One Piece RPG
Apresentação - 2: Falência ambígua XwqZD3u


One Piece RPG : A GRANDE ERA DOS PIRATAS
 
InícioBuscarMembrosGruposRegistrar-seConectar-se
Últimos assuntos
» Akira Suzuki
Apresentação - 2: Falência ambígua Emptypor ADM.Noskire Hoje à(s) 10:58

» Lurion
Apresentação - 2: Falência ambígua Emptypor ADM.Noskire Hoje à(s) 10:57

» O Legado Bitencourt Act I
Apresentação - 2: Falência ambígua Emptypor Ineel Hoje à(s) 04:15

» Cap 3: O alvorecer da névoa trovejante
Apresentação - 2: Falência ambígua Emptypor Akuma Nikaido Ontem à(s) 23:54

» Livro Um - Atitudes que dão poder
Apresentação - 2: Falência ambígua Emptypor ADM.Tidus Ontem à(s) 22:20

» Seasons: Road to New World
Apresentação - 2: Falência ambígua Emptypor ADM.Tidus Ontem à(s) 22:04

» Supernova
Apresentação - 2: Falência ambígua Emptypor Takamoto Lisandro Ontem à(s) 21:56

» Hey Ya!
Apresentação - 2: Falência ambígua Emptypor Takamoto Lisandro Ontem à(s) 21:55

» Cap.1 Deuses entre nós
Apresentação - 2: Falência ambígua Emptypor Thomas Torres Ontem à(s) 21:05

» The One Above All - Ato 2
Apresentação - 2: Falência ambígua Emptypor CrowKuro Ontem à(s) 19:44

» A inconsistência do Mágico
Apresentação - 2: Falência ambígua Emptypor CaraxDD Ontem à(s) 19:27

» Vamos nos aventurar! Anjinhas me aguardem...
Apresentação - 2: Falência ambígua Emptypor GM.Muffatu Ontem à(s) 18:23

» As mil espadas - As mil aranhas
Apresentação - 2: Falência ambígua Emptypor jonyorlando Ontem à(s) 17:46

» [Mini - Cass Sabach] A fumaça cresce no horizonte
Apresentação - 2: Falência ambígua Emptypor Jinne Ontem à(s) 16:34

» Um Destino em Comum
Apresentação - 2: Falência ambígua Emptypor (Orochi) Ontem à(s) 15:13

» A busca da liberdade
Apresentação - 2: Falência ambígua Emptypor Dogsofain Ontem à(s) 14:12

» Karatê Cindy
Apresentação - 2: Falência ambígua Emptypor Oni Ontem à(s) 13:11

» Meu nome é Mike Brigss
Apresentação - 2: Falência ambígua Emptypor Oni Ontem à(s) 12:03

» Enuma Elish
Apresentação - 2: Falência ambígua Emptypor GM.Alipheese Ontem à(s) 10:12

» Apresentação 5 ~ Falência Sensacionalista
Apresentação - 2: Falência ambígua Emptypor Furry Ontem à(s) 09:59



------------
- NOSSO BANNER-

------------

Naruto AkatsukiPokémon Mythology RPG
Naruto RPG: Mundo Shinobi
Conheça o Fórum NSSantuário RPG
Erilea RegionRPG V Portugal
The Blood OlympusPercy Jackson RPG BR
A Song of Ice and FireSolo Leveling RPG
Veritaserum RPGPeace Sign RPG
Pokémon Adventure RPG

------------

:: Topsites Zonkos - [Zks] ::


 

 Apresentação - 2: Falência ambígua

Ir em baixo 
Ir à página : 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10  Seguinte
AutorMensagem
ADM.Tidus
Duque Azul
Duque Azul
ADM.Tidus

Créditos : 59
Warn : Apresentação - 2: Falência ambígua 10010
Masculino Data de inscrição : 10/06/2011
Idade : 27
Localização : 1ª Rota - Karakui

Apresentação - 2: Falência ambígua Empty
MensagemAssunto: Apresentação - 2: Falência ambígua   Apresentação - 2: Falência ambígua EmptySeg 09 Dez 2019, 16:43

Apresentação - 2: Falência ambígua

Aqui ocorrerá a aventura do(a) civil Karelina Lawford. A qual não possui narrador definido.


____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

Olá Convidado, seja bem-vindo ao One Piece RPG.
Links para ajuda: [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Licia
Caçador de Recompensas
Caçador de Recompensas
Licia

Créditos : 14
Warn : Apresentação - 2: Falência ambígua 10010
Feminino Data de inscrição : 20/01/2019
Idade : 21

Apresentação - 2: Falência ambígua Empty
MensagemAssunto: Re: Apresentação - 2: Falência ambígua   Apresentação - 2: Falência ambígua EmptySeg 09 Dez 2019, 17:51


Graças às instruções precisas que a loira deixou no papel com seu endereço fez uma pequena sensação de contentamento percorrer meu corpo, visto a certa facilidade que seria chegar até a residência da loira e a comodidade por ser próximo a companhia de teatro, um local que já visitei previamente, porém o bom humor foi momentâneo, pois ainda se tratava de um loooonga caminhada sob a neve tornando o esforço de minha pessoa ainda maior, ao menos o casaco amenizou satisfatoriamente o frio que eu poderia vir a sentir.

Entretanto meus lindíssimos, magníficos e delicados pés majestosos começaram a ficar minimamente doloridos devido a passar o dia inteiro realizando o ato mundano e inferior de caminhar, algo definitivamente indigno de minha pessoa submeter-se. - Eu necessito de escra.. Digo, servos para carregarem-me em uma liteira, urgente! - Reclamaria insatisfeita ao vento, durante o percurso.

E claro que pioraria, os transeuntes alcoolizados perambulando pela noite fizeram com que minha esplendorosa pessoa tivesse que desviar-se para não encostar nesses seres inferiores, além disso o nível das construções decaia quanto mais eu me aproximava do destino, para a sorte da loira o meu interesse por ela era maior do que tais empecilhos, mas ainda seria um problema se minha grandiosíssimo pessoa fosse reconhecida andando por essa vizinhança de baixo nível.

>><<<

Não poderia evitar de arquear uma sobrancelha ao deparar-me com as vestimentas que Licia trajava, um pequeno sorriso formou-se no canto de meus lábios pois pude notar que a loira também ansiava por nosso encontro, observei-a rapidamente de cima a baixo, o que me deixou… Digamos, mais atraída, era uma visão agradável para meus olhos observarem, e além do mais pelo pouco que pude perceber Licia possuía bom gosto para móveis e decoração, mesmo que não estivessem em perfeito estado, eu não me sentiria incomodada ou surpresa, afinal eu não esperava ser recebida em uma residência luxuosa, e também eu tenho outras necessidades para saciar no momento, há uma pessoa sexy e tentadora diante de mim, o que seria um motivo deveras convincente  para me fazer querer tomar a iniciativa da situação.

Porém para o meu prazer não pude concretizar o que estava a planejar, quando me dei conta já estava de costas contra a porta tendo tempo apenas de morder os lábios para abafar um gemido de surpresa e perversão, revirei os olhos e me contorci um pouco por causa de um arrepio que senti no momento, e logo já estava sendo calorosamente beijada até ficar sem ar, a temperatura do ambiente era realmente agradável e aconchegante fazendo com que eu me sentisse bem confortável, porém uma certa loira parecia ser especialista em como fazer a sensação térmica elevar-se de maneira exponencial, aproveitando minha posição em meios aos beijos eu tentaria na medida do possível trancar a porta sem interromper o ato afetuoso, afinal visitantes indesejáveis são a última coisa que precisamos no momento.

Nada é pior do que ser recebida por uma anfitriã rude, brusca e impulsiva, porém exceções existem, e não deve ser difícil imaginar que Licia seria essa exceção. - Tão impetuosa e intensa, eu detesto pessoas com esse tipo de personalidade impulsiva, porém eu me sinto tão interessada em descobrir o que você poderia fazer com tanto vigor e ferocidade. - Digo em meio as respirações ofegantes com a voz um pouco trêmula e luxuriosa, praticamente admitindo que comecei a apreciar essa personalidade forte da loira.

Porém eu não poderia ficar com todo o prazer para mim, agora é a vez de Licia ser pressionada após praticamente arrancar meu casaco, o que eu confesso não desaprovei essa atitude pois ele já havia se tornado um incômodo, mesmo estando parcialmente imobilizada a loira ainda se mantia audaciosa e abusada, mas se fosse diferente não seria divertido o desafio de domá-la. Esboçei um sorriso maléfico ao escutar a resposta a resposta ousada da Licia e logo utilizei a mão livre para segurar firme o rosto dela por baixo do queixo apertando suas bochechas, e colocaria minha coxa entre as pernas deixando nossos corpos intimamente aproximados. - Nesse caso eu terei que retornar mais vezes para reivindicar o que é meu por direito, então sinta-se livre para tentar roubar tudo o que desejar, porém uma ladra tão fogosa e rebelde merece ser castigada. -

Então daria um beijo demorado e molhado na bochecha dela, passeando com meu rosto próximo ao da loira, ficando alguns instantes com nossos lábios bem próximos mas sem se tocarem apenas para deixá-la com vontade, ainda manteria os braços dela presos, enquanto movo a cabeça em negação com um sorriso provocativo esperando que ela tivesse tentando me beijar. - Nada disso "Apressadinha" temos a noite inteira para aproveitar, não posso permitir que acabe tão rápido. - Diria praticamente me deliciando com a situação, então daria outro beijo demorado no canto da boca dela porém do lado oposto do rosto, e retornaria parando em frente a Licia novamente apenas para mordiscar e puxar bem devagar o lábio inferior dela, mas tentando ser bem carinhosa para não machucá-la, então soltaria o rosto dela e começaria a distribuir diversos beijos molhados e quentes ao redor do pescoço dela até chegar próximo a clavícula, ao mesmo tempo que desfaria o laço que prende o vestido em minha nuca puxando o zíper nas costas fazendo o vestido cair no chão, enquanto eu removeria os sapatos pisando na região do calcanhar deles.

Licia poderia ver um conjunto de renda bem bonito e sensual preto tendo alguns detalhes florais de cor prata fosca em alto relevo contrastando com minha pele alva e aveludada, na medida do possível eu ainda conteria os braços dela, enquanto a envolveria por cima da cintura e desataria a peça de roupa superior que a loira veste, dando mais alguns beijos acima de seu seio, então colocando minha mão no meio do sutiã dela eu o puxo para cima libertando parcialmente os seios da loira, e daria uma generosa atenção para tal região, continuando a beijá-lo vagarosamente até o local mais sensível onde passaria  chupar e lamber, até mesmo mordiscar um pouco, enquanto massageio o vigorosamente o outro seio, mas mantendo a mão firme e uma certa gentileza, mas não a torturaria muito, logo passaria a apertar, puxar e torcer um pouquinho na parte onde ela mais sentiria tesão.

Após me certificar de ter feito um agrado para Licia eu voltaria a ficar com o rosto próximo ao dela, e deslizo minha mão sob o seu corpo até que meus dedos passassem por dentro da peça de roupa inferior e então esfregaria brevemente o local com o dedo médio e indicador, se eu sentisse que eles ficassem molhados eu esboço um sorriso malicioso de satisfação. - Que mulher fogosa, já ficou toda excitada, e eu ainda só estou começando. - Claro que seria apenas uma forma de provocá-la, visto que eu não estaria em uma situação diferente, Licia poderia notar o contorno marcado na minha peça de roupa superior, o que eu admito já estar me incomodando, e para apimentar ainda mais a situação eu colocaria meus dedinhos sob os lábios dela esperando que ela aceitasse a "brincadeira" e provasse o gosto da própria luxúria.

Então eu finalmente solto os braços dela, se é que eu ainda estivesse os prendendo visto a natureza intensa da loira, e com um pouco de pressa eu "ajudaria" Licia a terminar de tirar seu sutiã, e imediatamente a envolvi pela cintura fazendo minhas mãos escorregarem por trás do quadril onde eu aperto cravando meus dedos e a puxo para mim para que ela fique na ponta dos pés e um pouco mais alta. - Quarto. - Imagino que eu não precise dizer mais do que isso para a loira entender, então a começo a beijá-la intensamente enquanto tentamos andar até o quarto, provavelmente esbarrando em alguns móveis pelo percurso, devido a situação afetiva, digamos assim, por isso eu estaria a segurando e apertando com bastante força e firmeza nas mãos, não é porque eu gostei, é apenas para evitar que ela se machuque esbarrando nos móveis, viu como sua uma pessoa extremamente benevolente e caridosa?

Durante o percurso até o quarto eu provavelmente aproveitaria bastante, mesmo se durasse pouco, abriria a porta sem nem lembrar de fechar ou me importar com esse detalhe, e então com minhas mãos apoiadas nos ombros de Licia eu a empurro na direção da cama utilizando apenas as palmas e maneirando na força para que ela se sentasse, de pé na frente eu levo minhas mãos até às costas para desatar a peça de roupa que cobre meus seios, mas sem retirá-la totalmente, coloco meus polegares por dentro das alças e faço um pequeno desfile até me aproximar enquanto sensualmente moveria meu quadril e a cintura, deixando meus seios parcialmente cobertos até estar próxima da loira, onde simplesmente deixaria o sutiã escapar de meus dedos, para envolvê-la em meus braços por cima de seus ombros. - Eu adoraria lhe proporcionar uma performance completa. - Digo fazendo menção a uma dança mais íntima e exclusiva para loira poder admirar-me ainda mais, então a beijaria novamente fazendo o peso de meu corpo cair sobre ela para ficarmos deitadas

Por alguns instantes eu me deleitei no sabor lascivo dos lábios da Licia, enquanto utilizo uma de minhas mãos e puxo para baixo a última das peças de roupa que cobre a loira, e devagar começaria a gentilmente massagear o local que até agora pouco estava coberto ainda em meio aos beijos, mas eu os interromperia momentaneamente para observá-la diretamente nos olhos a segurando firme pelo pulso para poder guiar a mão dela até meus seios deslizando minha mão sob sua pele até que nossos dedos tocassem entrepostos e apertava por cima da mão dela acreditando não ser necessário dizer mais nada apenas sorrindo perversamente deixando um gemidinho abafado escapar, então retribuo a atitude começando a massagear o seio dela.

Tentando sempre ser carinhosa apesar de manter a mão firme e confiante, para satisfazê-la ainda mais começo a distribuir diversos beijos demorados ao redor do pescoço da loira e aos poucos aumentando a intensidade e velocidade de minhas mãos que estão a estimulá-la, sendo bastante dedicada para fazer com que Licia se sinta cada vez melhor apenas para que ela possa ficar ainda mais atraída por mim, depois de certificar-me que a loira estava suficientemente excitada eu introduziria dois dedos enquanto aperto diversas vezes o local onde ela sentiria ainda mais prazer em seu busto, me vendo dominada pela luxúria eu daria a ela um beijo bem intenso, e continuaria a lhe proporcionar tais demonstrações de afeto até que a loira chegasse lá.

Depois de satisfazer a loira pela segunda vez no mesmo dia eu puxaria o corpo dela para próximo do meu e rolaria na cama de forma que ela ficasse deitada em cima de mim, então levo minha mão atrás da cabeça dela e puxo um pouco os cabelos dela de maneira brusca. - Apressadinha é melhor você demonstrar alguma sutileza, se não irei repreendê-la. - A princípio eu demonstraria estar séria dizendo com um tom de voz frio e autoritário até mesmo esbofeteando o rosto dela e aponto com o dedo na direção de seu nariz, porém o tapa seria bem fraco apenas para fazer barulho e deixá-la irritadinha. - Pois eu iria apreciar de mais se vossa pessoa me mostrasse agora todo aquele ímpeto de antes. -. Então solto os cabelos dela e lhe dou um breve beijo após realizar mais uma de minhas provocações, então um sorriso travesso se formaria em meus lábios, enquanto apenas tento imaginar o que essa mulher poderia fazer comigo, eu apenas aproveitaria a situação, sem tentar inibir os gemidos por causa dos vizinhos.

>><<

Se depois de tais momentos intensos e íntimos Licia ainda tivesse disposição para continuar, eu não poderia deixá-la passando vontade e tentaria corresponder às suas expectativas.

Mas se ela quisesse descansar, talvez por ter que trabalhar amanhã cedo, eu já me dou por satisfeita e deitaria na cama ao lado dela, observando-a admirada. - Foi incrível Apressadinha, eu adoraria que você me roubasse mais vezes. - Diria fascinadamente e a dou a ela um belo beijo caloroso e intenso de boa noite, mas dessa vez sendo bem mais carinhosa e afetiva do que intensa de fato, afagando os cabelos dela e acariciando seu rosto, após essa demonstração de carinho eu a ninharia comigo na cama, abraçando-a pelas costas deixando-a envolta em meus braços para que se sinta cuidada, confortável e segura.

Mas vocês não acharam que eu iria deixar acabar dessa forma sem graça né? Assim que Licia estivesse bem confortável e pronta para dormir eu apertp o seio dela e colocaria minha mão entre suas virilhas, voltando a estimulá-la. - Eu não posso evitar, minhas mãos se moveram sozinhas, isso é sua culpa por ser tão linda e atraente, você faz com que minha pessoa queira te fazer transbordar de prazer, até esguichar de seu interior. - Digo com um tom de voz bem travesso próximo ao ouvido dela, aproveitando para mordiscar a orelha da loira, e continuar com os estímulos, dessa vez de uma forma mais direta mas sem perder a calma e sutileza, até que ela chegasse lá novamente.

Então eu voltaria a abraçá-la de forma ainda mais afetiva e apertada, puxando-a para mais perto de mim colocando minha perna por cima das dela, e daria um beijo demoradinho e meigo na bochecha dela. - Boa noite Licia, durma bem! Digo com um tom afetuoso e sincero, então me preparo para dormir. "Não seria ruim passar todas as noites assim, e ganhar vida como uma atriz." Mas logo tal pensamento desaparece de minha mente, pois seria demasiadamente demorado conquistar o estilo de vida que almejo.



Histórico:
 
Objetivos:
 

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Furry
Game Master
Game Master
Furry

Créditos : 54
Warn : Apresentação - 2: Falência ambígua 10010
Masculino Data de inscrição : 27/03/2015
Idade : 28

Apresentação - 2: Falência ambígua Empty
MensagemAssunto: Re: Apresentação - 2: Falência ambígua   Apresentação - 2: Falência ambígua EmptyTer 10 Dez 2019, 07:26




Um dueto tocado por duas belas jovens, melodias oscilantes com dedilhados suaves. Uma composição harmônica cheia de sutilezas, mas também repleta de selvageria e desejo. Uma nota oscilante perpétua que delimita os acordes daquela canção guiando-as em união em um desejo compartilhado.

Uma canção de aventura, trilhada em sutilezas pouco conhecidas. Desbravaram juntas os caminhos que deviam percorrer. Algumas marcas esta jornada deixou. Arranhões, das vezes que arriscaram-se um pouco mais no caminho escolhido, mas também a euforia nos momentos em que chegavam ao destino. Revezavam-se, cada uma puxando a melodia em seu próprio ritmo. Kare seguia destemida e confiante levando Licia com sua empolgação em desbravar o desconhecido. Uma dança certa e segura que fazia-se ignorar os deslizes como se estes não fossem nada mais do que pretendidos.

Lícia por sua vez era serelepe e instável, sua melodia era dissonante, mas agradável. Cheia de variações onde ia de ritmos intensos até acordes suaves e delicados cheios de amor e carinho. A música por ela tocada era muitas coisas, mas todas elas eram de alguma forma agradáveis.

Kare soava bela e constante, mas ainda com notas repletas de timidez, Licia por sua vez mostrava-se completamente solta em sua performance e não se importava em mostrar a Kare todo o esplendor da canção que a primeira dedilhava.

Perderam-se naquela dueto, embalando uma a outra de forma contínua até que não viram mais o tempo passar. O mundo deixou de existir restando apenas o ato que compartilhavam. Mas como tudo, aquela magnífica canção também alcançaria seu final. Guiada por Licia -- Kare cantava! O ritmo era agora frenético e por isso sua voz abandonou o pudor inicial permitindo-se revelar todo o prazer daquela jornada e então ….. acabou!  Tudo o que restou foi o som ofegante de ambas misturado ao riso delicado e animado, haviam finalmente chego ao destino da jornada.


>><<

Se você entrasse naquele lar acabaria por encontrar uma curiosa cena. Junto à porta um bom vinho abandonado, mas não só isso visto que logo iria reparar em uma pequena mesinha inclinada com um vaso branco tombado em sua superfície quase caindo no chão. Haveria ali uma trilha, mas não este tipo de trilha que você possa estar pensando. Está podemos chamar de trilha dos desejos. Uma trilha que se percorrida poderia levar a pessoa a considerar muitas novas coisas para sua vida. Uma trilha que duas garotas haviam acabado de percorrer.

Pensamentos nunca antes apreciados dançavam na mente de Kare, mas o que poderia ser dito de Licia? Teria ela algo inovador rondando a sua mente? Bom… Talvez nesse momento ainda não houvesse espaço para essa profunda reflexão visto que ela estava mais concentrada no toque de sua companheira, na pressão que os seios da morena aplicavam em suas costas, ou talvez fossem esses os exatos motivos que pudessem estar-lá levando a ter pensamentos inovadores, igualmente ao que acontecia com Kare.  

A bela morena sentia em sua mão o subir e descer do busto de Licia, ofegante e contente. Seus dedos subiram pelo corpo da jovem causando-lhe um arrepio que involuntariamente a fazia encolher as pernas e vibrar. - Você, princesinha, não presta. - Respondeu com a respiração pesada ao boa noite dado. Então rebolou encaixando-se melhor a curva do corpo de sua amante. - Boa noite.

>><<

Uma luz pálida acordaria a jovem no outro dia. Licia já não estaria mais em seus braços, em vez disso a loira seria encontrada sentada em um nicho da janela que havia no quarto enrolada em uma coberta com as pernas encolhidas olhando a neve matinal que descia sobre a ilha. Seu rosto descansava apoiado sobre os joelhos e seus pés podiam ser vistos escapando por debaixo da coberta que a envolvia. A luz que entrava pela janela era pálida e envolvia a loira em um halo de austeridade o que a fazia parecer uma pessoa completamente diferente daquela da noite anterior.


Era cedo ainda, mal chegando a ser seis horas da manhã. - Adoro a vista daqui. - Ela abriu um pouco as pernas e a coberta em um convite para que Kare se sentasse ali com ela.

O Nicho possui uma almofada para o conforto, bem como era largo o suficiente para que ambas coubessem ali, desde que ficassem bem juntinhas. A vista, como afirmado por Licia, era realmente bonita. Uma ladeira de pedra coberta por neve, várias plaquinhas de comércio balançavam ao vento suave e algumas pessoas já começavam a despontar na rua ainda que fossem poucas. Mais além a rua continuava em sua suave descida até que chegava a seu súbito fim. Ali havia uma igreja e atrás dos arcos e vendo por cima dela havia o mar. O sol refletia-se nos vitrais multicoloridos banhado a rua abaixo com uma combinação de cores diversas que misturavam-se a neve.

Enquanto estivessem olhando a porta da igreja seria aberta, um menino partiu correndo e então tudo voltava ficar calmo e imutável. - Eu não me esqueci. - Licia sussurrou ao ouvido de Kare. Seus braços envolviam a morena cobrindo-a com a coberta, mas estes logo deslizaram pelo corpo da jovem enquanto os dentes da loira pressionaram com apaixonante voracidade o pescoço da bela. Ali, se Kare permitisse a loira teria sua "vingança" pela noite passada, bem como uma leve lembrança da loira marcada sutilmente na base do seu pescoço perfeito.  

>><<

- Bom dia. - Diria ao terminar de Aliciar abraçando com leve força o corpo de Kare.

>><<

Após algum tempo Licia a convidaria para saírem, a depender das suas perguntas acabaria por descobrir que a jovem trabalharia apenas as nove horas o que lhes dava tempo suficiente para tomar banho, brincar e vestir.

- Eu costumo comer aqui perto. - Diria a Loira quando estavam por fim vestidas. Licia usava um quepe da mesma cor do casaco e por baixo uma blusa amarela, estava em frente ao espelho de uma penteadeira arrumando a franja para dentro do chapéu, tinha em seu rosto uma maquiagem leve em tons mais claros, apenas com uma sombra mais brilhante ao redor dos olhos.

Deixaria Kare sair antes, fechando a porta atrás delas. Ao sair todo o "grude e love" que antes deixava transparecer seria "abandona" fazendo com que Licia parecesse mais "distante", ao menos para terceiros que pudessem às observar. - Eu não perguntei… - começaria após alcançarem a rua. - Mas o que faz aqui em Micqueot?

Levariam cerca de 5 minutos caminhando até a padaria onde Licia costumava comer. (Descrição próximo post)




____________________________________________________



[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]


Voltar ao Topo Ir em baixo
Licia
Caçador de Recompensas
Caçador de Recompensas
Licia

Créditos : 14
Warn : Apresentação - 2: Falência ambígua 10010
Feminino Data de inscrição : 20/01/2019
Idade : 21

Apresentação - 2: Falência ambígua Empty
MensagemAssunto: Re: Apresentação - 2: Falência ambígua   Apresentação - 2: Falência ambígua EmptyTer 10 Dez 2019, 18:20



Após piscar algumas vezes meus olhos se acostumam com a claridade ao despertar, apesar de ainda ser manhã e não ter dormido em uma cama luxuosa, sinto que acordei estranhamente bem humorada e disposta para começar o dia, mas sem evitar uma pequena sensação de decepção por estar solitária na cama. "Aparentemente não pude deixá-la tão satisfeita quanto planejava." Sentei-me na cama em posição de lotus e espreguicei-me demoradamente para me alongar deixando um gemidinho abafado de prazer escapar por causa da dorzinha gostosa sentida nas costas.

Meus olhos cruzaram-se com um ser no mínimo angélico, o sol  que atuava como um holofote deixando-a envolta a luz branca faria-me parar imediatamente o espreguiçar com um braço erguido para cima, enquanto seguro o cotovelo com o outro braço dobrado por trás da cabeça que estaria um pouco inclinada, um sorriso afetivo formou-se em meu rosto ao observar o contraste existente entre a pacificidade que Licia transmitia durante o amanhecer em relação a todo o fervor  demonstrado a noite.

E sem dizer uma única palavra caminharia elegantemente até aproximar-me dela afagando seus cabelos dourados antes se colocar-me entre o pequeno espaço na almofada que Licia preparou, ficando de pé com as costas voltadas para a loira, e "unicamente" devido ao pouco espaço as curvas de meu quadril provavelmente ficariam bem próximo ao rosto de Licia, e "apenas" por ser cuidadosa, eu lentamente me abaixaria até sentar-me ficando encaixada entre o corpo da loira e a almofada, inclinando as costas para trás repousando minha cabeça nos ombros dela já imaginando o que viria a seguir. Observando por alguns instantes a paisagem matinal de Micqueot, então viro meu olhar para Licia e acaricio seu rosto. - De fato tal visão agrada-me os olhos. - Por mais que a neve multicolorida e o sol nascendo por detrás do imenso mar fosse uma paisagem digna de se eternizar em um quadro, eu diria tais palavras me referindo a loira, aproveitando para dar-lhe um beijo matinal.

E como já estava esperando, Licia queria saborear a vingança, eu aceitaria de bom grado toda aquela tortura prazerosa logo cedo, ao ser mordida em no pescoço sutilmente contorcer-me-ia, para aliviar a dor/prazer, enquanto aperto moderadamente as coxas da loira, ficando com os olhos fechados mordendo os lábios, apenas deliciando-me enquanto tento não fazer muito barulho evitando chamar atenção. - Ara ara, minha pessoa ficaria ofendida caso fosse esquecida tão facilmente. - Diria sorrindo luxuriosamente, enquanto sinto minha respiração aquecer-se.

Porém não se tratava de uma  simples mordida, não seria difícil imaginar que meu pescoço ficaria marcado, e a julgar por sua personalidade travessa, tenho fortes razões para crer que Licia fez de propósito, a princípio eu a fuzilei com os olhos, quase chegando a surtar por uma mortal qualquer ter tido a audácia de macular minha pele divina. Tendo um turbilhão de insultos e ofensas passando por minha mente ao mesmo tempo, apenas para demonstrar todo o meu ódio por tal atitude petulante.

Porém de nada adiantaria causar alvoroço visto que a carniceira loira provavelmente não sentiria a menor culpa, remorso ou arrependido e não duvido que ela até mesmo fosse rir por achar engraçado. No máximo eu apenas arruinaria o momento prazeroso se deixasse-me ser tomada pela raiva, solto um suspiro de insatisfação e conformismo. - Tanto faz. - Diria de maneira ríspida e irritadiça. Bruscamente seguraria no rosto da loira puxando-o para mim, para que eu pudesse descontar toda minha frustração em um beijo agressivo e ardente. - Da próxima vez tente  fazer em um local que não seja tão exposto. - Após estar mais calma e provavelmente ofegante por causa do fôlego que a loira possui, diria em um tom misto de perversão e afeto, enquanto acaricio os lábios dela com a ponta de meus dedos, pensando no quanto eles são prazerosamente problemáticos. Demonstrando que não havia desaprovado o que Licia acabou de fazer, com uma mensagem oculta em minha fala que Licia provavelmente entenderia muito bem, ou simplesmente não me deseja o suficiente para querer repetir, o que sinceramente, acho totalmente improvável tal possibilidade.

>><<

- Bom dia apressadinha, logo cedo e já está tão impertinente, por acaso ficou viciada em minha pessoa?  - Apesar de estar bem sensível e sentindo as pernas fraquejarem após Licia ter sua vingança eu não deixaria de ser excessivamente confiante, e a provocaria um pouco mais, dizendo em tom de piada e perversão. Então ficaria ainda mais confortável nos braços de Licia, movendo o quadril para trás para ficarmos ainda mais próximas, e assim permaneceria observando fascinada para a Janela. "Quanta ironia, um local medíocre tendo uma visão tão bela, não passa de um desperdício."  

Após o breve pensamento uma pequena idéia do que dizer me vem à mente. - Você tem muita sorte. - Diria melancolicamente, fazendo uma pequena pausa na fala. - Você tem o privilégio de admirar a primeira e a terceira visão mais linda de toda a ilha ao mesmo tempo. - Diria em um tom cômico acompanhado por um sorriso impertinente, o que provavelmente a deixaria confusa a princípio, mas não imagino que seria difícil deduzir que em primeiríssimo lugar estaria minha pessoa, e por eliminação a paisagem vista da janela fica em terceiro, porém se me fosse perguntado a respeito do segundo colocado, eu apenas deixaria um sorriso malicioso e confiante formar-se no canto de meus lábios. - Quem sabe. - Diria olhando diretamente para Licia dando a entender que se trata dela, mais especificamente sobre o quão angelical ela parecia segundos atrás, então viro meu olhar de volta a janela.

>><<

Aguardo o momento em que Licia demonstrasse algum sinal/intenção de que fosse se levantar para fazer o mesmo, saindo da frente da janela. - Poderia emprestar-me uma toalha para que minha pessoa possa se enxugar após o banho. - Apesar de tentar parecer plena e confiante, se Licia fosse atenta poderia notar meu desgosto pela situação e um certo "nojinho", afinal, por mais que a noite e o amanhecer tenham sido proveitosos, imagino que todo o gasto de energia com atividades físicas cansativas tenha trazido como resultado suor e o cheiro não tão agradável, infelizmente ainda sou limitada a essas reações fisiológicas mundanas e desprezíveis, sendo impossível que minha pessoa consiga sair sem antes banhar-se.

Aguardo um pouco pela resposta da loira e se caso ela me cedesse a toalha eu a romaria em mãos. - Se for de seu desejo, eu permito que acompanhe-me. - Digo de com um tom de arrogância como se fosse a dona da casa. - Dessa forma você pode economizar com a água. - A atitude soberba logo se transformaria, com um sorriso impertinente estampado em meu rosto, eu diria de forma a deixar MUITO claro que não passa de uma desculpa esfarrapada para podermos utilizar o tempo que nos resta de forma mais proveitosa. E de acordo com o que Licia respondesse eu aceitaria, se fosse para tomar banho sozinha ou não, sem me importar muito com a ordem de quem fosse primeiro neste último caso. - E antes que eu me esqueça depois vou precisar do seu pó emprestado também. - Digo sendo bem afetuosa para convencê-la através do carinho, mas se ela questionasse meus motivos apenas iria arquear o pescoço, exibindo a catástrofe de proporção planetária que a dita cuja fez o favor de estampar em minha magnífica pele. A encarando com um olhar tenebroso contrastando com um lindo sorriso meigo e gentil, não diria uma única palavra, apenas esperaria que a loira entendesse.

E independente do desfecho após o término do banho eu me sentiria revigorada e mais satisfeita pela sensação de não estar mais suada, e com a toalha enrolada em meu corpo apenas por costume, visto que não haveria motivos para cobrir-me na presença de Licia, eu começaria a pegar e vestir minhas roupas espalhadas pela casa, pensando na bagunça que fizemos, até mesmo colocando de pé o vaso branco caído sobre a mesa da sala, só pra dizer que não deixei tudo desarrumado antes de deixar o local. Mas não sem antes usar a maquiagem dela para esconder a marca em meu pescoço, caso Licia me emprestasse, o que me faria pensar que ao menos tenho a sorte do tom das nossas peles ser parecido.

>><<

Porém, contudo, entretanto, todavia. Existe algo que eu consideraria prioridade máxima, minha pessoa não poderia simplesmente deixar que essa loira desumana possa sair impune após ter tido a audácia de manchar meu lindo pescoço impecável. Ansiosamente minha pessoa iria aguardar pela oportunidade perfeita para vingar-se. Quando Licia fosse escolher suas roupas para vestir no dia de hoje, eu ficaria sentada na cama mantendo as pernas cruzadas calmante observando-a e analisando seus movimentos como uma predadora prestes a atacar sua presa indefesa. Mas claro que Licia não poderia perceber então se ela puxasse assunto comigo enquanto aguardo iria dar a devida atenção, até mesmo a ajudaria a escolher as roupas se me fosse pedido. E assim que eu percebesse que loira ficou suficientemente distraída, preferencialmente se ela estivesse inclinada com o quadril empinado para pegar alguma peça de roupa em uma gaveta baixa, ou até mesmo para pegar a toalha que pedi.

Nesse momento um sorriria discretamente com um ar diabólico e lascivo, de maneira rápida e silenciosa aproximar-me-ia da loira, lentamente deixando a mão direita suspensa no ar atrás de mim com o braço estendido. E assim que o bumbum dela estivesse em meu alcance iria de maneira rápida impiedosa mover meu braço direito realizando um movimento angular obtuso, mantendo os dedos das mãos espaçados entre si, para que a zona afetada fosse maior. Acertando assim um belo tapa na nádega direita de Licia, utilizaria a força necessária para que minha mão ficasse muito bem marcada no glúteo, com os cinco dedos estampados, sem me importar em ficar com a palma ardida, visto que arderia mais na loira. Ah sim, o maravilhoso som e o doce gosto da vingança. - Eu não me esqueci. - Devolveria com as mesmas palavras. Minha expressão com certeza é de extrema satisfação (e um pouquinho de luxúria também).

Depois que minha vingança estivesse concretizada acredito que vai desencadear alguma reação extravagante por parte da loira. E confesso que está além minha imaginação tentar prever todas as possibilidades que uma pessoa tão impulsiva, direta e vingativa feito Licia poderia fazer. Mas algo que não é tão complicado assim de imaginar é a possibilidade dela avançar contra mim, de uma maneira digamos… mais calorosa. Se assim ocorresse, minha pessoa iria felizmente recebê-la pronta para segurá-la, mantendo as mãos onde acabei de estapear para apertar mais cuidadosamente, fazendo uma breve massagem para que a região não fique tão dolorida. - Temos tempo para isso apressadinha? - Diria perversamente enquanto faço uma expressão travessa. Não podendo mais negar o fato de que a personalidade da Licia tornou-se um atrativo para mim.

E dependendo da resposta recebida e também da cronologia eu tomaria algumas atitudes. Se a loira apenas dissesse que não poderíamos continuar eu responderia provocativamente. - Realmente não podemos? Eu estava tão disposta a te recompensar, mesmo com você sendo uma garota rebelde e impertinente. - E caso ocorresse antes de nos banharmos, imagino que seria um bom momento para tal, mesmo com a água fria acredito que a temperatura dentro do banheiro ferveria. Se fosse após o banho e tivéssemos tempo eu a colocaria deitada na cama  ficando por cima, e logo começaria a beijar o corpo dela até descer abaixo do umbigo. - Considere como uma oferta de paz provisória. - E sem dar tempo dela responder minha pessoa logo iria usar os próprios lábios assim como a língua e os dedos para fazer Licia se sentir muito bem, retribuindo o que ela fez por mim nessa noite.

>><<

Depois de todos os preparativos de uma manhã intensa eu e Licia estávamos prontas para deixar a casa da loira quando a mesma comentou sobre o desjejum, eu não poderia perder a oportunidade de fazer uma provocação inocente com ela. - Ara ara, poderia jurar que o convite para um encontro fosse feito antes de se passar a noite com a pessoa. Diria esboçando uma falsa expressão de dúvida e confusão, que após alguns segundos se tornaria sarcástica e cômica. Depois de conferir rapidamente se não estava esquecendo de nada eu a seguiria para fora.

Ao escutar a pergunta feita por Licia eu começo a coçar meus cabelos pensando na dificuldade que seria respondê-la de maneira satisfatória e rápida. - É uma história longa e complicada, mas se realmente deseja saber posso tentar resumi-la, não é algo que eu faça questão de esconder. - Se Licia não quisesse mais saber a resposta eu apenas "deixo pra lá" e continuaria a acompanhá-la, por simplesmente não me importar com tal história. - Para dizer a verdade, nós esquecemos totalmente as perguntas. - Diria de forma divertida e impertinente, cobrindo os lábios com as costas da mão, abafando um pequeno riso. Independente da resposta eu continuaria a segui-la.

Mas se a loira ainda sim quisesse saber, eu a responderia após pensar um pouco na escolha de palavras. E diria com um tom de indiferença e frigidez demonstrando ausência de sentimentos em relação ao que vou dizer. - Hmmmm….. Meu pai decidiu que eu deveria mudar de Lvneel para conhecer novos ares e desenvolver empatia, mas é muito difícil se pôr no lugar de pessoas decadentes e medíocres quando se é perfeita em tudo, porém eu não quero decepcioná-lo, e por isso estou tentando, mesmo sem nunca ter me envolvido ou sequer ter tido interesse por outra pessoa antes, e as centenas de milhões de bellys que papai me deu para sustentar-me não duraram nem um mês, porém ao invés de pedir por mais bellys decidi conseguir algum dinheiro sozinha, apenas para deixá-lo mais orgulhoso, escolhi caçar criminosos por acreditar ser mais fácil e rápido, atualmente estou planejando arruinar a vida de um pirata e conseguir a recompensa por sua cabeça, porém esse pirata é mais influente do que imaginei, o que me faz perder tempo desnecessário com chatices tediosas. - Depois desse loooooongo discurso enorme eu olharia para Licia me sentindo culpada, com um sorriso sem graça e desconfortável. - Desculpa ter falado tanto, eu sei o quanto é insuportável escutar discursos enormes e sem importância. -


Histórico:
 
Objetivos:
 

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Furry
Game Master
Game Master
Furry

Créditos : 54
Warn : Apresentação - 2: Falência ambígua 10010
Masculino Data de inscrição : 27/03/2015
Idade : 28

Apresentação - 2: Falência ambígua Empty
MensagemAssunto: Re: Apresentação - 2: Falência ambígua   Apresentação - 2: Falência ambígua EmptyQua 11 Dez 2019, 18:35




- Não tão exposto? Hihihi, mas é que você fica tão sexy irritada que eu não sei se vou conseguir me controlar. - Ela mordia o lábio inferior de Kare com leveza e pressionava com um pouco mais de força o dedo indicador enquanto falava. Era óbvio que ela levava qualquer coisa como uma ameaça vazia já que estava completamente perdida em seus próprios desejos.


>><<

- Talvez um pouco. Acho que só vou saber depois. - Ela rebolou ajeitando-se também e permitindo que Kare encaixa-se melhor o corpo de uma na outra. Na cabeça dela havia nesse momento um pensamento flutuando que não se importaria com algo assim todas as manhãs, mas essas eram palavras que ela não se atreveria a dizer, mas que estavam ali escritas no sorriso sincero em seu rosto.

- Acho que posso concordar. Estou com muita sorte mesmo. - O abraço foi apertado levemente. - Mas.. - Aí vinha, era óbvio que ela não terminaria apenas no momento "fofo". - Não seria a segunda e terceira? Afinal eu sou a primeira.  

>><<

Licia rolava pelo chão após terem caído do beiral da janela, sua risada soava como uma bela canção. - Não precisava tanto. - Kare estava agora montada em cima de Licia segurando ambos os pulsos dela acima da cabeça contra o chão, Licia ria desavergonhadamente. - Você fica muito, muito sexy irritada. - A pressão nos punhos da jovem aumentou um pouquinho. - Certo, Certo. Eu me rendo. Primeira e terceira. Você princesinha é o que eu vi de mais belo em toda minha vida…. Agora me dá um beijo.


>><<

Após se levantarem Licia mesmo perguntou se Kare desejava tomar um banho, assunto que foi agradavelmente recebido pela morena que sentia-se imunda, embora feliz.

- OHHH.. - Licia levou uma das mãos a boca em um rosto que mostrava um completo espanto, mas também uma alegria genuína e travessa. Eu… Eu… Eu… - começou a gaguejar. - Eu não sei se posso aceitar Hime-sama Tal grandiosa honra, não me sinto digna de magnífico presente. E não só isso, mas…. - O lábio inferior dela começou a tremer de emoção. - Ser digna de preocupação de Hime-sama com minha situação financeira. - Mas a atuação parou por aí sendo rapidamente substituída por um sorriso travesso. Licia correu em direção a Kare tomando-a pela mão. - Me permita mostrar-lhe o caminho Princesa. - E sem esperar resposta puxou Kare pela mão em direção ao banheiro.

- Mas ficou tão pequenininha a marquinha. - Respondeu ela com um beicinho fingido. - Eu mesmo escondo pra você. - concordou por fim ao entrarem no banheiro.

(Use sua imaginação)

>><<

Licia não se incomodou muito em permanecer enrolada na toalha deixando-a sim amarrada na cabeça para enxugar melhor os seus cabelos enquanto colocava Kare sentada a frente de uma penteadeira para cumprir o que havia prometido a jovem. Ali com muito esmero a loira se prontificou a ocultar as marcas incriminatórias que havia deixado no pescoço de sua parceira.

Com a marca devidamente oculta Kare saiu pela casa perseguindo a trilha que haviam deixado até a porta de entrada. Tendo inclusive a gentileza de arrumar na posição correta a mesinha na qual haviam esbarrado. Estavam perto das 8 da manhã nesse momento.

Ao voltar por quarto deparou-se com um linda visão. Um pele sedosa cobrindo um lindo formato arredondado e empinado que sacudia levemente de um lado para o outro enquanto uma distraída jovem cantarolava mexendo no armário de roupas atirando algumas roupas por cima do ombro neste processo.

Pé ante pé, pisando apenas com a ponta delicadamente no chão de madeira aquela succubus se aproximava de sua presa.

SLAP TAP.

O som estalou pelo quarto deixando imediatamente seu resultado naquela divina forma feita pela natureza.

- AIIIIIII. - Licia chegará a ser empurrada precisando apoiar-se em uma mão no interior do guarda roupa antes de voltar-se para fora com uma mão firmando os glúteos enquanto dava pequenos saltinhos devido a dor que espalhava-se em sua bela região traseira.

  - VADIAAA. - Berrou Licia ao se virar para Kare. - Isso doeu. - Mas ela não parecia brava, ao contrário acabou correndo na direção da morena saltando e abraçando-a acima do pescoço colando seu corpo nu ao corpo ainda nu da outra, suas pernas imediatamente envolveram-se ao redor da bela cintura da sua parceira. - Ok, eu mereci. Mas não pense que não vai ter volta.

As mãos de Kare estavam apertando suavemente o local ferido de Licia enquanto ela girava lentamente em passos curtos pelo quarto. - Tenho que trabalhar agora, mas você não me escapa de noite.

Kare no entanto não aceitava apenas aquilo e devolvia uma provocação para Licia que ainda se agarrava a ela. - Isso é jogo sujo. - Mas ja era tarde, Kare a jogava sobre a cama. - Eu… hnnn… não… hnnn… vou…. - fosse o que ela fosse dizer se calou, sua mão se moveu acariciando os cabelos de Kare, suas pernas se contorcem abaixo do corpo da morena. - Assim….Assim…. Eu… Vou…. Assimmmmmmmmm.

>><<

- Não é um encontro. - Licia caminhava um pouco em zigzag enquanto sorria e firmava-se no corrimão com um pouco mais de força do que normalmente seria necessário para um jovem atlética como ela. - É… - ela corou um pouco fazendo uma pausa. -  ...uma desculpa pra ficar com você mais um pouco. - Então ao final da escada diria com um tom um pouco rabugento. - Mas se não quiser vir também… É você quem perde.

>><<


Licia escutava a história de Kare, dando um pequeno risinho após ouvi-la por inteira. - Você me pareceu BASTANNNNTEEEE empática. Hihihihi. Massss então… Isso quer dizer que eu estou me envolvendo com uma mulher perigosa que sai por aí caçando homens cruéis? Hehe, Você acabou de ficar mais excitante. Adoro mulheres perigosas.

Embora as palavras fossem ditas com bastante picância a loira se manteve comportadamente afastada. Caminhavam razoavelmente próximas, ao ponto de suas mãos raspam uma na outra eventualmente, mas para qualquer olhar desatento eram apenas duas jovens amigas andando pelas ruas… Obviamente duas belas jovens.

>><<

- Tenho que ir para a companhia se não a Senhora Bellatrix me mata…. Ainda temos aquele vinho para tomar. - completou dando uma leve erguida nos ombros como quem não queria dizer nada, mas já dizendo muito. [/color]

Dali cada uma seguiria seu caminho, embora Kare pudesse aproveitar a jovem para pedir instruções de alguns locais que pretendesse visitar. Era cerca de 8:50Am, o que lhe dava um tempo razoável até o encontro com Henry. Embora ao que lembrasse do local que estava até o escritório nas docas ela fosse levar algo em torno de 20 minutos.

As ruas, diferente do momento que observava da janela, estavam agora movimentadas. Não exatamente no ponto onde estava, mas dali conseguia ver o grande fluxo de pessoas passando em frente a igreja, mas também em uma rua na paralela oposta a duas quadras. Se tivesse perguntado a Licia iria saber que aquela era a rua central principal, enquanto a rua da Igreja era a principal que cortava o porto. A rua Central não chegava a ser a central da cidade, apenas era a  central comercial do porto.

Pessoas bem agasalhadas, cachorros e inclusive alguns marinheiros foram vistos pela jovem. A neve flutuava fracamente e felizmente estava frio o suficiente para que a neve no chão não derretesse impedindo assim o acúmulo de barro. Aquela hora da manhã ser-lhe-ia fácil encontrar o comércio praticamente todo funcional, com algumas exceções como bares e casas noturnas.




____________________________________________________



[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]


Voltar ao Topo Ir em baixo
Licia
Caçador de Recompensas
Caçador de Recompensas
Licia

Créditos : 14
Warn : Apresentação - 2: Falência ambígua 10010
Feminino Data de inscrição : 20/01/2019
Idade : 21

Apresentação - 2: Falência ambígua Empty
MensagemAssunto: Re: Apresentação - 2: Falência ambígua   Apresentação - 2: Falência ambígua EmptyQui 12 Dez 2019, 19:10


- Acredito que vossa pessoa não esteja em posição de ditar ordens. - Digo utilizando uma tonalidade de voz autoritária e ao mesmo tempo sedutora. E como forma de "repreendê-la" eu a beijaria mas não onde Licia deseja, começando pela base do pescoço faria questão de generosamente dedicar um bom tempo em cada beijo deixando sons molhados escaparem propositalmente, e vagarosamente percorreria toda a extensão, alternando os lados, distribuindo algumas leves mordidas a pelo trajeto, porém sem deixar marcas.

Se Licia demonstrasse alguma resistência ou sinal de ansiedade minha pessoa calmamente iria mover o rosto até ficar próximo do ouvido da loira e sussurraria. - Tentar resistir é a maior das tolices que você pode fazer, apenas desfrute da minha benevolência. - Após provocar Licia voltaria a atenciosamente servi-la, dessa vez beijando o rosto da loira até chegar em seus lábios.

Seria quando eu solto os pulsos dela para envolver o rosto de Licia com minhas mãos para finalmente acatar a ordem que me foi dada e beijá-la devotamente de forma que ela nunca antes foi. - Perdoe a desobediência desta serva indisciplinada  minha cara senhora, eu não poderia obedecê-la tão facilmente, meu único objetivo fazer com que você sinta-se cada vez melhor, porém aceitarei com muito prazer receber as devidas punições. - E como se estivesse em um jogo assumiria um papel submisso apenas para aumentar ainda mais o desejo da loira por minha pessoa. Podendo imaginar os deleites que tal atitude traria-me futuramente. Mas se ela não tentasse resistir apenas beijaria mas sem toda a diversão de provocá-la. :/

>><<

- Porque não disse antes, estou lhe fazendo companhia até esse horário apenas por educação, agora sinto-me menos culpada em te deixar. - Digo parecendo estar muito contente e aliviada pela desculpa esfarrapada de Licia visto que a própria disse, que não se importaria se não passasse mais tempo com ela, e logo dou de ombros virando as costas para a loira. - Adeus. - Diria em um tom de voz seco, e começo a andar rápido na frente dela.

Porém após alguns passos eu não me aguentaria e começo a rir, virando o rosto por cima do ombro para observá-la. - Desculpe-me, não poderia perder essa oportunidade de brincar contigo. - Imaginando que Licia não acreditaria na minha cena e no máximo estaria um pouco surpresa eu retorno ao lado dela. - Tudo bem apressadinha eu aceito vosso convite para o "não  encontro". - Dizendo de uma maneira mais cômica por estar tentando conter a vontade de rir.

>><<

As palavras da loira me fariam congelar por alguns instantes, sinto um forte aperto no peito, que mesmo não sendo uma sensação ruim ainda sim me incomoda, meu rosto começar a ficar mais quente por algum motivo que não sei dizer, certamente minhas bochechas estão vermelhas agora, e provavelmente eu estaria fazendo uma expressão desconcertada. Ficaria estática sem conseguir ter qualquer tipo de reação, até que Licia olhasse para mim por eu ter parado de andar subitamente.

Nesse momento eu me sentiria morta de vergonha e começo a tentar cobrir o rosto de uma maneira atrapalhada e afobada, com os olhos marejados. - N-nã-não olhe! - Após gaguejar um pouco eu me viro bruscamente dando as costas para ela e sinto meu coração bater acelerado e começo a respirar rápido e ofegante até me recompor. " O que está acontecendo? Eu nunca senti isso antes, é a primeira vez que recebo esse tipo de elogio. Por que meu peito tá doendo tanto e meu coração acelerou dessa maneira, é tudo muito confuso."

Após poucos segundos eu conseguiria me recuperar, ainda respirando fundo, porém, mais calmamente, eu viro meu olhar para Licia e a encaro intimidadoramente como se estivesse observando o que existe no mais profundo de sua alma. - Se disser mais uma palavra sobre isso, receio que vá precisar pensar em uma boa desculpa por ter faltado hoje. - Digo com um tom de voz ameaçador, porém dando a entender que ela perderia o dia de trabalho graças aos assuntos lascivos e perversos que ocorreriam naquele quarto se ela tentasse me provocar por ter ficado sem jeito. (Sinceramente, eu adoraria que ela continuasse…)

Ainda sem compreender o porquê daquelas palavras me deixaram abalada eu continuo a acompanhar a loira.- Obrigada. - Mas sabendo que algo em meu interior acabou de nascer. " Eu poderia ser empática mais vezes. "

Se passássemos próximo a alguma lixeira durante o trajeto eu retiro do bolso o papel com o endereço da loira, se ainda estivesse ali, e o rasgo em vários pedaços pequenos até se tornar praticamente impossível reconstruir e jogaria os retalhos no lixo. Se ela questionasse o motivo de tal ato, eu pela primeira vez na vida ficaria séria em relação a outra pessoa. - Como você antes disse Licia, é um trabalho perigoso, não posso permitir que esse perigo chegue até você, eu não vou me esquecer como fazer para encontrá-la, então não se preocupe. - Apesar do ar pesado de seriedade em meu comportamento eu diria sendo muito calorosa e acolhedora para com a loira, afinal agora ela faz parte das minhas preocupações.

>><<

Durante o desjejum eu prestaria mais atenção em Licia do que nos arredores assim como em relação a comida, tentando manter algum nível de diálogo para não deixar o silêncio constrangedor reinar. - O que levou você a escolher a carreira de atriz? - Bizarramente eu perguntaria realmente interessada na resposta, não sendo apenas pela cordialidade. Aproveitando também para questioná-la a respeito de onde poderia conseguir os preparativos para o "trabalho" de hoje. - Apressadinha saberia dizer-me um estabelecimento que venda armas, e também onde posso comprar roupas e acessórios?  - Depois de ter feito a pergunta, eu faria uma expressão perversa encarando-a e diria provocativamente. - Preciso parecer perigosa, e muito excitante. - Propositalmente utilizando os mesmos palavras que a loira usou para descrever-me anteriormente, para que além de conseguir a informação também possa me divertir um pouco deixando-a atiçada.

Após o café da manhã eu me despediria de Licia. - Talvez ela deixe uma marca em você combinando com a que fiz. - Digo com um tom divertido fazendo piada com a situação da loira. Não era preciso que Licia me dissesse mais nada nada após inclinar-se, apesar de não estarmos mais em um ambiente privado esse fato não iria incomodar-me, a envolvi pela cintura utilizando uma das mãos puxando-a para mim enquanto seguro em seu rosto com a mão livre, e lhe daria um breve beijo de despedida. - Até logo apressadinha. - Então me viro e começo a caminhar afastando-me da loira, enquanto esboço um sorriso contente sentindo que o ato afetivo tornou-se mais prazeroso por alguma razão.

Antes de nos afastarmos totalmente eu diria em um tom alto e claro para que Licia escutasse mesmo com alguns passos de distância. - Karelina. - Se ela questionasse por não ter entendido o que acabei de dizer, iria repetir. - Karelina, é o meu nome, você não perguntou antes e eu não tive a oportunidade de me apresentar. - Depois de uma pequena pausa eu viro meu rosto para a loira e completaria com um tom de voz arrogante sendo mandona e um tico infantil. - É melhor você não se esquecer. - E finalmente continuaria a seguir pelo caminho oposto ao dela.

>><<

Se Licia tivesse me informado a localização dos locais que procuro, eu seguiria as instruções dela até encontrá-los. Caso contrário seguiria o fluxo de pessoas até encontrar uma região com maior movimentação e talvez barulho, deduzindo que ali seria o centro comercial.

No mais entraria na loja que fosse mais perto sem importar-me se era de armas ou roupas. - Quanto tempo pretendem deixar uma deusa esperando. - Diria de maneira arrogantississississima e autoritária caso ninguém viesse me atender na loja. Mas se tivesse algum funcionário para receber-me eu seria bem mais carismática devido ao bom humor de hoje. - Bom dia, eu gostaria de ver os produtos que você tem para oferecer-me. - Mas sem deixar de manter a postura confiante e imponente.

Histórico:
 
Objetivos:
 
Voltar ao Topo Ir em baixo
Furry
Game Master
Game Master
Furry

Créditos : 54
Warn : Apresentação - 2: Falência ambígua 10010
Masculino Data de inscrição : 27/03/2015
Idade : 28

Apresentação - 2: Falência ambígua Empty
MensagemAssunto: Re: Apresentação - 2: Falência ambígua   Apresentação - 2: Falência ambígua EmptySab 14 Dez 2019, 21:40




O quadril de Lícia movia-se abaixo do corpo de Kare. Ela não reclamava, mas tão pouco recebia comportadamente o agrado feito pela morena e tentava constantemente retribuir os beijos movendo o rosto para tentar alcançar o pescoço de Kare. Atitude esta que fez Kare se afastar e repreender sua ''mestra''.

- Terei que lhe administrar uma punição mais tarde por essa desobediencia. - Disse a loira com um tom pomposo. - Pode ter certeza que serei deveras criativa e má.

>><<

Licia colocou ambas as mãos na cintura inflando levemente as bochechas. - Se continuar se comportando mal assim eu posso não lhe punir mais tarde. - A resposta poderia acabar soando um pouco estranha, mas certamente ela sabia que Kare a entenderia visto o sorriso brilhante que pontuou seu rosto logo depois.

>><<

Então algo completamente inesperado aconteceu, a deusa desceu a terra. Kare fora pega completamente desprevenida pela colocação de Lícia quanto a sua empatia fato o qual conseguiu lhe desestabilizar de uma maneira que nada antes no mundo havia conseguido.

O olhar de Lícia ficou confuso, para ela fugia à compreensão o que estava acontecendo ali naquele momento, mas como Licia era Licia acabou mesmo sem entender juntando-se a ''brincadeira''. - E quem disse que não estou a todo esse tempo bolar essa desculpa maravilhosa para não precisar ir? - Sorriu lascivamente para Kare e levou o indicador à boca onde o mordeu a pontinha ainda sorrindo. - Mas eu retiro o que disse antes. Você fica ainda mais sexy envergonhada. - Seu sorriso se ampliou de maneira perversa.

>><<

- Acho que você deve ter tido isso em algum momento também. - Ela deu os ombros e bebeu um gole do café antes de cruzar as mãos abaixo do queixo apoiando-o ali. - Ver algo quando é criança e decidir que é aquilo que você vai fazer. - Sorriu. - É na verdade uma historinha sem graça, mas aprender a atuar tornou minha vida bem interessante, hihi. Acho que não preciso explicar essa parte. - Piscou e descruzou as mãos. - E bem. Eu também quero poder viajar pelo mundo e não sou alguém tão voraz como você… Ser atriz é um bom modo. - Comeu uma garfada do bolo que havia pedido. - Teve também uma vez que conheci uma celestial. Ela estava contando sobre o lugar de onde ela veio. Me apresentar no céu… Para anjos. - o olhar dela estava um pouco perdido em seus próprios sonhos naquele momento. - É algo que vou fazer. - completou confiante.

>><<

- É só ir pro outro lado. Viemos pra direita da minha casa. Indo pra esquerda vai ter uma rua larga, ali você vira a esquerda. A maior parte do comércio vai estar ali. Se for comprar roupas você pode ir na loja da Andreia. Fica a umas três ruas a direita tem um toldo vermelho. A loja se chama Scarlet Modas. Armas eu nunca olhei, sabe? Mas acho que tem ali também.

>><<

Na despedida Lícia foi finalmente surpreendia pela aproximação de Kare e seu beijo de despedida. Suas bochechas coraram um pouco, mas ela logo se entregou e retribuiu o beijo. - Esses lábios….  Vou pensar neles o dia todo. - Confessou ao se afastarem enquanto enrolava uma mecha que havia escapado da boina que usava.

Kare então se virava e partia, e em um rompante de completa falta de etiqueta resolvia se apresentar ainda de costas para a loira.

- Eu já sabia. - Confessou. - Mas Princesinha combina muito mais com você. Até logo.

>><<

Scarlet modas foi fácil de achar, foi exatamente como descrito por Lícia e chegou lá após alguns minutos de caminhada pela rua movimentada. Felizmente parecia ter um fluxo menor de carroças naquele trecho o que deixava ao menos um pouco cômodo o deslocamento a pé.

A loja possui roupas diversas e Kare seria atendida pela própria Andreia. Está era uma mulher mais velha, na casa dos 36 anos provavelmente de cabelos vermelhos vibrantes e volumosos. Se reparasse atentamente perceberia semelhanças entre Andreia e a Ruiva que era assediada por Lícia no banheiro.

- Temos de tudo. Bom. - sorriu. - De tudo de roupas. Então puder me dizer aproximadamente o que procura posso lhe mostrar.

>><<

A loja era ampla e parecia bem arrumada. Haviam outras 4 funcionárias lá dentro e todas estavam atendendo alguém naquele momento. Haviam roupas penduradas, mas também dobradas sobre mesas centrais, calçados e uma seção inteira de acessórios tais como Óculos, correntes, pingentes e afins.

>><<

Ao sair seria capaz de encontrar um ferreiro avançando outras duas quadras no mesmo sentido.

[/color]



____________________________________________________



[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]


Voltar ao Topo Ir em baixo
Licia
Caçador de Recompensas
Caçador de Recompensas
Licia

Créditos : 14
Warn : Apresentação - 2: Falência ambígua 10010
Feminino Data de inscrição : 20/01/2019
Idade : 21

Apresentação - 2: Falência ambígua Empty
MensagemAssunto: Re: Apresentação - 2: Falência ambígua   Apresentação - 2: Falência ambígua EmptyDom 15 Dez 2019, 02:16


Visto as claras intenções da loira em seduzir-me com provocações, eu me permitiria ser cativada por ela, caminhando sensualmente até Licia como se estivesse hipnotizada por seu charme, segurando a mão que ela morde o dedo, trazendo-a para próximo de meus lábios, então queria outro dedo dela formando um V, que na verdade representa outra coisa que apenas pessoas maliciosas e de mente suja como “perverLicia” entenderiam, e beijaria a ponta dos dedos da loira fazendo barulho como se estivesse gostando. - Ara ara apressadinha, e desde quando você consegue controlar e resistir aos próprios impulsos e desejos. - Digo de forma bem perversa como se estivesse sussurrando, em seguida colocaria a mão dela sob meu rosto deslizando-a por meu pescoço até o final do ombro. - Principalmente quando se trata desta serva indisciplinada, mas que é tão devota e dedicada a lhe fazer sentir-se bem. - Imagino que essa sim seria uma provocação efetiva contra a loira, levando em consideração a natureza de Licia, já que ela melhor do que ninguém deve saber o quanto é impulsiva.

Antes que Licia pudesse tocar-me em regiões mais ousadas, eu empurraria a mão dela e me afasto alguns passos para trás, colocando minhas mãos nos bolsos do casaco, enquanto ostento um sorriso debochado e fico com os ombros erguidos para trás, e começaria a cantarolar de maneira irritante, apenas podendo imaginar o quão "bravinha" Licia ficaria, e o quanto divertido seria observá-la nessa situação.

>><<

O comentário debochado dessa maldita loira consegue me deixar muitíssimo furiosa e igualmente envergonhada, acredito que minhas bochechas agora estão tão vermelhas quanto um tomate, e para demonstrar o quão irritada estou começo a fazer beicinho para ela enquanto a encaro com um olhar mortal.

Mas essa mulher cruel e repleta de perversão sofreria as consequências por cometer um sacrilégio. Com passos rápidos e pesados em direção a Licia, e bruscamente seguro abaixo do queixo dela com a mão em forma de pinça, repreendendo-a impiedosamente com um beijo profundo, para calar a boca dessa loira devassa. - Isso não é nem um centésimo do que você merece por falar muito. - Após aplicar a “cruel” penitência em Licia, eu me sentiria muito melhor, e até usaria um tom de voz sensual e divertido para atiça-la, sentindo-me verdadeiramente elogiada por ela.

>><<

Assim que Licia fizesse seu pedido minha pessoa também pediria algo para comer. - Vou querer o mesmo que ela. - Diria me referindo ao pedido da loira, já que o café da manhã não era meu principal motivo de estar ali, e Licia me parece sensata em relação a bom gosto, então não há motivos para não pedir o mesmo, além de ser uma forma de descobrir um pouco do que ela gosta. E antes de deixar a cafeteria eu pagaria minha conta e também a da “apressadinha”, se ela não se importasse é claro.

- Ah sim, eu vivenciei esse tipo de experiência, foi assim que decidi começar a dançar com uma lança, parecia divertido e desafiador, mas na verdade foi bem fácil e tedioso como tudo em minha vida. - Diria monotonamente, representando perfeitamente todos meus sentimentos para com as coisas diferentes que tento fazer, porém após a pausa de alguns instantes para continuar a falar, eu dei uma bela olhada em Licia, e me vi obrigada a retratar a frase. - Quer dizer, quase tudo, afinal divertido é muito pouco para descrever o que senti. - Termino de dizer com um ar mais cômico e impertinente. - Na verdade voraz é um adjetivo perfeitamente vossa pessoa ao meu ver. - Diria no meio da fala de Licia, enquanto desvio o olhar e “disfarço” tomando um gole de café, como quem tivesse pensado alto e depois arrependeu-se, apenas para o comentário passar despercebido, mesmo sabendo que não ocorreria.

Após ter escutado a história da loira eu me sinto muito confusa com alguns pontos. - Celestial?  Nunca ouvi falar de algo assim, e ilhas no céu! Não são coisas que contam para crianças em livros infantis? - Normalmente tais palavras seriam ditas em tons de gozação já que minha pessoa adora debochar e menosprezar os seres inferiores, porém neste caso eu não estou caçoando do sonho de Licia, e sim me sentiria realmente confusa tentando aprender mais sobre o que é um celestial e ilhas no céu… Apesar de eu acreditar que seja impossível algo assim existir, ainda sim continuo a prestar atenção nela. - De qualquer maneira, espero que consiga realizar vosso sonho, não esqueça de deixar a platéia eufórica e implorando mais. - Provavelmente este é o momento onde fui o mais gentil e verdadeira com alguém, com exceção de meus pais.

Porém, contudo, entretanto, todavia. Minha natureza não me permitiria deixar um desfecho tão melancólico e clichê encerrar a cena. - Apesar de que a mais bela de todas as anjas do paraíso está bem diante de seus olhos. - Então apenas daria ombros para, com um sorriso convencido formado nos lábios, após dizer apenas a verdade absoluta. - E está anja adoraria ver sua “apresentação”. - Digo ambiguamente, esboçando um sorriso malicioso.

>><<

Após escutar a confissão de Licia e observar o quanto ela parecia adorável e fofa, a vontade de implicar incendiou meu corpo. Novamente iria aproximar-me da loira, envolvendo sua cintura com os braços para dar um aperto firme no bumbum dela com as duas mãos, aproveitando para balançá-los um pouco também. - E minha pessoa irá pensar bastante nesses dois, são grandes e gostosos de apertar. - Diria igual uma pervertida, ficando com os olhos fechados, enquanto acena positivamente com a cabeça no ritmo que balança “os dois” alí atrás.

Imaginando que Licia ficaria constrangida ou um pouco brava (ou simplesmente com fogo naquele lugar…) eu rapidamente pararia de apertar o local e subo as mãos, ficando com uma no meio dos ombros e outras da cabeça da loira, e a puxo para uma abraço afetuoso enquanto afago seus cabelos dourados. - Perdoe minha indisciplina, mas vossa pessoa que é a culpada. - Digo com ar de convencimento para jogar toda a culpa em cima de Licia. - Você estava fazendo uma expressão tão adorável, se eu não a parasse, provavelmente estaríamos retornando ao seu quarto agora para eu sofrer minha punição má e criativa. - Dizendo com bastante malícia na voz. Então faço uma pequena pausa. - Também pensarei nos bons momentos que passamos. - Minha voz agora soaria mais afetuosamente, Licia sentiria o abraço ficar mais forte e apertado, enquanto apoio o rosto sob o ombro dela. Apenas preparando o palco para um desfecho terrivelmente dramático (só que não). - Você pode pensar, fantasiar e me desejar o quanto quiser, mas está proibida de brincar sozinha, exijo que vossa pessoa esteja “voraz como nunca” quando nos encontrarmos novamente. Digo a parte destacada em meio a sussurros abafados, apertando os ombros de Licia com os dedos. Antes de soltá-la novamente.  

>><<

Partiria com um sorriso no rosto em direção a Scarlet modas, pois confesso que Licia pode inflar meu ego um pouco mais (e ele nem é muito grande…), afinal ela se prontificou em descobrir quem eu era por conta própria. (Eu poderia ter me apresentado formalmente? Poderia.. Mas do que adiantaria, considerando a maneira totalmente informal que nos conhecemos e tudo que aconteceu naquele quarto). E não… Andreia não me lembrou ninguém…  

E novamente graças às instruções da loira pervertida, não foi difícil chegar até meu destino, logo uma ruiva veio receber-me, Ruiva. Scarlet. Não precisa ser uma gênia (e eu sou uma, só nunca me interesso em gastar meu tempo prestando atenção nos outros) para ao menos poder imaginar que ela é a proprietária, e visto que Licia falou para eu procurar por Andreia, deduzo que essa ruiva é a Andreia. (Ninguém pede para procurar por uma pessoa que não seja importante, e quem é mais importante do que a própria dona em uma loja de roupas?) - Eu me chamo Karelina, e você deve ser a Andreia, correto? A Licia da companhia de teatro recomendou-me vossa loja. -  Diria sendo muitíssimo carismática sorrindo largamente.

- Na verdade eu estou querendo mudar um pouco meu estilo atual, mas sem perder sensualidade, desejo roupas que possam realçar as curvas perfeitas desse corpo divino. - Apesar do bom humor e simpatia, eu jamais perderia minha prepotência. Diria com muita confiança, enquanto faço uma pose para que Andreia possa contemplar-me melhor. - Talvez óculos escuros, um cropped frente única roxo escuro, e uma mini saia de mesma cor, ah sim, e um short confortável de menor comprimento, você sabe, saias muito curtas possuem um certo problema "peculiar".- Diria mais como uma ideia para Andreia, mas não teria problema algum se ela me sugerisse algo diferenyr. - Antes que eu me esqueça, também gostaria de algo para mudar a cor de meus cabelos, mas que não seja permanente, podendo ser uma peruca também, porém não é algo que minha pessoa considere necessário. - Eu não pediria por calçado, e se Andreia me oferecesse eu tentaria desviar o assunto fingindo interesse repentino por uma peça de roupa qualquer.

Se a compra ocorresse bem, eu não teria problema em gastar dinheiro até me restar 100 mil bellys. Mas imaginaria que Andreia me vendesse por um preço menor que o de costume, afinal vim por recomendação de uma pessoa que no mínimo é conhecida dela.

>><<

Chegando no ferreiro que estava localizado próximo a Scarlet modas, logo iria procurar por um funcionário. - Bom dia, eu gostaria de comprar uma lança e um par de botas, se possível desejo que os calçados sejam minimamente agradáveis aos olhos. - A princípio, eu teria uma atitude casual e bem humorada, mas que pode mudar facilmente dependendo da resposta recebida. Minha vontade seria apenas de que os sapatos combinasse com o “disfarce”, mas não seria uma exigência. E não teria problema e gastar os cem mil bellys com ambos os itens.

Então me surge uma ideia. - Por acaso existe algum local onde eu possa testar os calçados, confesso que ainda estou aprendendo a utilizá-los em combate, gostaria de praticar um pouco. - Se quem estivesse me atendendo demonstrasse alguma atração para com minha pessoa, eu utilizaria um tom de voz que transmitisse a sensação de desamparo e insegurança, para motivar o funcionário a querer me ajudar. Caso contrário, eu manteria a casualidade, se eu fosse bem atendida.


Considerações ao meu Narrador Divo! (Que conseguiu fazer eu dar profundidade para uma personagem que deveria ser 100% superficial u.u):
 
Histórico:
 
Objetivos:
 

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Furry
Game Master
Game Master
Furry

Créditos : 54
Warn : Apresentação - 2: Falência ambígua 10010
Masculino Data de inscrição : 27/03/2015
Idade : 28

Apresentação - 2: Falência ambígua Empty
MensagemAssunto: Re: Apresentação - 2: Falência ambígua   Apresentação - 2: Falência ambígua EmptyQua 18 Dez 2019, 12:39




- Hnnn...Cuidado! Eu posso acabar ficando convencida demais se você continuar assim. - A conversa no entanto seguia - Acho que não. Já vi outros depois dela. Não são muitos… Como é que ela falou. Acho que era mar azul. Era como ela chamava os nossos mares. Quando perguntei ela disse que era porque o mar do céu é branco.

>><<

- Você acordou inspirada hoje. - Licia soltou uma risadinha enquanto cobria a boca com as costas da mão. - Mas se eu sou a mais bela de todas as anjas… Isso quer dizer… - Ela sorriu maliciosamente. - Que você é uma diabinha? - Foi possível ver rapidamente a pontinha da língua de Lícia passando por seus lábios. - A mais linda e perigosa Succubus? Que veio corromper esta linda e pura anjinha? - A loira se contorceu rapidamente. - Me deu até um arrepio. - Sorria mordendo o canto inferior do lábio como se lutasse para se controlar.

>><<

- Eiii.. - Licia dava um cutucadinha com o indicador entre os seios de Kare. - Se vamos falar de coisas grandes você tem duas bem aqui. Hehe, e também são gostosos de apertar. - Não deixando barato ela ergueu as mãos segurando-os firmemente.


- Sim… - Licia se afastava um pouco. - É melhor guardar um pouco pra depois. - Ela alisou a roupa e apertou uma perna contra a outra visivelmente tentando conter algo enquanto ouvia o restante das palavras de Kare. - E o mesmo para você. É melhor não se cansar muito ou então a punição pode não ser tão divertida.

>><<

As deduções de Kare estavam corretas e a mulher que lhe atendia era de fato a dona do lugar. A senhora sorriu ao ouvir o nome de Lícia inclusive questionando Kare sobre o estado da loira. - Faz tempo que ela não vem aqui. Fale pra ela aparecer mais. - Disse sorrindo enquanto chamava Kare para lhe acompanhar.

Os preços das roupas mostradas ali variavam de 30k a 50k Berries e Kare para comprar as 4 peças desejadas acabaria no fim gastando 160k os quais somados aos outros 5k gastos no café acabariam por consumir um pouco mais da metade do dinheiro que possuía…. Eu devo dizer que sinto-me estupefato com o quanto esta jovem cresceu, sendo agora mesmo, capaz de pensar racionalmente sobre o consumo do seu dinheiro…. Lágrimas escorrem dos olhos deste velho narrador ao observar tamanho bom senso.

Ali foi bem atendida, mas nada que pudesse ser tido como excepcional. Scarlet era alguém pratica e atendeu Kare com objetividade. Talvez isso pudesse ser do desagrado, mas para alguém como Kare que estava com alguns compromissos marcados poderia até mesmo ser o ideal. Sendo assim… talvez, só talvez Scarlet soubesse como observar mesmo os seus clientes.

- Eu tenho algumas perucas coloridas que o pessoal do teatro costuma comprar. - Informou ela guiando Kare até uma prateleira à esquerda no fundo. Ali encontraria perucas de 10 a 20k, o preço variando pela qualidade e comprimento da mesma.

O que totalizam aproximadamente 170 a 180k em gastos. (Informe o total no histórico)

>><<

- Aqui a gente vende botas de combate garota e não sapatilhas ou o que quer que você bonito. - Recebeu uma resposta atravessada do ferreiro que na verdade mal havia erguido os olhos para vê-la e sim havia continuado girando uma manivela que soprava ar em sua forja a carvão.

O ambiente era quente, meio escuro e com fuligem o que o tornava algo completamente oposto aos locais que Kare estava habituada a frequentar.

- JA ACHEI QUE IA TER QUE TE BUSCAR. - nesse momento entrava o aprendiz de ferreiro, o qual caso esteja curiosa não é aquele outro aprendiz, visto que essa também não era a mesma forja.

- Gire isso, e faça certo dessa vez. - o Aprendiz soltava o balde de carvão e corria para o fole a manivela assumindo o lugar do seu mestre.

- Tenho algumas lanças curtas, mas também umas maiores. - O ferreiro agora avançava para a parede onde havia lanças encostadas sem muito dirigir seus olhos para Kare, mas caso houvesse alguma reclamação da jovem a sua resposta seria ainda mais bruta. - Escuta aqui garota, se vai começar a chorar é melhor dar o fora. Não tenho tempo pra patricinhas mimadas que acham que são alguma coisa. -

O homem era peludo e barbudo ao menos tinha 40cm a mais de altura que ela e uma barriga proeminente, mas de aspecto firme. Seus braços tinham quase a largura da coxa de Kare. Seu rosto estava com fuligem e ele não parecia se importar em nada com a beleza da mulher a sua frente…. Talvez ele tenha preferência por mulheres mais cheinhas…. - Agora as botas são todas grandes e pesadas, afinal são de combate. Todas são pretas ou marrons. Mas se você quer algo menor recomendo uma caneleira ou uma joelheira. Também tenho algumas tornozeleiras que você pode pôr por cima do que estiver usando, mas vai ter que chutar com o calcanhar e tornozelo.

O homem teria continuado a falar independente da resposta de Kare, ele inclusive nem daria ouvidos a jovem falando por cima dela se necessário. Ele só pararia de explicar ao chegar no final ou caso ela abandonasse a loja revoltada, nesse caso ele ainda daria uma debochada. - NÃO DEIXE AS LÁGRIMAS CONGELAREM PRINCESA.


Mas caso Kare houvesse escolhido e pago por algo ele responderia a pergunta seguinte.

- Tem uns rolos de palha e uns bonecos de madeira no pátio dos fundos. Você ….MAS QUE MERDA MOLEQUE, VOCÊ TÁ GIRANDO MUITO RÁPIDO. QUEIMOU A MERDA DO METAL. - ela avançou sobre o aprendiz o agarrando pelo colarinho e o atirando para o outro lado da loja contra a parede onde o garoto se chocou com os escudos. - FICA PRA LÁ.  - ele apontou para a porta que daria para os fundos sem olhar para Kare e logo voltou a proferir impropérios enquanto tirava o aço queimado da forja e atirava para dentro de um tonel de água que fez uma absurda quantidade de vapor subir e chiar.

As armas teriam custado 30k cada. E não haveria qualquer faixa de negociação com o ferreiro que nem sequer havia se apresentado.



____________________________________________________



[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]


Voltar ao Topo Ir em baixo
Licia
Caçador de Recompensas
Caçador de Recompensas
Licia

Créditos : 14
Warn : Apresentação - 2: Falência ambígua 10010
Feminino Data de inscrição : 20/01/2019
Idade : 21

Apresentação - 2: Falência ambígua Empty
MensagemAssunto: Re: Apresentação - 2: Falência ambígua   Apresentação - 2: Falência ambígua EmptyQui 19 Dez 2019, 01:13


Mesmo sendo impossível crer que possam existir ilhas no céu com mares de nuvens eu não duvidaria de Licia, apenas ficaria um pouco surpresa e sem curiosidade por essas ilhas ou vontade de conhecê-las. " Não tenho nada para fazer nessas ilhas, muito menos com seus habitantes, as ilhas que caiam, assim como esses celestiais deveriam vir à terra para terem a honra de idolatrar-me, não o contrário.”  

O comentário da loira a respeito de minha “raça”/origem, me daria uma brilhante idéia para brincar com ela, assim que ela me chamasse de diabinha eu arregalava os olhos ficando boquiaberta como se estivesse assustada com algo. - Como conseguiu descobrir… - Diria com a voz trêmula, querendo dizer que ela realmente descobriu meu segredos. - Por ter descoberto meu segredo terei que devorar sua alma sem poder deleitar-me de sua luxúria. - Nesse momento eu estaria fazendo uma expressão que Licia consideraria como sedutora e perigosa, lambendo os lábios fazendo parecer que estou prestes a saborear uma apetitosa refeição, encarando-a intensamente com o olhar lascivo, talvez ela ficasse ainda mais arrepiada por isso. Tendo dito isto, eu não aguentaria manter a cena por muito tempo, deixando um riso escapar, e voltaria ao café da manhã, mantendo um semblante bem adorável, como se fosse uma pessoa completamente diferente.

>><<

- Mmmpf… - Deixaria escapar um gemido abafado enquanto mordo os lábios, e olho para Licia fingindo estar brava, mas seria uma atuação propositalmente ruim, para que a loira percebesse. - Pervertida! - Diria de forma arrogante em resposta a atitude audaciosa da loira. - Está mais para uma anjinha  travessa e impertinente… Ao menos faça essas coisas quando estivermos sozinhas. - Ainda manteria um pouco da arrogância, porém deixando claro a ironia no tom de voz, visto que acabei de fazer algo parecido.

- Hunpf. Como se criminosos medíocres pudessem entreter-me a ponto de ficar minimamente cansada. - Digo sendo totalmente convencida, e na sequência um sorriso malicioso se forma em meus lábios. - Não se preocupe, terei energia em excesso para aliviar isso que está tentando conter. - O tom de voz séria igualmente malicioso, deixando bem clara minhas intenções para com ela.

>><<

Durante o caminho até Scarlet modas eu faria uma pausa de alguns segundos no caminhar, levando a ponta do dedo indicador até a bochecha enquanto olho para cima. - Succubus… Não soa mal. - E após pensar  um pouco sobre o apelido voltaria a caminhar.

- Ah sim, eu irei avisá-la. - Diria em alto e bom tom, para responder Andreia sobre o comentário relacionado a loira. - ...se eu lembrar…- Sussurraria está última parte, para que seja inaudível, afinal lembrar de detalhes sem importância assim não é meu forte. E pode ser dizer que o relacionamento entre mim e Licia não é muito baseado em conversas...

Eu escolheria uma peruca curta de cor magenta, julgando por ser uma boa opção, levando em consideração a diferença de comprimento e tonalidade entre a peruca e meu cabelo, optaria por uma pela qualidade ao invés do menor preço. E na verdade me sinto satisfeita pela maneira como a ruiva foi objetiva em relação aos negócios. " Se precisar novamente de roupas baratas, talvez minha pessoa possa retornar aqui." Tal pensamento que poderia facilmente interpretado de maneira negativa, na verdade seria como um elogio de minha parte.

>><<

Eu observaria o ferreiro inclinando a minha cabeça um pouco para o lado, sentindo-me muito confusa. - Que estranho, graças a sua estirpe poderia jurar que estava lidando com um delicado alfaiate. - Tal comentário deixaria bem claro se tratar de uma ironia. Não posso dizer que estou surpresa pela grosseira, considerando o estado dessa forja, mas ainda é um incômodo lidar com gente naturalmente grosseira, ele ter se apresentado ou não era o menor dos problemas.

O restante seria difícil de prestar atenção visto que o ferreiro ficou fugindo do assunto algumas vezes, surtando facilmente começando a gritar "sem motivo algum", me fazendo ter que massagear minhas preciosas orelhas com a ponta dos dedos. - Tornozeleiras? Na mansão eu tenho uma estante "pequena" apenas para guardar as minhas, mas nunca considerei usá-las em combate. - Nesse momento eu apenas estaria dispersa pensando alto, sem me importar muito com estar sendo ouvida ou não. Mas se me fosse questionado a respeito da quantidade de acessórios que possuo, eu me veria obrigada a justificar-me. - Eu sei que uma estante é pouca coisa, na verdade eu não possuo o hábito de usar tornozeleiras, geralmente eu uso um closet inteiro para cada tipo de peça de roupas e acessórios. - Apesar deste comentário ter a possibilidade de ser visto como uma maneira soberba de gabar-me, eu diria com bastante naturalidade como se fosse a coisa mais normal do mundo, e até me sentindo um pouco envergonhada por ter pouquíssimas Tornozeleiras.

Então eu optaria pelas tornozeleiras, e escolheria uma lança que fosse um pouco maior do que minha altura, quando o ferreiro jogasse seu aprendiz contra os escudos, eu estaria observando a cena atentamente, me sentindo incomodada com algo em específico. - Espero que as tornozeleiras tenham a mesma resistência daqueles escudos. - Está séria minha preocupação, afinal se não fossem resistentes eu poder acabar machucando meus lindíssimos pés. Por algum momento alguém realmente achou que eu iria me preocupar com o ajudante? Por favor, eu tenho prioridades…

Então seguiria na direção apontada, me sentindo aliviada por deixar aquele espaço imundo, e também antes que toda aquela fumaça fique impregnada em mim. Deixaria sob a bancada 65k bellys, para o pagamento da arma, e se fosse questionada sobre o excedente, eu apenas iria virar o rosto sendo simpática e gentil. - É uma taxa de bonificação pelo excelente atendimento. - Diria sendo EXTREMAMENTE sarcástica. - Eu sei que a quantia é milhares de vezes maior do que o merecido, entretanto hoje acordei generosa. - Retribuindo assim toda a "gentileza" do ferreiro, com uma maneira bem mais sofisticada de se ofender.

>><<

Seguindo na direção do pátio eu estaria refletindo sobre o comportamento do ferreiro. " É a segunda vez que alguém se mantém completamente indiferente diante mim, será que ele tem a mesma preferência do Sr. Jaqueta amarela? Talvez eu deva apresentar eles um para o outro, isso reduziria consideravelmente o nível de estresse deles. " Aceno positivamente com a cabeça cerrando ambos os punhos, sentindo-me brilhantemente incrível, pela minha exímia capacidade de dedução, e também pela incrível idéia de juntar ambos.

Primeiramente encontraria que estivesse minimamente limpo, e de preferência com alguma cobertura, para evitar a neve, então deixaria o casaco dobrado, assim como o restante das compras junto da lança, e finalmente colocaria a tornozeleira, não, não ta errado, colocaria apenas a tornozeleira na perna direita, afinal é um acessório horrível a menos para usar. Eu me sentiria muito receosa nesse momento, pensando se realmente estaria fazendo a coisa certa, ao menos ninguém vai ver essa cena vergonhosa.  - Posso considerar-me ficar feliz por estar sozinha aqui, não sei o que faria se me vissem usando essas coisas horrendas no tornozelo, e para piorar, elas não combinam nem um pouco com o vestido. - Depois de juntar coragem suficiente para pôr a tornozeleira, eu caminharia até o primeiro objeto de treino que me servisse, visto que a única necessidade seria que fosse alto o suficiente para eu acertar chutes baixos e médios (lembrando que tenho quase 1,9m). Sem me importar se é um rolo de palha ou boneco de treino.

- O Sr. Ferreiro Irritadiço disse que era pra chutar utilizando dos calcanhares. - Eu me colocaria em frente ao objeto de treino, estando posicionada um passo para o lado para ser mais exata, e antes de realizar a execução dos golpes, eu me manteria equilibrada em um pé, enquanto movimento levemente a perna suspensa, para me acostumar com o peso das armas novas.- Seria assim?. - Após o breve "autoquestionamento", eu deixaria minha perna erguida ao lado do objeto e a moveria na direção oposta do mesmo, então retrocedo com a perna realizando um chute lateral com o calcanhar, mantendo o pé virado horizontalmente, para que a tornozeleira acertasse no objeto de treino. Repetiria tal movimento algumas vezes, 15 à 20 por série chutes com a perna direita, sem me prender muito a contagem, e é bem provável que eu me perca e tenha que começar do 0, com descanso de poucos segundos entre cada série antes de retornar a prática dos golpes. Mas por acreditar que algo tão simples fosse ser extremamente fácil de se fazer, eu não estaria de fato me dedicando, simplesmente chutaria com a intenção de acertar a tornozeleira no objeto de treino. Iria gastar algum tempo nisso até ter uma faixa de acertos minimamente aceitável.

E independente do resultado eu não me sentiria nem um pouco satisfeita, na verdade ficaria pensativa e indignada. Cruzei meus braços e fiquei olhando na direção do objeto, mas sem estar prestando atenção nele, mas sim dispersa em minha própria aversão. - Está terrivelmente errado, esses movimentos não belos e graciosos, não posso utilizar de golpes tão disformes durante minhas apresentações em combate, onde tem outras pessoas olhando. - Então uma idéia no mínimo interessante me vem à mente, fazendo-me arquear uma sobrancelha considerando a possibilidade, e um sorriso audacioso  surgiu em meus lábios. - Pode funcionar... -  

Eu começo a espalhar a neve debaixo de meus pés, para deixar menos escorregadio e respiro fundo como uma forma de ajudar-me a manter o foco, estaria com o corpo virado de lado na frente/lado do objeto de treino, mantendo os pés um pouco afastados entre si, alinhando joelhos e ombros. E repetiria o mesmo movimento, porém dessa vez eu usaria o pé de apoio como pivô, rotacionando-o e movendo sincronicamente o corpo em conjunto ao chute como se estivesse treinando um novo passo de dança, para deixar os chutes mais belos e harmoniosos (E também mais fortes… Mas não me importo com tais detalhes superficiais). Mirando novamente em acertar a tornozeleira no objeto de treino, com um “chute de calcanhar”. Novamente fazendo diversas repetições com pequenas pausas entre si, apenas me atentando a observar a progressão na eficácia dos chutes. E aos poucos aumentaria a angulação dos golpes, através da rotação do pé de apoio em harmonia com o giro corpóreo, até poder arriscar chutes de 180º.

Depois começaria a realizar chutes usando a parte frontal do tornozelo, seguindo a mesma premissa de utilizar todo o corpo para realizar cada golpe, lembrando de fazer as repetições alternadas. Agora tentando controlar melhor os chutes, para acertarem em alturas diferentes focando principalmente chutes baixos e médios. Praticaria também chutes mais altos mas por esses aparentarem ser de execução menos fácil, eu testaria no ar antes de arriscar com o objeto de treino, fazendo um arco lateral com a perna, até ficar com ela estendida apontada para cima e com um movimento rápido movê-la para baixo, faria esse aquecimento algumas vezes até sentir um bom equilíbrio, e começaria a praticar contra o objeto, acertando-o de cima para baixo com a tornozeleira. Lembrando de pausar alguns segundos entre cada séria de repetição, para evitar a exaustão rápida de minha perna.

Não ficaria o tempo todo apenas chutando, também faria algumas pausas de poucos minutos, assim que o cansaço começasse a incomodar e eu sentir o rendimento e produtividade diminuindo. Não iria atentar-me ao tempo gasto no patio, iria dar mais atenção a execução dos chutes, para torná-los mais fluídicos e harmônicos. Se não fosse interrompida provavelmente ficaria praticando por algumas horas até sentir alguma progressão na execução dos chutes, ou quando o possível cansaço não fosse recuperado com pequenas pausas, nesse caso acredito ser melhor interromper os exercícios, afinal ainda preciso “trabalhar” hoje, e o motivo principal seria para não machucar muito meu tornozelo.

Em algum momento eu imagino que ficaria entediada por praticar contra um objeto imóvel então como uma forma de descontração, eu arriscaria um movimento mais ousado, na verdade um pequeno “autodesafio”. Faria um salto curto, estando de frente para o objeto, com os pés previamente posicionados para adicionar giro durante o pulo, com a força da perna junto ao movimento do corpo para fazer um giro completo no ar, acertando com a tornozeleira no objeto de treino. Se por obra do destino eu viesse a me atrapalhar e estivesse prestes a cair, rapidamente iria equilibrar-me na ponta do pé e giraria o corpo como se estivesse em uma aula de ballet, para recompor-me e ainda fazer pose enquanto finjo arrumar os cabelos, com um ar de extrema confiança e frieza, dando a entender que foi tudo minuciosamente calculado. " Talvez ainda seja um pouco cedo. “

De qualquer forma antes de deixar o pátio de treino, eu retiraria a tornozeleira (Não sou obrigada a usar esse troço em público, arruína totalmente meu look), pegaria as coisas que deixei protegidas da sujeira e neve, mas não sairia imediatamente, esperaria pela temperatura do corpo abaixar um pouco, antes de vestir o casaco e finalmente deixar a forja, imagino que eu estaria com um pouco de sede, mas não iria me dar o trabalho de pedir para o Sr. Ferreiro Irritadiço, afinal ele é tão “”“simpático.””” Se fosse próximo de meio dia, eu iria retornar ao inferno (vulgo escritório/esconderijo do Hen). Caso contrário iria pensar em outra maneira de matar o tempo restante.


Ao avaliador.:
 
Histórico:
 
Objetivos:
 
Voltar ao Topo Ir em baixo
Conteúdo patrocinado




Apresentação - 2: Falência ambígua Empty
MensagemAssunto: Re: Apresentação - 2: Falência ambígua   Apresentação - 2: Falência ambígua Empty

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
Apresentação - 2: Falência ambígua
Voltar ao Topo 
Página 1 de 10Ir à página : 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10  Seguinte

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
One Piece RPG :: Oceanos :: North Blue :: Budou Island-
Ir para: