One Piece RPG
E não sou mais um transviado... XwqZD3u


One Piece RPG : A GRANDE ERA DOS PIRATAS
 
InícioBuscarMembrosGruposRegistrar-seConectar-se
Últimos assuntos
» Arriscando a sua vida pelo objetivo - O Despertar do Rei da Destruição
E não sou mais um transviado... Emptypor Aokine Daiki Hoje à(s) 17:06

» Xeque - Mate - Parte 1
E não sou mais um transviado... Emptypor Jacob Allan Hoje à(s) 16:48

» BOOH!
E não sou mais um transviado... Emptypor CaraxDD Hoje à(s) 16:40

» Blue Guardian! Luca o soldado da justiça!
E não sou mais um transviado... Emptypor Noah Hoje à(s) 16:22

» salve salve
E não sou mais um transviado... Emptypor DFoolZ Hoje à(s) 16:19

» [MINI-Kujo]
E não sou mais um transviado... Emptypor Kujo Hoje à(s) 15:57

» Cap.1 Deuses entre nós
E não sou mais um transviado... Emptypor Thomas Torres Hoje à(s) 15:39

» Escuridão total sem estrelas
E não sou mais um transviado... Emptypor K1NG Hoje à(s) 14:25

» [M.E.P - TurtleSpeaker] My Way
E não sou mais um transviado... Emptypor TurtleSpeaker Hoje à(s) 14:18

» [MINI-TurtleSpeaker] My Way
E não sou mais um transviado... Emptypor TurtleSpeaker Hoje à(s) 14:12

» [Ficha] Joe Blow
E não sou mais um transviado... Emptypor Joe Blow Hoje à(s) 14:00

» Seasons: Road to New World
E não sou mais um transviado... Emptypor ADM.Tidus Hoje à(s) 13:20

» Sorte ou Azar? Uma Ascensão Pirata!
E não sou mais um transviado... Emptypor Quazer Satiel Hoje à(s) 13:19

» Apresentação 6 ~ Falência Bombástica
E não sou mais um transviado... Emptypor Furry Hoje à(s) 12:40

» O catálogo continua, Baterilla a cidade da beleza
E não sou mais um transviado... Emptypor maximo12 Hoje à(s) 10:28

» [Mini-Aventura] A volta para casa
E não sou mais um transviado... Emptypor Fiest Hoje à(s) 09:27

» Voltei, Dattebayo
E não sou mais um transviado... Emptypor Joe Blow Hoje à(s) 07:32

» [E.M] - Gostosuras e Travessuras
E não sou mais um transviado... Emptypor Ineel Hoje à(s) 06:25

» Cap 3: O alvorecer da névoa trovejante
E não sou mais um transviado... Emptypor PepePepi Hoje à(s) 06:04

» Primum non nocere
E não sou mais um transviado... Emptypor Misterioso Hoje à(s) 04:48



------------
- NOSSO BANNER-

------------

Naruto AkatsukiPokémon Mythology RPG
Naruto RPG: Mundo Shinobi
Conheça o Fórum NSSantuário RPG
Erilea RegionRPG V Portugal
The Blood OlympusPercy Jackson RPG BR
A Song of Ice and FireSolo Leveling RPG
Veritaserum RPGPeace Sign RPG
Pokémon Adventure RPG

------------

:: Topsites Zonkos - [Zks] ::


 

 E não sou mais um transviado...

Ir em baixo 
Ir à página : 1, 2, 3, 4, 5  Seguinte
AutorMensagem
ADM.Tidus
Duque Azul
Duque Azul
ADM.Tidus

Créditos : 62
Warn : E não sou mais um transviado... 10010
Masculino Data de inscrição : 10/06/2011
Idade : 27
Localização : 1ª Rota - Karakui

E não sou mais um transviado... Empty
MensagemAssunto: E não sou mais um transviado...   E não sou mais um transviado... EmptySeg 23 Out 2017, 01:37

E não sou mais um transviado...

Aqui ocorrerá a aventura do(a) civil Zuzu Hijra . A qual não possui narrador definido.


____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

Olá Convidado, seja bem-vindo ao One Piece RPG.
Links para ajuda: [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Zuzu Hijra
OKAMA
OKAMA
Zuzu Hijra

Créditos : 18
Warn : E não sou mais um transviado... 10010
Feminino Data de inscrição : 13/10/2017

E não sou mais um transviado... Empty
MensagemAssunto: Re: E não sou mais um transviado...   E não sou mais um transviado... EmptyQua 25 Out 2017, 07:56



     Zuzu passara a noite anterior àquele dia imerso em uma insônia terrível. Há semanas já não vinha dormindo bem e sua cabeça parecia trabalhar contra ele. Os pensamentos vieram barulhentos, como se uma criança estivesse brincando com uma bateria dentro de sua mente, e seu sono já não mais pertencia a doce melodia que só a mata é capaz de produzir e traduzir. Reflexões infinitas acerca da sua condição, das suas reais ambições, dos pouquíssimos movimentos para concretizá-las que havia feito desde que chegara à Karate Island e tantas outras perguntas e acusações, tornaram-no um refém preso à própria insatisfação, negligência e indiferença que o mínimo de conforto que ganhara em relação ao começo da jornada o fez admitir como suficiente. Em suma, a dissonância entre a sua alma e o seu corpo, aparentemente, alcançara o ápice, afinal, como uma consciência livre é capaz de suportar uma matéria tão melindrosa, tão inerte? Exato, não suporta. Seu espírito tinha sede da alforria para si e para os outros, mas ele estava o deixando definhar de secura por causa de sua indolência. Por fim, concluira naquela noite que era preciso desencarcerar seus intentos e se rebelar contra suas próprias limitações  para fazer insurgir as mudanças que tanto aspira.

     Acordaria no dia seguinte possivelmente um pouco mais tarde em decorrência da agitação que a falta de sono lhe causara, cumpriria os ritos de arrumação que consistia em ajeitar a proteção de papelão em que ficava, comer o pouco que havia separado para o dia e lapidar sua beleza com a maquiagem que, apesar de velha e gasta, ainda realizava feitos magníficos na face do okama. Seguiria, então, para a cidade em passadas sonolentas enquanto a primeira música do dia preencheria a solidão da caminhada. Daria graciosos “bom dia” interpelados com a cantoria:

     - “Here comes the sun, Little Darlin, here comes the sun I say, it's all right, it's all right...”. ♫

     Sua meta naquele dia seria, depois de vários meses prestando pequenos serviços, gastar suas economias em uma bota para proteger seus lindos pezinhos e potencializar os seus golpes. Buscaria encontrar alguma peça de segunda mão ou com pequenos defeitos para que seu pouco dinheiro não se esvaísse de uma só vez, já que, lamentavelmente, era tão difícil alcançá-lo. Uma vez que, por infelicidade, não conseguisse achá-las com esses requisitos, teria de ceder e arranjar uma nova.

     Além disso, em decorrência dos métodos para poupar o dinheiro, há tempos vinha usando seu carisma para conseguir jornais (não tão) velhos ou se inteirar do que eles tratavam por meio de longas conversas com comerciantes, transeuntes e outros mendigos. Queria, assim, obter informações sobre a movimentação do Exército Revolucionário pelo South Blue.

     Hijra, até aquele momento, não teria grandes propósitos naquela manhã, apenas faria o que lhe era habitual. Entretanto, o incômodo dos dias anteriores parecia diminuir quando pensara, em específico, em colher as notícias. Caso não encontrasse ninguém disposto a compartilhar com ele as ações dos Revolucionários, tentaria juntar mais algumas moedas ao longo do dia cantando por entre as casas ou prestando pequenos serviços – as senhorinhas quase sempre precisam de ajuda – para adquirir um jornal. Ou, na hipótese de encontrar um par de botas por menos do que trazia consigo, usaria o que sobraria da compra.

     Enfim, cantaria alto, muito alto, para subjulgar toda aquela ansiedade e inquietude que parecia querer dominá-lo a qualquer instante:

     - “ [...] Pedras sonhando pó na mina; pedras sonhando com britadeiras...Cada ser tem sonhos a sua maneira...”. ♫  


Objetivos:
 

____________________________________________________

“I wish you could know what it means to be me
Then you'd see and agree that every man should be free...”. ♫


[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

Quer saber mais sobre o okama way? Ficha na imagem, honey... ♫  

Pavão Misterioso ♫
E não sou mais um transviado... ♫


Última edição por Zuzu Hijra em Seg 08 Jan 2018, 16:46, editado 8 vez(es)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Dante
Orientador
Orientador
Dante

Créditos : 2
Warn : E não sou mais um transviado... 10010
Masculino Data de inscrição : 30/03/2013
Idade : 21
Localização : Vivo me perguntando onde

E não sou mais um transviado... Empty
MensagemAssunto: Re: E não sou mais um transviado...   E não sou mais um transviado... EmptyQua 01 Nov 2017, 17:42

Sem tituros





Logo cedo da manhã Zuzu se acordava, levantava-se e fazia os seus preparativos para sair pela cidade, em busca de quebrar sua rotina e desfrutar de emoções novas. O céu ensolarado, com um clima suave e agradável, nem muito quente, tampouco frio. As ruas estavam muito bem movimentadas como sempre, fosse de pessoas comuns e comerciantes, como também de alguns sem-teto sentados ao chão. Em sua busca por um par de botas, estava prestes a considerar comprar e gastar suas economias adquiridas com muito suor, quando acabava em frente a uma parede, próximo à loja de armas.

Um anuncio em folheto grudado ao muro dizia: Taekwondo Fight Club, você, jovem talentoso que está sempre a procura de aperfeiçoar suas habilidades, venha fazer parte de nosso pequeno torneio amador de chutes. Premiações em dinheiro ou a escolha de uma arma de nosso arsenal. Inscrições na mansão. Nesse momento suaves brisas de vento passavam por sobre o ombro do okama, semelhante aos ruídos do farfalhar de uma arvore, podia ouvir jornais velhos e agora inúteis voando ao ritmo das breves rajadas de ar. Mais a frente, poderia ver a mansão yang sendo aberta, e um público consideravelmente grande entrando, repleto de cidadãos e lutadores vestidos à caráter. Ali estava sua chance de chutar algumas bundas novamente, e talvez, de ver seu antigo mestre. – Ocê se veste de uma maneira engraçada moço hahaha – Dizia um velho mendigo com um sobretudo cinza surrado enquanto estava sentado no chão lendo um jornal de 10 anos atrás.
Spoiler:
 

____________________________________________________

Tiro de sorte? Sorte é não tomar um tiro meu
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Zuzu Hijra
OKAMA
OKAMA
Zuzu Hijra

Créditos : 18
Warn : E não sou mais um transviado... 10010
Feminino Data de inscrição : 13/10/2017

E não sou mais um transviado... Empty
MensagemAssunto: Re: E não sou mais um transviado...   E não sou mais um transviado... EmptyQui 02 Nov 2017, 13:02



    Observara atentamente o cartaz, passando vagarosamente os olhos em cada detalhe que ele trazia, afinal, as letras miúdas pregam peças nas cabeças dos otimistas e desavisados. Demorou-se no “premiações em dinheiro ou a escolha de uma arma de nosso arsenal” e não hesitou em tomar sua decisão. Seguiria rumo à mansão Yang para decretar ali sua despedida de Karate Island com estilo e dinheiro no bolso (ou uma bota, quem sabe...).

    Enquanto as folhas caiam poeticamente em um ritmo próprio acompanhando a melodia da brisa, contemplava aquele aglomerado que seguia para o casarão, animados como sempre ficavam em dias de competições e toda sorte de festejos que, naquela ilha, sempre continham uma dose de brutalidade e suor. Perdeu-se, como de costume, em seus devaneios e teve de ser acordado por uma voz engraçada, mas familiar, dado que, como todo filho da rua que tem como teto as estrelas e como cama o lixo que julgavam lhes ser merecido, era outro dos seus. Um mendigo, idoso e com andrajos que, para além de esquentá-lo, sobretudo, classificava-o como um maltrapilho.

    Zuzu daria uma risada gostosa em resposta a constatação do senhor, porque, desde que se rebelara contra o mundo masculinizado aquelas eram observações que nunca falhavam. Isso quando não faziam chacotas de suas maquiagens extravagantes e trejeitos. Sentaria ao lado do outro e, com um sorriso característico, responderia:

    - E o senhor fala de um jeito engraçado. Seriamos uma dupla magnífica, o que acha? “O Bode Velho e a Cabritinha”...Daria um ótimo musical e ficaríamos RICOS – elevaria uma oitava na última palavra. Gargalharia infantilmente da brincadeira e só se acalmaria segundos depois, quando olhasse para o jornal e notasse a sua data para lá de passada – Há quantos está lendo esse jornal, meu velho? Não vê que é datado de 10 aninhos atrás?! Eu ainda era uma jovem cabritinha quando ele foi lançado. Por que se apegar a isso? O que tem de tão interessante?

    Em caso do idoso querer responder, Zuzu se demoraria por alguns minutos ali, dando atenção a um dos seus. Entretanto, se ele não quisesse compartilhar, apenas levantar-se-ia, daria leves batidinhas na calça e mandaria um beijinho e uma piscadinha ao jovem velinho, assim, rumaria para a mansão Yang a fim de fazer sua inscrição e torcer para não morrer no primeiro embate ou ter passado dos quilinhos necessários pra permanecer na categoria antiga, caso houvesse, mesmo o desgraçado comendo aquém de suas carências. “Esse okama aqui é O OKAMA mesmo na lama, certo, Honey...”, pensaria.

    Cantaria, então, alegremente durante sua caminhada, arrepiando-se sempre que lembrasse dos marginalizados que, em espírito, pareciam empurrá-lo para os holofotes da vida:

    - “Não mexe comigo, que eu não ando só. Eu não ando só, que eu não ando só. Não mexe não!” ♫


Objetivos:
 


____________________________________________________

“I wish you could know what it means to be me
Then you'd see and agree that every man should be free...”. ♫


[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

Quer saber mais sobre o okama way? Ficha na imagem, honey... ♫  

Pavão Misterioso ♫
E não sou mais um transviado... ♫


Última edição por Zuzu Hijra em Seg 08 Jan 2018, 16:45, editado 4 vez(es)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Dante
Orientador
Orientador
Dante

Créditos : 2
Warn : E não sou mais um transviado... 10010
Masculino Data de inscrição : 30/03/2013
Idade : 21
Localização : Vivo me perguntando onde

E não sou mais um transviado... Empty
MensagemAssunto: Re: E não sou mais um transviado...   E não sou mais um transviado... EmptyQui 02 Nov 2017, 22:13

Fight Club





O velhinho espantava-se quando Zuzu afirmava que seu jornal era de uma década atrás. Ele segurava o material e o virava de cabeça para baixo, e depois olhava novamente com dúvida, para então abrir um sorriso sutil em seu rosto todo barbudo e grisalho. – Kihihi eu nem sei lê! – Era notável uma inocência em seu olhar e tom de voz, semelhantes à de uma criança pura e nobre. Talvez não estivesse querendo se sobressair quanto ao fato do rapaz ser um Okama, apenas tinha um modo diferente de pensar sobre essas coisas. Não se incomodava com a aproximação do jovem artista e quando se deparava com o movimento na mansão de artes marciais, olhava para um lutador e falava – Sabe rapaz, na mia época eu chutava a bunda desses meninos fácim fácim – Fitava novamente o okama diretamente nos olhos com sinceridade e sorria – Mas eu to meio veio e por ora ta só essa modinha ai de lutar karate kihihi, e musical nunca foi a minha área – Em poucos segundos a rua já estava mais vazia, composta apenas pelos dois ali conversando numa calmaria aprazível.

Despedia-se do velho e rumava para a grande mansão do prefeito. Sua cantoria despertava a audição de alguns e tornava as pessoas mais sorridentes no caminho, mesmo que alguns poucos olhassem para ele de modo “torto”. Entrava numa pequena fila para a inscrição onde teria que preencher uma folha com alguns dados e assinar com seu nome. Feito isso, iria ser encaminhado para dentro dos muros da mansão, onde poderia ver uma vez mais o refeitório, os Dojos de Karate e boxe, e o de Raiki, que estaria apresentando outra cara desta vez.

Enfeitado especialmente para o pequeno torneio, lá dentro o local estava organizado para receber o público que pagara pelo entretenimento, com cadeiras em volta do tatame a uma distância segura possuindo também um segundo andar que abrigava mais espectadores. Era uma quantidade de gente considerável, o local estava lotado para ver a vergonha alheia de alguns lutadores prestes a serem humilhados em batalha. O sem teto era instruído a ficar num local especialmente para os lutadores, ali nos bastidores havia um vestiário, quartos especiais para cada um esperar e se aquecer, e visão para observar as outras lutas por cima da “arquibancada”.

Um homem de estatura média aproximava-se e com um sorriso convidativo falava – Hey, você parece novo, nunca participou desses torneios antes né? – Enquanto isso o apresentador recebia o público, e começava a citar as regras – Primeiro quem for nocauteado ou cair para fora do tatame automaticamente perderá. Segundo não há juízes, a luta só acabará com os critérios da primeira regra, e, em terceiro e por ultimo, aquele que utilizar de armas, golpes de fora do Taekwondo ou golpes baixos, estará desclassificado. – Finalizava. Um rosto familiar era revelado ao lado do juiz, era nada menos que Raiki, seu mestre de outrora. O rapaz de antes completava – Quem vencer o torneio terá a oportunidade de lutar contra ele, mas eu duvido que alguém ganhe, esse cara é durão. – Olhava diretamente para o Okama e com um sorriso terminava - Mas que indecência a minha, prazer, meu nome é Ichida!

Spoiler:
 

____________________________________________________

Tiro de sorte? Sorte é não tomar um tiro meu
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Zuzu Hijra
OKAMA
OKAMA
Zuzu Hijra

Créditos : 18
Warn : E não sou mais um transviado... 10010
Feminino Data de inscrição : 13/10/2017

E não sou mais um transviado... Empty
MensagemAssunto: Re: E não sou mais um transviado...   E não sou mais um transviado... EmptySex 03 Nov 2017, 20:24




        A animação de Zuzu quase não cabia no peito. Todas aquelas pessoas, a estrutura, o clima de competição que abraçava os competidores, todos aqueles kimonos e lutadores de variadas faixa etárias... Ah, aquilo era como música, como uma grande orquestra se preparando para um concerto em que, obviamente, Zuzu esperava ser o solista e receber aplausos por sua performance.

        Talvez sua fantasia tivesse ultrapassado os limites da imaginação e transbordara para o corpo fazendo com que o okama estivesse dando pulinhos e pequenos gritinhos no momento em que um rapaz o abordou, muito gentilmente, diga-se de passagem. Deixou que o apresentador terminasse de falar – e que a tristeza por não poder usar o seu “quebra nozes” passasse –, olhou bem para Raiki e sorriu de volta para o outro ao seu lado. Estava excepcionalmente feliz por seu Mestre estar lá, mas não pretendia compartilhar esse fato com mais pessoas, afinal, não se sabe as verdadeiras intenções de ninguém, certo?

        Ainda com o sorriso simpático e banguela, responderia – Oh, honey... não diga isso de indecência que eu fico sem graça... NHA NHA NHA colocaria as pontas dos dedos da mão esquerda sobre a boca e estenderia a mão direita com a palma para baixo – Olá, eu me chamo Zuzu Hijra, mas pode me chamar de Zuzu. Não que eu tenha alguém íntimo para autorizar que me reconheçam assim, é só porque todos me chamam dessa forma... ou só gritam “BATE NO VIADO” mesmo NHA NHA NHA NHA gargalharia como uma gralha rouca – E o que fazes aqui, querido Ichida? Vai ser meu oponente? – colocaria as duas mãos no quadril – Olha que eu sou DA-NA-DO de forte e nem acho esse cara ali de baixo tão durão, eim... – daria uma piscadinha pra acobertar a tentativa ridícula de não deixar transparecer o medo que sentia da capacidade que os golpes de Raiki tinham de causar dor, muita dor.


Objetivos:
 

OFF:
 

____________________________________________________

“I wish you could know what it means to be me
Then you'd see and agree that every man should be free...”. ♫


[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

Quer saber mais sobre o okama way? Ficha na imagem, honey... ♫  

Pavão Misterioso ♫
E não sou mais um transviado... ♫


Última edição por Zuzu Hijra em Seg 08 Jan 2018, 16:44, editado 3 vez(es)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Dante
Orientador
Orientador
Dante

Créditos : 2
Warn : E não sou mais um transviado... 10010
Masculino Data de inscrição : 30/03/2013
Idade : 21
Localização : Vivo me perguntando onde

E não sou mais um transviado... Empty
MensagemAssunto: Re: E não sou mais um transviado...   E não sou mais um transviado... EmptySab 04 Nov 2017, 20:39

Hit the Deer-San




- Bom eu não sei ainda, na verdade é o juiz que vai ditar as lutas, não? – Respondeu, ao ser questionado. Ficava sem entender por alguns segundos as expressões que Zuzu usava logo voltando sua atenção para um homem com a voz abafada e grave, revelando o fato de que usava uma máscara branca cobrindo sua face, junto de um, sobretudo negro, característico de um culto ou seita. Cobrindo todo seu corpo e cabeça com um capuz. – Duro vai ser o caixão que eu vou preencher com seus corpos – Acabava com uma risada abafada e baixinha, no entanto, não amenizando sua intenção vil naquela competição. – Caramba, esse lugar ta cheio de gente safada – Completava Ichida, com todos os sentidos da palavra.

O apresentador e juiz tornava a pegar seu microfone novamente, e ecoando sua voz por todos os cantos do Dojo uma vez mais como se fosse música, especificamente flow, falava – Nosso 3º torneio amador de Taekwondo será composto novamente por 16 lutadores em sistema de confronto único. Por gentileza, a primeira dupla de competidores, apresente-se. – Pegava um pequeno papelzinho em seu bolso, e de imediato falava os nomes dando considerável ênfase – Conhecido por todos como Herói dos pobres e o pesadelo dos ricos... Vindo diretamente de Karate Island... Hidaaaaan ICHIROOOOO – O público começava a vibrar intensamente, e um lutador extremamente alto e robusto surgia das sombras do vestiário, jogando sua toalha ao chão com um movimento, e amarrando sua faixa vermelha no kimono.

- Do outro lado, nativo de Nobbio Werneck, uma ilha pouco conhecida... O MEIA-TINTA, ZUZU HIJIRA! – Conduzido ao tatame, seria aplaudido por uns e vaiado por uma grande parte. Poderia ouvir até mesmo assovios maliciosos do público, eram diversos e até um pouco criativos, mas a voz que se destacava da multidão para o artista era a de Ichida lá atrás. – ACABA COM ELE “BATE NO VIADO-SAAAAAAN!” – Acenava, desejando-lhe boa sorte com sua energia contagiante. Claramente não havia entendido a piada do okama. Ao chegar na área indicada, ficaria cara-a-cara com seu oponente, que com um sorriso convencido no rosto falava solenemente – Heh, eu acabo com você com uma mão amarrada nas costas! – Estalava seus dedos, enquanto encarava o “cantor-transviado-ambulante”. O juiz dava o sinal, e então a batalha começara no momento em que o gongo fora tocado.

Spoiler:
 


____________________________________________________

Tiro de sorte? Sorte é não tomar um tiro meu
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Zuzu Hijra
OKAMA
OKAMA
Zuzu Hijra

Créditos : 18
Warn : E não sou mais um transviado... 10010
Feminino Data de inscrição : 13/10/2017

E não sou mais um transviado... Empty
MensagemAssunto: Re: E não sou mais um transviado...   E não sou mais um transviado... EmptyDom 03 Dez 2017, 20:30


         - NHA NHA NHA... adorei como você é literal, meu querido – Zuzu divertiu-se com a nitidez com que o outro interpretava as suas piadinhas.

        Ainda entretido com o novo companheiro, apenas notou a presença obscura daquele lutador quando ele passou ao seu lado e pronunciou tais palavras de maneira a ameaçá-lo. Não deu muito certo, afinal, sendo um okama em Karatê Island – e sinceramente, em qualquer outro lugar nos Blues e na Grand Line – já se acostumara às duras e penosas intimidações que, vez ou outra se concretizavam, é claro, mas, na maioria eram apenas demonstrações vazias de uma suposta masculinidade ferida por sua presença. Principalmente com um tom tão ordinário vindo de uma pessoa com a face coberta.

         - Oh Darling, não se preocupe, ok? Qualquer coisa eu cuido de você – com o dedo indicador tocou a ponta do nariz de Ichida e abriu um largo sorriso.

        Conseguiu atentar-se ao pronunciamento daquele apresentador tão sui generis em sua exibição enquanto barganhava por um kimono emprestado, pois saiu para comprar um jornal e naquele momento estava preparando-se para apanhar, e ficou pasmo ao saber que sua luta seria cedo o suficiente para que o nervosismo lhe acertasse como um soco no estomago. Observou minuciosamente a entrada de seu adversário – incluindo a maravilhosa alcunha de “herói dos pobres”, já que, em todos esse anos marginalizado e por vezes dormindo com fome, nunca se deparara com o rapaz – e sua chamativa faixa vermelha.

        Como não estava preparado o suficiente quando rumou à cidade, trazia consigo apenas a faixa rosa - que algum dia fora vermelha, mas que Zuzu fez questão de desbotar para que combinasse melhor com seu espírito lutador - por debaixo das roupas, como um acessório que nunca o abandonava. Não tinha botas ou qualquer auxilio para além da música que tocava em sua cabeça. “ 'Cause, baby, there. Ain't no mountain high enough; ain't no valley low enough; ain't no river wide enough...To keep me from getting to you, baby! Oh, no, Darling...no wind, no rain...All winter's cold can't stop me, baby...”.

        No caminho até o tatame, sua música foi interrompida por um gracejo ingênuo vindo de Ichida na plateia. Sua torcida era revigorante e Zuzu retribuiu com pulinhos nas pontas dos pés e enviando um beijinho ao colega. A energia que o rapaz emanava foi suficiente para que a tentativa de desestabilizá-lo vinda de Hidan gerasse uma risada gostosa por parte do okama. Nervosismo? Talvez. Mas ninguém precisava saber.

         - Quer que eu amarre ela pra você, honey? – encarou o adversário e deu uma piscadinha para provocá-lo.

        O gongo soou. Os cumprimentos foram dados.

        Zuzu estava ansioso, mas faria o máximo para que isso não o atrapalhasse. Tentaria ganhar vantagem sobre o outro iniciando seus golpes o mais breve possível. Em primeiro lugar buscaria chutar-lhe a costela com o peito do pé direito duas vezes seguidas em seu lado direito, para depois apoiar o pé esquerdo firmemente, girar todo o seu corpo a quase 360º e acertar o lado esquerdo de Hidan, também na altura da costela, com o calcanhar.

        Na hipótese de sua entrada falhar em qualquer das etapas, recuaria. Entretanto, pensando em um contra ataque que utilizasse a abertura que seus chutes dão para que o segurasse a perna que estava no ar, usaria toda a sua força para desferir um soco no peito de Hidan.

        Já em um cenário onde sua investida fosse parcialmente ou totalmente realizada com sucesso, aproveitaria os poucos segundos de perturbação e/ou desorientação do alvejado para aumentar a distância entre os dois com um “coice” de forma moderada na barriga, esperando ansiosamente que seus passos sejam longos o suficiente para transgredir a regra de eliminação.

        Caso seu adversário seja mais ágil – ou menos distraído – e inicie os ataques primeiro, Zuzu fecharia os pulsos, colocaria o antebraço frente ao rosto de forma cruzada e tentaria proteger a face e os ouvidos de algum golpe que pudesse vir na região, afinal, seu tronco e pernas eram menos sensíveis e não queria de nenhuma maneira ser nocauteado ou sair com o rosto muito machucado. Daria pequenos passos para trás, respeitando sua posição de base, observando os limites do tatame.

        Sendo atingido, manteria sua estratégia, focando mais no tatame do que em Hidan. Poderia até revidar algum golpe desferido contra si nos membros inferiores com fortes chutes que espelhariam os dele. Ou seja, golpe recebido na esquerda? Chute na perna direita. Assim, estaria atiçando a necessidade de usar as duas pernas por parte do oponente. Entretanto, tudo isso visaria um objetivo maior: abusar da animação de Hidan e da agilidade de Zuzu para fazer o outro ficar empolgado, abrir uma brecha e deixar que o okama, em um movimento rápido, pudesse posicionar-se por trás e jogá-lo para fora com uma bonita joelhada na bunda.

        Um plano arriscado em todas as suas esferas. Mas... “quem está na chuva é pra se molhar, certo Baby?”.


Histórico:
 


OFF:
 

____________________________________________________

“I wish you could know what it means to be me
Then you'd see and agree that every man should be free...”. ♫


[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

Quer saber mais sobre o okama way? Ficha na imagem, honey... ♫  

Pavão Misterioso ♫
E não sou mais um transviado... ♫


Última edição por Zuzu Hijra em Ter 26 Dez 2017, 12:46, editado 1 vez(es)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Levy
Civil
Civil
Levy

Créditos : Zero
Warn : E não sou mais um transviado... 4010
Masculino Data de inscrição : 22/10/2015

E não sou mais um transviado... Empty
MensagemAssunto: Re: E não sou mais um transviado...   E não sou mais um transviado... EmptySex 08 Dez 2017, 09:40

~ Narrador Meia Boca ~

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]Como não podia deixar de ser, Zuzu se despede de Ichida tocando a ponta de seu nariz e vai para o centro do ringue entoando uma canção, para nosso herói tudo podia se tornar um show, já sabemos disso, portanto não seria surpresa que muitos dos expectadores dentre tantos, torcessem o nariz após sua entrada magistral. A faixa rosa havia apenas de piorar a situação, pois não é uma cor que represente algo na maioria das artes marciais. A torcida era quase toda do lutador Hidan a essa altura. – Quebra ele! Acaba logo com ele! Come o c…

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]O aviso do árbitro ao centro foi para que houvesse uma luta limpa sem golpes baixos. Mas era visível que até mesmo ele duvidava que Zuzu poderia fazer algo, tendo o cuidado de frisar o tradicional “vocês estão prontos” de forma diferente. – Você está pronto, ah… Sen… Senhor Zuzu. O público esperava uma luta unilateral, afinal, por qualquer dos ângulos em que se olhe, Zuzu nem de longe representava uma ameaça, fosse pelo jeito de andar e se vestir, fosse por sua personalidade, e também pelo corpo esguio e flexível de um artista, não havia como prever o que estava prestes a acontecer. A não ser talvez, se alguém notasse a expressão de um certo mestre ali presente.

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]O sorriso condescendente de Hidan foi literalmente arrancado de seu rosto após a rápida combinação utilizada pelo – inofensivo – okama a sua frente. A torcida silenciou e queixos caíram ao ver que em um instante Zuzu acertava dois chutes diretos na costela do lado direito de Hidan que recuou por reflexo dois passos atrás bastante surpreso. Fixando seu pé esquerdo, o gracioso taekwondoca ainda girou em seu próprio eixo desferindo um forte chute com o calcanhar agora acertando o tronco do lado esquerdo de seu adversário. Hidan que tinha um porte mais alto e robusto sentiu o gosto do sangue em sua garganta ao cair no chão sentado fora do círculo demarcado no tatame. O árbitro que cumula a função de mestre de cerimônia declara pasmo apontando para o ganhador.

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]– A vitória é de Zuzu Hijra!

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]Toda a atenção estava voltada ao centro do ringue enquanto um silêncio monumental se seguiu após as palavras do árbitro. Palmas de um homem sério rompiam o silêncio, era o mestre Raiki que deixava escapar um sorriso de canto de rosto, a voz de Ichida veio na sequência. – É isso aí! Rendidos, a torcida aplaudiu ainda estupefata, várias pessoas concordavam entre si que foram bons golpes que Zuzu havia dado. Hidan o vencido, saiu nervoso e rapidamente, sem nada dizer. Estava com os dentes cerrados, vindo a desaparecer na direção do espaço aberto reservado para os lutadores.

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]Mais sete lutas ainda viriam, tempo o suficiente para Zuzu andar em volta antes de ser novamente chamado para o combate. No espaço destinado aos lutadores também estava Ichida que logo deveria estrear, e lá se encontrava gente de toda espécie, era amplo o local, havendo alguns aparelhos de ginástica, corda, pesos, e coisas do tipo, também havia um vestiário, bem como uma porta de acesso até o lado externo. Entre tantas pessoas assistindo, mais de mil com certeza, havia ambulantes tentando ganhar a vida, mas também havia os oportunistas, do centro do ringue entre tudo que se poderia supor que Zuzu faria após sua vitória, ainda iria ver uma movimentação estranha e apressada de um homem coberto por uma capa e que também possuía uma máscara. Após descer do ringue receberia olhares de aprovação dos outros lutadores que agora o reconheciam, Ichida seria o mais satisfeito dentre todos. A alma ingênua do rapaz era de se admirar e tão logo pudesse ele veio bater nas costas de Zuzu.

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]– E aí gostou de bater no Viado-San! Você lutou bem, já já é a minha vez. Era visível a ansiedade em seu rosto.

Considerações:
 

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] l [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Zuzu Hijra
OKAMA
OKAMA
Zuzu Hijra

Créditos : 18
Warn : E não sou mais um transviado... 10010
Feminino Data de inscrição : 13/10/2017

E não sou mais um transviado... Empty
MensagemAssunto: Re: E não sou mais um transviado...   E não sou mais um transviado... EmptyTer 19 Dez 2017, 21:18



        Zuzu gostaria de jogar-se no tatame, gritar aos quatro ventos, dar pulinhos, cantar e emocionar-se com aquela vitória, entretanto, a presença de Raiki, seu oponente atônito por ter sido derrotado daquela maneira, o silêncio intimidante da plateia e, posteriormente, as palmas de seu mestre, fizeram com que suas emoções compactassem em seu peito e o levasse para fora do tatame da maneira mais graciosa possível: um cumprimento ao adversário, ao árbitro e ao mestre, seguido de uma caminhada firme em direção ao encontro do novo amigo.

        O reconhecimento da torcida, que antes cavava sua cova com palavras ofensivas, e a gratidão pelo encorajamento que recebeu de Ichida, fizeram marejar os olhos do okama. Era uma sensação incrivelmente prazerosa e inebriante.

         - NHA NHA NHA, querido, – responderia ao outro enquanto balançava a cabeça – isso é apenas uma petit amostra do grandioso poder que o Okama Way esconde de baixo de suas mascaras de cílios e barbas cerradas! NHA NHA NHA NHA

        Buscaria cruzar os olhos novamente com a estranha criatura que parecia persegui-lo dentro daquele local. Mas independentemente de encontra-lo ou não, manter-se-ia ao lado do ansioso amigo que estava prestes a encarar a sua luta.

         - Oh Darling, saiba que tudo dará certo e que vais acabar a sua em um tempo inferior a minha, ok? – colocaria o indicador em frente à boca e daria um sorrisinho – o “viado-san” estará torcendo por isso...NHA NHA NHA – viraria as costas e concluiria – Estarei aqui quando estiver no tatame, não se preocupe! Apenas irei arejar a minha graciosa penugem de galo de briga... NHA NHA NHA NHA

        Zuzu, então, partiria – de preferência sozinho, afinal, a ansiedade que estava quase transbordando de seu peito não precisava somar-se ao de Ichida e deixa-lo louco – para o lado de fora do local do evento. Sua busca por informações sobre os revolucionários era o motivo principal para que rumasse até a cidade. Desse modo, conversaria com os ambulantes que mercadejavam uma variedade enorme de produtos – bem, pelo menos para um mendigo – com o intuito de sanar sua curiosidade... Na verdade, aquela necessidade do okama já não podia continuar sendo encarada como um interesse leviano. Sua cabeça, que sempre estava alheia e abarrotada de músicas alegres e empolgantes, não parava de lembra-lo de seu afastamento para com os seus princípios libertários e até mesmo subversivos, que sempre moldaram e regeram sua medíocre vida.

        Era preciso subverter a lógica de dominação que seus pares, todo e qualquer grupo de homens e mulheres marginalizados e explorados, sofriam diuturnamente nas mãos de omissos oficiais de qualquer origem, dos grandes empresários e dos...tsc...malditos Tenryuubitos, a estirpe que mantém em sua genealogia a mais terrível e cruel arma de opressão: a classe.

        Mas passos lentos e meticulosos conduzem grandes homens, mulheres e okamas ao sucesso, bem...nesse caso, à liberdade. Sendo assim, sua tentativa seria a mesma de antes: encontrar jornais, intrometer-se em conversas e bisbilhotar atrás de informações sobre os revolucionários no South Blue.

         “♫ Oh, senhor cidadão/Eu quero saber, eu quero saber/Com quantos quilos de medo/Com quantos quilos de medo/ Se faz uma tradição?/ Oh, senhor cidadão/ Eu quero saber, eu quero saber/ Se a tesoura do cabelo/Se a tesoura do cabelo/ Também corta a crueldade [...] ♫”.


Objetivos:
 

OFF:
 

____________________________________________________

“I wish you could know what it means to be me
Then you'd see and agree that every man should be free...”. ♫


[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

Quer saber mais sobre o okama way? Ficha na imagem, honey... ♫  

Pavão Misterioso ♫
E não sou mais um transviado... ♫


Última edição por Zuzu Hijra em Seg 08 Jan 2018, 16:43, editado 2 vez(es)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Conteúdo patrocinado




E não sou mais um transviado... Empty
MensagemAssunto: Re: E não sou mais um transviado...   E não sou mais um transviado... Empty

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
E não sou mais um transviado...
Voltar ao Topo 
Página 1 de 5Ir à página : 1, 2, 3, 4, 5  Seguinte

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
One Piece RPG :: Oceanos :: South Blue :: Arquipélago Wushu-
Ir para: