One Piece RPG
Cap I: Veneno de dois Gume XwqZD3u


One Piece RPG : A GRANDE ERA DOS PIRATAS
 
InícioBuscarRegistrar-seConectar-se
Últimos assuntos
» Evento Natalino - Amigo Secreto
Cap I: Veneno de dois Gume Emptypor GM.Doodles Hoje à(s) 22:49

» Nox I - Loucura
Cap I: Veneno de dois Gume Emptypor Catuios Hoje à(s) 21:31

» Sons of Vermillion's Blood: Gênesis
Cap I: Veneno de dois Gume Emptypor ADM.Tidus Hoje à(s) 20:08

» Bizarre Adventure: Smooth Criminal
Cap I: Veneno de dois Gume Emptypor Achiles Hoje à(s) 19:43

» Teleton Chronicles I: Retaliação
Cap I: Veneno de dois Gume Emptypor Sakaki Hoje à(s) 19:34

» [ficha] Hinata Bijin
Cap I: Veneno de dois Gume Emptypor Bijin Hoje à(s) 18:39

» Apenas UMA Aventura
Cap I: Veneno de dois Gume Emptypor Van Hoje à(s) 18:35

» Cap. 1: Laços entrelaçados, as chamas da revolução se erguem!
Cap I: Veneno de dois Gume Emptypor Wesker Hoje à(s) 18:07

» Buki Bijin
Cap I: Veneno de dois Gume Emptypor ADM.Ventus Hoje à(s) 17:02

» Arthas Mandrake
Cap I: Veneno de dois Gume Emptypor ADM.Ventus Hoje à(s) 16:58

» Bastardos Inglórios
Cap I: Veneno de dois Gume Emptypor Wing Hoje à(s) 16:57

» あんみつ - Anmitsu
Cap I: Veneno de dois Gume Emptypor Vincentão Hoje à(s) 16:03

» Unbreakable
Cap I: Veneno de dois Gume Emptypor ADM.Tidus Hoje à(s) 16:03

» Cap. 1 - Abrindo caminho
Cap I: Veneno de dois Gume Emptypor Fonseca Hoje à(s) 15:31

» [Mini-Theodore]
Cap I: Veneno de dois Gume Emptypor Death-D.Obscure Hoje à(s) 15:04

» [Ficha] Mikhail Vermillion
Cap I: Veneno de dois Gume Emptypor ADM.Senshi Hoje à(s) 14:40

» Mikhail Vermillion
Cap I: Veneno de dois Gume Emptypor ADM.Senshi Hoje à(s) 14:37

» Construindo o Começo
Cap I: Veneno de dois Gume Emptypor Graeme Hoje à(s) 13:17

» [Ficha] Coldraz Vermiillion
Cap I: Veneno de dois Gume Emptypor ADM.Senshi Hoje à(s) 11:35

» Coldraz Vermillion
Cap I: Veneno de dois Gume Emptypor ADM.Senshi Hoje à(s) 11:34



------------
- NOSSO BANNER-

------------

Naruto AkatsukiPokémon Mythology RPG

Conheça o Fórum NSSantuário RPG
Erilea RegionRPG V Portugal
The Blood OlympusPercy Jackson RPG BR
A Song of Ice and FireSolo Leveling RPG

------------

:: Topsites Zonkos - [Zks] ::


Compartilhe
 

 Cap I: Veneno de dois Gume

Ir em baixo 
Ir à página : 1, 2, 3  Seguinte
AutorMensagem
ADM.Tidus
Duque Azul
Duque Azul
ADM.Tidus

Créditos : 65
Warn : Cap I: Veneno de dois Gume 10010
Masculino Data de inscrição : 10/06/2011
Idade : 26
Localização : 5ª Rota - Pindorama

Cap I: Veneno de dois Gume Empty
MensagemAssunto: Cap I: Veneno de dois Gume   Cap I: Veneno de dois Gume EmptyTer 10 Set - 0:00

Cap I: Veneno de dois Gume

Aqui ocorrerá a aventura do(a) civil Georg M. Faust. A qual não possui narrador definido.


____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

Olá Convidado, seja bem-vindo ao One Piece RPG.
Links para ajuda: [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Punk
Pirata
Pirata
Punk

Créditos : 13
Warn : Cap I: Veneno de dois Gume 10010
Masculino Data de inscrição : 01/07/2013
Idade : 27
Localização : No barco

Cap I: Veneno de dois Gume Empty
MensagemAssunto: Re: Cap I: Veneno de dois Gume   Cap I: Veneno de dois Gume EmptySab 21 Set - 18:24



A felicidade algo muito bom, era exatamente isto que o jovem sentia naquele exato momento. “O mundo precisa de mudança .... As pessoas precisam sorrir mais Wa! ha! ha! Gwa! ha! ha!” Sua respiração era bem lenta e calma, enquanto curiosamente olharia as coisas em sua volta. Não muito tempo atrás o ocorrido com as pessoas que chamava de amigo ainda vinha em sua mente, para cada vida tirada uma risada. - Wa! ha! ha! Gwa! ha! ha! - Não precisava forçar um sorriso no rosto, era natural então zombeteiramente as palavras que saiam de sua boca. – O mundo realmente precisa mudar. – Passava levemente a mão sobre seu cabelo, apesar de muito animado, se sentia incomodado era como se algo lhe faltasse. “Preciso de uma garrafa de álcool.” Então enquanto caminharia por Conomi Island procuraria algum local que vendesse bebida alcoólica. – O mundo é um lugar para se divertir. Preciso de brinquedos novos, de um novo rumo para seguir. – Não escondia que estava perdido na vida, mas também isso não o afetava e nem mexia com seu humor, caso observasse algum bar ou taverna caminharia até o mesmo. Não encontrando perguntaria para a primeira pessoa que encontrasse. – Olá, tudo bem? Poderia me informar onde encontro uma taverna ou bar? – Assim seguira o caminho indicado.

Meus passos seriam confiantes, um sorriso largo no rosto então pediria uma garrafa de álcool. – Olá meu chapa, gostaria de comprar uma garrava de bebida alcoólica. – Aguardaria para saber o preço, tendo dinheiro disponível pagaria pela mesma. “Piratas, Wa! ha! ha! Gwa! ha! ha! seus malditos, me viciaram nisso e agora não estão aqui para se divertirem bêbados comigo.” Eu nem tinha bebido, mas acaba de ter uma ideia muito doida, que me fazia até o coração bater mais rápido uma sensação de diversão. “Que tal, fazer do Governo Mundial um brinquedo para mim divertir.” De fato, parecia até faltar um parafuso a menos na minha cabeça, admito isso, porém por que não? Tirar sarro do governo, até porque eles parecem ser bem divertidos. - Wa! ha! ha! ha! ha! ha! ha Gwa! ha! ha! ha! ha! ha! ha!. – Era uma sensação de prazerosa que ele tinha em mente, dentro de um pensamento bem perturbado ou alucinado vindo na sua cabeça, mas também era a mudança que ele procura para o mundo, animadamente guardaria sua bebida, faria um movimento meio que encarando o dono do estabelecimento com um sorriso no rosto. – Me diga, qual é o maior inimigo do Governo Mundial? – Começaria a procurar informações para por seu plano em ação.

Olharia o mesmo(a), aguardando por uma resposta ansiosa e tendo uma resposta negativa então diria. – Olha eu não sou maluco, sou um servo “leal” só quero mudar o mundo, por um mundo onde todos sorriem. – Apesar de tudo não era idiota de contar todo seu plano ou o que pretendia fazer, encarava a pessoa ao ponto de tenta-la fazer acreditar em mim então continuaria dizendo. – Sabe meus companheiros foram mortos, por pessoas desse grupo Governo Mundial ... – faria uma pausa meio dramática, digna de um ator, passando todo um sentimento de tristeza e comoção. – Então decidi que o mundo precisava mudar. – Colocaria minha mão sobre meus olhos enquanto olharia meio que entre os dedos. – Mas sei que sozinho não tenho forças suficiente para isso. – Com isso tentava arrancar informação para que eu encontre um jeito de chamar a atenção do governo, me aliando aos seus inimigos. Mas quem são seus inimigos? Essa era a pergunta que eu buscava a resposta.
Objetivos:
 




Historico:
 

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Bijin
Pirata
Pirata
Bijin

Créditos : 28
Warn : Cap I: Veneno de dois Gume 10010
Feminino Data de inscrição : 17/01/2017
Idade : 20

Cap I: Veneno de dois Gume Empty
MensagemAssunto: Re: Cap I: Veneno de dois Gume   Cap I: Veneno de dois Gume EmptySeg 23 Set - 22:43

Um anjo na Terra



Horário: 16:34
Temperatura: 27°


A ilha de Conomi, muito pouco conhecida no mundo, tem uma história terrível no passado, mas desfruta um momento de bonança nesse momento. Entretanto um estranho viajante, que misturava alegria e melancolia, andava pela cidade em busca daquilo que muitas pessoas buscam para fugir da dor.

O passado de Georg não foi fácil, ainda mais perder companheiros que lhe eram tão caros, e o pouco que deixaram para ele era sua sede interminável pelo alcool e a deliciosa vontade de lutar, ou melhor, brincar com o governo.

A ilha estava quente, perto dos seus 27 graus, mas com forte umidade dando aquela sensação de bafo na cara, mas já vinha perdendo temperatura e se tornava um pouco menos desconfortável. Principalmente para o celestial imigrante que caminhava no centro da cidade e olhava para uma placa escrito Taverna da Luta.

Entrando no ambiente o nosso protagonista foi logo atendido por uma linda moça que não deveria ter mais do que seus vinte e dois anos, cabelos compridos levemente ondulados e com as cores prateadas que chamavam a atenção de todos, principalmente porque era um verdadeiro contraste com sua pele morena.

- Bem vindo a Taverna da Luta! - Disse a moça já levando Faust a se sentar em uma mesa bem no meio do salão sem dar muita chance para ele. - Claro que vou lhe servir a melhor garrafa de alcool que temos.

A moça saia e deixava o jovem olhar a sua volta, a taverna era até bem espaçosa para o tamanho da vila em que estava, cabiam ali tranquilamente umas cinquenta pessoas sentadas, mas o que realmente chamava a atenção dele era uma pequena arena no centro do salão. Havia uma placa com as regras ali que pareciam bem estabelecidas.

1. Qualquer pessoa no bar pode desafiar outra pessoa para uma luta (trabalhadores da taverna não poder ser desafiados)
2. Não pode usar armas
3. Se matar será morto e se aleijar será aleijado.
4. Quem perder paga a conta do adversário.

A moça logo chegava com uma linda garrafa de Rum e um copo impecavelmente limpo, mas aproveitando o ensejo Georg já perguntava sobre quem era o maior inimigo do governo para a moça que olhando para um canto do bar, próximo a porta de entrada, aparecia dois cartazes, eram duas mulheres, uma delas era uma jovem loira e outra uma ruiva. A loira tinha uma recompensa maior que da ruiva. Eram duas piratas infames, Buki Bijin e Ria, a Ruiva.

- Aqui no bar a uma defesa que seja Buki Bijin. - Disse a garota sorridente. - Mas a torcida pela Ria também é grande, sabe, são duas piratas famosas e as duas vieram aqui dessa ilha. Gostamos de acompanhar as notícias delas. Mas pelas recompensas vou dizer para o senhor que a Louca a favoria a maior inimiga do governo.

Então o nosso protagonista celestial começava a explicar sua situação, que havia perdido os amigos para o Governo Mundial e que agora queria mudar o mundo, provavelmente para que isso não mais se repita e sabia que sua simples existência não faria isso sozinha.

- Bem, nesse caso... - A garota pensava um pouco. - Pode esperar mais umas duas horas, logo chegam alguns revolucionários, que ajudam a cuidar da ilha e eles sempre recrutam pessoas para seu exército, quem sabe você não seja um "bom pra nada" e se junte a eles. Mesmo fraquinho pode fazer volume. - Então ela fazia uma pause e olhando a Georg como se esperasse alguma coisa... - O Senhor não vai comer nada. Temos hoje Javali assado pelo nosso grande Chef.

Falas escreveu:


Observações:
 

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.][Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Punk
Pirata
Pirata
Punk

Créditos : 13
Warn : Cap I: Veneno de dois Gume 10010
Masculino Data de inscrição : 01/07/2013
Idade : 27
Localização : No barco

Cap I: Veneno de dois Gume Empty
MensagemAssunto: Re: Cap I: Veneno de dois Gume   Cap I: Veneno de dois Gume EmptyTer 24 Set - 19:24


Ah o inferno, não tinha lugar melhor para iniciar minha jornada num local tão quente como estava em Conomi Island, sentia que meu corpo estava tão quente como ferro em brasa e dentro de mim aumentava ainda mais aquele desejo pelo álcool. “Taverna da Luta” Claro que isso me chamou muita atenção abrindo espaço para um semblante feliz escondendo um sorriso malicioso, uma morena de cabelos prateados, aparentava ser o centro das atenções. “– Ótimo!!! Rainha Prateada ... é assim que eu gosto, o melhor para o melhor Wa! ha! ha! Gwa! ha! ha!” Brincar com a cabelos prateados parecia errado, mesmo que eu estivesse procurando por diversão. “Eu tendo minha parcela de álcool, já era lucro.” Enquanto eu não conseguida não deixar de reparar nas coisas ali do local minha curiosidade era muito grande, me fazia se perguntar. “Por que tem um clube da luta aqui?” Os passos dele seguia calmo e tinha os olhos fixos na arena e tudo mais. “Divertido!!!! Pessoas se enfrentando por conta de bar Wa! ha! ha! Gwa! ha! ha!”

Ela me mostrava cartaz de duas piratas, olhava com um sorriso no rosto, antes pegava minha garrafa de rum, que, com toda certeza era a coisa mais importante do mundo. “– Oh claro entendo! Pelo visto ah Baki, Bek .... não Bek é maconha, Buki Majin !!!! É a sua favorita!!!” Sabia que brincava com perigo, mas também usava da minha atuação, para se fazer de tonto, como se eu não estivesse lido corretamente o cartaz, forçava um pouco a vista, me distanciava um pouco o pescoço enquanto e ao mesmo tempo fingia não saber ler direito. “Wa! ha! ha! Gwa! ha! ha! Wa! ha! ha! Gwa! ha! ha!” Mas não deixava o sorriso escapar nenhuma vez, guardava ele comigo, ainda atuando com a moça de cabelo prateado. “- Nossa que infortuno, lá no céu não me ensinaram a ler direito. E não ouvi muito bem” colocando uma das mãos no rosto e balançando a cabeça negativamente. Na sequência mostrando minhas pequenas asinhas “– Mas só para ser do contra vou torcer para a Frangalha B. Rindo, porque sorrir é o melhor remédio Wa! ha! ha! Gwa! ha! ha!” E fazia um sinal de positivo, completando com. “– Ainda mais sucesso para elas! Já que são inimigas do Governo”

Duas horas para mim parecia que ia ser uma eternidade, mas ela me divertia me chamando de “Bom pra nada” e “fraquinho” , arrancava um sorriso forte do meu rosto. Então olharia com uma cara sério, sorriso maldoso escondido e diria para mesma. – Esse é o preço que o homem verdadeiro e generoso paga na vida ... – Uma pausa dramática e uma expressão triste como se estivesse lembrando dos meus falecidos amigos então diria sobre a melancolia da minha voz. – E serei odiado por todos por amor do meu nome; mas quem perseverar até o fim, esse será salvo. – Deixaria até uma lágrima escorrer do meu olho, mais falsa do que eu, porém transmitia um puro sentimento de dor, mas ao mesmo tempo de solidão então voltava a fala. – Não é qualquer pessoa que suporta a solidão. – Olharia para a mulher enquanto passava a mão sobre o meu olho. E voltaria a olhar nos olhos dela novamente, minha expressão mudava ficava séria enquanto eu a encarava. “Wa! ha! ha! Gwa! ha! ha! De fato é uma linda fabula, combina com minha história, pena que não sou verdadeiro e nem generoso, mas sobrevivi a solidão.”

Esticava os braços pois teria um longo tempo de espera, a prateada me encarava, dava uma risada, enquanto eu a olhava de volta e zombeteiramente respondia a moça. – Ah Claro! Vou comer você! Wa! ha! ha! Gwa! ha! ha! Aceita ticket alimentação Wa! ha! ha! Gwa! ha! ha! ..... brincadeirinha. – Em meio a uma pausa rápida eu já a respondia novamente. – Não estou com fome Wa! ha! ha! Gwa! ha! ha! – O jeito era esperar o exercito Revolucionário chegar e tentar me enturmar com esses patetas. Na maior cara de pau, após fazer uma brincadeira com a garota eu ainda pediria a ajuda da mesma. – Quando eles chegarem pode me mostrar quem é ? – Fazia um s2 com as mãos, em meio a um sorriso largo mostrando os dentes. Iria sentar em algum lugar e guarda minha garrafa de bebida, olhar as coisas em minha volta vendo se algo despertava minha curiosidade, enquanto pensava um pouco. “ Wa! ha! ha! Gwa! ha! ha! Piratas é? Como é bom navegar!!”

Assim que os tals mocinhos chegassem e eu fosse afirmado ou ouvindo algo de ligação com o tal exército, não perderia tempo, iria falar com eles, mostrando meu interesse em mudar o mundo, para algo melhor onde as pessoas pudessem sorrir, óbvio que meu objetivo era brincar com o governo mundial, mas usaria todas minhas artimanhas de atuação para convence-los. Falaria novamente minha história, que eu sobrevivi, que fomos eliminados porque eles estavam lá para eliminar líderes de alguma coisa que pode ser até mesmo revolucionários que foram mortos por agentes, mas eu nem sabia da existência do exercito até então. – Me de uma oportunidade, de mudar o mundo! Só isso que eu peço!
Off:
 

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Bijin
Pirata
Pirata
Bijin

Créditos : 28
Warn : Cap I: Veneno de dois Gume 10010
Feminino Data de inscrição : 17/01/2017
Idade : 20

Cap I: Veneno de dois Gume Empty
MensagemAssunto: Re: Cap I: Veneno de dois Gume   Cap I: Veneno de dois Gume EmptyQua 25 Set - 21:44



Um anjo na Terra



Horário: 17:24
Temperatura: 27°


Sabendo que a paciência é a mãe das virtudes, o nosso amado protagonista resolveu esperar os revolucionário enquanto apreciava seu delicioso rum, se os revolucionários iriam aparecer, por que ir atrás deles. Claro que por não saber como eram ou se vestiam, sabiamente pediu auxílio a moça para mostrar eles ao chegarem.

- Claro! - Disse ela sorridente e simpática não se importando com as brincadeiras de Georg. - Tenho certeza que ficarão felizes com seu interesse.

Então, sentado em uma mesa, com sua garrafa guardada sob suas vestes, o tempo passava lentamente e meia hora depois o bar começava a ter um certo movimento, Então em apenas cinco minutos um homem desafiava outro para a luta no ringue. Pela conversa do bar, ao que parecia um deles deu calote no outro e agora queriam resolver o problema pelo uso da força.

A luta não durou muito, Faust percebeu que nenhum deles era treinado em algum tipo específico de luta, mas o desafiado acabou vencendo a luta em um soco de sorte, sim, um soco que pegava bem na ponta do queixo derrubando o adversário. Todos a volta comemoraram e o vencedor ao sair, era recebido por uma turma com um copo de cerveja.

Mas um pouco depois o silêncio voltou a reinar, foi a entrada de quatro pessoas, um homem sem braço, mas com uma pistola no coldre, um outro com um taco de beisebol, um sem armas e outro com uma espada na bainha. Eles sentaram em um canto da taverna, bem iluminado e um degrau de 30 centímetros mais alto que as mesas, de maneira que poderiam olhar a todos.

- São eles! - Disse a moça. - Os revolucionários que você procura.

Sem deixar um minuto passar, o pretendente a revolucionário se levanta e vai até à mesa dos quatro homens e logo mostra seu interesse em fazer parte do exército, fala dos seus objetivos e desejos de mudar o mundo e então suplica por uma chance.

- Calma garoto! - Diria o homem sem braço e de maneira calma puxando uma cadeira para ele. - Temos vaga para todos que querem participar, não há problemas com isso. - O homem parecia realmente bem tranquilo. - Mas preciso que você preencha um papel, sabe, de inscrição?

O homem que estava desarmado estava então passa uma folha para o homem sem braço que repassava o papel branco meio amarelado para Georg. Ele observava que era um formulário simples, mas provavelmente fazia parte da inteligência dos revolucionários para ver se a história dele bate e ver se ele é "ficha limpa" ou se esta no rolo da "Lava Recruta", uma operação que limpava possíveis infiltrados.

Formulário::
 

- Meu nome é Grambos! - Disse o homem. - Regente da ilha e líder dos revolucionários. Me convença na escrita, vamos pesquisar sua vida. Conseguindo jpa tenho um belo trabalho para você

Falas: escreveu:
Grambos

Observações:
 

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.][Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Punk
Pirata
Pirata
Punk

Créditos : 13
Warn : Cap I: Veneno de dois Gume 10010
Masculino Data de inscrição : 01/07/2013
Idade : 27
Localização : No barco

Cap I: Veneno de dois Gume Empty
MensagemAssunto: Re: Cap I: Veneno de dois Gume   Cap I: Veneno de dois Gume EmptySab 28 Set - 18:58


Aquela luta realmente chamava minha atenção, parecia um bando de arruaceiros lutando de qualquer jeito não havia armas e pareciam não dominar nenhum estilo de combate. “Que jeito de lutar mais maluco.” E aquele sentimento dentro de mim despertava de uma maneira que era impossível de controlar eu queria saber mais, na minha cabeça eu me perguntava como? Mas não era só isso era muito mais do que isso era simplesmente, curiosidade. Olharia os movimentos atentamente enquanto fazia minha torcida e aquilo era realmente divertido. – Bom parece que temos um vencedor!!! – Andaria calmamente até ele, com um sorriso no rosto e com minha cabeça bem tranquila e assim que me aproximasse do vencedor eu então falaria. – Parabéns, pela vitória. Eu gostaria de aprender esse tipo de luta que usa, também poderia me falar um pouco mais? – Me era interessante, me perguntava por que não?

Era informado que eles acabavam de chegar, de primeiro instante logo me chamou a atenção então olhava para aquilo que as pessoas chamavam de Revolucionários. Um leve sorria abria sobre o canto da minha boca e um sentimento de felicidade, mas, não por ser eles, porque olhando para os tals rebelde a primeira coisa que vinha na minha cabeça era; “Vamos todos juntos com a turma do Pateta.” O líder não tinha um dos braços e a única coisa que eu pensava no momento era. “Caralho viado, como será que ele segura a camisa para não atrapalhar e limpa a bunda ao mesmo tempo, acho que ele deve cagar pelado.” Tinha muitas dúvidas sobre esses caras, porém me parecia que ia ser algo bem divertido me enturmar com essa galera e seguiria firme no meu plano. Pois ainda não tinha essa ligação toda com Revolução, queria apenas me divertir, queria ser um incomodo para o Governo enquanto daria risada na cara deles, porque eles não passavam de uma simples piada.

Preencheria o formulário com as seguintes informações. “George M. Faust, 18, ilha do céu. Não, Não, Sim, Não tenho cartaz, O que me motiva é mudar o mundo, para um mundo onde todos possam sorrir, Conheci o exercito por conta da moça desse bar de cabelos prateado que atente aqui. Deus, somente ele pode confirmar, pois agentes do governo, mataram todos que eram do bando que fiz parte.” Assim entregaria o papel para ele e ficaria aguardando pela resposta do tal Grambos enquanto isso usava um pouco da minha comédia. “ - Dois caçadores caminham na floresta quando um deles, subitamente, cai no chão com os olhos revirados. Não parece estar respirando. O outro caçador pega seu pequeno den den mushi, liga para o serviço de emergência e diz: 'Meu amigo morreu! O que eu faço?' Com voz pausada, o atendente explica: 'Mantenha a calma. A primeira coisa a fazer é ter certeza de que ele está morto'. Vem um silêncio. Logo depois se ouve um tiro. A voz do caçador volta à linha. Ele diz: "Ok. E agora? Wa! ha! ha! Gwa! ha! ha! Wa! ha! ha! Gwa! ha! ha!".

Trabalho? Ficaria aguardando o que o tal líder tinha a dizer, mas já estaria pronto para começar essa paródia. “Parece que as coisas vão ser animadas.” Não esperava por isso, mas me sentia curioso para saber o que um Revolucionário faz. “Mendigar?”

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Bijin
Pirata
Pirata
Bijin

Créditos : 28
Warn : Cap I: Veneno de dois Gume 10010
Feminino Data de inscrição : 17/01/2017
Idade : 20

Cap I: Veneno de dois Gume Empty
MensagemAssunto: Re: Cap I: Veneno de dois Gume   Cap I: Veneno de dois Gume EmptyQua 2 Out - 14:38



Um anjo na Terra




Horário: 17:24
Temperatura: 27°


  Com formulário preenchido e proposta aceita para se tornar um revolucionário. Grambos havia falado que inclusive já tinha uma missão para nosso amado protagonista, que com seu bom senso de humor tornava a conversa divertida e tirava alguns risos da patota revolucionária.

- A missão na verdade é duas. - Disse Grambos passando uma passagem para Georg. - [b]Primeiro você vai para uma ilha chamada Louguetown, la tem um quartel da Marinha muito grande. Eles possuem 4 sargentos e um tenente no comendo. - O revolucionário dava uma breve descrição da situação da ilha em relação a Marinha. - [b]Sua primeira missão é bem simples. Se inscrever na Marinha.

Grambos fez uma pausa e isso era indicativo de que ele esperava alguma reação por parte do seu novo recruta. Tendo reação ou não ele logo se colocava a falar.

[b]- Você não é procurado. - Disse Grambos. - [b]Nem possui um relacionamento com o Revolucionários. Pelo menos não oficialmente. - Então o homem tomava um belo gole de cerveja e se deliciava ao fazer isso. - [b]O que torna você perfeito. - Realmente era. - [b]Sua segunda missão é ainda de maior grandiosidade, ou seja, se tornar um sargento em Longuetown.

Novamente o chefe da ilha fez a pausa esperando a reação do recrutado. Não era uma coisa muito normal esse tipo de missão, como diria, mandar a pessoa se inscrever na Marinha, mas havia motivos para isso e o próprio Faust poderia imaginar o que os revolucionários poderiam estar imaginando.

[b]- Nós temos uma célula em Louguetown. - Disse o regente da ilha. - [b]Quando se tornar Sargento eles vão saber e entrarão em contato com você. Mas dali em diante será outras missões e até lá as duas primeiras missões são o que importa.

A passagem era para as 6 horas da manhã, a noite ainda seria longa e Georg poderia aproveitar para fazer mais alguma coisa, quem sabe aprender a lutar com o homem que havia vencido a luta anterior e havia respondido com um sinal positivo dizendo "Claro!" quando Faust havia perguntado se poderia aprender a lutar com ele.

Assim que acabava de falar com Georg, Grambos e seus homens saiam.
Falas: escreveu:
[b]Grambos

Observações:
 

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.][Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Punk
Pirata
Pirata
Punk

Créditos : 13
Warn : Cap I: Veneno de dois Gume 10010
Masculino Data de inscrição : 01/07/2013
Idade : 27
Localização : No barco

Cap I: Veneno de dois Gume Empty
MensagemAssunto: Re: Cap I: Veneno de dois Gume   Cap I: Veneno de dois Gume EmptyQua 2 Out - 18:40

Ao meu ver não era muito difícil me tornar um Revolucionário o que em minha mente parecia ser uma fragilidade do grupo rebelde, mas admito que também demonstra que eles têm um bom coração. “Agora sou um membro do exército revolucionário.” Pensava animadamente se isso me traria mais alguns benefícios além de diversão, como armas por exemplo, passagens para lugares, mercados negros, sei lá, não sabia nada sobre eles e sobre o que eles se envolviam. “hahahaha parece que agora vou ter que trabalhar ..... adeus vida de vagabundo.” Enquanto ouvia atentamente sobre a missão, iria me despertando curiosidade pois queria saber mais e mais, até então algumas coisas não faziam sentido nenhum e outras muito. “– Me alistar na marinha? Me tornar sargento? Mas por que? Wa hahahahahaha” Faria uma pausa sorridente demonstrando muito animo perante a missão dada pelo tal Grambos.


“– Tenho que admitir que isso é algo bem divertido e inusitado para mim, pretende atacar a marinha? Ou estar um passo a frente deles para coisas futuras? Com informações privilegiadas?” Eu até poderia não saber nada sobre o exercito em si, mas eu não era burro, não, de jeito nenhum, pelo contrario eu era um rapaz dotado pela genialidade e ligava as coisas muito rápido. “Talvez seja interessante eu aprender a me disfarçar, disfarce junto com minha habilidade de atuação, eu consiga me passar por um marinheiro sem nenhum problema, ser um mocinho da lei Wa ahhahahahahahah Gahahahahaha” Então era assim que os amigo do povo trabalhavam, o que não deve ser muito diferente dos agentes do governo. “Nos planta humildade para colher poder, a recompensa vem logo após .... Não sou um fora da lei, porque a lei quem faz é nós.” Então observava eles saindo do estabelecimento.

Aprendizado Luta de Rua.

Vou editar aqui e pôr o aprendizado, vou ver como está sendo feito post de pericias em outras aventuras, para eu não ser negado.

Fim do aprendizado.

Primeira coisa que eu iria fazer é perguntar que horas era, pois tinha que estar no local de embarque as 6 da manhã. “– Poderia me informar que horas são, por favor.” Perguntaria para qualquer pessoa próxima de mim, vendo algum relógio na parede não perguntaria nada, apenas me retiraria do local enquanto caminharia pelas ruas de Conomi, já ia em direção ao local onde eu iria para loguetown, enquanto olharia as coisas ao meu redor, enquanto pensava um pouco mais na missão. “Vai ser bem difícil eu sozinho .... e como vou saber que quando eu virar sargento a pessoa que me procurar é realmente um Revolucionário. Algumas coisas me preocupavam em partes, mas o risco de dar errado me divertia, desafiar os homens de branco era interessante, pois até onde eu sei eles estão abaixo dos homens de preto. Tentaria descansar bem próximo de onde seria meu embarque.

Dando tudo certo faria questão de estar pronto umas 30 min com antecedência e procurar o capitão ou navegador que ira me levar até a outra ilha, olharia na passagem para ver se tinha alguma instrução para seguir ou me localizar e assim que achasse. “- Bom diaaaaaaa!!!! Vamos para LogueTown ?” Faria uma pausa e me apresentaria. “ – Me chamo Georg Faust é um prazer.”

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Bijin
Pirata
Pirata
Bijin

Créditos : 28
Warn : Cap I: Veneno de dois Gume 10010
Feminino Data de inscrição : 17/01/2017
Idade : 20

Cap I: Veneno de dois Gume Empty
MensagemAssunto: Re: Cap I: Veneno de dois Gume   Cap I: Veneno de dois Gume EmptySex 4 Out - 21:18



Preparo para a viajem



Horário: 22:00
Temperatura: 22°


  Curioso e animado para se tornar um revolucionário, nosso celestial ficou ainda mais interessado, afinal se alistar na Marinha deveria ter um bom motivo, muito melhor do que emprestar a sua força para o Governo Mundial e essa curiosidade foi externada.

- Calma meu jovem! - Dizia Grambos com sorriso no rosto. - Mas você deve entender que quanto menos você souber melhor será. Ainda existem o risco de te pegarem na triagem.

Então todos partiam deixando o novo recruta sozinho. Mas ele já pensava em algumas coisas para fazer, como por exemplo aprender disfarce, mas nesse exato momento a oportunidade abriu para outra direção, justamente a de aprender a famosa Briga de Rua, que o vencedor da luta havia se oferecido para ensinar.

- Sim, mas não havia falado meu preço! - Disse o morador de Conomi Island. - Eu quero uma garrafa de Whisky e um belo prato de comida. Afnal vamos trabalhar juntos por um tempo.

Se perguntasse para a garçonete o preço da encomenda seriam 2.400 mil berreis a garrafa, como o celestial já havia pego uma ficaria em 4.800, mais 1200 berreis pelo prato de refeição do "treinador". Totalizando a conta em exatos 6000 berreis.

Caso aceitasse a proposta feita, além de ter que pagar a conta adiantado, nosso amado celestial passaria agora quatro horas com o homem, explicando as sutilezas de uma luta, como usar o ambiente ou mesmo como bater onde dói. E Então, após quatro horas de treino nosso amigo Faust já poderia ser considerado um excelente lutador de rua.

Ao acabar o treino o taekondista (se é que essa palavra existe) perguntava as horas e eram exatas 21:30 minutos. Então sem mais o que fazer o jovem iria para a o porto buscar um lugar para descansar e a verdade era que não havia muitas lugares grátis e confortáveis, sem falar o terrível vento gelado que fazia no porto, mas havia uma taverna com hospedaria, caso o jovem quisesse passar a noite seria uma bagatela de 4.000 berreris, o que consumiria uma parte dos seus recursos, mas que manteria o corpo saudável e sem dores, o que aconteceria caso o revolucionário se negasse uma boa cama.

Mas no dia seguinte, meia hora antes do navio partir Georg já estava lá a procura do navio, e para sua surpresa não era nenhum navio gigante ou coisa do tipo, uma simples escuna, onde todos dormiriam em rede e comeriam na cozinha, o banheiro era comunitário e o sacode das ondas do mar eram grandes. A princípio os passageiros eram ele e mais três pessoas, na verdade uma família, um casal e uma pequena criança de 2 anos de idade, uma menininha bem fofinha.

- Bem vindos ao meu navio! - Dizia o homem a frente da embarcação. - Meu nome é Joey, sou o capitão Joey. Vocês terão 3 refeições durante a viagem e não precisam se preocupar com mais nada, apenas aproveitem.


____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.][Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Punk
Pirata
Pirata
Punk

Créditos : 13
Warn : Cap I: Veneno de dois Gume 10010
Masculino Data de inscrição : 01/07/2013
Idade : 27
Localização : No barco

Cap I: Veneno de dois Gume Empty
MensagemAssunto: Re: Cap I: Veneno de dois Gume   Cap I: Veneno de dois Gume EmptySab 5 Out - 22:57



Quanto menos eu saber é melhor? Isso parecia ser algo bem divertido, o perigo é realmente uma atração. “ – É cada rei no seu trono e cada palhaço no seu circo Wahahahahaha Gwahahahaha” No momento talvez eu era apenas uma peça pequena de um jogo de tabuleiro, digamos que um peão era assim que eu me sentia. Bom não tinha como voltar atrás era o melhor jeito de eu chegar até o Governo Mundial para uma grande diversão, o mais irônico que passava na minha mente é que estarei indo para Loguetown e talvez ficar bem pertinho deles. “Vai ser um show de matar” Pagaria tudo que tinha que pagar, apesar de eu não ter muito dinheiro era o suficiente. “As vezes esqueço que sou bem pobre. Wahaha Gwahahaha” Agora conseguia usar outras partes do corpo além dos meus “poderosos” chutes isso me ajudaria muito dali em diante, já podia pensar em estratégia melhores.

Meus olhos arregalavam para aquele navio. “– Caraca!!! Os caras devem ser mais pobres do que eu!!! Wa hahahaha Gwa hahahaha” tirava um barato com Grambos e os Revolucionários de um jeito de não os mencionar. “– Muito prazer Joey, vamos para loguetown.” Porque eu viajaria com uma família? Algumas perguntas em minha cabeça, bom o jeito era se divertir, buscando sanar minhas curiosidades sobre as coisas, até porque não parecia ter muitas coisas para se fazer naquele navio. “– Bom dia, Senhores!!! Sou Georg Faust, é um prazer conhece-los e você também mocinha.” Deixaria um sorriso simpático no rosto. Esticaria os braços enquanto ouviria se eles me responderiam, na sequência perguntaria ao capitão. “– A viagem é longa?” Então sentava na rede que seria direcionada a mim, ou a que estivesse sobrando e olharia um pouco para o céu. “Ai ai ai quanto mais eu rezo, mais coisas estranhas me aparece, espera, eu não rezo.” Me sentaria e ficaria olhando para as coisas ao meu redor.

“– O que vocês vão fazer em Loguetown?” Perguntaria de maneira direta, caso me fosse perguntado de volta de maneira aleatória então responderia. “– Tentar a sorte por lá, quem sabe não encontro o caminho de casa.” mostrando minhas pequenas asas e assim completando. “– A ilha do céu.” A verdade que fazia tempo que nem me passava na cabeça como está as coisas em casa nesse momento, porém eu era mentiroso. Então olharia um pouco para o mar e logo me vinha algumas coisas na cabeça, aquele navio não tinha quarto o que era um grande problema para mim. “ Eu sou sonambulo, se ninguém me acordar eu tenho grandes chances de cair no mar .... Gwa hahahaha.” As coisas seguiam para um caminho bem engraçado, o que me forçaria a ter duas opções. “Ou eu conto com alguém para me acordar ou me tranco no banheiro na hora de dormir.” Animadamente me levantaria ali no navio e então me dirigiria a palavra a todos. “ – Bom , gostaria de falar algo muito importante!!! Eu sou sonambulo, então preciso que alguém me acorde caso venha acontecer de eu andar dormindo ou vou virar isca de peixe Gwa Hahahahaha.” Faria uma pausa enquanto daria uma gargalhada. “ – Segunda opção é eu me trancar no banheiro durante a noite, Wa hahahah espero que não esteja fedendo merda.”

Ouviria o que as pessoas tinham a dizer para que eu tome a melhor decisão, por mais engraçado que isso pareça em minha cabeça, não queria acabar no estomago de um peixe ou no fundo do mar. “Literalmente que bosta.” Apesar de toda a situação me manteria muito animado, mal esperava para chegar em Loguetown, pois aparentava ser uma cidade onde tem muitos problemas e eu adorava confusão. “Como será que vou trabalhar para a marinha e o exercito ao mesmo tempo? Se eu for descoberto, terei dois inimigos.”

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Conteúdo patrocinado




Cap I: Veneno de dois Gume Empty
MensagemAssunto: Re: Cap I: Veneno de dois Gume   Cap I: Veneno de dois Gume Empty

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
Cap I: Veneno de dois Gume
Voltar ao Topo 
Página 1 de 3Ir à página : 1, 2, 3  Seguinte

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
One Piece RPG :: Oceanos :: East Blue :: Conomi Island-
Ir para: