One Piece RPG
Capítulo 1.5: Uma nova tentativa - Página 3 XwqZD3u
One Piece RPG
Capítulo 1.5: Uma nova tentativa - Página 3 XwqZD3u


One Piece RPG : A GRANDE ERA DOS PIRATAS
 
InícioBuscarMembrosGruposRegistrar-seConectar-se
Últimos assuntos
» Pandamonio, Vol 1 - Rumo à Grand Line!
Capítulo 1.5: Uma nova tentativa - Página 3 Emptypor AoYume Hoje à(s) 15:08

» Pandemonium - 9 Brave New World
Capítulo 1.5: Uma nova tentativa - Página 3 Emptypor GM.Milabbh Hoje à(s) 14:50

» Uma promessa ao céu
Capítulo 1.5: Uma nova tentativa - Página 3 Emptypor Bolin Hoje à(s) 13:32

» Lealdade, Valor e Morte
Capítulo 1.5: Uma nova tentativa - Página 3 Emptypor Coldraz Hoje à(s) 11:47

» Steps For a New Chapter
Capítulo 1.5: Uma nova tentativa - Página 3 Emptypor Achiles Hoje à(s) 10:49

» Right Punch, Left Punch!
Capítulo 1.5: Uma nova tentativa - Página 3 Emptypor Razard Hoje à(s) 10:36

» ~ Acontecimentos ~ The Wonderful Land
Capítulo 1.5: Uma nova tentativa - Página 3 Emptypor GM.Milabbh Hoje à(s) 10:17

» Ler Mil Livros e Andar Mil Milhas
Capítulo 1.5: Uma nova tentativa - Página 3 Emptypor Shogo Hoje à(s) 9:22

» [Mini - Toji]
Capítulo 1.5: Uma nova tentativa - Página 3 Emptypor Mephisto Hoje à(s) 7:33

» Um Encontro Destinado
Capítulo 1.5: Uma nova tentativa - Página 3 Emptypor Cloe Kaminari Hoje à(s) 2:24

» Drake Fateburn
Capítulo 1.5: Uma nova tentativa - Página 3 Emptypor ADM.Tonikbelo Hoje à(s) 1:49

» I did not fall from the sky, I leapt
Capítulo 1.5: Uma nova tentativa - Página 3 Emptypor Formiga Hoje à(s) 1:47

» Alipheese Fateburn
Capítulo 1.5: Uma nova tentativa - Página 3 Emptypor ADM.Tonikbelo Hoje à(s) 1:43

» Sophia Aldebaran Rockfeller
Capítulo 1.5: Uma nova tentativa - Página 3 Emptypor ADM.Tonikbelo Hoje à(s) 1:38

» Vol 2 - The beginning of a pirate
Capítulo 1.5: Uma nova tentativa - Página 3 Emptypor Formiga Hoje à(s) 1:09

» [MINI-HOKI] O Espadachim Negro
Capítulo 1.5: Uma nova tentativa - Página 3 Emptypor Hoki Hoje à(s) 0:35

» União Flasco: Inicio do Sonho
Capítulo 1.5: Uma nova tentativa - Página 3 Emptypor Takamoto Lisandro Hoje à(s) 0:12

» I - Justiça: Um compromisso obstinado!
Capítulo 1.5: Uma nova tentativa - Página 3 Emptypor Hammurabi Ontem à(s) 22:57

» 11º Capítulo - Cataclismo em Skypeia!
Capítulo 1.5: Uma nova tentativa - Página 3 Emptypor Marciano Ontem à(s) 22:05

» Razão
Capítulo 1.5: Uma nova tentativa - Página 3 Emptypor Wing Ontem à(s) 21:48



------------
- NOSSO BANNER-

------------

Naruto AkatsukiPokémon Mythology RPG
Naruto RPG: Mundo Shinobi
Conheça o Fórum NSSantuário RPG
Erilea RegionRPG V Portugal
The Blood OlympusPercy Jackson RPG BR
A Song of Ice and FireSolo Leveling RPG
Veritaserum RPGPeace Sign RPG
Pokémon Adventure RPG

------------

:: Topsites Zonkos - [Zks] ::


 

 Capítulo 1.5: Uma nova tentativa

Ir em baixo 
Ir à página : Anterior  1, 2, 3, 4  Seguinte
AutorMensagem
ADM.Tidus
Duque Azul
Duque Azul
ADM.Tidus

Créditos : 77
Warn : Capítulo 1.5: Uma nova tentativa - Página 3 10010
Masculino Data de inscrição : 10/06/2011
Idade : 27
Localização : Fishman Island

Capítulo 1.5: Uma nova tentativa - Página 3 Empty
MensagemAssunto: Capítulo 1.5: Uma nova tentativa   Capítulo 1.5: Uma nova tentativa - Página 3 EmptyQua 6 Fev 2019 - 13:32

Relembrando a primeira mensagem :

Capítulo 1.5: Uma nova tentativa

Aqui ocorrerá a aventura do(a) civil Baltazar Vincent Encausse. A qual não possui narrador definido.


____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

Olá Convidado, seja bem-vindo ao One Piece RPG.
Links para ajuda: [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo

AutorMensagem
yalP
Membro
Membro


Data de inscrição : 23/02/2019

Capítulo 1.5: Uma nova tentativa - Página 3 Empty
MensagemAssunto: Re: Capítulo 1.5: Uma nova tentativa   Capítulo 1.5: Uma nova tentativa - Página 3 EmptySex 15 Mar 2019 - 18:57


Enquanto andava pelos caminhos floridos de Toroa Island, minha cabeça estava a mil. A ansiedade de voltar àquele lugar era muita, não somente pela possibilidade de reencontrar o Capitão, mas também pela peraltice de retornar a um local que havia feito tanto estrago. Era algo vivo, travesso, quase maligno, como se eu quisesse ver os frutos do meu trabalho. Era isso que se sentia estar realmente vivo? Era necessária essa emoção constantemente na minha vida? Será que não conseguiria viver mais sem esse sentimento?

A chegada na taverna fora mais discreta do que eu mesmo acreditava. O guarda estava na entrada, vivo. E com um olho muito roxo. Azar o dele por ter se metido no meu caminho. Lá dentro o barman ainda estava trabalhando, esse eu tinha que falar depois. Na primeira vez que nos encontramos havia mostrado total indiferença comigo. Será que dessa vez faria o mesmo? Bem, provavelmente chamaria mais guardas ainda, mas o impulso de ir lá agora era quase insuportável. Mais do que fazer ou não fazer alguma coisa, era muito mais excitante ver os resultados depois.

E infelizmente o Capitão não estava ali, o que já era de se esperar, mas haviam outros homens ali, dessa vez estavam fazendo coisas aleatórias e ninguém prestou atenção em mim. Em um primeiro momento me deixou irritada, em um segundo talvez fosse melhor assim. Imagina um grupo de guardas furiosos querendo me pegar! HUM, essa ideia não era de todo ruim. Um sorrisinho inclusive se formou no canto de minha boca involuntariamente.

Mas de todos que estavam no local, quem mais me chamou atenção fora a mulher. Num ambiente daquele, tão masculino, ou ela era uma aventureira, pirata, caçadora, qualquer coisa do tipo, ou uma prostituta. De uma forma ou de outra, ela poderia me servir bem essa noite. Com isso andaria discretamente até ela, tentando não chamar a atenção desnecessária, sem esbarrar em nada, sem tropeçar.

Por mais que eu andasse em terra firme, em nenhum solo era tão bom e fácil de me movimentar quanto na água. Lá meus movimentos são rápidos, precisos, suaves. Aqui desengonçados, lentos, cheio de tropicões. Sirenas não foram feitas para andarem em terra firme. Invejava meus primos tritões nesse sentido, eles se davam bem tanto em terra quanto na água. Mas em compensação numa corrida subaquática jamais nos venceriam.

Meus pensamentos voltam a mulher e tento observar como estava vestida, se de forma mais escandalosa, mais formal, mais guerreira, se possuía armas e exatamente o que estava fazendo. Independentemente do que conseguisse observar, chegaria ao lado dela e flertaria.

- A senhorita me pagaria uma bebida? Ou eu deveria pagar-lhe uma? Aliás o que você faz por aqui, minha querida?

Falaria com uma voz mais delicada, sedutora, esperava que minha aparência fosse o suficiente para fazê-la se interessar por mim. E dependendo da resposta, teria já a primeira impressão se era uma mulher mais dominadora ou submissa. Ai o restante da conversa dependeria se ela fosse do tipo mais comunicativa ou não. De qualquer forma, conseguiria mais informações sobre a mesma, de um jeito ou de outro.

Agora, se ela simplesmente me ignorasse, pegaria ela pelo braço e a puxaria até mim, aproximando meu rosto o máximo possível da mesma. Se ela soubesse lutar, eu provavelmente receberia algum golpe de volta, não me importava. Caso contrário estaria a minha mercê, para que eu aproximasse meus lábios nos dela.

OFF:
 

Histórico:
 
Voltar ao Topo Ir em baixo
Pyke
Membro
Membro
Pyke

Créditos : 7
Warn : Capítulo 1.5: Uma nova tentativa - Página 3 10010
Masculino Data de inscrição : 23/06/2018
Idade : 21
Localização : Shells Town

Capítulo 1.5: Uma nova tentativa - Página 3 Empty
MensagemAssunto: Re: Capítulo 1.5: Uma nova tentativa   Capítulo 1.5: Uma nova tentativa - Página 3 EmptyQua 20 Mar 2019 - 23:17

Narração

Baltazar Vincent Encausse

     O destino geralmente gosta de pregar peças nos desavisados, fazendo-os vagar pelo mundo correndo de seus caminhos só para descobrirem que seu percurso foi o que os gerou seus temores. Os maus se tornam bons, os bons maus, e assim por diante. Ninguém pode com precisão e certeza realmente prever o futuro e o que ele vai nos trazer, as vezes esperamos por um presente, uma satisfação, prazer, e recebemos dor, angústia e sofrimento. Agora, com o cenário a seu favor, Baltazar tinha encontrado finalmente algum grupo que ele já tivesse afinidade, os revolucionários.
     Apesar de ser mais inclinado a acreditar neles, o rapaz sentiu um pouco de incerteza naquelas pessoas, perguntando a eles - Seu objetivo? - e imediatamente teria recebido uma resposta da mulher, que não parecia preocupada com a precaução do menino. - Sim. Nós podemos ser contra o governo mundial e a marinha, mas ainda recebemos ordens como qualquer um deles. E essa foi a minha, assegurar o resgate de Dórian e seus companheiros, mas acho que esses eram só você. - Assim, continuaram com os acontecimentos anteriormente citados.
     Prosseguindo com a interação entre Encausse e toda aquela situação, o menino lembrava de tudo que tinha acontecido com ele até aquele momento, o que poderia ter sido o responsável por suas próximas falas - Strauss... Ele é uma dor de cabeça mesmo. E corrupto. - falava parecendo um pouco amargo e com desgosto. - Ele é uma dor de cabeça, mas as vezes eu entendo a raiva que ele sente… - teria falado a garota, enquanto olhava para o céu estrelado daquela linda noite. Depois de ter revelado o seu segredo, Victória sentia que tinha conquistado algum respeito do rapaz, porque imediatamente depois ele subiu em suas costas, colaborando com o resgate. Agradecendo pelo o que eles haviam feito, a revolucionária sentiu que eles haviam passado por maus e bocados antes deles chegarem. - Acho que se tivéssemos chegado um pouco depois esses dois estariam perdidos, não acha, Marco? - Falou enquanto olhava para o homem que antes tinha falado para apagar o garoto. - Sim, Strauss está realmente preocupado para ter feito isso. Não podemos ficar mais tempo falando, aquela bombinha e a tranca que coloquei na porta não vai segurá-lo por muito temp… - e antes que pudesse terminar a sentença, a porta do quarto, que se encontrava um pouco distante, era arrebentada em três grandes pedaços e fragmentos pequenos. Saindo de lá estava o tenente e os dois marinheiros, um com cortes na região do braço e barriga, enquanto o outro estava mancando. O próprio Strauss estava com um leve corte pela região do rosto, no supercílio, fazendo sangrar bastante.
     Arregalando os olhos de todos os três revolucionários ali, Victória não se deixou paralisar pelo acontecimento e logo quebrou o ocorrido, comandando - Corram, para as flores! - e logo em seguida disparos dos marinheiros começavam a voar em cima de todos, fazendo o passo se apertar ainda mais. Com um tiro, Marco levou um disparo no ombro direito, fazendo-o morder a boca e abafar seu gemido de dor. Entretanto, continuou correndo com Dórian e o outro revolucionário. - Eu consigo! Vamos completar a missão! - E assim prosseguiram ao mar de tiros, que eram disparados pelo revólver do tenente e duas carabinas dos marinheiros.
     Antes que pudessem segui-los, outra bomba de gás foi liberada pelo grupo, que fez o momento perfeito para que eles pudessem se afastar mais daquele confronto, que não iriam vencer. Depois de correr bastante, o grupo parecia estar no meio de duas grandes casas, mas bem distantes umas das outras, no meio de muitas coloridas e lindas flores, envoltos como a lua é pelas estrelas. Com bastante dor, e agora não aguentando a perda de sangue com a corrida, Marco cambaleou e se ajoelhou no chão, respirando ofegante. - Ainda bem que chegamos, não se preocupe, meu amigo. - Disse Victória à Marco, e pisou forte três vezes no chão, deu uma pausa, mais três vezes e arrastou o solo, falando. - Que o inimigo sucumba a nova era da revolução. - Andando para trás, um alçapão de madeira se ergueu do chão, levantando as plantas e terra falsas de um quadrado de 1 metro e meio por 1 metro e meio e revelando o rosto de um homem barbudo. - Que bom que chegou, estávamos preocu.. - e vendo a situação de todos cansados e machucados exclamou - MINHA SANTA MADRE!! Vamos logo entrem aqui antes que os vejam!! - e adentrando no alçapão, um corredor de escadas os encontrava. - Vamos lá, menino, acho que agora não tem mais volta pra você. Bem vindo ao nosso abrigo temporário. - disse a garota enquanto o levaria para dentro do lugar, seguida dos outros companheiros. O homem barbudo imediatamente ajudaria Marco e seguraria Dórian, caso Encausse não rejeitasse entrar.

Kana Nobushi

     O dia não parecia ser melhor para se fazer uma boa ação, com uma recompensa tão bonita da natureza, como o céu estrelado, Kana sentia que precisava sair e interagir um pouco com o mundo antes de encontrar seu tio. Lembrando-se da idosa que vivia perto de sua casa, a garota não esperou mais para pegar uma pequena bolsa e colocar algumas coisas que pudesse levar a ela. Infelizmente, não parecia que haviam estoques de remédios dentro da casa, ou seu tio havia levado com ele, ou teria realmente entrado em falta dentro da residência. De qualquer maneira, a menina pegou um pão e uma geleia e os colocou dentro dela, procurando fazer um bom grado a sua vizinha que frequentemente batia papo com seu tio.
     Antes que fosse sair de dentro da casa, a menina pegou uma das canetas que haviam dentro de uma gaveta do cômodo e um papel. Assim, deixou uma pequena cartinha para Takashi, explicando a situação e que levaria um pouco de comida para a idosa ao lado, como uma forma de gratidão pela gentileza. Saindo e fechando a porta da casa, ela finalmente estava no mundo a fora, mesmo que sem seus habituais cosméticos de curandeira, ela ainda poderia aproveitar aquele momento para treinar seus conhecimentos. Passando a caminhar pelo caminho de pedras, novamente o vento esbarrava seus cabelos e os faziam voar na brisa, espalhando agora um cheiro agradável e gostoso de flores. Foi com esse sentido que ela pode identificar uma das plantas ao redor, uma alfazema, flor bastante conhecida pelo seu aroma e propriedades medicinais, como suas folhas, quando preparadas, ajudarem contra a tosse, bronquite, queimaduras e enxaqueca. A menina poderia tentar colher algumas para guardar, mas talvez não fosse tão útil sem os ingredientes e ferramentas necessárias para seu preparamento.
     De repente, antes que pudesse reagir, um movimento rápido passou a ocorrer a alguns metros da menina, como se estivesse se esgueirando pelas flores. Podendo se posicionar defensivamente para o que quer que viesse para cima dela, as plantas passaram a se contorcer a alguns metros dela a sua frente. Vindo muito rápido, o objeto ou coisa que estivesse alí seria no mínimo algo muito forte. Com uma tensão bem grande no ar e se preparando pelo PIOR… um coelho lindo e fofo colocou suas orelhas e rosto para fora da vegetação, revelando uma boca cheia de flores enquanto ele mastigava rapidamente. Talvez isso tivesse assustado a menina, mas ao menos fez a senhora, que se encontrava na varanda de sua casa gargalhar de rir. - Esse é o Snifers, meu companheiro de vizinhança. Espero que ele não tenha assustado você!! BUUUAAHAHAHAHAHA!! - e ela soltava mais uma risada cheia de vida. - O que faz acordada a essa hora da noite, menina? Na sua idade eu estava dormindo para acordar cedo no dia seguinte! - a idosa com algumas rugas no rosto, mas bem conservada e com postura boa, soltava um sorriso quente e amigável pra menina. - Você é a sobrinha do levado do Takashi, não é? - perguntava a idosa. Talvez ela tivesse mais informações sobre o tio, ou quem sabe pudesse ajudá-la também com alguma coisa.

Tamara

    Como na maior parte do oceano, a vida floresce das mais diferentes maneiras, sendo capaz de florescer nos mais abissais lugares até os mais próximos da costa. Vindo de uma diversidade enorme, o ciclo entre animais e plantas equilibra o ambiente marinho e faz daquele universo algo sustentável e existente. Com um pequeno desbalanço, muitas coisas podem mudar, para o melhor ou para o pior. Assim como o mar, aquela taberna estava repleta de vida, mas pouco equilíbrio. Ao que se poderia ver, vários homens se encontravam sentados, torcendo como estavam, ou jogando cartas, mas apenas uma mulher estava parada como cliente ao redor deles, como um trevo de quatro folhas na grama verde.
     Inicialmente chamando sua atenção, a sirena não se sentia também nem um pouco habituada a andar em terra firme. Mesmo conseguindo traçar seu caminho até o bar, isso não lhe retirava o cuidado de ter que se equilibrar propriamente em sua cauda, ou diria tentáculos! Apesar de não estar usando roupas adequadas para passar despercebida, todos pareciam estar ocupados demais para notarem sua forma desengonçada de andar e a sua parte marinha. Antes de se aproximar da mulher, a sirena parou e deu uma boa olhada no seu tipo. Morena, de roupas leves, um chapéu triangular e horizontal, um alargador na orelha direita e uma grande espada na cintura, ela também já estava olhando para a menina quando chegou no estabelecimento, por mais surpreendente que parecesse.
     Chegando mais perto, a garota não resistiu a possibilidade de ganhar algo a mais com a moça e disse -  A senhorita me pagaria uma bebida? Ou eu deveria pagar-lhe uma? Aliás o que você faz por aqui, minha querida? - tentando flertar com ela e ganhar alguma confiança, ou quem sabe algo a mais. - Eu não sei, o que você tem a me oferecer, garotinha? - responderia a mulher, que passaria a lhe encarar dando um sorriso leve, enquanto posicionaria a mão esquerda apoiada fracamente no punho de sua espada. - Por que quer saber o que eu faço aqui? Sabe, cuidado com o que você deseja, pode não ser o que você espera. - e assim a mulher se aproximava rapidamente do pescoço da menina, dando um beijo confortável e rápido, antes mesmo que ela pudesse fazer alguma coisa. - Sabe, tem um quarto aqui em cima que poderíamos usar para resolver nossos “objetivos”... - E assim ela parecia estar partindo direto aos braços da sirena, afinal sua beleza era muito destacável. Entretanto, o rosto da morena era incrivelmente mais bonito de perto do que se poderia ver de longe, talvez para se esconder de assédios vindo dos homens do bar, fosse melhor para que ela pudesse beber em paz.


Falas:
#Baltazar
#Kana
#Tamara
#Victória
#Marco
#Tenente Strauss
#Dórian
#Idosa
#Mulher Misteriosa
#Barbudo Revolucionário
#NPCs Gerais

Pensamentos
#NPCs Gerais

Off:
 

Histórico:
 

Clima 25ºC | Céu limpo | Horário: Noite/Madrugada

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

____________________________________________________

Fala / Pensamento

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Padre
Civil
Civil
Padre

Créditos : 6
Warn : Capítulo 1.5: Uma nova tentativa - Página 3 10010
Masculino Data de inscrição : 14/11/2018
Idade : 24
Localização : Mauá, SP

Capítulo 1.5: Uma nova tentativa - Página 3 Empty
MensagemAssunto: Re: Capítulo 1.5: Uma nova tentativa   Capítulo 1.5: Uma nova tentativa - Página 3 EmptyQui 21 Mar 2019 - 0:23

Baltazar Vincent Encausse
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
O garoto ouvia a resposta da revolucionária tentando compreender e ligar os pontos entre Dórian e aquele povo, talvez estivesse destinado a criar afeição por pessoas ligadas aquele grupo, pelo menos era o que pensava. Ao mesmo tempo também se perguntava se Dórian era um traidor infiltrado nos "PirArts", eram tantas as chances, visto que aquele mundo era carregado de conspirações, preferiu então se calar e esperar pra ver no que ia dar.

Se os únicos companheiros de Dórian que foram pegos, foi eu, isso significa que Dianne está a salvo... Ufa.

Prosseguindo, quando o assunto chegava em Strauss, Baltazar se surpreendia com o tato da mulher ao falar sobre aquele homem, partia da suposição de que o marinheiro e aqueles revolucionários já deveriam ter um histórico longo. Ver ela agir do jeito que agia, o fazia abrir um sorriso involuntário (o que consequentemente fazia com que aos poucos ele voltasse a se sentir mais como ele mesmo), mas mesmo assim não discordava de suas ideias.

Ser uma pessoa ruim é uma escolha, não importa o quanto você já tenha passado. Eu não me considero o tipo de pessoa elitista, sabe Victória? Mas todos carregamos nossas perdas, eu mesmo sei que ainda vão vir mais algumas pela frente, se eu torturasse todos que eu acho que mataram o meu ex, minha alma estaria perdida a esta altura do campeonato. — Encarava o céu estrelado sabendo que havia melhorado, mesmo que um pouco, desde que havia perdido Willy. Um luto não podia durar pra sempre, assim como o mesmo valia para um desejo de vingança, seu coração estava repleto de saudades, mas também estava no lugar certo.

Já nas costas da garota, ouvia a suposição dela sobre que achava que estava prestes a acontecer do lado de dentro daquela sala.

Eles não fazem a mínima ideia...

Ele responderia após o companheiro de Victória concluir, mas seus olhos imediatamente arregalavam com o impacto da porta sendo aberta. Marco dizia algo interessante: Strauss estava preocupado, por isso estava indo full hardcore contra os garotos, mas o que isso significava? Os PirArts não eram só mais um bando comum? Por que aquilo ela tão importante a ponto dele agir daquele jeito? Não importava.

Ao enxergar finalmente o rosto de Strauss, percebia o machucado que haviam deixado nele e nos outros marinheiros.

Eu quase me matei para conseguir acertar a arma que estavam na mão dele, esses dois são fortes.

Novamente olhando para frente, ao ouvir a ordem dada por ela, se segurava mais forte tentando dar a entender que ela tinha o aval para ir mais rápido se quisesse, então abaixava a cabeça para evitar ser atingido por algum tiro, foi então que o ouviu o tiro.

Hey... — Era tudo o que conseguia dizer no meio daquela confusão. Confiando nas palavras do rapaz, focou em quem estava com ele, aquele com certeza não era um dia fácil e habitual. Parecendo que eles tinham tudo sob controle, apenas se preocupando em não e cair e segurar o corpo da Victória com força, perdia-se em seus pensamentos.

Será que eles conhecem ELE? Isso seria legal, poder reviver e compartilhar algumas memórias. Eu nunca me envolvi com eles, já que você não deixava, Willy, mas agora vai ser uma ótima maneira de te entender de uma maneira melhor do que eu jamais entendi antes.

Entre devaneios, passava-se um tempo até que eles finalmente alcançavam o que parecia ser o objetivo final, os olhos do loiro pairavam sobre as flores com admiração, aquele era um dia difícil, mas também tinha a oportunidade de conhecer muitas paisagens novas, não paisagens, obras de arte.

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

Após sair do transe causado pela paisagem, percebia que Marco não estava muito bem, mesmo com o rapaz sendo um pouco bruto, aquilo preocupava Baltazar, que já sentia certa afeição por quem lhe salvou, mas nada falava, concluía que Victória era a melhor opção na hora de lidar com o rapaz e com todo o resto.

Observando o que parecia ser um ritual pra recitar uma senha de entrada, logo fazia uma cara surpresa ao ver que um rapaz barbudo saía do chão.

Eu achei que... Ah, deixa. — Soava confuso e tropeçava nas palavras, ele achava que o esconderijo era uma das casas, ficava com vergonha, apesar de perceber que o rapaz estava tão perdido quanto ele, mesmo que em âmbitos diferentes. Ao ser chamado por Victória, imediatamente concordava balançando a cabeça. — Eu não tenho família aqui, o mais próximo disso seria o Dórian e a gente se conheceu hoje... Então, se não se importar, ficarei sim com vocês, pelo menos por enquanto. Obrigado, Victória.

Sorria amigavelmente para a mulher, sem saber se ela olharia para ele ou não.

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

Em seguida, olhava mais uma vez para Dórian, dessa vez preocupado e torcendo para ele ficar bem e então apoiava virava novamente para frente e apoiava o queixo sobre o ombro da mulher.

OFF:
 

Histórico:
 





____________________________________________________

Objetivos escreveu:
Primários:
( ) Aprender ilusionismo.

Longo Prazo:
( ) Comprar botas.
( ) Conseguir uma recompensa.
( ) Conseguir uma Akuma no Mi.
( ) Adquirir Vantagem: Aparência Inofensiva.
( ) Adquirir Vantagem: Adaptador.
( ) Adquirir Vantagem: Liderança.
( ) Aprender o ofício "Gatuno".
( ) Aprender a usar os Haki's.
( ) Aprender um Rokushiki.



Aventuras:
 


[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
yalP
Membro
Membro
avatar

Créditos : 6
Warn : Capítulo 1.5: Uma nova tentativa - Página 3 10010
Masculino Data de inscrição : 23/02/2019
Idade : 30

Capítulo 1.5: Uma nova tentativa - Página 3 Empty
MensagemAssunto: Re: Capítulo 1.5: Uma nova tentativa   Capítulo 1.5: Uma nova tentativa - Página 3 EmptyQui 21 Mar 2019 - 22:35

Não somente a mulher havia me chamado a atenção, mas aparentemente eu havia chamado a atenção dela também. Não que fosse muito difícil, afinal não é todo dia que se vê uma sirena por aí. Ainda mais uma tão bela e encantadora quanto eu. E modesta, é claro. Mas não foi a atração dela que mais se destacou para mim, nem mesmo a beleza, nem as roupas e arma que para mim gritavam “pirata”, mas sim o quão fácil parecia eu encantar as pessoas naquele lugar. O Capitão havia caído no meu jogo feito um patinho, e agora minha nova amiga também. Se bem que eu não acreditava nisso realmente.

Precisava responde-la rápido, porém pelo jeito da mesma, parecia mais que ela estava me levando para um interrogatório do para diversão. Ainda assim não me importava. Se ela fosse um pouquinho mais selvagem, seria ainda mais interessante.

- Tenho a oferecer uma noite que você nunca esquecerá!

Já havia usado essa tática antes e havia funcionado. Mas independentemente se ela acreditasse ou não, parecia já disposta a fazer minha noite inesquecível. Já havia descartado a ideia de ela ser uma prostituta. Não estaria carregando uma espada por aí se fosse uma, além de estar vestida muito pobremente para isso. Uma caçadora, talvez, uma pirata, mais talvez ainda. De qualquer forma parecia ser uma mulher que sabia se cuidar por conta própria. O que já era óbvio por estar ali naquele lugar.

- Eu aceito ir para esse quarto, e espero que as coisas não sejam exatamente como eu espere, assim vai ser mais divertido ainda.

Dou uma piscadela e um sorrisinho. Sabia que algo aconteceria no quarto, e sabia que seja lá o que fosse, eu apreciaria de alguma forma. A necessidade de diversão e excitação estavam tomando conta de mim, e a não ser que ela me matasse no andar de cima da taverna, o que seria trágico, encontraria essas emoções que tanto desejava.

Partiria na frente, mesmo não sabendo onde exatamente era o lugar. Seguraria a mão da mulher se a mesma deixasse e “correria” em direção das escadas, esperando que não houvesse um guarda para o andar de cima como na outra vez. Se tivesse, deixaria minha amiga resolver, já que se ela tinha um quarto ali, teria livre passagem também.

Chegando no quarto, me atiraria na cama se pudesse e esperaria ela agir. Como já havia demonstrado iniciativa ao me convidar, não seria tímida ao ponto de não fazer nada. As coisas estavam começando a esquentar. E por mais que fosse loucura, esperava que ficassem até quentes demais.

Histórico:
 

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] || [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
2Miaus
Pirata
Pirata
2Miaus

Créditos : 5
Warn : Capítulo 1.5: Uma nova tentativa - Página 3 10010
Feminino Data de inscrição : 22/05/2012
Localização : São Paulo

Capítulo 1.5: Uma nova tentativa - Página 3 Empty
MensagemAssunto: Re: Capítulo 1.5: Uma nova tentativa   Capítulo 1.5: Uma nova tentativa - Página 3 EmptyDom 24 Mar 2019 - 16:11







Kana Nobushi

Idade: 22 anos



Kana vasculhou os armários a procura de algum remédio, mas seu tio deveria ter levados todos. Talvez o paciente que ele foi ver de madrugada deveria estar muito ferido, nesse caso a jovem queria ter ido junto. Seria uma ótima oportunidade para aprender coisas novas com seu tio, mas pelo menos tinha pão e geleia, ela embrulhou os alimentos numa toalha e saiu de casa.

Enquanto caminhava pela noite fresca, a jovem reconheceu entre as flores a Alfazema, preferiu colher algumas flores e folhas, mesmo que não tivesse os itens necessários, pelo menos já tinha o ingrediente principal se caso precisasse usar.

Então as flores ao redor começaram a se mexer, Kana ficou numa posição defensiva, o que quer que fosse vinha muito rápido em sua direção. Quando imaginou que seu inimigo iria dar o bote, ela prendeu a respiração, devido ao suspense e a expectativa de um combate, mas um coelho se revela e a encarava tranqüilamente enquanto mastigava as flores. A jovem suspirou aliviada.

- Você me assustou amiguinho. - Disse sorrindo para o animal.


A velha senhora estava na varanda e viu tudo que aconteceu e achou graça do susto da jovem. Kana se aproximou da casa.

- Oi...só me assustei um pouquinho hehe. Ahh perdi o sono e decidi fazer uma visita.

Ela abriria a bolsa e entregaria os mantimentos enrolados na toalha. Também sentaria na varanda em algum lugar, a noite estava agradável e ela queria aproveitar a noite estrelada.

- Sim, que bom que a senhora ainda lembra de mim. Meu tio saiu para atender algum paciente e não queria ficar sozinha em casa, por isso vim aqui. Espero não estar atrapalhando seu sono.



- Fala
“Pensamento”

OFF
Spoiler:
 

Histórico
Spoiler:
 



____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

Ficha:

Spoiler:
 


Aventura:

Spoiler:
 


Objetivo:

Spoiler:
 
Voltar ao Topo Ir em baixo
Pyke
Membro
Membro
Pyke

Créditos : 7
Warn : Capítulo 1.5: Uma nova tentativa - Página 3 10010
Masculino Data de inscrição : 23/06/2018
Idade : 21
Localização : Shells Town

Capítulo 1.5: Uma nova tentativa - Página 3 Empty
MensagemAssunto: Re: Capítulo 1.5: Uma nova tentativa   Capítulo 1.5: Uma nova tentativa - Página 3 EmptyQua 27 Mar 2019 - 23:51

Narração

Baltazar Vincent Encausse

     O destino sorriu. Ele sempre faz a gente enlouquecer, com seus caminhos sinuosos sem previsão, e isso foi o que tinha acontecido com o menino. Em um momento estava em uma tripulação de piratas, se divertindo a custas de civil e da liberdade, no outro, estava preso, sofrendo das consequências de suas companhias com a marinha, que o punia severamente por isso. Agora, distante desses dois lados completamente divergentes, o garoto havia sido salvo por mais um pedaço dessa guerra contínua, os revolucionários. Apesar de não saber se isso era verdade por completo, e de mal conhece-los, escolheu por se segurar neles, que pareciam uma melhor opção do que continuar com Strauss.
     Passando por todas as dificuldades que sofrera, sendo por seu próprio mérito ou não, ele agora já estava em uma situação mais calma e que retratava segurança. Ao momento que havia falado sobre ruim e bom, sobre o tenente e sua raiva, Victória olharia para cima, vendo o céu, e riria suavemente, como se estivesse feliz com o que o garoto dizia. - Sua inocência é admirável, rapaz. - e assim viraria a cabeça um pouco para o lado, para que pudesse ver Dórian de relance e diria - Mas um dia você vai perceber que não existe ruim ou bom, existem somente perdas, e elas nos motivam a fazermos coisas que não nos orgulhamos. Vai me dizer que você não sente nada pelos que mataram o seu ex? - De qualquer forma, a garota não queria abrir uma discussão com o rapaz, só fazê-lo refletir um pouco sobre o que pensava e sentia, ela mesma sabia que na guerra não há bom ou ruim, somente escolhas e lados.
     Após a decisão de acompanhá-los para dentro do abrigo, a menina viu o sorriso do rapaz e retribuiu com outro, dando o primeiro passo para dentro do esconderijo. Naquele momento, eles eram os primeiros a entrar, já que o barbudo tinha saído para ajudar Marco, Dórian e o outro revolucionário. Descendo por um corredor de escadas de madeira, que rangiam levemente a cada passo de Victória, que ainda segurava Encausse nas costas, para evitar em deixá-lo usar sua perna machucada e para agilizar as coisas, eles se depararam com um pequeno espaço plano e um par de portas, que se encontravam abertas. Com a luminosidade de uma lâmpada no teto, no centro do lugar, e outra por um abajur no centro de uma mesa circular, a direita deles, o garoto pode finalmente entender como que era a base provisória deles. - Sinta-se em casa, garoto. - diria Victória, ao adentrarem no local.
     Com mais clareza, uma enorme estante, com gavetas pela parte inferior, podia ser vista a sua esquerda, com alguns equipamentos básicos, como cordas, lâmpadas, bombas de gás, etc., além de itens mais normais, como pratos, panos, e outros equipamentos. A sua direita via a mesma mesa anteriormente citada, com cinco cadeiras ao redor, e mais duas apoiadas pelo encostar nas costas na parede. - Sei que tudo é novo pra você, mas não há tempo a perder, preciso cuidar do imediato, de Marco e de você. Não sei se parece, mas, sou médica. - e assim a menina levaria Encausse até um quarto do lado direito do cômodo, abrindo a porta e o posicionando deitado em uma das camas. - Eu recomendo você esperar aqui até eu trazer os medicamentos, pode piorar, mas a decisão é sua. Se quiser ver seu amigo comigo pode vir. - e dessa forma sairia do quarto em direção ao centro do lugar, perto da mesa.

Kana Nobushi

    Naquela noite tudo parecia tranquilo e calmo, a brisa do vento trazia uma sensação de conforto e paz, ou até demais? A menina, depois de se assustar com um coelho, já estava pronta para expressar gentileza com suas ações, retirando de sua pequena bolsa duas fatias de pão e na outra mão um pote de geleia de amoras. Naquela noite, um pequeno lanche poderia até ter caído bem, mas para aquela velha senhora estar acordada assim algo de diferente deveria ter acontecido. Talvez fosse as estrelas e o lindo céu incomum, ou quem sabe algo de ruim, a menina ainda não sabia.
     Expressando a amigável forma que as flores tem de aromatizar o dia dos cidadãos de Toroa, a garota disse que apenas tinha vindo para uma visita e que esperava não atrapalhar o seu sono, o que fez a senhora olhar para baixo e sorrir enquanto algumas lágrimas saiam de seu rosto, não de alegria, mas de angústia. - Ele também costumava fazer isso.. - e em uma pausa engolindo seco, ela continuou - Meu neto não retorna a dias, não sei o que aconteceu com ele.. Não me dão notícias e nem me explicam nada, eu já estou ficando sem esperanças.. - e com mais lágrimas, que escorriam alternadamente e sem agitação, aquela cena de tranquilidade de calma se tornou algo mais triste, como uma flor morrendo no inverno e na nevasca, sem poder ver o sol da manhã.
     - Ele é uma boa pessoa, sempre quis ajudar os outros.. - com as mãos em direção ao rosto, tampando sua face envergonhada de tristeza, ela continuou - M-mas esqueça isso… Não tem porque te encher com meus problemas, muito obrigado pela gentileza, pode deixar a comida aqui na varanda, não acho que vou dormir esta noite. - Com isso a garota posicionou os pães e o estoque de geleia em uma mesinha do lado de fora da casa, perto da senhora que estava apoiada na sacada da varanda. Sentando do lado da senhora, a menina poderia perceber que o caminho que levava a casa da velhinha continuava a seguir, agora indo para longe, com dois caminhos. O da direita a levaria para uma estadia mais próxima de outras casas e habitações, o outro era desconhecido. - E-eu realmente agradeço o que você fez, mas se está preocupada com seu tio me lembro dele ter passado por aqui a mais de uma hora. - disse a senhora, secando as lágrimas, quando a garota se sentou. Qual seria o próximo passo da menina?
     
Tamara

     Com uma reação inesperada, a garota misteriosa parecia ter lido a mente da sirena, jogando sujo da mesma forma que ela, com flertes inesperados e dinâmicos. Às vezes o destino traz as pessoas juntas por anos, meses, dias, e até uma noite, que parecia ser o caso delas duas. Logo após a sua fala, a mulher logo segurava seu rosto com uma mão, na região do queixo e dizia - Isso é o que nós vamos ver… - desafiando a menina a cumprir sua promessa, exigindo a experiência. A todos ao redor, as meninas eram bem mais difíceis de se notar. Além de estarem em um canto mais quieto do bar, todos pareciam muito empolgados com a bebida e fazendo muito barulho.
     Aceitando ir para o quarto, Tamara tentava jogar seus charmes para a mulher, sorrindo e piscando. - Você não é a primeira a tentar isso comigo. - retrucava a moça, afastando a mão do rosto da sereia e posicionando-os na cintura da mesma - Mas acho que deu certo. - e antes que pudesse fazer qualquer coisa a mais, Tamara tomou a iniciativa e pois seus tentáculos para percorrer o bar até as escadas, segurando sua mão. Apesar de tentar dar um impulso e “maratonar”, seus movimentos mais pareciam espasmos desengonçados do que uma investida para o quarto, o que fez a mulher gargalhar e colocar a outra mão na boca, para que não saísse muito alto. - Você me intriga, imagino de onde você veio. Com certeza não é daqui, AHAHAHAH!
     Inesperadamente, ao chegarem na escada e darem seus primeiros passos nela, um homem de roupa preta, com uma jaqueta de pano e camisa branca passa do lado da madame, segurando seu braço e parando o movimento das duas. Antes que Tamara pudesse fazer alguma coisa, ele pareceu sussurrar algo no ouvido da dama, que o empurrava com uma grande força, dizendo - AH, VAI SE FODER!! SAI LOGO DAQUI!! - e assim encerraram contato, já que o rapaz quase caiu pelo corrimão do pouco de escada que tinha. Coisas desse tipo eram até leves para uma mulher naquele lugar, ser assediada por idiotas era comum. Algumas se adaptavam, outras reagiam, se calavam, cada uma lidava da melhor forma que elas sentiam que podiam.
     Agora no topo da taberna, abrindo a porta de madeira do quarto, que possuía um abajur do lado direito em uma cabeceira, um pequeno armário perto da porta e uma lâmpada na parte de cima do quarto, era aconchegante e o suficiente para alguém dormir bem. Havia também uma janela, que se encontrava aberta e soltava brisas frescas e cheirosas, que carregavam o aroma das flores da ilha. Se atirando na cama que estava no centro do quarto, a sirena foi totalmente direta com o que queria. Olhando-a com olhos cerrados, tentando parecer mais forte, a mulher retirou sua jaqueta, revelando uma cicatriz no ombro direito, e depois a alça de uma parte da sua camisa, esperando para retirá-la por completo. Se aproximando da cama lentamente, deitando do lado da menina indo de encontro com seu rosto, ela disse - Vamos, estou esperando o resto. - Indagando uma ação de Tamara.

Falas:
#Baltazar
#Kana
#Tamara
#Victória
#Marco
#Tenente Strauss
#Dórian
#Idosa
#Mulher Misteriosa
#Barbudo Revolucionário
#NPCs Gerais

Pensamentos
#NPCs Gerais

Cenários:
 

Off:
 

Histórico:
 

Clima 25ºC | Céu limpo | Horário: Noite/Madrugada

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

____________________________________________________

Fala / Pensamento

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
2Miaus
Pirata
Pirata
2Miaus

Créditos : 5
Warn : Capítulo 1.5: Uma nova tentativa - Página 3 10010
Feminino Data de inscrição : 22/05/2012
Localização : São Paulo

Capítulo 1.5: Uma nova tentativa - Página 3 Empty
MensagemAssunto: Re: Capítulo 1.5: Uma nova tentativa   Capítulo 1.5: Uma nova tentativa - Página 3 EmptyDom 31 Mar 2019 - 20:25







Kana Nobushi

Idade: 22 anos



Enquanto colocava os pães e as geleias sobre a mesa escuta o desabafo da senhora. Não sabia que ela tinha uma neto e muito menos que ele estava desaparecido, por isso se compadeceu pela velhinha. Kana sentou ao seu lado e apoiou as mãos sobre as delas.

- Eu sinto muito, não sabia sobre o seu neto. O que houve com ele?

Dentro do possível Kana buscaria informações sobre seu paradeiro, mas precisava saber primeiro quem ele era.

- Quem é seu neto e quem não está dando informações para a senhora? Tem algo que eu possa fazer?

Dependendo da resposta estava disposta a ajudar a velhinha e ir atrás do rapaz, só assim a senhora poderia dormir feliz. Se ela desconversar teria 2 caminhos a sua frente e uma pista sobre o paradeiro do seu tio.

- Por qual caminho meu tio seguiu?

Iria na direção indicada, tentaria localizar seu tio e assim que possível perguntar para ele sobre o neto da velhinha.

Independente de qual caminho a velhinha mostrou, iria com atenção redobrada, para aproximação de alguma pessoa ou animal, tentaria não ser pega de surpresa no meio do caminho. E novamente estaria atenta a flores da ilha, talvez houvesse mais alguma planta medicinal pelo caminho.


- Fala
“Pensamento”

OFF
Spoiler:
 

Histórico
Spoiler:
 



____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

Ficha:

Spoiler:
 


Aventura:

Spoiler:
 


Objetivo:

Spoiler:
 
Voltar ao Topo Ir em baixo
yalP
Membro
Membro
avatar

Créditos : 6
Warn : Capítulo 1.5: Uma nova tentativa - Página 3 10010
Masculino Data de inscrição : 23/02/2019
Idade : 30

Capítulo 1.5: Uma nova tentativa - Página 3 Empty
MensagemAssunto: Re: Capítulo 1.5: Uma nova tentativa   Capítulo 1.5: Uma nova tentativa - Página 3 EmptyDom 31 Mar 2019 - 22:00

Meu charme parecia ter funcionado, ainda que os comentários da moça não fossem de todo submissos aos meus dizeres e ações, ela parecia interessada em mim. Sorte que apenas ela estava interessada, se houvessem outros pretendentes as coisas poderiam ficar feias. Não era o caso. Outro homem pareceu inclusive tentar algo com minha mulher e prontamente ela o mandou para longe. Ela era mais interessante do que eu imaginava.

Já no quarto ela partiu logo para o que eu esperava, embora tivesse feito menos do que eu esperava. Já havia mostrado ser bastante dominante, talvez quisesse apenas que eu a servisse. Não era exatamente o tipo de coisa que eu mais gostava, mas poderia jogar enquanto me fosse conveniente. Ela já estava quase tirando a camisa, ajudaria a tirar o resto.

Ainda que ela provavelmente preferisse ficar em cima, eu precisaria de espaço para servi-la, então giraria para cima dela, me “sentado” em cima de suas pernas. Colocaria um dedo indicador nos lábios enquanto observava a forma de minha amante. Queria cativá-la, sensualizando um pouco. Esperava que a esse ponto a camisa já tivesse sido retirada, caso contrário eu a ajudaria a se livrar daquele primeiro empecilho.

- Sabe, eu gosto de preliminares primeiro, mas posso abrir uma exceção.

Passaria um ou dois segundos analisando o corpo da moça. Já tinha visto sua cicatriz, o que reforçava a ideia que fosse uma pirata. Ou algo do tipo. Será que eu estaria me envolvendo com alguém procurado? E se ela fosse perigosa? E se de repente ela sacasse uma adaga escondida e tentasse me esfaquear? Parando para pensar, talvez não tivesse sido uma boa ideia ir para os “finalmentes” antes de uma conversa. Não que eu me arrependesse, a excitação apenas tomava conta de mim.

- Apenas relaxe e deixe eu lhe servir.

Me aproximaria dela com um beijo mais prolongado, enquanto que com as mãos delineava toda sua forma, do peito, passando pelas costelas, barriga e cintura, parando nas calças -  temos que nos livrar disso, não é mesmo? - Elas eram apenas outro empecilho aos meus propósitos, mas talvez a mulher ficasse receosa em retirá-la, já que a espada estava junto da cintura. Algumas pessoas simplesmente se sentem nuas sem suas armas. Bem, era esse meu propósito afinal das contas.

Colocaria minha mão em suas partes íntimas, enquanto que me deitaria em cima da mesma para aplicar outro beijo. Iria estimulá-la aos poucos, descendo o beijo para seu pescoço, passando pelo seio direito, indo cada vez mais para baixo, beijando sua barriga, seu umbigo, até chegar exatamente onde queria. Embora gostasse de que os outros me dessem prazer, as vezes é precisar dar para receber e esse era meu objetivo.
OFF:
 

Histórico:
 

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] || [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Pyke
Membro
Membro
Pyke

Créditos : 7
Warn : Capítulo 1.5: Uma nova tentativa - Página 3 10010
Masculino Data de inscrição : 23/06/2018
Idade : 21
Localização : Shells Town

Capítulo 1.5: Uma nova tentativa - Página 3 Empty
MensagemAssunto: Re: Capítulo 1.5: Uma nova tentativa   Capítulo 1.5: Uma nova tentativa - Página 3 EmptyDom 7 Abr 2019 - 19:26

Narração

Baltazar Vincent Encausse

-N/A-

Kana Nobushi

     Com a lua iluminando as duas, o clima continuava triste e depressivo, com uma idosa relativamente perdendo suas esperanças, e uma jovem disposta a ajudá-la. O mundo é um lugar cruel, cheio de perigos, injustiças, traições, maldade, e praticamente tudo que há de ruim. Por outro lado, há também aqueles que buscam seguir princípios de bondade, de ajudar os necessitados e fazer o que eles podem para contribuir com o certo e a sociedade, particularmente e ao fim, as pessoas. A menina, Kana, parecia ser assim, já que seu desejo interno era se tornar a melhor curandeira que pudesse haver neste mundo. Com isso, ouviu todo o desabafo da senhora, se emocionando e sentando ao seu lado.
     Ao perguntar sobre o neto dela, a velhinha olhou para baixo, enquanto seus lábios tremiam enquanto tentava relatar o que sabia a menina. - E-eu.. eu não sei… Tudo o que ele falou... - respirando fundo para acalmar seus nervos, continuou - Foi que precisava sair novamente, que pessoas ruins tinham chegado nessa ilha. Desde então eu não o vi mais, isso já faz 3 dias! Ele nunca deixou de me visitar nem mesmo uma vez! - e em lágrimas, as memórias da senhora retornavam a sua cabeça, passando imagens de momentos entre ela e seu netinho. A menina poderia não saber, mas a emoção da mulher não era atoa. Desde que sua filha tinha morrido em um ataque pirata, ela jurou cuidar de seu netinho e jamais deixá-lo sozinho. Agora, órfão, ela tentava fazer o máximo que podia para lhe garantir felicidade e uma vida tranquila.
     Questionando quem era o rapaz e mais algumas informações, a menina esperava ganhar alguma pista, afinal, esse menino ainda era totalmente desconhecido por ela, já que nunca o tinha visto pela região perto da casa da senhora ou da dela. - Seu nome é Yuuto. - agora secando suas lágrimas e tentando observar as estrelas para acalmar seu espírito, ela prosseguiu - Quem não me fala nada são os marinheiros. Meu neto tem o sonho de poder ajudar as pessoas, e quer fazer isso servindo a marinha. Eu não sei se seu tio lhe contou, mas sua mãe… m-minha filha… foi morta em um ataque pirata quando ele ainda era muito pequeno… Acho que é por isso que ele quer ser marinheiro. - com uma estrela cadente passando no exato momento que ela continuaria a falar, a velha sentiu que aquilo era um bom sinal e que seu próximo desejo se tornaria verdade. - Não sei se tem muito o que você possa fazer, mas por favor, tente encontrá-lo. Se estiver tudo bem diga-o para vir logo falar comigo, estou muito preocupada! - agora pensando no pior, ela falou - Mas se for o que eu temo que tenha acontecido, me avise para que pelo menos meu espírito descanse em paz… - sentia que isso era contraditório com sua promessa em cuidar de seu neto, mas não havia nada que ela pudesse fazer.
     Aceitando a oferta e se despedindo da forma que ela achasse mais conveniente, fosse assentindo com o corpo ou falando, a garota estava certa que ajudaria a sua “vizinha”. Seguindo o ponto que determinava a fissura dos dois caminhos que ela poderia seguir, a garota percebeu algo brilhante a distância, a sua direita. Um pequeno brilho reluzia ao chão perto do caminho de pedras. Se aproximando para examinar e verificar o que era, conseguia identificar o objeto. Uma tesoura. Com toda a certeza ela sabia que era de seu tio, já que havia uma falha no cabo que indicava a mesma da qual ele usou para lhe ensinar sobre muitos artifícios medicinais. Sabendo que direção seguir, a menina andou pelos caminhos floridos, não percebendo mais nenhuma flor medicinal, até seu próximo destino.
     Depois de caminhar durante alguns minutos, a garota tinha finalmente chegado no lugar. Ao seu redor, ela poderia ver um prédio de três andares, que era bem incomum naquela região, já que as construções e casas não costumam ser altos, e uma pequena guarnição de saúde, com um sinal de “+” vermelho em uma placa, na frente da casa, como se fosse um hospital, mas em escala muito menor. Poderia ser o que ela esperava que fosse, um lugar para médicos e curandeiros atuarem, ou não, dependeria dela explorar o lugar.

Tamara

     Mesmo com todos os perigos do mundo e com certos perigos aguardando para encontrar os ambiciosos, Tamara não parecia ter sentido receio em se relacionar logo de cara com um estranho de uma taberna. A mulher, que parecia estar se jogando tão facilmente nos encantos da sirena, investia sem medo ou preocupação com o que fosse acontecer entre as duas. Conforme as coisas iam se apimentando, com elas aproveitando o momento que conseguiram, a “parceira” da sereia deitou-se na cama com ela, e, com a sua ajuda, finalmente havia retirado sua camisa, ficando nua da cintura pra cima.
     - Entenda, não vejo problemas em expor isso aqui, afinal, não tem o que se ter vergonha. - revelando seus seios redondos e macios. Com uma virada brusca, Tamara se forçou para cima da mulher, colocando seus tentáculos por cima de suas pernas. A mulher parecia já saber do segredo da moça, e não se importou com tudo que estava acontecendo, se entregando completamente ao ocorrido. -  Sabe, eu gosto de preliminares primeiro, mas posso abrir uma exceção. - dizia a menina, enquanto realizava as melhores tentativas sedutoras que tinha. Aceitando a tudo, a sirena foi vagarosamente descendo até a região que lhe interessava, do quadril para baixo. Ao chegar perto, no momento que tinha terminado sua frase, querendo retirar o resto de suas roupas, a moça seguraria sua mão que descia cada vez mais e colocaria ela para o lado, agarrando-a e dando espaço suficiente para que ela se virasse e empurrasse Tamara de barriga para a cama. - Deixe que eu tenha o prazer de te servir. - Agora, pegando sua outra mão, segurava-as atrás de sua cintura, demonstrando dominação total de seus membros superiores.
     Com um assobio leve, duas outras mulheres e um homem entraram pela porta, carregando cordas e armas cortantes. - Não tenho nada contra os tritões ou as sereias, é só que eles valem um bom valor dentro do mercado negro. - Com um forte apertão, as mãos da garota pareciam estar totalmente imóveis, com a mulher em cima de sua cintura. Agora a situação estava totalmente diferente de como havia começado. Ingenuamente, se jogando para cima dos braços de quem quer que parecesse interessante por aí, Tamara havia de fato entrado nas preocupações de que tinha imaginado.
     Se fosse somente o homem e as duas mulheres, poderia ser menos alarmante, porque elas e ele não pareciam serem perigosos, já o contrário poderia ser dito de sua, não mais, “parceira”, que exalava um ar bruto naquele lugar. - Sabe, foi muito bom tudo que passamos juntas nesse pequeno período de tempo. - com uma pausa ela respirava e soltava um suspiro irônico. - Mas você realmente achou que eu queria sair por aí me atirando no colo de alguém? - aproximando seu rosto perto da cabeça, que estava virada pra cama, de Tamara, a mulher continuou a falar - Você até fez mais do que eu esperava, nem era pra tirar minha camisa assim… Devo dizer que quase me empolguei demais, pena que nunca tive essas intenções aqui… Meu nome é Jannet, e você vem comigo para a nossa tripulação!

Falas:
#Baltazar
#Kana
#Tamara
#Victória
#Marco
#Tenente Strauss
#Dórian
#Idosa
#Jannet
#Barbudo Revolucionário
#NPCs Gerais

Pensamentos
#NPCs Gerais

Off:
 

Histórico:
 

Clima 25ºC | Céu limpo | Horário: Noite/Madrugada

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

____________________________________________________

Fala / Pensamento

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]


Última edição por Pyke em Seg 8 Abr 2019 - 22:15, editado 1 vez(es)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Padre
Civil
Civil
Padre

Créditos : 6
Warn : Capítulo 1.5: Uma nova tentativa - Página 3 10010
Masculino Data de inscrição : 14/11/2018
Idade : 24
Localização : Mauá, SP

Capítulo 1.5: Uma nova tentativa - Página 3 Empty
MensagemAssunto: Re: Capítulo 1.5: Uma nova tentativa   Capítulo 1.5: Uma nova tentativa - Página 3 EmptySeg 8 Abr 2019 - 17:45

Baltazar Vincent Encausse
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
Inocência ou otimismo? Baltazar não sabia diferenciar, mas se tinha uma coisa que ele sabia, era que a visão que cada individuo tem do mundo é única e apesar de saber que eventualmente todos mudam e crescem, ele não considerava seu ponto de vista tão frágil quanto a revolucionária fazia parecer.

É certo que todas história tem dois lados, mas a ideia de "não existir bom ou ruim" não descia pela sua garganta com facilidade. Para ele, falar isso era o mesmo que isentar pessoas ruins de suas responsabilidades e tirar o crédito das ações de quem faz o bem e isso ele não faria. Ele não é um religioso, mas acredita que a melhor forma de viver a vida, é vivendo-a de um jeito que se orgulhe em seus últimos momentos e sendo ciente do que faz, sabia que certos caminhos, independente de serem socialmente aceitos como certos ou errados, não eram pra ele. Ninguém é linear, mas que outro jeito há de medir uma pessoa se não por suas ações? Essa era a questão que martelaria na cabeça de Baltazar pelo resto da viagem enquanto respondia apenas com o silêncio. Em seu coração sabia como se sentia em relação aos executores de seu ex e isso pra ele era o bastante.

Ao mesmo tempo, no fim da fala dela percebia que aquele encontro talvez não tivesse acontecido totalmente por acaso, como esperava. Ao ouvir a mulher cita-lo, olhava intrigado para o seu rosto, mas nada comentava, visto o rumo que a conversa seguia.

Mesmo morto você ainda dá um jeito de estar comigo...

...

Já no abrigo, com seus olhos curiosos Baltazar secava cada canto da casa com curiosidade, que por sinal não tinha nada de muito espetacular que lhe chamava a atenção, mas para Baltazar estar ali era viver a oportunidade de conhecer mais sobre Willy, sobre a pessoa que ele era, sobre o que gostava. Sua vida ao lado dos revolucionárias, mesmo com o ápice da intimidade dos dois sempre foi algo que o ex preferiu deixar oculto, então ter a oportunidade de viver aquilo lhe dava um aperto no coração como não sentia há muito tempo.

Isso é mais do que uma "casa". Senhorita Victória, obrigado... — Seus olhos marejavam e ele se esforçava pra segurar a emoção, talvez aquilo fosse algo que Victória não pudesse entender, uma reação repentina e inesperada, mas não importava. Ele estava realmente agradecido.

Passando a mão nos olhos, ouvia o que a médica dizia e ria visivelmente sem graça.

Médico não tem rosto, doutora, pode ir ajudar eles, eu vou ficar aqui. Por favor, só não deixe Dórian morrer. Eu confio em você, vou esperar.

Deitado na cama, despedia-se de Victória com um acenar da cabeça, seus olhos encaravam o teto e davam uma leve passeada por todo o quarto. Suas mãos passavam pela colcha da cama buscando um conforto naquela situação daqueles que só sentia em casa.

Essa situação toda... Tão inusitada quanto a daquele dia.

E riu sozinho enquanto esperava a mulher retornar.

OFF:
 

Histórico:
 



____________________________________________________

Objetivos escreveu:
Primários:
( ) Aprender ilusionismo.

Longo Prazo:
( ) Comprar botas.
( ) Conseguir uma recompensa.
( ) Conseguir uma Akuma no Mi.
( ) Adquirir Vantagem: Aparência Inofensiva.
( ) Adquirir Vantagem: Adaptador.
( ) Adquirir Vantagem: Liderança.
( ) Aprender o ofício "Gatuno".
( ) Aprender a usar os Haki's.
( ) Aprender um Rokushiki.



Aventuras:
 


[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
yalP
Membro
Membro
avatar

Créditos : 6
Warn : Capítulo 1.5: Uma nova tentativa - Página 3 10010
Masculino Data de inscrição : 23/02/2019
Idade : 30

Capítulo 1.5: Uma nova tentativa - Página 3 Empty
MensagemAssunto: Re: Capítulo 1.5: Uma nova tentativa   Capítulo 1.5: Uma nova tentativa - Página 3 EmptyQua 10 Abr 2019 - 21:32


Conforme fazia meus avanços, a mulher parecia se entregar totalmente a mim, só não esperava o que aconteceria a seguir: mais três pessoas entraram no quarto, segurando cordas e armas! Aquela mulher era insana, mal havíamos nos encontrado e ela já queria uma orgia! Eu até topava as cordas, apimentaria um pouco as coisas, mas as armas podiam ser deixadas de lado, esse negócio de sexo com sangue não estava com nada. E aí minha garota exibiu suas verdadeiras intenções: ela queria me sequestrar! Danada.

- Eu sei, nós valemos uma grana, não é? É tão bom ser valorizada!

Apesar de ter entendido a situação, raras eram as vezes que perdia o temperamento, e manter tudo num tom de piada ajudava a tornar as coisas mais fáceis. Logo após, Jannet, agora sabia o nome dela, tinha a certeza que havia esquecido de algo quando nos encontramos, suspirou que nunca teve intenções de ir para cama comigo. Azar o dela.

- Você não sabe o que está perdendo, querida. Esses tentáculos fazem loucuras.

Agora ela queria me levar para a tripulação dela, e provavelmente depois me vender. Hum, quem sabe eu não pararia no colo de um príncipe rico e charmoso afim de uma sirena bonita e sensual. Não seria uma vida tão ruim. Ou quem sabe eu seria escrava sexual de algum velho tarado e com mais dinheiro do que poderia gastar. Não seria de todo ruim também. É claro, poderia parar em um tanque, com outras sirenas e tritões sendo observada dia e noite por turistas e curiosos. Isso seria um pouco ruim. As opções eram tantas que minha cabeça dava voltas. Só sabia que eu ainda estava afim de terminar o que comecei com Jannet a momentos atrás.

- Tamara, muito prazer – falaria enquanto tentava estender um tentáculo para ela, como se fosse um aperto de mão. – Eu até gosto quando as coisas são mais brutas e com audiência, mas eu ainda preferiria só nós duas – tentaria olhar para o homem e ver como ele era – mas podemos chamar seu amigo aqui. Eu te perdoo, não se preocupe, ainda te devo uma noite que jamais vai esquecer.

Não tentaria me soltar, provavelmente só gastaria energia à toa, Jannet parecia ser forte e experiente o bastante para dar no mínimo uma boa luta, sem contar seus capangas. “Seguiria com o barco” para ver onde me levariam. De fato, a noite estava mais excitante do que imaginava. Meu pai e minhas tias já haviam me dito que coisas assim aconteceriam, só demorou mais do que o esperado. Era tão empolgante imaginar todos os cenários dali em diante, que sairia com um sorriso no rosto. Mais do que medo, sentia curiosidade diante da situação.

Spoiler:
 

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] || [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Conteúdo patrocinado




Capítulo 1.5: Uma nova tentativa - Página 3 Empty
MensagemAssunto: Re: Capítulo 1.5: Uma nova tentativa   Capítulo 1.5: Uma nova tentativa - Página 3 Empty

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
Capítulo 1.5: Uma nova tentativa
Voltar ao Topo 
Página 3 de 4Ir à página : Anterior  1, 2, 3, 4  Seguinte

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
One Piece RPG :: Oceanos :: West Blue :: Toroa Island-
Ir para: