de ideia e te coloque pra limpar o chão e começar o alistamento de novo. Na verdade espera… 14 tritões em Shells Town? É te digo que se você ainda está vivo, você tem culhões HAHAHAAHAHAHA-  Falava ele apontando pra a parte de baixo do garoto enquanto ria descontroladamente. Jibril ouvindo a risada logo interferia. - Você está com saudade da minha comida T-e-n-e-n-t-e- Falava se aproximando e pegando na gravata dele com um olhar malicioso, o homem engolir no seco quando ouvia aquilo. - Não obrigado, vão, vão.-  uma gota de suor descia da testa dele, e depois ele então goleava o que estava na mesa dele naquele momento, esperando que o garoto lesse o que estava no mapa com instruções.

Citação :
A área de 200m² que deverá ser protegida se estende próxima ao QG, haverão sinalizadores na sala de treinos, apenas sigam pra ela, Jibril já possui as informações de onde todos se encontram, e serão como pedidos de ajuda, pra se qualquer problema venha a ocorrer, se a situação sair fora de controle apenas os usem. No geral a área é Segura, não acontecem muitos crimes, apenas um pequeno grupo de baderneiros se colocou a trabalho na área ultimamente, mas não são algo a se temer. As casas da área precisam de uma ronda apenas, vão trocar de turnos quando vocês terminarem uma próxima equipe vai assumir.

Não existem informações sobre o possível ladrão, apenas que ele fugiu ao ser visto pela marinha, o que faz crer que não seja um combatente poderoso, a única coisa a qual eu diria é que ele é algo que eu odeio, um covarde com uma arma. Todos parecem adquirir confiança quando tem uma em mãos. No entanto a missão em si não é caçar ele, é proteger a área, caso tal apareça, isso poderá ocorrer, mas a captura não é a prioridade, e sim a proteção dos civis, e das lojas que esses possuem. Todas as aparições dele foram justamente por essa área específica, logo não há qualquer relato de um ambiente completamente diferente.

A missão é simples, mais detalhes a própria Jibril poderá explicar visto que ela possui conhecimento da ilha e da área em si, além de estar com todos os dados recolhidos consigo, visto que visava essa missão a algum tempo. Boa sorte marinheiros, e não se esqueçam, a qualquer descontrole os reforços estarão a caminho.

-Kattleback Cruzis, Tenente

Nesse momento a garota de cabelos brancos se colocava em voz, falando sobre o provável amigo dela, sim era uma expressão como sempre fofa, por mais que um pouco mais firme que a poucos minutos atrás, o homem que na verdade já esperava que eles estivessem se retirando apenas respondia positivamente. - Não vejo problemas, ainda está dentro dos padrões da missão ter mais um membro. - E o Lynn se questionava, sobre o possível “limpador de chão” ter alguma relevância dentro da ideia de levar realmente alguém, mas no fim sua mente o convencia de que havia um motivo, era sempre útil ter alguém para que  sofrer por ele, aliás apanhar por ele, então sua saída da sala era feliz e excêntrica, caminhando como se o mundo fosse um pouco melhor quando pensou naquilo, literalmente despreocupado com a questão. E de fato era uma notícia boa pra ele. Já a pequenina de cabelos brancos tinha um pedido a Jibril, ela queria que a celestial a guiasse, com um sorriso no rosto vendo o quão fofo era a menina dizer isso ela simplesmente aceitava. - Claro fofinha, a gente teria que ir lá pelos sinalizadores. É só me seguirem.- E estendia a mão para que ela segurasse, afinal pela forma frágil que ela se mostrava a celestial tinha uma certa proteção quanto a ela, pela parte que a toca, e pelo lado sádico, bem… aquilo iria fazer com que Lynn quisesse ainda mais se curvar. E quando a pequenina segurasse a mão dela soltaria. - Está tudo bem aí imperador? tudo bem nesse seu trono?- olhando pra ele com aquele mesmo modo sádico, mas novamente voltava sua expressão ao normal quando tal terminava e caminhava com ela, até o ponto de treino.

Lá eles encontram o faxineiro mágico, que estava já pra sair dali, vendo a pequenina a primeira questão dele era justamente sobre quem era a garota anjo e principalmente o que eles estavam a fazer por ali, Ali não chegava a tentar explicar nada pra ele na verdade ela apenas contava que a celestial fosse fazer tal, e bem… era o que ela realmente fazia, soltando naquele momento a mão da pequena ela passava a rodear Drake, em uma aproximação súbita assim como fez com os outros dois seus olhos quase entravam dentro dos do garoto com a forma que o rosto subitamente se colocava frente a o dele. - Me chamo Jibril, eu vou ser a parceira de vocês nessa missão de agora, é algo simples.- e nesse momento ela mostrava o que estava no mapa que era a área e também o que estava escrito por trás desse. - Bem basicamente é essa nossa missão.-  falava enquanto rodava ao redor dele olhando ele de cima a baixo sempre perto demais do mesmo como se pra ela fosse normal, estar assim, e de fato era. Mas assim que terminava de mostrar as coisas da missão, corria rapidamente voltando com 6 sinalizadores, e entregando um pra cada um. Ela pegava novamente a pequena de cabelos brancos pela mão enquanto caminhava em direção ao lugar que ela queria mostrar. - Bem estão todos prontos? vamos pra area demarcada agora então certo?-  

~Shinsuke~


O garoto explode e queima tudo ficava na sala resmungando enquanto Hana saia da sala com um sorriso no rosto e fazendo piada dele que parecia ter um pavio bem mais curto que o normal para aguardar coisas, nem que fossem alguns minutos. Zed ficava esperando que algo acontecesse enquanto pensava em coisas pegando fogo, coisa que o rapaz gostava muito de fazer e nem ele sabia direito o porquê, mas parecia ter uma necessidade constante de realizar essas coisas piromaníacas malucas que até alguns dos mais perigosos piratas não faziam aleatoriamente. Ele poderia se encrencar se alguém com bom senso percebesse sua insanidade latente.

Até que na sala entrava a mulher de cabelos rosas, nada mais nada menos que Six, a mulher que havia derrotado o rapaz sem usar nada mais que dois dedos falando sobre os homens que trabalhavam para Crasus. Zed então falava sobre se empolgar com os revolucionários que estavam a solta e querer enfrentá-los, nesse momento, Six pegava um cigarro e o acendia encarando Zed nos olhos com um sorriso malicioso e falando com certo escárnio para o rapaz.

- Vai demorar um tempo ainda até que seja feita a escolta de Crasus. Na verdade, pensando agora, acho que tem uma missão que poderia te interessar, estaremos transportando alguns civis para a Grand Line, não sei se tem interesse em ir para aquele mar amaldiçoado… De toda forma, tenho que ir agora, fale com Cruzis. -

A mulher de cabelos rosa falava e parava pensando no que havia dito, isso logo após dar uma forte tragada em seu cigarro, jogá-lo fora e acender outro, dessa vez, sem preocupações e mais séria em relação ao que dizia. Nesse momento, ela saia do lugar com pressa, parecia que tinha algo para fazer em outro lugar, pois sua tremedeira nas mãos não parava, além de seu pé que havia começado a bater no chão enquanto conversava com Zed.

Não demorava nada até Zed sair da sala olhando de um lado para o outro, nesse caminho não via ninguém conhecido, apenas alguns marinheiros limpando o chão e janelas, até que em um momento de distração  quando subia um lance de escadas procurando por ela e olhava para dentro de uma sala que ficava no andar de onde estava saindo, ele batia a cabeça em algo macio, frio e cheiroso, quando se deu conta, não era ninguém mais, ninguém menos que Hana que descia as escadas, ela falava ao mesmo tempo sorrindo e com um tom afetuoso para ele que só percebeu que havia batido nela quando ouviu sua voz.

- E eu achando que você só gostava de fogo e explosões... Então é disso que você gosta... Hahaha. -

Era nesse momento que o rapaz percebia que havia algo melecado e gosmento em sua cara, ela carregava um pudim repleto de melaço que acabou virando no rosto de Zed com o impacto. Hana não conseguia se segurar e colocava a mão na frente da boca dando um riso até que baixo diante da situação, ela então oferecia para ele um lenço falando ainda rindo um pouco.

- Vamos... Haha... Se limpe... Hahaha... Consegui uma ótima missão para gente. Vamos falar com o Cruzis! –

Eles se dirigiram ao Cruzis que ficava subindo pela escadaria por onde Zed já se dirigia e passando por um corredor longo, lá havia uma porta já aberta que levava a uma sala.

- Entrem! –

Entrando lá, viam um homem sentado escrevendo em alguns documentos com uma pena olhando fixamente pelos papéis que iam sendo passados um após o outro. Ele tinha um longo rabo de cavalo preto saindo de seu boné da marinha, usava óculos escuros, uma farda da marinha com algumas medalhas e estava com manoplas em forma de leão sobre seus ombros, penduradas em seu pescoço. Passavam-se alguns segundos após Zed falar com ele, ele então amontoava os papéis, os deixando em cima de uma pilha que já estava em sua escrivaninha, olhava para o rapaz firmemente diretamente em seus olhos, estando bastante centrado e sério em relação à situação, não demorava até que começasse a falar com um tom bastante imponente, durante sua fala, colocava um mapa em sua mesa e apontava para uma região circulada.

- Olá, então você é o homem que perdeu para Six? Não me admira, ela tem uma força até que considerável. Bem, a garota disse que vocês queriam uma missão, tenho algo para vocês, eu estava mesmo procurando por alguém para colocar à frente disso. -

- Basicamente, quero que vocês protejam esse lugar indicado no mapa, alguns furtos aconteceram nesse lugar em especial e mais recentemente, um assassinato, por isso quero que façam uma patrulha constante aqui e não deixem que nenhum crime ocorra. Com isso, tenho certeza que a insegurança das pessoas vai passar, o principal é que fiquem à mostra e passem uma sensação de segurança para a população. -

O homem encarava os dois por mais algum tempo aguardando para ver se falariam alguma coisa, se não falassem, ele voltaria a escrever em outra pilha de papéis, nesse tempo, Hana puxaria Zed pelo braço para guiá-lo para a saída daquele lugar. Ambos iam saindo do quartel general sem que ninguém os interrompesse, aparentemente seria só mais uma simples missão para eles. Mas Hana na saída do lugar, quando dão de cara para rua, solta uma frase bastante diferenciada com um grande sorriso.

- Sinto que essa missão vai ser bastante divertida. -


Eae:
 
Voltar ao Topo Ir em baixo
GM.Doodles
Game Master
Game Master
GM.Doodles

Créditos : 99
Warn : Tróia - Parte 3 - Pandemonium - Página 4 10010
Masculino Data de inscrição : 08/08/2017
Idade : 25

Tróia - Parte 3 - Pandemonium - Página 4 Empty
MensagemAssunto: Re: Tróia - Parte 3 - Pandemonium   Tróia - Parte 3 - Pandemonium - Página 4 EmptyQui 21 Jun 2018, 03:48

Livro 2
Capítulo 5 - Cruzisficando


Logo depois que Six lhe disse para procurar pelo tal de Cruzis, o espadachim saiu às pressas daquele maldito quartinho para então procurar não só por Hana, mas também por esse homem cujo nome era muito esquisito, puta que pariu, quem é que dá o nome do filho de Cruzis? Talvez seja um nome dado aos deuses para indicar que talvez o caminho deles se cruzis. A garota de cabelos rosas não lhe disse onde poderia encontrá-lo, mas Zed também não ficou lá para perguntar, pois como já sabemos, o rapaz estava com muita vontade de queimar alguma coisa e isso começou a torná-lo mais impaciente do que normalmente ele é.

Passaria primeiro pela cozinha só pra verificar se esse tal de Cruzis não era na verdade um Cruzinheiro, assim como também poderia conferir se Hana não estava por lá, visto que praticamente foi a comida que lhes tornou tão próximos, era justo tentar encontrá-la onde a preparamos. “Se ela não estiver no refeitório é possível que ainda esteja pegando a nossa missão”, pensou ele enquanto caminhava em direção as escadas para subir até o andar superior. Enquanto seus pés iam alternando pelos degraus, Zed não conseguia tirar da cabeça o nome Cruzis, queria tentar descobrir por conta própria um bom motivo para tal nome existir, por isso cogitou ali que talvez o homem fosse um padre e andasse com várias Cruzis… É, não tem como não ser isso, Zed havia matado a charada!

Distraído em seus próprios pensamentos, o espadachim não se deu conta de que enquanto subia as escadas acabaria por trombar com ninguém menos do que Hana, ela estava descendo e ele subindo, por isso quando seus corpos se chocaram Zed não teve tempo para desviar ou sequer perceber o lugar onde seu rosto estava sendo enfiado, o que era muito estranho, pois até então desconhecia que alguma parte do corpo da marinheira pudesse ter uma textura tão macia e cheirosa, foi quando o seu instinto já no limite da impulsividade e incapaz de resistir a tal desejo, gritou: morde essa coisa gostosa! E foi exatamente o que o loiro fez, abocanhando aquilo de Hana que seu rosto estava a tocar, ainda que fazer isso sem a permissão dela seja algo muito desrespeitoso, agora já era tarde, sua língua encontrava-se enlouquecida dentro de sua boca devido ao doce sabor que aquilo carregava, por isso ficava a chupar o que abocanhou para que todo esse doce gelado se espalhe ainda mais pela sua língua antes de engolir a sua saliva agora adocicada. E o mais incrível é que parecia ser grande, podia ser só impressão, mas talvez mesmo tentando agarrar com uma das mãos ainda não seria suficiente para cobrir aquilo por completo, este que por sinal estava gelado, mas tudo ao redor estava, não é mesmo?.E até para Zed, um fã do calor e do fogo, aquilo era gostoso o suficiente para fazê-lo querer enfiar ainda mais a cara, e o pior é que ele não podia lembrar que aquilo lhe fazia lembrar de Callie, pois quando estavam juntos chegavam a ficar horas fazendo isso… Afinal pudim era a sobremesa preferida dela, e por isso Zed acabou aprendendo a gostar de comer.

Com o rosto todo melecado de pudim, porém muito feliz em ter sem querer conseguido comer esse doce que para ele era tão nostálgico, ainda que parte dessas memórias gustativas lhe fizessem lembrar muito dela e saber que nunca mais poderia repetir tais momentos com ela, Zed não fazia com que isso o deixasse de valorizar aquilo que já haviam vivido juntos, e por incrível que pareça ele não se enfureceu por ter tido o azar de se sujar, na verdade foi justamente o contrário, o ocorrido até fez com que o espadachim ficasse mais calmo e esquecesse por um momento o seu desejo compulsivo pela incineração.

- Apenas teve a sorte de acertar no meu doce… - Responderia o loiro aceitando o pano que a garota lhe entregava para poder limpar o rosto. Então ela dava mais umas risadas por causa do que havia acabado de acontecer e falava sobre irem até o Cruzis onde ela havia conseguido uma boa missão para eles. - Era ele mesmo que eu tava procurando!

E com Hana dizendo isso, Zed acabaria por lembrar da caralha do nome desse infeliz e voltaria a se perguntar mais um pouco sobre o nome dele antes de chegarem a sua sala. Batendo o olho no tal Cruzis o loiro logo perceberia duas coisas, a primeira dela era que ele era seu superior em patente (como se fosse muito difícil né) e muito provavelmente o responsável pelo QG, já que era quem estava assinando papéis e entregando missões para os marinheiros. Ok, de certa forma era óbvio pensar que seria essa a função dele, mas foi muito mais legal imaginar que seu nome era devido a ele ser um padre cruzinheiro que carrega muitas cruzis. De qualquer forma ainda restava saber se por algum acaso seu primeiro nome era Tom...

- CRUZIS! - Berrou Zed meio que sem querer, ele havia tomado um susto, e aí estava a segunda coisa que ele rapidamente percebeu ao olhar para o homem. - Que cara feio da porra, já entendi porque lhe deram esse nome. - Pensaria o rapaz que certamente não era louco de dizer isso na frente do seu superior, que na visão do loiro era alguém bastante feio. Por ter gritado o nome do tenente em voz alta, era óbvio que ele iria acabar olhando em sua direção, por isso Zed rapidamente fez uma continência em sinal de respeito. - Bom dia, senhor! Vim ouvir a respeito da missão que a minha parceira, a soldado Hana, veio há pouco pegar para nós dois.

“Perdi pra Six? Que??????? Mas que porra é essa? Eu nem estava lutando contra ela! Se tivesse prestando atenção o resultado não seria o mesmo, grrrrrrr! Quem foi o filho da puta que espalhou esses boatos mentirosos!?” Tal pensamento de puro ódio acabaria distraindo Zed por um momento, visto que por um instante ele já estava imaginando a sua mão fechada dando um soco na cara de Cruzis enquanto todo o escritório dele pega fogo, mas tão rápido quanto ele veio, o espadachim conseguia fazê-lo ir embora para se concentrar no que o tenente explicava sobre a missão que iriam receber.

Na conclusão de Zed essa acabaria sendo uma missão bastante simples, ainda que não a considerasse chata, pois patrulhar uma região era algo que ele até então não fizera e tinha uma grande curiosidade em saber como seria ficar andando pelas ruas da cidade com as vestes de marinheiro a mostra e tendo todos o civis ao redor confiando em você para protegê-los, o que tornaria Zed a representação de um símbolo da paz e segurança…………. KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK.

- Desculpe perguntar, mas eu não conheço a cidade, e acredito que a Hana também não, mesmo tendo um mapa dizendo como podemos chegar na região da missão, ela é pequena o bastante para apenas dois marinheiros darem conta de patrulhar durante o dia?

Depois que a pergunta fosse respondida, Zed faria uma pequena reverência com a cabeça e se retiraria da sala junto de Hana para já poderem ir em direção ao local indicado no mapa que lhes foi entregue, ou para algum outro lugar caso este seja mencionado por Cruzis ou até mesmo por Hana para que eles seguissem primeiro, mas poderia o tenente estar enviando os marinheiros para patrulhar uma enCruzislhada?.

Assim que chegassem ao lugar que deveriam patrulhar, o espadachim encheria o peito respirando fundo e fitaria os arredores para analisar se estava tudo sobre controle. Seus olhos vermelhos e sua cara de poucos amigos poderiam ser o suficiente para assustar alguns civis menos corajosos, ou até mesmo alguns outros marinheiros menos experientes que ele que pudessem estar por ali, mas isso já é um pouco mais difícil, visto que Zed ainda é um recém formado soldado.

Mesmo que ainda esteja na mais baixa patente da Marinha, o loiro havia recebido a missão de Cruzis para patrulhar aquela área, portanto se chegasse lá e visse outros marinheiros fazendo aquilo que deveria ser o seu trabalho, a raiva que se manifestaria no interior do espadachim explodiria de forma intensa como uma granada, ainda que parte desse sentimento fosse medo de acabar ficando de fora dos créditos da missão.

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

- MAS QUE PORRA VOCÊS PENSAM QUE ESTÃO FAZENDO NA MINHA ÁREA? - Gritaria para eles tentando de alguma forma mostrar sua autoridade, mesmo que ela não exista, já que ele ainda é apenas um mero soldado.

Se a área onde Zed e Hana chegassem primeiro fosse a mesma em que uma marinheira de baixa estatura e cabelos brancos estava a patrulhar, então a reação do loiro na sequência ao seu grito inicial acabaria sendo um pouco diferente. A primeiro momento, soldado Explode-E-Queima-Tudo não iria reparar na presença dela, mas caso a garota se aproximasse dele para se apresentar ou justificar o motivo por ela e seu grupo estarem por ali, Zed assim que batesse os olhos nela perderia parte do seu ar autoritário e seus olhos intimidadores tremeriam por um breve momento, muito breve mesmo, pois logo seus punhos se fechariam em um sinal de agressividade, assim como sua testa se enrugaria em uma expressão brava. Se a garota lhe estendesse a mão para um possível aperto amigável, o loiro a empurraria com as costas dos dedos, negando o cumprimento da garota de uma forma grosseira.

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

- Só tente não me atrapalhar. - Diria sem nem ao menos olhar mais para a garota, seguindo em uma direção qualquer onde iria patrulhar sozinho, deixando até mesmo Hana para trás, portanto caberia a ela os pedidos de desculpas e possíveis apresentações.

A verdade por trás dessa raiva de Zed viria da cor do cabelo daquela marinheira, aqueles fios de coloração branca lhe fariam lembrar de Callie, mesmo que toda a personalidade e o restante da aparência física entre as duas não se assemelhasse em nada, exceto talvez pela inofensividade que ambas passavam. “Como ela ousa aparecer diante de mim com esse cabelo? Seria uma forma dos deuses de me provocar?” Era a primeira vez desde que a perdera que o espadachim encontrava alguém que tivesse uma cor de cabelo tão semelhante a dela, na realidade, essa era a segunda pessoa que ele conhecera em toda sua vida que tem os cabelos dessa cor, por isso algo dentro dele até então associava aquilo como algo exclusivo de Callie.

Tentando esquecer o que havia acabado de acontecer e voltar a se concentrar na missão que deveria fazer, Zed procuraria algum lugar que fosse um pouco mais elevado para poder subir e ter uma visão maior do campo onde estava patrulhando, mas não apenas por isso, mas também porque ele queria dizer algumas palavras. Caso não encontrasse nenhum lugar para subir, nem que fosse algo com alguns centímetros a mais de altura, o marinheiro começaria a falar do chão mesmo.

- ATENÇÃO! - Gritaria ele primeiramente para que todos que estivessem por perto, fossem civis ou marinheiros conseguissem ouvir. - Meu nome é Zed e eu sou o marinheiro responsável pela segurança dessa merda aqui, portanto, se eu ver algum desgraçado causando confusão nessa porra, farei com que a ira dos deuses caia sobre ele! - Nesse momento tentaria abusar dos seus olhos vermelhos e intimidação para olhar na direção de algum civil que tenha cara de idiota e possa se assustar, então puxaria a espada das costas e enfiaria a ponta dela no chão para finalizar seu discurso. - E aí é bom rezar bastante para que continue vivo até os médicos chegarem.

Após o espadachim dar as suas palavras para a população, talvez o clima que iria pairar sobre aquelas ruas pudesse permanecer tranquilo, pois sua intenção era fazer com que ninguém tivesse a coragem de desafiar as suas palavras e trazer o caos para aquela região. O que normalmente o povo pensa a respeito da Marinha é que ela deve trazer a segurança para as pessoas através da efetividade de seus marinheiros e da força que eles têm para acabar com as ameaças, mas Zed pensava de uma maneira diferente, para ele a segurança só existirá se aqueles que podem vir a ser uma ameaça tiverem medo da sua presença, se tiverem medo da Marinha e de seus marinheiros e por isso não trarão problemas as áreas onde eles estão...Pois apenas o medo é capaz de trazer a verdadeira paz.

Comentário:
 

Histórico:
 

Objetivos:
 


____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
(Link da ficha na imagem)


Última edição por Shinsuke em Seg 25 Jun 2018, 16:12, editado 3 vez(es)
Voltar ao Topo Ir em baixo
GM.Alipheese
Comodoro
Comodoro
GM.Alipheese

Créditos : 56
Warn : Tróia - Parte 3 - Pandemonium - Página 4 10010
Feminino Data de inscrição : 31/03/2013
Idade : 26
Localização : Olympo- 5ª Rota

Tróia - Parte 3 - Pandemonium - Página 4 Empty
MensagemAssunto: Re: Tróia - Parte 3 - Pandemonium   Tróia - Parte 3 - Pandemonium - Página 4 EmptySab 23 Jun 2018, 20:46

O caminho para a paz



Os pensamentos de Alipheese ainda estavam embaralhados, seus sentimentos nunca foram ali mais confusos e as sensações nunca foram tão únicas. Havia ali se entregado ao forte sentimento que começou a incendiar de forma intensa em seu coração e ao fazer isso, havia se colocado na posição mais vulnerável possível em relação a outra pessoa e isso não era fácil, havia ali dado o seu primeiro beijo. Havia sentido certa aceitação por parte da celestial e frente ao seu pedido, se focaria na sensação que o calor das mãos dela poderiam lhe trazer, fazendo deste, um alicerce para que pudesse lidar melhor com aquela situação, suas mãos eram provavelmente menores do que a da celestial e isso faria com que fosse fácil para que ela pudesse envolvê-la completamente, ainda que estivesse sofrendo um pouco e sentindo sensações pelo corpo ao qual nunca havia sentido, o sentimento de felicidade quando ela elogiou suas pequenas mãos havia a invadido com intensidade, a fazendo levantar levemente o seu queixo na direção da celestial e ali, tentou manter-se firme no olhar, no entanto não conseguiria aguentar a pressão ali por muito tempo e acabaria desviando o olhar, seu rosto continuava vermelho como um pimentão e a sua respiração continuava acelerada, teve vontade de retribuir o elogio, seus lábios chegaram a tremer levemente mas as palavras não saiam, quase como se lhe faltasse o fôlego necessário. Aquelas eram emoções que ela nunca vivenciou e tudo que ali havia acontecido ainda era difícil de lidar, ainda assim, quando enfim saíram da forja na direção da sala do superior do Qg, havia tentado respirar de forma profunda e manter a compostura, por mais que os efeitos do veneno ao qual havia tomado já tivessem o efeito aliviado nesse momento, era muito para sua cabeça lidar.

Independente de qual fosse esse sentimento ao qual a garota recusava-se a deixar-se levar para a referência mais próxima do que ela tinha por completo, por medo e por falta de experiência, ela parecia ter sido aceita pela celestial, talvez não de uma forma tão pura quanto só ela era capaz de demonstrar mas, para Alipheese naquele momento, não havia alegria maior. Ouviria o que tanto seu superior, quanto Lynn ali poderiam ter dito  e manteve a compostura, pensando em como era importante a missão que tinham, talvez isso pudesse a levar para um lado de sua mente mais sonhador e distante e havia determinação em seu pensamento.

“ Essa seria minha primeira missão como uma marinheira… Eu estou super ansiosa para poder ir e ajudar as pessoas, talvez não pareça muito mas, eu imagino como deva ser sentir-se impotente frente a criminalidade, mesmo que não seja uma ameaça como o que aconteceu em Shells Town, é importante para o coração das pessoas, assim como para que a própria ilha possa manter-se bem que a população possa ter a sua confiança depositada na marinha… Talvez muitos pudessem se focar como se apenas a captura do homem fosse algo importante mas, esse homem tem uma preocupação que me agrada, ou melhor que bate bem com os meus ideais,  é importante que o mal seja eliminado ou restrito mas, acima disso devo olhar para as pessoas que precisam de proteção… Eu espero que não seja necessário um combate, uma missão tranquila não me faria mal após o terror que passei em Shells town… Talvez seja muito difícil para que eu tenha coragem e tente acalmar o coração das pessoas mas, eu quero ser vista como um símbolo da paz e como eu faria isso, se eu não puder trazer a calma para quem tem medo? Mesmo que eu ainda precise trabalhar a minha confiança… Vou dar tudo de mim.”


Talvez até mesmo por estar distante em seus pensamentos não tenha conseguido prestar muita atenção no que a celestial ali havia feito ao provocar o  tenente e naquele momento havia sido algo bom para a sua cabeça, talvez o sentimento ruim pudesse ali teria invadido novamente, e ela definitivamente não gostava de cultivar esse tipo de sentimento dentro de si. Cruzis havia permitido que ela buscasse a Drake, havia também uma informação que era muito importante, eles teriam sinalizadores, algo ao qual a garota estava curiosa para poder ver um de perto em suas mãos, ainda mais agora que poderia entender o conceito por trás da munição que um carregava, eram estes pequenos detalhes que a chamariam atenção, no entanto não havia algo que pudessem usar para restrição e talvez em meio a uma população já assustada, não fosse o caminho ideal espalhar mais sangue pelas ruas.


Em meio ao seu pedido a Jibril, ficaria feliz de que ela pudesse aceitar guiá-los, não tinha o conhecimento da área e talvez sua inocência a tivesse levado a sequer pensar no que suas palavras poderiam soar aos ouvidos da celestial,  o modo de a chamar como fofinha era algo que talvez tivesse resistência a gostar totalmente mas, aos poucos tornava-se mais gostoso de ouvir, ainda mais quando se considerava a pessoa. Ela havia estendido a sua mão e ainda que em um primeiro momento o nervosismo parecesse querer voltar a tona, ela levantaria de forma trêmula e delicada a mão que lhe fosse correspondente levantar, como a diferença entre suas alturas era grande, a garota precisaria se aproximar um pouco mais para que a celestial não tivesse de abaixar a própria postura para segurar a sua mão, a sensação que havia ali em segurar a sua mão era completamente única, talvez se perguntada não soubesse como responder apropriadamente o que era, mas aquilo a deixou feliz, de uma forma incrível. Não havia a certeza de quanto tempo aquilo poderia durar e isso talvez tivesse impulsionado a garota a ousar um pouco ao tentar entrelaçar melhor os seus pequenos e delicados dedos na mão da celestial, seu rosto no entanto não era capaz de olhar para cima para que pudesse ver qual seria a reação da marinheira de cabelos rosa devido ao constrangimento e ao fato de não saber exatamente como poderia lidar com aquilo de outra forma.

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

Não levaria muito pela perspectiva da garota até que pudessem chegar, muito provavelmente por ter se focado muito mais em continuar andando e não trombar em ninguém, enquanto andava com as mãos dadas, talvez romantizasse muito a idéia de segurar a mão de alguém e estava tudo bem, que ela fosse uma garota, era diferente e estranho mas havia algum sentido em colocar uma barreira maior do que a sua própria dificuldade em entender a si mesma, ao que acontecia ao seu redor e a tudo que lhe cercava? A resposta não poderia ser positiva e talvez isso pudesse influenciar em como seria o comportamento da garota em relação ao que se passava, ao chegar na sala de treinamento, seus olhos acabariam passeando e absorvendo o máximo de informação possível, sem dúvidas poderia ser um lugar muito diferente, toda a estrutura até então havia de certo modo feito com que ela acreditasse que a unicidade de um padrão entre os QGS se limitava a algumas características e isso em sua cabeça fazia sentido, já que até mesmo as pessoas que lideravam ambos os Qgs eram pessoas diferentes, afinal, houve uma preocupação em relação a população para além da captura de quem causava o estrago e ela sentiu que talvez pudesse ter uma satisfação maior ao realizar essa missão que poderia conectá-la melhor  a um dos motivos de ela ter entrado na marinha. Não podia deixar de esquecer da primeira vez que sentiu que fez a diferença na vida de alguém, quando conseguiu guiar aquela pequena menina perdida e trazer a ela a segurança em seu coração de que tudo correria bem, desde que pudessem alcançar o Qg da marinha, o sorriso puro de gratidão de quem poderia mais um dia viver ao lado de sua família era algo que dentro de tudo o que passou até ali, valeu muito mais do que o próprio dinheiro que recebeu pela captura dos tritões, apesar de sua memória lembrar daquele cenário muito mais como um campo de guerra do que algo bonito, a realidade não era sempre tão gentil.

Uma vez que tivesse pego um dos sinalizadores com Jibril, focava-se em olhar bem como funcionava e no caso de haver uma trava de segurança para evitar disparos surpresa respiraria fundo com o intuito de dar a instrução.

-Não esqueçam de ativar a trava de segurança, caso ela estiver destravada… É um movimento simples com as mãos e para destravar é apenas fazer o movimento contrário… Apontem sempre para cima no caso de houver alguma necessidade de precisarmos de pedir reforços… Vocês já passaram pelo inferno junto a mim em Shells town, mesmo que seja uma missão mais simples, vamos fazer com que tudo dê certo…

A voz da garota dentro do que era possível era calma e passava uma gentileza muito grande, havia uma preocupação notável em suas palavras mas, em momento algum era provável que alguém se sentisse diminuído por suas palavras, era um lado mais protetor da garota que ali agia, enquanto falava com a trava, caso existisse uma ela faria o demonstrativo, uma duas ou quantas vezes fossem necessárias para que eles pudessem entender como funcionava, tendo a certeza de que todos estariam em segurança, caso não houvesse uma, suas palavras em relação às instruções e até mesmo a “ motivação” seriam as mesmas. Caso algum dos rapazes não quisesse a responsabilidade de ter um sinalizador, pelo medo de não saber manusear apropriadamente, guardaria consigo se não fosse um problema, junto do atual em algum espaço livre que houvesse no coldre que vestia, não antes de ativar a trava de segurança caso houvesse uma e tentar sorrir em resposta pela decisão. Talvez por estar tão focada na missão, sequer havia notado que a celestial já havia rondado Drake ou mesmo que ela tivesse saído para pegar os sinalizadores, algo que não era comum de seu comportamento e isso talvez viesse pela responsabilidade que ela sentia de querer com que a missão corresse da melhor forma, e por gostar muito do seu próprio ofício, qualquer conhecimento que pudesse ser relevante a ser passado, a fazia sentir certo orgulho de si mesma em poder contribuir.

Uma vez que Jibril tivesse pego a sua mão dessa vez, antes que pudesse entrelaçar seus dedos por completo, um pensamento anterior ao qual para ela havia sido relevante precisava ser colocado para fora, antes que pudessem sair do QG, ela respirava fundo, olhando na direção da celestial, seus olhos vermelhos tinham suas pupilas levemente dilatadas  e o seu coração acelerava um pouco, mas não o suficiente para que o seu foco pudesse diminuir.

-J-Jibril, não quero atrasar a missão… Mas… Talvez seja presunçoso assumir isso mas… Caso for necessário o combate… Eu não acho que fará bem a população que apenas possamos derramar sangue...  Haveria a possibilidade do QG ter algo que pudéssemos usar para restringir algum possível baderneiro? Acredito que muito mais do que chocar a população com mais um corpo… Como precisamos passar segurança trazer conosco e mostrar que a justiça funciona… Ao capturar talvez fosse algo bom para todos… Talvez seja um pensamento meio bobo mas… Mas… Se houver algo do tipo, você poderia conseguir para que possamos prosseguir?

A voz de Alipheese tentava se manter calma e apesar das diversas pausas para que pudesse respirar, talvez inspirasse a seriedade em suas palavras, por mais que sua voz não fosse muito alta e gentil aos ouvidos quase como um sussurro se houvesse a possibilidade por parte dela lhe trazer algo  do tipo para que pudessem ir melhor equipados para a missão, seria extremamente grata, fossem algemas ou mesmo corda, tentaria levar consigo da melhor forma possível, guardando as chaves para algemas, caso houvesse alguma ou tentando armazenar a corda de algum modo que não pudesse atrapalhar.

Uma vez que estivesse tudo certo, não havia motivo para que ela pudesse ficar ali por mais tempo, a passos tímidos, tentou andar com uma postura ereta e segurando de uma forma que fosse segura sua nova arma com a outra mão a mantendo próxima do corpo, durante o caminho, caso houvesse alguma sugestão pela parte dos companheiros durante o caminho que pudesse lhe ser relevante, era bem provável que caso eles fossem trabalhar de forma democrática que sua resposta fosse positiva, não era uma área muito grande e a idéia de separar e conquistar não lhe era estranha, apesar de talvez achar um pouco desnecessária, no caso de  Lynn sugerir algo como duplas, caso não fosse lhe interromper ela gostaria de apresentar uma solução que talvez não se esperasse dela.

-.. L-Lynn, se possível eu gostaria de caso adotemos essa linha de ação, de ir em dupla com o Drake… Você e eu trabalhamos bem juntos e eu confio que talvez seja bom para que você e Jibril possam trabalhar também juntos… O motivo? Bom… Ainda que todos estivessemos no campo de batalha, eu não pude perceber como Drake agiria, tudo que eu sei é… E...Ele é respeitoso comigo e como  ele acabou de passar pelas etapas de admissão, talvez seja melhor que ele possa ir com alguém que esteja disposto a cobrir uma área maior em uma divisão desigual e… Se alguém teria de trabalhar mais, se não incomodar vocês, eu gostaria de ser essa pessoa…

Ao falar, ela tentou falar da forma mais audível que sua voz poderia alcançar sem que pudesse ser descortês e todos pudessem ouvir, em momento algum buscaria fazer com que Drake pudesse sentir-se um peso por estar mais cansado devido ao esforço físico, ao mesmo tempo que depositaria através de sua voz e de suas palavras confiança de que Lynn poderia também trabalhar em uma posição em que de certa forma ela pudesse ter uma maior confiança em Jibril, dentro do campo de trabalho, seus sentimentos, por serem muito bonitos talvez não a permitissem visualizar objetivamente  e naquele momento, por se tratar de uma missão mais tranquila na teoria, queria ter certeza de fazer o seu melhor e talvez fosse difícil para ela em um primeiro momento se focar totalmente.

Caso todos pudessem aceitar a idéia de forma positiva, lhe seria benéfico pensar que havia uma certa sintonia, desse modo, era bem provável que Lynn quisesse mostrar a divisão entre os locais em que cada dupla patrulharia, era o mais lógico a se assumir, se ele fosse quem explicasse o motivo de nos separarmos. Não apresentaria objeções, desde que ambas as duplas pudessem cobrir uma área igual, não era um espaço muito grande e no pior dos casos, seria possível que  a outra dupla pudesse ajudar em caso de necessidade. A sua resposta viria por meio de um acenar de positivo na cabeça e por Lynn estar com Jibril, talvez não fosse necessário que ele carregasse o mapa, sendo assim, caso ele decidisse lhe entregar, aceitaria de bom grado lhe respondendo com educação:


-Obrigada, caso vocês precisarem de algo, estamos próximos.

Diria em um tom verdadeiramente grato, enquanto segurava com suas pequenas mãos o mapa ao qual poderia ter lhe sido entregue, talvez pela própria empolgação e até mesmo pela pressão de estar em um ambiente de trabalho, suas palavras saiam com uma espantosa naturalidade e toda a forma como seus olhos brilhavam e até mesmo como a sua empolgação era pura como o de uma criança, os olhares sobre ela poderiam vir a ser de alguém profundamente adorável.

Uma vez que a primeira dupla se afastasse, checaria o mapa e com uma das mãos, faria um sinal para que Drake se aproximasse, tentou guardar na memória o melhor que pode das instruções que haviam sido dadas e com um de seus dedos indicadores, ela usaria para explicar ao rapaz como gostaria de fazer.

-.. D-Drake, essa é a nossa área, eu imagino que você deva estar um pouco mais cansado devido ao teste de admissão… Bom… Mesmo que possamos ser uma dupla, eu pensei em agirmos em uma área próxima um do outro, mas não necessariamente juntos… Digo… Essa área maior, eu posso cobrir, eu tenho uma visão boa então… Qualquer coisa eu estarei próxima o suficiente para notar… Esta tudo bem por você? Assim você pode aproveitar e recuperar um pouco do fôlego.

Diria ela em um tom extremamente dócil e gentil, sua voz era pausada e com muitas pausas para que ela respirasse e pudesse continuar a falar, era claro que cada uma de suas palavras haviam sido muito bem pensadas, tanto no sentido estratégico, como no lado de como ela pensou nos próprios sentimentos que o garoto poderia ter em sua sugestão, pela sua gentileza era difícil que como o garoto tinha algum respeito por ela que ele pudesse negar, era algo muito benéfico aos dois. Se fosse possível que se acertassem, acenaria com a cabeça e caminharia de modo a fazer a sua ronda.

Enquanto estivesse só, ainda que segurasse agora com ambas as mãos a sua nova arma, ela estava devidamente travada e seus passos eram bem atentos para ao que havia ao seu redor, evitava trombar em pessoas e pela sua baixa estatura, crianças estariam em uma mesma altura de visão, sendo desnecessário que ela pudesse  ter de ficar olhando muito para baixo, seus olhos sempre atentos eram uma vantagem naquele local e ali ela se focaria em ver se havia a necessidade de que ela pudesse interagir de alguma forma positiva a população, caso notasse alguém preocupado, com medo ou que ela pudesse ver que a sua presença como marinheira seria positiva, após respirar fundo ela buscaria se aproximar, talvez fosse até mesmo algum parente ou conhecido da pessoa que havia sido assassinada e talvez se esse fosse o caso, a forma como seus sentimentos poderiam estar negativos em relação a insegurança, talvez estivessem no ápice.

“ Essa não é uma situação fácil de lidar, é uma cidade onde há um QG gigantesco da marinha ao qual parece ser muito bem protetor em relação a população e é muito mais fácil se entregar ao desespero, quando se vive ele de forma tão próxima, talvez eu não seja a mais forte, ou a mais heróica, minha aparência em um primeiro momento talvez faça com que seja difícil para que eu inspire alguém mais velho, ou talvez justamente por eu não parecer ameaçadora que a pessoa me permita me aproximar e falar… Bom, vou me preparar, alguém com medo ou ferido não é fácil de lidar mas… Se eu quero alcançar o meu sonho, tenho de andar por um caminho que talvez seja difícil de trilhar. O que uma  pessoa com medo ou com dor precisa? Talvez sentir-se segura, ver que o mundo não acabou e talvez um sorriso sincero seja o melhor caminho para que eu possa dar esse passo...”


Uma vez que pudesse estar próxima, caso houvesse alguém assim, lhe diria algumas palavras as quais pudessem tentar trazer paz ao coração da pessoa a sua frente, mas começar sempre era  a parte mais difícil, respiraria fundo e abriria ali um sorriso sincero e singelo de forma que pudesse ser acolhedora, sua própria feição refletiria sua empatia, não seria fácil mas, estava disposta a vencer as próprias dificuldades aos poucos.
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

-Eu sou a oficial Alipheese Fateburn, eu gostaria de informar que vocês estão seguros agora, está tudo bem… Vocês não estão mais só, a marinha está aqui.O que aconteceu aqui, não é algo que permitiremos que possa acontecer novamente… Também não é algo que poderá fazer com que não seja possível sentir a justiça, por mais que seja difícil aceitar a dor ou o medo que coisas assim podem nos transmitir... Da dor  e do medo, nasce a esperança dentro de cada um e… Eu estarei aqui, junto de todos os outros marinheiros envolvidos nessa patrulha, para que seja possível que esse sentimento ruim seja substituído pouco a pouco pela segurança… E que seja possível que a vida retorne a seguir em frente…


Alipheese talvez tivesse ali que falar com apenas uma pessoa, ou talvez um grupo de pessoas ao fazer isso e a pressão fazia com que fosse difícil para que ela pudesse alcançar a sinceridade das acolhedoras palavras que vinham de seu peito, que sairiam de uma forma extremamente gentil e carinhosa que por meio de seu timbre de voz poderia até mesmo soar como uma carícia sonora para aqueles que pudessem ouvir, não era fácil para que ela se colocasse naquela situação e isso fazia com que seus dedos pudessem se comprimir levemente como um sinal físico de nervosismo mas, o seu sorriso se manteria, assim com a sua postura, mesmo que a reação não fosse tão positiva,  qualquer um que pudesse ter lhe ouvido e sentido um pouco de paz no coração com suas palavras lhe teriam sido recompensa o suficiente. Caso fosse apenas uma pessoa e ela estivesse ao chão, por algum motivo, ofereceria sua pequena mão para ajudar a pessoa a se levantar, mesmo que não parecesse ter um porte físico muito forte, sua força física era maior do que parecia. Se houvesse a necessidade de olhar para cima para falar, tentaria o fazer e isso poderia inclusive ajudá-la a propagar melhor a sua voz, de toda forma caso a reação fosse positiva e ela realmente pudesse sentir que ali havia ajudado, uma imensa euforia correria pelo seu peito tornando o seu já acolhedor sorriso em algo muito mais belo de se ver. Talvez sua aparência não inspirasse força mas, certamente a sua boa aparência, se somada a sua inocência e aos seus ideais fortes, talvez pudessem lhe ajudar no que ela queria atingir.

Caso não houvesse mais  a necessidade de ela estar ali, fosse conversando com aquela pessoa ou com um grupo de pessoas, seguiria em frente para completar a rua ronda, sempre atenta a possíveis comportamentos estranhos e até mesmo para a possível chegada do esquadrão que viria para substituí-los em um próximo turno, não tinha noção de quanto tempo havia passado. Para o caso de cruzar com algum outro marinheiro que não fosse do grupo que pudesse ter uma abordagem mais barulhenta, era bem provável que se não estivesse em seu campo de visão que o súbito som pudesse lhe fazer quase dar um pulinho de susto, no entanto caso pudesse ver, sua reação seria menos intensa provavelmente. Se fosse indagada sobre a área de cobertura dentro da missão ou algo do tipo ou mesmo houvesse uma apresentação por parte do marinheiro, respiraria fundo e tentaria olhar a pessoa nos olhos, por mais assustadores que fossem e em sua feição, por mais que houvesse um sorriso sincero se houvesse algum medo em seu coração, talvez a pessoa pudesse perceber, assim também como a bravura de continuar. Estenderia a mão para um cumprimento para a ou as pessoas.

-E-Eu sou  a Oficial Alipheese Fateburn… Qual seria seu nome? Cruzis pediu para  patrulhar essa área para que a população possa sentir que não está sozinha em um momento em que… É realmente importante para que a Marinha possa mostrar que está tudo bem… Eu não sou a única, estou acompanhada dos oficiais, Lynn,Drake e Jibril e.. Acredito que pelo turno da tarde deve haver alguém para a troca de turnos…

A garota certamente teria de parar para respirar algumas vezes, seus olhos vermelhos tinham um brilho que era belo, de certa forma por mais que ela pudesse agora ser uma, ainda tinha um olhar inocente sobre o heroísmo ao qual para ela representavam os marinheiros e talvez este marinheiro ou estes pudessem notar essa inocência, até mesmo pela forma como ela demonstrava certo esforço, sua voz seria gentil e carinhosa. Não ligaria se a resposta fosse abrasiva ou maldosa, indicaria usando o mapa, caso estivesse consigo por onde ela estava responsável, usando o dedo indicador,  e onde estariam os demais, caso pudessem ali integrar-se ao grupo de alguma forma
Caso houvesse alguma resposta que fosse abrasiva ou houvesse a recusa,  a jovem marinheira estranharia a atitude mas, não deixaria que aquilo pudesse chateá-la de algum modo ou ficaria muito tempo pensando naquilo, mesmo  os heróis podem acordar com o pé errado.

Tentaria continuar a exercer a sua função, até que o outro grupo pudesse vir e liberá-los, visto que seria uma troca de turnos, caso houvesse combinado algum ponto de encontro, iria em direção a ele, antes que pudesse ir na direção de volta ao QG, ouviria ao que tivessem a dizer caso houvesse algo para ouvir, do contrário, no caminho de volta era possível que estivesse ali concentrada  no relatório, ao qual pela segurança de si mesma e do próprio grupo, era melhor que ela fosse a responsável por relatar algo do tipo. Por saber que aquela era uma região de potencial risco, ainda que não estivesse mais ao centro, mantinha-se atenta ao que poderia fazer no caso da pessoa responsável pelo sentimento negativo ali aparecesse em meio ao seu caminho de volta, sua arma ainda tinha a trava de segurança presente, mas a  destravaria em caso de precisar entrar em um combate. De todo modo, esperava poder seguir com o pensamento positivo em relação ao fato de poder ter ajudado uma ou mais pessoas, não seria algo tão bonito, quanto um herói que derrota um vilão mas, qual seria maior vilão do que o medo no coração de alguém que não se vê amparado? Com esse pensamento em mente, ela seguiria em frente com o mais belo dos sorrisos no rosto.




Histórico.:
 

Objetivos”:
 

Off:
 

____________________________________________________


[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Ação
Pensamento
Fala
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]


Última edição por Alipheese em Qua 27 Jun 2018, 12:52, editado 2 vez(es)
Voltar ao Topo Ir em baixo
CrowKuro
Comodoro
Comodoro
CrowKuro

Créditos : 5
Warn : Tróia - Parte 3 - Pandemonium - Página 4 10010
Masculino Data de inscrição : 24/01/2018
Idade : 26

Tróia - Parte 3 - Pandemonium - Página 4 Empty
MensagemAssunto: Re: Tróia - Parte 3 - Pandemonium   Tróia - Parte 3 - Pandemonium - Página 4 EmptyDom 24 Jun 2018, 21:00

COM TÍTULO

Após o término dos exames, Drake se via quase que completamente esgotado, seu corpo doía em todos os lugares, seus braços pareciam não ter mais forças e suas pernas ainda estavam um pouco trêmulas após tudo aquilo e sua mente ainda pesava demais com toda a cobrança que o próprio rapaz pusera sobre si mesmo, a sua indignação por ter falhado no combate contra o capitão ainda era algo que o feria psicologicamente trazendo o grande questionamento que o jovem poderia ter sobre si mesmo naquele momento.[/color]


“Será que eu sou capaz de chegar ao topo como eu almejo?”


Logo que seguia ao vestiário junto a Bruce um garoto de mechas negras se aproximava de Drake e dizia que havia gostado da forma como o garoto se movia e que algum dia o desafiaria, aquilo para o jovem mágico era algo que o fazia se sentir extremamente alegre, mesmo sem saber quem era o garoto que o dizia aquilo um leve sorriso se mostrava nos rosto que antes estaria triste dizendo ao mesmo.


- Oh, obrigado por acompanhar o espetáculo… Não vejo a hora desse dia chegar.


Após o garoto se retirar Bruce o chamava para que seguissem ao vestiário, ao entrar Bruce pegava as coisas que antes pertenciam a Drake e que seriam devolvidas naquele momento pelo jovem mágico ter passado nos exames, porém ao colocar suas mãos sobre o uniforme Drake se pegava de novo se questionando em sua cabeça se ele realmente estava seguindo o caminho correto e se realmente poderia se tornar alguém importante dentro da marinha, algum tempo se passava enquanto Drake mantinha suas mãos sobre o uniforme até que ele finalmente o segura e o tira das mãos de Bruce.


“ Não posso fraquejar agora, se eu cheguei até aqui é porque eu tenho algo a mostrar para o mundo… E além do mais, parece que encontrei um rival um pouco mais interessante... É agora que começa minha verdadeira caminhada para escrever o meu futuro.”


Após estarem saindo do vestiário, Drake se encontra com Alipheese e Lynn e a primeira coisa que Drake faz é dizer a Ali que havia sido admitido de vez como um marinheiro e logo em seguida perguntava a mesma sobre a outra pessoa que estava com os dois, e logo a estranha começava a rodear o jovem mágico de forma súbita mas como Drake estava tão cansado física e mentalmente não dava tanta importância para a pessoa que o estava rodeando e apenas a observava com seu olhar perverso e excêntrico enquanto passava a língua levemente sobre seus lábios.


- Cuidado para não achar algo que não queira…


Após a investida surpresa da mulher estranha, Drake se focava em dar atenção ao que Alipheese dizia, o jovem então se foca em ouvir todas as informações passadas por Ali naquele momento em relação a formação que iriam adotar, Drake ainda se sentia muito cansado e não recusaria a ajuda de Ali naquele momento e por mais que sentisse uma extrema fadiga não queria demonstrar ali na frente de Lynn e da outra mulher que estava junto deles, Drake acenaria com a cabeça para confirmar que aceitaria a formação junto a Ali naquele momento.


Assim que a primeira dupla se afastasse Drake enfim poderia demonstrar estar realmente em seu limite depois dos exames e então se sentaria ao lado de Ali enquanto a mesma o explicava os passos que irião seguir naquela missão, Drake acenaria com de forma positiva com a cabeça em relação ao que Ali o dizia sobre o espaço a ser cobrido e dizia seguidamente.


- Sim, se não for muito incomodo eu estou realmente quase no meu limite, esses exames foram bem pesados para dizer a verdade, mas não se preocupe, isso não vai me impedir de agir caso necessário… Bom, assim que eu recuperar o fôlego poderemos seguir se assim desejar… Ah, já ia me esquecendo, fique com o meu sinalizador… Precisarei das mãos livres caso algo aconteça e eu precise entrar em combate, deixo a parte dos tiros por sua conta pequena atiradora hahaha.


Após terem iniciado as suas patrulhas, Drake seguiria calmamente andando evitando colidir contra qualquer pessoa ou qualquer coisa que estivesse no caminho, a visão do jovem estaria sempre atento para qualquer movimentação suspeita enquanto também tentaria manter a sua visão em Alipheese mesmo que estivessem um pouco distante, para não perdê-la de vista no meio a todas aquelas pessoas, já que a mesma era bem pequena.


Drake evitaria qualquer tipo de aproximação com os civis para que isso não o tirasse o foco de seu patrulhamento enquanto não só observava o público em si mas também tudo o que tinha a sua volta, como barracas e lojas.
Enquanto seguia a sua patrulha, a mente de Drake ainda pensava no possível rival que poderia ter no futuro e se conseguiria corresponder a tal possível expectativa que o garoto de tranças negras poderia ter pelo jovem mágico, porém tudo isso era algo que se passava na cabeça do jovem não o deixando desatento ao que acontecia à sua volta.


Um certo tempo depois de Drake estar em sua ronda, o jovem sente os efeitos do exame cobrarem mais ainda o seu corpo, o jovem mágico se via um tanto sem ar e com dores ainda em seu abdômen, Drake se aproximaria de uma parede ou algo que pudesse se encostar e então tentaria recuperar seu fôlego e diminuir a dor em seu abdômen, mesmo que Alipheese estivesse cobrindo uma área maior na patrulha para ajudá-lo os efeitos de todo aquele esforço físico ainda o cobravam intensamente.


“ Mais que droga, nunca iria imaginar que esses exames exigiriam tanto assim de mim… Talvez isso seja bom para eu aprender a estar sempre em forma e a espera de que algo alguma hora possa ser um pouco mais puxado que o normal… Enfim, agora eu preciso me focar na minha ronda para não deixar que nada passe despercebido e eu também não quero deixar toda a carga pra pequena Ali.”


O jovem se manteria o foco apesar de encostado para respirar, sua função ali era prevenir qualquer que fosse o problema que a população pudesse ter, claro se estivesse a seu alcance, Drake após um curto período de tempo parado para se recuperar, se ergueria novamente e continuaria com sua patrulha indo possivelmente em direção a Ali para completar a área de patrulhamento se encontrando com a mesma.



Histórico:
 



PLAYERS:
 

PLAYERS:
 

PLAYERS:
 



NPC's Importantes:
 



NPC's Criados:
 



Ferimentos:
 


Objetivo:
 

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

Pensamento
Fala
Extras

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]


Última edição por CrowKuro em Sex 06 Jul 2018, 18:09, editado 1 vez(es) (Razão : Adicionar Template)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Achiles
Sargento
Sargento
Achiles

Créditos : 47
Warn : Tróia - Parte 3 - Pandemonium - Página 4 10010
Masculino Data de inscrição : 01/09/2017
Localização : The Wonderful Land - 1º Rota

Tróia - Parte 3 - Pandemonium - Página 4 Empty
MensagemAssunto: Re: Tróia - Parte 3 - Pandemonium   Tróia - Parte 3 - Pandemonium - Página 4 EmptySeg 25 Jun 2018, 02:00



Tróia - Parte 3
Pandemonium


O clima de treinar era cada vez melhor, era uma das coisas que eu mais gostava, sentir o calor no meu corpo aquecendo, a adrenalina que pulsava do meu coração para todo o meu corpo e a vontade de querer socar cada vez mais forte a todo momento em que percebia a minha força se tornando cada vez mais gradativa. Meus olhos fixados em meus alvos, dos golpes mais simples à tentativa de mais complexos, em todo o momento focado em apenas uma única coisa: Melhorar. Meu lado esquerdo nunca foi dos mais fortes e aquele era o objetivo daquele treinamento, não havia nada melhor do que praticar para estar cada vez melhor, me tornar um lutador superior do que qualquer um e quando um inimigo como Crasus aparecesse em meu caminho outra vez, ele fosse apenas um saco de pancada onde nenhum perigo viria do mesmo. Como um lobo, atacava da maneira mais selvagem que conseguisse e parecia ter sucesso da maioria das minhas tentativas e isso era gratificante.

One estava a me observar a todo momento, me alertava sobre o joão bobo, mas aquele mísero boneco não me impediria de descontar toda a minha raiva sobre ele, maldito seja o criador desse ser e a nossa luta era travada mais uma vez, sua força havia aumentado acompanhado de a minha e o embate ficava cada vez mais emocionante e a melhor parte estava por fim, após um breve descanso, era a hora da minha luta mano a mano contra a garota, mas eu estava muito enganado se pensava que aquilo seria apenas mais um dia de treinamento como qualquer outro. A luta começava como qualquer outra, eu me mexendo mais do que ela, mas o jeito que ela reagia era diferente, sua maneira de lutar mudava completamente e ela me acertava mais do que conseguia contar naquele pouco espaço de tempo, meu golpe novo havia falhado e ela estava por cima de mim, antes mesmo de eu conseguir bloquear de qualquer golpe, um soco seu vinha em meu peito e uma gota gelada e molhada caia sobre o meu rosto. Seus socos continuavam, um mais fraco que o outro, não haviam força naqueles golpes, eram golpes de tristeza misturada com uma emoção distinta da qual não conseguia reagir na hora.

Seu rosto apoiava-se sobre o meu peito e suas mãos iam junto a ele, não havia uma reação específica para aquele momento e um olhar triste era para um determinado e quando percebia, ela estava me perguntando sobre a noite passada, o porquê de eu não ter feito nada, sem perder tempo, tentava responder. - Nós estávamos no QG, eu não consegui identificar bem os sinais e não queria estragar o momento te deixando constrangida ou com ódio de mim. – E antes que ela pudesse entender o que eu havia dito, ela me beijava, seus lábios tocando aos meus e a boa sensação, era diferente dos beijos que estava acostumado a ter, ela não parecia saber bem o que fazer, mas era gostoso e diferente do que qualquer outra coisa, mesmo querendo continuar, era parava por um momento e eu entendia o porquê de ser diferente, o primeiro beijo de One. - Foi ótimo e eu quero mais! – Não perderia tempo, eu havia gostado da iniciativa que a garota havia tido, de todas as vezes, esta era a única que uma garota se aproximava dessa forma e eu tentaria encaixar minha mão em sua nuca, puxando-a para perto e fazendo daquele, seu segundo beijo. Usaria de todos os meus dotes sedutores, segurando-a bem e mostrando uma boa pegada em sua cintura e nuca, aproveitando a todo momento aquele beijo e deixando ela levantar em seguida.

- Podemos combinar sim. – Era naquele momento em que eu me tocava do que acabava de acontecer, eu também havia combinado com Six de termos um tempo dentro da embarcação e Rannah deveria estar prestes a chegar, o que eu faria? Estava distraído e não havia percebido que ela já havia voltado com novos apetrechos para o treinamento. Eu ouvia suas explicações sobre o que ela queria que eu fizesse com ambos e aquele treino me parecia ser bem plausível, aumentar a força daqueles membros que provavelmente não seriam tão fortes iguais os da direita por não serem usados para todas as minhas ações. - Certo, farei tudo isso! – Eu sorria para ela mostrando a minha empolgação em começar aquilo logo. E não demoraria para começar.

Começaria colocando os pesos em todos os meus membros, se fosse necessário, pediria ajuda para One e assim que tivesse todos os pesos colocados, entraria para o ringue que havia uma melhor plataforma para aquele tipo de exercício e daria início. Me deitaria no chão esticando ambos meus braços, depositando maior força no esquerdo e tentando não forçar o direito, posicionado os meus pés reto e erguidos com a ponta dos dedos, abrindo bem minhas pernas para conseguir maior equilíbrio e começaria retirando a minha mão direita do chão, colocando-a perto de meu estômago e começaria deixando o meu corpo mais inclinado para a esquerda para que não perdesse o equilíbrio e começaria flexionando meu braço até que meu ombro se encontrasse na mesma altura que meu cotovelo e estenderia o mesmo, começaria em um ritmo moderado, desde meu conhecimento sobre flexões, as primeiras eram sempre as mais fáceis e guardaria energia para mais tarde. Usaria o máximo de meu braço, independente de o quanto queimassem ou doessem, continuaria o exercício forçando cada vez mais, não pararia por nada mesmo que a partir de tal momento eu não sentisse meu braço esquerdo e tivesse que fazer uma força bem maior. Contaria mentalmente cada uma e procuraria respirar sempre que o meu braço estivesse estendido, manteria a minha concentração independente de o que estivesse acontecendo ao meu redor. Caso eu acabasse caindo por meu braço não aguentar, respiraria fundo e começaria de onde eu havia parado após um pequeno descanso, fingindo que nada havia acontecido.


Assim que conseguisse chegar a centésima flexão, pararia me virando para o teto e gritando bem alto quando meu braço tivesse se estendido. - CEM! – respiraria bem fundo e tentaria abraçar o meu braço que provavelmente estaria doendo depois de fazer tantas flexões, independente de tudo, aceitaria mais uma barra de cereal, se fosse me oferecido. Caso contrário, prosseguiria para o próximo exercício, desceria do ringue e me colocaria de costas a borda do ringue, estenderia a minha perna direita para a frente enquanto que a esquerda seria a flexionada, mantendo o meu tronco reto, começaria o exercício, mantendo sempre a minha perna esquerda encostada no chão para conseguir equilíbrio e depositando todo o peso do meu corpo sobre a minha esquerda, realizando os mesmos procedimentos de contagem e respiração anteriores e também faria o mesmo caso se eu viesse a cair ou não conseguir continuar, parando por um momento e continuando a seguir. Gritando ao conseguir alcançar o número cem de repetições e comendo/tomando água após o exercício dando uma leve descansada.


- Esses são para quebrar a perna de Cleusa. – Diria em uma reclamação seguida de uma risada, gostava daqueles exercícios, passavam uma boa adrenalina e continuaria a seguir partindo para os exercícios anteriores, a minha forma de antes seria mais cuidadosa, não tentaria bicicletas ou tentativas parecidas e para isso eu trocaria por chutes altos, médios e baixos e desta vez, manteria meus dois pés ao chão, eu não ficaria usando apenas uma perna durante as lutas e o período de fortificação desse membro já havia passado, era hora de treinar usando ambos membros. Focaria sempre em acertar o alvo o máximo de tempo que conseguisse até que meu corpo viesse a uma exaustão mínima onde prosseguiria para um descanso com um sorriso no rosto de treinamento bem concluído. Partiria para o meu inimigo mortal com a mesma abordagem, movendo-me e esquivando-me das maneiras mais rápidas que conseguisse encontrar, não usando tanta força de início e partindo para uma maior agressão quando ganhasse a confiança, bloqueando-o se necessário e contra golpeando em seguida sem deixar brechas para que o cansaço conseguisse me surpreender. Assim que a primeira roda de exercícios fossem concluídas, repetiria os exercícios de flexão e agachamento, desta vez com mais confiança e aproveitando dos meus erros anteriores para corrigi-los nesses de agora e não pararia por nenhum motivo, continuando o meu treinamento até o boneco de treino novo.

Este era diferente de qualquer outro que havia visto e eu não sabia bem como abordá-lo, mas havia uma sensação de que me dizia que não deveria ficar parado para o mesmo. Prosseguiria dando um soco alto em sua cabeça para ter uma melhor visão sobre o que faria e partiria dali, dando socos leves de começo e explorando o boneco de treino melhor, batendo sobre as pontas do mesmo para verificar o que eu conseguia aprender daquilo e quando conseguisse uma visão melhor dele, falaria para mim mesmo. - Já sei! – E com um melhor treinamento em minha cabeça, começaria a me mover antes de dar cada soco, um passo para o lado e um soco, um passo pro outro, segurando alguma ponta e golpeando, fazendo isso cada vez mais e sempre tentando rodear o boneco de treino, imaginando como se ele fosse meu inimigo e estivesse preste a me atacar onde eu teria que contra golpeá-lo em vez de partir totalmente para a minha ofensiva como fazia sempre contra bonecos de treino de areia.


Todo a minha cabeça estava voltado a aquilo, aquele treinamento era mais importante para mim do que qualquer outra coisa, aprender a usar o lado mais fraco de meu corpo era fundamental para se eu quisesse matar quem ordenou a morte de meu pai e toda a minha fúria estava começando a ficar armazenada para descontar naqueles dois homens. Cada soco seria uma expiração da minha respiração saindo quase como um grito e só pararia quando visse que a minha mão estaria com sangue, muito cansado ou que One viesse me parar naquele momento. A abraçaria se este fosse o caso, procurando conforto em seu abraço. - One? – Me afastaria um pouco de seu corpo, segurando em sua cintura enquanto olharia em seus olhos. - Eu peço que me perdoe, mas não sou o melhor para você nesse momento. Você procura um conforto e eu quero ficar cada vez mais forte para vingar a morte de meu pai. Nesse meio tempo, sempre me envolvi bastante com mulheres para meu próprio prazer. – Estava sendo honesto com a mesma, ela me olhava com diferentes olhos, não queria decepcioná-la ou iludi-la. - Eu não sou a pessoa certa para você. Eu acabarei te machucando e eu não quero isso. Eu agradeço de coração tudo o que fez por mim e todo o seu jeito de ser, você é única e deve continuar sendo assim. Me desculpe.

Meu principal pensamento era nunca machucar os inocentes e One era uma inocente. Acabei deixando que minhas vontades interferissem em meus raciocínios, sempre quando se tratava se mulheres, eu acabava deixando essa linha de lado, meu vício pelo prazer com elas sempre me afetou e me trouxe diversas confusões. Me lembro de ter feito garotas chorarem quando me viram com outras e aquilo amargava as minhas memórias. - Eu espero que você consiga entender. Obrigado por tudo, One. – Sorriria para a garota enquanto uma lágrima provavelmente estaria a escorrer do meu olho, não eram falsas e pesavam em minha consciência. Passaria a minha blusa sobre o suor que escorria pelo meu rosto e limpando a lágrima após soltar de sua cintura e juntaria os meus pertences, colocando o meu terno dentro da mochila. - Posso ficar com essa roupa por mais tempo? Eu lavo e lhe entrego em seguida, apenas vou tomar um banho agora. – Pediria para a mesma, em caso de recusa, retiraria elas do meu corpo colocando o meu terno.

Se ela acabasse me beijando, responderia ao mesmo por alguns segundos até que me desse conta de o que eu estava fazendo era errado e tentaria afastá-la lentamente sem machucá-la, empurrando a sua cintura para trás. - Não posso, One, não quero magoar seus sentimentos. – E faria as minhas ações anteriores, mas caso isso acontecesse após, sorriria para a mesma meio torto e sairia da sala de treinamento indo em direção ao chuveiro mais próximo onde aproveitaria para tomar meu banho. Relaxaria sobre a água quente caindo sobre o meu corpo e colocaria meu terno após sair, seguindo este, levaria a roupa da qual estava vestindo antes até a lavanderia da marinha onde me encarregaria de fazer esse trabalho doméstico, lavando a mesma roupa a mão e colocando-a em uma secadora, onde esperaria pacientemente secar para que dobrasse e guardasse em minha mochila onde começaria a andar até o refeitório, se estivesse com elas, caso contrário, apenas prosseguiria para o refeitório após o banho. Procuraria por One em meio ao caminho e caso encontrasse, sorriria para a mesma correndo até ela. - Aqui está, limpinha e livre de suor fedido desse agente. – Diria apontando para mim entregando as roupas das quais ela havia me emprestado, se as roupas estivessem comigo.

Independente de ter entregue as roupas ou não, pegaria minha refeição e me sentaria em uma mesa sozinha, desembolsaria a carta de meus pais sobre a mesa, retiraria o meu colar do pescoço e colocaria o meu relógio de bolso aberto e também os colocaria na mesa. - Isso tudo é por vocês. Me tornarei aquele quem deve proteger tudo e vingarei a sua morte, pai. – Diria em um tom baixo, garfando qualquer coisa que estivesse em meu prato e com a outra mão, segurando o relógio de bolso, olhando o retrato de meus pais e Karonte. Garfando mais uma vez e começando a ler a carta, garfando várias e várias vezes até que conseguisse ver cada detalhe da carta e do colar de lobo em minha mesa com as inicias dele. Atlas Wolf. Concluiria aquele momento guardando tudo de volta em seu devido lugar dentro da mochila e devolvendo o prato para ser lavado, prosseguindo para o lado de fora do QG onde olharia bem uma montanha alta ou uma colina, me direcionaria para aquela região.

Tomaria cuidado com os perigos de alguns buracos ou lugar que eu pudesse escorregar, mas aproveitaria da minha acrobacia para buscar o equilíbrio por ali e ao alcançar uma área alta de onde eu pudesse olhar para a cidade ou para o mar, me sentaria, apenas observando o horizonte. - Direi adeus para esses mares logo. – Sorriria, sonhando com o que estava próximo.


Objetivos:
 

Histórico:
 



____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Ficha na Sign

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Makei
Estagiário Orientador
Estagiário Orientador
Makei

Créditos : 32
Warn : Tróia - Parte 3 - Pandemonium - Página 4 9010
Masculino Data de inscrição : 07/08/2017
Idade : 24

Tróia - Parte 3 - Pandemonium - Página 4 Empty
MensagemAssunto: Re: Tróia - Parte 3 - Pandemonium   Tróia - Parte 3 - Pandemonium - Página 4 EmptySeg 25 Jun 2018, 23:47

The Emperor of Sea



Hoje gostaríamos de oferecer um agradecimento especial a nosso patrocinador com esse post magnífico, Viagra, te permitindo atingir até mesmo aos céus !
- Este medicamento é contra-indicado em caso de suspeita de Dengue e na comida. -


Como explicar tudo isso além de uma completa catástrofe ? Seja mental ou emocional, a minha mente estava entre a merda e a privada… Sim, eu tava tão fudido que sequer saberia como explicar o motivo de eu não chorar e para ajudar, esse calor do caralho que parece envolver meu corpo por inteiro após aquele pequeno prato de comida continuava a me incomodar… Mas… Qual o motivo dessas coisas se tornarem tão complicadas ? Por que eu sinto esse peso de derrota sobre as minhas costas ? Seria isso inveja ? Solidão ? Ou alguma outra coisa ? A única coisa que eu sabia era que assistir todo aquele show que alguns momentos antes era visto de uma forma magnífica acabou se tornando como uma tortura, mas quer saber ? Foda-se também ! Se as coisas funcionam assim, então apenas devemos entrar no jogo e veremos quem sai ganhando no final, se tão achando que Eu, o Imperador dos Mares vou ceder, Há ! Hilário.

Não tinha motivos para me deixar abalar, para ser sincero, por que tudo isso veio a minha cabeça de repente ? Será que havia algo naquela comida que estaria me fazendo agir dessa forma ? Só sei que nada sei e que meu corpo continuava mais aceso e firme do que quando eu procuro imagens do Astolfo pela NET, então isso deve ser uma coisa positiva, certo ? Que seja, tenho assuntos mais impertinentes para lidar como a missão que Jibril havia comentado, já estava com a minha nova lança em mãos e na sala de mais um novo “Superior”, pelo menos ele não parecia tão inútil quando Thor, até mesmo teve a audácia de levantar a voz pra mim, acredita ? Relaxa, depois que eu faço um raio cair na cabeça dele, ele vai vir reclamar pra mim.

” OW ! Sabe com quem está falando ? Eu sou a porra do Imperador dos Mares ! Você só tem coragem de falar assim comigo por que não viu quando eu fiz chover naquela caralha ! “

Apesar dele ser um cuzão, pelo menos parecia se preocupar com o povo no lugar, mas qual o motivo dele estar rindo dessa forma após apontar para baixo ? Hoje em dia é proibido apontar com o outro amiguinho ? Não fode ! Não é como se eu me importasse com a opinião dele também, por isso dei de ombros enquanto fiz um sorriso de deboche igual meu amorzinho nessa GIF, de bônus ainda tinha o esplendor sobre as minhas calças que davam um ar mais magnificente a toda essa ação, porém preciso contar uma coisa para vocês, só não bati nele por causa do plot, por sinal, até quando eu vou continuar de farol aceso ?

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

Ao menos uma coisa era certa, a porra do Narrador me trollou ao colocar essas informações atrás do mapa… Se está acreditando que isso é o suficiente para mudar minha ideia formada sobre Superiores está totalmente enganado ! Ainda era muito cedo para ceder, seja o Cruzis ou aquela bela e linda demônia que me faz sonhar em uma dia a ter na minha cama… Eu preciso me manter  firme ! Pera… Não é esse tipo de firme, eu me refiro a- Caguei também, vou explicar não, pense o que quiser.

Com essas informações extras era o suficiente para que eu pudesse imaginar em alguma ideia de como cuidar dessa missão sem muitos problemas, no entanto… Quem diria que Alipheese teria uma ideia genial ? Mesmo que de início eu não tenha visto, de fato, aquilo era o suficiente para animar mais ainda as coisas para mim, eu já estava on-fire e agora ganhei alguém para apanhar pra mim, porra ! Só falta descarregar toda essa animação de alguma forma para se tornar perfeito ! Contudo aquele demônio de beldade sabia como me fuder de jeito… Quero dizer, me ferrar… Porra ! Foda-se também, o negócio é que toda a animação que eu tinha veio a cair ao vê-la perguntar como eu estava, apenas de olhar as duas de mãos dadas era o suficiente para fazer aquela sensação ruim voltar, meu corpo arder e minha animação sumir… Precisa abusar dessa forma ? Relaxa, ainda vou fuder ela, quer dizer, ferrar.

- Melhor Impossível. -

Comentei com um tom de voz áspero enquanto me mantinha à frente das duas, já não tão animado quanto antes, felizmente estar na frente era o suficiente para que elas não vissem o meu rosto, não que isso fizesse muita diferença também, pelo menos era o suficiente para me fazer sentir melhor em não demonstrar o meu desânimo do lado de fora… Já que na parte de dentro, essa porra tava pegando fogo ! Andar dessa forma controlada estava ficando cada vez mais difícil, será que logo logo eu começaria a tremer, babar ? Ou até mesmo meter umas sarrada no ar ? Na moralzinha, que porra de vontade é essa ? A minha sorte é que não apareceu nenhum buraco até o momento… Provavelmente aconteceria algo bem interessante. Por sinal, para aqueles que estão perguntando onde está a fantasia… Como eu posso explicar isso... Apesar de eu estar controlando bem a situação até o momento, esse filho da puta ta igual a porra da gif por aqui… Vocês criaram um monstro. face palm 2

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

“” YAHOOOOO ! PIMBA, PIMBA, PIMBA CACETE ! “”

Deixando a porra da fantasia de lado já essa merda não tem salvação mesmo, finalmente encontramos o meu faxineiro favorito, Drake ! Apesar de ter um palavreado mal educado, eu ainda gostava dele, no final ele era um cara legal e que servia como palhaço da corte, todo “Rei” ou “Imperador” precisa de 1, certo ? Todavia, a demonia de asas angelicais se movia novamente, seu abordamento mais normal do que sempre, como se demonstrasse por completo o libido da perversão, pelo menos ela logo explicou a missão e depois me entregou dois sinalizadores que eu não fazia ideia de que caralhos era aquilo… Por mais que Alipheese provavelmente me explicasse do que se tratava, eu viria por escolher a opção de entregar para a pequena garotinha em suas mãos.

- Ali, foi mal, mas eu não faço ideia em como usar isso aqui não, então vou deixar com você. -

Comentaria com um pequeno sorriso ao lado do rosto após entregá-los, mesmo que os últimos acontecimentos haviam sido um tanto quanto perturbadores, eu ainda gostava da pequenina, desde que eu saí daquela casa, ela foi a primeira pessoa que eu consegui dividir de fato alguma coisa… Por sinal, esse tipo de abordagem da Jibril funcionava ? Talvez eu devesse por experimentar mais a frente, ainda tinha minhas dúvidas disso, mas provavelmente é worth ! No momento apenas passaria minha mão sobre seus cabelos de forma a bagunça-los de leve após não estar com o sinalizador em mãos, finalmente seguindo o seu caminho a missão após isso.

Aproveitando o pequeno tempo que eu tinha antes dessa pequena caminhada, estaria com seus braços cruzados e uma expressão pensativa, viria por pensar em uma maneira de tornar essa pequena missão mais efetiva possível, por isso não percebendo de fato o que poderiam estar conversando pelo lado de fora, já que o foco total se encontrava dentro de sua mente, mesmo que a desgraça daquela merda de fantasia continuava a Pimba em sua mente igual um demente.

” Bom… Nós temos quatro pessoas e uma área de 200m² para rondar, de fato com três pessoas como era antes era um pouco mais complicado e talvez teríamos que fazer um sistema rotativo de tempo onde não conseguimos nos comunicar de forma efetiva, apenas em caso de emergência… O maior problema era que o espaço de uma pessoa para a outra se tornava ligeiramente grande, mesmo que eu confie na minha visão, ainda era possível que as outras duas pudessem deixar passar isso… Agora com quatro pessoas… Heheh, acho que tive uma ideia. “

Eu vinha por finalizar a minha ideia no exato momento em que Jibril decidiu por nos colocar em rota da missão, não perderia a oportunidade de mostrar quem realmente manda na situação, apesar de demonstrar total confiança em minhas palavras, eu ainda não podia ser verdadeiramente grosso, já que não se tratava apenas dela e sim do grupo todo em si.

- “Bem estão todos prontos? vamos pra área demarcada agora então certo?” Claro que não ! Precisamos de um plano e é por isso que eu pensei em um, então vejam o que acham… Poderia me passar o mapa ? Ok ! Nós temos uma área de 200m² como podem ver ou seja, se dividirmos em quatro pessoas, cada uma pode cuidar de 50m², se colocarmos cada um em uma “Ponta” o que não é uma coisa ruim, já que seria o suficiente para nos comunicarmos se acontecer algo complicado, acredito que todos sabem gritar, certo ? Mas aqui vem a parte mais interessante que eu pensei, como eu não sei se a visão de vocês é tão privilegiada, que tal dividirmos em duplas e a cada 15 ou 20 minutos nós trocamos de lados, por isso teríamos um ponto de nos encontrarmos e passar o que vimos nesse meio tempo. Apesar de nós fecharmos um “Quadrado”, podemos fazer pequenas rondas de ida e volta na nossa área, ou seja, cada dupla cuida de 100m² e elas fariam a ronda umas 2 ou 3 vezes dependendo do tempo da ronda, facilitando a informação, ainda temos a chance de se acontecer algo e alguém gritar não seja tão difícil da outra dupla ouvir, o que acham ? Podemos fazer as duplas que é o melhor na minha opinião ou nos estacionarmos cada um em um ponto. -

Explanei a minha ideia ao grupo ao mesmo tempo que pedi o mapa em mãos e gesticulei com o meu dedo ao apontar e movê-lo pelo mapa, na intenção de facilitar a ideia que eu estava tentando passar para eles, meu tom de voz seria de início um pouco severo por lidar ligeiramente com Jibril, porém após isso se tornaria calmo e até mesmo um pouco gentil, apesar de transparecer total convicção que a minha ideia seria o melhor a ser feito, não posso mentir que os aprendizados que havia recebido no Navio a caminho daqui estavam tendo seus frutos, afinal, isso se chama Estratégia !

No caso de Alipheese vir por complementar o meu plano com as duplas, me sentiria feliz em saber que ela pensava da mesma forma e que havia aceitado o que eu havia falado, principalmente se as duplas que ela propuser seja - Alipheese e Cantor de Banheiro/ Lynn e Capeta em forma de beldade. Não teria como esconder o sorriso que abriria em meu rosto, por isso eu falaria de forma alegre, talvez fosse culpa da excitação do momento ou até mesmo dos estímulos a flor da pele e após tantas incertezas, finalmente uma conexão ! Até deu vontade de dar uma sarrada nessa porra.

- Apesar de não levar essa última parte como uma consideração, eu tinha pensado na mesma coisa, contudo eu queria ouvir o que vocês acharam da ideia primeiramente. Por sinal, fique com o Mapa, já que estarei com a Garota Demoníaca, não vou precisar dele. -

Finalizou por dar o mapa após comentar com a felicidade em seu rosto, finalmente uma coisa boa ! Era algo tão insignificante, mas tão boa ! Por sinal, era meu primeiro plano de verdade que havia feito, então eu tinha uma grande confiança, afinal, eles não estão ouvindo um “Superior” qualquer falar com eles e sim EU ! O Imperador dos Mares !

Se nas marcações tivesse uma pequena divisa ou de local mais “Populoso” ou “Comercial” que pudéssemos saber ou que a própria Jibril comentasse, viria por escolher a parte mais quieta e talvez “Escondida” se for olhar assim, deixando nas mãos de Alipheese cuidar do povo. Poderia parecer um pouco estranho, mas a pequenina já havia demonstrado um tipo de seriedade quando se trata dessas situações e talvez pela sua estatura e até mesmo seu jeito de ser, cativasse melhor as pessoas.

- Beleza, vocês poderiam ficar com a parte mais populosa enquanto a gente fica com a outra ? Acredito que seja mais positivo ter a Alipheese acalmar os cidadãos, correto ? -

Finalmente seguiria meu caminho ao lado de Jibril, agora começava a segunda parte de meu plano, tentaria me manter quieto e controlado por suas provocações que provavelmente seriam feitas pela garota celestial, tinha assuntos a resolver com essa desgraça, apenas precisava encontrar um beco sem gente para que nos atrapalhasse, no momento que avistasse um e percebesse que não haveria a chance de chamar a atenção de ninguém, puxaria Jibril pelo braço rapidamente para o beco e a colocaria contra a parede de forma agressiva, mas sem causar nenhum tipo de dano contra a garota. Colocaria meus braços entre sua cabeça na tentativa de impedir sua fuga, manteria meu corpo extremamente próximo da mesma, abusaria da mesma forma que ela geralmente usa em suas abordagem, agora era a minha vez de fazer nessa caralha, colocaria meu rosto o mais próximo do dela ao ponto de conseguirmos facilmente sentir a respiração um do outro, a minha perna direita se colocaria por baixo de suas pernas, encostando com o joelho na parede, enquanto olharia diretamente em seus olhos, só esperaria que meu amiguinho não estivesse a “Roçar” em sua perna, isso seria um tanto quanto estranho, mas quer saber ? Foda-se ! É agora que eu fodo essa vaca ! Quer dizer… É agora que essa vaca me paga !

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

- Que caralho tu fez comigo ? Tinha algo naquela comida, certo ? -

Se a mesma viesse por tentar desconstruir os fatos ou fingir que nada estivesse acontecendo, o corpo não mente ! E isso apenas havia começado no momento que eu havia colocado a comida de Jibril na boca, ainda conseguia me lembrar por completo aquele gosto magnífico entre o céu e o inferno que parecia continuar a queimar sobre a minha boca. Se a mesma viesse por se debater, eu tentaria segurá-la pelos pulsos enquanto a manteria sobre a parede. Minhas palavras sairiam com um leve tom de desespero, a minha intenção desde o início nunca foi de realmente fazer algum “Mal” pra ela, apenas precisava resolver essa caralha de excitação que a porra do Azulzinho da !

- Vamos lá, não precisa complicar as coisas, eu só quero saber saber como parar isso… Eu to ficando louco ! Mas se você tá achando que eu vou me ajoelhar, você está enganada, eu sou um Imperador e nós não nos ajoelhamos, os outros que se ajoelham para nós ! Então a gente pode resolver isso da melhor maneira possível e sem problemas, você só precisa me ajudar a resolver isso ou pelo menos me falar como, que tal ?... Por favor... -

“” EITA PORRA ! Cheguei no momento certo caralho ! É hoje porra ! Wesker “”

Se tem um fato inegável nessa situação era que eu havia realmente me tornado um animal indefeso para o veneno daquele demônio e precisava resolver isso o mais rápido possível, Contudo… Mesmo que eu me apresentasse dessa forma, era fácil perceber que eu realmente não faria nada de mais e provavelmente acabaria por ali mesmo que a garota não me falasse nada, mas ainda havia várias suposições a acontecer nesse meio, como nós conhecemos Jibril… Ela poderia usar desse momento para abusar de minha pureza… Apesar de parecer algo muito bom e maravilhoso, eu não tenho como negar que é algo bom. Xzibit

Agora, se ela se mostrasse colaborativa, soltaria seus pulsos se estivesse a segurando, enquanto a perguntaria sobre o assunto de maneira calma.

- Então como resolvemos isso ? -

No caso de Jibril aproveitar da situação para usar a situação a seu favor com a sua perversão, infelizmente eu ainda era muito inocente para conhecer esse mundo obscuro, deixando me levar pelas ações da mesma em meio a minha surpresa, não posso mentir que isso talvez me fizesse mais louco ainda, todavia, eu ainda sentia a inveja daqueles lábios, das mãos e até mesmo de seu sorriso. Junto da situação incomum as coisas poderiam se tornar um pouco fora de controle por aqui...

Se a garota viesse por continuar a teimosia em dizer que não sabia de nada, apenas a soltaria para continuar a missão de forma calada, se sentiria frustrado consigo mesmo, já que não sabia como resolver isso.

A única coisa que eu esperava era não ser interrompido em nenhum dos atos, principalmente os picantes Deep planejando como Se isso acontecesse, apenas a minha indignação da situação seria a resposta com a minha voz irritada, não bastava eu ter finalmente a oportunidade para resolver isso, vem um desgraçado ou alguém atrapalhar é foda. Por isso não pensaria duas vezes antes de gritar.

- PORRA ! TOMA NO CU ! -

No caso em que saísse “Ganhando” algo dessa situação ou fosse interrompido, terminaria por voltar a ronda junto de Jibril, não se esquecendo de desculpar para a Jovem Celestial, as coisas estavam complicadas no momento, mas sabia que a garota poderia se tornar alguém do grupo, por isso seria interessante em não manter algo ruim entre os dois.

- Hey… Não me leve a mal ou fique brava, eu só precisava resolver isso o mais rápido possível… Essa desgraça ta me deixando louco… Não seria mais que o correto em você me ajudar, né ? -

” Caralho, esse tipo de abordagem funciona mesmo, vou adotar. “

“” Claro que funciona porra, já te falei ! Negócio é chega nas mina e mandar “E ai, tu vai me beijar agora ou vai esperar eu fazer isso ?” “”

Contudo, ainda tínhamos algumas opções que não ajudavam nessa segunda parte do plano, como ; Não achar a porra de um beco ! Se isso realmente viesse a acontecer, apenas suspiraria com a porra da minha falta de sorte, qual o problema em me ajudar a dar uns pegas nela ? HEIN !? Que seja, eu falaria com essa maldita de qualquer forma, mesmo que fosse de uma maneira mais deprimente por não conseguir fazer o que eu realmente queria.

- Hey… Você colocou algo na comida né? Como resolvo isso ? -

Se a resposta fosse algo exigindo de mim como “Se ajoelhar”, a vontade de mandar ela para aquele lugar não estaria longe, isso também conta se ela não quiser colaborar com a situação.

- Já que você não ta afim de colaborar, a gente resolve isso mais tarde, espero que não ligue em me ver a noite no seu quarto. -

Falaria com um pequeno sorriso safado no rosto, a intenção era clara, resolver isso a noite ou me ajoelhar sobre quatro paredes e se ela ainda duvidasse, eu realmente faria isso, por que é o meu jeito ninja de ser !

Agora deixando essas coisas de lado, ainda tínhamos a oportunidade de ter que acalmar o povo, o que se tornaria uma benção no meu ponto de ver para aquelas pessoas, poderiam ser acariciados pela minha voz e a minha presença, por isso levantaria as minhas mãos enquanto soltaria a minha voz de maneira alta e clara para que todos pudessem ouvi-la por completo.

- Relaxem ! Não precisam mais se preocupar, pois o Imperador dos Mares chegou ! Qualquer problema que venham a ter, apenas precisam vir a falar comigo que irei resolver a porra toda, se tiver alguma informação do suposto Ladrão, eu adoraria em tê-la, já que eu vou fuder esse maluco, quero dizer, pegar ele ! -

Essas seriam as minhas palavras enquanto manteria o meu corpo firme e audacioso, afinal, estavam na presença de alguém abençoado como eu, principalmente de meu pequeno amiguinho que ainda continuaria a apontar furiosamente como se o dia não tivesse fim.

Histórico:
 
Objetivos:
 
off¹:
 

Créditos a @[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]


Última edição por GM.Astolfinho em Qui 05 Jul 2018, 18:33, editado 1 vez(es)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Fran B. Air
Pirata
Pirata
Fran B. Air

Créditos : 32
Warn : Tróia - Parte 3 - Pandemonium - Página 4 10010
Feminino Data de inscrição : 30/11/2017
Idade : 24
Localização : The Wonderful Land

Tróia - Parte 3 - Pandemonium - Página 4 Empty
MensagemAssunto: Re: Tróia - Parte 3 - Pandemonium   Tróia - Parte 3 - Pandemonium - Página 4 EmptyDom 01 Jul 2018, 03:21




~Achiles~


Achiles estava em uma sinuca de bico que ele mesmo se meteu, depois de cada parte do seu treino se via com One por cima dele, o beijando, ele não era completamente capaz de compreender como tal coisa chegou aquilo, mas ele fazia questão de se explicar, e com certa razão, afinal, ele precisava confortar ela de alguma maneira naquele momento, e não só ele aceitava o primeiro beijo dela, como começava o segundo, One aproveitava aquilo, ela não tinha qualquer experiência, mas o garoto, bem, ele aproveitava aquilo, mas trazendo junto disso um prazer para ela também, no momento que as mãos dele tocaram a nuca dela, inconscientemente o seu corpo respondia, os pelos do braço e pernas se arrepiaram, era algo completamente diferente uma experiência tão boa, que ela não conseguia nem mesmo assimilar completamente, naquela hora ela estava sendo movida pelo instinto, as mãos dele realmente puxavam sua cintura, que encaixava perfeitamente nele, seus seios ficavam pressionados contra o peitoral dele, a sensação de maciez era enorme, a cada vez que ela se movia um pouco aquilo podia de fato ir deixando ele louco. One naquele pequeno momento, parecia feita sob medida para o boxeador, e aquele momento era único para a pequena também, sentir o puxão a colocava num gigantesco arco-iris de emoções, cada segundo daquilo era mágico, e seu corpo respondia sozinho, sem precisão de que nada fosse consciente de sua parte, era instinto puro. Ela queria que aquilo durasse para sempre, e talvez fosse um equívoco de sua parte, mas talvez imaginasse que era isso que o incorrigível galanteador quisesse.

Entretanto aquilo ainda assim uma hora teria de acabar, mas One já sabia que ia acontecer, e precisava retomar sua postura, o garoto apesar de talvez surpreso, ele não mudava muito sua mente, o treino sempre foi seu foco, mesmo combinando com ela para que pudessem de fato se ver novamente no navio, depois disso era hora do treino. colocando toda sua determinação, o garoto ia aos poucos com os pesos nos braços se preparando para o primeiro exercício, pagar os marinheiros no chão, colocando apenas a sua esquerda para apoiar todo seu peso ao chão, ele começava o trabalho, a dificuldade já começava diretamente na sua primeira tentativa, ele não tinha diretamente um problema por faltar força, não era isso, era uma questão de justamente faltar-lhe apoio, a forma como ele colocava a mão era desajeitado, e ele precisava corrigir isso, pois a cada uma flexão feita seu músculo lhe dava a resposta esperada, era um pouco de dor física nele, a queimação vinha muito mais rápido do que ele esperava. Era duro cada uma das vezes que ele continuava contraindo os músculos, era mais uma batalha vencida, quando ele chegava em 50 o tremor no seu corpo queria lhe derrubar, mas nada o fazia parar, em 70 o suor lavava ele completamente, o rosto a camisa, era completamente encharcada com seus fluidos corporais.

Mas finalmente o número escolhido chegava, 100 flexões, e o garoto tinha na sua expressão o cansaço, ele demonstrava que aquilo não tinha sido das coisas mais fáceis de sua vida e de quebra, não era o objetivo da sua treinadora que fosse. Terminando aquilo One se movia até ele com a garrafinha de água a entregando. - Toma, vai precisar.- falava entregando ela enquanto esperava para que o mesmo tivesse seu leve descanso e começasse tudo a funcionar de novo afinal a musculatura estava quente de toda forma. Logo novamente  ele estava de pé, os agachamentos eram um pouco mais simples, e sempre mantendo sua respiração controlada, ele continuava, até soltar uma leve piadinha reclamando do movimento que tinha de fazer, o que arrancava uma leve risada da agente, que agora estava novamente abrindo suas barrinhas de chocolate para comer. Ela sempre carregava aquilo e as barras energéticas, então era uma cena trivial para o boxeador que estava acostumado a ver tais coisas.

Era mais uma batalha aquilo toda contração fazia a musculatura esquentar e doer, e aos poucos ele ia fazendo, até que igualmente ele completava mais uma vez 100, era um número assustador, mas necessário. Assim que ele finaliza era mais uma pausa feita, dessa vez one oferecia ali mais algo, uma barrinha de cereal, além da água. - Toma, acho que depois das duas seções vai querer algo pra te dar mais firmeza.- Falava ela tirando uma pra si mesma e comendo também, ela sempre demonstrava gostar bastante daquelas coisas então de fato era interessante poder comer aquilo. Sempre usando a esquerda agora vinha mais um dos desafios, o boneco de treino, Achiles começava de leve, ele dava uma pancada enquanto se movia, uma pancada e movia, devagar ele pegava o jeito, a cada golpe um move, as vezes ele acabava tomando alguma pancada quando o eixo girava, mas eram pequenas, ele parecia lidar melhor com o boneco que com o joão bobo. One parava um pouco aquilo para explicar a ele. - Calma, pense no boneco como se fosse um corpo humano, visualize a anatomia de tal. A parte de cima tem os braços e a de baixo pernas, por isso que quando gira eles podem te acertar, e o melhor é bater no lugar certo pra parar o giro.- Explicava ela apenas rapidamente, enquanto o agente não parava de se digladiar com o boneco, era novidade, mas aos poucos ele entendia, conseguindo fazer um bom treino ali.

O dia de hoje estava terminado, mas o momento mais difícil vinha nesse instante, explicar pra one o porque de ele não poder ficar com ela, ele dava  uma grande explicação que de certo modo já estava na cabeça dela, não era tal fato que a preocupava, talvez ele tivesse levado as coisas para um lado diferente, ela o ouvia O clima agora mudava completamente, o rosto dela tinha um pouco de tristeza, mas mantinha a calma enquanto ouvia detalhe por detalhe, sua expressão a ele terminar exibia um sorriso, não era bem como se fosse uma felicidade, mas como se aquilo a tranquilizasse, aos poucos ela respirava fundo e começava a responder o garoto. - Não se preocupe, eu não teria como me dedicar a você nos dias de hoje, enquanto as agentes da Akame continuarem, eu estarei nesse trabalho. - talvez essas palavras não fossem assim tão verdadeiras, ela não sabia como reagiria, se de repente ele pedisse que ela largasse tudo, não tinha certeza se diria não, mas bem, nesse momento a única coisa que ela sabia, era que gostava de estar com ele, e queria manter isso independente do que ele fosse fazer, ela queria ter seu tempo. - Sabe… eu… eu as vezes não sei exatamente o que tem dentro de mim, mas eu não peço que pare de viver por mim, não é isso entende? eu sei que você não poderia parar, eu sei que seu sangue esquenta durante o combate e aquilo torna você mais vivo, quando saímos pra fronte de batalha não sabemos se voltaremos não é?- bem nesse momento a pequena o comparava com seu velho companheiro de lutas, como sempre ela achava que Achiles era ele, não tinha memórias perfeitas de tal, mas justamente por isso, por esse ponto exato, ela queria ter a certeza de não perder ele de novo, mesmo que isso a custasse tudo.

Seus olhos mostravam um misto de calma e medo, mas não era tristeza ela de fato queria que aquilo durasse, que os dois pudessem se segurar ao menos um pouco. - Eu não cobro que você me tenha como sua namorada, isso talvez um dia, em um futuro distante possa acontecer, mas eu quero um lugar no seu coração, como você está no meu.- falava enquanto tocava no peito começando agora uma outra frase que se iniciava logo depois de completar a anterior, seus lábios estavam trêmulos, ela temia que ele encarasse aquilo com maus olhos, ou talvez que aquilo mais o afastasse que aproximasse. - Lembra? não confunda as coisas, O mundo não é belo por suas cores, é como se cada pequeno traço fosse uma miragem pra te confundir.- Ela parava por alguns segundos pela leve esperança de ele completar a frase, mas vendo que não o faria, ela mesma dessa vez jogava a segunda parte, aquilo era importante pra ela de forma incondicional. - Mas se nós colorirmos ele com as nossas próprias cores, então uma hora tudo será real não é?- ela sorria ao terminar aquilo, ela acreditava que ele era capaz de trazer cor ao mundo dela, talvez da maneira mais bela possível. - Não se preocupe… não vou te forçar a fazer as coisas do meu jeito, e não estou tentando fazer com que seja a única na sua vida, apenas viva da melhor maneira que você pode, eu só quero ter meu tempo.- Falava dando uma leve passada pra frente.

Aos poucos ela recostava a cabeça no peito do agente o abraçando no fim de tudo, por alguns segundos, aquilo era tudo que ela precisava pra se sentir realmente muito melhor, as coisas continuavam em frente, ela o soltou dando um beijo na sua bochecha naquela hora. - Tenho que ir agora, tenho que encontrar Akame, mas conversamos melhor depois.- a pequena saia um pouco trêmula do lugar, tinha precisado de uma força absurda pra fazer algo como aquilo. O caminhar estava meio largado, ela não tinha muita postura, provavelmente por se mover distraída. Depois de tudo aquilo o agente se aproximava do refeitório, de fato, aquilo tinha tido uma enorme carga emocional pra ele, mas depois de tudo O garoto pegava ali as memórias de seu pai, sua determinação estava clara no rosto, a carta, o colar, eram coisas que ele de gato apreciava, ele mostrava pra si mesmo sua determinação ali numa mesa vazia, apesar de todas estarem, aquela era especial, ela exalava a solidão, enquanto falando sozinho ele fazia uma promessa pra si mesmo.

Entretanto aquele era de verdade um momento de relembrar, pois o homem que o tirara de conomi, parava diretamente na sua frente a imagem de Ramiel, lembrava muito a primeira impressão que ele teve, ele sentava a mesa se debruçando um pouco sobre, e com os ombros arqueados ele começava a falar, aquele olhar mais ríspido, era bem mais parecido com o que ele lembrava de sua primeira impressão, apesar de o rosto dele sempre ter uma expressão muito carregada. -Como está o braço garoto?-  falava ele observando que talvez ele não estivesse ainda 100% e isso seria um problema visto que talvez a missão colocasse perigos, sim perigos maiores do que o jovem tenha lidado. - Bem você sabe sobre a missão, então mas eu preciso de um teste antes de te levar, pois você já se provou valoroso garoto, mas quero que me mostre esse braço. Me procure na sala número 302 é minha área pessoal aqui nesse QG, estarei te esperando depois que comer, vamos testar um combate.- Falava levantando e saindo dali naquele momento, ele estava com muito peso nas costas de certo a missão seria complicada. O homem se retirava dali indo para o local que citava, não era algo de seu feitio, mas um teste muito rígido teria de ser feito.  Pra sorte do nosso boxeador, seu braço estava próximo de 100% já.


~Alipheese, Makei & Drake~


Depois de Alipheese, Lynn, Jibril e Drake se reunirem no QG, Jibril entrega os sinalizadores para todos os que iriam participar da missão, estes seriam utilizados no caso de algo acontecer para que o sinal lançado aos céus avisasse os demais no caso de estarem separados. Ao receber o seu, Ali que tem um domínio com armas de fogo bastante superior em relação aos demais explica como utilizar tal armamento sem que hajam maiores problemas e não acabem sendo usados de uma maneira equivocada. Sem saber utilizar a arma, Lynn a dá para Ali, terminando com uma passada de mão nos cabelos da garota que acabam ficando bagunçados, mas logo eram arrumados por Jibril que estava por perto e penteava o cabelo da menininha com os próprios dedos ao alisá-los e puxá-los para baixo. Do mesmo modo que Lynn deixava de lado a arma que poderia ser essencial em algum perigo, o mágico do grupo fazia o mesmo, ele simplesmente devolve o sinalizador para pequena marinheira que deu uma das explicações mais fofas e simples do mundo do mundo. Nem mesmo um cachorrinho filhote chegava aos pés daquela criança dando aulas sobre sobre armas de fogo em questão de fofura. E esse mesmo cachorro conseguiria entender a explicação e botar em prática, era uma pena que Lynn não seguiu os ideais do pobre animalzinho metafórico, deixando a pequena garota com dois sinalizadores em seu coldre e Jibril com outros três em uma pequena bolsa que estava carregando presa em sua cintura. Ao menos, Drake manteve um com ele, mas até quando?

A garotinha então questionava Jibril sobre algum método de prender os suspeitos que encontrassem sem ter que derramar sangue e acabar prejudicando ainda mais o medo e a inquietação da população. Falando isso, Jibril sorri ao se agachar de frente para pequenina, ela então chega cada vez mais perto de sua orelha, sendo possível que Ali sinta sua respiração quente e levemente úmida, nesse momento, a celestial abraça a garota com o braço direito, fazendo com que o rosto da garota ficasse encostado em um dos ombros da outra e segurando a mão direita da menina com sua mão esquerda, tudo que Ali consegue sentir é algo gelado em seu pulso com um barulho agudo - Click -. Jibril colocou uma algema ainda com a chave na mesma no pulso de Ali, enquanto falou em seu ouvido com uma voz baixa e no mínimo, sensual.

- Pode usar essas, menina fofinha… Eu peguei algumas emprestadas, mas quando acabarmos, vamos precisar devolvê-las. -

Então ela se levantou e retirou algumas algemas com chaves, as distribuindo para os demais, dando uma algema para cada um, de modo que pudessem usar para prender os arruaceiros sem que tenham que necessariamente matá-los para salvar o dia. Com isso Jibril se levanta novamente, dando as mãos mais uma vez para a pequena Ali que não parecia se incomodar com a situação e o atrevimento inconsciente da celestial, Jibril então fala aparentemente empolgada com o que estava prestes a ocorrer.

- Tudo pronto, então vamos nessa! -

Nesse momento, quando tudo parecia propício a partir para o início da missão, Lynn vem com uma ideia ousada. Nas palavras dele era uma estratégia e a melhor ideia a ser feita, era uma pena que ele não tivesse um conhecimento bom de mapas ou de física, se não, teria percebido que a área onde teriam de ficar era menor que uma casa de tamanho normal, no caso era como se fossem dez metros por vintes metros, de modo que mesmo do lugar mais distante do centro, talvez até mesmo um cego conseguisse ver toda a área que eles deveriam abranger nessa patrulha, era até de mais chamar de patrulha, talvez se Cruzis tivesse chamado de ponto de guarda, não tivesse gerado tamanha confusão entre os marinheiros novatos. Jibril estava distraída apertando levemente as bochechas de Ali enquanto mexia em seus cabelos brancos, de modo que talvez nem tenha escutado o que falaram, então apenas concordou com a cabeça ao perceber que Lynn havia acabado de falar.

De toda forma, o grupo optou por se dividir ao chegar no lugar, nesse momento partiram na direção da área a ser patrulhada de acordo com o mapa. Foram seguindo Jibril que andava de mãos dadas com Ali na frente, como ela tinha um conhecimento grande da cidade por estar lá a bastante tempo, seguir até o local que indicava no mapa para ela era bastante tranquilo, então facilmente guiou o grupo até o lugar. No caminho, viam um ou outro civil andando normalmente, sem sequer se preocupar com a marinha mirim passando ao seu lado, o Sol estava forte, mas ainda era possível notar um amontoado de neve ou outro ao longo da cidade derretendo aos poucos devido ao clima anterior no lugar, de toda forma, não demorou mais do que alguns minutos para chegarem no local que precisavam patrulhar.

Passam por uma praça e não demora até que cheguem na área indicada no mapa, nesse momento, decidem seguir seu plano de se separar, dessa forma, Ali e Drake ficariam com uma das extremidades da região, enquanto Jibril e Lynn ficariam com a outra. Nesse momento, enquanto se separam, Ali já começa a falar sobre como poderiam fazer em relação a divisa de áreas a serem patrulhadas, querendo cobrir a maior parte, Drake em resposta ao seus companheiros se afastando, se sentou no chão enquanto escutava Ali devido ao cansaço que sentia com os testes da marinha e por não querer demonstrar isso na frente dos outros, aguardou até que se afastassem. O mágico, assim como Lynn também decide não seguir os passos do cãozinho metafórico antes citado e decide dar seu sinalizador para Alipheese, deixando a fofura encarnada em forma de pessoa com três das armas, antes que percebessem ou se separassem, viam um marinheiro que não conheciam vindo furioso em sua direção acompanhado de uma bela marinheira, além que, se olhassem para os lados, não viriam nem sinal de Jibril e Lynn que naquela área pequena ainda deviam estar a vista.


~Shinsuke~


Era estranha a postura de Zed para com seu superior, apesar de querer colocar fogo e ver chamas espalhadas por toda a parte, com Cruzis, ele aparentava ser respeitoso e tão submisso quanto qualquer soldado exemplar da marinha. Depois das informações passadas para Zed pelo tenente, ele fica em dúvida sobre se daria conta de cuidar da área sozinho, mas Cruzis sem entender direito o que o rapaz fala, talvez por estar preocupado com algo que estaria para ocorrer em relação ao trabalho, talvez por algum motivo um pouco mais pessoal, bate a mão em sua testa, mexe um pouco em seu boné em uma tentativa de arrumar algo que já estava perfeito e responde depois de um suspiro apontando para as direções e traçando no mapa o caminho.

- Hunfp. Eu sempre me esqueço como soldados novatos são ingênuos, bem, saindo do QG... QG é o mesmo que quartel general... Só para ficar claro, de toda forma, continuando... Vocês devem sair do QG e seguir por dez quadras e virar à direita uma, não tem como se perder, tem uma praça bem na quadra que vão virar, deixe eu circular a praça também... Pronto, é só seguir isso! Agora vão, preciso ler e assinar vários documentos ainda, na verdade, vou pegar outros agora mesmo... –

Cruzis se levantaria e sairia da sala, a não ser que Zed o impedisse ou fizesse algo que fizesse com que o tenente parasse sua caminhada, o rapaz poderia ter ficado bravo pelo mesmo não ter respondido o que foi perguntado e ainda ter caçoado com sua cara, com isso descontando em Cruzis sua revolta. Depois do rapaz ter feito o que tinha para fazer diante daquela cena, saiu da sala, indo para o local indicado por Cruzis e seguiu com a missão dada a ele pela marinha. Andou pelas ruas de Loguetown, naquele dia ensolarado onde a neve já era bastante espessa e estava quase que completamente extinta, ele via civis passando pelo local, provavelmente realizando suas rotinas diárias de sempre. No caminho Hana se virou para Zed, parando a caminhada um pouco à frente do rapaz enquanto deixava uma das mãos ao lado da boca e apontava para seus seios com a outra. Ela então falou baixo, com um sorriso safado, o rosto avermelhado e uma voz até que de certa forma sensual.

- Hey Zed, o que acha de dar uma olhada neles? Tenho certeza de que seria uma boa ideia tanto para mim quanto para você. –

A garota ficava sorrindo esperando a resposta do rapaz e continuava.

- Vai ser rapidinho, não se preocupe, ninguém vai ver. Hihihi. –

Com isso, independentemente do que Zed falasse, ela daria uma boa olhada para os lados, assim que a garota confirmasse que não havia ninguém próximo deles naquela parte da cidade, Hana começaria a desabotoar sua farda. Então enfiou calmamente sua mão direita nela e de lá retirou o mapa que havia pegado à pouco tempo com o tenente no QG da marinha pouco antes de saírem, Hana então começou a rir com uma das mãos em frente à boca e deu uma olhada para o mapa, o mostrando para Zed.

- Hihihihi. Vamos ver, aquela deve ser a praça que ele falou, então é só seguirmos por ali e devemos chegar no lugar indicado. –

Eles andaram mais um pouco e para a surpresa de ambos, ou não, a área parecia completamente normal. Tudo parecia na mais perfeita ordem e isso ocorria porque mais a frente, Zed via quatro marinheiros no local se separando antes que ele conseguisse se aproximar o suficiente deles para fazer o que qualquer um com sua personalidade faria se visse aquela situação, sendo que os que estavam mais próximos era um rapaz ruivo, com olhos amarelos e tatuagens no rosto, além de uma criança de cabelos brancos longos e olhos avermelhados.

É claro que ele não deixaria aquela situação passar em branco, o rapaz tinha que ir falar com eles e tirar satisfação do porquê de estarem naquele lugar. Ele foi direto na direção dos dois que estavam mais próximos, acompanhando de Hana que simplesmente o seguia sorrindo, parecendo que não importava nem um pouco com os outros, apenas querendo ver o que seria daquela situação sabendo do temperamento tóxico de seu companheiro, até que quando ele se aproximou, deu um grito perguntando com raiva o que outros marinheiros faziam no local que havia sido designado por ele.


~Alipheese, Drake e Shinsuke~


Vendo a aproximação nervosa e intimidadora de um marinheiro desconhecido na direção de Ali e Drake, estando Drake sentado, enquanto descansava e conversava com a garota, a tímida, pequena e fofa garota tenta não se abalar diante daquela abordagem, que no geral deixaria qualquer um desconfortável. Então ela estende sua mão para comprimentá-lo e o responde falando seu nome, que havia sido mandada por Cruzis para ficar de olho no lugar com outros marinheiros e trocariam de turno com outros depois, era uma resposta simples e objetiva, qualquer um ficaria comovido com a fofura da pequenina e a deixaria em paz e tentaria executar seu trabalho em conjunto, caso tivesse recebido a mesma missão.

Mas quem estava diante dela não era qualquer um, era possivelmente a pessoa de temperamento mais explosivo que ela já havia conhecido na vida. Em resposta, sem se apresentar, Zed empurrou a mãozinha da pequena garota de cabelos brancos com um dos dedos e acabou falando para que ela não o atrapalhasse em sua missão. A garota que estava com Zed começou a rir dos dois e pulou para cima de Ali, deixando seus seios em cima da cabeça da pequena marinheira enquanto a abraçava por trás e colocava uma das mãos por baixo do queixo da garota, disse com uma voz doce.

- Own Zed, olha só para ela, como você tem coragem de dizer essas coisas grossas para essa garotinha? -

- Não ligue para o homem mau menininha, eu sou Hana, também fomos encaminhados para proteger essa área agora... -

- OOOOOI. ARGHHH. -


Hana terminou falando como se estivesse conversando com um bebê e sem levar a garotinha a sério. Mas, neste momento, Hana era interrompida quando notava um homem correndo na direção dos marinheiros, enquanto gritava, ele se aproximou ofegante e parou próximo deles colocando as mãos nos joelhos e tentando puxar ar para falar, foi quando a pequena garota se apresentou e falou que pretendiam manter a paz no local e preservar a segurança dos cidadãos, mas antes mesmo de terminar seu discurso, ele começava a falar.

- A loja… Arf… A loja de… Armas… A loja de armas vai ser atacada! -

Não demorou até que ao fundo, fosse possível escutar o grito de algumas pessoas, seguido por disparos e civis correndo. Algo ruim provavelmente estava acontecendo ali por perto. Os sons haviam vindo de algum lugar bastante perto, não seria difícil que encontrassem o lugar se fossem ver o que estava acontecendo.


~Makei~


Enquanto Ali e Drake conversavam sobre como fariam em dupla para cobrir toda a área que teriam que ficar de corpo presente para manter a população com a sensação de segurança, Lynn tinha outros planos e não eram relacionados necessariamente a patrulha. Vendo um vão entre duas casas, Lynn não pensou duas vezes, puxou Jibril pelo braço e a colocou contra a parede de uma maneira no mínimo violenta, mas sem que a machucasse nessa abordagem, aproximou seu rosto próximo da garota que estava sorrindo e esperando para ver o que ele tentaria fazer. Lynn colocou seus braços entre a cabeça da celestial e pôs uma das pernas entre as pernas dela, nesse momento questionou sobre o que ela havia feito com ele e se tinha algo na comida que ela lhe dera. A garota começou a responder em um tom irônico.

- O que foi imperador, não ta aguentando a pressão? Precisa de alguma ajuda aí? Você vai precisar implo... -

Mas, antes que a frase fosse completada, algo estranho a fazia parar, ele sentia algo úmido escorrendo na perna que deixava entre as da garota, estava quente, além de estar molhando suas vestes e consequentemente sua perna, inicialmente o rosto da celestial demonstrava um leve nojo, e rapidamente ela descia a vista para a perna. Se olhasse, veria que ela estava segurando um cantil e o que escorria era algum tipo de bebida quente, a garota então sorria pois por algum momento também havia se assustado, na cabeça da mulher de asas, aquilo pareceu ser urina, e ela de fato por alguns segundos acreditou que o garoto não tinha aguentado a pressão por sua última fala e tremido nas bases, mas quando ia começar a falar novamente, era interrompida por alguns gritos, seguidos de civis correndo na rua ao lado da que deviam vigiar e o alto som de disparos. Lynn começa a sentir ardência em sua bochecha, fazendo com que o rapaz fizesse a associação de tudo e percebesse que uma das balas havia pego de raspão seu rosto, assim que o virava via que era do local que ele estava de frente para o beco coincidentemente, essa era a loja de armas e materiais que eles tinham entrado mais cedo. Vendo isso, Jibril se soltou dele rapidamente, mirou a arma em direção a loja, começou a se mover em direção a eles com sua pistola pronta para atirar, sendo que seus passos eram bem compassados mas rápidos, mostrava uma excelente postura.

- Não temos tempo pra essas coisas, vamos rápido!!! -


~Alipheese, Drake, Makei e Shinsuke~


Agora, lá estavam todos em meio ao caos naquele que parecia ser só mais um pacato dia sem uma corrente de vento no ar, com o Sol no alto do céu, sendo que maior parte das casas do lugar eram de pedra e se antes era possível se notar um ou outro civil, cada vez haviam menos já que eles começaram a fugir com os disparos. No chão de pedra do qual são compostas as ruas de Loguetown, ainda haviam vestígios de neve aqui e ali, mas nada que não fosse se esvair logo, o único problema que fez daquele belo dia um possível caos estava bem próximo dos marinheiros. Sendo que estavam Alipheese, Drake, Hana e Zed ainda em uma esquina e Jibril junto de Lynn no beco de frente para o local dos disparos, mas facilmente todos teriam acesso a mesma já que o problema ocorria nela.

Se fossem ajudar no que quer estivesse ocorrendo, veriam que os disparos haviam vindo de uma loja de armas, sim era o local que eles anteriormente tinham comprado seus materiais, Ali por sua visão privilegiadamente aguçada via algo chamativo de onde estava, além do que todos escutavam e percebiam, era a celestial que saia rapidamente de um beco fazendo um sinal com as mãos apontando na direção de onde havia saído e dava de frente para a loja que estava uma rua abaixo da que estavam, além de fazer um sinal para que a acompanhassem por lá, mas sem esperar, novamente ela entrava no beco indo na direção da loja que todos veriam assim que chegassem no beco entre as duas casas onde estava a celestial.

Chegando de frente para o beco onde Jibril estava, de cara Ali perceberia mesmo que de forma não muito notável o que Lynn, se olhasse antes que o grupo se juntasse novamente, teria visto, um bandido portando uma arma de fogo, estava frente a bancada da loja mirando no vendedor que mexia no caixa, provavelmente pegando o dinheiro. Jibril já estaria próxima da loja, atrás de um barril ainda no beco quando os demais marinheiros a alcançassem, com exceção de Lynn que estava ao seu lado.

Zed, Drake e Hana, que estavam conversando não conseguiram perceber a celestial, entretanto escutaram o barulho que os disparos tinham feito, alem dos gritos dos cidadãos e sabiam que algo estava ocorrendo naquele instante, quando eles se aproximassem mais e vissem mais de perto a loja, assim como Alipheese e Lynn, conseguiriam ver o que estava acontecendo e que aparentemente ninguém havia se ferido ainda, talvez os disparos tivessem sido feitos apenas com o intuito de afastar as pessoas, então poderia ser que tudo estivesse bem até certo ponto, ou não… E esse era o problema, não se ter uma certeza de o que estava acontecendo, até onde as coisas iriam rumar? Era esse o ponto da decisão.

Clima:
 

Posts:
 


____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.][Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.][Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.][Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Convidado, consistência é o segredo! Só vai!


Última edição por Fanalis B. Ria em Qua 04 Jul 2018, 12:22, editado 5 vez(es)
Voltar ao Topo Ir em baixo
GM.Alipheese
Comodoro
Comodoro
GM.Alipheese

Créditos : 56
Warn : Tróia - Parte 3 - Pandemonium - Página 4 10010
Feminino Data de inscrição : 31/03/2013
Idade : 26
Localização : Olympo- 5ª Rota

Tróia - Parte 3 - Pandemonium - Página 4 Empty
MensagemAssunto: Re: Tróia - Parte 3 - Pandemonium   Tróia - Parte 3 - Pandemonium - Página 4 EmptyDom 01 Jul 2018, 21:28

A fé na marinha.



Estava ali a caminho de sua primeira missão, para a garota talvez não houvesse sentimento mais animador do que esse, afinal era parte de seu sonho e todo o contexto da missão profundamente poderia ali fazer com que ela pudesse se sentir direcionada a sentir um carinho a mais pelo que poderia vir a sua frente e como se o próprio cenário do campo de treinamento por si só não pudesse lhe acalentar o coração como o próprio cenário de preparação ali era para ela interessante, diferente do que esperou quando estava explicando aos rapazes sobre o uso seguro de um sinalizador, ali teve confiado a ela por Lynn em um primeiro momento que ela pudesse carregar por ele o sinalizador, até esse momento não se passava pela sua cabeça a idéia de que o grupo como um todo pudesse trabalhar de uma forma que não fosse em conjunto, então Ali, não pensou que isso poderia colocá-lo em risco, mas uma ação havia a surpreendido um pouco pela parte do rapaz, que havia lhe acariciou a cabeça um gesto de carinho ao qual não poderia ali esperar do garoto e a sua reação havia sido de encolher-se um pouco ao sentir o toque, a sensação era boa, ainda mais vinda de alguém por quem ela tinha algum carinho e respeito mas, ter a sua bolha rompida de repente ainda era algo que ela havia de se acostumar, pois parecia ser algo que estava tornando-se rotineiro, seus cabelos haviam sido bagunçados em um primeiro momento, fazendo com que antes de que ela mesma pudesse pôr um pouco de vaidade e até mesmo conforto levar suas pequenas mãos a cabeça para que pudesse arrumar o próprio cabelo, a celestial o faria, fazendo com que a pequena pudesse olhar para cima na direção daquela que levemente havia mexido em seus cabelos, ainda que estivesse ali concentrada, era inevitável que um sorriso pudesse lhe surgir, era um gesto muito simples de cuidado e fosse pela forma como seus sentimentos agiam de forma intensa ou até mesmo pelo pouco contato afetivo ao qual ela teve nos anos que passou sozinha, aquilo poderia acelerar um pouco seu pequeno coração.

Respiraria fundo, perguntar não havia sido uma tarefa fácil, em especial pela garota ser alguém que era ainda uma pessoa nova a se conviver, e isso fazia com que a sua própria cabeça, se misturasse ao turbilhão de sentimentos que agora tentavam tomar a sua razão, quando ela se aproximava da celestial e como poderia  naquele momento ser diferente? Tentaria decifrar a celestial, usando de sua própria  razão, no entanto o próprio universo que era a cabeça de Jibril ainda era completamente diferente do seu modo de pensar, ainda que não fosse de uma forma que pudesse lhe desagradar.  Os olhos vermelhos da alva marinheira naquele momento se focaram na aproximação da celestial, seu rosto aos poucos era tingido pelos mais belos tons de vermelho e a sua própria respiração que até então estava mais tranquila, por um momento começou a ficar mais acelerada, era notável a celestial naquele momento, caso ela estivesse a olhar nos olhos que suas pupilas dilataram levemente, ainda que talvez ela não tivesse experiência assim como a própria garota, não era muito difícil entender o motivo para que isso pudesse acontecer. Como um pequeno gatinho é capaz de acompanhar um feixe de luz com os olhos, assim ela faria ao ver a celestial ajoelhando-se e aproximando-se mais de sua altura, poderia ouvir ali ela aproximando-se de seu rosto, mais especificamente para falar algo em seus ouvidos e nesse momento seus pequenos dedos ficaram super rígidos, como se literalmente estivesse ali paralisada um pouco pelo que ela poderia fazer e mentiria se pudesse ali dizer que o que passou pela sua cabeça não havia sido algo que por mais legal que pudesse parecer, ainda lhe era constrangedor esperar aquilo, em especial por não estarem sozinhas. Poderia sentir a sua respiração, era úmida e quente e pela proximidade da garota ali, como uma reação natural de seu corpo, um pequeno arrepio percorreu-lhe fazendo com que mesmo tensa, naquele momento seu corpo acabasse por levemente ter um efeito similar ao de levar um pequeno choque, que era bom de se sentir. Nesse momento, tudo parecia correr muito rápido, quando menos esperou já se via envolvida no braço da marinheira de cabelos rosa de modo que pudesse tocar o seu ombro, enquanto sua própria mão era guiada pela mesma de modo que uma sensação estranha em meio a tudo aquilo poderia ser sentida, algo gelado cercava o seu pulso, algo que lhe passava a idéia de ser algo metálico, algo que talvez fosse estranho ela dizer que poderia reconhecer. No momento em que a voz da celestial havia saído para que pudesse lhe esclarecer a preocupação, era um momento que uma segunda onda de arrepio havia lhe percorrido, fazendo com que ela olhasse para o próprio pulso que agora estava envolvido por uma das partes da algema, que por mais que ainda tivesse a chave era um sentimento estranho e não muito confortável. Conforme a celestial ali havia se afastado um pouco, levaria a sua mão livre para que pudesse girar a chave da algema, prontamente a segurando e guardando uma das chaves em um bolso, enquanto prenderia uma das partes da algema ao próprio coldre, mais especificamente no cinto ao lado esquerdo de sua cintura, fazendo com que ela pudesse ficar pendurado de forma confortável e que não pudesse fazer barulho enquanto ela andava.

Com isso, não demorou muito para que pudessem partir para a missão, estava ali sendo guiada por Jibril, assim como todos os outros integrantes da missão mas, mesmo que talvez não fosse de sua personalidade contar alguma vantagem, era difícil fazer com que ela ali não pudesse sentir-se um pouco mais sortuda, a sensação que as mãos da celestial tinham lhe traziam um sentimento bom, e a fazia ainda que mais calma ter um pequeno rubor presente em seu rosto de forma discreta, o caminho não era demorado, a vantagem de se ter alguém que conhecia bem o local por perto era muito boa, diferente de Shells Town, talvez se fosse girada ali umas três vezes não saberia como voltar ao QG sozinha sem que tivesse de perguntar.

A idéia de se separar havia sido dada e ao que pareceu, todos aceitaram bem mas, a área por si só, era bem diferente aos seus olhos do que ela havia imaginado quando pensou sobre o que seriam 200 m², diferente de sua própria noção que seu ofício lhe dava em trabalhar com medidas milimétricas as vezes que podem requerer uma extrema precisão, sua própria noção geográfica não era algo que ela poderia se orgulhar muito, já que o local que tinham de monitorar não era maior do que pelo menos duas vezes o espaço de sua pequena casa que havia deixado para trás. De qualquer forma, não importava muito a ela se o trabalho era grande ou não, a população em si parecia até mesmo não atender às suas expectativas em relação a situação descrita pelo Tenente Cruzis, talvez por outro grupo de marinheiros ter feito um trabalho exemplar, gostava de pensar nisso e talvez em seu coração não pesasse muito a própria preparação que ela faria para tentar acalmar a população. Antes que se separasse de Drake, receberia dele um terceiro sinalizador, tendo a certeza de travá-lo caso houvesse alguma trava antes de guardar naquele que era provavelmente o último espaço de seu coldre, a idéia de se ter uma bolsa para carregar as coisas além de um coldre começava a ser um pouco mais charmosa, quando via o quantos objetos naquele momento tinha em sua posse. Em sua cabeça, fazia uma pequena contagem e poderia jurar ali que haviam mais sinalizadores do que pensou ter visto Jibril trazendo, já que ela também teoricamente carregava outros três consigo mesma. Seria um truque de Drake ou ela mesma havia se confundido?

Não levaria muito tempo até que um marinheiro com uma atitude abrasiva pudesse questioná-la,mesmo diante de sua atitude calma e positiva, não pareceu pela parte do marinheiro que aquilo importava muito, recolheria a sua mão de modo a tê-la mais próxima de seu corpo e naquele momento não havia muito que ela pudesse manter como algum pensamento ou ação ruim em relação ao marinheiro. Heróis também tem seus dias ruins e talvez ela mesma não tivesse a melhor das aproximações, a garota de olhos azuis que estava acompanhando o loiro pareceu se divertir um pouco com a situação mas, logo havia tomado uma atitude um pouco inesperada de zelo, de modo ao qual, talvez pela própria farda não tivesse uma reação defensiva quando ela aproximou-se a abraçando por trás, como uma criança, enquanto passava a mão no seu queixo, era tudo tão rápido que ela por um momento até não conseguiu ouvir muito bem as palavras que a garota havia a dizer, seus pensamentos ficaram um pouco confusos e seus olhos por um momento arregalaram, antes que ela pudesse respirar fundo e acalmar-se um pouco, na medida do que era possível.
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

“ As pessoas de loguetown certamente tem um comportamento muito mais amigável, do que em minha ilha, digo, é  a segunda vez em que eu… Em que eu sou subitamente envolvida dessa forma, no entanto mesmo que seja incômodo que me trate como uma criança, não posso dizer que de certa forma a preocupação não está me sendo agradável de certa forma @-@... Qual era o nome da menina mesmo? Hana, certo? Não seria muito educado que eu não lembrasse pelo menos disso, pelo modo que ela agiu, devo supor que o resto das palavras foram coisas positivas… Certo?... CERTO? No pior dos casos, talvez sorrir e não me mexer muito talvez seja o melhor, essa sensação pesada sobre a minha cabeça, talvez seja até mesmo uma piada, por eu não ser tão abençoada… Foco Ali, não viaja nos pensamentos!”

Ainda que talvez pudesse parecer uma eternidade dentro de sua mente em que ela havia fugido um pouco da realidade para lutar contra os acontecimentos em um lugar onde ela tinha a fé idiota de que lhe seria mais vantajoso ao levar para o seu campo mental, não parecia que havia passado muito tempo, e a frente de seus olhos um civil interromperia toda aquela situação em que as duas estivessem tendo naquele momento com uma aparência desgastada, como se o ar pudesse lhe faltar, sua feição não parecia das melhores e talvez aquele fosse o momento para o qual treinou mentalmente para exercer, havia colocado o melhor sorriso que poderia em seu rosto, em sua própria cabeça isso poderia passar segurança e respirando fundo ela começaria o que parecia ser o ideal para se falar naquela situação, para o único cidadão ali que parecia abalado com algo.

-Eu sou a oficial Alipheese Fateburn, eu gostaria de informar que vocês estão seguros agora, está tudo b-...


Tentaria dizer no tom mais doce que pudesse, antes que fosse completamente interrompida pela mensagem de que a loja de armas estava prestes a ser assaltada, aquilo por um momento a colocou em um estado de alerta grande, por pensar demais, talvez até pudesse ter pensado em algum momento que aquilo talvez fosse uma armadilha ou algo do tipo, mas a possibilidade de ser simplesmente um cidadão lhe informando que havia outro precisando de ajuda, isso a fez tomar uma postura um pouco mais séria, por mais que o sorriso pudesse permanecer em seu rosto, caso o civil pudesse continuar a sua frente e em uma altura ao qual suas mãos pudessem alcançar, tentaria colocar  a mão direita sobre seu ombro esquerdo enquanto suas pequenas pernas a moveriam para mais próxima do homem, aquele seria um sinal de “ que tudo terminaria bem”, por mais singelo que fosse, e por menos ameaçadora que a sua aparência poderia soar, não seria difícil para que ela pudesse cativar o coração de alguém através de suas ações.  A sua frente barulhos de disparos faziam com que a população naquele momento pudesse começar a gritar em um certo pânico, não havia sentido que ela pudesse para-los naquele momento ao tentar acalmá-los, precisava investigar a origem dos disparos, pois uma vez que pudesse determinar isso, poderia realmente ajudar, por mais que talvez não tivesse algum reconhecimento, o seu foco não era a glória mas fazer o bem.

Olharia para os lados e caso Hana e talvez o loiro ainda estivessem próximos, tomaria a frente de uma forma que nem mesmo parecia ela, quando ali havia visto algo que talvez apenas sua visão privilegiada poderia permitir, o sinal de Jibril.

-Venham comigo… Como foram vários disparos talvez tenha mais de um atirador.

Sua voz não era muito alta, parecia mais um suspiro do que uma fala  e em um tom tranquilo a mesma diria de um modo que em momento algum soaria como imperativo ou como se ela a colocasse acima dos outros, naquele momento ela reconhecia a necessidade de precisar da ajuda tanto do loiro como de Hana e talvez isso pudesse fazer com que eles a seguissem sem muitos questionamentos, enquanto ela caminharia até o beco onde poderia eventualmente ver ali também Lynn. Caso pudesse se ver acompanhada, haveria de certeza um pouco mais de segurança em seus passos.
Talvez não tivesse notado em um primeiro momento mas, quando aproximou-se um pouco mais poderia ver ali não somente que aquela era a loja ao qual haviam visitado mais cedo, como havia um homem coagindo a pessoa responsável pelo atendimento, seus olhos não poderiam ajudá-la muito além disso mas, ela tinha três vantagens muito grandes naquele momento, por ter precisado descer um pouco pelo beco para que pudesse ter uma visão limpa do criminoso, essas três vantagens as quais ela pretendia aproveitar por completo. A primeira vantagem é que estava em um terreno mais alto do que o seu oponente, a segunda vantagem era que não apenas tinha a luneta para que pudesse ali lhe garantir uma maior precisão com o  rifle de precisão ao qual ela mesma havia feito e a terceira vantagem era o elemento surpresa.

“ Certo Ali, vamos com calma, respire fundo, determine qual o tipo de arma que ele está usando, se algum disparo poderia fazer com que ele apertasse o gatilho ou se ali há a possibilidade de alguém se ferir, devemos pressupor que talvez tenham mais criminosos pela região… Não parece o melhor dos planos invadir sozinho uma loja de armas… Eles tem armas lá dentro!”


Se posicionaria de modo que fosse confortável para que ela pudesse aproveitar da luneta de sua arma para poder ver melhor a situação da loja como um todo, usando de algum apoio caso houvesse um dentro do beco, do contrário poderia ali contar apenas com a própria força física ali para garantir-lhe estabilidade, algo que não era bem um problema. No entanto não poderia agir sozinha nisso e por isso, ainda que não tivesse um plano muito complexo por não ser exatamente a melhor estrategista, achava benéfico que pudesse expor como ela poderia prosseguir.

-Eu posso desarma-lo… Se algum de vocês conseguir se aproximar e derruba-lo aproveitando dessa abertura, podemos terminar com isso sem maiores problemas… Não o matem, levá-lo preso é o melhor que podemos fazer… E se ele for um só, depois do tiro não deve apresentar um perigo para o grupo… Há pessoas ao redor e a morte não vai ser algo que poderá trazer paz ao coração dessas pessoas… Não quando já tiveram de lidar com isso…Nossa missão de certa forma… É trazer paz para a população...

Diria a garota em um tom calmo e extremamente gentil, ainda que houvessem algumas pausas para que ela pudesse respirar e ter uma dicção entendível, como de praxe sua voz não era muito alta e era gentil aos ouvidos. Talvez a segurança que ela fosse capaz de passar através de sua voz fosse muito maior do que ela esperava e para o caso de isso gerar alguma reação mais incomum ou até mesmo mais carinhosa em relação a ela, por um momento tentaria olhar a pessoa nos olhos, tentando não fecha-los pela insegurança, sendo especialmente Lynn aquele que poderia pega-la despreparada.

Uma atitude vinda do ruivo de excessivo carinho, fosse nas palavras ou mesmo em suas ações, a faria ruborizar e por um momento perder um pouco do foco das ações por um momento, por mais que seus olhos não o enxergassem como um parceiro romântico mas, como alguém que ela tinha um profundo carinho o rapaz era bonito e uma aproximação súbita de modo carinhoso, seria o suficiente para fazer com que ela pudesse bugar um pouquinho ao ficar travada, sem saber como reagir.Caso isso acontecesse era provável que sua mente acabasse a levando por um lado talvez até cômico.

"S..Será que tem algo no ar de Loguetown?N-Não é possível, eu... Eu... Já li sobre essa ilha ser conhecida como o local do inicio e do fim  mas... Mas... Nunca algo tão... Tão... Afetivo?Primeiro houve o senhor Kamui, que demonstrou-se muito mais gentil, Depois Jibril... O próprio Tenente Cruzis abraçar Lynn também foi algo que eu não esperava...A oficial Hana, também foi muito gentil comigo eu... Mas até mesmo Lynn? Não é hora para divagações Ali, se concentre na missão, há pessoas que você precisa ajudar."


Com isso,naquele momento  focaria-se completamente no que poderia ver através de sua luneta, confiando que os demais pudessem fazer a parte que ela não era capaz de fazer e este era o combate físico. Por um momento fecharia os olhos enquanto tentaria naquele momento acalmar a própria cabeça, sua respiração tornava-se mais profunda e aos poucos os próprios músculos de seu braço tornavam-se mais relaxados, sua mente naquele momento entraria em um estado quase que meditativo e aos poucos abriria seus olhos de modo que a sua própria feição estava mais séria e o seu estado de concentração poderia ser comparado ao de  praticantes de esportes que elevam seus físicos e sua mente a um estado de concentração sobre-humano, ali não parecia que a movimentação ou a distância de seu alvo eram um obstáculo, em uma posição estacionária ela ali se manteria, enquanto acabaria soltando após uma longa respiração de forma bem baixinha e tranquila.

- Flow...

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
Agora que estava dentro do ápice que poderia alcançar até o momento como uma atiradora, Alipheese tinha a sua concentração em seu alvo, onde levaria  o tempo que fosse necessário para que pudesse ali atingir a precisão em seu disparo, consideraria naquele momento a movimentação tanto do criminoso, quanto do próprio atendente, de seus companheiros caso fosse possível que ela os visse e do próprio momento ao qual poderia ser mais oportuno, destravaria a sua arma e realizaria o seu disparo tendo como objetivo atingir a mão do ladrão e desarma-lo, partindo de um possível sucesso, só poderia ali esperar a ação dos demais companheiros para que pudessem restringi-lo, colocando em uso as algemas, caso o primeiro disparo não pudesse ser um sucesso, em seu estado mental atual não haveria espaço para que a movimentação causada pela falta de sucesso do primeiro disparo pudesse dar uma brecha para o seu infeliz alvo, um segundo disparo seria feito de modo que  se ele tivesse o mínimo reflexo de tentar disparar, não houvesse o tempo para que ele pudesse fazer isso apropriadamente, no caso do infeliz caso de dois disparos não serem um sucesso, o que era de uma improbabilidade muito grande, aquilo poderia pelo menos abrir uma boa brecha para os combatentes físicos pudessem fazer o seu papel.

Uma vez que o alvo pudesse estar devidamente restrito, permitiria-se sair do seu estado de concentração, se não houvesse ali mais alguma ameaça que pudesse afetar a população ou ao grupo, onde ela ergueria-se e colocaria a arma próxima do próprio corpo, quase como se a abraçasse, ativando ali a trava de segurança para que pudesse caminhar até a loja de forma mais tranquila até a loja, talvez ali naquele momento tanto o atendente, quanto alguma parte da população local precisasse de um suporte, agora que a ameaça ali havia desaparecido graças ao trabalho em equipe que o improvável grupo poderia ter naquele momento. Respiraria fundo, seus braços talvez estivessem levemente doloridos pela sua técnica a forçar a resistir ao recuo de sua arma, ao qual era muito maior do que estava acostumada, sem que pudesse perder a precisão para o caso de múltiplos disparos. Seus olhos, procurariam se havia algum ferido que não fosse o criminoso dentro do local e caso não houvesse um se dirigiria diretamente ao homem que até a poucos momentos atrás estava sobre a mira de uma arma, tendo a sensibilidade de não deixar a sua arma sequer próxima de apontar para alguém, pela sua posição estar virada em direção ao teto e a de finalmente executar o que ela havia planejado fazer anteriormente. Colocaria o melhor sorriso que pudesse no rosto e com o tom mais confiante que podia, apresentaria-se, não bastava ajudar a eliminar o mal se aqueles que ela pudesse proteger não pudessem ter seus corações salvos.
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

-E- Eu sou a oficial Alipheese Fateburn, você ficará bem, assim como toda a população também ficará.O responsável pelos  crimes irá encontrar um julgamento justo pelas suas ações e a justiça será feita.Não há mais necessidade de ter medo ou se deixar cair pelo desespero… A marinha estará aqui para protegê-los, para não deixar que a esperança dentro do coração de cada um de vocês deixe de existir.


A voz da garota sairia em um tom extremamente gentil, pela própria sonoridade e pelo seu modo delicado de falar capaz de transmitir a profunda e sincera emoção que sentia naquele momento seria difícil que alguém pudesse blindar o seu coração para a verdade que estava à frente, o criminoso havia sido capturado e todos poderiam ter a esperança ao viver mais um dia, em meio ao seu gesto a pequena garota esticaria a sua própria mão provavelmente tendo de olhar para cima enquanto falava, sua aparência naquele momento talvez fosse uma arma maior do que a que segurava com suas mãos, diferente da ideia de alguém que passava o poder, sua aparência inofensiva se acoplada ao seu charme natural naquele momento poderia ser ferramentas muito boas para que palavras positivas pudessem ser melhor aceitas. Não era fácil agir como sonhava poder ser a todos os momentos e por mais que o seu exterior pudesse passar uma firmeza grande, não havia nada mais trêmulo do que a garota em seu interior que forçou-se a imagem daquilo que almejava um dia ser.

Caso houvesse mais alguém que precisasse de sua luz, a garota se esforçaria para que cada uma das pessoas ali próximas que pudessem apresentar pelo menos uma melhoria em seu espirito, por meio de suas palavras e por meio das ações do grupo, não era a mais forte, tampouco a que inspirava mais poder ali, mas seria difícil dizer que ela não poderia cativar. Uma vez que tudo estivesse nos conformes, acompanharia o grupo a escoltar o prisioneiro pelo QG. No entanto, ela não havia feito o trabalho sozinha e reconheceria o esforço de todos, era possível vê-la abaixar a cabeça um pouquinho, como se estivesse pensativa ou algo do tipo, ela gostaria não só de parabeniza-los, como também gostaria de colocar a ideia de que ela gostaria de fazer a parte mais chata a maior parte das pessoas, o relatório.

-E..Eu queria dizer que.. Bem... Vocês todos trabalharam muito bem...Fiquei feliz em ver que mesmo as pessoas com quem eu trabalho pela primeira vez... pudessem trabalhar tão bem em grupo...T..Talvez não valha muito um elogio vindo de mim mas...Eu achei justo que soubessem que... Que eu  os respeito pelo modo como agiram nessa missão... Eu...Eu... Gostaria de poder fazer o relatório quando chegarmos, é algo que me faria feliz caso vocês pudessem me permitir fazer.


A garota mantinha-se andando enquanto falava,  seu timbre sairia extremamente gentil aos ouvidos e suas palavras eram doces, pela própria desenvoltura da garota, era notável ver que ela pausava um pouco para respirar e as vezes parecia pensar um pouco nas palavras que iria dizer mas, mesmo que tivesse ali o seu tempo, era notável que havia sinceridade em suas palavras e que elas poderiam passar um sentimento muito bom a quem a ouvisse, o modo como ela era capaz de reconhecer e aceitar as pessoas, eram características que faziam até o momento com que ela fosse um ponto central fácil para que o grupo pudesse se conectar, mesmo que as pessoas fossem diferentes em personalidade, em suas crenças e em seus modos de agir, quando estas pudessem ver que havia alguém que os respeitasse e buscasse o melhor, talvez não fosse difícil ouvir suas sugestões. A pequena estava feliz por ter conseguido de algum modo transmitir aquilo que havia de bom dentro de si.

Talvez, para ela, nem considerasse isso como um trabalho, afinal estava vivendo o seu próprio sonho.Seria extremamente receptiva para o caso de alguém vir conversar com ela, apesar de sua insegurança provavelmente fazer com que ela não pudesse dizer muito naquele momento, restaria a ela caminhar até o QG, algo que  ela preferiria deixar que alguém a guiasse, pois talvez nesse momento caso ela fosse a primeira, não fosse capaz de encontrar o caminho por si mesma, devido a própria empolgação. Caso Jibril quisesse leva-la segurando a sua mão, apesar de ter muitas pessoas olhando, ela não saberia recusar, até  mesmo por no fundo ela gostar muito de como aquilo acontecia, ainda que talvez não soubesse como expressar direito. E caso esse tipo de coisa acontecesse, seria bonitinho como seu rosto ganharia cores e como a diferença entre a altura e corpo das duas poderia fazer com que fosse muito mais visto ela ali como uma criança, do que como  a pessoa séria e focada que havia se mostrado ao liderar parte do plano para a captura do criminoso, para aqueles que fossem mais atentos, caso isso tivesse acontecido, seria possível ver um olhar da garota em direção a celestial, que era algo bem carinhoso.

Uma vez que estivesse  próxima ao QG, perguntaria a Jibril como deveria ali prosseguir, era a primeira vez que ajudava na captura de alguém que ela mesma deveria escoltar.

-J-Jibril, devemos levá-lo até o Tenente Cruzis? Ou algum soldado deve prosseguir com isso? Digo... De levar o criminoso...

Diria em um tom fofo e inocente, seu rosto acabaria tomando um tom mais avermelhado e o seu olhar em direção a celestial  era cheio de ternura, diferente da garota forte que a poucos momentos poderia talvez parecer devido a sua postura dentro de uma missão, quando se tratava de relações normais em especial com a celestial, ainda era um desafio grande a ela ter de lidar. Seguiria pelo caminho que a  marinheira a guiasse, por fim teria de reportar a missão ao tenente de toda forma, não havia muito como fugir de vê-lo novamente, caso fosse capaz de pensar que poderia chegar sem ajuda, não veria problema de tomar a frente do grupo, no entanto caso lhe fosse oferecida a ser levada pela mão, não era como se ela não  gostasse de ter alguma recompensa desse tipo. Estivesse com o prisioneiro ainda ou não, educadamente bateria na porta do Tenente levemente com as costas das mãos.

-T..Tenente, nós retornamos para reportar a missão…

Apresentaria-se antes que fosse dada a permissão para que pudessem entrar, prestaria atenção naquilo que o Tenente poderia dizer e respeitosamente esperaria a sua hora de falar, caso fosse pedido um relatório, colocaria-se um passo a frente, fecharia os olhos por um momento respirando fundo e então começaria o relatório para Cruzis.

-Quando saímos do QG, não tivemos muita dificuldade para encontrar o local marcado pelo mapa, ainda que não houvesse alguém com experiência em ler mapas que tenha se apresentado em nosso grupo, a Oficial Jibril foi de uma ajuda muito grande para nos situar e guiar pela missão. Apesar de não ser uma área muito grande, acredito que talvez pelo senhor ter mandado algum outro grupo que havia sido bem competente em seu trabalho, a população no geral não pareceu estar tão abalada quando chegamos, no entanto continuamos a nossa ronda até que algo havia acontecido, um civil avisou sobre um assalto que aconteceria a loja de armas, sim o indivíduo teve a idéia de assaltar uma loja de armas, mesmo sabendo que poderia encontrar alguém armado lá dentro, ainda que já houvesse quem pudesse nos substituir pela nossa missão já estar concluída, eu assumo a responsabilidade por termos seguido para ajudar, pelo meu próprio senso moral eu não poderia ignorar alguém que precisasse de ajuda… Conseguimos capturar com sucesso o homem que acredito que gerou a missão em si e o medo na população… Tive a certeza de conversar com os cidadãos que eu vi que estavam abalados, reforçando a confiança que a população poderia ter na marinha, de modo que eu sinto que pudemos ajudar, senhor. Caso o senhor ache necessário algum tipo de punição pela minha ação ter desobedecido a ordem do senhor de chamar por reforços, eu aceitarei.

Diria a garota com diversas pausas, sua voz era tranquila e passava a sinceridade que havia dentro de si, era incapaz de oferecer algo em seu relatório que a beneficiasse ou a alguém, apenas a verdade seria dita. Sua postura abaixaria-se como uma espécie de referência, enquanto ela manteria os olhos fechados, era possível notar que em sua frágil aparência que ela poderia tremer um pouco pelo medo da bronca, por sua ação ter desacatado  a ordem de seu superior, não era capaz de achar que havia tomado a escolha errada ao não fazer vista grossa, mas saberia que hierarquicamente, talvez fosse algo errado. Caso fosse dada alguma ordem para que ela cumprisse, dificilmente seria possível que a garota questionasse desde que pudesse fazer algum sentido ao que ela esperaria do Tenente, assim como se ele tivesse algo a dizer, respeitosamente o ouviria de forma mais educada que pudesse.



Técnica utilizada:
 


Histórico.:
 

Objetivos”:
 

Off:
 

____________________________________________________


[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Ação
Pensamento
Fala
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]


Última edição por Alipheese em Qua 04 Jul 2018, 12:30, editado 3 vez(es) (Razão : Esqueci de por um R no Senhor mds)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Achiles
Sargento
Sargento
Achiles

Créditos : 47
Warn : Tróia - Parte 3 - Pandemonium - Página 4 10010
Masculino Data de inscrição : 01/09/2017
Localização : The Wonderful Land - 1º Rota

Tróia - Parte 3 - Pandemonium - Página 4 Empty
MensagemAssunto: Re: Tróia - Parte 3 - Pandemonium   Tróia - Parte 3 - Pandemonium - Página 4 EmptySeg 02 Jul 2018, 15:10



Tróia - Parte 3
Pandemonium


Sabe quando você pensa: “Isso vai ser errado, vai te fazer mal!” e você simplesmente ignora esse aviso mental de si mesmo?! É, era a minha situação com One naquele momento, ela correspondia o meu segundo beijo e nós começávamos a treinar, felizmente, o treino estava seguindo como sempre, ela me instruindo certos detalhes e ajudando-me em minhas curtas pausas para o prosseguimento do treino, as suas barras de cereais e água eram sempre muito bem aproveitadas e agradáveis, não havia como não me sentir melhor após isso, mas no fim, a dor começava a ser sentida em meu peito. A agente entendia o que eu estava falando, ela dava um suspiro e começava a falar, a cada palavra, meu peito dava uma fisgada, saber que eu estava mexendo com a sua cabeça não era uma coisa boa, por mais que eu gostasse dos prazeres da carne, haviam suas consequências e eram tais consequências das quais me deixavam mais para baixo e triste comigo mesmo. O seu sorriso no final de todas as suas palavras passavam uma imagem de mais conforto, eu sabia que estava fazendo o certo, mas doía ter que fazer aquilo. Seu abraço era mais do que confortante e eu não via motivo para não retribuí-lo e com um beijo em minha bochecha, o treinamento estava por fim, terminado. - Vai lá, se cuida. – Eram as únicas palavras das quais saíam da minha boca naquele momento e era impossível eu não parar de pensar naquilo, naquele momento.

Minutos depois eu estava no refeitório e com um prato de comida na mesa, conseguia ter um foco maior em meu objetivo futuro, eu havia de vingar a morte de meu pai e para isso, eu precisava me tornar o ser mais forte possível, então, chega de me preocupar com isso. Meu sorriso no rosto vinha em seguida e antes que eu pudesse completá-lo, Ramiel sentava-se em minha frente. Ele estava do mesmo jeito que eu havia visto pela primeira vez, sua aparência intimidadora, aquele olhar de quem já viu muita coisa em sua vida e mostrava quanta experiência ele havia adquirido em sua vida. - Eu diria que ele está em noventa e sete por cento(97%). – Eu mexia o meu braço direito para testar como ele estaria, se sentia alguma dor mesmo estando engessado ou alguma sensação diferente da qual estava acostumado anteriormente. - Me provar novamente? Sem problemas, lhe mostrarei o que esse braço pode fazer! – O meu sorriso no rosto acompanhado de um joinha com a minha mão esquerda, estava confiante de que poderia desafiar o homem e para mim, também era um teste lutar com a esquerda e testar a minha direita novamente, pois já fazia um tempo de que não usava ela.

Ramiel saia da sala e eu me apressaria para comer o quanto antes, meu estômago estaria cheio e provavelmente uma luta naquele estado poderia acabar me dando uma congestão, mas os meus inimigos não esperariam a minha digestão para me atacar. O meu sangue começava a ferver, a emoção de estar indo direto para uma batalha enchia minha cabeça deixando apenas com um pensamento em mente: Lutar contra Ramiel. O agente era mais do que treinado e ele teve muita facilidade para acabar com qualquer um que foi colocado em seu caminho, para mim, aquilo era ainda mais empolgante, será que eu era capaz de derrotar o ceifeiro? Angel de la muerte?! Estava prestes a descobrir a diferença de nosso poder.

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

Luta! Luta! Luta! Era o que eu estava pensando naquele momento. Após eu levar a minha bandeja de comida para que os marinheiros pudessem lavá-la, pegaria as minhas coisas arrumando-as da mesma forma que havia deixado anteriormente e começaria a andar. - Sala 302, Sala 302, mas onde fica a sala 302? – Era um número que me fazia pensar um pouco, mas considerando que os andares costumavam ser o primeiro número em qualquer sala, procuraria as escadas para subir de andar indo diretamente ao terceiro e começaria a minha procura por ali. Meus olhos direcionariam para as portas e as numerações de cada uma, tentando seguir um padrão de uma parede como sala “310, 309, 308” de forma decrescente ou crescente e tendo sorte, encontraria a sala da qual procurava, mas poderia ser mais difícil que parecesse pelo espaço ser maior e dessa maneira, eu andaria mais, procurando sempre pela sala 302 e não deixando um detalhe passar, minha empolgação me faria andar mais rápido que o normal, um passo acelerado e balançando o meu corpo em felicidade. Em caso de não conseguir achar normalmente a sala, procuraria pro algum marinheiro ou agente que estivesse passando pelo local e com um sorriso em meu rosto, perguntaria para ele. - Com licença, você poderia me dizer onde fica a sala 302? – Com sorte, ele saberia e me direcionaria para lá, acenando com a cabeça em sinal de agradecimento e desta vez eu correria, tentando não esbarrar em ninguém, mas se o marinheiro não soubesse, me restava perguntar para outra pessoa, da mesma forma e fazendo a mesma coisa, sempre com educação e um bom sorriso no rosto.

Quando encontrasse, bateria na porta com três toques e me identificaria antes de entrar. - Ramiel?! Sou eu. Achiles. – E entraria na mesma com a permissão do meu superior onde começaria a minha análise ao redor, olhando tudo e qualquer coisa e se o local me fosse agradável, diria. - Você tem um belo espaço. – E sorriria, mas caso contrário, tentaria não me expressar de nenhuma forma, me focando em Rams. - Eu terminei de comer e vim para te mostrar que meu braço está bom e não serei um empecilho na Grand Line. – Estava determinado em conseguir o melhor resultado possível, havia se passado muito tempo desde que meu braço foi quebrado e engessado, eu tinha quase certeza que ele estava em cem por cento e descobriria isso naquele momento, pedindo uma ajuda para Ramiel. - Rams, você pode me ajudar a tirar esse gesso? Eu não acho que preciso mais dele. – Eu colocaria as minhas coisas em um dos cantos da sala e me sentaria perto de alguma mesa esperando que ele viesse me ajudar onde tentaria seguir as suas instruções, mantendo o meu braço estável. Tendo o término do gesso retirado, procuraria tentar mover o máximo que eu pudesse, começando pelos meus dedos e tentando acostumar novamente a mexer aquele braço, eu poderia estar errado em achar que ele está bom e por isso tentaria não mexer ele muito rápido de primeira, fazendo eles movimentos com o braço como uma onda para testá-lo e ver o quão bem ele estava e o quão bem eu conseguia mexer ele.

- Antes de começarmos, me dá um pequeno tempo, eu comi agora e acabamos de retirar o gesso. – Começaria dando pequenos socos no ar para ver se eu estava sentindo alguma dor e caso sentisse uma dor média ou forte, pararia imediatamente e caso fosse uma fisgada, tentaria diminuir a intensidade dos meus socos. Caso não sentisse nada, daria socos mais fortes usando mais da capacidade do meu braço, um atrás do outro imaginando o boneco de treino de antes em minha frente, faria uso dos meus dois braços nesse momento tentando sequências curtas de dois jabs e gancho e depois dois diretos e uma marretada entrelaçando os meus dedos no ar. - Estende as mãos! – Sorriria para o mesmo. Em caso de não conseguir realizar os meus movimentos devido o meu braço ainda estar quebrado ou não conseguir ter mobilidade o suficiente após estar com ele bastante parado, sentaria mais uma vez na mesa, tentando me acostumar com a dor ou tentar fazer com que tivesse mais mobilidade no braço. - Como disse, 97% – E daria um sorriso mais envergonhado.

Com as mãos dele estendida, se fosse aceita a proposta, começaria dando leves socos, tendo ele como meu treinador, a ideia daquilo, era fazer mais um teste dos meus braços, mas desta vez batendo contra outra coisa que não fosse o ar. Da mesma forma de antes, começaria com leves socos e mais lentos, começando a acelerá-los e fortalecer os golpes com mais potência, tentando ser bastante preciso para acertar apenas as mãos de Ramiel. Não deixaria de lado se ele entrasse na brincadeira e tentasse me acertar, onde abaixaria o meu corpo ou tentaria recuar tentando desviar de um golpe rápido que o mesmo viesse a efetuar. Aquele treinamento me lembrava do meu velho, foi dessa maneira que ele testava a minha empolgação no dia e eu nunca o decepcionei em relação a isso. Após passar um tempo com isso, gritaria. - Estou pronto!

Com o término do meu aquecimento, me colocaria em posição no centro da sala e olharia diretamente para Ramiel. - Estou bem empolgado para a Grand Line, me pergunto o que estará nos esperando por lá. – Meu sorriso no rosto, estava despreocupado com qualquer outra coisa e me focando apenas naquele combate, começando a formar estratégias em minha mente de como atacaria Rams, observando a sua postura, o solo em que estávamos e o que havia ao redor, esperando que ele também estava pronto para eu planejar o meu futuro ataque.


Objetivos:
 

Histórico:
 

Off:
 

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Ficha na Sign

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Makei
Estagiário Orientador
Estagiário Orientador
Makei

Créditos : 32
Warn : Tróia - Parte 3 - Pandemonium - Página 4 9010
Masculino Data de inscrição : 07/08/2017
Idade : 24

Tróia - Parte 3 - Pandemonium - Página 4 Empty
MensagemAssunto: Re: Tróia - Parte 3 - Pandemonium   Tróia - Parte 3 - Pandemonium - Página 4 EmptyTer 03 Jul 2018, 07:05

The Emperor of Sea



Para o Avaliador-sama:
 

Finalmente estávamos no início de mais uma missão, no momento eu poderia me ver ao lado do Latino dos Banheiros, da Personificação do Pecado em loli e o Demônio em forma de mulher… Não tínhamos como ter um pingo de incerteza que essa missão seria um sucesso ! Unicamente faltavamos encontrar o Twelves, o famoso macaco do Latino, ou será que esse seria eu ? Ser sincero, tô nem aí pra isso, o negócio é que eu realmente queria colocar a minha cabeça em algum outro lugar, já que as coisas não pareciam tão boas para mim no momento, aquela coisa dentro do meu corpo parecia fazer o meu corpo arder cada vez mais, enquanto uma vontade louca de fazer uma loucura que sequer imaginei um dia parecia palpitar sobre a minha cabeça… Por sinal, essa voz de merda na minha cabeça precisa ficar enchendo o saco dessa forma ?

“” Olhe aqui meu bom… Se você está incomodado, eu só não te mando tomar no cu, porque sou um GEN-TLE-MAN… Então tu SE-FU-DEU ! To cagando e andando pra ti. LUL“”

Já que eu tava mais fudido que mulher de bandido, agora só me resta seguir o ritmo… A única coisa que eu não espero encontrar no fim do dia é meu pequeno corpinho do lado de um beco pelado… Cóe Narrador, não vá me falar que isso passou na sua cabeça né ? Não é porque eu uso o Astolfin de avatar que tu pode fazer isso… É maldade ;c.

Mas bora para o que interessa, como vocês podem ter percebido, a situação atual não era favorável para mim, se tinha algo de fato que estava acontecendo, era que meu corpo estava estranho e eu tinha certeza que a culpada era aquela bela mulher que eu queria ter pelos meus braços… Por sinal, qual o motivo de eu querer tanto ser abusado assim ? Resposta simples… Todos nós gostamos de um abuso, desde que seja com carinho. :twelves:  No momento, ela vinha portando alguns Sinalizadores para nos entregar, infelizmente me fazendo entender merda nenhuma do que era aquilo, mesmo que a minha pequena criaturinha viesse me explicar, decidi por dá-la em suas mãos, acredito que era o mais correto a ser feito, afinal, não faço ideia de como usar essa desgraça… Contudo, esse foi o meu primeiro passo no início de me tornar um novo Homem ! Mesmo que ainda fosse de maneira leve, as pequenas mudanças de um dia era o fator de um grande avanço para o futuro ! Coloquei minhas mãos sobre a pequena cabeça de Alipheese, acariciando de leve enquanto bagunçava seus cabelos brancos, não posso mentir que tal pequena ação parecia confortar de leve o meu coração quebrado… Sua reação era um pouco engraçada, o suficiente para que fizesse eu abrir um pequeno sorriso ao soltar o ar de leve pelo nariz, não havia parado para reparar até agora sobre ela de fato, talvez eu estivesse falhando um pouco como um Imperador, talvez eu estivesse amadurecendo ? São tantas perguntas que aquela aquela megera não podia esperar para desconstruir a minha mente e pedir para que eu simplesmente quisesse esgana-la de chegar próxima de minha propriedade, afinal, quem ela acha que é para continuar a agir assim com uma subordinada minha ? Por sinal… Chama-la de subordinada é o correto ?

” Será que ela não sabe que ter os cabelos levemente bagunçados pelas minhas mãos é uma benção ? “

“” Obviamente não, já que só você pensa dessa forma retardada… Tu já parou para pensar um dia nas merda que tu pensa ? Tipo… Namoralzinha memo ? -

” E desde quando você já parou pra pensar que eu não me importo com o que você fala ? Toma, podia ir dormir sem essa seu cuzão. “

“” (ノಠ益ಠ)ノ彡┻━┻ “”

Porém as coisas não terminavam por ali, as duas continuavam a brincar com aquele jogo sujo, já que Alipheese havia perguntado se havia algum item para prender o bandido, minha mente logo pensou em uma corda, que automaticamente ligou a… Hey, Hey, Hey ! Peraí, isso não é permitido aqui, crianças podem estar lendo meu filho, apesar que tu fala mais merda que sei lá o que, ainda não podemos entrar nessas coisas não, se contenha apenas com as algemas ! Sim, Jibril havia nos dado algemas logo após algemar a pobre criaturinha, não posso negar que a ideia que ela teve foi ótima, só gostaria de eu ser a pessoa a fazê-la, talvez pudesse algemar as duas… Hmm… Melhor deixar essas ideias de lado, a mente de um bom samaritano deve ser pura, ou pelo menos é o que as pessoas acreditam.


” Por que diabos estou pensando nessas coisas ?... “

Guardando as algemas, podia sentir aquele toque gélido do metal, infelizmente não havia um coldre ou alguma coisa do gênero para guardá-las além de colocar a metade sobre a sua calça e o quadril.

” Preciso comprar alguma coisa para guardar essas coisas… “

“” Que isso, nada melhor que o contato direto com a pele, olhe esse geladinho gostoso te abraçando. ( ͡° ͜ʖ ͡°) “”

Ignorando essa desgraça, vim por impedir Jibril de seguir as coisas sem sequer um plano,  as únicas informações que tínhamos era um mapa e o local de 200m², contudo ainda precisava colocar as coisas a funcionar, eu tinha que demonstrar um caminho para os meus Minions, pelo menos era o que eu acreditava estar fazendo ali ao nos dividir, infelizmente estratégia tem um limite quando se trata dessas coisas… Quanto que é 200m² ? Não faço ideia ! Simplesmente separei aquilo em quatro ou em dois e para mim e estava perfeito, coloquei algumas coisas de tempo e fiz eles entender que aquilo realmente era o melhor caminho a seguir, afinal, 200 é um número grande, certo ?

“” Depende do que se trata. Tróia - Parte 3 - Pandemonium - Página 4 1439049992 “”

Bom… Independente do resultado, agora realmente estávamos a caminho da missão, entretanto, no caminho pude perceber algo que continuava a me incomodar cada vez mais, os civis que Cruzis haviam comentado necessitar de nossa ajuda pareciam totalmente despreocupados, como se a gente sequer fosse necessário naquela região, será que o Batman estaria cuidando dessas partes ? Ah não… Esqueci que o Batman é da Marinha também. Com o caminho, continuei a observar as coisas à minha volta, as casas e as ruas de pedras ainda podiam ser vistas com leves vestígios de neve, o Sol forte da manhã de Loguetown parecia descongelar os pequenos flocos e tornar o dia mais agradável… O único problema era que não tinha sequer uma corrente de ar nesse maldito dia ensolarado, não basta eu estar mais duro que salame de colônia, ainda tinha que sofrer com a porra do calor, se eu estiver ficando louco ou pensando demais, saibam que a culpa é dos Narradores e ponto final !

Chegando lá, eu tinha a certeza que aquele cabeça de cavalo realmente tava querendo me trollar, a porra dos 200m² não era tudo isso que eu havia imaginado não ! Essa desgraça é minúscula ! O meu olhar bugado em tentar entender quantos diabos são 200m² não podiam ser melhor referenciados que a porra da GIF da Nazaré pensando nos bagulho, tá ligado ? Sim, Sim ! ESSE GIF MESMO ! OLHA O ZOINHO DELA VIRANDO, HUEHUEHUE. ESSA PORRA FICOU MUITO BUGADA MAN, PERFEITO !

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

” Pera… Se 200m² é tão pequeno, então se a gente dividir… Quantos diabos é 100m² mesmo ? LUL

Já que tudo tinha fudido de vez, então bora seguir com a porra do plano, ninguém manda não saber essas coisas, se tivesse estudado quando era criança como me mandavam, nada disso teria acontecido… No final, apenas posso demonstrar a minha ignorância pelos fatos como um fator de idiotice em não ter percebido isso, mas que aquele Tenente me paga, ele vai ! Já que tudo que eu havia pensado parecia se tornar fútil de certa forma.

Agora que estamos aqui e ainda continuaríamos com a ideia de duplas, não demorei muito para sair com Jibril ao meu lado, estava na hora de começar a segunda parte do meu plano, exclusivamente precisava achar um beco, coisa essa que não demorou muito.

“” É hoje ! Deep planejando como “”

Com uma brecha, foi fácil de perceber que havia um vão entre as casas, com isso foi o suficiente para colocar aquela bela mulher sobre a parede, por mais que eu tentasse me manter “Normal” ao lado de Alipheese, agora era só eu e ela, eu não precisava manter a “Aparência” nesse momento, certo ? Por sinal, desde quando eu parei de agir como eu geralmente sou do lado dela ?... Tantas perguntas e poucas respostas, tantas dúvidas e nenhuma certeza. Pelo menos agora eu realmente poderia dizer que tinha uma beldade entre os meus braços, eu acho… Mesmo que seja essa mulher demoníaca, uma coisa era incontestável, ela era bonita ! Todavia, minhas intenções desde o início nunca foram de abusar ou fazer algo doentio dessa forma, eu apenas havia ligado os fatos que a comida que ela havia me dado tinha algo estranho “O que era” eu não faço ideia, todavia os pontos pareciam se encaixar, do meu corpo eu entendo muito bem e sei que essa vara aqui não funciona dessa forma ! A não ser que sejam o que as pessoas chamam de puberdade… Aí fudeu, mas não vamos divagar ! Meu corpo havia começado a agir dessa forma após comer aquele belo prato de comida, além de que ela parecia ter começado a agir diferente logo após também… Então não fica tão difícil de perceber que tem B.O no meio disso aí, certo Berg ?

“” Isso aí ! cabeças vão rolar “”

Por mais que eu estivesse sendo “Agressivo” no meio daquela ação, o desespero era real, eu ainda estava começando a me conter, contudo a cada post que passa estou ficando cada vez mais biruta, estou começando a sentir meu corpo a tremer e até mesmo latejar… Já avisei que vai da merda isso. Agora pra melhorar a situação, ela não podia simplesmente me ajudar e resolver isso, ela tem que enrolar… Por sinal, que sensação estranha é essa ? Acompanhando o olhar dela após ela mesmo se interromper, apenas pude acompanhar a observar aquela cena com um sentimento e uma cara de nojo, por mais incrível que pareça, a minha intenção desde o início nunca foi de tentar amedrontá-la ou fazê-la tremer na base, havia sido um pouco estranho a abordagem e até mesmo agressivo ? Sim ! Mas porra ! Precisava se mijar dessa forma ? Não, pera… Tem algo de errado nisso aí, olhando um pouco melhor eu pude ver que a verdadeira culpada era a Idiota que tinha um cantil com ela e para variar ela tinha deixado vazar sem querer, assim dando um leve suspiro de alívio antes de abrir um pequeno sorriso ao olhar novamente para ela, na verdade… Isso parece até um pouco sincronizado demais, não ? Se eu tenho uma certeza nessa aventura é que Mephisto no céu e Ria na terra pra me trollar.

Com a estranheza estabelecida por perceber que não havia nada de errado, agora poderíamos prosseguir para a conversa de antes, no entanto tudo que é bom dura pouco nessa caralha e tinham que começar a gritar logo ao lado, com certeza isso me deixava puto, porém logo me segurei por perceber do que se tratava a situação, os gritos não eram comuns e sim de civis que corriam pela rua ao lado igual umas formigas perdidas, entretanto um barulho parecia atiçar a sua orelha, um barulho um tanto quanto familiar, não saberia dizer por correto o que era, simplesmente sabia que era uma arma ! Principalmente com o sentimento de ardência que estava a afetar a minha bochecha, a porra do vacilão havia atirado em mim ? Não, eu tomei a porra de uma bala perdida de raspão !

“” Ah não ! Ai tão querendo me trollar, fiquei dias esperando pra ver esse momento e vocês me fazem isso ? Vocês sabem como é sofrido viver no corpo dessa acéfalo todo dia ? Namoralzinha, vou falar com a Staff da OPRPG pra resolver isso aí, não paguei VIP atoa não ! ლ(ಠ益ಠლ) “”


Olhe como a vida é uma caixinha de surpresas, pra ser mais correto, essa desgraceira tá mais pra uma fudendo Caixa de Pandora, por que eu só tou tomando no brioco aqui. E tudo parece piorar conforme as coisas vão seguindo, porém relaxa que tudo vai dar bom no final, faixinha da fé 100% Jesus e no Neymar que vai dar bom, o Hexa vem ! Por sinal já comentei que a loja que estava sendo assaltada era a que eu havia comprado as coisas para a minha lança craftada com a Alipheese ? Foi mal, já havia esquecido disso… Então, como eu tava narrando antes, ao me virar, eu percebi que tinha dado merda, Hexa caiu, Neymar morreu, Coutinho quebrou o pé… E tipo, o local que estava dando a merda era diretamente na porra da Loja que eu estava antes, será que se eu for lá resolver eles devolvem a grana ? Bom… A merda já tava feita e Jibril não demorou muito para aproveitar e se soltar de mim, se colocando em prontidão para resolver as coisas ao me dar um aviso, sim eu estava levemente “Stunado” com a situação em si, mas peraí… Calma, como assim “Não tem tempo para essas coisas” ? A situação aqui tá caótica minha filha !  To mais duro que o Malphite full Tank nessa pora.

Mesmo que eu quisesse resolver esse problema antes de qualquer coisa, infelizmente ainda tinha coisas mais importantes para resolver, pois haviam Inocentes no meio desse B.O todo e como um bom Marinheiro, eu não tinha como deixar isso continuar, por felicidade os meus olhos eram mais que abençoados, não é atoa que eu fui escolhido para ser o Imperador dos Mares. Felizmente por causa dessa vantagem, eu conseguia observar um pouco melhor das coisas que estavam acontecendo, para ser mais preciso, havia um bandido apontando com sua arma diretamente para o vendedor da loja que mexia no caixa, provavelmente pegando o dinheiro que estava sendo exigido, por sorte talvez não tivessem pessoas feridas no meio dessa muvuca toda, mas mesmo assim era o suficiente para me fazer pressionar fortemente sobre a minha lança que logo a coloquei sobre a minha mão enquanto tentava pensar em uma maneira de resolver isso o mais rápido possível, não podia mentir que queria muito apenas pular lá e resolver isso logo, o único problema era que eu teria que me aproximar e até isso, podia ser o suficiente para dar um milhão de problemas.

” Ok… Agora temos um problema sério, preciso resolver isso logo, se ele ta achando que eu simplesmente vou deixar isso seguir dessa forma, vai sonhando… O problema é que eu não como simplesmente pular para cima dele, eu preciso pensar certo no que fazer… Eu não aprendi essas coisas simplesmente para usar de enfeite… Pensa Lynn, pensa ! “”

Por mais que eu quisesse pular e resolver isso o mais rápido possível, ainda tentei me manter firme sobre os meus pés, havia aprendido Estratégia por um propósito e precisava bota-lo em prática, sentir o gosto de não poder salvar aquela pessoa era algo ultrajante que descia pela minha goela como se tivesse algo me rasgando por dentro enquanto continuava a descer cada vez mais, minha mente havia se perdido no tempo naquele instante, enquanto as coisas continuavam a sumir da minha vista, apenas os pensamentos de como resolver isso pareciam vir a minha mente, eu precisava resolver isso rápido ! Pessoas inocentes precisam de minha ajuda e eu estou aqui… Parado… Para minha sorte, Jibril nesse meio tempo havia arranjado um jeito de chamar o resto do grupo, será que eu havia realmente me perdido tanto assim no tempo ? No entanto, porque tudo parecia andar tão lerdo ?... Como um milhão de casos insolucionáveis, tudo parecia fechar as suas portas diante das minhas convicções… Contudo uma voz poderia trazer a luz naquela mente que continuava a escurecer com o tempo, Alipheese !

Se a garota me desse a certeza que conseguisse desarmar ou atrapalhar o bandido, era o suficiente para eu colocar as coisas em um plano sólido e que de fato funcionaria, pelo menos dessa vez eu tenho firmeza que iria funcionar ! Antes mesmo de começar a explicar o meu plano, eu abriria um sorriso no rosto enquanto suspiraria na tentativa de me acalmar, o que eu faria logo em seguida seria a falar, certo ? Mas hoje eu tou ousado e por isso eu preferi que beijaria a testa daquela pequena garotinha antes de acariciar novamente sua cabeça, bagunçaria de leve seu cabelo novamente com um sorriso alegre no rosto enquanto me agacharia se fosse preciso para ficar na mesma altura da mesma, afinal, ela havia iluminado a situação por completo, talvez isso fosse de uma forma inocente e pura, talvez eu nem mesmo havia percebido o que tinha feito, apenas precisam saber que o motivo dessa ação era esse, mesmo que tenha saído de forma “Automática” e sem muito sentido ou coerência, o valor que eu coloco no bem estar das pessoas não se deve ser medido por valores comuns, sentir a incapacidade de ter uma resposta positiva e sem causas prejudiciais por mais louco que eu fosse, parecia martelar a minha mente de uma maneira tão dolorosa quanto sentir a derrota que tive por Jibril, tudo que eu faço tem um motivo por trás, pelo menos é o que eu gosto de acreditar todo dia que eu acordo, não é atoa que eu nasci para ser o Imperador dos Mares !

- Hey Ali, obrigado… Não precisa se preocupar, tudo vai sair bem no final. Só preciso que você acerte ele e isso eu tenho plena confiança que vai conseguir. Na dúvida, eu conto contigo para cuidar das minhas costas, Ok ?-

Comentaria com um leve tom de voz doce e suave, talvez fosse estranho para uma pessoa como eu agir dessa forma, porém eu sei como demonstrar afeto para as coisas boas que as pessoas me apresentam, infelizmente eu havia tido ideias erradas e me sentido mal por algo complicado de minha cabeça, todavia, no final a única coisa que nós buscamos é proteger as pessoas de Loguetown ou qualquer Ilha que nos coloque, pois nós somos Marinheiros.

Daria uma leve piscada com o olho direto para a garota se ela trocasse olhares ao manter o sorriso no rosto, eu pararia de acariciar as suas belas madeixas brancas, estava no momento de colocar as coisas para funcionar, tinha um bandido a prender ! Por isso me levantaria logo em seguida para me virar e olhar novamente de maneira atenta para a situação da lojinha e seu redor ao dar alguns leves passos a frente não se afastando das pessoas do local, poderia me sentir mais calmo com a situação do momento, não estava mais sozinho nesse mundo, mesmo que ainda não conhecesse tanto as outras pessoas, sabia que pelas suas costas havia uma pequena criaturinha que não o abandonaria tão fácil assim.

- Negocio é o seguinte Minions ! Como vocês ouviram, a Ali pode desarmar o vagabundo, então nós vamos progredir da seguinte forma, eu vou entrar pela porta da frente, por isso preciso de mais alguém comigo para isso enquanto a Ali vai cuidar se acontecer algo inesperado no campo de visão dela, nossa investida vai ser a seguinte, eu vou ir na frente e tento acertar as pernas do meliante enquanto o outro o acerta pelo alto, provavelmente eu vou me abaixar para isso, então fica a seu gosto o que fazer logo em seguida. Hey, você ! Sim, você mesmo, tu que vai entrar nessa porra comigo. -

Finalmente era o momento de colocar o meu plano em ação, por isso me viraria antes de começar a falar de maneira séria e rígida, mais um pouco e eu estaria imitando até mesmo o Bolsonaro, a situação era alarmante, havia perigo de morte de uma pessoa comum e não tínhamos motivos para picuinha no momento, entretanto, essa era apenas a primeira parte do plano, ainda tínhamos que nos preocupar com as coisas extras que podiam acontecer, eu só havia visto um bandido e podia se ter outros no local, então sempre é bom estar precavido e no momento, possuiamos a vantagem numérica ao nosso lado. Por isso vim a preferir por deixar Drake ao lado de Alipheese para que pudesse cuidar dela caso fosse necessário, por isso apontaria meu dedo enquanto falaria para Zed, confirmando que era ele quem entraria na lojinha junto comigo.

- Drake e… Você vão cuidar das coisas aqui, protejam a Ali e se virem alguma coisa estranha, eu deixo vocês no comando da Jibril. Está tudo bem para ti ? -

Logo após eu comentava sobre as pessoas que ficariam para cuidar da Alipheese, dessa vez apontando para a nova garota ao lado do loiro, afinal, a ideia era ela cuidar exclusivamente da ofensiva, por isso precisava de pessoas para assegurar que nada de ruim aconteceria para ela, principalmente deixando um voto de confiança na mão de Jibril ao me direcionar a última palavra para ela.

Se aproximaria da mesma de qualquer forma, caso percebesse que a garota estivesse de alguma forma um pouco inquieta, insegura ou sentisse que tivesse alguma coisa a incomodando pelo fato de estar um pouco agitada demais, seria melhor ainda para passar aquelas palavras. Se ela estivesse agachada, eu também me agacharia para tentar me manter na mesma altura que ela e daria uma leve batidinha com os meus dedos indicador e do meio sobre a sua testa de maneira delicada antes de abrir um sorriso no canto do rosto, deixando levemente meus dentes vistos para a garota enquanto falaria de maneira calma na tentativa de animar a mesma ou de acalmar o que tivesse na sua mente incomodando.

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

- Hey, relaxa, vai dar tudo certo. Se você ver qualquer coisa estranha nos arredores, eu confio em ti para proteger todos nós, por isso deixei os dois nas suas mãos, mesmo que talvez o Drake ali não faça isso… Então vamos resolver isso o mais rápido possível e voltamos para o QG, Ok ? -

Por sorte, eu havia aprendido Psicologia quando era pequeno, então eu sabia perceber esses pequenos problemas que podiam ter nas pessoas, apesar de geralmente eu não demonstrar de fato isso, eu podia dizer que é um talento em tanto que eu havia em minhas mãos por entender um pouco mais fácil a mente das pessoas a minha volta, seria isso positivo ou não, infelizmente apenas depende de mim decidir… As vezes você conseguir entender o que está por dentro da mente das outras pessoas pode ser um tanto quanto dolorido.

Com o plano todo exposto, não sei qual seria a visão das pessoas a minha volta, talvez não gostassem do que eu falei, talvez eu estivesse me parecendo um pouco mais como um Líder ? Ou tudo estava sendo fútil como das outras vezes… O que importava é que estava na hora de colocar as coisas em ação, por isso me levantaria novamente, olhando para as pessoas a minha volta com um pingo de confiança, eu era o Imperador dos Mares, precisava transmitir esse tipo de coisa, talvez fosse Overkill agir dessa forma por apenas um bandido, no entanto, nunca podemos subestimar a oportunidade de ter mais pessoas no meio disso, já que é muito estranho simplesmente encontrar um bandido sozinho no meio de uma situação como essa.

- Eu, Lynn o Imperador dos Mares garanto que teremos sucesso nessa missão. Estão prontos ? Certo, só estamos esperando o seu sinal Ali. -

No caso do rapaz ou algum dos outros desconfiarem ou até mesmo não aceitarem as minhas palavras, colocaria minha lança sobre as minha nuca enquanto se apoiaria com os meus dois braços sobre ela, levantaria uma das minhas sobrancelhas enquanto olharia de maneira desconfiada para a pessoa em questão ao perguntar diretamente para a mesma com um tom de curiosidade.

- Você acha que eu, acariciado pelos Céus e o Mar, abençoado com o Título de Imperador dos Mares realmente tou de brincadeira ? Não fode porra, só faz o que eu digo e essa merda vai da certo… -

Por mais que eu gostasse de continuar alguma encrenca, no momento que Alipheese desse o tiro, eu me colocaria em direção da Lojinha de imediato, apenas esperava que o garoto que eu havia escolhido não demorasse também para agilizar as coisas, eu me manteria na frente no caso de precisar bloquear algumas das balas do bandido, apesar que tinha confiança que Alipheese conseguiria acertar o tiro, usaria da minha visão privilegiada e até mesmo da Psicologia para tentar perceber o mínimo sinal de que o mesmo viesse por atirar em nossa direção, já que eu estava logo à frente, tentaria rebater o tiro ao “gingar” a lança pelo próprio corpo, a fazendo se movimentar entre as costas, braços e mãos, na tentativa de fazer um corte se preciso tanto na diagonal, vertical ou horizontal no ângulo que fosse necessário enquanto estivesse em movimento.

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

No momento que eu conseguisse me aproximar do bandido, me agacharia na hora do golpe, o foco era atacar as suas pernas com a parte do cabo de minha lança já que eu não queria cortar ou machucar muito feio o bandido apenas danifica-lo, por sorte eu já havia avisado de prontidão que eu faria, por isso esperaria que não desse problemas em ser um pouco súbito, na pior das situações eu ainda daria um grito apenas para confirmar e não causar surpresa para a pessoa atrás de mim.

- Agora ! -

Se eu tivesse sozinho ou os golpes não haviam sido suficiente para fazer o Bandido cair ou se render, me levantaria rapidamente ao girar o corpo e a lança comigo, me colocaria de costas contra o bandido na tentativa de acertar novamente com o cabo no mesmo, agora o meu foco era a boca de seu estômago, se isso funcionasse novamente, puxaria a lança para mim na tentativa de acertar o cabo dessa vez em seu maxilar com um giro do corpo, dessa vez me colocando de frente para o mesmo, acertando com um golpe diagonal e quem sabe nocautear o mesmo se ainda não tivesse já sido.

No meio das dúvidas, ainda precisava me preocupar com a minha defesa, se o bandido viesse por tentar me chutar ou socar, minha defesa seria simples, ao usar a minha lança como uma maneira de bloqueio, eu não tinha muitas preocupações quanto a isso por saber que Alipheese provavelmente daria um tiro de continuidade, não me deixando em uma situação muito ruim.

Agora, se o problema viesse pelo rapaz direcionar a arma em minha direção, o meu foco seria a própria arma que ele havia em mãos, tentando dar uma estocada no bico da arma ou bater no canto dela no sentido em que a desviaria para um dos lados, de preferência para o que não tivesse algum inocente.

Se na investida ele ainda estivesse com a arma, infelizmente eu não me abaixaria, já que poderia ser prejudicial para a pessoa logo atrás de mim, por isso eu tentaria golpear a arma como dito acima, contudo, ainda continuaria em movimento na intenção de me colocar atrás do bandido.

Infelizmente eu não havia a opção de desviar nesses casos, já que fazer tal ação poderia colocar as pessoas em volta sobre perigo se ainda tivesse alguma, por isso buscaria por não fazer isso a não ser que fosse totalmente certeza e seguro de tal ação. Faria um rolamento sobre o chão  na tentativa de me colocar fora da mira da arma ou até mesmo usar o balcão se fosse possível para me impulsionar com um dos meus pés acima do meliante, tentando acertar as suas costas novamente com o cabo da lança.

Caso aparecesse mais um bandido no recinto, faria as mesmas ações ditas acima, seja as de bloqueio ou a atitude ofensiva de não matá-lo.

Com o(s) bandido(s) nocauteados ou rendidos, soltaria finalmente um suspiro de alívio antes de fazer um leve anúncio para as pessoas a minha volta e por fim algemaria os bandidos se fosse possivel, talvez fosse preciso acalmar os cidadãos do local, o único problema que isso seria feito da sua forma, talvez um pouco longe não do esperado convencional por causa da sua atitude levemente convencida, talvez isso fizesse as pessoas do local apenas estranharem ou aplaudirem a idiotice que eu estava gritando, na pior das situações, esperava que os outros membros ou até mesmo a Alipheese resolvesse esse problema, era algo tão pequeno que chegava a se tornar um pouco idiota agir dessa forma excêntrica, mas quer saber ? Foda-se ! Aqui é Pandemonium cacete !

- Não se preocupem, a Pandemonium chegou ! -

Haviam tantas coisas para acontecer após aqui por causa de um possível “Sucesso” na missão que eu até mesmo poderia ficar confuso no que deveria fazer, talvez me manter ao lado do bandido ? Autógrafos ? Azarar alguma mulher ? Por sinal, essa última opção não é uma má ideia… Todavia eu ainda iria preferir por me manter quieto, já havia feito o que fosse preciso, apenas precisava deixar as coisas nas mãos do resto do grupo, por isso se manteria calmo e convicto, talvez fosse necessário conversar com mais alguém no caminho, mas sobre os Civis, eu apenas acenaria com a cabeça para eles, se fosse uma criança ou ou uma garota de estatura baixa ou a mesma que a minha que viesse falar comigo, eu apenas passaria minhas mãos pelos seus cabelos enquanto manteria um leve sorriso no rosto antes de seguir o meu caminho, como eu havia comentado a um bom tempo atrás, um Imperador é aquele que oferece sua condolência para seus súditos, não necessariamente com suas palavras, porém com ações !

” VEI ! Adorei essa mudança, vou realmente continuar com ela, será que eu devia ficar mais ousado também ? “

“” É claro meu bom, eu te falei já, as novinha pira. Tróia - Parte 3 - Pandemonium - Página 4 1439049992 “”

Tentaria me manter logo a frente, talvez ainda lembrasse o caminho de volta para o QG pelo motivo de já ter feito esse trajeto antes, por isso me manteria quieto e de maneira desleixada no meio do caminho enquanto ouvisse o que todos tinham para falar, eu não sentia tanto a necessidade de dar uma resposta logo de imediato, a não ser que viessem a falar diretamente comigo, daria leves nuances para as costas ao observar o grupo que havia se formado, talvez alguns percebessem o pequeno sorriso que havia em meu rosto nesse instante, talvez o próprio silêncio fosse a resposta necessária para entender o pequeno orgulho que havia em mim daquele pequeno grupo.

Se caso Alipheese percebesse uma das leves bisbilhotadas a minhas costas e nós trocássemos nem que seja uma leve troca de olhares, faria um leve movimento com a cabeça no sentido de fazê-la entender para se aproximar de mim rapidamente, apesar que talvez ela se colocasse a agradecer as coisas, no final, tudo havia dado certo por causa dela, por isso eu falaria de maneira calma enquanto colocaria novamente uma das minhas mãos sobre a sua cabeça delicadamente.

- Você fez bem. -

Eram palavras tão simples ao mesmo tempo com um valor sentimental especial escondido nela,daria uma leve olhada para a jovem com um sorriso puro no canto do rosto, não é todo dia que eu falo essas coisas, talvez fosse estranho essa mudança súbita, nem eu mesmo estava entendendo o que estava acontecendo, no entanto, eu acredito que hoje tenha sido um avanço gigantesco para todos nós.


Chegando no QG agora a situação era um pouco diferente, me colocaria um pouco calado de início, afinal, aquele maldito cara de cavalo havia me trollado, eu tinha algumas palavras para falar com ele, contudo, ainda esperaria para ver o que as outras pessoas tinham a falar e de fato… A certeza que Alipheese se colocaria como culpada ou algo do gênero por sairmos da área de proteção era muito plausível, por isso eu daria um leve suspiro antes de me impor.

- Vocês têm merda na cabeça ? O que estão falando ? Não tentem tirar o meu mérito. Hey seu maldito cara de cavalo, sim, você mesmo, essa missão sequer pode ser chamada de Patrulha, essa merda tá mais para proteção de domicílio, por acaso era a sua casa ? Que seja, fui eu quem liderou o grupo e planejei a ação contra o bandido e da “Patrulha” se é que podemos chamar aquilo disso, não tem motivos em colocar ou eles mesmo tentarem se culpar. Por isso eu assumo a responsabilidade de não achar necessário os seus malditos reforços, se tiver algum problemas, venha tratar comigo. -

A intenção era clara, puxar toda a briga para mim, eu tava cagando e andando para a opinião do Tenente ao ponto que eu daria as costas após isso e sairia pela porta, a fechando logo em seguida sem sequer se preocupar com a sua resposta, me colocaria apoiado de costas sobre a parede do lado da porta fechada, fora da sala do Tenente com os meus braços cruzados, provavelmente no corredor. Minha impressão com superiores já não era da melhor e para variar ele me dá uma missão dessas… Só pode estar tirando uma com a minha cara.

“” Maluco é brabo. :yatto: “”

Histórico:
 
Objetivos:
 
off¹:
 

Créditos a @[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]


Última edição por GM.Lacraia em Qua 29 Ago 2018, 18:01, editado 4 vez(es)
Voltar ao Topo Ir em baixo
CrowKuro
Comodoro
Comodoro
CrowKuro

Créditos : 5
Warn : Tróia - Parte 3 - Pandemonium - Página 4 10010
Masculino Data de inscrição : 24/01/2018
Idade : 26

Tróia - Parte 3 - Pandemonium - Página 4 Empty
MensagemAssunto: Re: Tróia - Parte 3 - Pandemonium   Tróia - Parte 3 - Pandemonium - Página 4 EmptyTer 03 Jul 2018, 15:50

COM TÍTULO

Drake após se sentar ao lado de Ali e ouvir suas orientações sobre o espaço no qual iriam percorrer durante a ronda, enquanto Ali falava um rapaz loiro que parecia estar irritado se aproximava, o garoto usava uma roupa da marinha assim como a pequena albina e o jovem mágico e assim que chegava próximo o suficiente o ruivo percebe que Ali o olha e estende sua mão para cumprimenta-lo e Drake por sua vez se mantém a olhar o garoto sem dizer uma palavra, o loiro empurra a mão de Ali, e naquele momento Drake se levantaria com um olhar sério olhando diretamente para o rapaz, Tentando conter-se para não se precipitar, Drake cerrou seus punhos com tanta força que suas unhas quase eram capazes de perfurar sua carne, como se a sua sede pelo sangue do loiro fosse o ensandecer caso ele passasse do seu limite fosse grande ao ponto do mágico precisar de quase chegar ao ponto de se ferir para que pudesse manter o exterior calmo, como uma cachoeira que segue o fluxo de um rio, deixando cair pelas suas águas um poder destrutivo, Drake arquearia  suas sobrancelhas e o seu semblante parecia assustadoramente sério, seus lábios estavam fechados e seus olhos semicerrados, era uma calmaria que poderia ser assustadora pois o olhar claramente refletia o desejo de matar o seu alvo, caso ele fizesse um movimento em falso, hostil e traiçoeiro era o que poderia definir aquele momento ao olhar para Drake.


“Mesmo sendo calmo as vezes sou algo que não se mete… Se ele fizer um movimento em falso eu quebro o nariz dele… Não vou deixar ninguém ousar machucar ela, Ali será aquela que irá me levar ao topo e é quem vai me ajudar a atingir meus objetivos e eu não posso deixar que nada se oponha aos meus objetivos e a minha vontade… Tente alguma coisa, vamos, vamos… Eu to doido pra quebrar a sua cara loirinho…”


Para Drake, Alipheese era aquela que o ajudaria a seguir com seus planos futuros, o tratamento de respeito que a menina pequena de cabelos brancos mostrava para com Drake era algo que o jovem só teve em meio a sua família adotiva enquanto vivia no circo, seu jeito de agir e se vestir era algo que muitas pessoas temiam e achavam estranho, mas para a pequena garota isso não parecia incomodar.
O mágico também tinha em mente que com as habilidades de Ali em forjas e no uso de armas poderiam o ajudar em combate que quanto mais difíceis fossem mais apoio ele precisaria, a meta de se tornar alguém mais poderoso e forte vinha da vingança que Drake pretendia ter contra os piratas mesmo que isso fosse indiretamente e não atingisse aqueles que mataram sua família. E para isso ele não precisava de apenas se unir a marinha, ele precisaria de alguém que pudesse lhe dar meios de atingir esses objetivos, e esse alguém poderia ser a pequena albina.


Quando fosse dar o primeiro passo em direção ao loiro uma mulher se aproxima da pequena a abraçando por trás apoiando seus peitos sobre sua cabeça, os peitos da mulher pareciam aumentar de tamanho quando contra a cabeça de Ali e isso poderia ter quebrado o clima momentaneamente do que havia acontecido momentos antes, Drake passava a língua sobre os lábios enquanto dava um sorriso sórdido para a mesma.



- Oh, que visão maravilhosa e fofa… Literalmente !!


O jovem mágico olhava diretamente para os peitos de Hana enquanto estavam avantajados sobre a cabeça de Ali, aquilo era algo que normalmente não se veria vindo de Drake mas naquele momento não tinha como evitar agir dessa forma, afinal era uma linda mulher com um belo corpo e grandes seios. Enquanto o ruivo olhava fixamente para os lindos e aparentemente macios peitos de Hana enquanto passava a língua sobre seus lábios, o jovem abria as mãos lentamente e se acalmava da preocupação sobre Zed tentar algo contra Ali, o jovem se perdia em seus pensamentos insanos sobre Hana e logo era surpreendido pelo barulho de um disparo, o semblante de Drake mudou drasticamente e o jovem olha para Alipheese que o chama para ir junto a ela em direção ao local do disparo, o ruivo não questionou o chamado de Ali e a seguiu diretamente para o local no qual ela o guiava e enquanto passava por Zed o olhava nos olhos da mesma forma que o olhou quando o mesmo empurrou a mão de Ali.


Após Ali ter chamado todos ali para segui-la, Drake não a questiona e segue junto a pequena, para o jovem a menina albina provavelmente sabia de onde havia vindo o possível disparo e então poderia ser a hora de agir pela primeira vez oficialmente como um membro da marinha, ao chegar no local onde Ali os levou o ruivo avista Jibril e Lynn que ali estavam, o garoto não dá muita importância para a presença dos mesmo e apenas espera para seguir possíveis instruções sobre como deveriam agir naquele momento.
Logo que chegam Alipheese chama a responsabilidade para si ao dizer que conseguiria desarmar o bandido e que isso daria uma brecha para a ação dos demais, para Drake o combate seria algo que não se dispensaria mas como o meliante já estaria provavelmente derrubado o jovem não teria excitação em capturar uma presa já abatida e deixaria isso para os demais.


-
Bem, como a Ali disse ela pode desarmar o sujeito e eu confio na capacidade dela fazer isso sem maiores problemas, porém eu não irei agir junto a vocês para prendê-lo, prefiro ficar aqui para tomar conta do perímetro e dar assistência a ela caso venha a ter alguém dando cobertura a ele… Não acho muito interessante tirar vantagem de uma presa já abatida, então deixo a parte da ação de prendê-lo para vocês…



Logo após a fala de Drake, Lynn o diz para ficar junto a Ali e Jibril para dar cobertura a pequena albina, o jovem mágico o olha diretamente  deixa enfatizado o que havia acabado de falar e o porque ele não agiria naquela circunstância.


- Bom, como eu havia acabado de falar imperador afogado, EU NÃO IREI AGIR CONTRA UMA PRESA ABATIDA, acho isso um pouco frustrante… Saber que capturei alguém que eu não tenha feito o mínimo esforço para capturar, por isso deixai a tarefa em suas mãos… Talvez isso te faça melhor do que faria para mim.


“Preciso dar cobertura a ela nesse momento, então tenho que ficar de olhos abertos para o que estiver à minha volta, tenho que cobrir os pontos cegos dela e passar segurança para ela enquanto está concentrada em atirar no meliante… Não posso deixar que nada aconteça com ela, porque se acontecesse eu não me perdoaria jamais…
Drake se manteria atento a tudo e a todos, para o jovem ruivo isso era algo importante, assegurar a segurança de Ali que para ele era mais do que uma simples companheira da marinha e de tripulação, o jovem cobriria a sua parte especificada por Jibril caso a mesma o dissesse qual lado cobrir, sempre mantendo os olhos atentos e seus ouvidos prestando atenção em qualquer movimento suspeito, a segurança não só de Alipheese mas também como a da missão estavam nas mãos dele e de Jibril.



Após algum tempo do início da ação, o homem havia sido capturado por Lynn e Zed que o traziam para onde estávamos, Ali fica em dúvida de levar o homem ao QG ou esperar alguém para escoltá-lo, após a decisão de levá-lo, Ali decide que iria parabenizar a todos os envolvidos com aquela missão, a pequena menina parecia estar com um pouco de dificuldade de falar diante de todos, mas aquilo soava como um tom fofo para Drake que não se importava muito com as pequenas pausas que ela dava em casa frase, o mágico ruivo então se aproxima lentamente caminhando e ao passar a frente de Ali dá um leve peteleco em sua testa dizendo.


- Relaxa pequena albina, isso é apenas o nosso trabalho, precisamos cuidar uns dos outros e ter confiança em todos também para que as missões ocorram bem e sem problemas... Vamos levar logo ele para o QG… Eu preciso de um descanso.


Drake continua caminhando lentamente enquanto leva sua mão direita a boca a tapando enquanto bocejava com sono, o rumo dos marinheiros agora era o QG da marinha para onde levariam o meliante que havia sido capturado pela futuramente temida PANDEMONIUM.
Ao chegar ao QG e entregar o bandido capturado, Alipheese que havia pedido para ficar com a parte do relatório o faz para o momento de estar frente a frente com o tenente e já telô em mãos quando o mesmo pedisse, na hora de passar o relatório Ali começou a reportar verbalmente para o tenente e todos que ali estavam, aquilo poderia mexer com a cabeça de Drake como mexeu e o jovem não podia concordar cem por cento com o que estava ouvindo ali e então pede licença enquanto para falar com o tenente interrompendo um pouco a fala de Alipheese.

- Eu discordo em um ponto… Ela não teve total responsabilidade sobre essa questão de agir mesmo após o término da missão, pelo menos da minha parte… Eu também tive responsabilidade em meio a tudo isso assim como todos nós aqui, e acho que concordamos pelo menos nesse ponto e não acho que alguém aqui vá querer dizer que a “ culpa “ seria toda dela… Nós poderíamos simplesmente dizer que não a seguiríamos para essa missão hã… Digamos “extra” se nós também não quiséssemos agir, então se o senhor tiver algo a dizer sobre esse possível descumprimeito de ordem, que diga a todos nós aqui e que a culpa não recaia apenas sobre ela… Nós somos marinheiros, e não importa se nossa missão havia ou não acabado e já havia outra equipe para resolver esse problema, o que importa é que nós conseguimos completar a captura do bandido e aliviamos um pouco o medo dos cidadãos e isso no meu ponto de vista é o que um marinheiro deveria fazer independente de estarmos encarregados da missão ou não… É isso.


Após o término de sua fala Drake apenas esperaria pela possível fala do tenente sobre o ocorrido, independentemente de ser um esporro ou algo do tipo o jovem se manteria a ouvir com atenção o que o mesmo teria a dizer sobre as ações do grupo e manteria a sua forma de pensar intacta caso o tenente os cobrasse por terem agido naquelas circunstâncias, o jovem também estaria pronto para os possíveis comandos dados pelo tenente.



Histórico:
 


PLAYERS:
 

PLAYERS:
 

PLAYERS:
 


NPC's Importantes:
 



NPC's Criados:
 


Ferimentos:
 


Objetivo:
 

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

Pensamento
Fala
Extras

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]


Última edição por CrowKuro em Sex 06 Jul 2018, 18:13, editado 1 vez(es) (Razão : Adicionar Template)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Conteúdo patrocinado




Tróia - Parte 3 - Pandemonium - Página 4 Empty
MensagemAssunto: Re: Tróia - Parte 3 - Pandemonium   Tróia - Parte 3 - Pandemonium - Página 4 Empty

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
Tróia - Parte 3 - Pandemonium
Voltar ao Topo 
Página 4 de 16Ir à página : Anterior  1, 2, 3, 4, 5 ... 10 ... 16  Seguinte

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
One Piece RPG :: Oceanos :: East Blue :: Polestar Islands-
Ir para: