One Piece RPG
A paixão pela destruição é uma paixão criativa XwqZD3u


One Piece RPG : A GRANDE ERA DOS PIRATAS
 
InícioBuscarMembrosGruposRegistrar-seConectar-se
Últimos assuntos
» Um Destino em Comum
A paixão pela destruição é uma paixão criativa Emptypor (Orochi) Hoje à(s) 06:02

» 10º Capítulo - Parabellum!
A paixão pela destruição é uma paixão criativa Emptypor OverLord Hoje à(s) 02:44

» Hey Ya!
A paixão pela destruição é uma paixão criativa Emptypor GM.Mirutsu Ontem à(s) 23:12

» The One Above All - Ato 2
A paixão pela destruição é uma paixão criativa Emptypor CrowKuro Ontem à(s) 22:17

» [LB] O Florescer de Utopia III
A paixão pela destruição é uma paixão criativa Emptypor ADM.Noskire Ontem à(s) 22:05

» The Hero Rises!
A paixão pela destruição é uma paixão criativa Emptypor Achiles Ontem à(s) 21:57

» Capitulo II: Sangue e navalhas! O Golpe em Las Camp
A paixão pela destruição é uma paixão criativa Emptypor Oni Ontem à(s) 21:24

» Meu nome é Mike Brigss
A paixão pela destruição é uma paixão criativa Emptypor Oni Ontem à(s) 20:57

» BOOH!
A paixão pela destruição é uma paixão criativa Emptypor Oni Ontem à(s) 20:20

» Garfield Henryford
A paixão pela destruição é uma paixão criativa Emptypor Sagashi Ontem à(s) 19:54

» Caçadoras Eternas: Almas entrelaçadas!
A paixão pela destruição é uma paixão criativa Emptypor Kenshin Himura Ontem à(s) 19:04

» [M.E.P] Kan Kin
A paixão pela destruição é uma paixão criativa Emptypor Shideras Ontem à(s) 19:03

» [MINI-*Kan Kin*] *Uma vida de merda*
A paixão pela destruição é uma paixão criativa Emptypor Shideras Ontem à(s) 18:58

» Bakemonogatari
A paixão pela destruição é uma paixão criativa Emptypor yaTTo Ontem à(s) 18:50

» Apresentação 6 ~ Falência Bombástica
A paixão pela destruição é uma paixão criativa Emptypor Furry Ontem à(s) 18:35

» [M.E.P] Albafica
A paixão pela destruição é uma paixão criativa Emptypor Albafica Mino Ontem à(s) 18:01

» [Mini] Albafica Mino
A paixão pela destruição é uma paixão criativa Emptypor Albafica Mino Ontem à(s) 18:00

» Cap.1 Deuses entre nós
A paixão pela destruição é uma paixão criativa Emptypor Salazar Merlin Ontem à(s) 17:54

» Cap 4: O Silêncio dos Inocentes
A paixão pela destruição é uma paixão criativa Emptypor ADM.Tidus Ontem à(s) 17:50

» Mess in Grand Line: The Red-Haired Arrived
A paixão pela destruição é uma paixão criativa Emptypor ADM.Tidus Ontem à(s) 17:50



------------
- NOSSO BANNER-

------------

Naruto AkatsukiPokémon Mythology RPG
Naruto RPG: Mundo Shinobi
Conheça o Fórum NSSantuário RPG
Erilea RegionRPG V Portugal
The Blood OlympusPercy Jackson RPG BR
A Song of Ice and FireSolo Leveling RPG
Veritaserum RPGPeace Sign RPG
Pokémon Adventure RPG

------------

:: Topsites Zonkos - [Zks] ::


 

 A paixão pela destruição é uma paixão criativa

Ir em baixo 
Ir à página : 1, 2, 3  Seguinte
AutorMensagem
ADM.Tidus
Duque Azul
Duque Azul
ADM.Tidus

Créditos : 65
Warn : A paixão pela destruição é uma paixão criativa 10010
Masculino Data de inscrição : 10/06/2011
Idade : 27
Localização : 1ª Rota - Karakui

A paixão pela destruição é uma paixão criativa Empty
MensagemAssunto: A paixão pela destruição é uma paixão criativa   A paixão pela destruição é uma paixão criativa EmptyQua 11 Maio 2016, 13:41

A paixão pela destruição é uma paixão criativa.

Aqui ocorrerá a aventura do(a) civil Thwor Ironfirst. A qual não possui narrador definido.


____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

Olá Convidado, seja bem-vindo ao One Piece RPG.
Links para ajuda: [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Punk
Pirata
Pirata
Punk

Créditos : 13
Warn : A paixão pela destruição é uma paixão criativa 10010
Masculino Data de inscrição : 01/07/2013
Idade : 28
Localização : No barco

A paixão pela destruição é uma paixão criativa Empty
MensagemAssunto: Re: A paixão pela destruição é uma paixão criativa   A paixão pela destruição é uma paixão criativa EmptyQua 11 Maio 2016, 19:45


     

 A paixão pela destruição é uma paixão criativa. 

Eu me sentia liberto, afinal, tinha me separado dos piratas e enfim poderia seguir meu sonho de tentar ser um grande cientista, mas ainda eu não sabia o que fazer direito, até porque era um espadachim sem espada, tanto faz apenas pensaria como seria minha criação perfeita, uma linda arma de destruição. " - Me sinto um pouco perdido nessa nova ilha, espero que não tenha um bando de "lixo" no meu caminho." Pararia e olharia para os dois lados, analisava um pouco antes de prosseguir pensando onde devo ir. " - Acho que o QG da marinha deve ser um lugar bom, para conseguir informações de como ser um cientista e lá parece um lugar interessante." Com isso olharia com muita atenção as pessoas que estariam andando pela rua e sempre quando achasse a menos interessante, ou a menos lixo tentando conseguir informação.

Enfim não poderia ficar pensando muito ali, isso já era o suficiente para mim, manteria minha expressão calma, caminharia em direção até a pessoa menos interessante para conseguir informação necessária. Chegando próximo a pessoa logo falaria em um tom de voz bem calmo. " - Onde é o QG da cidade?" Sem sutileza, sem educação e carregando uma frieza enorme. Carregando minha sinceridade excessiva logo completaria. " - Te pergunto por que não te acho lixo como os outros que estou vendo, parece saber das coisas."  Era muito mais forte do que eu, precisava dizer a verdade, suava ate um pouco, as palavras da minha boca saiam assim de forma aleatória aguardando uma resposta útil, caso ele(a) não saiba logo então falaria. " - Ah me desculpe você é lixo como os outros, me enganei, deixe-me ver se escolho alguém não lixo dessa vez." Assim voltaria a analisar as pessoas na rua, para pedir informação do QG da marinha.

Caso a resposta fosse positiva, ficaria até um pouco animado, porem manteria minha expressão, prestaria bastante atenção no caminho que seria descrito para o QG da Marinha. Faria um sinal de positivo e em seguida caminharia em direção para o mesmo, prestando atenção ao máximo no caminho, para não errar. Assim que chegasse ao Quartel, iria direto ao assunto em busca do meu objetivo para ser um cientista. " - Gostaria de me tornar um cientista, como proceder ?" respiraria bem fundo e voltaria a falar rapidamente. " - Sou Thwor Ironfirst, tenho conhecimento em Física e Química." Completaria minhas informações para o lixo atendente.

Se fosse indicado para ir a algum lugar, caminharia ate o mesmo ou seguiria se fosse o caso. Pedindo para eu falar com alguém, se ele(a) não disser onde esta essa pessoa perguntaria onde encontra-la. No caso dela já falar onde ela esta e só ir ate la faria isso. Ambos os caso chegando ate essa pessoa então falaria. “ - Opa, meu nome e Thwor Ironfirst, tenho conhecimento e física e química, quero ser um cientista". Não me importaria muito com o que tinha que fazer para me tornar um cientista, sem me importar se teria que machucar alguém ou não, ou qual seria os desafios que viriam pela frente.

Objetivos:
 

off:
 

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Blackfish
Pirata
Pirata
Blackfish

Créditos : 7
Warn : A paixão pela destruição é uma paixão criativa 8010
Masculino Data de inscrição : 12/04/2016
Idade : 22
Localização : Loguetown - East Blue

A paixão pela destruição é uma paixão criativa Empty
MensagemAssunto: Re: A paixão pela destruição é uma paixão criativa   A paixão pela destruição é uma paixão criativa EmptySab 14 Maio 2016, 15:32



O prólogo
Las Camp, Thwor Ironfirst, Ciência e objetivos



As nuvens eram negras e o clima gélido, ultimamente para situação da cidade de West Blue era incomum nesse clima ocioso, porém, não era problema a falta de sol constante para os cidadãos, a metrópole era infestada de estudiosos, amantes da ciência e devoradores de livros. De chegada junto com o frio se encontrava um jovem de cabelos pretos, acabava de desembarcar no porto de um comboio, não conhecia o local porém não tinha problemas quanto a colher informações sobre o local. O tom de melancolia do rapaz estava estampando em sua face, falta de ânimo e empatia era comum para o juvenil, o mesmo parou para analisar o porto de Las Camp refletindo sobre seus objetivos, compreendeu que a melhor maneira de investir em informações era chegando o lugar que repreende contatos e demais, o QG da ilha.

Sereno e calmo o garoto procurou alguém para dar informações para seus objetivos, por sorte havia um senhor grisalho sentado na frente de uma banca de pesca fazendo nós de uma maneira cansada e entediada. Ao ouvir as palavras do garoto o velho olhou com incerteza e confusão, apertou seus olhos cheio de rugas e franziu sua testa.

Você... Você se refere o quartel general da marinha? Garoto, sou velho demais para entender essas gírias atuais — O senhor balbuciava olhando para o jovem.

Em um intervalo da pergunta o de cabelos negros utilizava de sua oratória agradável e sua sinceridade alarmante.

Realmente... Eu poderia simplesmente não responder sua pergunta por sua falta de educação, porém, você me passa confiança.... Tem cara de que vai ser um dos estudantes da universidade, como meu filho — O velho sorriu como uma criança — Pode subir as escadas e seguir reto, depois de três quarteirões você pode curvar a direita, acredito que após ir ao quartel general, filho, vai querer visitar nosso instituto, boa sorte!

O velho não havia simpatizado com a personalidade forte e rústica do jovem, talvez por rixa de idades, mas porém havia ajudado a seguir o seu caminho, o imigrante caminhou animado nas ruas impecáveis e um pouco vazias, as ruas cimentadas e casas cinzas próximas da outra traziam um certo respeito a metrópole, não parecia um lugar comum, de certa forma o índice demográfico do lugar era mediano e os impostos eram altos por quê tudo que havia na cidade era bem cuidado, havia uma fonte em um dos quarteirões onde o mesmo passou, pode encontrar uma praça onde um único garoto na idade de dezesseis anos estava lendo, em outro quarteirão pode ver duas barracas de alimento, muitas pessoas procuravam coisas quentes que de longe já via o vapor subindo do alimento, o quê poderia ser mais gratificante para o jovem possível cientista era que todos na ilha pareciam ser adeptos a ciência, todos andavam com livros e passavam um perfil de estudiosos.

Em passos calmos e sem imprevistos o juvenil havia chegado ao quartel general de Las Camp, não era grande e aparentava não residir mais que dois mil soldados, o mesmo entrou e os soldados que passavam com armas, esfregões e livros não deram muita atenção para o mesmo, após observar a frente podê-se ver uma mulher atraente com seios avantajados e óculos de lentes finas.

Próximo por favor — Ela dizia sem olhar para o garoto.

A atendente em nenhum momento olhava para Thwor, ela apenas carimbava papeis e decorava alguns números deixados pelos oficiais.

Seu nome é Thwor Ironfirst? E você quer ser um cientista? Você está no índice de seis de dez pessoas que vêm se alistar, isso agrada a corporação.... — A atendente sorria e seus óculos escorregavam um pouco da face, ela pela primeira vez olhou por cima do óculos para Ironfist e sorriu — Não é tão fácil assim, primeiro deve ingressar na marinha e logo após nosso capitão te passará as informações, com sorte há uma primeira turma de recrutas, segue a direita subindo as escadas no segundo andar a esquerda estará a sala, boa sorte.

Ironfist caminhou pelos corredores do quartel gelado, as salas pareciam cheias com reuniões e outras com centenas de papeladas, o primeiro andar parecia ser para alistamento e reunião de informações pequenas, vindo logo atrás haviam quatro pessoas: um senhor aparentando ter trinta e dois anos, uma garota com dezoito e outros dois com vinte e um. Dentro da sala havia um homem fardado na frente do quadro em uma pose formal, no resto da sala se encontrava quarenta e cinco cadeiras sendo que quarenta estavam ocupadas.

Sentem-se! — O homem fardado ordenava com uma voz grossa e firme — Sou o sargento Aisenhower e estou aqui para instruir vocês a nossa corporação, se escolheram o quartel general de Las Camp é por quê tem afinidade com a ciência, e nós, somos mais informações do que combate!

A sala ampla e bem refrigerada estava completamente lotada, todos sentados prestando atenção no homem alto com barba rala e uniforme de sargento da marinha, o peitoral do oficial estavam estufados e as mãos atrás das costas mostrando a pose da marinha.

Vocês passarão por duas séries de testes: físicos e psicológicos! Certamente estamos investindo mais nos testes psicológicos — Aisenhower observava seus intruidos com seriedade enquanto executava os comandos — Quero que formem duplas para começar com interação entre vocês, o primeiro teste será físico e individual, porém quero que já tenham um parceiro ou parceira para os próximos testes incentivando a interação dos mesmos!

A esquerda de Thwor estava a garota que aparentava ter dezoito anos, era franzina e ruiva com óculos, parecia ter dotes para literatura, a direita se encontrava um garoto careca aparentando ter vinte e um anos com um porte físico atlético, na frente outro garoto franzino com vinte uma nos com corte militar e atrás o senhor com trinta e dois anos.

Após formarem duplas digam seus nomes em voz alta que desceremos para o teste! — O sargento ordenava novamente.


Histórico do Punk:
 
Informação:
 

____________________________________________________

Fala Pensamentos Narração
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]


Última edição por Venettzō em Ter 17 Maio 2016, 16:42, editado 1 vez(es)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Punk
Pirata
Pirata
Punk

Créditos : 13
Warn : A paixão pela destruição é uma paixão criativa 10010
Masculino Data de inscrição : 01/07/2013
Idade : 28
Localização : No barco

A paixão pela destruição é uma paixão criativa Empty
MensagemAssunto: Re: A paixão pela destruição é uma paixão criativa   A paixão pela destruição é uma paixão criativa EmptySab 14 Maio 2016, 21:53


     

 A paixão pela destruição é uma paixão criativa. 

O velho dizia que poderia não responder minha pergunta, em seguida dizia que eu lhe passava algum tipo de confiança e para falar a verdade estava nem ai com isso eu pensava naquele instante. " Velho Idiota, parece um papel higiênico, deve ser usado e em seguida descartado." Bom guardaria esse pensamento comigo pois era melhor, havia acabado de chegar na cidade e ele não era tão lixo assim, o sorriso dele me deixava enojado, nunca entendi esse lado humano, porem quem sabe algum dia alguém me faça entender, isso até porque isso estaria além da minha compreensão. Unica coisa que eu tinha certeza naquele momento é que eu queria muito que ele fosse uma vítima de uma arma minha de destruição. " Quem sabe um dia eu não faça um projeto e uso esse velho nojento como cobaia, hum ia ser magnifico." Meus pensamentos estava um pouco distante do meu foco atual, porem eu gostava muito disso.

Quando saia do meu mundo pensativo analisarias as coisas em minha volta, observava que as pessoas da ilha não era tão lixo assim. Me identificava um pouco com as pessoas com suas caras de estudiosos, lembraria do tempo em que estava focado estudando física e química. Depois de passar um tempo com piratas e indo em ilhas onde só havia luta, sangue e lixos. Já estava mais do que na hora de chegar em lugar um pouco melhor pelo menos aparentemente, bom porém tinha que continuar focado em meus objetivos e ali próximo ao quartel seguia para o mesmo, um pouco surpreso com o tamanho do QG, parecia pequeno, mais fazer o que né é o que tinha para hoje.

" - Me alistar na marinha !!!" Não era o que eu esperava, a palavra marinha era tão lixo, porem era um sacrifício que teria que fazer, não me importava iria passar por cima disso e me tornar cientista logo. A mulher me encaminhava para o segundo andar a esquerda, tinha algo que me incomodava. Era mais forte que eu, minha expressão facial não mudava, só que minha mente estava me cobrando isso eu precisava falar então com um tom de voz calmo e suave típico da minha pessoas eu soltava a seguinte frase para a atendente. "- Belo par de seios!!! São bem avantajados, bom tanto faz, valeu sua informação foi válida." Com frieza seguia como se nada tivesse acontecido, não era atração, nem amor era apenas vontade de dizer o que estava na minha mente. Sentia-me livre, e aliviado eu precisava falar aquilo era muito mais forte que eu.

Vendo aquele monte de cadeiras ocupadas, por hora não me importava com as outras pessoas logo soltava algo que vinha na minha mente. " - Pera, para o bonde que Isabel caiu!!! quanta gente, será que todos querem ser cientista?. " A gente era ordenado a sentar eu olhava para o sargento sempre diretamente em seus olhos aguardando as instruções ele se apresentava minha mente bugava e com isso pensava. " Isso é um nome ? Bom só quero passar por isso logo e fazer o máximo para ser promovido logo, talvez esquarteje alguns piratas quem sabe assim eles me coloque o mais rápido possível como cientista."

" Formar dupla, affff, vamos ver minhas opções." parecia todos um bando de "lixo" sem interesse, o menos lixo em minha mente era a garota pelo fato de parecer gostar de ler pelo menos. Rapidamente olharia para a garota e usando sempre minha voz encantadora tentaria convence-la. " -É vamos lá, meu nome é Thwor Ironfirst , quer ser minha dupla? Digamos que só quero me alistar para me tornar um cientista, usar um pouco do meu conhecimento de Física e Química." Aguardaria a resposta da mesma, se fosse positiva faria um sinal de positivo meio forçado e logo falaria meu nome em voz alta, ou se fosse para um falar o nome da dupla então falaria nossos nome e seguiria para continuação do teste da marinha. Caso a resposta da garota for negativa, então tentaria fazer dupla com o velho falaria a mesma coisa e aguardaria a resposta do mesmo.

“Testes, legal adoro isso. Nada vai me impedir de me tornar um cientista ... talvez eu tenha dificuldade no físico.” Assim seguiria o avaliador aguardaria as instruções para começar meu teste para ser um marinheiro. Bom vamos ver como será daqui para frente. " Vamos Thwor, eu serei o maior cientista que esse mundo já viu e mostrarei a todos uma linda arma de destruição ... pouco me importo para as consequências, só quero ser lembrando e reconhecido."

Off:
 

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Sagashi
Revolucionário
Revolucionário
Sagashi

Créditos : 3
Warn : A paixão pela destruição é uma paixão criativa 3010
Masculino Data de inscrição : 17/01/2014
Idade : 18

A paixão pela destruição é uma paixão criativa Empty
MensagemAssunto: Re: A paixão pela destruição é uma paixão criativa   A paixão pela destruição é uma paixão criativa EmptySeg 16 Maio 2016, 21:04



A CARTA

Aquela carta, aquela caligrafia que demonstrava claramente que foi escrito às pressas e bem forte, como se a mão do autor fosse a de um gigante: a carta só poderia ser vinda do meu pai. E aquele "PS" que tanto me chocava com belas palavras nunca dirigidas diretamente à mim, com uma doce e calma caligrafia de uma pessoa que claramente não era hiperativa, era quase certo de que era a minha mãe. Mas por que uma carta é escrita por duas pessoas, assim, e depois somem? Não fazia o menor sentido, pelo menos para mim, Sagashiteru, que não conseguia nem sequer esboçar uma expressão facial em relação à isso. Para mim tudo era confuso, porque em todas as situações da minha vida eu só raciocinava e dava certo, mas agora, não poderia mais raciocinar, porque nada se encaixava direito na minha mente. A última coisa que eu me lembro e que realmente me marcou era o fato de me deixarem sozinho e casa, quitarem todas as contas e simplesmente desaparecerem depois. Será que sabiam que iriam sumir? Talvez tenham me abandonado por ter feito algo de errado, mas, o que eu poderia ter feito de errado? Outra, me jogaram logo no dia em  que eu me sentia um adulto independente dos pais, logo no dia em que eu finalmente poderia "virar homem", como a sociedade costuma dizer. "Bom, chorar vai adiantar algo? Não. Também não adianta reclamar. Agora que sumiram, eu deveria agir como uma pessoa responsável, fazendo minhas próprias coisas sem atrasar minha vida por causa do acontecimento.

Embora confuso, continuava tranquilo, porque desde pequeno já tinha uma certa "afinidade especial com a paciência". Sempre tive esse temperamento calmo e essa postura de macho, com meu semblante sempre sério e centrado. Claro, o que esperar do filho de um marinheiro de alta patente? Tenho de agradecer aos meus pais pela a minha força e minha inteligência. Deixando meu passado para trás, num ato único, piscaria os olhos e chacoalharia minha própria cabeça, tentando me esquecer do assunto. Claramente era o início de uma nova vida, portanto, deixaria todo o passado para trás e recomeçaria, como se fosse uma fênix ressurgindo das cinzas. Sairia de minha casa, que eu provavelmente estaria, depois de ter "acordado de um pesadelo sem fim". Seguiria fielmente meus instintos e andaria em direção à um quartel general marinheiro, sempre tentando descobrir qualquer informação sobre meus pais. Caso venha a me encontrar com um atendente do quartel, apenas manteria minha postura e olharia fixamente em seus olhos, perguntando: - Meu nome é Sagashiteru. Silverlight Sagashiteru. Meu pai era de uma patente alta e foi para a Grand Line, não lembro exatamente qual, mas depois de ir, nunca mais o vi novamente, e recebi uma carta dele. Tem alguma informação dele? - Tendo fé numa resposta viável. Caso eu receba (ou não) a resposta, todavia, limparia minha garganta e diria, com os lábios tremendo: - Pois bem, g-gostaria de me tornar um marinheiro, meu senhor(a). - E aguardaria por uma resposta. Caso algo aparecesse em minha frente antes de eu chegar no QG, apenas analisaria a situação e evitaria brigas e/ou conflitos desagradáveis antes de ter um plano em mente. Em todos os casos e possíveis casos, eu apenas não iria querer me deixar levar por nada sem pensar antes.



OFF: Primeiro post é sempre o pior, os outros eu melhoro. Vamos lá, boa aventura ^^
OFF²: Eu não sei se tem ou não um QG em Las Camp, mas essa era a ideia. Me interessar na marinha, descobrir o que realmente acontece por lá e me corromper pra revolucionário.

Objetivos escreveu:

() Me tornar revolucionário.
() Fazer uma missão revolucionária.
() Encontrar com Thwor.
() Comprar soqueiras.
() Aprender uma perícia - Vejo depois qual.

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

Meu amor:
 
Voltar ao Topo Ir em baixo
Far
Pirata
Pirata
Far

Créditos : 53
Warn : A paixão pela destruição é uma paixão criativa 10010
Masculino Data de inscrição : 05/07/2015
Idade : 23
Localização : Your worst nightmare

A paixão pela destruição é uma paixão criativa Empty
MensagemAssunto: Re: A paixão pela destruição é uma paixão criativa   A paixão pela destruição é uma paixão criativa EmptyQua 25 Maio 2016, 22:32

Narração

Thwor não se identificava nem um pouco com o velho, por mais que ele lhe passasse uma informação útil em sua jornada, para o jovem espadachim aquele pobre homem não passava de mais um "lixo" no caminho, podendo ser usado de cobaia que ninguém se importaria. Por algum motivo havia gostado da ilha, mesmo não demonstrando muitas expressões de felicidade, se identificava com as pessoas estudiosas, por sinal espalhados aos montes pelos arredores. De qualquer forma não havia mais muito o que fazer nas ruas de Las Camp, e sem mais delongas, já com a informação que necessitava, o jovem caminhara pacientemente até o QG da marinha. Chegando lá havia encontrado logo de cara uma funcionara, que aparentemente cuidava da papelada do local, passando-lhe algumas informações logo após Thwor expor suas intenções.

- Belo par de seios!!! São bem avantajados, bom tanto faz, valeu sua informação foi válida. - Afirmava o jovem descaradamente após receber as informações da secretária, pois sentia a necessidade de expressar seus pensamentos pelas curvas da mulher.

A secretária rapidamente cobria seus peitos com alguns papéis que estava verificando, sentindo-se um pouco assediada, seu rosto ficava avermelhado na mesma hora e a expressão de vergonha era certamente notável. No entanto o espadachim não se importava muito com a situação, friamente prosseguia subindo as escadas como se nada tivesse acontecido, simplesmente falara o que estava em sua mente sem se importar com a reação que teriam. Alguns passos a frente, chegava a sala almejada abrindo-a e observando o contingente de aspirantes a marinheiros, completamente lotada sobrando apenas algumas poucas cadeiras.

- Pera, para o bonde que Isabel caiu!!! quanta gente, será que todos querem ser cientista? - Acrescentava as palavras, deixando a todos um tanto quanto confusos.  

Porém logo sentava-se próximo a um pequeno grupo de destaque, ouvindo atentamente as palavras do tal responsável pelo recrutamento, que ordenava que todos fizessem pares para então prosseguir com os procedimentos. Thwor não gostava muito disso, provavelmente preferia trabalhar sozinho, e definitivamente não havia se identificado com nenhum dos presentes na sala, mas como era necessário para ser aprovado, procurava um parceiro em destaque entre os demais. Dando uma bela observada pela sala, a pessoa que considerava menos pior seria a garota ruiva que estava a sua esquerda, não que gostasse dela, mas sua aparência colegial transparecia um ar intelectual.  

- É vamos lá, meu nome é Thwor Ironfirst , quer ser minha dupla? Digamos que só quero me alistar para me tornar um cientista, usar um pouco do meu conhecimento de Física e Química. - Apresentava-se o jovem, tentando tomar a frente no diálogo.

- Ah, claro, meu nome é Aiko. Cientista? Hmm legal, eu na verdade só estou seguindo a tradição da família, meus pais são marinheiros e agora parece que chegou a minha vez.

Passavam-se alguns minutos para que todos se organizassem em duplas, até que o marinheiro no comando batia palmas esperando que todos tivessem terminado, andava aos arredores da sala para conferir se estava tudo pronto. Aparentemente todos haviam feito o requerido, separando-se em duplas para prosseguir, sendo assim o homem sentava-se em uma cadeira na frente de todos e passava a separar o grupo ainda mais.

- Bom, acho que está tudo certo. Então, quero que os vinte aí atrás desçam para o pátio, enquanto o restante podem descer para o segundo andar. Hoje o grupo está bem grande, por isso iremos separar em dois, alternando os testes para poupar tempo. Desçam com calma e tentem não fazer alvoroço, logo estarei descendo para dar as instruções, podem ir. - Dizia o marinheiro permanecendo sentando na espera de que todos se mexessem, o que de fato acontecia mas não de uma maneira tão organizada como ele requeria. Quando via aquela situação, suspirava um pouco decepcionado e descia com o restante dos homens, deixando com que o grupo da frente fosse até o local indicado.

Do outro lado estava Sagashiteru, ainda abalado com o recente abandono de seus pais, além da carta deixado pelos mesmos que apenas gerava mais dúvidas e confusão na cabeça dele, tentando resolver o enigma. O jovem havia sido deixado sozinho para seguir a sua vida, e apesar dos pesares era isso que estava pronto para fazer, deixando de lado a misteriosa carta de despedida para tornar-se um adulto responsável. Sendo assim, Sagashiteru saia pela porta de sua casa, prestes a retomar seu lugar no mundo e fazer o possível para prosseguir sua jornada sem mais interrupções, mas não sem procurar por seus familiares nos intermédios do caminho.

Ainda um pouco desestruturado, o jovem prosseguia até o QG pronto para se alistar e seguir o mesmo caminho que seu pai havia seguido, e quem sabe encontrar alguma pista sobre o paradeiro dele, ou até de sua mãe. A passos lentos e objetivos, chegava ao local dando de cara com a mesma secretária a qual Thwor falara minutos atrás, estava um pouco atrasado para as atividades que recém começaram, mas ainda era possível ingressar. Atormentado, Sagashiteru, antes de qualquer coisa indagava a mulher sobre seu pai, tentando recolher qualquer informação útil por parte dos marinheiros.

- Meu nome é Sagashiteru. Silverlight Sagashiteru. Meu pai era de uma patente alta e foi para a Grand Line, não lembro exatamente qual, mas depois de ir, nunca mais o vi novamente, e recebi uma carta dele. Tem alguma informação dele?

- Ei, ei, calma lá garoto. Seu pai? Bom, não faço ideia de quem seja. - Respondia a marinheira, tentando conter as palavras enroladas que o jovem pronunciara.

- Pois bem, g-gostaria de me tornar um marinheiro, minha senhora. - Acrescentava, expondo suas verdadeiras intenções.

- Os testes acabaram de começar. Desculpe, mas você terá que voltar outro dia.

Finalizava a conversa, enquanto um grande grupo descia pelas escadas se direcionando ao pátio, e logo em seguida descia também o responsável pelos alistamentos, direcionando-se ao boxeador com um olhar fixo e um sorriso no rosto. Se aproximava de Sagashiteru com boas intenções, apoiando uma das mãos sobre o ombro do jovem, enquanto observava o restante dos recrutas seguindo para fora.

- Mais um recruta? Você está atrasado em garoto, mas tudo bem. Suba até o primeiro andar e junte-se aos outros, vou terminar as coisas por aqui e estarei lá em cima em um minuto.

Aiko:
 

Off:
 

Histórico do Punk:
 

Histórico do Sagashi:
 
Thank's [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]


____________________________________________________


Fala (#B22222 - FireBrick)
Pensamento (#4682B4 - SteelBlue)

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Sagashi
Revolucionário
Revolucionário
Sagashi

Créditos : 3
Warn : A paixão pela destruição é uma paixão criativa 3010
Masculino Data de inscrição : 17/01/2014
Idade : 18

A paixão pela destruição é uma paixão criativa Empty
MensagemAssunto: Re: A paixão pela destruição é uma paixão criativa   A paixão pela destruição é uma paixão criativa EmptyQui 26 Maio 2016, 05:35



A LUZ NO FIM DO TÚNEL

Me sentia aflito pelo meu atraso não-intencional, porque isso claramente me custava uma chance de descobrir o que aconteceu com meus pais. Digo, algo deve ter acontecido, ninguém some de repente. De qualquer forma, era aliviador saber que ainda tinha uma luz no fim do túnel, que era aquele marinheiro bondoso me convidando para entrar, mesmo estando atrasado. É claro que, como um ser humano dedicado ao seus objetivos, eu aceitaria e entraria no local por ele indicado, mas isso não satisfaria a dúvida por ele colocada: "Por que sorrir para uma pessoa desconhecida, inexperiente, atrasada e a mandar subir para o primeiro andar? Creio que ele queria me usar de alguma maneira na marinha, porque o ser humano de natureza é egoísta e não iria querer ver o bem dos outros, sendo essa pessoa boa ou má. A vontade de benefício próprio é natural, e caso a pessoa faz algo de ' bom coração ' ao outro, é porque quer sua própria consciência limpa. Enfim, é assim que as coisas funcionam. De qualquer forma, seja ele marinheiro ou não, não posso me precipitar, preciso pensar no sentido das coisas que vou fazer daqui para frente, independente de qual seja. Minha utilidade pode ser em prol do bem, mas com aquele toque de falso pretexto... " - Curvaria meu pescoço para a direita e apertaria os olhos, olhando para o meu sudeste, tendo uma das minhas sobrancelhas arqueadas no momento. Eu sabia que as intenções do marinheiro eram apenas me levar para meu alistamento, mas não conseguia parar de teimar que aquilo não estava totalmente à meu favor. "... No que eu estou pensando? Eu preciso parar de teimar com as pessoas. Vamos, Sagashi, é só um alistamento, você não tem o porquê de suspeitar. Pare de pensar em coisas triviais, por favor. Nosso foco é o alistamento." - Logo, recuperaria minha postura ereta de largos ombros, mantendo a cabeça em frente e as mãos dentro dos bolsos, sem me curvar muito. Subiria para o primeiro andar - o indicado pelo oficial - e me juntaria aos outros, sem falar muito, apenas observando suas roupas e suas expressões faciais, buscando me distrair para conter meu nervosismo na hora.

Eu, em primeira mão, evitaria fazer contatos sociais, por ora. Me comunicaria apenas com a pessoa que se dirigisse à mim, e a sempre trataria como senhor ou senhora. Manteria as mãos nos bolsos e o corpo ereto, buscaria me apoiar em alguma parede caso os recrutas não se movam, e buscaria andar de acordo com a velocidade dos passos do grupo caso andem, independente de onde andam, de forma robótica e sem autonomia. Bom, analisaria todas as pessoas e buscaria um padrão entre todas elas para que eu possa fazer igual, enquanto aguardaria o homem se encontrar no mesmo local em que eu supostamente estaria. Após essa série de ações e pensamentos, aguardaria por uma fala se dirigida diretamente à mim. Não me importando para o que fosse, diria: - Silverlight, Sagashiteru. Prazer. - Daria uma pausa, esperando uma resposta da outra pessoa. Responderia às questões dadas pela pessoa para mim. Se fosse algo que exigisse uma participação minha em algum grupo ou a formação de um mesmo, eu aceitaria, isso me seria futuramente muito útil porque eu poderia ser ajudado por alguém a realizar alguma tarefa importante para o alistamento, e também poderia ajudar alguma pessoa, assim conquistando sua lealdade para mim. Eu esperaria que o oficial da marinha terminasse de resolver as coisas que tinha de resolver e chegar na sala, e aceitaria fazer qualquer tipo de teste, sendo um teste escrito ou um físico, eu não me importaria. Na verdade, ficaria até mais contente em ser um teste que exigisse fazer flexões, para que assim eu pudesse saciar meu vício por tal coisa.

Pararia, por um tempo, para pensar sobre a recepcionista que se embaralhava junto comigo durante o jogo de palavras. Eu não usufruía de meu temperamento calmo no momento, ainda que estava pensando no sumiço de meus pais, portanto tinha o nervosismo tomando conta de meu corpo, o que justificava o mal diálogo. (Sagashi esperava encontrar alguém que lhe chamasse atenção, e a cor que mais lhe chamava atenção era a rosa e a vermelha. Caso essa pessoa tão esperada aparecesse, ele concluiria o seguinte): "Começaremos pelas mangas da camisa. Estão muito puxadas para frente, o que significa que não usou muito as mãos durante esse meio tempo, provando que não tem muitas tarefas como recepcionista. Pelo nó borboleta na gravata, diria que ela recentemente terminou os estudos, consequentemente sendo uma recém-integrada no ramo marinheiro. Nunca trabalhou pesado, sua forma física e pele imaculada denunciam isso, e sempre foi sustentada pelos pais até então. Posso reforçar esse ponto pelos brincos dourados, que talvez não sejam de ouro de verdade, mas com certeza não foram comprados por ela. Sua cor favorita é vermelha, porque é a que mais está presente em seu corpo, tanto em unhas quanto lábios e supercílios. Ela está querendo chamar a atenção de alguém ALÉM dos clientes que entram aqui, porque claramente usa brilho labial. Está saindo com alguém com boa situação financeira, o suficiente para lhe pagar um par de brincos. O coque estava frouxo, o que pode significar que ela fez na correria, porque acordou tarde demais... ou fez isso apenas por aparência, mesmo. Minha intuição diz que ela e o soldado que acabei de ver estão namorando, porque o soldado parecia feliz quando sorriu para mim, claro, isso em meu ponto de vista. De qualquer forma..." - Daria uma pausa dramática e outra para olhar em volta, para que eu não pudesse perder nenhum evento. "... ela não pode saber nada sobre meus pais. Não vale a pena eu voltar para falar com ela. - E terminaria a linha de raciocínio por ali, esperando ansiosamente pelo próximo acontecimento, embora não demonstrasse tal ansiosidade em meu semblante.




OFF: Far-senpai :inho: Pode me colocar todas as imagens dos NPC's que eu conhecer durante a aventura? Seria bom pra mim Norio

EDIT: Não tinha muitas ações além de esperar o cara por lá. Meu personagem não preferiria se relacionar com os outros do que pensar sobre assuntos já pendentes há tempos, então só dei uma enrolada no post. Desculpa por sair fraco

Objetivos escreveu:

() Me corromper da marinha.
() Me tornar revolucionário.
() Fazer uma missão revolucionária.
() Encontrar com Thwor.
() Comprar soqueiras.
() Aprender uma perícia - Vejo depois qual.

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

Meu amor:
 


Última edição por Sagashi em Qui 26 Maio 2016, 22:27, editado 1 vez(es)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Punk
Pirata
Pirata
Punk

Créditos : 13
Warn : A paixão pela destruição é uma paixão criativa 10010
Masculino Data de inscrição : 01/07/2013
Idade : 28
Localização : No barco

A paixão pela destruição é uma paixão criativa Empty
MensagemAssunto: Re: A paixão pela destruição é uma paixão criativa   A paixão pela destruição é uma paixão criativa EmptyQui 26 Maio 2016, 22:19


     

 A paixão pela destruição é uma paixão criativa. 

" - Marinheiro .... tradição de família..... Entendi, sendo sincero com você moça ... ou posso te chamar direto pelo nome Aiko? Bom voltando ao assunto nunca foi meu sonho ser marinheiro .... você anda quando alguém mandar você andar, você come quando alguém mandar você comer, você mata quando alguém mandar você matar e você morre quando alguém mandar você morrer." Suspirava bem fundo, na minha mente era a triste realidade de um marinheiro, poderia até não ser mais alguém tinha que provar isso para mim, ela tinha cara de pessoa inteligente, porem iludida com uma tradição de família. " - Bom posso estar errado, até porque o ser humano é falho, mais espero que um dia alguém prove isso para mim. Para ser bem sincero Aiko, eu quero construir a maior e melhor arma de destruição que esse mundo já viu, para isso eu sei que terei que viajar muito por esse mundo afora para conhecer coisas novas, porem quem sabe na minha família também não tenha algo para eu seguir de tradição e concluir esse meu sonho." Queria muito montar a maior arma de destruição para o mundo, porem ainda faltava algo dentro de mim para concluir esse objetivo e olhando para essa garota me vinha algumas coisas na mente. " Talvez eu precise estudar mais e aprender coisas novas, só Física e Química não é o suficiente, será que olhando para minha família a algo que eu possa aprender que seria útil .... Minha mãe dizia saber sobre ciências proibidas ... quem sabe isso não seja o caminho para o sucesso."

Meu temperamento sempre calmo e pensativo me fazia pensar em cada situação diferente, na minha vida como marinheiro. " Será que é isso mesmo que eu quero? Quando estava com os piratas eu me sentia livre, livre para estudar, livre para andar por ai. Quando se é livre o mundo parece ser incrível." Pensando na liberdade que esse mundo pode oferecer colocaria um raro sorriso no rosto, algo que nem eu esperaria de mim, durante esse momento eu notaria isso e rapidamente tentaria disfarça voltando a minha expressão comum de alguém frio e desapaixonado. Se Aiko percebesse tentaria disfarça, mudando de assunto. " - Mas mudando de pau pra cavaco, você se vê feliz e livre como marinheira, ou só se sente obrigada pela tradição de família.?" Aguardaria a resposta dela, se ela disser que sim, que marinheira é o grande sonho da vida dela responderia com a maior sinceridade do mundo. " - Hum, que bom, já que as pessoas devem sempre seguir seus sonhos." Porem no caso dela dizer que não, que está apenas seguindo a tradição da sua família, olharia com toda sinceridade e com um tom de voz bem suave então falaria. " - Que triste, você é bonita e inteligente, não desperdice sua vida, por algo que não te faça feliz .... sendo sincero eu não sei se é isso que eu realmente quero para minha vida, a marinha nesse momento é só um berço para mim se acolher e não está sozinho sem nada e ninguém por hora e os laboratórios são interessantes onde eu posso buscar meu sonhos ou dar inicio a eles. Ou seja uma troca, porem quero muito conhecer o mundo por ai vamos ver como vai ser." Poderia estar me expondo, porem me sentia aliviado e sempre mostrar o meu lado mais sincero possível, magoando ou não as pessoas até porque eu nunca me importei com isso e não vai ser agora.

Prestaria atenção no que ela falasse, também nas coisas que aconteceriam em minha volta, está alerta era essencial. Tentaria analisar um pouco o bando de lixo que estaria em minha volta para o alistamento e quem sabe mais algum ali sirva para alguma coisa. Aguardaria atentamente o chamado do cara para mim com nome estranho que era responsável pelo alistamento, assim as instruções dele também, para iniciar junto com minha dupla que no caso era Aiko.

Caso eu notasse alguém chegando atrasado, já logo me vinha rapidamente que o homem(mulher) lixo, consegue nem chegar no horário, digamos que seria meu mode de dar boas vindas. Aquela garota de cabelos vermelhos espero que eu não tenha errado na escolha de dupla e não seja inútil como sera o mundo afora. ” Uma vez ouvi dizer que meu pai o verdadeiro que abusou da minha mãe está na tal de Grand Line, fico imaginando como deve ser esse lugar." Olharia para Aiko ainda aguardando as instruções para o teste de marinha e então perguntaria a mesma. "- Ei Ruiva, muito bom, o pessoal da marinha que no caso sua família já te falou alguma vez sobre a Grand Line. " Esperaria que ela não perguntasse sobre o porque, pois eu não gostava muito de falar sobre meu passado, lembrar que meu verdadeiro pai violento minha mãe sobre a benção de um Eclipse, porem caso ela perguntasse diria de forma sincera e calma, com uma voz bem suave." -Bem, não me leve a mal, não gosto muito de falar sobre meu passado, é bem triste." Assim aguardaria resposta da mesma, caso fossemos encaminhados para algum lugar apenas seguiria aguardando as informações para que possa começar logo o alistamento.

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Far
Pirata
Pirata
Far

Créditos : 53
Warn : A paixão pela destruição é uma paixão criativa 10010
Masculino Data de inscrição : 05/07/2015
Idade : 23
Localização : Your worst nightmare

A paixão pela destruição é uma paixão criativa Empty
MensagemAssunto: Re: A paixão pela destruição é uma paixão criativa   A paixão pela destruição é uma paixão criativa EmptySex 27 Maio 2016, 21:02

Narração

Na recepção Sagashi havia chegado atrasado para o alistamento, por isso quase perdera a chance de entrar e por consequência seria obrigado a comparecer em outro momento, mas por boa vontade do comandante era admitido nos testes. Entretanto o jovem analisava minuciosamente as ações do marinheiro, julgando-o mesmo sem fazer nada de mal, pois o sorriso que Sagashi julgava ser uma possibilidade de ser manipulado futuramente, muito provavelmente apenas demonstrava o bom humor do funcionário. Logo o sargento tocava o ombro do rapaz, deixando-o para trás com seus pensamentos desconfiados sobre suas ações, não que fosse algo pessoal, pois aparentemente gostava bastante de ver toda a situação por um outro lado.

Sem muito mais o que fazer no andar inferior, Sagashiteru se deslocava até o primeiro andar se juntando aos demais recrutas, todos pareciam estar agrupados em duplas conversando sobre assuntos variados. O garoto perdido e atrasado, tentava se misturar com os demais copiando suas ações, mostrando que suas habilidades sociais não eram das melhores, e por sinal imitar ações era o melhor jeito de deixa-lo "invisível". Lá em cima encontrava uma garota ruiva, um pouco afastada, mas certamente era a cor que mais lhe chamava atenção em toda a sala, até porquê a maior parte dos candidatos eram homens. Analisava todas as suas características de cima a baixo, como se a estivesse stalkeando por algum motivo, mas após um certo período de pensamentos, decidia que falar com aquela mulher não o ajudaria em nada.

Então deixando de lado todo esse papo de análises, um homem ainda sem par se aproximava de Sagashiteru, ainda um pouco receoso e parava alguns metros a sua frente lhe observando, desviando o olhar sempre que mantiveram contato visual. Suspirava forte, balançando a cabeça como se aceitasse o seu destino e passava a se aproximar do boxeador, dessa vez olhando-o diretamente nos olhos. Arrumava seus óculos, para ajeitar seu visual desleixado e estendia sua mão um pouco trêmula até o jovem, esperando que o cumprimento fosse retribuído mas prosseguindo com as palavras mesmo assim.

- Eerr... Meu nome é Jin. Parece que você chegou agora, e Err, Hmm... Também está sem parceiro, então que tal fazermos uma dupla? - Questionava aguardando uma resposta por parte de Sagashi, enquanto mantinha a mão estendida.

- Silverlight, Sagashiteru. Prazer. - Dizia Sagashi estabelecendo um contato entre os dois.

Thwor do outro lado da sala, via todo o desenrolar da situação com o canto dos olhos, ao menos a partir do momento em que uma pessoa havia chegado atrasado chamando sua atenção, mesmo que de maneira negativa. Também podia observar a atenção do sujeito novo com relação a sua parceira, ele parecia estar bem interessado na jovem ruiva de cabelos lisos. Entretanto o espadachim se atentava nas palavras de Aiko, escutando pacientemente o que ela tinha para falar, mesmo que ele nem sequer tivesse perguntado alguma coisa do gênero.

- Marinheiro .... tradição de família..... Entendi, sendo sincero com você moça ... ou posso te chamar direto pelo nome Aiko? Bom voltando ao assunto nunca foi meu sonho ser marinheiro .... você anda quando alguém mandar você andar, você come quando alguém mandar você comer, você mata quando alguém mandar você matar e você morre quando alguém mandar você morrer. - Respondia tentando puxar assunto, além de descobrir as verdadeiras intenções por trás daquela garota.

- Tudo bem pode me chamar de Aiko. - Afirmava um pouco séria, enquanto ajeitando seu coque. - Se esse é o problema, então você só precisa ser forte o bastante para estar no comando. - Comentava um pouco ingênua, porém convicta de sua crença, sorrindo levemente como se já estivesse ciente de seu destino.

De fato, palavras simplórias mas com toda a razão, e isso apenas mostrava ainda mais a confiança e autoestima da garota para com suas próprias habilidades, talvez estivesse exagerando com os pensamentos grandiosos, mas quem poderia julga-la por não querer ser apenas mais uma peça no tabuleiro? Logo deixando isso de lado, Thwor prosseguia com as palavras, acrescentando a conversa seus objetivos de vida, e expondo boa parte de suas vontades, de certo modo confiando na garota com essas informações. Finalizando o assunto, o jovem se perdia em seus pensamentos, abrindo um sorriso bem atípico de sua personalidade relembrando os tempos de liberdade como pirata, mas logo sua expressão passava a ser séria novamente logo que Aiko havia percebido a felicidade em seus lábios.

- Mas mudando de pau pra cavaco, você se vê feliz e livre como marinheira, ou só se sente obrigada pela tradição de família? - Trocava de assunto quase que de imediato, tentando disfarçar o breve sorriso.

- Bom, eu gosto de me ver como uma justiceira, por mais que isso seja coisa de família. Acho que esse é meu verdadeiro caminho, para falar a verdade não consigo me ver fazendo outra coisa. - Acrescentava, fingindo que não havia percebido a expressão de Thwor.

- Hum, que bom, já que as pessoas devem sempre seguir seus sonhos.

A ruiva apenas balançava a cabeça confirmando a frase, parecia ser simpática e atenciosa com as pessoas. Por outro lado o espadachim observava os arredores tentando encontrar algo a mais de interessante, mas tudo que via eram as mesmas pessoas de antes, a única coisa que havia mudado era que um dos recrutas se aproximara do homem atrasado iniciando um diálogo. Não muito tempo depois, o sargento adentrava novamente o recinto, subindo as escadas e conversando com alguns garotos no meio do caminho, para que voltasse a se pronunciar em seguida.

- Como vocês já devem ter notado o grupo está bem grande, então iremos dividir um pouco mais para que as tarefas sejam realizadas. O primeiro teste será disciplinar, também analisando a capacidade de cada um de vocês para seguir a ordem de seus superiores, independente da situação. - Afirmava escolhendo algumas duplas.

- Ei Ruiva, muito bom, o pessoal da marinha que no caso sua família já te falou alguma vez sobre a Grand Line. - Falava enquanto ainda não fora escolhido.

- Claro, eles chegaram a contar algumas histórias. - Respondia se muita chance de questionar alguma coisa para Thwor, pois logo fora interrompida pela escolha de duplas do comandante.

O sargento olhava bem para todos e chamava três duplas para perto de si, sendo elas Thwor e Aiko, Sagashiteru e Jin e mais uma dupla masculina de desconhecidos. O marinheiro chamava-os abrindo uma das portas do andar, pedindo para que entrassem ali, esperava que todos entrassem para então prosseguir também. Atrás da porta estava uma sala de treinamento, repleta por alteres espadas e tudo que um soldado precisaria, porém toda empoeira como se estivesse pedindo por uma limpeza a meses. O chão estava todo sujo de lama, provavelmente dos dias chuvosos, além das vidraças que mal se podia enxergar o outro lado de tão empoeirado que estava, sendo assim o marinheiro não demorava muito para explicar o primeiro teste.

- Primeiramente, preciso que vocês limpem essa sala. Infelizmente, ninguém toca nela a um bom tempo, apesar de ser bastante usada pelos soldados para exercitar seus músculos e treinar suas habilidades.

Off:
 

Jin:
 

Sargento:
 

Histórico do Punk:
 

Histórico do Sagashi:
 
Thank's [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]


____________________________________________________


Fala (#B22222 - FireBrick)
Pensamento (#4682B4 - SteelBlue)

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Sagashi
Revolucionário
Revolucionário
Sagashi

Créditos : 3
Warn : A paixão pela destruição é uma paixão criativa 3010
Masculino Data de inscrição : 17/01/2014
Idade : 18

A paixão pela destruição é uma paixão criativa Empty
MensagemAssunto: Re: A paixão pela destruição é uma paixão criativa   A paixão pela destruição é uma paixão criativa EmptyDom 29 Maio 2016, 04:24



UMA CAMADA OCULTA?



Ótimo, eu já tinha problemas de trabalho em equipe e agora estou, ainda por cima, com três pessoas ao meu lado. Era comum nessas situações me sentir angustiado, claustrofóbico até com um ambiente aberto, ou então em pânico, mas minha afinidade natural com a paciência cobria tudo isso e me fazia sentir bem, portanto, eu ainda tinha fôlego para continuar. Primeiramente eu precisava reconhecer e aceitar quem estava ao meu lado, como se todos fôssemos um só, mas sem utilizar muito do tempo do treinamento e da limpeza, então teria de tirar conclusões sozinho e sem perguntar à nenhum dos três. Então, olharia Jin de cima à baixo, procurando saber mais sobre ele em questão de segundos, é claro, se eu conseguisse, porque, geralmente falando, as pessoas costumam ter uma preguiça infernal de raciocinar sobre qualquer coisa, por estarmos na era das tecnologias, que causam a distração e a falta de interesse em coisas imaculadamente lógicas. Olhando por quanto tempo precisasse - torcendo para que fosse pouco -, concluiria: "Não quero tomar muito tempo próprio para ver a vida do garoto, quero apenas saber no que ele me virá a ser útil, portanto, vou lhe analisar o semblante e as coisas que o trapassam. Vamos lá... - Apertaria os olhos. "A ponta de seus cabelos são onduladas, diferente de seu enorme e liso cabelo, o que significa que se molhou recentemente, ou seja, tomou banho agora há pouco. Porém não veio aqui atrasado, por conta de seus óculos e unhas. Seus óculos estão perfeitamente colocados em seu rosto, não porque são sob medida, mas por conta do costume de organização do rapaz. As unhas não estão roídas, o que significa que seu temperamento é calmo como o meu, porque, caso contrário, roeria-as de nervosismo. Apenas seus dedos estão para fora, assim como os da ruiva, o que significa que não fez trabalho pesado até então. Também diria que está com frio por estar com a mão encolhida, o que reforça que ele não pode ter trabalhado pesado até então, caso contrário suas mãos estariam quentes o suficiente para que ele possa deixa-las para fora. Entretanto isso é bem estranho, visto que a camisa por baixo de seu colete ou terno, eu sei lá, está aberta. Creio eu que esse modelo de camisa tenha abotoamento, portanto, posso dizer que ele preza muito por sua beleza, tanto que posso dizer que insultar a mesma é um de seus pontos vulneráveis. Não tenho certeza sobre sua visão, mas suas pupilas parecem estar dilatadas a ponto de se camuflar com a íris dos olhos, então diria que ele andou vendo algo muito luminoso... talvez um auxiliar de eletricista, ou mecânico, ou auxiliar de um bombeiro que acabou de apagar um prédio em chamas? Não, ele teria a pele marcada. Isso é um ponto X que não consigo saber sobre ele. Tenho certeza de que ele não luta nem boxe e nem jiu-jitsu, porque as orelhas não estão marcadas e seu maxilar está intocável, visualmente falando. A propósito, ele é canhoto, por ajeitar os óculos com a esquerda. - Sorriria, piscando duas vezes e encerrando a dedução sobre o garoto. Não evitaria de soltar um comentário deveras duvidoso. - Você tem um belo maxilar, senhor Jin.

Agora era a vez do cavalheiro com boa aparência. Eu não fazia ideia do nome dele até então, mas não parecia ser má pessoa. Daria uma pausa de um ou dois segundos para que eu recuperasse o foco e refrescasse um pouco a mente, e, em seguida, desviaria o olhar para Thwor. - Senhor dos olhos verdes, dê-me sua atenção. - Diria, imaginando que ele pudesse fazer tal ato, analisando principalmente suas micro expressões a partir do momento que me ouvisse. Caso apresentasse pequenos impulsos nas sobrancelhas ou aperto de olhos, concluiria que ele nasceu com a natureza de servo, no entanto, se apresentasse o decaimento da ponta dos lábios ou a testa franzida, diria que eu poderia coloca-lo como líder dessa "equipe", por não estar satisfeito em receber ordens de outra pessoa. Independente de sua tomada de ação, deduziria-o. "Ok. Ele tem cabelos lisos naturais e o penteamento é duvidoso. Seu lábio superior parecem mais escuros que o normal e tem essa linha em seus olhos que não faço ideia do que seja. Ele tem um colar que não parece ser um crachá ou algo industrial, então, posso concluir que alguém tenha lhe dado ele, e/ou isso vale muito de seu afeto. Pelos 'olhos de peixe morto' e sua expressão facial esboçada, diria que ele é frio, o que contradiz o afeto no colar. Na verdade... ele talvez tenha tido um trauma em sua vida que acabou fazendo com que ele perdesse o amor que ele provavelmente tinha por alguém que lhe deu esse colar. Seu pai, mãe, responsável, talvez? E essas linhas no rosto não são normais, são fruto de algo químico. Algum familiar era químico ou ele mesmo fez alguma coisa de errado que o fez ter isso, o que é improvável, por não ter curado isso até então. Não diria que foi um acontecimento recente, caso contrário estaria em choque e nem sequer estaria aqui. Agora, recapitulando: Ele perdeu os pais, que lhe deram esse colar, e um dos dois lhe fez este fenômeno químico no rosto, coisa que ele leva como marca de uma data horrível de sua vida. Este homem tem traumas. Tem de ser um gênio para ter saído vivo nessa, e ter se adaptado à possível nova vida. Não apresenta histeria nas situações impostas até então, então ele deve ser bem calmo. Temos um trio calmo na equipe, então. - Meus olhos decairiam em direção ao chão, junto com minha cabeça, e logo inclinaria ambos para cima, deixando um aspecto solidário e piedoso no rosto. Não evitaria de comentar a respeito. Independente da ação que tome, diria: - Obrigado pela atenção. Meus pêsames pelos seus pais, também.

Não me daria o trabalho de analisar Aiko, de qualquer maneira, porque eu já tinha visto isso antes. Tomando provavelmente a primeira voz, eu diria, à todos da equipe: - Bem, pessoal, devemos começar. Meu nome é Sagashiteru, da família dos Silverlight, e temo que os senhores tenham um nome, também. - Aguardaria ansiosamente pelos nomes, tendo em mente apenas o de Jin. Respondendo ou não, prosseguiria. - Não me recordo do sargento nos dar utensílios de limpeza, então, temos de improvisar, e não, não permitirei o uso das minhas madeixas para limpar o chão. - Não sorriria, mas deixaria bem óbvio que era uma piada com o arqueamento de uma das sobrancelhas. - Alguma ideia, cavalheiros? - E aguardaria a resposta dos demais. Me contentaria em ter alguém que lidere o caso, porque minha procrastinação e minha exaustão mental me condenavam. Caso houvesse alguma, a ouviria e esperaria a aprovação das pessoas da minha equipe. Votaria de acordo com a maioria. Caso não houvessem ideias, cogitaria o seguinte: - Devem haver janelas por aqui. Usaremos o vento para tirar a poeira daqui, se houver algum. Droga, não posso pensar em nada que envolva a limpeza das armas... precisamos de um químico para nos orientar neste momento... - Ocultaria meu olhar para o de olhos verdes, usando minha cabeça para cima, dizendo a frase de forma sarcástica e esperando que ele tomasse alguma atitude. - Todos de acordo? - Diria, após o suposto químico desse sua palavra, isto é, se fosse um e tivesse a vontade.

Se sim, houvessem utensílios de limpeza, usufruiria deles, se ninguém tivesse uma ideia melhor.





Objetivos escreveu:

() Me corromper da marinha.
() Me tornar revolucionário.
() Fazer uma missão revolucionária.
() Encontrar com Thwor.
() Comprar soqueiras.
() Aprender uma perícia - Vejo depois qual.

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

Meu amor:
 
Voltar ao Topo Ir em baixo
Conteúdo patrocinado




A paixão pela destruição é uma paixão criativa Empty
MensagemAssunto: Re: A paixão pela destruição é uma paixão criativa   A paixão pela destruição é uma paixão criativa Empty

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
A paixão pela destruição é uma paixão criativa
Voltar ao Topo 
Página 1 de 3Ir à página : 1, 2, 3  Seguinte

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
One Piece RPG :: Oceanos :: West Blue :: Las Camp-
Ir para: