One Piece RPG
Capítulo I: Meu nome é Cory Atom! Filho de Kouha Atom - Página 9 XwqZD3u
One Piece RPG
Capítulo I: Meu nome é Cory Atom! Filho de Kouha Atom - Página 9 XwqZD3u


One Piece RPG : A GRANDE ERA DOS PIRATAS
 
InícioBuscarMembrosGruposRegistrar-seConectar-se
Últimos assuntos
» Pandamonio, Vol 1 - Rumo à Grand Line!
Capítulo I: Meu nome é Cory Atom! Filho de Kouha Atom - Página 9 Emptypor AoYume Hoje à(s) 15:08

» Pandemonium - 9 Brave New World
Capítulo I: Meu nome é Cory Atom! Filho de Kouha Atom - Página 9 Emptypor GM.Milabbh Hoje à(s) 14:50

» Uma promessa ao céu
Capítulo I: Meu nome é Cory Atom! Filho de Kouha Atom - Página 9 Emptypor Bolin Hoje à(s) 13:32

» Lealdade, Valor e Morte
Capítulo I: Meu nome é Cory Atom! Filho de Kouha Atom - Página 9 Emptypor Coldraz Hoje à(s) 11:47

» Steps For a New Chapter
Capítulo I: Meu nome é Cory Atom! Filho de Kouha Atom - Página 9 Emptypor Achiles Hoje à(s) 10:49

» Right Punch, Left Punch!
Capítulo I: Meu nome é Cory Atom! Filho de Kouha Atom - Página 9 Emptypor Razard Hoje à(s) 10:36

» ~ Acontecimentos ~ The Wonderful Land
Capítulo I: Meu nome é Cory Atom! Filho de Kouha Atom - Página 9 Emptypor GM.Milabbh Hoje à(s) 10:17

» Ler Mil Livros e Andar Mil Milhas
Capítulo I: Meu nome é Cory Atom! Filho de Kouha Atom - Página 9 Emptypor Shogo Hoje à(s) 09:22

» [Mini - Toji]
Capítulo I: Meu nome é Cory Atom! Filho de Kouha Atom - Página 9 Emptypor Mephisto Hoje à(s) 07:33

» Um Encontro Destinado
Capítulo I: Meu nome é Cory Atom! Filho de Kouha Atom - Página 9 Emptypor Cloe Kaminari Hoje à(s) 02:24

» Drake Fateburn
Capítulo I: Meu nome é Cory Atom! Filho de Kouha Atom - Página 9 Emptypor ADM.Tonikbelo Hoje à(s) 01:49

» I did not fall from the sky, I leapt
Capítulo I: Meu nome é Cory Atom! Filho de Kouha Atom - Página 9 Emptypor Formiga Hoje à(s) 01:47

» Alipheese Fateburn
Capítulo I: Meu nome é Cory Atom! Filho de Kouha Atom - Página 9 Emptypor ADM.Tonikbelo Hoje à(s) 01:43

» Sophia Aldebaran Rockfeller
Capítulo I: Meu nome é Cory Atom! Filho de Kouha Atom - Página 9 Emptypor ADM.Tonikbelo Hoje à(s) 01:38

» Vol 2 - The beginning of a pirate
Capítulo I: Meu nome é Cory Atom! Filho de Kouha Atom - Página 9 Emptypor Formiga Hoje à(s) 01:09

» [MINI-HOKI] O Espadachim Negro
Capítulo I: Meu nome é Cory Atom! Filho de Kouha Atom - Página 9 Emptypor Hoki Hoje à(s) 00:35

» União Flasco: Inicio do Sonho
Capítulo I: Meu nome é Cory Atom! Filho de Kouha Atom - Página 9 Emptypor Takamoto Lisandro Hoje à(s) 00:12

» I - Justiça: Um compromisso obstinado!
Capítulo I: Meu nome é Cory Atom! Filho de Kouha Atom - Página 9 Emptypor Hammurabi Ontem à(s) 22:57

» 11º Capítulo - Cataclismo em Skypeia!
Capítulo I: Meu nome é Cory Atom! Filho de Kouha Atom - Página 9 Emptypor Marciano Ontem à(s) 22:05

» Razão
Capítulo I: Meu nome é Cory Atom! Filho de Kouha Atom - Página 9 Emptypor Wing Ontem à(s) 21:48



------------
- NOSSO BANNER-

------------

Naruto AkatsukiPokémon Mythology RPG
Naruto RPG: Mundo Shinobi
Conheça o Fórum NSSantuário RPG
Erilea RegionRPG V Portugal
The Blood OlympusPercy Jackson RPG BR
A Song of Ice and FireSolo Leveling RPG
Veritaserum RPGPeace Sign RPG
Pokémon Adventure RPG

------------

:: Topsites Zonkos - [Zks] ::


 

 Capítulo I: Meu nome é Cory Atom! Filho de Kouha Atom

Ir em baixo 
Ir à página : Anterior  1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10  Seguinte
AutorMensagem
ADM.Tidus
Duque Azul
Duque Azul
ADM.Tidus

Créditos : 77
Warn : Capítulo I: Meu nome é Cory Atom! Filho de Kouha Atom - Página 9 10010
Masculino Data de inscrição : 10/06/2011
Idade : 27
Localização : Fishman Island

Capítulo I: Meu nome é Cory Atom! Filho de Kouha Atom - Página 9 Empty
MensagemAssunto: Capítulo I: Meu nome é Cory Atom! Filho de Kouha Atom   Capítulo I: Meu nome é Cory Atom! Filho de Kouha Atom - Página 9 EmptyQua 12 Fev 2020, 23:02

Relembrando a primeira mensagem :

Capítulo I: Meu nome é Cory Atom! Filho de Kouha Atom

Aqui ocorrerá a aventura do(a) civil Cory Atom. A qual não possui narrador definido.


____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

Olá Convidado, seja bem-vindo ao One Piece RPG.
Links para ajuda: [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo

AutorMensagem
Kiomaro
Narrador
Narrador


Data de inscrição : 25/02/2015

Capítulo I: Meu nome é Cory Atom! Filho de Kouha Atom - Página 9 Empty
MensagemAssunto: Re: Capítulo I: Meu nome é Cory Atom! Filho de Kouha Atom   Capítulo I: Meu nome é Cory Atom! Filho de Kouha Atom - Página 9 EmptySex 26 Jun 2020, 21:50



Meu nome é Cory Atom, filho de Kouha Atom!


[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

Por um tris...


"Eu sou um ótimo mentiroso… Acho que se tudo der errado como bandido eu posso tentar uma vaga no governo mundial…" pensava sendo irônico comigo mesmo enquanto ludibriava o ingênuo Tenente Curry Atom.

Eu estava tão confiante do meu argumento de defesa que não imaginava que o Tenente iria suspeitar de mim nem por um segundo, mas eu não podia contar com um detalhe… O miserável era um gado! Com apenas poucas palavras, aquela suposto justiceiro infalível se punha nas mãos da gaivota como um fantoche, minha decepção era tanta que mal pude esconder minha cara de puro deboche, por pouco menos de um segundo eu não chego a levar minhas mãos até a cabeça para simular chifres e mugir para o senhor nobre tenente abacate, talvez assim o meu argumento ficasse mais convincente, visto que estaríamos falando a mesma língua…

Antes que eu pudesse fazer qualquer tipo de besteira o frio e calculista Cowboyboy aparece para revelar que na verdade aquelas feridas eram falsas, confesso que não tinha percebido aquilo, mas como a própria Gabriela havia dito eu não era médico, embora pela facilidade que o xerife notou que a ferida era falsa talvez não precisasse ser assim tão analista pra perceber aquilo… Acho que eu estava ocupado demais pensando na minha mentira perfeita.

Tenente abacate desmaia ao saber que sua amada era uma farsante e cowboy some com a gaivota, me deixando sozinho tendo que derrotar aquela agente metida. Fiquei muito triste por saber que ele ia levar aquele vinho caro com ele eu poderia vender por um bom preço aquela peça, mas o que mais me deixava puto era ele ter entregado os baús para a agente metida.

Nem me despediria dos marinheiros, visto que eles estavam ocupados cuidando daquele velho tenente, eu apenas cataria os itens da marinheira que estivessem no chão e sairia de lá furtivamente com a bolsa em mãos indo para bem longe deles, em direção a uma mesa vazia onde eu poderia xingar o Cowboy livremente e liberar minha raiva...

-Cowboy... seu miserável!! Você só tinha uma missão: "guardar os baús"! Agora eu tô na merda… Como que eu vou derrotar aquela agente metida? Como que ela fez aquele truque das mãos que caiam? Nossa e aquele do obstáculo invisível….- iria ficar divagando naquela mesa por algum tempo, enquanto jogaria todos os itens na bolsa da marinheira, em busca de algo que me fosse útil.

"Bom… a forma de lutar dela pelo visto é baseada em ataques a distância, se eu conseguir encurtar o combate provavelmente ficarei com a vantagem. Se eu não tomar cuidado posso acabar caído em alguns dos seus truques super curiosos, como aquele das mãos falsas… Acho que o melhor a fazer é pegá-la de surpresa…"

No fim estaria convicto que pegar ela de surpresa seria o mais correto a se fazer e por isso cataria todos os pertences da gaivota que eu haveria espalhado pela mesa e partiria com eles em mãos me misturando com os nobres para pegá-la despercebida, andando por todo o convés em busca da agente, uma vez a localizando me manteria furtivo para planejar minha aproximação.

Não deixaria de considerar a possibilidade de eu mesmo ser pego desprevenido e  justamente por isso ficaria sempre olhando para os lados tentando localizá-la, para evitar ser alvejado eu me manteria sempre próximo a alguns nobres, se notasse sua aproximação ou algum senbon vindo em minha direção eu desviaria, caso fosse impossível desviar eu colocaria um nobre em minha frente para servir de escudo e apontaria para a mulher dizendo:
-Vejam! Aquela mulher feriu esse nobre homem(ou mulher)! Prendam-a imediatamente!!-






Voltar ao Topo Ir em baixo
Oni
Pirata
Pirata
Oni

Créditos : 23
Warn : Capítulo I: Meu nome é Cory Atom! Filho de Kouha Atom - Página 9 10010
Masculino Data de inscrição : 19/01/2013
Idade : 23
Localização : Bahia império nagô

Capítulo I: Meu nome é Cory Atom! Filho de Kouha Atom - Página 9 Empty
MensagemAssunto: Re: Capítulo I: Meu nome é Cory Atom! Filho de Kouha Atom   Capítulo I: Meu nome é Cory Atom! Filho de Kouha Atom - Página 9 EmptySab 27 Jun 2020, 13:38


Narração - Cory Atom




Gabriela Devon sequer lutou ao sair, reconhecendo a própria derrota sem o apoio dos marinheiros. Agora ela poderia, embora tivesse perdido o jogo, seguir com o seu objetivo: Encontrar o seu antigo amante, o Organizador, e descobrir pistas pra se vingar dele talvez. Quanto ao Cowboyboy, o dinheiro do vinho já valia diversas recompensas que poderia caçar, o seu acordo secreto com a Agente Ann provavelmente também, e simplesmente não era vantajoso para ele se contrapor nem contra ela nem contra Cory, já que seu maior objetivo para estar no navio, desde o começo, era saber também sobre o Organizador. Os dois seguiram para o outro andar junto com os marinheiros, ficando em quartos diferentes.

Lembrando-se desses momentos anteriores em uma mesa vazia, no salão de refeições, exatamente a a mesa em que o Cowboyboy estava antes, Cory Atom resmungava -Cowboy... seu miserável!! Você só tinha uma missão: "guardar os baús"! Agora eu tô na merda… Como que eu vou derrotar aquela agente metida? Como que ela fez aquele truque das mãos que caiam? Nossa e aquele do obstáculo invisível….

Os nobres nas outras mesas assistiam Cory revirando diversas peças de roupa feminina dentro da mala, bem como algumas máscaras de pessoas, materiais de maquiagem, cartazes falsos de recompensa - alguns com apenas rascunhos desenhados por cima - e carimbos da maria.

Um dos nobres, com um grande bigode, bebericava a sopa com uma colher dirigindo um olhar desconfiado para Cory, que agora chamava muito mais atenção sem sua roupa aristocrática.

Revirava os materiais em busca de algo que nem mesmo ele teria certeza sobre o que era.

Entre recolher os materiais, observá-los e ir para a outra mesa já faziam 25 minutos desde que se despedira do Cowboyboy e da Gaivota, e agora finalmente eram cerca 17:15. Um pouco menos de 3 horas eram o que faltava para a competição, e, sem sombra de dúvidas, a Agente Ann estava na vantagem...


...Vantagem esta que ela estava prestes a aumentar ainda mais.

- Boa tarde, Senhoras e Senhores... - A Agente se punha no centro das atenções ao falar em voz alta. Todos os nobres que estavam comendo e conversando eram atraídos por ela. - Eu gostaria de apresentá-los um show de mágica... - Ela se curvava à frente deles, fazendo um gesto de reverência, e então o seu braço caía no chão.

Vários nobres ficaram horrorizados até o momento em que um novo braço surgiu do mesmo lugar, e ela recuperou o braço antigo, fazendo uma expressão de surpresa para enriquecer a cena.

Pôs o braço falso no mesmo local em que estava antes e fez uma série de truques como se aquele fosse o seu braço normal.

Em um de seus truques ela foi capaz de mover cadeiras à metros de distância distância por algumas dezenas de centímetros, tirar cartas de locais improváveis dos nobres, bem como adivinhações.

Absolutamente todas as atenções estavam direcionadas a ela, o que tornava impossível pra Cory se aproximar da mesma com intenções violentas sem arruinar o jogo.

Seus quatro baús estavam presos ao seu cinto, dois de cada lado.

Como se ela desafiasse o gatuno a ir em sua direção.

Em duas horas e quarenta minutos um dos dois terá vencido.

BARCO:
 

personagens:
 


Histórico:
 


____________________________________________________

''.....''

- Cindy Vallar  

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

GUAP:
 

Ser Staffer:
 


[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Kiomaro
Narrador
Narrador
Kiomaro

Créditos : 7
Warn : Capítulo I: Meu nome é Cory Atom! Filho de Kouha Atom - Página 9 10010
Masculino Data de inscrição : 25/02/2015
Idade : 21
Localização : brasilia

Capítulo I: Meu nome é Cory Atom! Filho de Kouha Atom - Página 9 Empty
MensagemAssunto: Re: Capítulo I: Meu nome é Cory Atom! Filho de Kouha Atom   Capítulo I: Meu nome é Cory Atom! Filho de Kouha Atom - Página 9 EmptyDom 28 Jun 2020, 23:10



Meu nome é Cory Atom, filho de Kouha Atom!


[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

Kary Amon




"Não Cory… Nem pense nisso…. Já era..."

Eu imediatamente ao ouvir o anúncio do show de mágica me viro em direção a agente como se tivesse ouvindo o anúncio mais importante da noite. Ela vinha logo com o truque do braço, o maldito truque do braço… Meus olhos brilhavam de curiosidade, caia naquele feitiço como se tivesse olhado nos olhos de uma medusa, desviar o olhar já era inevitável, já havia mordido aquela isca e agora estava praticamente sendo puxado até ela pelo anzol da minha curiosidade…

"Preciso chegar perto o suficiente pra ver como aquele truque do braço funciona, mas se eu chegar desse jeito ela vai me reconhecer em segundo…" pensava enquanto minhas pernas já tremiam para me levantar e ir até o show, por sorte a bolsa da gaivota tinha exatamente o que eu precisava para me infiltrar e não ser notado enquanto me aproximava.

Iria até o banheiro correndo, quando lá chegasse espalharia as máscaras e maquiagem da gaivota na pia, sem me importar muito se tinha algum nobre do lado ou não, afinal estaria com pressa e curioso demais para perder muito daquele show da agente. Daria uma boa olhada nas máscaras e buscaria uma de modelo feminino e quem sabe uma peruca da cor do meu cabelo para não contrastar muito com minha sobrancelha e tornar o disfarce mais convincente, vestiria e me olharia no espelho para ver se estava realística o suficiente, se algum nobre me olhasse estranho eu o olharia de volta com um sorriso sarcástico e diria:-O que foi? Nunca viu um homem se maquiando?-

Após vestir a máscara eu passaria a maquiagem para cobrir o máximo possível qualquer feição masculina, alongando os cílios com um rímel caso houvesse e pentearia o cabelo falso (caso achasse uma peruca) deixando-o devidamente apresentável. No fim eu deveria dar um jeito naquele casaco, pois eram os itens mais reveladores do meu visual, para isso eu cortaria as plumagens do gorro e mangas fora com a minha adaga e os ejogariamante.
Resultado esperado:
 
Após todos os preparativos eu daria uma boa olhada no espelho e quando achasse o resultado satisfatório comemoraria:-HAHAHA! Eu estou fabuloso!!!- se fosse visto com maus olhos por alguém no banheiro eu me retrataria: -Ah verdade, peço desculpas… Estou "fabulosa"- daria ênfase no "fabulosa" tentando fazer uma voz feminina e simulando aspas com os dedos, declarando meu sarcasmo e indo embora do banheiro com a bolsa no ombro e mão na cintura, como se estivesse desfilando.

Saindo do banheiro eu colocaria minhas chaves na bolsa e iria até o local do show da agente, rezando para que ele ainda estivesse acontecendo e caso estivesse levantaria uma mão na maior cara de pau possível e diria dando uma entonação feminina na fala:

-Oi! Meu nome é Kary Amon… Posso ser sua assistente no próximo número?-


Se ela aceitasse eu daria minha bolsa para que um nobre segurasse, dando uma piscadela para ele tentando jogar meu charme feminino e me aproximaria da agente, seguiria o que fosse necessário para o seu número e ficaria atento a suas manhãs e ao final do truque, eu começaria a dizer, com toda a minha curiosidade latente:

-Não entendi! Posso ver suas mangas?- caso ela aceitasse eu observaria atentamente sua manga, mas usaria aquilo apenas como distração para apanhar um dos baús na sua cintura usando minhas mãos leves e guardando-o na minhas costas, abaixo do casaco. Se ela não aceitasse que eu visse suas mangas eu apontaria para alguém da plateia e diria: -Ei! Você viu ela tirando alguma coisa da manga?- faria aquilo para desviar sua atenção enquanto com a outra mão que não estivesse apontando eu pegar o baú.

Repetiria o mesmo esquema não dando tempo para que ela verificasse sua cintura em nenhum momento, fazendo perguntas frenticas como: -De onde veio aquilo? Como você fez isso? Tem alguma coisa presa naquela cadeira que mexeu? Você é uma feiticeira?- e solicitando que ela fizesse mais truques e me usasse como assistente: -Por favor! Só mais um truque… Eu imploro!!- diria fazendo bico e com uma voz dengosa feminina.

Se conseguisse roubar todos os baús eu faria uma última perguntar para então me retirar: -Você é uma feiticeira incrível! Posso fazer um truque para você?- Se ela aceitasse eu apenas apontaria para o céu, fazendo ela acompanhar meu dedo com o olhar enquanto daria alguns passos para trás em direção ao nobre que estaria com a minha bolsa e quando estivesse perto o suficiente para poder pegá-la eu abaixaria meu dedo e apontaria para sua cintura, para que ela visse que estava sem nenhum baú eu então cataria minha bolsa e fugiria correndo pelos nobres que estariam assistindo a peça, dando uma risada boa e me escondendo no banheiro, onde tiraria a mascara e toda a maquiagem.

Contudo se eu fosse descoberto roubando em algum momento eu teria que me virar para fugir de lá usando minha lábia, já sabendo que ela era curiosa como eu, diria apontando para o horizonte:
-Nossa, aquele ali é o organizador?- aproveitando sua distração eu correria pegando rapidamente minha bolsa e me escondendo para reavaliar meu plano.





____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Oni
Pirata
Pirata
Oni

Créditos : 23
Warn : Capítulo I: Meu nome é Cory Atom! Filho de Kouha Atom - Página 9 10010
Masculino Data de inscrição : 19/01/2013
Idade : 23
Localização : Bahia império nagô

Capítulo I: Meu nome é Cory Atom! Filho de Kouha Atom - Página 9 Empty
MensagemAssunto: Re: Capítulo I: Meu nome é Cory Atom! Filho de Kouha Atom   Capítulo I: Meu nome é Cory Atom! Filho de Kouha Atom - Página 9 EmptyQua 01 Jul 2020, 22:08


Narração - Cory Atom




-O que foi? Nunca viu um homem se maquiando? - Duas horas e trinta e sete minutos para o fim do jogo. Cory se encontrava no banheiro do subconvés do meio. Um nobre que acabava de sair da cabine se surpreendia com a forma como o gatuno se maquiava com facilidade, e jogava o peso do corpo para trás num sobressalto ao perceber, ficando na ponta dos pés por um momento.

- Hohoho... Eu estava justamente atrás de um pouco de base! - O nobre usando uma peruca com cabelos grisalhos e encaracolados, tendo o rosto rosado de uma forma nada natural, ficava ao lado de Cory. - Se me permitir... - Pegava um pouco de pó e passava no próprio rosto, retocando a maquiagem.

Com suas habilidades de disfarce não foi difícil de usar aquela máscara de material desconhecido em seu rosto e muito menos de adaptá-la à sua tonalidade. Sem muitas dificuldades alterou o próprio casaco também, e, pondo uma das perucas que tinha à disposição, rapidamente se transformou completamente em outra pessoa.

:-HAHAHA! Eu estou fabuloso!!! - Não havia ninguém no banheiro àquele momento. Duas horas e sete minutos para o fim da competição.

Ao sair do banheiro, embora terminasse não sendo exatamente bela mas tendo uma aparência mediana, Kary Amon atravessou o corredor do segundo convés e acabou passando por um personagem já conhecido, e que estava descansando exatamente naquele corredor... - Hehehe... Beldade... - O Tenente Curry Atom, usando roupas de civil no corredor, comentava para Kary com o rosto enrubescido e uma risada pervertida. - Já ouviu as lendas sobre um tenente lend... - Antes do seu pleonasmo um garçom passou em sua frente, a deixa que Cory precisava para sumir rumo ao primeiro subconvés.

Ainda mais pessoas cercavam a Agente Ann, e parecia que ela ainda podia continuar o seu show pelas próximas horas... Perfeitamente protegida.

No momento fazia truques com cartas com a ajuda da platéia, oferecendo que eles as pegassem e fazendo aparecer as cartas novamente nas próprias mãos.

-Oi! Meu nome é Kary Amon… Posso ser sua assistente no próximo número? - Se ela percebeu o disfarce de Cory não demonstrou. A Agente assentiu com a cabeça.

- Muito bem... Escolha uma carta... - Oferecia a mão cheia de cartas em forma de leque para Cory. Ele deixava sua mala pesada com um dos nobres, que inclusive estranhava o peso, e simplesmente fingia que não pesava tanto e seguia assistindo a apresentação. Estar tão perto de alguém como a Agente e recebendo o seu olhar penetrante àquela distância causaria arrepios nele, se não fosse seu temperamento calmo. Pegou uma das cartas. - Agora mais uma... - Cory pegava outra carta. - Outra... Com as três cartas em mãos, era finalmente hora de seguir com o truque. - Agora mostre-as pro público...

No curto período de se virar e mostrar as cartas para todos ao redor, bem ali, diante dos olhos deles, as cartas simplesmente escaparam de suas mãos e apareceram nas mãos dela de volta, fazendo com que o gatuno estendesse as mãos vazias para mostrar para o público.

-Não entendi! Posso ver suas mangas? - Ele realmente se virava por um ímpeto curioso, embora estivesse se controlando para prosseguir com o plano. Ela aceitou repetir o truque com alguém ao seu lado, mas o ladrão ainda não pôde desvendar nada. -Ei! Você viu ela tirando alguma coisa da manga?

Enquanto fazia um estardalhaço para pegar os baús de forma sorrateira, Ann prosseguiu fazendo seus truques de mágica.

Conforme a palma de sua mão se aproximava do baú a centímetros - que pareciam quilômetros - dele, era impossível não perceber o quanto o que ele mesmo fazia com sua punga e o que ela fazia com seu ilusionismo eram exatamente a mesma coisa: Formas de desviar a atenção, modular os focos, usar a luz para manejar as sombras... A palma de sua mão se abria, e ele a cercava em torno do baú.

E foi neste momento em que ele finalmente compreendeu tudo.

Ao puxar o baú da cintura dela, sentiu que ele simplesmente não se movia.

Uma substância bem fina, afiada, e praticamente invisível aos olhos amarrava o baú ao cinto da Agente dando várias voltas, tornando impossível de pegá-lo.

Pequenos fios estavam amarrados ao baú.

E, assim que ela percebeu, um olhar furioso - e que ela não pôde disfarçar - a fez se virar de uma vez só para Cory, interrompendo o próprio truque e quebrando o personagem por um instante.

Respirando fundo conforme o seu adversário andava para trás, a mulher do governo guardou as cartas e rapidamente diversos senbons surgiram entre seus dedos. - Em meu próximo truque... Eu vou descobrir onde estão os tesouros da minha assistente... - Seus olhos em brasas. Como ele poderia ser tão audacioso ao ponto de se aproximar dela daquela forma? Havia pouco tempo ela o havia avisado com todas as palavras: Não era como o cowboyboy. E muito menos de esperar. Se ele se aproximasse novamente dela, ela o mataria. - E para isso, eu irei parti-la ao meio. - Afinal de contas, como Kary havia se voluntariado, ela poderia muito bem cortar o farsante ao mesmo com um serrote e todos da plateia acreditaram ser um truque, sem entrar em desespero. O jogo estaria ganho.

Os nobres aplaudiam e gritavam, cerca de cinquenta deles, extasiados com a surpresa que estavam
presenciando.

Que o show de mágica começasse.

BARCO:
 

personagens:
 


Histórico:
 


____________________________________________________

''.....''

- Cindy Vallar  

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

GUAP:
 

Ser Staffer:
 


[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Kiomaro
Narrador
Narrador
Kiomaro

Créditos : 7
Warn : Capítulo I: Meu nome é Cory Atom! Filho de Kouha Atom - Página 9 10010
Masculino Data de inscrição : 25/02/2015
Idade : 21
Localização : brasilia

Capítulo I: Meu nome é Cory Atom! Filho de Kouha Atom - Página 9 Empty
MensagemAssunto: Re: Capítulo I: Meu nome é Cory Atom! Filho de Kouha Atom   Capítulo I: Meu nome é Cory Atom! Filho de Kouha Atom - Página 9 EmptySeg 20 Jul 2020, 20:19



Meu nome é Cory Atom, filho de Kouha Atom!


[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

Por um fio


"Não era como se eu achasse que seria fácil roubar a agente, mas sério? Fios? Agora eu tenho que arrumar alguma forma de corta-los…." Pensava enquanto meu rosto ainda esboçava a mesma feição meiga que fingia para o público. Era claro que meu plano inicial havia sido um fiasco, mas nem tudo estava perdido, eu só precisava distraí-la o suficiente para cortar os fios com a adaga.
-Me partir ao meio? Adorei a ideia!- Diria olhando-a com um olhar afável, inclinando o rosto para a esquerda e batendo palmas com delicadeza, mostrando meu entusiasmo com a ideia. -Mas que tal jogarmos algo mais interessante?- repetiria a mesma intonação amável porém lançaria um olhar provocador em sua direção, desafiando-a a me vencer naquele jogo que ela mesma planejou.

-Eu gostaria de propor um jogo chamado "cadê a chave"... Acho que todos vocês ouviram o anúncio do organizador, esse é um jogo inspirado nesse anúncio.- Levantaria o dedo como se pedisse licença para falar e olharia para todos os nobres com atenção. -O jogo é muito simples. Eu escondi as chaves com algum de vocês. Nossa anfitriã aqui vai ter que descobrir com quem foi usando suas incríveis habilidades de mágicas. As chaves podem estar com qualquer um, mas como boa mágica que ela é certamente irá adivinhar!- com um largo sorriso eu anunciaria o jogo, aquilo poderia ser um tiro no meu próprio pé, mas na verdade eu sabia exatamente o que estava fazendo, o plano consistia em instigar sua curiosidade e ao mesmo tempo deixa-la impaciente de tanto procurar, para conseguir uma brecha para cortar os fios.

-tem algum palpite. Ann?- diria com um tom de deboche esperando que ela desse o primeiro chute. Caso ela fosse vasculhar o nobre errado eu diria: -Ops… Acho que não é esse. Tente outra vez hihihi-. Repetiria a fala a cada falha da agente até que ela ficasse impaciente e eu começasse a perceber.

Para não parecer que eu estava tentando rouba-la enquanto ela procurava eu me manteria próximo a plateia enquanto ela não tivesse perdido o controle e caso eu percebesse que ela estava olhando em direção ao nobre que eu havia usado para esconder as chaves para mim eu faria uma manobra para desviar seu olhar daquela direção, levando a minha mão ao bolso de algum daqueles nobres em busca de um molho de chaves e então sacudindo ele de maneira intensa para chamar sua atenção e então fazê-la procurar na direção do barulho.

Uma vez que ela começasse a ficar impaciente eu furtivamente começaria a me aproximar dela a passos lentos e fora do seu campo de visão, para então usar minha adaga para cortar os fios que prendiam seus baús à sua cintura e sem que ela percebesse voltaria a plateia como se eu não tivesse feito nada e continuaria a distraí-la com o truque das chaves.

Uma vez tendo cortado os fios eu lhe daria uma dica, apenas para distraí-la o suficiente para pegar os baús de uma vez por todas:
-Nossa você tá demorando mesmo pra encontrar as chaves em… Vou te dar uma dica!- diria com o máximo do meu deboche e me aproximaria lentamente dela, apontando para o nobre com a minha bolsa e revelando com um sussurro em seu ouvido: -Ta vendo aquela bolsa ali? É a bolsa da gaivota… Eu deixei tudo lá. É só você ir e pegar- quando ela desse o primeiro passo em direção ao prêmio eu -sem que ela percebesse- puxaria de sua cintura todos os baús presos no cinto e os prenderia ao meu cinto, assim como ela tinha feito, então correria na sua frente e tomaria das mãos do nobre a bolsa que me pertencia, dizendo por fim:
-Desculpe pessoal… O jogo acabou! Infelizmente nossa amiga mágica não conseguiu encontrar as chaves, mas não se chateiem, tenho certeza que ela ainda tem bons truques para mostrar para vocês. Tchau tchau! - me despediria da plateia com um aceno de mão e sumiria no meio da multidão, indo em direção ao convés superior, aonde encontraria, quem sabe, a timoneira e dessa vez poderia questioná-la melhor sobre sua relação com a máfia...








____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Oni
Pirata
Pirata
Oni

Créditos : 23
Warn : Capítulo I: Meu nome é Cory Atom! Filho de Kouha Atom - Página 9 10010
Masculino Data de inscrição : 19/01/2013
Idade : 23
Localização : Bahia império nagô

Capítulo I: Meu nome é Cory Atom! Filho de Kouha Atom - Página 9 Empty
MensagemAssunto: Re: Capítulo I: Meu nome é Cory Atom! Filho de Kouha Atom   Capítulo I: Meu nome é Cory Atom! Filho de Kouha Atom - Página 9 EmptySeg 20 Jul 2020, 23:47


Narração - Cory Atom



A platéia cercava Cory... Digo, Kary, de forma claustrofóbica. A Agente relativamente baixa, tamanha sua postura intimidante, parecia se debruçr sobre ele como se fosse da própria Elbaf. Se aproximava com passos predatórios.. Os senbons brilhando como garras... -Me partir ao meio? Adorei a ideia!

A Agente parava. A platéia caía na gargalhada ainda imaginando ser uma encenação.

A sobrancelha da agente se franzia.

-Mas que tal jogarmos algo mais interessante? - Uma veia saltava na testa de Ann.

-Eu gostaria de propor um jogo chamado "cadê a chave"... Acho que todos vocês ouviram o anúncio do organizador, esse é um jogo inspirado nesse anúncio - As atenções se dispersavam e todos os nobres começavam a murmurar uns com os outros.

- Os baús são os corações e a chave a verdade...

- O discurso era uma metáfora para confiança!!

- Eu sou um grande fã de poesia...

- É como eu estava dizendo, uma quantidade boa da população pode morrer em nome da estabilidade contanto que eu lucre!!

- Isto mesmo, baú e chave são sobre amor!!

E diversos outros comentários soltos.

Mais uma veia surgia na testa de Ann, e ela começava a olhar ao redor e encarar a todos ali. Absolutamente consternada.

-O jogo é muito simples. Eu escondi as chaves com algum de vocês. Nossa anfitriã aqui vai ter que descobrir com quem foi usando suas incríveis habilidades de mágicas. As chaves podem estar com qualquer um, mas como boa mágica que ela é certamente irá adivinhar!

- A chave para o amor pode estar escondida em qualquer um de nós!! - Os nobres davam palmas leves e breves, e logo se silenciavam para encarar Ann.

De repente, os olhares da plateia se cercavam em torno dela, claustrofóbicos. O sorriso de Cory crescia, e se debruçava sobre ela em crescente, como se fosse de Elbaf.

- Tem algum palpite. Ann? - Suando frio, um calafrio percorreu o corpo da Agente.

Haviam duas coisas que eram seus pontos fracos e que ela havia deixado transparecer durante o tempo todo: A primeira era sua absoluta falta de controle, sendo o exato oposto do próprio Cory neste sentido. A segunda era a sua necessidade por controle, a única forma com a qual era possível fazer as suas mágicas.

Naquela situação, em que o jogo invertera-se contra ela, essas duas fraquezas se somavam.

O nosso herói se misturava à plateia, desaparecendo. A Agente parecia estar observando outra dimensão, completamente perdida, vagando enquanto olhava para todos os lados, ouvindo os sons de chave de Cory balançando nos bolsos dos nobres que ele usava para desviar a sua atenção. Completamente catatônica, ela parecia estar lutando com toda a sua força para não explodir e matar todos os nobres ao seu redor.

A magia havia se virado contra o feiticeiro.


-Ops… Acho que não é esse. Tente outra vez hihihi - A adaga surgia do nada, como coelhos das cartolas, e tirava pedaços das armaduras de fios em torno dos baús. Quanto mais ela olhava ao redor, perdida, mais a plateia fazia comentários sem sentido sobre amor ao próximo, tributação da população ou rindo sobre aquela apresentação engraçada. - Eu poderia quase jurar que ela está realmente a ponto de matar alguém! Hahahahaha!!!

-Nossa você tá demorando mesmo pra encontrar as chaves em… Vou te dar uma dica! - O olhar furioso dela ia em direção à Cory. -Ta vendo aquela bolsa ali? É a bolsa da gaivota… Eu deixei tudo lá. É só você ir e pegar

Nos instantes seguintes tudo ocorreu rapidamente:

Agente Ann deu um passo em direção à bolsa.

Cory pegou os baús da cintura dela e pôs dois nos próprios cintos, ficando com outros dois nas mãos...

...Cinco senbons entravam no peitoral do gatuno antes que pudesse guardar os outros dois baús no cinto e ele tombava para trás.

O braço de marionete da mulher do governo cercava a bolsa da Gaivota, e, usando seus braços verdadeiros e os fios, ela puxava o braço falso para atrair a bolsa para perto de si.

Cory sentia uma dor profunda e alguma dificuldade de respirar, tamanha era a dor, e caía de joelhos no chão.

- É uma mensagem sobre não poder roubar o verdadeiro amor!! - Os nobres aplaudiam cada vez mais alto o espetáculo sangrento.


O gatuno das ruas e a cã do governo, dois verdadeiros opostos, agora finalmente tinham a chance do último embate. Ela, com seus truques capazes de atrair a curiosidade doentia dele. Ele, com sua capacidade de praticar o imprevisível de temperamento frio que perturbava o temperamento dela bem como sua necessidade de segurança e controle.

De sangue quente poderia muito bem preparar uma última gracinha contra ela sem desmaiar de dor.

Ann se aproximva dele com a sacola em mãos. Estava em busca dos últimos baús.

Não sabia que horas eram.

BARCO:
 

personagens:
 


Histórico:
 


____________________________________________________

''.....''

- Cindy Vallar  

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

GUAP:
 

Ser Staffer:
 


[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Kiomaro
Narrador
Narrador
Kiomaro

Créditos : 7
Warn : Capítulo I: Meu nome é Cory Atom! Filho de Kouha Atom - Página 9 10010
Masculino Data de inscrição : 25/02/2015
Idade : 21
Localização : brasilia

Capítulo I: Meu nome é Cory Atom! Filho de Kouha Atom - Página 9 Empty
MensagemAssunto: Re: Capítulo I: Meu nome é Cory Atom! Filho de Kouha Atom   Capítulo I: Meu nome é Cory Atom! Filho de Kouha Atom - Página 9 EmptyDom 11 Out 2020, 20:31



Meu nome é Cory Atom, filho de Kouha Atom!


[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

Cory Atom Regress: Patético


Se existia algo que eu havia algo que me perturbava logo que conheci Ann eram seus truques de mágica praticamente incompreensíveis à primeira vista. Meus olhos que sempre fitaram os de Ann com absoluta curiosidade e confiança agora transmitiam a dor causada pelas 5 senbons estocadas em meu peitoral, sentir aquela dor fazia a simples ação de respirar parecer um desafio, como se a barriga se recusasse a contrair para não sentir mais dor,naquele estado eu podia sentir que talvez desmaiasse e se isso acontecesse bem… Fim de jogo…

Mas eu não iria desistir assim tão facilmente, não sabendo que haveria em um dos baús um diário daquele miserável do Kouha, uma pista decisiva a verdadeira identidade daquela pessoa que me criou. “se eu me render agora talvez nunca… Não… Com certeza eu não serei  um ladrão tão bom quanto um dia ele jurou ser! ladrões são mestres em sair de situações praticamente impossíveis com truques nem sempre elegantes, aquela maldita da agente sabe bem disso… atacar uma moça assim indefesa…” Estava tão involto em meus pensamentos que mal senti a dor naquele instante de tempo, mas assim que voltasse do meu universo particular sabia também que a dor me pegaria de novo, a dor aguda e lancinante daqueles cinco senbons estocados em meu peito, sabia que aos poucos poderia sentiria meu sangue quente escorrer e minha visão ficar turva, mas aquilo estranhamente não me incomodava, de alguma forma ainda podia sentir a cabeça no lugar, e sabia exatamente o que teria que ser feito…

Embora não me orgulhasse muito disso.


“Espera! Tive uma ideia” pensava ao lembrar do sangue, aquela ferida era minha ultima cartada, meu truque de mágica por assim dizer.

Ai ai que dor….- Gemeria em frente a plateia e me debateria no chão pressionando a barriga interpretando o papel feminino na tentativa de puxar a atenção de todos, inclusive dos guardas. Sim, isso parecia um tiro no meu próprio pé…. afinal se alguém descobrir sobre a competição é fim de jogo de qualquer maneira, mas meu objetivo não seria acabar com a competição e sim atrasar o avanço de Ann com aquela atuação.

Caso alguém no barcos percebessem que eu estava clamando por ajuda eu esconderia a ferida dos senbons rapidamente e continuaria a chamar mais atenção até que todos olhassem para mim. -Ai droga… logo hoje?- Repetiria meu clamor feminino praticamente irresistível e então quando tivesse a atenção de um grupo considerável de pessoas eu reunindo o máximo das minhas últimas energias  eu tentaria me pôr de pé usando o restante das minhas forças e dizer:
-Sinto muito pessoal! Não vou poder continuar como ajudante por que eu… bem…- juntaria a ponta do dedos indicadores em sinal de vergonha, deixando que vissem apenas o sangue e não o ferimento e diria com um voz aguda: --EU ESTOU NAQUELES DIAS!!- aproveitando o possível impacto que aquele comentário daria no público eu tentaria me aproximar da agente com agilidade, movido pela adrenalina do momento decisivo pela dor e então  com o máximo de agressividade possível puxar a bolsa da gaivota de suas mão e empurra-la para trás com ambos os meus braços, tentando derrubá-la no chão e impedir que ela me seguisse dizendo: -Obrigada por cuidar da minha bolsa amiga! Mas agora eu tenho que ir rápido… Tchau Tchau!-.

Sabendo de seus truques e artimanhas buscar uma abordagem direta daquela forma poderia me custar mais algum ferimento, portanto eu manteria o olhar bem atento a suas mãos e no caso um possível ataque com senbons eu tentaria me esquivar  com um giro no sentido horário para a direita e rapidamente me misturar à multidão e com a minha adaga eu tentaria cortar qualquer tipo de fio que prendesse a bolsa ao seu corpo, com um corte ágil, guardando a adaga imediatamente após o corte para que os nobres não percebessem que eu estava portando uma arma branca dentro do barco.

Uma vez tendo feito tudo possível para recuperar a bolsa eu cataria os dois baús que possivelmente teria deixado cair após ter sido atingido pelos senbons, os guardaria no cinto e correria o mais rápido fosse possível naquele estado na direção contrária da Agente. Sabendo que possivelmente aquilo resultaria em uma perseguição no estilo polícia e ladrão. “No caso ladrão e ladrão” eu buscaria despistá-la e me esconder em um lugar que ela não desconfiasse, uma area que até então nenhum tripulante do navio tinha permissão de entrar: A área administrativa.

Sabendo que provavelmente haveria seguranças que impediriam que eu entrasse naquela área eu usaria o carimbo do tenente curry atom para me dar uma falsa autorização, mesmo que não tivesse proficiencia nenhuma naquela area de falsificação, eu tentaria apenas carimbar um papel em branco naquele material de falsificação dentro da bolsa e o resto eu resolveria apenas na labia, erguendo o papel carimbado para os guardas e dizendo e com uma voz clara e imperativa, arrumando também a postura para parecer uma pessoa de autoridade para os seguranças da área:
-Meu nome Kary Atom! Sou uma agente do governo enviada para investigar uma possível tentativa de golpe dentro do navio, não posso dar muitas informações sobre o caso pois é de extremo sigilo governamental, mas aqui está o carimbo original do Tenente Curry Atom que mostra minha autoridade, Então agora por gentileza liberem a entrada pois eu tenho que reportar o andamento do caso imediatamente aos organizadores.-

Se me liberassem para entrar eu tentaria manter a pose de autoridade até o momento que entrasse no convés restrito e assim que eu estivesse la dentro me jogaria no chão, finalmente me deixando ceder a dor e o cansaço e permitindo-me sentir um pouco daquela dor agoniante, enquanto com uma voz baixa eu comemoraria só para mim:
-Acho que finalmente acabou… Eu venci…-

Se de alguma forma eles desconfiassem da minha autoridade e não me deixassem entrar na administração eu deixaria o local correndo e continuaria correndo até onde minhas energias me permitissem e no momento em que minhas pernas já não aguentassem mais correr eu me encolheria em algum canto e seguraria com força a bolsa e os baús na tentativa vã e patética de que a agente não pudesse arranca-los das minhas mãos. Era o fim da linha, minha ultima cartada, se todos os meus truques falhassem eu estaria a mercê de meu destino e aquilo me incomodava muito, me lembrava do tempo em que eu era uma criança patetica e indefesa em Yakira Town, a epoca em que nem usando o maximo das minhas forças eu poderia confrontar sozinho aqueles que me ameaçavam, eu sem duvida havia evoluido muito desde aquela epoca, mas ainda assim eu não tinha a força para confrontar qualquer inimigo. "no fundo talvez eu ainda seja fraco como naquela época...."








____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Oni
Pirata
Pirata
Oni

Créditos : 23
Warn : Capítulo I: Meu nome é Cory Atom! Filho de Kouha Atom - Página 9 10010
Masculino Data de inscrição : 19/01/2013
Idade : 23
Localização : Bahia império nagô

Capítulo I: Meu nome é Cory Atom! Filho de Kouha Atom - Página 9 Empty
MensagemAssunto: Re: Capítulo I: Meu nome é Cory Atom! Filho de Kouha Atom   Capítulo I: Meu nome é Cory Atom! Filho de Kouha Atom - Página 9 EmptySeg 12 Out 2020, 10:56


Narração - Cory Atom



Cory Atom estava preso à teia de aranha de Ann.

Em um vôo livre pelo ar sua curiosidade bandida o havia chamado até aquela prisão de fios, e agora os olhares dos nobres se entrelaçavam sobre ele o prendendo em uma interpretação para manter as aparências conforme a aranha se aproximava com suas presas de senbons em sua direção.

E quem seria mais poderoso? As asas do nosso herói, Cory Atom, ou as teias estrategicamente construídas pela Agente Ann?

A Agente caminhava em sua direção em um acesso de raiva, usando os senbons para o que pareceria ser um truque aos olhos da platéia. Sua veia saltada, sua ira nos olhos.

- Ai ai que dor…. - Kary Atom gemia mas a expressão das pessoas não se alterava, já que acreditavam tudo fazer parte do espetáculo. [color=red]-Ai droga… logo hoje?/color] - A raiva da Agente Ann apenas crescia com aquela interpretação estranha. E os nobres encaravam como se presos por algum magnetismo. -Sinto muito pessoal! Não vou poder continuar como ajudante por que eu… bem… EU ESTOU NAQUELES DIAS!!

A confusão foi tamanha que até mesmo a raiva da Agente passou.

Os nobres, tão focados em ser corteses e sempre seguindo à risca a etiqueta até mesmo quando proferindo ideias terríveis, não puderam aguentar senão ficar muito constrangidos com aquela demonstração. Vários deles viraram o rosto para os lados e enrubesceram evitando contato visual por causa da vergonha alheia.

A Agente permanecia extremamente consternada. O seu nível de confusão era tamanho que ela havia até mesmo se paralisado de incredulidade. Seu cenho franzido e a boca entreaberta eram acompanhados por músculos tremelicando em uma quase imobilidade.

-Obrigada por cuidar da minha bolsa amiga! Mas agora eu tenho que ir rápido… Tchau Tchau! - Com o sangue ainda quente, e inserido em diversas camadas diferentes de interpretação, Cory Atom agarrava a bolsa com facilidade e a empurrava no chão.

Ele havia feito o impossível.

Era como se a mosca, em total desvantagem, tivesse sido capaz de fazer a aranha prender as patas na própria teia de aranha. E a agente caía no chão, rumo ao vácuo. Quase sem machucados, mas completamente derrotada.

Não foi difícil para ele chegar à área administrativa usando o carimbo de Curry Atom, o que conseguiu fazer com facilidade.

O subconvés da administração possuía apenas quatro salas, e assim que chegou no corredor pouco iluminado se deparou com uma surpresa.

- Quanto tempo, Cory Atom. - Disse Pietra Profiacce, a Timoneira. - Eu consigo te arranjar tratamento. Em breve o jogo terá terminado... - Ela oferecia a porta para que ele entrasse.

BARCO:
 

personagens:
 


Histórico:
 


____________________________________________________

''.....''

- Cindy Vallar  

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

GUAP:
 

Ser Staffer:
 


[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Kiomaro
Narrador
Narrador
Kiomaro

Créditos : 7
Warn : Capítulo I: Meu nome é Cory Atom! Filho de Kouha Atom - Página 9 10010
Masculino Data de inscrição : 25/02/2015
Idade : 21
Localização : brasilia

Capítulo I: Meu nome é Cory Atom! Filho de Kouha Atom - Página 9 Empty
MensagemAssunto: Re: Capítulo I: Meu nome é Cory Atom! Filho de Kouha Atom   Capítulo I: Meu nome é Cory Atom! Filho de Kouha Atom - Página 9 EmptyQui 22 Out 2020, 00:27



Meu nome é Cory Atom, filho de Kouha Atom!


[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

Curioso



“O que? Eu devo estar sonhando… A timoneira?” Pensava sob o chão daquele convés inferior mal iluminado. -Você não deveria estar cuidado do navio senhora timoneira intrometida? Finalmente mudou de ideia e resolveu me levar pros seus amigos mafiosos é?- Tentaria erguer a cabeça, mesmo que com dificuldade em direção a face da timoneira e sorrir debochadamente, como se não estivesse realmente aflito com a possibilidade de olhar novamente nos olhos daquele mafioso. “O problema não é nem se eles quiserem me matar mas sim se aquele mafioso maldito tentar me dar outro beijo… Só de lembrar me da ansia” Um estranho frio na barriga de medo me vinha ao pensar nessa possibilidade.

Embora tudo indicasse que aquela timoneira era de fato uma inimiga eu estranhamente não sentia me sentia ameaçado por ela, aquelas minhas palavras seriam apenas um pequeno teste, para saber de fato qual era sua intenção e o real motivo dela estar na administração e não no comando do navio como deveria e portanto quando ela demonstrasse sua real intenção. Eu ouviria pacientemente todos seus argumentos quase houvesse algum, caso ela não estivesse afim de responder nada eu forçaria a barra dizendo dessa vez um pouco irritado por ela estar forçando meu lado curioso: -Qualé! você é inflexível igual seu pai mafioso é!? Me diz logo, por que ta me salvando em? Sua….-. “Pensando bem eu não sei como insultar a timoneira de uma forma efetiva… Vou ter que trabalhar nisso depois...-


Se ela mesmo assim não me revelasse o motivo eu aceitaria a contra gosto, afinal não estava em condição de extorquir sequer uma mosca com aqueles ferimentos de senbon, portanto diria: -Que seja… Continue ai com seus segredos de mafiosa, as antes de me levar ao médico ou seja lá pra onde, eu preciso saber de uma coisa muito importante…- Olharia fixo em seus olho como se estivesse tratando de um assunto de extrema seriedade, e de fato era, só que apenas para mim…
-Tem como você me falar o que tem dentro daquelas 4 salas ali?! Eu to morrendo de curiosidade.- Diria com todo o ar dos meus pulmões e aguardaria pacientemente sua resposta, caso ela não me respondesse minha reação seria levar ambas as mãos a cabeça e me debater no chão de inconformidade como uma criança. -aaaah não é justo!! Você é muito má, por que não me mata logo em? Seria menos doloroso.- Mas se caso ela me respondesse eu abriria um largo sorriso de satisfação e diria: -Ah! É só isso então, nossa achei que tivesse mais coisa….-

Tendo finalizado a socialização com aquela timoneira misteriosa eu me focar no objetivo central de estar naquela navio… Os baús do tesouro! “Finalmente, finalmente!! Eu finalmente vou poder abrir esses malditos baús” Só de pensar em abri-los minhas mãos já tremiam de ansiedade, um baú com um segredo dentro é sem dúvida um dos maiores deleites para um curioso como eu, portando aproveitaria cada segundo daquele momento, pegando a chave com muita calma e colocando lentamente no buraco de cada um dos baús e testando até que um finalmente abrisse e eu pudesse tirar lá de dentro o prêmio merecido. Repetiria o processo até ter todos os itens em mãos, mas se por um acaso qualquer alguém como por exemplo os médicos chegassem ao convés e me impedissem de abrir no meio do processo eu ficaria simplesmente devastado e novamente espernearia: -Nãaaaao! Só faltam mais alguns pra abrir!! Deixa eu abrir e depois eu vou, Se não tiver jeito deixa eu morrer aqui mesmo eu não ligo, aaaaah- meu empenho seria tanto em continuar abrindo os baús que teriam que me tirar de lá arrastado, é como kouha me disse uma vez “há certas coisas coisas na vida que valem a pena morrer ”, Eu aposto que a curiosidade é uma dessas coisas….













____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Oni
Pirata
Pirata
Oni

Créditos : 23
Warn : Capítulo I: Meu nome é Cory Atom! Filho de Kouha Atom - Página 9 10010
Masculino Data de inscrição : 19/01/2013
Idade : 23
Localização : Bahia império nagô

Capítulo I: Meu nome é Cory Atom! Filho de Kouha Atom - Página 9 Empty
MensagemAssunto: Re: Capítulo I: Meu nome é Cory Atom! Filho de Kouha Atom   Capítulo I: Meu nome é Cory Atom! Filho de Kouha Atom - Página 9 EmptyQui 22 Out 2020, 22:34


Narração - Cory Atom



-Você não deveria estar cuidado do navio senhora timoneira intrometida? Finalmente mudou de ideia e resolveu me levar pros seus amigos mafiosos é? - Pietra apenas sorriu com os olhos, mantendo a expressão zombeteira entretanto distante e séria. - Eu não possuo mais amigos na máfia. - A expressão seguinte dela foi a de quem se deliciava ao aguardar a reação de Cory com o impacto da mensagem.

Abriu a porta para que Cory entrasse na sala que parecia ser uma espécie de enfermaria.

Uma outra mulher, esta apenas com vestes de médica e nada parecida com uma mafiosa, já aguardava com uma maca pronta para Cory.

Ao ver o estado do rapaz apenas encarou Pietra durante alguns momentos com um olhar de quem queria perguntar mas não queria colocar em palavras.

- Sim. Após este atendimento a sua dívida comigo está paga. - Falava em um tom direto e bastante leve, apesar da rigidez. A outra mulher assentia e começava a tratar os ferimentos de Cory com os equipamentos da administração.

- Vamos direto ao ponto.. - Falava apontando para Cory e erguendo o queixo em um tom altivo. - Eu me chamo Pietra e desde muito nova fui apadrinhada pela família Profiacce. Vim parar no navio por acaso. A máfia estava infiltrando trabalhadores em diversas regiões para saber como seria o torneio, e eu acabei me infiltrando aqui como navegadora. Por puro acaso também descobri tudo, e estava relutante em falar sobre isso com a máfia porque... - Ela se virava em outra direção, cruzava os braços e as pernas e se encostava na prede, apertando os olhos e encarando algo distante, como se se preparasse para o que viria a dizer - ...Eu me apaixonei pela filha de um dos chefes. - Fazia uma cara feia para Cory, como se esperasse uma reação negativa dele. - E por isto ele mandou ela para outra ilha na Grand Line... E acho que por isto tive de conhecer o idiota que acabou insultando toda a máfia. - Ela descruzou as pernas e sorriu para Cory com os lábios olhando por cima do ombro. Uma forma estranha que misturava desprezo com admiração profunda. Como alguém que encara um maravilhoso problema. - Eu quero descobrir para onde ela foi e me casar com ela. Mas a máfia inteira vai comprar gente contra mim. E o único idiota em que eu posso confiar é você.

Neste momento uma agulha retirada doeu tanto no nosso ladrão favorito que ele acabou desmaiando.

Acordou algum tempo depois, usando as próprias roupas e totalmente limpo e enfaixado.

A médica e Pietra estavam do lado de fora da sala, e por isto ele teve tempo o suficiente para abrir os baús.

Pôde encontrar os tesouros restantes.

O primeiro a abrir e por isto mesmo o mais curioso era um papel encontrado no fundo do baú. Tratava-se de um documento com os dados de uma conta no Banco Mundial, incluindo a própria senha. No campo saldo da conta apenas uma palavra estava indicando-o: Vazia.

O segundo baú possuía diversos acessórios e joias medianas.

No terceiro ele encontrava um Diário de Bordo do Maior Ladrão do Mundo. O diário possuía um formato estranho e estava trancado por um cadeado. Parecia estar coberto de criptografias.

No quarto baú um frasco de perfume com a etiqueta da ParfumFleur.

E no último, em um frasco bastante pequeno, uma garrafa com uma caveira nela, escrita em letras garrafais ''Veneno Flor de Toroa''.

O último baú seria o que fora com o Cowboyboy, o vinho caro. Ali estavam todos os tesouros deixados pelo maior ladrão do mundo para o vencedor do desafio.

- Vamos. Já está na hora. - Dizia Pietra adentrando a sala. Cory se sentia melhor, mas provavelmente precisaria de algum tempo paraa se recuperar. - Na sala ao lado está ele. O maior ladrão do continente.

Caso Cory fosse para a sala ao lado, encontraria a Gaivota, A Agente, Cowboyboy e um dendenmushi sobre a mesa.

O dendemushi teria exatamente o mesmo rosto do Tenente Curry.

- Gotcha!... Parece que o último finalmente chegou. - O dendemushi falava com a língua e o tom de voz do Tenente, em uma perfeita interpretação, mas estava claro para todos naquela sala quem estava na linha. - Eu acabo de roubar a linha... Kihihihihi... Vamos para o final do nosso joguinho, agora que finalmente roubei todos os nobres que eu pretendia conforme vocês os distraíram muito bem...

A Gaivota tinha um olhar de magoada encarando o dendemushi, mas também de raivosa.

Agente Ann tinha uma expressão de raiva e impotência, e seu cérebro provavelmente maquinava que tipos de armadilhas poderia montar para derrubar o maldito que sequer mostrava o rosto.

Cowboyboy sorria confuso, tocando o chapéu com a ponta dos dedos, aceitando a própria derrota mas buscando brechas.

- Como vocês sabem... Cory Atom roubou todos os baús. Mas eu darei uma chance para vocês... Quem quiser argumentar e dizer que roubou ainda mais do que ele será o grande vencedor e irá receber dicas de quem eu sou. E então, me digam, qual é o maior ladrão deste navio??

O desafio estava lançado. Quem argumentasse melhor sobre o próprio estilo de roubo venceria a competição. E então, o que Cory havia roubado?

BARCO:
 

personagens:
 


Histórico:
 

[/color]

____________________________________________________

''.....''

- Cindy Vallar  

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

GUAP:
 

Ser Staffer:
 


[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Kiomaro
Narrador
Narrador
Kiomaro

Créditos : 7
Warn : Capítulo I: Meu nome é Cory Atom! Filho de Kouha Atom - Página 9 10010
Masculino Data de inscrição : 25/02/2015
Idade : 21
Localização : brasilia

Capítulo I: Meu nome é Cory Atom! Filho de Kouha Atom - Página 9 Empty
MensagemAssunto: Re: Capítulo I: Meu nome é Cory Atom! Filho de Kouha Atom   Capítulo I: Meu nome é Cory Atom! Filho de Kouha Atom - Página 9 EmptyTer 03 Nov 2020, 23:44




Meu nome é Cory Atom, filho de Kouha Atom!



[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

Quem roubou mais?


Minha língua parecia estar presa ao céu da boca enquanto Pietra contava-me sobre sua trágica história de amor, por mais que eu quisesse dizer algo naquele momento o silencio tomava conta da minha boca, aquilo contudo não era de todo mal, acho que eu estava contente em apenas ouvir o que a navegadora tinha dizer. Parte considerável de mim sentia empatia por ela, afinal havia algo de belo na sua devoção, aquela garota parecia querer atravessar todos os mares atrás de uma única mulher, mesmo que isso contra todas as leis subentendidas desse mundo, aquilo fazia algo dentro do meu peito sorrir, embora meu maldito rosto não conseguisse acompanhar aquilo que eu sentia internamente, eu apenas sorria, sorria profundamente com muita admiração enquanto admirava seu olhar afiado.

“Pietra profiacce… Você não deveria confiar sua vida e sua bela devoção a um ladrão tão ordinário como eu... Mas se esse for o caso então deixe que ao menos eu te mostre como eu posso ser melhor, como eu posso ser… O melhor ladrão que esse mundo já viu...”  Refleti naquele que parecia ser o último antes de eu apagar por completo, -os olhos pesavam e a visão se embasava- vejo que por fim aquele meu frágil corpo decidirá sucumbir, mas na minha mente absolutamente nada havia se abalado, pelo contrário, estava mais disposto do que nunca a ser mais forte!

Ao abrir os olhos novamente percebo estar em um lugar um tanto diferente, ao passar os olhos pelo meu corpo vejo que aquelas senbons malditas haviam sido retiradas e meu corpo estava mais limpo, em um olhada rápida para os lados era fácil perceber que não havia mais ninguém naquele quarto exceto eu… Eu e meus baús!

Um sorriso largo simplesmente brotou automaticamente do meu rosto, ao perceber que eu finalmente poderia olhar o meu tão merecido prêmio. “esse é seu momento Cory Atom… Abre tudo! “

E então um a um os baús foram abertos por mim, saciando por fim aquela minha imensurável curiosidade.

O primeiro baú foi um tanto decepcionante a primeira vista, afinal do que adiantava uma conta do governo mundial se ela estava vazia? Mas ao refletir um pouco melhor me toquei que aquilo poderia ser de grande utilidade para ocultar uma boa quantia de dinheiro, certamente o maior ladrão de todo o continente iria precisar de uma dessas….

O segundo me fora sem duvidas o mais irrelevante, joias e acessórios luxuosos não fazia muito meu estilo, para mim a única utilidade daquilo era vender…  “de preferencia com o preço 50 vezes maior que o de mercado hihihi”

Ao olhar para o premio contido no terceiro bau meus olhos que antes estavam completamente entusiasmados com a curiosidade se serraram em uma expressão de completo foco e desconfiança, como se olhasse para um inimigo jurado e não um objeto completamente inanimado. O diário de bordo… Então aqui dentro estão todas as informações sobre você suposto maior ladrão? Seja lá quem for -Kouha ou outro maldito- parece ter muita cautela ao sela-lo com esse cadeado” Minha mão inconscientemente apertava o diário com muita força, a agonia de não poder olhar seu conteúdo era tanta que tive que joga-lo de volta no baú no qual ele pertencia, e fecha-lo, para que não olhasse para ele a cada segundo e me desconectasse de meu objetivo principal… “Na hora certa eu irei abri-lo… Pode apostar que eu vou…”

Abri o quarto baú com aquele perfume metido a besta e logo me veio a cabeça… “por que será que isso é um tesouro? Será que seu aroma é tão peculiar assim? Tenho que provar….” Então não perderia tempo e assim que possível daria uma ou duas borrifadas daquele perfume refinado em direção ao meu pescoço para sentir seu cheiro e sanar aquela curiosidade dentro de mim, por amor a minha própria vida eu não faria o mesmo com o conteúdo do quinto baú que era aquele veneno dito como “o mais letal de todos”, mas quem sabe em um momento oportuno eu o utilize contra algum engraçadinho que se meter no meu caminho…

Embora eu estivesse extasiado com todo aquele tesouro eu não poderia sair daquele barco sem que passasse por aquela ultima porta da administração, minha curiosidade simplesmente não permitia sair de lá sem investigá-la e por tanto me recompus e levando cada um dos tesouros fui rumo a aquela sala ao lado.

Ao entrar na sala tenho a desagradável surpresa de encontrar o Cowboy, a gaivota e a agente curiosa na mesma sala, então drasticamente me arrependendo da decisão de me dirigir àquela ratoeira, mas antes que eu pudesse levar a mão a maçaneta e sair daquela sala como se nada tivesse acontecido percebo que todos pareciam atento ao caracol falante em cima da mesa que tinha a cara do tenente velho e verde.

Ao ouvir a mensagem do caracol me sinto desafiado e aquilo me obrigava a sorrir de deboche, enquanto pacientemente encarava os rosto dos 3 derrotados dentro da sala. Por questão de simples entiqueta eu levaria as mãos aos bolsos laterais de meu casaco e me apoiaria relaxado em um canto daquela sala, em seguida inclinaria a cabeça levemente para a direita  e colocaria lenha na fogueira daquela discussão dizendo: -Então…. Qual de vocês quer começar?-

O motivo para fazer aquilo era um só: Eu queria saber o ponto de cada um dos maus perdedores, queria que eles tentassem mesmo sabendo que no fundo nenhum deles havia se equiparado a mim, e isso não era por que eu tinha conseguido todos os baús no final do jogo “ Com certeza não era por isso”. Eu havia superado-os em seus próprios jogos e faria questão de evidenciar isso após suas tentativas de tentar discursar sobre terem sido os melhores ladrões desse navio.

- Já que todos já deram suas palavras…. Permitam-me não só provar como eu fui o maior ladrão desse navio mas também como serei o maior ladrão de todo o continente- Diria após ouvir os discursos de cada um dos perdedores, enquanto me desencostaria da parede e andaria pacientemente até o centro da sala.  Caso nenhum dos perdedores tivesse ao a dizer eu apenas daria de ombros e diria: - O que houve? O gato roubou a língua de vocês? Ou será que fui eu mesmo? Bem, já que é assim eu mostrarei para vocês perdedores quem é o maior ladrão desse navio…-

-Eu comecei a roubar antes mesmo de entrar no navio... Acredito que vocês tenham comprado as próprias passagens para entrarem nesse passeio, eu roubei minha passagem na fila do navio, afinal que tipo de ladrão paga para roubar?- Levantaria um dedo da minha mão esquerda, insinuando um contagem de roubos, que se estenderia até o final do meu discurso. -Sem claro esquecer do pobre tenente Cury Atom, que teve suas roupas refinadas roubadas por mim e teve que vir vestido como um palhaço para esse evento tão formal…- levantaria um segundo dedo e tentava disfarçar o riso que vinha de lembar da vestimenta ridícula do tenente. -Mas então logo ao entrar no navio eu efetuei meu terceiro roubo, que foi o da excelentíssima agente Ann- Encararia a agente por um segundo e sorriria, afinal naquele momento ela poderia achar que havia me roubado, mas estava enganada. -No meu primeiro encontro com a agente ela me tomou o baú que eu carregava, mas eu em seguida roubei dela algo muito mais valioso que um reles baú- Deixaria que todos me encarassem confusos por um tempo e então seguiria levantando mais um dedo.- Informação! Sim, naquele momento eu roubei da agente a informação necessária para derrotá-la em seu show de mágica, descobrir a sua necessidade por segurança foi essencial, para derrotá-la eu apenas precisei fazer com que todos olhassem para ela, tornando impossível ela desferir o golpe final em mim….- levantaria o ultimo dedo da mão esquerda e então a fecharia e levaria de volta ao casaco, dessa vez levantando a outra mão e prosseguindo com meus argumentos.
-A mesma logica vale para o cowboy… Derrota-lo em questão de força seria improvável na minha forma atual, portanto eu roubei dele informações durante todo o jogo e graças a essas informações eu derrubei cada um de vocês, um por um.- Para cada nome agora eu levantaria um dedo para que eles percebessem por fim o tanto de roubos que eu havia cometido dentro daquele navio. -Garçom, gaivota, Cowboy, Iron Maiden e até mesmo Tenente Cury atom…. Todos vocês dançaram de acordo com as minhas vontades dentro desse jogo e  o motivo disso é apenas um….-  Agora com ambas as mãos escondidas no bolso de meu casaco eu sentaria em cima da mesa de diria o motivo daquela derrota avassaladora que eles sofreram.

-Eu roubei a cena!- Ergueria ambas as mãos como se abraçasse o mundo e sorriria triunfante para aqueles presentes no navio.  -Todos vocês tinham uma imagem de mim antes mesmo da competição começar, ou por me espionarem como a agente, ou por me conhecerem pessoalmente e por acharem que eu era um amador me subestimaram e foram passados para trás e esse foi meu maior roubo de todos…. Desde o primeiro momento que eu pisei nessa ilha… Agora coloquem-se nos seus lugares, pois só existe uma pessoa nesse navio capaz de merecer o titulo de melhor ladrão e essa pessoa sou eu, Cory Atom, Filho de Kouha Atom!- Levantaria de uma vez de cima da mesa e gritaria aquelas palavras com todo o ar de meus pulmões, ao final do discurso provavelmente já me faltaria ar de tanto falar, mas tentaria manter a pompa enquanto observaria a cara de cada um dos ladrões daquela sala, estariam eles impressionados ou simplesmente furiosos? De qualquer forma esperaria que estivessem ao menos convencidos de que em nenhum momento eles tiveram chance contra Cory Atom.










____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Conteúdo patrocinado




Capítulo I: Meu nome é Cory Atom! Filho de Kouha Atom - Página 9 Empty
MensagemAssunto: Re: Capítulo I: Meu nome é Cory Atom! Filho de Kouha Atom   Capítulo I: Meu nome é Cory Atom! Filho de Kouha Atom - Página 9 Empty

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
Capítulo I: Meu nome é Cory Atom! Filho de Kouha Atom
Voltar ao Topo 
Página 9 de 10Ir à página : Anterior  1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10  Seguinte

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
One Piece RPG :: Oceanos :: West Blue :: Toroa Island-
Ir para: