One Piece RPG
Imperial Advent - Página 5 XwqZD3u
One Piece RPG
Imperial Advent - Página 5 XwqZD3u


One Piece RPG : A GRANDE ERA DOS PIRATAS
 
InícioBuscarMembrosGruposRegistrar-seConectar-se
Últimos assuntos
» Em busca da resistência
Imperial Advent - Página 5 Emptypor Fran B. Air Hoje à(s) 12:32

» I - Vós que entrais, abandonai toda a esperança
Imperial Advent - Página 5 Emptypor Meursault Hoje à(s) 09:29

» Pandamonio, Vol 1 - Rumo à Grand Line!
Imperial Advent - Página 5 Emptypor PepePepi Hoje à(s) 02:56

» Caçadoras Eternas: Pesar Crescente!
Imperial Advent - Página 5 Emptypor Wild Ragnar Hoje à(s) 02:33

» Ler Mil Livros e Andar Mil Milhas
Imperial Advent - Página 5 Emptypor gmasterX Hoje à(s) 01:30

» União Flasco: Inicio do Sonho
Imperial Advent - Página 5 Emptypor ADM.Tidus Hoje à(s) 01:11

» Wu-HA!
Imperial Advent - Página 5 Emptypor CaraxDD Hoje à(s) 00:58

» Cap 4: O Silêncio dos Inocentes
Imperial Advent - Página 5 Emptypor Wesker Hoje à(s) 00:29

» Cortes e Tiros, resgate na ilha das aranhas!
Imperial Advent - Página 5 Emptypor Achiles Ontem à(s) 23:34

» Ato III: Not Fast but Furious
Imperial Advent - Página 5 Emptypor Jean Fraga Ontem à(s) 23:19

» Ep 1: O médico e o marinheiro
Imperial Advent - Página 5 Emptypor TerryBogard Ontem à(s) 22:58

» Hey Ya!
Imperial Advent - Página 5 Emptypor Takamoto Lisandro Ontem à(s) 22:47

» 11º Capítulo - Cataclismo em Skypeia!
Imperial Advent - Página 5 Emptypor Far Ontem à(s) 22:00

» Livro Um: Graduação
Imperial Advent - Página 5 Emptypor ADM.Noskire Ontem à(s) 21:12

» [Kit] Silver Ash
Imperial Advent - Página 5 Emptypor rafaeliscorrelis Ontem à(s) 20:53

» O Log que vale Dois Bilhões de Berries
Imperial Advent - Página 5 Emptypor Blum Ontem à(s) 20:48

» Seagull Newspaper - A alegria floresce em Parthenon.
Imperial Advent - Página 5 Emptypor GM.Alipheese Ontem à(s) 20:39

» O que me aguarda em Ponta de Lança? Espero que belas Mulheres, hihihi
Imperial Advent - Página 5 Emptypor Pippos Ontem à(s) 20:09

» [mep] Luna
Imperial Advent - Página 5 Emptypor lunabrag Ontem à(s) 19:46

» [mini-luna] Afiando
Imperial Advent - Página 5 Emptypor lunabrag Ontem à(s) 19:44



------------
- NOSSO BANNER-

------------

Naruto AkatsukiPokémon Mythology RPG
Naruto RPG: Mundo Shinobi
Conheça o Fórum NSSantuário RPG
Erilea RegionRPG V Portugal
The Blood OlympusPercy Jackson RPG BR
A Song of Ice and FireSolo Leveling RPG
Veritaserum RPGPeace Sign RPG
Pokémon Adventure RPG

------------

:: Topsites Zonkos - [Zks] ::


 

 Imperial Advent

Ir em baixo 
Ir à página : Anterior  1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10  Seguinte
AutorMensagem
ADM.Tidus
Duque Azul
Duque Azul
ADM.Tidus

Créditos : 71
Warn : Imperial Advent - Página 5 10010
Masculino Data de inscrição : 10/06/2011
Idade : 27
Localização : Fishman Island

Imperial Advent - Página 5 Empty
MensagemAssunto: Imperial Advent   Imperial Advent - Página 5 EmptySex 17 Ago 2018, 16:18

Relembrando a primeira mensagem :

Imperial Advent

Aqui ocorrerá a aventura dos(as) marinheiros Lars Sparkbolt e Kyo Full Buster. A qual não possui narrador definido.


____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

Olá Convidado, seja bem-vindo ao One Piece RPG.
Links para ajuda: [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo

AutorMensagem
gmasterX
Civil
Civil


Data de inscrição : 12/06/2014

Imperial Advent - Página 5 Empty
MensagemAssunto: Re: Imperial Advent   Imperial Advent - Página 5 EmptyTer 09 Out 2018, 11:01

There is a girl...





Essa missão estava exigindo tanto de mim que cheguei ao ponto de não ver que o cara que a gente tava tentando evitar uma fuga, estava bem ao meu lado, ouvindo tudo sobre a missão. Realmente preciso tirar uma longa pausa de todo esse papo investigatório, eu prefiro mil vezes quando apenas temos que enfrentar, perseguir e prender.  E achando que eu teria um pouco mais de sossego ao lado de Lars, eis que me surge uma criança.

- EU NÃO FIZ NADA TIO! ME TIRA DAQUI, PUFAVÔ! – Ela exclamou.

A minha expressão meio que mudou com aquilo. Eu estava tentado a perguntar o porquê do Lars estar torturando uma criança, mas nem tudo é o que parece.

- CARALHO, TÁ FAZENDO O QUE?! – Ele expressou, se referindo ao fato de eu ter dito aquilo tudo perto de Arko.

- Tá com merda na cabeça?! Você estava falando o que sabíamos sobre o caso do lado da vela de Arko, ele não pode saber o que sabemos ou não! Sorte sua que eu tinha descoberto mais coisa além disso, senão estaríamos fodidos. De qualquer modo, preciso de sua ajuda com uma coisa – Ele prosseguiu.

- Você tá vendo uma pirralha naquela cela? – Ele questionou.

–Errr... Sim... Mas... Eu não deveria? – Questionei.

- Então, ninguém mais além de mim tá vendo ela. Tem algo muito errado aqui, mas eu não sei o que pode ser. Além do mais, como ninguém vê ela, ninguém da motivos para ela estar presa, e a garota perece bem real pra mim. Eu até consegui tocar e falar com ela. O que tu acha? – Ele prosseguiu.

– Pra falar a verdade, tem aparecido muita gente com habilidades estranhas recentemente... Mas eu acho que já sei o que fazer... Por enquanto só tome conta dela e vê se você consegue descobrir alguma coisa sobre ela. – Eu respondi. Eu prosseguiria, partindo acelerado em direção a cantina. Ao chegar lá, eu procuraria por algum doce ou sobremesa bem colorida para oferecer a garotinha. Se não tivesse algo visível, eu me aproximaria do responsável pela cozinha/refeitório e diria: – Olá! Eu sou o sargento Magnus e preciso de coisas doces que você tiver. É uma questão de urgência! – Se ele (a) dissesse que não havia algo do gênero, eu seguiria dizendo: - Ah... Sabe onde eu posso encontrar? – Para logo após, partir em direção ao local indicado. Se conseguisse encontra uma quantidade razoável de doces que estivessem disponíveis, eu os colocaria na minha mochila (com cuidado caso fosse algo que pudesse ser entornado ou muito frágil) e retornaria até a garotinha. Se eu não conseguisse encontrar dentro do QG ou em locais próximos, estenderia minha busca, mesmo que tivesse que procurar em lojas e usar de meu dinheiro. Tentaria mais de um tipo e sabor de doce/ sobremesa para levar comigo.

Ao voltar pra cela onde a garotinha se encontrava, eu retiraria uma unidade ou o refratário do que eu tinha encontrado e consumiria um pouco do alimento em questão. Logo após eu olharia para a garotinha e lhe entregaria um pouco, dizendo: – Prontinho, se você se comportar bem e responder tudo direitinho, eu te tiro de perto desse malvadão e te entrego todo o doce que eu tenho comigo, trato feito? – Com um grande sorriso, mostrando simpatia. Se ela se negasse ou me ignorasse, eu ameaçaria pegar o que eu havia acabado de lhe entregar. Se ela concordasse, eu prosseguiria dizendo: – Certo... Primeiro: Quem foi que te botou aqui? – E puxaria outro doce/ sobremesa da minha mochila. Logo em seguida, eu prosseguiria questionando: – Você tem algum parente ou conhecido que trabalha aqui dentro ou que te trouxe até aqui? – Balançando o doce que estava em minha mão em sua frente. Se ela ainda se negasse ou demorasse muito a falar depois de minha ameaça, eu puxaria o doce de sua mão e diria: – Então não temos um trato. Lars, se divirta com ela. – Enquanto finjo ir embora.

- Gê, o que vamos fazer com a garota? Como disse, ninguem mais tá vendo ela, e isso é problemático pra caralho. Nós podemos estar alucinado, mas ai acho que estaríamos vendo coisas muito diferentes; os outros podem estar alucinado, mas ficaria estranho só não verem ela; ou pode ser fruto do poder de alguém, mas se estivesse do lado da Angel, não sei qual seria o propósito. Não faz sentido ter como objetivo nós tirarmos ela de lá fazendo o pessoal não a ver, muito menos tentar fazer deixarmos ela la e fazer alguém ver! URGH, ISSO É TÃO FRUSTRANTE! Podia ser uma distração, mas seria algo super ineficiente. Eu realmente não sei o que fazer alem de simplemente tirar ela de lá, o que acha? – Ele sussurrou.

–Relaxa... Ela me parece bem real, mas não podemos soltar essa garotinha aqui. Precisamos achar outra pessoa que consiga enxergar ela, talvez essa pessoa possa ser o responsável dela. Além disso, precisamos investigar essa cela. Ela pode ser apenas uma criança, mas ainda é suspeita. – Eu sussurraria de volta.

Com o plano em mente então, só restava soltar ela. Eu não tenho as chaves, por isso eu aguardaria ele tomar a liderança, já que possivelmente tinha a posse delas. Eu então me aproximaria e abaixaria perto dela e diria: – Certo, agora nós vamos procurar quem cuida de você. Não se preocupe, o malvadão vai vir com a gente, mas eu juro que irei lhe proteger.

    Eu então prosseguiria acenando com a cabeça para o Lars. Logo após eu pararia bem na entrada da cela e me inclinaria para dentro, analisando o local. Se não visse algo suspeito, eu travaria a porta da cela passando o Ichinose dentre as grades da porta e as outras grades da cela. Eu então seguiria revirando a cela, a procura de uma bomba ou algo do gênero. Se a encontrasse e ela estivesse pronta para explodir, eu analisaria o tipo da bomba. Se fosse uma bomba com pavio, eu juntaria o máximo de saliva e a enfiaria em minha boca, mordendo um grande pedaço que ainda não tivesse sido queimado para evitar que ela queimasse o resto, caso eu falhasse em apagar o pavio com a saliva. Se não fosse uma bomba desse tipo ou caso ela tivesse um pavio curto, eu agarraria a bomba e correria pra longe da prisão, até achar uma seção do QG que não estivesse ocupada. Ao encontra, eu jogaria a bomba naquela direção e me jogaria pra longe para me proteger da possível explosão. Se encontrasse alguma coisa suspeita, eu chamaria a atenção do Lars para que ele pudesse analisar aquilo comigo.

Se não tivesse nada ali e eu apenas estivesse ficando louco, eu simplesmente voltaria pra perto da garotinha, pegaria uma mão cheia de doces, lhe entregaria e fecharia a cela. Em seguida eu pegaria o Ichinose e prosseguiria caminhando pelo QG e olhando para todos os lados, procurando por alguma reação em relação à garotinha que estava andando conosco. Se depois de muito tempo, não encontrasse ninguém procurando pela garota ou que conhecesse a garota, eu a levaria até a porta do QG e seguiria sussurrando para Lars: – Bom... Ninguém parece conhecer ela, então eu vou ver se ela ao menos tem uma casa e escoltar ela até lá. Você pode voltar a trabalhar na missão se assim quiser. – Eu então me aproximaria novamente dela e diria: – Certo... Você lembra aonde é a sua casa? – E então prosseguiria a levando ao endereço indicado.

Ela pode parecer uma garota inocente, mas nem tudo é o que parece. Então se eu fosse atacado pela garotinha, eu saltaria pra longe dela. Prestaria atenção ao meu redor, poderia ser emboscado e se esse fosse o caso, eu tentaria interceptar o ataque e me afastar de meu atacante.

Além de cansado, essa missão ta me deixando meio paranóico. Acho que o fim dela tem que valer muito a pena.


NPC ACOMPANHANTE:
 

Legenda:
 

Histórico do Gezão:
 


Última edição por gmasterX em Ter 13 Nov 2018, 11:22, editado 2 vez(es)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Skÿller
Agente em Treinamento
Agente em Treinamento
Skÿller

Créditos : 24
Warn : Imperial Advent - Página 5 10010
Masculino Data de inscrição : 10/08/2015
Idade : 25
Localização : Novidades em Breve

Imperial Advent - Página 5 Empty
MensagemAssunto: Re: Imperial Advent   Imperial Advent - Página 5 EmptyQua 10 Out 2018, 21:46




Imperial Advent



Kyo

...... Kyo, agora que estava livre da prisão, se dirigiu até à enfermaria mais próxima onde ele encontrou o Capitão Beethoven numa maca enfaixado, mas dava para perceber que elas foram colocadas a pressa e de forma descuidada, dando a indicar que não foram colocadas por médicos. O marinheiro passou as informações que ele sabia sobre Arko para o seu superior. Beethoven parecia satisfeito com o desempenho de Kyo na missão, e ficou ainda mais satisfeito por ver que o marine queria participar mais da missão, indo atrás de quem quer que estivesse ajudando Arko.
......-Fico feliz que você esteja querendo participar mais da missão. - disse o capitão - Irei avisar os outros marinheiros que você irá participar em campo. Trate de trocar de roupa e se equipar o mais rápido possível. - Após isso o capitão tossiu um pouco, Kyo percebeu que ele parecia um pouco cansado e estava um pouco suado - Ahem.. Agora pode ir.
......Nesse momento chegou a marinheira de pele esverdeada na ala médica próxima da prisão - Capitão… - disse a garota fazendo uma continência - Tem algo de estranho acontecendo na cidade, marinheiros foram atacados por uma figura misteriosa. Temo um marinheiro e um civil gravemente feridos e um civil morto. - a garota parecia preocupada com os feridos e estava claramente cansada, assim como Beethoven - Eu sei que há marinheiros tratando do caso, mas por favor… - suplicou a garota - Me deixe ajudar. Eu já demonstrei que sou uma marinheira justa.
......O capitão se manteve em silencio, não falando nada para a garota. A marinheira percebeu que o capitão não iria dizer que “sim” nem que “não”, então ela arrancou as medalhas que tinha na sua farda e, lentamente, colocou-as numa mesa próxima. Após isso tirou pegou nas soqueiras que tinha num bolso e deixou-as junto das medalhas. - Colocou um marinheiro na prisão para descobrir coisas sobre o Arko - disse apontando para Kyo - Porquê não me colocou a mim? O capitão sabe bem do que sou capaz de fazer. - o tom da sua voz era mais como se tivesse sido traída - Se não podem confiar em mim devido à minha origem, então não quero fazer parte do vosso sistema de justiça. - a garota então saiu da ala médica.
......-Ahem… Bem… - disse Beethoven para Kyo - Vamos esquecer que isso aconteceu… Ela é um problema diferente. Como eu disse, vá se limpar, trocar de roupas e se preparar para a missão. Algo me diz que vamos encontrar a amiga de Arko mais cedo que o previsto.

Ceji & G

......Lars repreendeu Magnus por passar demasiadas informações num lugar inapropriado, após isso perguntou se Magnus era capaz de ver a garota, com um certo tom de confusão Magnus respondeu que sim e imediatamente Lars explicou que aparentemente mais ninguém conseguia ver ela.
......– Pra falar a verdade, tem aparecido muita gente com habilidades estranhas recentemente... Mas eu acho que já sei o que fazer... Por enquanto só tome conta dela e vê se você consegue descobrir alguma coisa sobre ela. - disse Magnus correndo até à cantina, buscando uma barra de chocolate. Enquanto isso Lars tentou conversar com ela, tentando novamente conseguir informações - Ei, garota, você quer que tiremos você dai, né? Então vamos ter que passar pelo, err... protocolo? É, protocolo. Me diz seu nome, idade e momento mais feliz da vida. Sem questionamento, precisamos disso para poder tirarmos você dai.
......-Meu nome? - disse a garota pensativa - Meu nome é… Eu não consigo lembrar meu nome… - então a garotinha começou a chorar, aos poucos Lars começou a se sentir cansado e um pouco quente, uma leve pulsassão na lateral da sua cabeça lhe causava um pequeno desconforto - Eu não lembro de nada… - concluiu a garota.
......Então Magnus chegou com o chocolate, ele estava um pouco cansado e sentia uma certa dor de cabeça, porém não era nada de muito grave no seu caso. Ele se aproximou da garota e disse - Prontinho, se você se comportar bem e responder tudo direitinho, eu te tiro de perto desse malvadão e te entrego todo o doce que eu tenho comigo, trato feito? - a garotinha parou de chorar e acenou positivamente com a cabeça. - Certo... Primeiro: Quem foi que te botou aqui? - a garotinha olhou para baixo e respondeu - Não lembro… - Magnus continuou as suas perguntas, mas a garota não conseguia responder a nenhuma - Então não temos um trato. Lars, se divirta com ela. - disse Magnus.
......Enquanto Lars e Magnus sussurravam, Mayu e Rin apareceram atrás deles. Rin olhava confusa para eles e disse - Oque vocês estão fazendo? Não tem nada nessa cela. - Mayu olhou para a cela e para os marinheiros algumas vezes, então olhou para Rin e disse - Você não está vendo a garotinha? - a marine suspirou - Acho que tenho que descansar um pouco… Já estou imaginando coisas…
......A garota sorriu ao ver Mayu, mas não era um sorriso inocente e sim um sorriso tenebroso e assustador. Mas ele foi tão rápido que apenas Lars conseguiu perceber ele.
......-HEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEY! - gritou Arko - TÁ NA HORA DE COMER! - então outros prisioneiros começaram a gritar junto com ele, batendo os seus pés ao mesmo tempo, causando um enorme barulho que se tornava impossível de ouvir o que quer que fosse. Arko se aproximou da cela, colocou o rosto um pouco de fora e olhou para o grupo de marinheiros - Têm aproximadamente… - olhou para cima e então para eles novamente - 5 minutos. Se a comida não chegar eu vou comer em outro lugar.

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
Thanks for [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.], Cupcake Graphics


____________________________________________________

~Fala~
~Pensamento~

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

Sabe por que caímos?
Para aprendermos a levantar.
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]


[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ceji
Caçador de Recompensas
Caçador de Recompensas
Ceji

Créditos : 4
Warn : Imperial Advent - Página 5 10010
Masculino Data de inscrição : 04/02/2013

Imperial Advent - Página 5 Empty
MensagemAssunto: Re: Imperial Advent   Imperial Advent - Página 5 EmptyDom 14 Out 2018, 15:44

Chagas Infernais - Parte I

Não importa quem você seja ou aonde mora, é unanime que se sentir excluído de algo é uma sensação horrível. Quando se é criança, escondem coisas de você por acharem que não tem maturidade ou idade para entender certas coisas; quando se é adolescente ou adulto, escondem coisas de você por não fazer parte de certos grupos... Mesmo que em meios e situações diferentes, a sensação de não ter coisas partilhadas com você é uma sensação de traição, e era quase assim que me sentia nesse momento. Não que estivessem ativamente escondendo coisas de mim, claro, todos estavam realmente tentando resolver aquela bodega, mas as poucas informações que eu havia tido o conhecimento não se encaixavam, e eu culpava meu cérebro por não conseguir encaixar porra nenhuma, quase como se fosse uma daquelas crianças brincando de encaixar as formas geométricas tentando encaixar o quadrado no espaço do círculo. Era como se a qualquer momento eu pudesse me tocar de algo, mas essa revelação não vinha.

A garotinha também não estava colaborando muito, pra variar. Gê havia saído e eu havia tentando tirar alguma informação dela, mas naquele ritmo eu passei a realmente cogitar se tirar doce de criança era tão fácil, porque informação não estava sendo nem um pouco. A garota parecia que tinha sofrido algum tipo de amnésia ou sei lá o que, porque dizia não se lembrar de nada, chegando ate mesmo a chorar! Eu estava realmente farto daquele comportamento dela, e não dúvidaria se me dissessem que o cansaço que havia começado a me abater fosse por conta de estresse. Faria muito sentido, na verdade. Quase que escutando minhas súplicas, Gê chegou logo em seguida com uma barra de chocolate e tentou mais uma aproximação com ela. Surpreendentemente ele conseguiu uma quantidade de informações tão grande quando as minhas: Absolutamente nada. Sinceramente, aquela garota parecia não estar nem tentando colaborar; ela deveria seriamente agradecer pelas grades e pela idade dela conterem minha vontade de a enganar, porque estava do caralho.

Mais uma vez minha concentração foi quebrada, não que isso fosse difícil; dessa vez eram Rin e Mayu. As duas encaravam a cela até que minha companheira decidiu se pronunciar, sem entender quais drogas havíamos fumado pra ver uma garotinha na suposta cela vazia. Claro que ela não disse com essas palavras, mas eu não duvidava que, pra alguém de fora, fosse isso que parecesse. Eu também acharia isso, então não estava ali pra julgar as pessoas. Surpreendentemente, dessa vez de forma realmente supreendente, Mayu intercedeu do nosso lado, ela também via a garotinha - Pera, para, para, você acabou de dizer que está vendo ela? - Dizia, apontando para Mayu, antes de apontar para Rin e prosseguir - E você diz que não vê? - Naquele momento um "click" ressoou na mesma mente tão de repetente quando o sorriso macabro que a garotinha fez ao ouvir as declarações das duas. Finalmente algumas informações haviam se encaixado, e eu não podia deixar passar - Perai, reunião rápida - Diria, puxando Mayu e Gê para longe da cela, mas apenas acenando para Rin enquanto esperava que ela viesse também, mas sem tocar em nós. Uma vez afastados e reunidos, começaria - Primeiro, ninguém toca na Rin. Se o que eu estiver pensando estiver certo, nós três podemos estar com alguma coisa, e isso estar ligado com o fato de vermos a garota. Mayu estava passando mal, e eu comecei a me sentir cansado e com calor. Gê, você sente alguma coisa diferente? - Perguntaria, mas já esperava uma resposta positiva para aquela pergunta - Viram? Tem alguma coisa aqui. Uma doença, talvez, mas provavelmente contagioso. Vocês duas viram algo que pôs ter trazido algo assim para cá? Algum caixote, vídeo quebrado, prisioneiro doente...? - Caso elas soubessem e fosse algo que alguém trouxe, perguntaria  - E quem foi que trouxe? - Masmo que já pudesse ter uma ideia.

- Seguinte, o Gê disse que Angel recebeu um frasco misterioso, e pode muito bem ser o que está causando isso. Independente de ser ou não, precisamos rastrear a fonte o mais rápido possível - Explicaria minha linha de raciocínio - A garota pode estar associada a essa doença, mas não necessariamente é um alucinação. Na conversa minha é de Gê com ela, parece que nos dois víamos e ouvíamos a mesma coisa. Preciso que vocês verifiquem a veracidade dela enquanto eu vou atrás da fonte. Gê, você fica no comando, ok? - Diria, antes de sussurrar para Gê - Quando vocês não estavam olhando, a garotinha deu um sorriso maligno. Fica ligado que ela deve ser real e estar junto da Angel - E então recuaria novamente - Ah, e vejam se cuidem dessa comoção aí do Arko, pode ser que ele ou Angel tenham feito algo durante a barulheira, ou os cinco minutos sejam tempo limite para isso - Diria a todos, antes de partir atrás da pessoa suspeita.

Caso nenhuma das duas soubesse me dizer quem poderia ter trazido a fonte daquela "doença", eu iria atras de Manchinha, o cara que estava preso com Arko, para lhe perguntar - Aí, tem algo parecido com uma doença se espalhando pela área da prisão, sabe o que pode ter trazido isso? Ou quem trouxe? - Caso tivesse sido algum prisioneiro, perguntaria também  - E quem trouxe ele? Lembra algum característica física? - E, caso tivesse minha resposta, agradeceria e iria atras da pessoa, assim como se tivesse recebido as informações de Rin ou Mayu. Procuraria a pessoa até a achar, quando então procuraria sinais do problema de saúde. Caso a pessoa apresentasse os sintomas, provavelmente não sabia o que tinha trazido, então a abordaria - Ei, você aí! É, você mesmo. Eu preciso de umas respostas suas, e tem que ser agora - Se fosse a garota verde, entretanto, adicionaria ao final - Se você for tudo o que o seu pai disse, então vai colaborar comigo, me segue - E partiria devolta a ala da prisão. Traria a pessoa comigo nem que fosse a força, e explicaria a situação: diria o que ela teria trazido de perigoso, a doença e a garotinha. Não diria do frasco nem do plano de Angel, eu não confiava tanto nela a ponto de dizer tudo o que sabia, ainda mais se fosse a garota verde, mas não podia deixar isso transparecer - Então, Quer o detalhes do local e situação onde o achou - Questionaria sobre a pessoa ou item que poderia ter trazido a "doença". Eu esperaria as respostas e, na ala da prisão, tentaria saber com Gê o que ele havia descoberto.
OFF:
 

Histórico do Ceji:
 

NPC Acompanhante:
 

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

R.I.P. Lars:
 


Última edição por Ceji em Dom 21 Out 2018, 18:49, editado 2 vez(es)
Voltar ao Topo Ir em baixo
gmasterX
Civil
Civil
gmasterX

Créditos : 11
Warn : Imperial Advent - Página 5 10010
Masculino Data de inscrição : 12/06/2014
Idade : 21
Localização : Na minha casa,ué

Imperial Advent - Página 5 Empty
MensagemAssunto: Re: Imperial Advent   Imperial Advent - Página 5 EmptySeg 15 Out 2018, 15:56

...That enjoy playing games




Sabe aquele sentimento de quando algo ruim está acontecendo ao seu redor, mas você não sabe ao certo dizer pois está muito ocupado estando doente e sobreviver? Pois é... Lembra das quinhentas vezes que eu disse que ficaria com dor de cabeça e terminaria a missão doente? É... Temos uma garotinha que ta presa e não se lembra de nada, uma dor de cabeça e uma suspeita que gosta muito de participar desse jogo de gato e rato. Toda ação que tomo é frustrada ou ineficaz de certa forma, sinto que estou andando em círculos com esse raciocínio e pra complementar isso tudo, tem um marmanjo barbado que acha legal ficar gritando na minha cabeça. Eu já to uma pilha de nervos e sinto que a qualquer momento eu vou acabar machucando muito alguém. Tudo que eu mais quero neste momento é me deitar e dormir pelo resto da minha estadia nesse QG, até porque essa aventura na Grand Line não me trouxe nada de bom até agora... Bem... Na verdade ela me aproximou bem mais da Mayu... Mas olhando o placar, a Grand Line ta perdendo feio.

Lars parecia ter percebido algo, e nos chamou no canto. Eu não conseguia me concentrar muito bem no que ele tava falando. Só conseguia pensar no que fazer pra diminuir a minha fúria.

– Gê, você sente alguma coisa diferente? – Ele perguntou, enquanto eu estava nesse transe.

–Han? Ah... Um pouco de cansaço e dor de cabeça... – Eu respondi

Após discutir um pouco a situação, ele decidiu que iria partir em busca do culpado por essa epidemia no QG, deixando-me a cargo de extrair mais informação da meliante. Mesmo distraído durante seu discurso, eu ouvi algo interessante.

- Quando vocês não estavam olhando, a garotinha deu um sorriso maligno. Fica ligado que ela deve ser real e estar junto da Angel – Ele sussurrou para mim.

– Meu sangue ta fervendo pra punir a Angel Dust... Mas se ela continuar, ela vai acabar sofrendo junto...

Espera... Esse não sou eu... Só porque estou puto, não significa que perdi meus sentidos... Mesmo que ela provavelmente seja uma criminosa, ela ainda é uma criança. Tenho que focar em fazer o que é certo, não posso me desvencilhar do meu caminho até o topo. Se eu quero ser um herói, devo proteger e não ferir.

Eu me voltaria para a Mayu e sussurraria: – Eu preciso que você saia daqui e leve qualquer um que não possa se defender... Eu sinto que algo ruim está prestes a acontecer e eu não quero que você se envolva mais. Se te perguntarem, apenas diga que algum idiota espalhou uma gripe. – Eu prosseguiria sorrindo e completaria com: – Não se preocupe comigo, lembre-se do que eu te falei mais cedo.

– Rin, preciso que você fique de olho naquela cela e preste bastante atenção. – Eu sussurraria pra companheira de Lars. Eu duvido muito que haja algo como alucinação grupal, por isso o que acontecesse em seguida poderia esclarecer as coisas.

Eu então seguiria me sentando em frente à cela da garotinha e seguiria puxando a barra de chocolate que havia pego. Eu prosseguiria destacando um pedaço generoso da barra, encarando a garotinha. Eu prosseguiria enfiando tudo na boca e mastigando aquele pedaço da barra bem rápido.

– Eu to desde cedo sem comer algo, então se quer mesmo ficar com o doce e sair daí, essa é sua ultima chance. – Diria, assim que tivesse engolido o chocolate com sucesso. Em seguida eu destacaria outro pedaço e prosseguiria dizendo: – Se você não lembra o que eu te perguntei, então me conte do que você lembra.  Até porque, se você não tem provas ao seu favor, você é considerada culpada e pela lei eu não posso te tirar daí. Você tem até o fim da barra de chocolate pra me convencer, se não, você vai ficar sem a barra e sua liberdade... – Eu então prosseguiria, mastigando bem rápido o pedaço de chocolate. Tentaria não me deixar levar pelo possível escândalo ou choradeira que ela fizesse para tentar me amolecer. Até porque ela estava claramente entre mim e o fim dessa missão. Eu pararia de comer pela metade da barra.

Eu ouviria o que ela tinha a dizer, prestando bastante atenção. Se ela tentasse me enrolar ou se negasse a dizer algo relevante, eu daria ¼ da barra de chocolate pra ela, me levantaria e caminharia pra longe, dizendo: – Tudo bem, boa sorte em convencer outra pessoa a te tirar daí.

Se ela dissesse algo plausível, eu lhe daria metade da barra de chocolate e diria: – Eu combinei de lhe dar tudo se você tivesse me dito antes. Por ter tentado me enrolar, você só vai ficar com isso. Agora espera ai que eu vou pegar as chaves. – E sairia de perto dela.

Eu aproveitaria o que tinha sobrado da barra de chocolate e exclamaria: – CERTO! Estiquem as mãos! – Dividindo o que sobrou do chocolate em pedaços iguais pra cada preso e distribuindo-a para aqueles que haviam esticado suas mãos. Em seguida, eu pararia em frente à cela de Arko. Se ele não tivesse pego o chocolate antes, eu jogaria um pedaço pra ele neste momento, e diria: – Esse pouco vai ser o suficiente, não é? Já que você só disse que queria comida, então... Tenha uma boa refeição! E não coma muito rápido, isso pode te dar uma má digestão. – Partindo pro canto da cela logo em seguida


NPC ACOMPANHANTE:
 

Legenda:
 

Histórico do Gezão:
 

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.][Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

Bejin no ombro:
 
Voltar ao Topo Ir em baixo
Kyo
Civil
Civil
Kyo

Créditos : 27
Warn : Imperial Advent - Página 5 10010
Masculino Data de inscrição : 28/03/2013
Localização : -x-

Imperial Advent - Página 5 Empty
MensagemAssunto: Re: Imperial Advent   Imperial Advent - Página 5 EmptySeg 15 Out 2018, 18:06


Voltando ao Trabalho

-Quase ia me esquecendo de algo muito importante, meus equipamentos, onde estão?-

Perguntava a Beethoven, de certa forma não poderia se esquecer de algo tão importante como seus equipamentos, afinal de contas já estavam com ele a muito tempo o que de certa forma o fazia pensar nisso.

-Então... que assim seja, me prepararei-

Dizia enquanto ergueria seu corpo de onde estava e logo após isto começava a andar em direção ao primeiro lugar onde primeiramente precisava se preparar, assim sendo começava a se limpar, tirando toda aquela camada de sujeira por ter estado em uma cela de prisão e também por ter ficado em um estado tão complicado enquanto lá estava.

“Hora de... ir para o próximo lugar” Pensava enquanto acabava de se limpar indo em seguida arrumar alguma roupa para se vestir, devido a acontecimentos anteriores, então pegava o que estivesse a sua disposição como roupa da Marinha e seguiria diretamente para o local pegar seus equipamentos.

-Sob ordens do Capitão Beethoven, vim aqui recuperar meus pertences, um par de manoplas, um par de botas e mais o que ai estiver que seja meu-

Após receber seu par de manoplas não perderia tempo e já as equipava fazendo o mesmo com suas botas além de pegar mais o que estivesse ali que fosse seu e assim sendo guardar ou equipar, “Fazia algum tempo... mas aqui estamos nós novamente” pensava enquanto amaciava seus equipamentos já equipados em seu devido lugar, “Tá na hora de voltar ao trabalho”, seus pensamentos transbordavam enquanto passo a passo iria agora de encontro a Beethoven, só que agora preparado.

Tendo encontrado o mesmo, estava enfim no momento de conversarmos e enfim de ir ao encontro de seus aliados ou até mesmo ficar ali na espera de um ataque inimigo, tudo naquele momento dependeria do Capitão Beethoven.

-Muito bem Capitão, tudo está nos seus conformes, então aqui estando faço a mesma pergunta, independente do que resulte, o farei, então prefere que eu fique aqui ajudando nas possíveis defesas do QG esperando que nossos inimigos façam sua jogada e eu ajude as tropas daqui a defender o Quartel General ou eu me junte aos outros dois nas ruas da cidade e ajude na investigação?-

Finalizaria como uma pergunta, então dependendo de sua resposta daquele ponto saberia o que fazer, sendo que caso fosse a primeira, junto a ele começaria a traçar estratégias defensivas e preventivas para impedir que possivelmente nossas perdas acabassem sendo muito altas e que pudéssemos responder a altura do ataque inimigo.

Caso fosse a segunda diria, -Muito bem, alguma ideia de onde eles possam estar?- de qualquer forma ficaria no QG esperando que algum deles fossem a seu encontro.

Caso se encontrasse com Lars em algum momento ali o escutaria sobre a atual situação e então começaria a conversar com ele sobre os acontecimentos e dizendo sobre o que aconteceu quando ainda estava na cela detalhando também partes importantes como o dirigível estranho.

Histórico:
 

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Spoiler:
 
Voltar ao Topo Ir em baixo
Skÿller
Agente em Treinamento
Agente em Treinamento
Skÿller

Créditos : 24
Warn : Imperial Advent - Página 5 10010
Masculino Data de inscrição : 10/08/2015
Idade : 25
Localização : Novidades em Breve

Imperial Advent - Página 5 Empty
MensagemAssunto: Re: Imperial Advent   Imperial Advent - Página 5 EmptySex 19 Out 2018, 19:07




Imperial Advent



Kyo

...... Kyo parecia não se importar muito com o que acabava de presenciar, apenas se limitando a perguntar onde poderia encontrar os seus pertences. Capitão Beethoven lhe deu as indicações e assim partiu o marine em busca de seus equipamentos. - Faça o que achar melhor, tenente. - o capitão - Os soldados precisam de alguém para os liderar caso seja necessário, mas os seus companheiros podem precisar de uma mão extra. Irei dar o benefício da dúvida. - a voz do capitão ia aos poucos ficando mais baixa, até chegando ao ponto que ele adormeceu.
......O marinheiro chegou no local indicado, quase no lado oposto da prisão. Lá a marinheira responsável parecia um pouco relutante para entregar as coisas a Kyo, porém não fez muito caso. Ao sair da sala de itens confiscados, Kyo chocou contra um marine alto, loiro e magro, de olhos verdes e com uma farda que era bem incomum entre os marinheiros, se assemelhando a de alguém de uma patente bem mais alta: um vice-almirante.
......-Peço desculpa. - disse o vice-almirante quando chocou contra Kyo - Estava distraído. - no seu rosto existia um sorriso bobo e os seus olhos transmitiam uma estranha sensação de conforto e bem estar, porém a sua voz era bem oposta a isso, visto que parecia a de alguém cansado - O meu nome é X. Charles. - disse estendendo a sua mão.

Ceji & G

......Lars parecia ter chegado a uma conclusão sobre a garotinha, mas até onde ela seria real? De qualquer jeito era tudo que ele tinha e poderia acabar por juntar uns pontos soltos acidentalmente. O marinheiro juntou o grupo e explicou o que achava daquela situação - Primeiro, ninguém toca na Rin. Se o que eu estiver pensando estiver certo, nós três podemos estar com alguma coisa, e isso estar ligado com o fato de vermos a garota. Mayu estava passando mal, e eu comecei a me sentir cansado e com calor. Gê, você sente alguma coisa diferente? - perguntou para Magnus, o seu companheiro respondeu de uma forma um pouco indiferente que apenas lhe doía a cabeça e que se sentia cansado - Viram? Tem alguma coisa aqui. Uma doença, talvez, mas provavelmente contagioso. Vocês duas viram algo que pôs ter trazido algo assim para cá? Algum caixote, vídeo quebrado, prisioneiro doente...?
......Nesse momento as duas marinheiras ficaram pensativas, olharam uma para a outra e então Mayu respondeu - Alguém trouxe um prisioneiro doente para aqui. Eu ajudei uma guarda a tratar dele e levar para a ala médica. - após isso Rin, puxando pela memória e respondendo num tom um pouco incerto completou - Eu acho que foi aquela marinheira de pele verde que trouxe ele.
......- Seguinte, o Gê disse que Angel recebeu um frasco misterioso, e pode muito bem ser o que está causando isso. Independente de ser ou não, precisamos rastrear a fonte o mais rápido possível - disse Lars explicando a sua linha de raciocínio. Todos pareciam compreender o seu pensamento e não tinham nada a opor. Então Lars partiu em procura de Max, visto que Kyo não estava na cela.

G

......Magnus passava indicações e tarefas para as marinheiras que o aceitavam de bom grado, embora fosse claro que Mayu estivesse preocupada com Magnus, visto que ele também estava doente. O marinheiro foi de novo até a cela da garotinha e tentou mais uma vez conseguir alguma informação dela. - – Eu to desde cedo sem comer algo, então se quer mesmo ficar com o doce e sair daí, essa é sua ultima chance. - a garotinha fez um esforço enorme para conseguir se lembrar de algo, se ela estivesse realmente mentindo então ela era uma ótima atriz - Se você não lembra o que eu te perguntei, então me conte do que você lembra.  Até porque, se você não tem provas ao seu favor, você é considerada culpada e pela lei eu não posso te tirar daí. Você tem até o fim da barra de chocolate pra me convencer, se não, você vai ficar sem a barra e sua liberdade…
......Então algo surgiu na mente da garotinha, os seus olhos ficaram esbugalhados e ela olhou para Magnus - Meu nome… Eu lembrei dele… Meu nome é Xiomara C. - ela começou a olhar para as mãozinhas - Eu tava brincando de bola quando… Quando apareceu um homem. Eu só lembro que ele era muito alto. Ele era loiro e tinha um olhar assustador. - ela olhou para o marinheiro e, nesse momento, tudo indicava que ela estava dizendo a verdade - É tudo que eu consigo lembrar.
......– Eu combinei de lhe dar tudo se você tivesse me dito antes. Por ter tentado me enrolar, você só vai ficar com isso. Agora espera ai que eu vou pegar as chaves. - disse Magnus dando um pouco de chocolate para a garotinha, ela aceitou o pedaço de chocolate mas rapidamente o largou, na sua cara tinha uma expressão de nojo que durou poucos segundos. Então ele começou a distribuir chocolate por todos os prisioneiro, fazendo Arko rir num tom de desprezo. - Aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaah, não !!!! Lembrei pq gosto de doces, não posso comer!!! TIRA ISSO DAQUII!! SOU DIABÉTICA. - disse a garotinha.
......– Esse pouco vai ser o suficiente, não é? Já que você só disse que queria comida, então... Tenha uma boa refeição! E não coma muito rápido, isso pode te dar uma má digestão. - disse Magnus para o prisioneiro. Arko comeu o chocolate com gosto e disse, lambendo os dedos - Vou dar nota 6 a esse estabelecimento. Me deixou entretido, mas acho que não voltarei para ele… - então ele virou as costas para Magnus e olhou para a janela - Olhe que engraçado… Parece que vai chover…

Ceji

......Lars deu o melhor de si para encontrar a marinheira de pele verde, após algumas voltas pelo QG, finalmente a encontrou no balcão principal, assinando uns papéis e sem sua farda e com um saco no ombro; algo dizia que ela havia estado a chorar, provavelmente os seus olhos avermelhados. - Ei, você aí! É, você mesmo. Eu preciso de umas respostas suas, e tem que ser agora. Se você for tudo o que o seu pai disse, então vai colaborar comigo, me segue - a garota fechou os punhos com força, parecia que não estava tendo um dia muito agradável, porém seguiu Lars sem dizer uma única palavra, mantendo sempre a sua cabeça baixa. Quando estavam se aproximando da ala da prisão ela parou e se recusou a seguir em frente. - Diga logo o que quer. - disse ela num tom frio.
......- Então, Quer o detalhes do local e situação onde o achou - disse Lars após dizer o que queria dela. A jovem largou o saco e olhou para a sua direita, para uma janela no corredor vazio em que se encontravam, ela contemplava as nuvens negras que começavam a se formar. - Eu estava fazendo minha patrulha diária pela cidade quando vi um homem atacando civis de forma raivosa e descontrolada. Dei um jeito nele e coloquei na prisão. Eu não sei nada sobre nenhuma garotinha na prisão. Se ele estava ou não doente, eu realmente não sei. Agora sobre… Aquela pessoa…
......A jovem respirou fundo, falar sobre Angel Dust era algo que incomodava a garota - Sobre a minha tia… A última coisa que quero é participar dos planos insanos dela - a garota lançou um olhar furioso para Lars, mas ela não estava com raiva dele, isso era claro - Acabei de largar a marinha por não confiarem em mim. E antes que pense que estou exagerando, deixe-me dizer que não estou. Não sei se sabe, mas dois civis e um marinheiro morreram hoje graças a minha amada tia, e ninguém teve a decência de me chamar para a missão ou interrogar. Eu já provei para o capitão que eu sou uma pessoa justa, talvez uma das mais justas de toda a marinha. - uma lágrima escorreu do canto do olho dela - Mas parece que é difícil confiarem em nós quando a nossa família é composta por criminosos ou ex-criminosos. - a garota suspirou - Um chef de restaurante, um bêbado e um marinheiro chamado Rozalya… Nenhum deles merecia morrer, mas agora é tarde. Não quiseram a minha ajuda antes e não vão querer a minha ajuda agora. - a garota respirou fundo mais uma vez, parecia tentar se controlar. Olhou para o chão, limpando as lágrimas do rosto de uma forma dócil - Quer mais alguma coisa? Ou posso começar a procurar um trabalho novo?
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
Thanks for [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.], Cupcake Graphics


off: to um pouco cansado e desanimado, qualquer coisa só dar um toque que eu corrijo ou explico melhor. E já agora, o Kyo não percebeu que o céu ta fechando pq onde ele estava n tinha janelas, e é isso.

Kyo, adicionar em ganhos: Farda da marinha nova e limpa.

____________________________________________________

~Fala~
~Pensamento~

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

Sabe por que caímos?
Para aprendermos a levantar.
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]


[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ceji
Caçador de Recompensas
Caçador de Recompensas
Ceji

Créditos : 4
Warn : Imperial Advent - Página 5 10010
Masculino Data de inscrição : 04/02/2013

Imperial Advent - Página 5 Empty
MensagemAssunto: Re: Imperial Advent   Imperial Advent - Página 5 EmptySeg 22 Out 2018, 14:33

Chagas Infernais - Parte II


Quando eu era pequeno, meus pais sempre me contavam algumas de suas aventuras pela Grand Line, sobre algumas missões que eles faziam e acabavam os levando a várias ilhas diferentes. Eu gostava muito dessas histórias quase místicas, mas conforme fui crescendo, fui perdendo o interesse nessas histórias tanto quanto perdia o interesse na marinha. Quando se cresce, você começa a ver o mundo como realmente é, afinal, e o místico acaba ficando chato, mas ouso dizer que essas histórias foram uma das poucas coisas que me impediram de cagar completamente pros meus pais e fugir de casa pra não ter que virar marinheiro. A questão é, quando eu era pequeno, sempre achava que a parte mais interessante das aventuras eram os desafios e obstáculos, mas agora que eu estava mais maduro (afirmação questionável, eu sei), eu conseguia ver um pouco mais além. Por mais que a maioria das pessoas servisse apenas para encher meu saco e me emputecer, era realmente incrível a quantidade de pessoas diferentes que se encontrava ao viajar, e mais incrível ainda era como essas tantas diferenças faziam as pessoas serem tão parecidas, quase como se cada uma carregasse um pouquinho uma da outra, assim como um pouquinho de si mesmo. São tantas pessoas diferentes que achar alguém parecido acabava sendo uma tarefa mais fácil do que normalmente seria, e isso era bizarramente foda. Quer dizer, era foda enquanto eu não achasse outro Sparkbolt, porque aí seria um inferno. Eu havia crescido um bocado, mas ainda tinha certeza que ia receber o famoso olhar julgador se sempre. Infelizmente é sempre uma merda ser a ovelha negra da família.


Nesse momento, porém, mais do que saudosismo e reflexões, eu tinha uma missão a cumprir, infelizmente, e uma doença para resolver. Não, com isso eu não quero dizer que vou aprender medicina em um passe de mágica e ir tratando o pessoal, mas alguém tinha que rastrear a fonte daquela merda. Aquela doença estava se espalhando de algum modo pela instalação, possivelmente pelo contato físico, e nos não podíamos deixar se alastrar mais, especialmente por não sabermos o que aquilo podia causar. Podia doer, mas talvez eu disse que aceitar que aquilo fosse mortal, até que me provassem o contrário, afinal, porque Angel botaria, sei lá, gripe para infectar o QG? No melhor dos casos ela queria nos enfraquecer, para ter baixa resistência ao ataque dela, mas eu não via motivo para, nesse caso, não por uma doença mortal aqui. Perigo de afetar o Arko? Não, eu duvidava. Eu até queria ver o Arko-Iris infectado, imaginar ele com dor de cabeça e dores no corpo era um pensamento bem interessante, mas os fatos indicavam que não deveria ser bem assim. Se o que quer que estivesse nos infectando fosse passado pelo tato, a chance de infectar gente atenta e com conhecimento da infecção era baixa, e se fosse pelo ar, mais gente estaria infectada, como a Rin. Sendo um método mais limitado, seria idiotice presumir efeitos fracos, se estivéssemos mortos ou morrendo seria ainda mais fácil para ela atacar, desde que Arco tomasse as precauções. No final das contas, nós tínhamos que acabar com aquela missão o mais rápido possível para sermos examinados por médicos competentes, senão poderíamos acabar piorando, e piorando, e piorando. E eu sinceramente não queria terminar o dia como prato gourmet pra fungos decompositores.


A chave para nosso sucesso deveria ser a ação coordenada, e com isso quero destacar o repasse de informações. Nos precisávamos agir em mais de uma frente, e eu não estava com saco nenhum de ficar correndo de um lado para o outro fazendo rudo. Nesse questiono, quatro marinheiros bem informados eram melhores do que dois, assim chamei Gê e Rin para discutirmos a informação, vulgo eu repassar tudo para elas. Por mais que eu me sentisse um pouco incomodado em falar todas aquelas informações em voz na mesma sala que Arco, daquela distância ele não conseguiria nos ouvir, e provavelmente nem a garotinha, e mesmo se o Iris ouvisse, eu só precisaria depois encher ele de porrada até ele esquecer a informação, bem simples. Depois que terminei de falar com os três, questionei Rin e Mayu sobre a origem da doença ali, mesmo sem muita convicção de resposta, mas acabou que as duas sabiam, ou ao menos tinham uma ideia. Ao que parecia havia sito a garota verde, e felizmente eu lembrava desse fato - Ahhhh, saquei, eu acho que estava aqui quando ela trouxe - Dizia, antes de sair a procura de Max. Parando pra analisar, era difícil que alguém meticuloso como Angel fizesse algo tão superficial quanto deixar a sobrinha dela trazer o perigo para dentro do QG, isso seria quase como admitir a autoria da ação, por isso duvidava que Max ouve-se trazido o prisioneiro a mando da tia. Bom, isso era onde minha linha de raciocínio me levava, se eu estivesse errado seria tudo bem mais fácil, porque a Angel seria bem mais boçal do que presumíamos.


Depois das primeiras duas voltas no Quartel General, comecei a ficar realmente puto. Como diabos eu não estava conseguindo achar a desgraça de uma garota verde? UMA GAROTA VERDE!! É tipo procurar uma agulha no palheiro, mas a agulha sendo na verdade um bastão de neon, NÃO ERA PARA SER DIFÍCIL JUSTAMENTE PORQUE ELA SERVIA QUASE COMO PONTO DE REFERÊNCIA. Mesmo a contragosto, dei mais uma volta, e cheguei a duas simples conclusões: ou ela não estava no QG, ou estava cagando as tripas no banheiro. E eu torcia pela segunda opção, porque não estava nem um pouco afim de procurar na cidade. Acabei desistindo e me dirigindo a saída, e foi quando então a vi. Não importava se ela havia terminado o barros ou parado de fugir de mim, o importante era que eu havia a achado e precisava dela com mais urgência do que ela tinha pra assinar aquela papelada. Eu a abordei e a puxei sem resistencia por parte da mesma, mas assim, que cheguei próximo a ala da prisão, Max parou. Não sabia porque da parada repentina, mas se ela queria que eu falasse ali, quem era eu pra criticar? Ao menos estávamos longe de Arko para ela não ser reconhecida, então eu não tinha muitos motivos para insistir em me pronunciar lá. Eu não queria ter que desconfiar dela, ou deixar desconfiança transparecer, principalmente pelo que o pai dela havia dito, então decidi contar a maioria da ópera: da doença à garotinha. A reação dela, por outro lado, não foi tão animadora. Max me revelou, aparentemente meio a contragosto, que havia encontrado o crimonioso atacando pessoas com uma fúria descontrolada no centro antes de o apreender. Aquela fúria descontrolada talvez fosse um efeito da doença, e eu não queria nem imaginar como eu, especialmente eu já tinha muita raiva reprimida, ficaria com aquela merda. Bom, era apenas mais um motivo para tentar resolver o problema o quanto antes. Mas foi prosseguir com as informações, mas foi aí que tudo descarrilhou.


Em vez de continuar me respondendo, Max acabou desabafando sobre aquela situação toda, de não confiarem nela pelo histórico familiar, de não a chamarem para a missão porque envolvia sua tia, de não a deixarem ajudar... Era tudo realmente uma merda, e a pior parte é que eu simpatizava com ela. Por mais que no meu caso fosse uma influência mais direta, minha família também fodia minha vida, me forçando a seguir uma carreira que eu não queria e fazendo todos me superestimarem por causa da gosta de um sobrenome. Mesmo que fosse uma influência "positiva", eu via muita dessa mesma influência impactando negativamente também na vida dela, assim como impactava a minha, e eu sinceramente não podia deixar ela cometer aquele erro. Eu havia me deixado levar e me arrependia até hoje, e se eu pudesse impedir alguém de cometer o mesmo erro, eu com certeza o faria - O ROSALY O QUE?!?!? - Aquela informação havia me me pego desprevenido e me chocado, em especial porque eu sabia que que podia ter evitado isso se não tivesse deixado o cara lá sozinho com o bêbado... - ...Ahem, desculpe - Limparia a garganta e me desculparia pela exaltação repentina. Eu queria ajudar ela, e ficar me exaltando pela morte dos outros só serviria para piorar a situação - Sim, eu ainda tenho algo para falar. Não como marinheiro, mas uma conversa de Lars para Max - Diria, apoiando minhas costas na parede - Eu sei como é ser julgado pela própria família, embora seja um pouco diferente do seu caso. Eu tinha vários sonhos quando criança, mas como todo bom Sparkbolt, eu tinha que virar marinheiro - Diria a ultima parte meio de deboche - Eu acabei desistindo, e agora todos me superestimam por causa da merda de um sobrenome... - Quando percebo meu olhar distante, balanço a cabeça - O que eu quero dizer é... Não cometa o mesmo erro que eu. Seu pai me disse o quanto a marinha é importante pra você, não desista dos seus sonhos por pressão alheia - Diria, com algumas lágrimas começando a sair dos mais olhos. Aquelas palavras não eram só pra ela, eram tambem sentimentos que eu estava reprimindo, e finalmente conseguia por para fora - Mesmo que te julguem pelos seus antecedentes, você não pode deixar eles terem razão, precisa trilhar o seu caminho, deixar a sua marca, para que eles possam ver quem VOCÊ é, não o que acham que voce é - Lágrimas escorriam conforme as palavras saiam da minha boca, então as limpei com a manga da camisa - Desculpa, desculpa... A questão é, sempre haverão aqueles que olharão pra você sem se importar se onde veio, que confiarão em você, mesmo que não os veja. Assim como eu confiei no seu pai e confio em você - Digo com firmeza - Então deixe eu me apresentar novamente. Eu sou Lars, Tenente responsável pela missão de parar Angel Dust e impedir a fuga de Arko. Assim como prometi ao se pai, pretendo prender Angel Dust para ajudar limpar o nome de vocês dois. A o que quero fazer é: Você quer me ajudar nisso?


Esperaria a reação da garota, sinceramente esperando uma reação positiva. Ela havia passado umas poucas e boas ali, o que fez eu me lembrar um pouco do meu primeiro dia na marinha, quanto tinha sido obrigado a comer comida estragada a nove meses e fui punido por destruir patrimônio da marinha. Eu podia ter conhecido ela a pouco tempo, mas queria realmente ajuda ela com tudo o que estava a no disposição, e dessa vez tinha condições de fazer algo. Se Max mantivesse sua decisão de sair da marinha, suspiraria - Bom... Você sabe quem procurar se precisar de algo. Boa sorte - Diria, com tristeza. Caso ela repensasse a decisão, mas dissesse que já era tarde demais por ja ter assinado a papelada, diria - Não seja por isso, eu resolvo o problema - E então me dirigiria a recepção. Chegando lá, requisitaria a papelada de demissão de Max - Com licença, pode me passar a papelada de demissão de Max_... - olharia para ela esperando que me dissesse o resto de seu nome completo, quando então completaria - Eu pedi para me dar a papelada, não para questionar o pedido - Diria, caso fosse questionado pela atendente/recepcionista. Uma vez com os papéis em mãos, olharia para eles por dois segundos, então começaria a rasgar ele em vários pedaços e, quando nem triturado, botaria tudo dentro da boca e engoliria - meio amargo, precisava de alguns temperos. Bom, vamos? - faria a piadinha com a expressão mais normal do mundo, como se não tivesse feito nada de estranho, mesmo que já esperasse cagar um entulho depois por não conseguir digerir a celulose do papel - Ah, obrigado - Diria a atendente antes de me afastar com Max. Caso ela me interrompesse assim que fizesse indício de rasgar por haverem informações importantes no documento, acebaria positivamente com a cabeça e arrancaria a parte com a assinatura dela, comendo em seguida e fazendo a mesma piada e agradecimentos ao devolver o resto do papel. Caso ela só falasse que precisavamos resolver com Bethoveen, ou que precisávamos resolver isso após resolvermos o probelma do documento, acenaria positivamente com convicção e depois seguiria para a ala médica, onde o havia visto pela última vez. O achando, seja na ala médica ou tendo que procurar mais, diria, pela primeira vez dizendo seu nome corretamente e com seriedade - Bethoveen. Que história é essa de impedir Max de participar da missão? Por mais que ela tenha parentesco com Angel, ela tem informações valiosas. A partir desse momento, Max vem comigo ajudar na vigia do prisioneiro, entendido? - Caso Beto fosse contra e/ou reclamasse do meu tom de voz com um superior, diria - Você pode ser o capitão do QG, mas eu fui á campo e comandei os sargentos nessa missão. Eu sei a situação atual, e digo que Max vale mais lá, conosco - Continuaria dizendo firme. Caso ele continuasse sendo contra, novamente responderia - Então eu, como tenente, designo ela para outra missão: Patrulha na ala da prisão. Agora você não tem do que reclamar - Mas se ele dissesse que não mudava nada e/ou que não havia concordado com aquele desígnio de missão, diria - Uma pena, porque eu já dei a missão e ela vem. Estamos precisando de pessoal útil lá, então passar bem - Então, independente do que ele tivesse para falar contra, iria embora de volta a ala da prisão. Caso ele desistisse e permitisse, agradeceria - Obrigado pela compreensão - e voltaria com ela a área da prisão.


Com Max ou sem Max, voltaria a ala da prisão e abordaria Rin, Mayu e Gê - E aí viram algo? Alguma novidade sobre Arko ou a garotinha? - Logo após receber as novidades ou notícias, seria minha vez de me pronunciar - Eu trouxe reforço - Diria, apontando para Max com a cabeça - Ela presenciou alguns incidentes, o que pode ser bem útil caso tenhamos que enfrentar a akuma no mi de Angel, e tinha algumas outras informações. Ao que parece, o prisioneiro doente estava atacando em uma fúria desenfreada na cidade, e isso talvez seja um efeito da doença. Fiquem atentos a qualquer impulso raivoso, e me informem se sentirem algo diferente - Até porque eu fico com raiva tão constantemente que nem notaria diferença -- Porque é bem provável que Angel tenha esse efeito em mente caso realmente seja um efeito da doença. E isso só nos indica que temos que terminar a missão o quanto antes para tentarmos tratar isso - Completaria. Logo após, iria até as chaves das celas, as pegaria e manteria comigo - Precisamos ficar atentos para o caso de Angel tente abrir a parede da cela para a rua, para podermos ir atrás. Além disso, algum de vocês tem ideia do que fazer até o ataque começar? - Diria, e me manteria sempre atento a cela de Arko-Iris para o caso de algo de inusitado acontecer.
OFF:
 


Histórico do Ceji:
 


NPC Acompanhante:
 

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

R.I.P. Lars:
 
Voltar ao Topo Ir em baixo
Kyo
Civil
Civil
Kyo

Créditos : 27
Warn : Imperial Advent - Página 5 10010
Masculino Data de inscrição : 28/03/2013
Localização : -x-

Imperial Advent - Página 5 Empty
MensagemAssunto: Re: Imperial Advent   Imperial Advent - Página 5 EmptySeg 22 Out 2018, 18:39


Voltando ao Trabalho(2)

“Um vice-almirante aqui?”

Se perguntava enquanto ainda analisava melhor quem poderia ser realmente aquela pessoa, certamente causava alguma surpresa a si enquanto o acontecimento de desenrolava e tornava a tomar seu equilíbrio após tal ocorrido.

-Não precisa se preocupar, senhor, esse tipo de coisa sempre acontece por aí-

Dizia quase de imediato enquanto batia continência após se levantar, que parecia acontecer de forma natural como se sentisse o dever de fazer isso naquele momento talvez mesmo não querendo, e então pôr fim ao acabar de bater continência ao seu superior e provavelmente superior do superior daquela ilha, voltava seu olhar para aquela pessoa.

-Para você ter vindo a esta ilha na atual situação, provavelmente algo de errado aconteceu, certo? Ou só está de passagem?- perguntava a seu respeito naquele momento, independentemente de sua resposta logo após diria -Não sei a quanto tempo está nesta ilha, mas eu as vezes acho que tem algo muito estranho acontecendo, outras que está tudo normal, de qualquer forma é bem estranho- finalizando sua fala.

Então ainda meio que com pressa, mas ao mesmo tempo não querendo se apressar e certamente ainda querendo conversar um pouco mais com aquele vice-almirante, só que naquele momento nenhum assunto parecia surgir muito além do que já havia acontecido, até que algo chamou sua atenção momentaneamente e poderia acabar sanando sua dúvida naquele momento.

-Você provavelmente deve estar mais a par da situação atual desta ilha, alguma coisa de muito estranha chegou a acontecer?- Perguntava em tom de curiosidade, mas independente da resposta, continuaria ali para sua última pergunta.

-Ouvi boatos por ai de que viram a passagem de um tipo de dirigível sobrevoando a ilha, o dirigível é seu?- independentemente da resposta diria, -Ah tudo bem, só me veio à mente essa dúvida, agora se me der licença tenho que averiguar algumas coisas, senhor, espero que tenhamos a chance de nos encontrarmos novamente em circunstancias um pouco menos complicadas- diria enquanto bateria continência respeitosamente e em seguida começaria a andar a procura do que fazer, procuraria então os demais que estavam trabalhando na missão dentro daquele quartel general.

Procurando até achar, quando achasse perguntaria, -Até que enfim achei vocês, o que vocês conseguiram até agora?- finalizando sua pergunta escutaria seja lá o que pudessem lhe informar, caso não os encontrasse continuaria procurando.

Histórico:
 

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Spoiler:
 
Voltar ao Topo Ir em baixo
gmasterX
Civil
Civil
gmasterX

Créditos : 11
Warn : Imperial Advent - Página 5 10010
Masculino Data de inscrição : 12/06/2014
Idade : 21
Localização : Na minha casa,ué

Imperial Advent - Página 5 Empty
MensagemAssunto: Re: Imperial Advent   Imperial Advent - Página 5 EmptyTer 23 Out 2018, 23:29

Babysitter




Comecei a perceber que tudo na vida depende de como você aborda seus problemas. A maneira que eu costumo bater de frente com tudo que venha me contrariar já tinha me levado a locais bem infortúnios, mas no fundo, bem lá no fundo, eu não consigo simplesmente aceitar que a maneira mais fácil é na verdade a mais chata de todas. Nunca fui fã de burocracia e organização, por isso eu sempre preferi me dirigir diretamente ao problema. Só que... Se eu ferrasse essa missão por simplesmente achar que seria melhor do meu jeito, eu com certeza não conseguiria resolver a situação ou desfazer a burrada que tinha feito com tanta facilidade. Eu me sinto agoniado por não ser forte o bastante para simplesmente fazer o que eu quero de modo que as peças simplesmente se encaixem porque eu quero.  Se eu fosse tão poderoso quanto um almirante... Só a minha presença já faria a tal da Angel Dust desistir completamente desse ataque... E essa nem é a pior parte! Parece que toda vez que eu vou investigar uma dessas pistas que não me levam a lugar nenhum, outro problema surge, e de tanto falar da dor de cabeça, eu acabei tendo uma.

Algo que ela disse me pareceu bem esquisito... “Um homem alto e loiro”... A primeira pessoa que me vem à mente quando ouço isso é o Rozalya, mas eu não posso assumir nada, já que não sei quando isso ocorreu. Só que... Eu acabei de conhecer o cara... E ele teve bastante tempo pra fazer isso e... Não, não, não! A falta de evidencias é mais importante que suposições e pra ser sincero, essa é uma descrição bem vaga e abrangente... Além disso... Lars disse que ela estava com um sorriso maligno quando eu me virei. Hm... Coincidentemente, mais uma vez eu acredito no Lars e isso me faz duvidar veementemente de minha sanidade mental.

Tá, ta... Primeiro tenho que botar minha cabeça de volta nos trilhos e começar a agir, ficar aqui o dia inteiro pensando não ira me levar a lugar nenhum. Primeiro eu faria o que eu prometi e procuraria pela chave da cela. Provável que ela não esteja em um lugar, então se eu não a encontrasse de primeira, eu apenas questionaria seu paradeiro para algum soldado nas proximidades. Se ninguém estivesse por perto para poder me ajudar com essa questão, eu apenas aguardaria um pouco pelo retorno de Lars.  Com ele na cena, eu lhe passaria o que ela havia me dito e seguiria dizendo: – Acho que se enrolarmos ela mais um pouco, ela pode dizer algo importante. O que acha? – E prosseguiria dizendo: – Por eu ter dispensado a Mayu e os outros doentes, vou precisar que você tome dessa ala. – Se ele me perguntasse o porque, eu responderia sussurrando: – No estado que eles estavam, seria bem mais fácil pra Angel Dust entrar lá, pegar o Arko e dar o fora.

Se eu conseguisse a chave ou o consentimento de Lars para poder liberar a garota, eu ficaria na frente da saída da cela e destrancaria sua cela. Então eu me abaixaria para que eu pudesse ficar na sua altura e diria: – Tudo bem... Eu te prometi comida... Então eu vou te levar até o refeitório pra nós acharmos algo que você goste e logo em seguida, vamos procurar pelo seu responsável, certo? – E seguiria esticando minha mão para que pudesse tomar conta dela. Se ela tentasse se livrar de mim ou recusasse minha ajuda, eu diria: – Certo então você vai voltar pra cela e eu vou procurar seu responsável sozinho. Se eu fizer isso, você só vai sair daí depois que eu encontrar ele.  – E aguardaria sua resposta. Se mesmo assim ela insistisse em não querer minha presença, eu fecharia a porta da cela e sairia pelo QG, perguntando se alguém conhecia aquela garotinha e lhes dando a sua descrição.

Se não fosse bem sucedido, eu simplesmente me sentaria na frente da cela dela e diria: – Então parece que nós não vamos a lugar nenhum... – E a encararia, até ela mudar de idéia.

Se ela finalmente desistisse ou ela não tentasse bater de frente com a minha teimosia, eu a levaria para um passeio pelo QG e tentaria entreter-la, mostrando coisas que provavelmente seriam legais para uma criança... Tipo... Armas..? Eu sei lá... Algo do tipo... E assim que terminasse, eu a levaria a cantina e lhe perguntaria o que queria comer.  Já que aparentemente ninguém consegue ver a garotinha, eu faria o pedido por ela e pegaria uma mesa para nós dois nos sentarmos. Assim que tivéssemos tudo, eu me sentaria com ela e perguntaria sobre o tal cara loiro que havia a seqüestrado e de quando aquilo possivelmente poderia ter ocorrido. Além disso, eu perguntaria se ela sabe alguma coisa sobre a invisibilidade seletiva dela.

Ela pode ter se confessado, mas eu ainda não confio nela, por isso, se ela tentasse algo suspeito, eu olharia pra ela e diria: – Se você não tomar cuidado e falhar seja lá o que você estiver prestes a fazer... Eu vou te nocautear e te levar de volta para aquela cela... E já que as pessoas não conseguem te ver, eu duvido que alguém vá te tirar de lá tão cedo. – Com um olhar sério. Se ela usasse algum ataque místico para me atingir, eu saltaria pra longe dela e sacaria Aldebaran, se ela quisesse iniciar um combate.

Se não tivesse encontrado Lars antes. Eu terminaria o dia, indo ao seu encontro e reportando o que eu havia extraído da garotinha e lhe dizendo as mesmas linhas que planejava dizer antes. Com isso feito, eu levaria a garotinha para o portão do QG e diria: – Certo agora você vai me guiar. Nós vamos procurar por sua casa e se você lembrar algo enquanto procuramos ,me diga certo? – E aguardaria sua resposta



NPC ACOMPANHANTE:
 

Legenda:
 

Histórico do Gezão:
 

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.][Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

Bejin no ombro:
 
Voltar ao Topo Ir em baixo
Skÿller
Agente em Treinamento
Agente em Treinamento
Skÿller

Créditos : 24
Warn : Imperial Advent - Página 5 10010
Masculino Data de inscrição : 10/08/2015
Idade : 25
Localização : Novidades em Breve

Imperial Advent - Página 5 Empty
MensagemAssunto: Re: Imperial Advent   Imperial Advent - Página 5 EmptySex 26 Out 2018, 14:44




Imperial Advent



Kyo

...... O marinheiro Kyo se desculpou para o vice-almirante da marinha que sorriu para ele. O seu superior parecia estar com um ar meio perdido, parecia que estava procurando algo ou alguém, mas não fazia muito caso para o encontrar.
......-Para você ter vindo a esta ilha na atual situação, provavelmente algo de errado aconteceu, certo? Ou só está de passagem? - perguntou Kyo. O vice-almirante olhou para cima, pensando na resposta e, olhando lentamente para Kyo respondeu -  Não, eu só estou de passagem.. Nasci aqui nesta ilha e cresci neste QG, vim visitar. - disse com um sorriso bobo.- Não sei a quanto tempo está nesta ilha, mas eu as vezes acho que tem algo muito estranho acontecendo, outras que está tudo normal, de qualquer forma é bem estranho - comentou Kyo, o vice-almirante começou a rir
......-Você provavelmente deve estar mais a par da situação atual desta ilha, alguma coisa de muito estranha chegou a acontecer? -perguntou o Kyo, mas a sua pergunta apenas fez o vice-almirante sorrir - Cheguei agora, to sabendo de nada HOHOHOHOHO!!
......-Kyo estava claramente curioso em relação ao dirigível e não fazia questão de esconder isso - Ouvi boatos por ai de que viram a passagem de um tipo de dirigível sobrevoando a ilha, o dirigível é seu? - infelizmente Charles não dava nenhuma informação útil - Nop! Não é meu, também vimos, mas certamente deva ser alguém da realeza viajando.. Você é muito curioso né ?! HOIHOIHOIHOIHOI !! Já já eu devo falar com todo o QG, se algo rolar eu vou te falar.. Não se preocupe
......Então o vice-almirante se despediu e continuou o que tinha a fazer, deixando Kyo para trás. Como tinha serviço para fazer, Kyo foi atrás dos seus companheiros de missão, encontrando Magnus com uma garotinha na cafetaria.

G

......Não foi difícil para Magnus encontrar um soldado com a chave das celas, de início ele pareceu um pouco relutante a entregar as chaves, então foi com Magnus até a cela da garotinha e, como não havia visto ninguém, abriu a cela e voltou ao seu trabalho.
......– Tudo bem... Eu te prometi comida... Então eu vou te levar até o refeitório pra nós acharmos algo que você goste e logo em seguida, vamos procurar pelo seu responsável, certo? - disse Magnus para a garotinha, ela acenou positivamente com a cabeça e se aproximou de Magnus, pegando na sua mão. A sua mão era fria como a neve, mas parecia muito real e nada imaginária. Magnus levou a garotinha a andar pelo QG, levando-a até a cafeteria, onde a tia da cafetaria serveu para Magnus uma sopa de tomate com um aroma muito agradável. - Essa sopa ser boa para corpo. - disse a mulher de 2 metros de altura e cara de homem - Ela ser saborosa e poderosa.
......Os dois se sentaram e Magnus começou a perguntar sobre o homem que a prendeu e sobre a sua invisibilidade. - Invisibilidade? Mas eu não sou invisível. - disse a garotinha confusa - Você não consegue me ver?

G e Kyo

......Kyo se aproximou de Magnus e da garotinha, ela parecia confusa em relação a algo enquanto olhava para Magnus - Até que enfim achei vocês, o que vocês conseguiram até agora? - nesse momento a garotinha olhou para Kyo e ficou desesperada, colocou as mãos nas orelhas e começou a gritar - Não escuta ele, não escuta ele, não escuta ele, não escuta ele, não escuta ele...

Ceji

......Lars, de certa forma, estabelecia uma conexão com aquela marinheira, ou melhor dizendo, ex-marinheira. As suas palavras pareciam convencer a garota de pele verde a repensar na sua decisão, porém ela parecia ter um ar de quem não estava 100% certa da sua escolha. Os dois foram até ao capitão Beethoven, que claramente estava doente, ele inicialmente recusou o pedido de Lars, mas após discutirem durante um tempo, Lars e Max perceberam que o capitão queria que ela participasse, porém não podia o fazer deliberadamente.
......-Então eu, como tenente, designo ela para outra missão: Patrulha na ala da prisão. Agora você não tem do que reclamar - o capitão levou a mão direita ao rosto e riu baixinho - Essa geração de marinheiros… - então olhou para Max e Lars e tirou do bolso algumas medalhas - Você vai precisar disso, marinheira Maximilliam. - A garota se aproximou e pegou nas suas medalhas com um grande sorriso no rosto.
......Antes de chegar na prisão, Lars e Max foram intercetados por um homem grande e loiro, o seu rosto tinha um ar descontraído e um sorriso bobo. - Ah... Ai está você. - disse o homem sorrindo - Talvez você não me conheça, mas eu ouvi falar bastante de você. Seu avô Anthony Sparkbolt pegou muito pesado comigo quando eu era um soldado. - ele ficou um pouco cabisbaixo, porém ainda sorrindente era mais como se estivesse relembrando bons momentos - É uma pena ele ter vindo a falecer mês passado... ele era um grande homem. Se não fosse ele eu hoje não seria vice-almirante, como ele já está morto quero presentear o seu neto com isso. - o vice-almirante tirava de seu uniforme uma fruta estranha, uma Akuma no Mi - Elas costumam ter um sabor forte, mas espero que goste. - então um baby den den mushi começou a tocar - Opa, parece que estão precisando de mim. Vejo você mais tarde! - disse o almirante saindo de cena.
......Quando chegou na ala prisional, Lars apenas encontrou Rin -  E aí viram algo? Alguma novidade sobre Arko ou a garotinha? - Rin olhou para a marinheira que estava com Lars com um pouco de receio, mas claramente confiou na decisão de seu companheiro - Magnus abriu a cela e saiu, acho que deve ter levado a “garotinha” a dar uma volta para reviver as memórias dela.
......- Eu trouxe reforço - disse Lars, a garota ao seu lado acenou com a cabeça e sorriu um pouco. Ela estendeu a mão mas Rin rapidamente se afastou. - Nada de pessoal, mas não quero ficar doente… Pelo menos você tem cara de quem está doente. - a marine de pele verde pareceu perceber que Rin estava apenas sendo cuidadosa. Então Lars voltou a falar - Ela presenciou alguns incidentes, o que pode ser bem útil… - mas antes que pudesse acabar, todas as luzes desligaram. - O TEMPO ACABOU! - gritou Arko e mais alguns prisioneiros quase em sintonia.

Todos

......As luzes de todo o QG se desligavam quase em sintonia, agora as únicas luzes que iluminavam o QG era a trovoada que de vez em quando e as luzes de emergência que se encontravam em todas as portas e apenas iluminavam o suficiente para ver a porta por inteiro.
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
Thanks for [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.], Cupcake Graphics


off: mals o atraso, tava doente :c

____________________________________________________

~Fala~
~Pensamento~

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

Sabe por que caímos?
Para aprendermos a levantar.
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]


[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Kyo
Civil
Civil
Kyo

Créditos : 27
Warn : Imperial Advent - Página 5 10010
Masculino Data de inscrição : 28/03/2013
Localização : -x-

Imperial Advent - Página 5 Empty
MensagemAssunto: Re: Imperial Advent   Imperial Advent - Página 5 EmptySex 26 Out 2018, 19:36


Voltando ao Trabalho(3)

Uma de suas sobrancelhas levantava enquanto ainda a uma distância considerável de ambos via uma garotinha espernear, de certa forma isso poderia até ser uma coisa normal, mas de certas perspectivas num momento como aquele trazia certa desconfiança junto ao sentimento de desconforto do desconhecido.

-Mas o que!? Era só o que me faltava, duvido que isso seja de propósito, eles começaram então-

Dizia para os dois enquanto controlava sua respiração e pensava no que fazer em seguida, vindo a sua mente que tudo quanto é lugar poderia estar em plena escuridão, o mais certo a se fazer em um momento como este seria clarear o lugar, mais como fazer isto seria um questionamento plausível.

-Atenção! Mantenham a calma e procurem uma forma de iluminar o lugar, vela, lamparina seja lá o que tiverem a disposição, apenas o façam, depois disso mantenham sua guarda em alerta máximo, não sabemos o que pode acontecer a seguir-

Dizia mantendo um plano traçado do que fazer primariamente, mas aquelas palavras não serviam apenas para os outros, ele também seguia a parte de se manter em máximo alerta a possíveis movimentos inimigos, enquanto tudo isso acontecia mesmo naquela escuridão, traços de fúria começavam a se formar ao redor de seus olhos, provavelmente por toda aquela pressão que vinha para ele no momento.

-Não façam nenhum movimento brusco que faça barulho até que consigamos restabelecer alguns pontos de luz para iluminar esse lugar-

Dizia enquanto dava dois ou três passos bem lentos tomando alguma distancia deles e então parando por completo, “Muito bem, se não posso ver nada a minha frente, só posso confiar na minha audição e olfato agora, mesmo não tendo nada de especial neles é o que eu posso fazer no momento” pensava enquanto fechava os seus punhos olhando para o nada absoluto da escuridão com uma feição séria.

Tendo dado certo e o lugar iluminado mesmo que parcialmente ainda não era só aquilo, -Acho que... deveríamos ir para a ala da prisão- dizia ainda incerto de isso ser uma boa ou nem tanto ideia, mas independente disso teriam que acabar indo lá querendo ou não, então passo a passo começaria a andar em direção ao lugar, as portas iluminadas seriam de grande ajuda nessa empreitada de chegar ao local.

-O que aconteceu? Alguém sabe o que aconteceu? Alguém fugiu?- Já chegaria perguntando, independente da resposta continuaria mantendo sua guarda em completa atenção a possíveis movimentações inimigas ou seja lá de quem pudesse ser.

Histórico:
 

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Spoiler:
 
Voltar ao Topo Ir em baixo
Conteúdo patrocinado




Imperial Advent - Página 5 Empty
MensagemAssunto: Re: Imperial Advent   Imperial Advent - Página 5 Empty

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
Imperial Advent
Voltar ao Topo 
Página 5 de 10Ir à página : Anterior  1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10  Seguinte

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
One Piece RPG :: Grand Line - Paradise (Paradaisu) :: The Wonderful Land-
Ir para: