One Piece RPG
Imperial Advent - Página 2 XwqZD3u


One Piece RPG : A GRANDE ERA DOS PIRATAS
 
InícioBuscarMembrosGruposRegistrar-seConectar-se
Últimos assuntos
» Xeque - Mate - Parte 1
Imperial Advent - Página 2 Emptypor Ceji Hoje à(s) 19:35

» A Ascensão da Justiça!
Imperial Advent - Página 2 Emptypor CaraxDD Hoje à(s) 17:33

» Wu-HA!
Imperial Advent - Página 2 Emptypor Oni Hoje à(s) 16:47

» Making Wonderful Land a Real Wonder
Imperial Advent - Página 2 Emptypor Achiles Hoje à(s) 16:38

» [Mini-Saitoshiba] A Aventura está apenas começando
Imperial Advent - Página 2 Emptypor Saitoshiba Hoje à(s) 15:45

» Caçadoras Eternas: Pesar Crescente!
Imperial Advent - Página 2 Emptypor Alek Hoje à(s) 15:08

» Cap. 2 - The Enemy Within
Imperial Advent - Página 2 Emptypor Takamoto Lisandro Hoje à(s) 14:21

» [Mini-Cadmo] Prelúdio
Imperial Advent - Página 2 Emptypor Kiyomi1 Hoje à(s) 14:08

» [Mini - Moonchild] As a living shadow
Imperial Advent - Página 2 Emptypor Ryoma Hoje à(s) 13:01

» Hey Ya!
Imperial Advent - Página 2 Emptypor GM.Mirutsu Hoje à(s) 12:06

» Cap 4: O Silêncio dos Inocentes
Imperial Advent - Página 2 Emptypor Akuma Nikaido Hoje à(s) 10:50

» [MINI-Subaé] OXE! agora a aventura começa mesmo!
Imperial Advent - Página 2 Emptypor Mephisto Hoje à(s) 08:54

» Em busca da resistência
Imperial Advent - Página 2 Emptypor Fran B. Air Hoje à(s) 05:30

» Pandamonio, Vol 1 - Rumo à Grand Line!
Imperial Advent - Página 2 Emptypor Fran B. Air Hoje à(s) 05:09

» I - Vós que entrais, abandonai toda a esperança
Imperial Advent - Página 2 Emptypor Meursault Hoje à(s) 04:53

» X - Some Kind Of Monster
Imperial Advent - Página 2 Emptypor ADM.Senshi Ontem à(s) 22:59

» Primeiros Passos
Imperial Advent - Página 2 Emptypor Takamoto Lisandro Ontem à(s) 22:09

» Chapter I: Seafret - Oceans ♪♫♪
Imperial Advent - Página 2 Emptypor Nolan Ontem à(s) 22:07

» Cortes e Tiros, resgate na ilha das aranhas!
Imperial Advent - Página 2 Emptypor jonyorlando Ontem à(s) 21:19

» Alejandro Alacran
Imperial Advent - Página 2 Emptypor Buggy Ontem à(s) 20:27



------------
- NOSSO BANNER-

------------

Naruto AkatsukiPokémon Mythology RPG
Naruto RPG: Mundo Shinobi
Conheça o Fórum NSSantuário RPG
Erilea RegionRPG V Portugal
The Blood OlympusPercy Jackson RPG BR
A Song of Ice and FireSolo Leveling RPG
Veritaserum RPGPeace Sign RPG
Pokémon Adventure RPG

------------

:: Topsites Zonkos - [Zks] ::


 

 Imperial Advent

Ir em baixo 
Ir à página : Anterior  1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10  Seguinte
AutorMensagem
ADM.Tidus
Duque Azul
Duque Azul
ADM.Tidus

Créditos : 71
Warn : Imperial Advent - Página 2 10010
Masculino Data de inscrição : 10/06/2011
Idade : 27
Localização : Fishman Island

Imperial Advent - Página 2 Empty
MensagemAssunto: Imperial Advent   Imperial Advent - Página 2 EmptySex 17 Ago 2018, 16:18

Relembrando a primeira mensagem :

Imperial Advent

Aqui ocorrerá a aventura dos(as) marinheiros Lars Sparkbolt e Kyo Full Buster. A qual não possui narrador definido.


____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

Olá Convidado, seja bem-vindo ao One Piece RPG.
Links para ajuda: [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo

AutorMensagem
Ceji
Caçador de Recompensas
Caçador de Recompensas


Data de inscrição : 04/02/2013

Imperial Advent - Página 2 Empty
MensagemAssunto: Re: Imperial Advent   Imperial Advent - Página 2 EmptyQua 29 Ago 2018, 17:57

Exploração - Fim

Nem sempre a vida precisa ser complexa para surpreender, isso era algo que eu já deveria saber a muito tempo. Normalmente são os grandes eventos da nossa vida que ficam marcados na nossa memória e nos moldam, mas assim como em na escultura, pintura ou culinária, detalhes sempre precisam de ferramentas mais precisas, ferramentas que, embora não alterem significativamente o produto final, o tornam mais bem feito, mas bonito, mais vivo. É assim que os pequenos momentos agem nas nossas vidas. Moldando esses pequenos pedaços de cada pessoa, suas vivências, gostos, opiniões, os pequenos momentos nos tornam tornam mais humanos... Ou mais trintões, ou mais Minks, sei lá. Depende de como a pessoa se identifica. De qualquer modo, os pequenos momentos agem em nós de maneiras mais sutis, diferente das mudanças abruptas dos grandes eventos das nossas vidas. Tomar cafe da manhã com Rin em uma ilha pacata, longe de nossas obrigações, apenas com a companhia e a comida, me fez perceber o quanto esse tipo de momentos são valiosos, são momentos que você acaba esquecendo, mas sua mente guarda pra sempre no canto dos momentos felizes.

Mas não digo que tive uma leve decepção com as opções de pratos. Eu esperava coisas mais originais, mas os pratos de lá, embora muito bem feitos e com o toque da casa, não possuíam nada de especial. Entre ovos com bacon e torras, e panquecas, acabei seguindo o exemplo de Rin e pegando panquecas; embora o primeiro parecesse mais apetitoso, era basicamente uma junção de ingredientes que eu já estava acostumado, mas panquecas era algo que raramente entrava no meu cardápio, especialmente pela minha falta de iniciativa. Como eu constantemente ficava sozinho em casa, sempre tive o costume de cozinhar minhas refeições, por isso aprendi a cozinhar desde cedo; mas quem cozinha apenas para si não vê motivos de criar pratos maravilhosos e deliciosos, do que adianta fazer uma obra de arte se ninguém vai estar lá para apreciar e dividir? Por causa disso, nunca tive o costume de gastar muito tempo no café da manhã. Pão com ovo, torradas com geleia, pão na chapa, meus cafés da manhã costumavam ser práticos e rápidos, com um bacon ou ovos mexidos de vez em quando nos momentos de bom humor. Isso fez com que fossem extremamente raras as vezes que comi panquecas, na verdade só me lembrava de uma vez, mas não tinha preparado tão bem, então nem conta. Só de sentir o cheiro das panquecas e do café me fez ter certeza de que havia feito a escolha correta, finalmente provar panquecas bem feitas seria uma ótima experiência. Já que não havia comidas locais, que fossem comidas comuns que eu tinha pouco contato, não é mesmo?

Definitivamente o sabor das panquecas não me decepcionou. Quer dizer, eu não tinha muita experiência com panquecas, já que a última vez que havia feito ou comido, a muito tempo, não havia saído muito bem, mas aquelas ao menos estavam muito saborosas. O café então, que eu tenho um conhecimento melhor, podia afirmar estar ótimo, e conseguiu saciar minha vontade depois de ficar tentado pelo Betinho. Enquadro apreciava meu café da manhã, decidi questionar Rin também sobre a ilha, e, embora não tivesse uma opinião muito diferente da minha, era um pouco mais negativa. De acordo com ela, parecia faltar algo na ilha, e eu não podia dizer que discordava. A ilha parecia ser muito diferente e bonita, mas nada realmente especial, nada único e, bom, é, realmente faltavam livrarias. Não demorou muito para germinarmos de tomar o café, e grazadeus eu não estava cheio, apenas satisfeito. Parando para pensar, aquele café da manhã podia ser uma boa pausa para o nosso pequeno tour pela ilha, de qualquer modo teríamos que voltar ao QG, e se deixasse mos para depois, poderíamos esquecer ou ignorar, pelo entusiasmo... Urgh, desde quando eu havia começado a me preocupar em comparecer naquela espelunca? Não é como se eu tivesse passado a gostar da marinha por causa de meia dúzia de salários. Se fosse a uma semana atras, eu teria cagado pra demorarmos a voltar, o que queria dizer que eu não podia deixar o comodismo me dominar a ponto de aceitar a marinha daquele jeito. Mesmo que só tenha conhecido Rin e outras pessoas por ter me alistado, ainda foi contra minha vontade, e eu não podia deixar de me lembrar disso.

Mas por enquanto infelizmente teria que constituam seguindo o sistema. Ao menos até ter um cargo mais alto. Ao menos até não ter quem pudesse ficar me fiscalizando. Chamando Rin para ir em missão, recebi uma negativa como resposta, o que me deixou um bocado triste, mas não era como se pudesse obrigar ela a ir. Estava prestes a me virar quando recebi a notícia da brincadeira dela. Não nego que fiquei aliviado, mas isso era brincadeira que se faz? Eu não queria ter que ficar junto de outros marinheiros desconhecidos e fedorentos pós-treino durante horas durante a missão. Só a lembrança do fedor de cinco marmanjos que não acharam necessário tomar banho me dava ânsia, imagina a catinga ao vivo e em cores? Eu passo. Com Rin topando, só faltavam Gê e a parceira dele, mas primeiro deveria pagar. Surpreendentemente, a nossa conta já havia sido paga, e pelo olhar da minha companheira, não havia sido ela. Com uma rápida olhada pelo estabelecimento, só conseguia pensar no bombado careca, que já estava no balcão, ou outro alguém que tivesse vindo por trás da área interna. Eu sinceramente preferia não pensar muito nisso - E quem foi? Quer saber, deixa pra lá. Só diz pra ele ou ela que não vai conseguir me comer pagando um café da manhã, vai precisar ao menos de um jantar de luxo - Eu claramente estava zoando, Rin certamente saberia disso, mas deixaria a atendente tirar suas próprias conclusões. Saindo em busca de Gê, me surpreendi ao ver ele é sua companheira no mesmo estabelecimento, esse tipo de coincidência não acontecia todo dia, e economizava meu tempo. Não foi tão difícil convencer eles a vir conosco, mas também, com meus argumentos maravilhosos não tinha como ser de outro jeito. Ainda assim, a companheira de Gê parecia desolada com algo, o que me deixou meio inquieto, mas não tinha familiaridade com ela para a questionar. Logo os dois terminaram de comer e foram pagar, mas foram pegos de supresa assim como eu e Rin, o pedido deles já havia sido pago por alguém. Na moral, quem era o maluco que ficava pagando café da manhã pros outros? Por mais que eu apreciasse não precisar pagar, não saber quem estava pagando e com qual objetivo me incomodava muito. Mas, bom, isso era algo que poderiamos resolver  depois.

O próximo passo era ir para o QG, e, sinceramente, deixar o bar/restaurante para voltar ao QG era meio desanimador, mesmo que necessario, e mesmo que o tarado filantropo provavelmente continuasse no bar. No caminho, percebi que a companheira de Gê se mantinha segurando o braço do mesmo, o que me fez pensar se eles eram namorados. Eu nunca tive muito o contato com a garota, já que ela esteve sumida durante a parte crucial da nossa missão anterior, então não sabia da relação dela com Gê. Olhando para o lado para perguntar para Rin o que ela achava, desisti assim que vi a expressão da mesma. Ela parecia querer fazer o mesmo, o que me fez ficar muito vermelho. Devia ser só coisa de garota mesmo. Chegando no QG, recebemos outra notícia inusitada. Não bastasse antes termos o café da manhã pago pelo tarado filantropo, agora recebíamos a notícia de que o Betinho queria nos dar uma missão importante - Na ala médica? Não vai me dizer que o Beto tomou uma surra - Mas parei para refletir por um instante - ...Nah, se fosse isso ele não teria chamado gente de patente inferior. De qualquer modo, veio em boa hora, bora lá - Dizia a última parte me dirigindo a Rin, Gê e a amiga de Gê. Não mentia quando disse que era uma ótima oportunidade, tínhamos voltado ao QG em busca de uma missão, no final de contas, e uma veio direto ao nosso encontro. Só esperava que ele não estivesse nos superestimando por termos resolvido a mini-invasão do navio de escolta, porque eu não estava afim de ser enrabado logo na primeira missão na Grand Line. Me dirigiria à ala médica me mantendo afrente do grupo por ser o com a maior patente ali, e, assim que abrisse a porta, diria - Falai, Betinho, ouvi dizer que precisa muito de mim. Qual a missão? - Em seguida, com uma rápida varredura da sala, identifiquei o provável motivo do encontro ser na sala médica: ao lado do Beto estava um outro cara que parecia ter sido pego por um furacão, de tão fudido que estava - Ah, então ele que passou pelo triturador de carne - E então voltaria a me concentrar no capitão, esperando os detalhes da missão serem dados.
OFF:
 

Histórico do Ceji:
 

NPC Acompanhante:
 
Voltar ao Topo Ir em baixo
Kyo
Civil
Civil
Kyo

Créditos : 27
Warn : Imperial Advent - Página 2 10010
Masculino Data de inscrição : 28/03/2013
Localização : -x-

Imperial Advent - Página 2 Empty
MensagemAssunto: Re: Imperial Advent   Imperial Advent - Página 2 EmptyQua 29 Ago 2018, 19:48


O que vem a seguir, vem a seguir

Ao ser levado até aquele lugar, o jovem garoto ainda meio raivoso pelo que havia acontecido anteriormente agora já não tenta mais se expressar com palavras pela sua boca apenas esperando algo acontecer, e por sua vez continua olhando tudo a sua volta prestando atenção e possíveis detalhes mesmo que fosse praticamente inútil para ele naquele momento, em certos momentos mesmo doendo um pouco ajeitava levemente seu cabelo.

“Ahhh mas que droga foi acontecer, e agora? Tenho que arrumar alguma forma de me comunicar com essa gente”

Pensava enquanto os olhava, para sua surpresa já haviam pensado em tudo, um caderno e um lápis, muito prático e certamente até fez com que Kyo se surpreendesse momentaneamente, de qualquer forma era a chance que ele tinha, ou ao menos que ele poderia ter pra tentar falar alguma coisa.

Então prontamente abriu o caderno já procurando uma página ao qual ele pudesse escrever, pôs o papel de forma ao qual ele pudesse escrever e em seguida começou a escrever.

Início da Escrita:
Primeiramente, vocês deveriam tratar melhor seus convidados, havia acabado de participar na captura de um tal de Rairujin em Dream Whater ao qual quase me matei na tentativa, mas o meliante era forte demais e escapou, em seguida vim para cá na tentativa de recrutar alguns soldados porque resolver tudo sozinho é muito chato e complicado, com mais pessoas no geral é mais interessante, ainda mais tendo a oportunidade de ver suas respectivas evoluções.

Segundo, não houve em hipótese alguma abandono de missão, Rairujin era prioridade além de ser altamente perigoso, ele escapou exatamente por não terem mandado mais pessoas fortes o suficiente desde o início.

E por fim terceiro, se houve algum erro relacionado a aquilo, foi não ser forte o suficiente para pará-lo sozinho, ainda assim, não fugi da batalha até o final, dizer que desertei no campo de batalha não passa de um boato, mentira a meu respeito.
Fim da Escrita.

"Isso não é só aquilo que eu acredito, também é aquilo que aconteceu, jamais deixaria algo tão injusto passar assim despercebido" Pensava enquanto acabava de escrever mantendo um aspecto culto típico do tipo de pessoa que não gosta ou suporta injustiças, passando assim para aquela folha toda a sua carga de inconformismo com tal situação ao qual ele estava, mas acima de tudo uma incansável determinação de resolver logo aquilo, mesmo que passageira.

Segurando então aquele caderno junto ao papel com sua escrita, o erguia na direção de Beethoven já na página ao qual ele havia escrito, o suficiente para que ele pudesse o pegar e checar o que o jovem havia escrito, ao fim de sua possível leitura do que aquele jovem garoto havia escrito, já mantinha sua mão previamente levantada para pegar o caderno e posteriormente voltar a escrever alguma coisa que ele achasse necessária, caso Beethoven não pegasse aquele caderno para ler, apenas colocaria o caderno ao seu lado na espera de um melhor momento para uma nova tentativa, ao qual quando a visse, tentaria repetir o que fez da primeira vez.

Mesmo vendo possíveis pessoas adentrarem a aquele lugar, estava prontamente prestando atenção mais no que aquele Capitão pudesse falar.

Histórico:
 

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Spoiler:
 
Voltar ao Topo Ir em baixo
gmasterX
Civil
Civil
gmasterX

Créditos : 11
Warn : Imperial Advent - Página 2 10010
Masculino Data de inscrição : 12/06/2014
Idade : 21
Localização : Na minha casa,ué

Imperial Advent - Página 2 Empty
MensagemAssunto: Re: Imperial Advent   Imperial Advent - Página 2 EmptySex 31 Ago 2018, 11:03

Trials and Tribulations





Mas o que está acontecendo hoje? Pra começar, toda a ilha me passa essa sensação estranha e aquele bar que deveria ser o mais visitado estava completamente vazio no inicio do dia. Mesmo que eles tenham uma boa torta de cereja, aquilo tudo foi bem suspeito. Além disso, ainda teve aquela pessoa que misteriosamente pagou pela refeição de dois oficias da marinha sem mais nem menos e... Eu espero não desmaiar por envenenamento mais tarde... Mas o que mais me incomoda é a atitude da Mayu, que além de não estar me passando confiança, fica me olhando dessa forma como quem quisesse dizer algo e não consegue sair de perto.  Bem... Então essa é minha deixa pra termos uma conversa..? Até porque eu tenho quase certeza que ela não vai conseguir se concentrar na missão nesse estado.

Então, primeiro vamos tomar uma providencia. Sei que temos que ver o comunicado do Beth... Mas eu vou tentar ir direto ao ponto. Primeiro, eu diria: – Podem ir à frente, eu e a Mayu temos que conversar algo. Vai ser bem breve. – E me afastaria do grupo, em busca de um lugar reservado em que pudéssemos ter uma conversa particular. Faz um bom tempo que não nos abrimos numa conversa franca e eu também sou péssimo conversando, por isso eu acho que ela deve ter bastante coisa pra botar pra fora. Caso não encontrasse o tal local, apenas buscaria um local menos movimentado e pouco barulhento onde as pessoas não fossem parar para prestar atenção na nossa conversa.

– Vamos, pode falar. Eu sei que tem algo na sua cabeça e a gente só vai sair daqui quando você resolver falar. – Eu diria, me colocando de frente a ela e a encarando. Se o problema fosse de uma grande proporção, tentaria expressar empatia e confortar ela. Se talvez nós tivéssemos algum desentendimento de alguma natureza, prestaria bastante atenção e discutiria até que chegássemos a um impasse. Se ela se negasse a falar, eu me sentaria e diria: – Olha, você tem que entender que, além de sua preocupação atrapalhar nossa dinâmica nas missões, ela me desconcentra, pois você sabe o quanto eu me importo contigo. Pode me falar seja lá o que for, até porque, depois de tudo que a gente passou,  tenho quase certeza que isso vai ser fácil de resolver. – E aguardaria sua resposta. Se mesmo assim, ela se negasse a falar, eu seguiria dizendo: – Tudo bem, eu entendo. Quando estiver pronta, eu vou parar com tudo que estiver fazendo para lhe ouvir.

– Certo, agora temos quer ir. Tem uma missão a nossa espera. – Logo após eu afagaria, gentilmente, sua cabeça e partiria em direção ao local de encontro. Se o local não fosse muito aparente, eu apenas seguiria as placas e indicações como pontos de referencia e a movimentação do pessoal. Ao adentrar a sala, tentaria ser silencioso e discreto, pedindo licença ao entra e dizendo: – Desculpe o atraso, tive de tratar de um assunto urgente. – Depois eu me colocaria de pé ao lado de Lars e aguardaria as instruções de Beth.


NPC ACOMPANHANTE:
 

Legenda:
 

Histórico do Gezão:
 

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.][Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

Bejin no ombro:
 
Voltar ao Topo Ir em baixo
Skÿller
Agente em Treinamento
Agente em Treinamento
Skÿller

Créditos : 24
Warn : Imperial Advent - Página 2 10010
Masculino Data de inscrição : 10/08/2015
Idade : 25
Localização : Novidades em Breve

Imperial Advent - Página 2 Empty
MensagemAssunto: Re: Imperial Advent   Imperial Advent - Página 2 EmptySab 01 Set 2018, 03:48




Imperial Advent


Kyo
...... Embora Kyo não pudesse falar, ele não iria desperdiçar aquela oportunidade para justificar e explicar o que havia acontecido na última missão, talvez aquela poderia ser a última chance que ele teria para fazer tal coisa. O homem musculado que havia carregado ele leu em voz alta o que o marinheiro havia escrito, o capitão suspirou e coçou a sua barba com a mão esquerda - Não podemos fazer nada quanto a isso, foram ordens de superiores quanto a supervisão de seus atos.. No entanto, sei que você conseguirá reverter a situação, você é um capitão bem conhecido, vai alcançar sua patente novamente.. Apenas continue sendo você mesmo!! Até porque, estamos com outros tipos de problemas na marinha, dos quais não posso falar sobre no momento.. Mas você saberá logo logo! - Assim que ele acabou de falar uma dupla entrou no quarto, era um garoto loiro e uma garotinha de óculos.


Ceji e Gmasterx


......Lars parecia não se importar muito em saber quem havia pagado a sua refeição, fazendo até piada com isso. O garoto até pensou em comentar sobre Mayu estar abraçada ao braço de Magnus, mas ao ver o rosto de sua companheira desistiu logo da ideia por ficar envergonhado, para sua sorte parecia que ninguém havia percebido esse pequeno momento.
...... Quando chegaram ao QG sendo recebidos por um marinheiro que passava a mensagem para eles. - Na ala médica? Não vai me dizer que o Beto tomou uma surra ...Nah, se fosse isso ele não teria chamado gente de patente inferior. De qualquer modo, veio em boa hora, bora lá - todavia Magnus parecia ter algum assunto a tratar com Mayu e pediu que eles fossem primeiro - Podem ir à frente, eu e a Mayu temos que conversar algo. Vai ser bem breve. - Então Lars e Rin foram até a ala médica.
...... Mayu parecia surpresa com a atitude de Magnus, ela havia sido pega completamente desprevenida - Vamos, pode falar. Eu sei que tem algo na sua cabeça e a gente só vai sair daqui quando você resolver falar. - Mayu desviou o olhar e suspirou, coçou a mão esquerda e então falou - Não é nada… Só que… - ela parecia querer falar mas ao mesmo tempo não queria fazer isso, então Magnus tentou convencer ela com algumas de suas palavras. Ela olhou em volta, se certificando que eles estavam sozinhos - É que… Ultimamente eu tenho sentido algo estranho quando estou perto de você. - ela pegou na mão dele e colocou entre os seus seios, fazendo Magnus sentir a forte pulsação da garota. - O que era para ter começado como uma brincadeira agora está fora do meu controle. Eu tenho medo que algo aconteça com você ou que você me abandone. Eu sei que é idiota, mas eu nunca senti isso antes e não sei o que fazer. - Magnus então teve um momento para conversar com a sua companheira antes de ir até a ala médica.


Geral


...... Lars e Rin entraram na ala médica, viam o estado lastimável em que Kyo estava e reconheciam aquele marinheiro musculado do bar daquela manhã. - Falai, Betinho, ouvi dizer que precisa muito de mim. Qual a missão? - disse Lars mal entrou na ala médica e viu Beethoven. O homem gigante e musculado deu um salto de alegria - AH! VOCÊS SÃO MARINHEIROS? - O homem tinha um enorme sorriso no rosto, parecia que havia feito a maior descoberta da vida dele - Eu achava que eram apenas um jovem casal! Espero que tenham gostado da refeição! KISHISHISHISHISHI! - ria o homem. Beethoven tossiu, limpando a garganta, dando sinal para o homem fazer menos barulho. - Onde está o sargento Magnus?
...... Quase como por magia Magnus entrava na ala médica - Desculpe o atraso, tive de tratar de um assunto urgente. - Beethoven se levantou e limpou a garganta. Tirou do seu bolso uma pasta com documentos confidenciais - O governo mundial descobriu que um grupo de criminosos vai tentar libertar Wormsor Arko, obviamente não podemos deixar ele fugir. Este é o marinheiro Rozalya e o marinheiro Kyo. - disse apontando para os respetivos.
...... O capitão começou a caminhar de um lado para o outro - Devido às suas condições, a missão de Kyo é descobrir mais detalhes a partir de dentro da prisão, visto que estará partilhando cela com Wormsor; Rozalya, Lars e Magnus devem tentar neutralizar os criminosos, ainda não temos muitos detalhes mas podem começar pelo seu antigo grupo. Rin e Mayu, a vossa missão é ficar na prisão como guardas e, sempre que Kyo der sinal de ter informações, trazer ele até esta sala. - o capitão parecia cansado, suspirou e continuou a explicar a missão - A única coisa que sabemos é que alguém chamado Angel Dust é o encarregado pelo ataque. É importante que agirem rapidamente, o ataque pode ser a qualquer momento.
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
Thanks for [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.], Cupcake Graphics



Off: G, não deixei claro como vc falou pq achei que vc nao iria querer q o seu char falasse daquela forma após mayu se abrir daquele jeito, então pode interagir livremente com ela.
Ceji, Kyo e G: podem discutir os 3 o que quiserem neste post. Dificilmente o farão ao longo da missão, então aproveitem. Qualquer duvida ou erro meu apenas avisar.

____________________________________________________

~Fala~
~Pensamento~

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

Sabe por que caímos?
Para aprendermos a levantar.
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]


[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ceji
Caçador de Recompensas
Caçador de Recompensas
Ceji

Créditos : 4
Warn : Imperial Advent - Página 2 10010
Masculino Data de inscrição : 04/02/2013

Imperial Advent - Página 2 Empty
MensagemAssunto: Re: Imperial Advent   Imperial Advent - Página 2 EmptyDom 02 Set 2018, 22:31

Anjo Caído - Parte I

As vezes eu me vejo pensando, é muito estranho as coincidências que ocorrem na vida. Às vezes as coisas dão certo sem nem precisar de esforço, às vezes dão completamente errado mesmo fazendo tudo certo, e, bom, tem o meio termo, mas esse não é tão importante. Às vezes parece que as coisas ocorrem tão maestralmente orquestradas, a seu favor ou não, que eu ficaria muito surpreso se não houvesse algum ser superior controlando as sortes das pessoas de um plano superior; e ficaria ainda mais surpreso se esse ser superior não fosse um puta de um babacão que só ver o circo pegar fogo e todo mundo tomar no cu. Quer dizer, ao menos comigo as coisas só dão certo quando não tem necessidade ou urgência, mas quando tô desesperado, o mundo conspira contra mim, vide o maluco me dando recado de missão assim que eu pisei no QG. Eu podia ir procurar o quadro de missões com calma? Podia. Eu podia aproveitar pra conhecer melhor o QG? Sim. Mas, bom, ao menos isso economizava meu tempo.

Com o recado recebido, falei para os outros três para irmos ver a tal missão, mas Gê tinha outros planos. Ao que parecia, ele queria conversar a sós com a tal Mayu, e, como disse antes, eu não tinha muito motivo para me intrometer. Na verdade, nem tinha muita vontade de ficar bisbilhotando a vida dos outros, então apenas assenti e segui para a tal ala médica com Rin. Não demorou muito para acharmos o local, e logo que entrei no local me arrependi profundamente de ter tomado essa decisão. Em uma primeira olhada pela sala vi Beto e perguntei da missão, mas logo em seguida meus olhos sangraram ao ver novamente aquela abominação careca e musculosa. Sim, exatamente, aquele projeto de músculo do bar estava lá, bem na minha frente. Por um momento eu fiquei dividido entre dar meia volta pra sair como se nada tivesse acontecido ou ficar travado e, bom, travado venceu. Ele de repente deu um grito de alegria que gerou uma leve expressão de desgosto em minha face, e logo começou a falar animadamente sobre sermos marinheiros. Sinceramente, primeiro, porque um homem e uma mulher indo tomar café da manhã precisam necessariamente ser um casal? Quer dizer, não é como se fossemos irmãos ou algo assim, e... O-olhando por outro l-lado realmente parecia um e-e-encontro... Mas não éramos um casal! Nós gostamos da companhia um do outro e apenas isso. Quer dizer, isso era o que eu achava sobre aquilo... De qualquer modo, segundo, porque ele se supreendida tanto sobre sermos marinheiros? Não é como se marinheiros não pudessem andar por aí sem o uniforme, e também não era tão grande coisa ser marinheiro. Era cada maluco que me aparecia... aliais, aquele comentário sobre termos apreciado a refeição me pareceu bem suspeito, será que tinha sido realmente ele que havia pago a comida para nós quatro? Esse era um dos poucos casos que eu me arrependida de ter chutado certo, e só de pensar nisso me fez lembrar que ele estava sentado ao balcão no bar...

Quebrando o clima estranho, para meu alívio, Beto tossiu para limpar a garganta e sinalizar pro grandalhão parar de escândalo. Só por isso o Bentinho já havia recebido alguns pontos positivos comigo; mesmo para um cara daquele tamanho, o musculoso estava causando tanto escândalo que estava mais parecendo um fã surtado, e eu não estava mais suportando aquela explosão de alegria e animação sem sentido. Seguindo direto ao ponto, Beto quis saber onde estava Gê. Eu sinceramente não sabia, já que ele havia dito que queria falar a sós com Mayu e se afastou, mas alguma hora ele viria. Só não sabia quanto tempo iria demorar, entretanto. Para a supresa de todos, naquele mesmo instante o dito cujo abriu a porta e entrou junto da companheira, quase como estivesse ouvindo tudo e esperando uma deixa para entrar com estilo, e devo dizer, deu certo. Ver aquela cena me fez lembrar de um velho ditado, "fale no diabo que ele aparece", e essa citação nunca fez tanto sentido pra mim.

Sem se extender muito, Beto logo começou a explicar a missão, e eu estaria mentindo se dissesse que fiquei satisfeito com ela. A missão era basicamente impedir que um tal de Wormsor Arko fosse solto, e, outa que pariu, a marinha era tão incompetence assim para lidar com tantas tentativas se soltura em tão pouco tempo? Minha última missão durante minha vinda a Wonderful foi justamente impedir que um maluco fosse solto por uns impostores, e agora já estava recebendo OUTRA missão do mesmo estilo? E, tipo, isso eram só nós, imagina quantos outros tinham que lidar com essas porras também? Cada dia mais eu ficava mais puto com aquela bosta de marinha, mas não tinha o que fazer. Falando em defender, eu só queria saber em qual patente eu teria que chegar pra fazer algo de verdade, e com algo de verdade quero dizer ir atras de filhos da puta e criminosos. Eu achava que a marinha cuidava de dar cabo em criminosos, mas desde que entrei, todas as missões tinham sido em volta de defender ou proteger algo ou alguém, e isso era um saco. Parecia até que eles amontoavam os de patente mais baixa nessas missões bostas de defesa e deixavam as emocionantes pros superiores, e eu não tinha nem condição, como Tenente, de retrucar. Da última vez que retruquei fui transferido, na Grand Line seria o que? Provavelmente tomaria uma surra pra aprender a fazer o que eles mandavam. A marinha é uma instituição tão hierarquizada que os de patente mais baixa tem que sentar e chorar mesmo que estejam certos, e isso me deixava puto, principalmente porque já havia acontecido comigo.

Percebendo que estava divagando muito, rapidamente chacoalhei a cabeça levemente para retornar minha atenção a realidade na minha frente. Beto continuou apresentando o músculo total e o carne-moida, respectivamente Rozalya e Kyo. O primeiro possuía um nome um tanto feminino para alguém tão bombadão, mas se fosse levar em conta o escândalo de antes... Quem era eu pra julgar, né? O segundo era alguém facilmente reconhecível mesmo que estivesse disfarçado, já que possuía uma marca gigante pelo corpo e rosto, o que ajudaria muito a reconhecer ele caso não me lembrasse das características físicas mais tarde. Por mais que a missão fosse mais uma merda de anti-soltura, ao menos Beto havia tido culhões para por eu e Gê para irmos atras do grupo antes que atacassem. Se por um lado eu fiquei com pena de Rin por ter que ficar ali de guarda, por outro sabia que ela provavelmente não se importava muito com essa divisão. Se fosse em uma ilha aleatória, acho até que ela iria preferir ficar de guarda. De qualquer modo, isso não mudava o fato de que Beto queria que fôssemos atras dos caras só com um nome aleatório, sem preparo ou informações decentes, e isso era muita ingenuidade - Ô, se temos que ir atras dos caras antes que ataquem, precisamos de informações decentes. Quem era o antigo grupo do meliante? O que eles faziam? Por qual crime o cara está preso? Quem ou como é esse Angel Dust? Quem deu essa informação? Você não espera que encontremos os caras tão fácil só com um nome, né? - Perguntava, mas visto a grande eficiência apresentada por ele e os outro marinheiros, duvidava que ele tivesse resposta para tudo, e já estava preparado para receber só uma ou duas respostas. Se ele se recusasse a dar mais informações, bom, isso só iria comprovar que ou ele não sabia de porra nenhuma ou que era um preguiçoso pau no cu do caralho, que em ambos os casos não teria porque continuar falando com ele. Após as perguntas, me dirigiria a Rin e sussurraria para ela - Rin, lembre-se que da última vez o ataque veio de dentro. Não baixe a guarda nem pro carne-moída ali, nunca se sabe quando o ataque vai começar, ou até se já começou - Então pararia de sussurrar - E acho que não preciso dizer isso, mas se cuida - E então ouviria o que quer que ela tivesse para dizer. Após isso, iria até carne-moída - Err... Kiu, né? Vê se não borra as calças por ficar preso junto do tal Arko nesse estado. Se depender de mim os caras nem chegam a entrar no QG, quanto mais invadir a cela -, e veria o que ele tinha para falar ou escrever.

Terminado de resolver o que tinha que resolver na sala, esperaria por Gê e Rosaly fora da sala, e, assim que eles se juntassem a mim lá, diria - Então, antes de irmos eu tenho algo para resolver. Sugiro nos prepararmos e nos reunirmos novamente na entrada do QG em uns 10 minutos. Alguém contra? - E após os dois se pronunciarem quanto a minha sugestão, independente do que dissessem, eu completaria - Ótimo, nenhuma objeção. Encontro vocês em 10 minutos - E então me viraria e sairia em direção ao meu quarto. Primeiro de tudo, eu precisava por novamente meu uniforme para não haver mimimi por parte do Beto ou de outros capitães que poderiam estar no QG. Dobraria bem minha roupa casual e a deixaria guardará, mas em um lugar que poderia pegar facilmente, porque talvez depois fosse voltar lá. Em seguida, iria ao arsenal/armazém/depósito/sei lá o que do QG. Chegando no local, iria em busca de alguma espada maior ué as que eu tinha, uma espada larga de duas mãos. Nas últimas batalhas eu percebi que era muito difícil bloquear ataques com aquelas espadas finas que eu havia pego anteriormente, e isso estava me prejudicando bastante. Passaria pela burocracia necessária para deixar as duas espadas que eu possuía no arsenal e pegar outras três, duas espadas leves de uma mão e a tal espada larga de duas mãos. Esperava que não houvesse problemas em fazer isso, mas se pudesse pegar apenas duas, pegaria uma leve de uma mal e a larga de duas mãos. Tentaria pegar uma mochila pequena, apenas para carregar minha roupa causal para o caso de termos que tirar os uniformes para a missão, assim como tive que fazer uma vez em Shells. Depois de pegar tudo, iria para a entrada do QG encontrar os outros dois, mas passando antes no quarto para por a roupa casual na mochila caso houvesse conseguido pegar a mesma. Chegando lá, quando nos três estivéssemos reunidos, perguntaria - E aí, algum de vocês sabe por onde começar?
OFF:
 

Histórico do Ceji:
 

NPC Acompanhante:
 

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

R.I.P. Lars:
 


Última edição por Ceji em Seg 03 Set 2018, 07:28, editado 1 vez(es)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Kyo
Civil
Civil
Kyo

Créditos : 27
Warn : Imperial Advent - Página 2 10010
Masculino Data de inscrição : 28/03/2013
Localização : -x-

Imperial Advent - Página 2 Empty
MensagemAssunto: Re: Imperial Advent   Imperial Advent - Página 2 EmptySeg 03 Set 2018, 00:14


Uma missão, ou quase

“Olha aquele cara ali, que estranho, aquele outro então, pior ainda, um bando de desajustados, certeza que chegaram nessa ilha não faz muito tempo, será que esses caras são fortes? Hum! Que se dane, agora não é hora pra isso, tem essa maravilhosa missão de merda pra fazer, e o que me deixa mais puto ainda é não saber ao certo se vou dar conta de bater em alguém, muito menos conseguir falar alguma coisa”

Pensava enquanto apontava seus olhos na direção daqueles que estavam entrando naquela ala hospitalar, que por sua vez analisava aquelas pessoas minuciosamente de primeira com certa dúvida se aqueles caras eram ou não fortes, certamente não era lá uma boa maneira de conhecer pessoas novas, mas os privava de conhecer minha bela e furiosa voz, só que não, o que faria enfim voltar à estaca zero e o porquê de estar ali naquele momento, uma infeliz missão dada em suas mãos, um desafio.

E por fim voltando a missão e ao que fazer, praticamente poderia ser considerado que estávamos em um impasse naquele momento, ter alguém para pegar informações, que praticamente não conseguiria pegar informações, não por ser impossível, mas sim dada a situação atual ao qual ele se encontrava, pelos cumprimentos de umas certas pessoas ao qual ele praticamente detesta, odeia e mais outras dezenas ou centenas de coisas mais.

“Puta vida... agora o negócio vai ficar loco, preciso tomar alguma atitude, pensar em alguma coisa, eles tão vindo pra cá, o cara tá aqui, se ele está aqui quer dizer que pretendem vir aqui libertá-lo, se precisam vir aqui libertá-lo por onde viriam? Invisíveis? Pelo ar? Pela terra? Ou eles já estão aqui dentro apenas esperando o momento certo? De qualquer forma preciso informá-los destes possíveis casos que possa nos dar pelo menos um ou dois passos à frente deles”

Naquele momento muitas informações passavam por sua cabeça, uma pessoa normal certamente fritaria seus miolos tentando pensar em formas eficazes de resolver aquilo, após toda aquela carga de pensamento, caso não tivesse seu caderno de volta utilizaria sua mão direita ou esquerda na direção daquele ao qual havia anteriormente entregado aquele caderno para assim assinalar para que então fosse devolvido para que pudesse escrever alguma coisa ou caso já estivesse com o caderno apenas pudesse começar a escrever.

Início da Escrita
Se você está com tanta pressa assim, resumirei tudo aqui de uma vez, até porque seria mais prático que ficar toda hora tendo que escrever alguma coisa, primeiramente vocês não querem alguém que pegue informações, vocês querem um chamariz, isso aqui é um QG da marinha, logo eles teriam que praticamente incitar ou mesmo iniciar uma guerra para chegar aqui dentro, isso seria o mais óbvio e nem eu ou qualquer outra pessoa poderia descartar, mas provavelmente eles não iriam querer muitas baixas, então esta variável seria uma complicação, mas não descartando isto pode ter certeza que utilizariam de alguma forma para o fazer, o mar seria uma delas, um navio se aproximaria e miraria exatamente ou quase onde estivéssemos abrindo assim um rombo o suficiente para fugir, assim sendo ele fugiria, por outro lado isso seria facilmente resolvido fazendo com que navios fizessem rondas na ilha, um monte deles, isto neutralizaria a forma habitual de eles fazerem as coisas, ainda mais tendo em vista que eles poderiam ter artilharia pesada, então basicamente utilizaríamos artilharia pesada contra a deles e então os derrubaríamos e prenderíamos aqueles que sobrevivessem.

Mas esse tipo de pensamento não é suficiente, ataques aéreos são uma possível realidade, sei lá porque pensei nisso mas faz sentido, estamos lidando com um lugar onde tudo é possível seja lá qual método eles possam utilizar, neste caso seria necessário artilharia pesada para abater sei lá o que eles pudessem utilizar, o que nos traria exatamente para uma possível situação semelhante à dos navios, não descartando também que essas duas situação pudessem acabar acontecendo ao mesmo tempo fazendo com que tudo virasse uma bagunça e o prisioneiro acabasse fugindo na confusão.

Outra possibilidade, um buraco, isso mesmo cavar um buraco até sua cela ou de dentro para fora, pode parecer bem idiota, mas nada pode ser descartado quando se trata desse tipo de pessoas bem previsíveis.

Mas há algo que me incomoda, isto poderia acontecer de forma cirúrgica, eles poderiam muito bem já estar aqui dentro do QG, até mesmo entrando em contato com ele só esperando para fazer o próximo movimento, assim sendo praticamente ficaríamos a mercê deles, ainda mais tendo em vista que eles saberiam possíveis rotas de fuga e sei lá mais o que.

Por isso aqui vai uma possível solução sobre coisas possíveis a se fazer, primeiro, colocar apenas nós como chegados a ele e perto de sua cela poderia ser algo útil, mas não descartando uma possível fuga por algum buraco que possam fazer em sua cela onde precisaríamos de algo para monitorá-lo, ou seja eu, já que qualquer outro próximo a cela poderia despertar uma incerteza dentro dele e depois tudo se tornaria um pouco mais complicado do que já está atualmente, apontar alguns canhões para cima e para o mar, isto faria, manter vigilância nesses lugares poderia evitar danos colaterais ao QG, manter soldados da marinha fazendo ronda ao QG da marinha também seria muito útil, não só muito perto mas também em áreas um pouco mais afastadas, isso tendo em mente que eles teriam que ter uma mente muito esperta de seu lado para saber onde começar e onde terminar, olhando pela perspectiva de a invasão secreta já ter sido efetuada, então eles poderiam muito bem já estar aqui dentro, então vocês deveriam manter-se firmes e ao menor sinal de que algo estar errado contatar ao superior ou até mesmo tentar resolver, de qualquer forma o mais certo a se fazer agora seria todos se prepararem o mais rápido possível porque isso aqui pode acabar se tornando uma bagunça.

A, quase já ia me esquecendo, preciso estar disposto para o caso de dar algum problema maior, então diga para o médico tratar o máximo possível de mim aqui e agora, se bem que eu não sei por quanto tempo continuarei não conseguindo falar nada, mas tenho a leve impressão de que não teremos tempo o suficiente para me recuperar e essa missão acabará ficando na mão desses garotos novatos, de qualquer forma da minha parte tentarei fazer o possível para ajuda-los, também aos dois e seja lá quem mais tiver junto, preparem-se para o pior, é uma situação complicada que pode ficar ainda mais complicada e fazer surgir ainda mais complicações.
Fim da Escrita

Terminava aquela escrita ao qual ele utilizava toda sua experiência de campo já com sua mão começando a doer por não estar acostumado a escrever tanto chegando até a fazer com ele começasse a pensar estar virando um certo tipo de escrivão ou coisa parecida, mas logo deixando de pensar besteira e agora passando a pensar no que fazer a seguir, só pensando mesmo porque falar que é bom não é possível ali naquele momento, mas por fim voltava a entregar aquele caderno com sua nova escrita já marcada nos novos locais para o qual ele havia escrito novamente para o capitão, naquele momento o garoto chegava a suar um pouco por ter pensado naquele tanto de coisa, mas não havia tido escolher a não ser fazer aquilo ainda um pouco receoso de ter esquecido alguma coisa, mas logo após não ligando mais para essa hipótese.

Histórico:
 

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Spoiler:
 
Voltar ao Topo Ir em baixo
gmasterX
Civil
Civil
gmasterX

Créditos : 11
Warn : Imperial Advent - Página 2 10010
Masculino Data de inscrição : 12/06/2014
Idade : 21
Localização : Na minha casa,ué

Imperial Advent - Página 2 Empty
MensagemAssunto: Re: Imperial Advent   Imperial Advent - Página 2 EmptySeg 03 Set 2018, 18:09

Love has begun





- É que… Ultimamente eu tenho sentido algo estranho quando estou perto de você. – Ela me disse... Então parece que o problema é realmente comigo...

– Ah... Bem... Tenho certeza que eu posso mudar seja lá o que estive lhe incomod-... – De repente, durante minha fala, ela agarrou minha mão e colocou entre seus seios.  A roupa que ela estava usando fez com a minha pele entrasse em contato com a pele de seu peito, o que fez com que eu me ausentasse de minhas faculdades mentais por um breve momento.  Como se tivesse sido eletrocutado, fiquei paralisado com sua atitude repentina enquanto uma feição envergonhada tomava conta de meu corpo.

- O que era para ter começado como uma brincadeira agora está fora do meu controle. Eu tenho medo que algo aconteça com você ou que você me abandone. Eu sei que é idiota, mas eu nunca senti isso antes e não sei o que fazer. – Ela completou, expondo toda sua preocupação.  De alguma forma, suas palavras me acalmaram e me fizeram abrir um singelo sorriso.

– Sabe, não sei se já lhe contei isso, mas... – Dei uma breve pausa e recolhi minha mão. – Eu sempre lhe agradeço por me salvar tantas vezes é porque eu lhe considero minha heroína, minha Valquíria. O que eu quero dizer é que enquanto você se mantiver confiante, nada vai acontecer comigo, além disso, eu nunca abandonaria alguém que eu gosto tanto e... Também não sei muito bem o que fazer... Porém, se eu descobrir algo, eu lhe contarei e se você tiver alguma idéia, podemos tentar.  Afinal, eu faria de tudo pra lhe deixar contente. – Eu então encostei minha testa na sua, a olhando bem nos olhos e prossegui dizendo: – O que acha? – Porém, em minha mente, eu pude ouvir um “click”, que fez me lembrar da tal missão. Por isso prossegui dizendo: – Não querendo ser rude, mas vamos continuar mais tarde, ainda temos uma missão a nossa espera.

Após isso, meio que me surpreendi com o que vi na sala. Um oficial que mais parecia um saco de pancada humano e o maromba que usou o saco de pancada e antes que pudesse assimilar o que estava acontecendo, Beethoven começou a se pronunciar, como quem não quisesse perder nenhum segundo.

- O governo mundial descobriu que um grupo de criminosos vai tentar libertar Wormsor Arko, obviamente não podemos deixar ele fugir. Este é o marinheiro Rozalya e o marinheiro Kyo. – Disse o capitão, apresentando os dois companheiros na sala.

- Devido às suas condições, a missão de Kyo é descobrir mais detalhes a partir de dentro da prisão, visto que estará partilhando cela com Wormsor; Rozalya, Lars e Magnus devem tentar neutralizar os criminosos, ainda não temos muitos detalhes, mas podem começar pelo seu antigo grupo. Rin e Mayu, a vossa missão é ficar na prisão como guardas e, sempre que Kyo der sinal de ter informações, trazer ele até esta sala. – Ele continuou e me parecia bem nervoso.

- A única coisa que sabemos é que alguém chamado Angel Dust é o encarregado pelo ataque. É importante que agirem rapidamente, o ataque pode ser a qualquer momento.

– Espera... Por mais animado que eu esteja pra trocar socos com alguém... Isso não é bastante precipitado? Quero dizer, pode ser que eles soltaram essa informação propositalmente e prepararam uma emboscada pra gente, a fim de diminuir os nossos números... – Eu retruquei.  – E talvez nós estejamos apenas jogando o jogo deles ao responder com força bruta e olhar pro outro lado... Quem sabe o que eles estão planejando.

- Ô, se temos que ir atrás dos caras antes que ataquem, precisamos de informações decentes. Quem era o antigo grupo do meliante? O que eles faziam? Por qual crime o cara está preso? Quem ou como é esse Angel Dust? Quem deu essa informação? Você não espera que encontremos os caras tão fácil só com um nome, né? – Questionou Lars.

– Esse é outro motivo para não podermos sair assim sem nada. Não só iremos acabar sendo mortos sem saber de onde o ataque veio, como nós não temos certeza de que os nossos esforços serão efetivos.

“Se você está com tanta pressa assim, resumirei tudo aqui de uma vez, até porque seria mais prático que ficar toda hora tendo que escrever alguma coisa, primeiramente vocês não querem alguém que pegue informações, vocês querem um chamariz, isso aqui é um QG da marinha, logo eles teriam que praticamente incitar ou mesmo iniciar uma guerra para chegar aqui dentro, isso seria o mais óbvio e nem eu ou qualquer outra pessoa poderia descartar, mas provavelmente eles não iriam querer muitas baixas, então esta variável seria uma complicação, mas não descartando isto pode ter certeza que utilizariam de alguma forma para o fazer, o mar seria uma delas... [...]”–Escreveu o marinheiro Kyo.

–Err... Éeee... Bom, a questão aqui é que esperar o ataque acontecer não seria uma atitude correta, já que em vários dos casos, nós somos pegos desprevenidos.
– Afirmei.

– Sei que não tenho a moral pra falar essas coisas por causa da minha patente, mas acho que devemos expor o objetivo deles enquanto os forçamos a agir... Que tal se simularmos uma execução publica? – Sugeri, cruzando meus braços e demonstrando um semblante mais concentrado.

–Espalhamos o boato que Arko vai ser executado em breve e enquanto o tempo não chega, o marinheiro Kyo extrai informações dele ganhando sua confiança. Teríamos que trabalhar num período de tempo bem curto para que eles tomem uma decisão precipitada. Quando for a hora, nós escolhemos o cenário da briga e preparamos agentes disfarçados em pontos chave para emboscar-los.– Prosseguiria.

– Seria mais fácil para agentes, já que eles têm um poder de luta considerável e não são expostos nas ruas como marinheiros. Se eles vierem assim que o anuncio for feito, eles vão tomar menos cuidados durante o ataque e se eles tentarem impedir a execução, teremos eles a nossa mercê. Além disso, nós pouparemos o prédio de sofrer dano durante o embate. – Eu finalizaria.

    Nesse momento eu agradeço todo o sofrimento por que passei. O revolucionário serial killer do beco, os piratas do ataque ao barco, os terroristas do labirinto e os farsantes do barco me deram experiência de campo. Isso aqui é só uma junção de todas as outras missões.

–A-Ah... Mas é só uma sugestão. Não que eu me ache a ponto de pensar que a opinião de todos aqui não é nada e que eu sou o único certo.  A palavra final continua sendo sua, capitão.  – Eu então aguardaria o Beth se pronunciar para tomar nota de sua decisão.

– Então, antes de irmos eu tenho algo para resolver. Sugiro nos prepararmos e nos reunirmos novamente na entrada do QG em uns 10 minutos. Alguém contra? – Disse e Lars. Eu então aproveitei a deixa, batendo continência e dizendo: – Bom, eu não sou contra, então se me dão licença. – E me voltaria para a Mayu.

– Tome cuidado. Você não vai poder se preocupar comigo se não se cuidar. – Eu diria sorrindo e gentilmente acariciaria sua cabeça antes de me retirar. Logo após, eu seguiria para meu alojamento e me trocaria bem rápido. Em seguida, buscaria por ferramentas para efetuar uma manutenção rápida em todas as armas em todas as armas.

Assim que tivesse acabado com tudo, eu finalmente iria de encontro a Lars e o grandalhão musculoso.

- E aí, algum de vocês sabe por onde começar? – Perguntou Lars.

– Que tal se nós buscarmos por informação na taverna? Se o tal do Hell’s Beer é o local de encontro do pessoal da ilha, o barista deve ter ouvido alguma coisa. – Após eu aguardaria em silencio pelo resto do grupo se decidir e os seguiria.



NPC ACOMPANHANTE:
 

Legenda:
 

Histórico do Gezão:
 

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.][Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

Bejin no ombro:
 
Voltar ao Topo Ir em baixo
Skÿller
Agente em Treinamento
Agente em Treinamento
Skÿller

Créditos : 24
Warn : Imperial Advent - Página 2 10010
Masculino Data de inscrição : 10/08/2015
Idade : 25
Localização : Novidades em Breve

Imperial Advent - Página 2 Empty
MensagemAssunto: Re: Imperial Advent   Imperial Advent - Página 2 EmptyTer 04 Set 2018, 18:20




Imperial Advent


Geral
...... Aquela missão parecia ser urgente e de última hora, os 3 marines pareciam ter a mesma opinião: algo estava errado com a missão. Era de estranhar que Beethoven estivesse tão nervoso com aquela missão, talvez ele também se sentisse desconfortável com a falta de informações para a mesma.
......– Espera... Por mais animado que eu esteja pra trocar socos com alguém... Isso não é bastante precipitado? Quero dizer, pode ser que eles soltaram essa informação propositalmente e prepararam uma emboscada pra gente, a fim de diminuir os nossos números… E talvez nós estejamos apenas jogando o jogo deles ao responder com força bruta e olhar pro outro lado... Quem sabe o que eles estão planejando. - disse Magnus, o Capitão esfregou os olhos com os dedos indicador e polegar, talvez devido ao sono. A montanha de músculos abriu um sorriso e explicou calmamente - Mais nenhum marinheiro sabe que esta missão está acontecendo, estarão todos nos seus postos como deveriam. A nossa missão é impedir que eles tenham que travar uma guerra.
......- Ô, se temos que ir atrás dos caras antes que ataquem, precisamos de informações decentes. Quem era o antigo grupo do meliante? O que eles faziam? Por qual crime o cara está preso? Quem ou como é esse Angel Dust? Quem deu essa informação? Você não espera que encontremos os caras tão fácil só com um nome, né? - perguntou Lars, eram todas questões diretas e objetivas, mas antes que Magnus pudesse reforçar isso o Capitão se pronunciou - O antigo grupo trabalha numa loja de armas perto do porto. Normalmente eu tenho o cuidado de mandar marinheiros verificar se estão em ordem. Eles estão acostumados a serem revistados. Quanto à fonte da informação ela é completamente confidencial, se eu revelar perco o meu trabalho. - o capitão parecia bem sério com as suas palavras, porém tinha um tom de dúvida, era como se ele também não estivesse confiante naquela missão.
......Quando Kyo acabo de escrever, a montanha de músculos tomou a liberdade de ler em voz alta. Magnus rapidamente respondeu - Err... Éeee... Bom, a questão aqui é que esperar o ataque acontecer não seria uma atitude correta, já que em vários dos casos, nós somos pegos desprevenidos. Sei que não tenho a moral pra falar essas coisas por causa da minha patente, mas acho que devemos expor o objetivo deles enquanto os forçamos a agir... Que tal se simularmos uma execução publica? - o plano de Magnus deixou Beethoven surpreso, ele parecia ter gostado da ideia do marinheiro - Espalhamos o boato que Arko vai ser executado em breve e enquanto o tempo não chega, o marinheiro Kyo extrai informações dele ganhando sua confiança. Teríamos que trabalhar num período de tempo bem curto para que eles tomem uma decisão precipitada. Quando for a hora, nós escolhemos o cenário da briga e preparamos agentes disfarçados em pontos chave para emboscar-los. Seria mais fácil para agentes, já que eles têm um poder de luta considerável e não são expostos nas ruas como marinheiros. Se eles vierem assim que o anuncio for feito, eles vão tomar menos cuidados durante o ataque e se eles tentarem impedir a execução, teremos eles a nossa mercê. Além disso, nós pouparemos o prédio de sofrer dano durante o embate.
......O capitão, após pensar por alguns segundos deu o veredito final - Então faremos dessa forma. Irei tratar de preparar a armadilha para quem quer que esteja planejando soltar Arko, a dita execução será amanhã de manhã no centro da cidade. Kyo, mantenha o olho em Arko até amanhã, Rin e Mayu vão continuar como guardas. Rozalya, Lars e Magnus tentem procurar por pistas até amanhã, voltem no final do dia para reportar o que descobriram, se não conseguirmos encontrar e parar quem quer que esteja por detrás do plano seguiremos com a execução pública.
......Lars, Magnus e Rozalya combinaram se encontrar após 10 minutos, enquanto isso o Capitão Beethoven chamou um médico para cuidar das feridas de Kyo, pelo menos as feridas nos membros. Rin e Mayu levaram Kyo de volta para a cela após alguns cuidados médicos, a sua perna já não doía tanto e talvez estaria boa novamente em algumas horas. Quando voltou para a sua cela Arko estava dormindo profundamente, nem mesmo o barulho da cela abrindo acordou ele.


G e Ceji


......Lars foi até ao arsenal pegar novas armas e devolver as antigas, ficando então com 2 espadas leves e 1 espada pesada; enquanto isso Magnus falou com Mayu e falou para ela ter cuidado.
......Quando os 3 ficaram prontos foram até ao ponto de encontro, decidiram ir até ao Hell’s Beer para buscar informações. O ambiente no local estava completamente diferente: homens armados e bêbados por todo o lado, gritos e risadas altas, copos a partir e pessoas a cair no chão, tudo isso acontecendo a meio do dia, quem diria como seria aquele lugar durante a noite.
......Rozalya aproximou-se do balcão primeiro, ele estava bem sorridente. Assim que os bêbados perceberam que haviam marinheiros no local, começaram todos a fazer piadas de mal gosto sobre eles, alguns até insultavam descaradamente, principalmente o marinheiro de grandes dimensões, mas parecia que ele não era afetado pelas suas palavras. Após conversar um pouco com o barman, Rozalya voltou a se aproximar dos marinheiros - Ok, o barman disse que um de nós pode interrogar os empregados na cozinha. Quem quer ir?.


[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
Thanks for [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.], Cupcake Graphics



off: esqueci de avisar no post, mas o kyo ficou sem o caderno e sem a caneta assim que voltou para a cela.
Armas do Ceji: 2 esapdas leves de uma mão(uma lvl 1 e outra lvl 2); 1 espada pesada de 2 mãos.

____________________________________________________

~Fala~
~Pensamento~

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

Sabe por que caímos?
Para aprendermos a levantar.
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]


[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]


Última edição por Cubo Nito em Qui 06 Set 2018, 14:35, editado 1 vez(es)
Voltar ao Topo Ir em baixo
Kyo
Civil
Civil
Kyo

Créditos : 27
Warn : Imperial Advent - Página 2 10010
Masculino Data de inscrição : 28/03/2013
Localização : -x-

Imperial Advent - Página 2 Empty
MensagemAssunto: Re: Imperial Advent   Imperial Advent - Página 2 EmptyQui 06 Set 2018, 14:06


Uma missão, ou quase 2

“Ahhh olha eu aqui de novo, nesse troço de lugar, oh raiva que eu to, mas que se dane, eu tenho que ficar de olho nesse maluco, e o pior de tudo...”

Pensava enquanto era colocado novamente naquela cela da prisão, seu olhar ficava fraco repentinamente como se estivesse cansado, mas ao levar sua mão sob sua cabeça e mexer um pouco em seu cabelo com rapidez como se estivesse o desarrumando rapidamente ganhava certa energia para fazer o que tinha de fazer, que era ficar ali, parado, e vigiando aquele cara que ele nem conhecia direito.

“É que do jeito que eu estou não dá nem pra puxar conversa com esse maluco, e o pior, eu não posso nem sair do lugar, porque bem, olha o tamanho desse lugar, maldição... o jeito é fazer seguir o que foi planejado, e bem, tenho que ficar ligado em duas coisas, o que acontece ao meu redor e o quanto meu corpo se recupera enquanto estou aqui”

Finalizava seu pensamento agora olhando para aquele ao qual estava junto a ele naquele lugar, de certa forma não era do tipo que fingiria alguma coisa para alguém, então continuaria mantendo normalmente sua face que normalmente as pessoas veriam, algo em torno de uma amostra de naturalidade tentando pegar para o lado da tristeza ao invés do ímpeto mostrado na maioria das vezes, talvez algo refletido diretamente ao lugar onde ele estava.

Mantinha sua audição afiada para tentar escutar alguma coisa importante a seu redor ou até mesmo que viesse de fora para dentro daquele lugar, de certa forma poderia acabar acontecendo já que percebendo qual estado seu corpo estava que ele não iria acabar querendo se meter em nenhuma confusão, mas ele não sabia ao certo o que poderia estar pensando aquela pessoa, até porque ele estava praticamente mudo naquele momento.

“Hum... hum... hum... hum... fico pensando, será que teria dado muita confusão se eu tivesse revidado? Ah duvido muito que não, capaz que eu teria me ferrado ainda mais isso sim, e aquele outro? O que ele teria feito? Será que seu sentimento de raiva sobreporia o sentimento natural de justiça? Quem sabe o que ele teria feito nessa situação, mas se ele não o fez tenho uma pista, mesmo que não muito exata”

Pensava em certos momentos enquanto ainda o olhava de frente, mantinha sua respiração controlada e suave afim de priorizar sua recuperação, estar parado provavelmente também ajudava nesse tipo de situação, mantendo sempre aquele tom de sempre, não havia porque ter pressa ou ao menos demonstrar isto para ninguém, apenas talvez pequenas faíscas do sentimento de frustração.

Tentava não pensar no que aqueles outros estavam fazendo, mas era praticamente impossível, e em certo momento os pensamentos vinham em sua mente e então ele logo pensava no que estariam fazendo pela ilha, talvez na esperança ou melhor dizendo na curiosidade de eles conseguirem fazer o que eles teriam que fazer.

Como não havia nada mais para fazer naquele momento além de seguir o plano, era exatamente o que aquele garoto fazia, seguir o plano.

Histórico:
 

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Spoiler:
 
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ceji
Caçador de Recompensas
Caçador de Recompensas
Ceji

Créditos : 4
Warn : Imperial Advent - Página 2 10010
Masculino Data de inscrição : 04/02/2013

Imperial Advent - Página 2 Empty
MensagemAssunto: Re: Imperial Advent   Imperial Advent - Página 2 EmptyQui 06 Set 2018, 22:31

Anjo Caído - Parte II

Se havia algo que eu havia aprendido no meu tempo na marinha, foi a não confiar em ninguém que não houvesse merecidamente conquistado minha confiança. Desde meu primeiro dia ficou bem claro pra mim o quão fraca a marinha pode ser como instituição, especialmente quando o QG está em mãos incompetentes, e o quão fácil é forças externas tirarem proveito disso. Soldados cozinhando com comidas estragadas a quase um ano, Tenentes mandando soldados para missões suicidas sem propósito, criminosos se infiltrando só por usarem uniformes... Este ultimo foi especialmente idiota e revoltante, porque os caras mataram dois tenentes que estavam realmente a caminho da ilha e roubaram os uniformes deles pra tomar o lugar na viajem que levaria à Grand Line, mas como só haviam soldados e sargentos na embarcação que os dois foram liderar no lugar dos tenentes originais, NINGUÉM PODIA VERBALIZAR DESCONFIANÇA SENÃO ERA ACUSADO DE MOTIM E PRESO, OU PIOR. Claro, chegando na ilha de destino seria fácil fazer buscas e confirmar que eram impostores, mas até lá já teria, sumido. O que eu quero dizer é, existem muitas coisas podres na marinha, como a hierarquização absoluta e irrevogável, a falta de preparo, falta de comunicação, eram coisas que uma boa liderança poderia resolver, assim como presenciei Thor quase conseguindo em Shells, mas sabendo que essas merdas poderiam causar, bom, merda, não valia nunca a pena achar que tudo daria certo e que rodos fariam seu trabalho de maneira correta.

Dito tudo isso, acho que não preciso nem dizer porque não fui com a cara daquela missão, né? Ir em busca de um cara que não sabia nada além de um título, porque alguém desconhecido disse que haveria uma invasão? Porra, a vontade de mandar tomar no cu era gigantesca, mas experiências anteriores me provaram que marinheiros eram tão filhinhos de mamãe que levavam ofensas pra alma, então não seria bom botar meu cu na reta logo de cara. Antes que eu pudesse falar qualquer coisa, Gê foi muito esperto ao questionar a precipitação da missão, sobre a possibilidade da nossa missão vazar e sermos emboscados, e a resposta que ele recebeu conseguiu me deixar dividido. Ao que parecia, nenhum outro marine sabia da nossa missão para, teoricamente, impedir vazamentos, o que iria por água abaixo caso houvesse algum infiltrado; por mais que isso realmente ajudasse nesse quesito, essa medida de segurança mongoloide também nos impedir de pedir reforços para a missão, e no melhor dos casos demorariam para chegar por precisarem passar pelo Beto, o que era uma porra, mesmo que fizesse sentido. Assim que vi a oportunidade, parei de divagar sobre os problemas e comecei a metralhar Betinho com perguntas, já que como éramos obrigados a fazer essa missão, ao menos deveríamos ser bem informados, mas logo percebi que realmente estava pedindo demais quando o babaca falou QUE NÃO PODÍAMOS SABER QUEM TINHA PASSADO A INFORMAÇÃO. MAS QUE CARALHOS? Aquele filho da puta queria que entraremos de cara na porra da cova dos leões atrás de informação por causa de um informante anônimo? Beto parecia estar implorando pra tomar uma porrada pra aprender a ser gente, mas novamente tentei me acalmar, contando até 10 mentalmente e concentrando na minha respiração, para não acabar causando um desastre ali.

Ao retomar a calma, e com isso quero dizer reduzir a vontade de bater para vontade de xingar, comecei a analisar as outras informações. Tá, o antigo grupo dele trabalhava em uma loja de armas no porto e estavam acostumados com revistas, mas e dai? Se eles estavam acostumados, ou não faziam mais nada ilegal ou sabiam esconder bem, nesse segundo caso eles provavelmente não escondiam lá, o que explicaria porque de não se importarem com a presença constante da marinha. Independente de qual fosse a situação, não seria tão proveitoso ir lá, ao menos não sem uma pista clara. E, não, a palavra do contato anônimo não era pista nenhuma, já que eu não tinha nada que provasse que ele não era apenas um dos inimigos que havia mandado a informação para nos causar preocupação na frente errada. Na verdade, até onde eu sabia, aquele Beto podia muito bem estar comparando com os criminosos para passar informações falsas e afastar todos do QG dizendo que a missão era exlusiva e secreta para cada grupo. Confiar cegamente em tudo o que diziam não traria vantagem, e eu acabaria tendo que confirmar tudo por conta própria.

Infelizmente, mesmo com todas as críticas e desacordos que eu tinha quanto aquela missão, eu sabia que acabaria tendo que a fazer. Se fosse uma missão comum eu poderia simplesmente usar minha condição de tenente para a repassar para sargentos do QG, mas por ser uma missão passada diretamente por Beto, e ainda ser uma missão secreta, não havia essa opção. Felizmente Gê agiu, mostrando mais uma vez que seu raciocínio era um dos seus pontos fortes: porque deixar eles nos emboscarem, se nós podíamos emboscar eles? Fingindo uma execução do tal Arko, nós poderíamos forçar nossos adversários a agir, e agir precipitadamente, além de termos controle da área do confronto. O único perigo seria se isso fizesse eles atacarem instantaneamente quando a notícia fosse dada, porque provavelmente não teríamos tudo preparado, mas ainda era uma situação muito mais vantajosa. Cada vez mais me surpreendia de Gê, o moleque dava orgulho. Diante da ótima sugestão o capitão do QG começou a pensar sobre, o que me fez ficar com medo de ele não gostar da ideia, por mais boçal que isso fosse, mas felizmente acabou concordando. No final eu, Gê e Rozalya continuaríamos buscando o grupo, e os outros grupos continuariam com suas tarefas anteriores, mas agora o próprio Beto cuidaria da armadilha. Era um avanço, ao menos.

Sem perder tempo após cuidar de tudo que precisava na sala, fui ame trocar e ao arsenal. Felizmente não houve problemas em pegar as três espadas, já que devolvi as outras que estavam comigo, mas não tive tanta sorte com a mochila. Bom, era a vida, algumas coisas não se conseguia. Desistindo da mesma, retornei e então partimos para Hell's Beer, como era o bar mais movimentado da cidade, talvez soubessem de algo lá. No local, logo percebi a mudança de ambiente, aquele lugar já estava cheio de gente se entupindo de bebida à luz do dia, muitos dos bebuns até mesmo começaram a cuspir insultos contra nós por causa dos uniformes de Marines. Eu até pensei em xingar de volta, mas era tanta gente que só iria me fazer gastar saliva. Era melhor deixar eles achando que estava mitando com aquilo tudo, sendo que eu podia acabar com a farra a qualquer momento. Logo Rosaly voltou dizendo que podíamos ir interrogar os empregados da cozinha, mas a aquela altura eu já tinha outros planos - Gê, tem como ir? Não tô com saco de ir interrogar funcionário não - Diria, pedindo para o mesmo ir, já que confiava mais nele que em Rosaly. Caso ele não quisesse ir, diria - Qualé, tu raciocina bem, tenho certeza que consegue algo - Em insistência. Com a ida do meu companheiro sargento, começaria o meu plano. Primeiramente, tentaria transmitir com o olhar para Rosaly que não queria que ele me interrompesse, afinal, pelo nível de insultos superior que ele recebeu ao chegar, não seria muito bom para meu plano se me vissem trocando muito contato com o grandalhão. Em seguida, rapidamente olharia o balcão em busca de um acento vazio, de preferência ao lado de alguém com cara de mercenário ou marginal que estivesse bebendo. Sentaria então no balcão e ficaria lá como se estivesse apenas esperando Gê sair, aguardando algum insulto vir por parte do alvo, ou de outra pessoa, quem sabe, quando então olharia bem fundo nos seus olhos com a expressão mais intimidadora que soubesse fazer e diria - Você parece querer muito ser preso por desacato, não é? - Mas, logo em seguida, antes que ele pudesse reagir de forma negativa, desfaria o semblante, descontraindo o rosto e dando uma risada - Hahaha, relaxa, estou só brincando, não vim aqui causar confusão - E, rapidamente, chamaria o barman - Hey, vê uma rodada aqui pro companheiro, por minha conta - Ofereceria a ele, para tentar o fazer ficar mais confortável com a minha presença. Com a rodada chegando e ele bebendo, eu começaria a falar, mais baixo para evitar enxeridos, mas não baixo o suficiente para ser suprimido pelo barulho natural do bar - É o seguinte, eu estou em busca de uma pessoa. Ele atende pelo nome de Angel Dust, reconhece de algum lugar? - Perguntaria. Caso ele dissesse que talvez soubesse, que não estava bem lembrado ou algo do género, eu diria - Ah, é? Então deixa eu refrescar a sua memória - e, discretamente, poria 500 mil berries em cima do balcão. Caso ele dissesse que não fazia ideia, diria - Tem certeza? Estou disposto a pagar pela informação - Para tentar o convencer. Se ao final ele decidisse falar, mas quisesse mais do que 500 mil, eu iria aumentando a oferta aos poucos para tentar o agradar com a quantia, mas não passando de três milhões; eu, então, escutaria o que ele teria a dizer. Caso continuasse insistindo que não conhecia, responderia - Tem certeza? Que pena. Bom, eu vou voltar aqui mais tarde, minha proposta ainda estará de pé - E, nesse caso, retornaria à espera de Gê. Caso ele questionasse o que um marinheiro estava fazendo tentando comprar informação, eu responderia - É, um bom marinheiro não faria isso. Mas eu não sou um. Acho que isso responde a pergunta - Diria tentando manter meu tom de voz neutro. Ao fim, com ou sem informação, retornaria à espera de Gê.
Histórico do Ceji:
 

NPC Acompanhante:
 

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

R.I.P. Lars:
 
Voltar ao Topo Ir em baixo
gmasterX
Civil
Civil
gmasterX

Créditos : 11
Warn : Imperial Advent - Página 2 10010
Masculino Data de inscrição : 12/06/2014
Idade : 21
Localização : Na minha casa,ué

Imperial Advent - Página 2 Empty
MensagemAssunto: Re: Imperial Advent   Imperial Advent - Página 2 EmptyDom 09 Set 2018, 16:54

Press and Doubt





Nós estávamos no mesmo cenário, mas a cena era outra. Meu sexto sentido estava certo sobre esse lugar e eu estava certo em acreditar que poderia arranjar informações. Rozaly- Espera um pouco... O nome desse oprimente careca, musculosos e casca grossa é Rozalya?!  Não, quer saber? Quem sou eu pra julgar. Enfim... O marinheiro Rozalya passou uma informação que confirmou que meu mentor sempre esteve certo quando me dizia que “No bar se vende cachaça e informação”, mas eu acho que ficou faltando ele me ensinar o como conseguir essa informação. Eu não sei ser persuasivo e as chances estão contra mim, já que, durante minhas missões, quase toda interação com o sexo masculino me rendeu uma batalha ou uma experiência de quase morte, enquanto toda interação com o sexo feminino me rendeu uma situação constrangedora, uma batalha ou uma experiência de quase morte. Parando pra pensar, tenho que revisar as minhas habilidades sociais.

- Gê, tem como ir? Não tô com saco de ir interrogar funcionário não – Lars arrematou, dizendo o que eu não queria ouvir.

– Sim senhor... – Respondi em tom meio desanimado.

Tá... Como a gente vai fazer isso? Vamos começar com o mais simples: Quem teria a informação que eu preciso? Resposta: Alguém que tenha que entrar em contato com os clientes. Atendentes... Mas não um atendente qualquer... Alguém que fique trabalhando aqui por horas... Hm... Talvez aquela atendente de mais cedo... Mas será que eu encontrarei com ela por aqui? Quero dizer, esse meu plano falível baseado apenas em assunções gira em torno do fato de uma pessoa coincidentemente trabalhar o dia inteiro nesse bar. Acho que meu nervosismo ta me deixando em desespero para forçar-me a garrar em um fio tão fino de esperança.

Rezando para a deusa, eu botaria meu plano em pratica e entraria na cozinha buscando por aquela garota. Se ela estivesse lá, eu me aproximaria, chamando sua atenção e diria: – Opa, tudo bem. É que eu esqueci de lhe dizer, mas a torta que você me serviu estava ótima... Meu nome é Magnus, e o seu? – E sorriria, tentando transmitir toda a minha simpatia. Se ela não estivesse disposta a conversar, tentasse me evitar para prosseguir trabalhando ou algo do gênero, eu seguiria dizendo: – Espera um pouco... É que eu to atrás de uma pessoa. Não vai doer se você parar uns segundinhos aqui comigo para me ajudar. – Assim que eu tivesse sua atenção, eu diria: – A propósito, a torta que você me serviu estava ótima, e eu sinto muito por ter sido direto demais na minha ultima visita... Mas indo direto ao assunto! – Eu me inclinaria e sussurraria em seu ouvido: – Eu fiquei sabendo que estão planejando algo grande... Algo que envolve um ataque ao QG da marinha e o resgate de um prisioneiro... O único nome que ouvi foi um tal de “Angel Dust”. Por acaso você ouviu alguma agitação vinda dos criminosos da ilha? – A partir daí, eu tentaria ao máximo persuadi-la. Se ela tivesse alguma proposta ou pedido, aceitaria desde que não fosse além de meu poder ou fosse algo ilegal. Se ela não se mostrasse disposta a passar a informação, eu insistiria e me mostraria disposto a negociar. Se ela não tivesse a tal informação, eu seguiria perguntando: – Você sabe quem poderia ter a informação que eu preciso? – Na esperança de poder ter uma pista de quem está por trás dessa bagunça. Se por acaso a tal atendente não estivesse lá, eu procuraria aquele que tivesse a feição mais amigável e seguiria o mesmo e Script, não com a mesma abordagem, mas seguindo o questionário de forma discreta. Me manteria alerta para facas, agulhas, objetos pesados ou qualquer coisa que pudesse ser usada para me atingir distraido e me nocautear ou até mesmo matar.

O meu plano podia estar em andamento, mas o pouco tempo que temos para trabalhar me afetou bastante. Não ter o mínimo de noção do que fazer nessa situação é lastimável, mas não custa nada tentar, e eu não tenho muita escolha além de tentar até suceder.


NPC ACOMPANHANTE:
 

Legenda:
 

Histórico do Gezão:
 

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.][Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

Bejin no ombro:
 
Voltar ao Topo Ir em baixo
Conteúdo patrocinado




Imperial Advent - Página 2 Empty
MensagemAssunto: Re: Imperial Advent   Imperial Advent - Página 2 Empty

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
Imperial Advent
Voltar ao Topo 
Página 2 de 10Ir à página : Anterior  1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10  Seguinte

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
One Piece RPG :: Grand Line - Paradise (Paradaisu) :: The Wonderful Land-
Ir para: