One Piece RPG
1° Act - It's Navy Time - Página 4 XwqZD3u


One Piece RPG : A GRANDE ERA DOS PIRATAS
 
InícioBuscarRegistrar-seConectar-se
Últimos assuntos
» [Kit - Garou]
1° Act - It's Navy Time - Página 4 Emptypor Ainz Hoje à(s) 12:06

» V - Into The Void
1° Act - It's Navy Time - Página 4 Emptypor GM.Alipheese Hoje à(s) 11:03

» Mini - DanJo
1° Act - It's Navy Time - Página 4 Emptypor DanJo Hoje à(s) 02:51

» Crisbella Rhode
1° Act - It's Navy Time - Página 4 Emptypor ADM.Ventus Hoje à(s) 02:48

» A Aparição de Mais Um Meio a Tantos
1° Act - It's Navy Time - Página 4 Emptypor Wave Hoje à(s) 00:53

» O vagabundo e o aleijado
1° Act - It's Navy Time - Página 4 Emptypor Ghastz Hoje à(s) 00:40

» Mini Aventura - Agyo Shitenno
1° Act - It's Navy Time - Página 4 Emptypor ADM.Senshi Ontem à(s) 23:16

» O Legado Bitencourt Act I
1° Act - It's Navy Time - Página 4 Emptypor Faktor Ontem à(s) 22:16

» Apenas UMA Aventura
1° Act - It's Navy Time - Página 4 Emptypor Van Ontem à(s) 17:49

» Bellamy Navarro
1° Act - It's Navy Time - Página 4 Emptypor Greny Ontem à(s) 12:43

» Unbreakable
1° Act - It's Navy Time - Página 4 Emptypor Ainz Ontem à(s) 11:55

» (Mini) Gyatho
1° Act - It's Navy Time - Página 4 Emptypor ADM.Senshi Ontem à(s) 01:02

» (MEP) Gyatho
1° Act - It's Navy Time - Página 4 Emptypor ADM.Senshi Ontem à(s) 00:55

» [MINI-Tenzin]Here we go again
1° Act - It's Navy Time - Página 4 Emptypor ADM.Senshi Ontem à(s) 00:53

» [M.E.P]Tenzin
1° Act - It's Navy Time - Página 4 Emptypor ADM.Senshi Ontem à(s) 00:43

» [Extra] — Elicia's Diary
1° Act - It's Navy Time - Página 4 Emptypor GM.Noskire Ontem à(s) 00:27

» M.E.P DanJo
1° Act - It's Navy Time - Página 4 Emptypor ADM.Senshi Ontem à(s) 00:27

» Mini Aventura - No Mercy
1° Act - It's Navy Time - Página 4 Emptypor ADM.Senshi Ontem à(s) 00:20

» [Mini-Rosinante-san] O homem que quer ser livre
1° Act - It's Navy Time - Página 4 Emptypor ADM.Senshi Ontem à(s) 00:15

» Retornando para a aventura
1° Act - It's Navy Time - Página 4 Emptypor ADM.Senshi Ontem à(s) 00:13



------------
- NOSSO BANNER-

------------

Naruto AkatsukiPokémon Mythology RPG

Conheça o Fórum NSSantuário RPG
Erilea RegionRPG V Portugal
The Blood OlympusPercy Jackson RPG BR
A Song of Ice and FireSolo Leveling RPG

------------

:: Topsites Zonkos - [Zks] ::


Compartilhe
 

 1° Act - It's Navy Time

Ir em baixo 
Ir à página : Anterior  1, 2, 3, 4, 5, 6, 7  Seguinte
AutorMensagem
Roy Collins
Estagiário Orientador
Estagiário Orientador


Data de inscrição : 23/11/2012

1° Act - It's Navy Time - Página 4 Empty
MensagemAssunto: Re: 1° Act - It's Navy Time   1° Act - It's Navy Time - Página 4 EmptyQua 05 Set 2018, 16:28

Péssimas notícias
Depois de um tempo, com a ajuda do sargento e esforço da minha parte, desamarramos um ao outro as amarras. Levantei com rapidez e logo conversamos pra realmente ver o que está acontecendo por aqui. Contudo, Levi não demonstrou nenhum pouco de entusiasmo e muito menos otimismo. O chefe explicava sobre esse inimigo ser procurado há muito tempo no mar, pelo falado, sua influência chega a ser inimaginável e seu rosto nunca identificado. ~ Como pode ninguém ter visto?!! Tanto tempo que um verme asqueroso desse está na ativa e ninguém sabe quem é o cara. Pensava indignado com tamanha façanha dele. Meus punhos tremiam só de imaginar o orgulho que um verme desse se gaba.

A recompensa do cara chega a 80 milhões de berries e ninguém fez nada para descobrir mais informações. - Não acredito nisso sargento ... Bufava tentando controlar o fluxo de ar que saía mais rápido do que o comum. De certo modo, revoltado até com a marinha de ainda não ter pego esse maldito. Levi comentava sobre no momento não estarmos prontos para pega-lo e em respeito a sua posição concernente a minha, além de todo seu conhecimento sobre isso também.- Nós precisamos de ir atrás dele senhor. Não agora ... Falava com dificuldade, não conseguindo completar por estar frustrado de não conseguir captura-lo no momento.

Sobre a missão assentia sem nenhuma reclamação. A missão em parar o roubo da carga fora feita, entretanto, o peso na consciência de que Vanguard escapou é horrível. É como aquela dor que fica incomodando de tão chata que é. ~ Eu ainda vou te pegar desgraçado ... Prometia a mim mesmo numa espécie de honra. Aquele cara não ficará impune por muito tempo. Ficando mais forte, será apenas questão de tempo para isso. No mais, pegamos os pertences que foram roubados pelo sujeito que abati e o mesmo era entregue a mim. Deixando a última coisa a ser feito, entregar esse fantoche do Vanguard para a Marinha. - Tudo bem senhor, farei isso. Concluía deixando o meliante nos meus ombros, segurando-o firme com meus braços.

- Sobre pegar o Vanguard Levi, é só apenas questão de tempo. Fecharia meus punhos em demonstração da garra que teremos daqui pra frente para sermos mais fortes. - Ele não vai escapar da gente! Terminava e sairia rumo ao QG da Marinha. Utilizaria de minha aceleração para chegar o quanto antes até o local. Evitaria conversar com qualquer civil ou se meter em alguma briga, primordialmente concluir essa missão. Ao chegar no prédio, procuraria no hall da entrada o Thor, na possibilidade de não encontra-lo, questionaria a secretária. - Onde está o sargento Thor? Tomaria a direção dada por ela e entregaria o meliante.

- Interceptamos esse maldito e retomamos a mercadoria. O sargento Levi está voltando para cá trazendo o resto das coisas ... Engoliria um pouco a fala pois teria de explicar o restante das coisas. - Mas não conseguimos pegar o mentor ainda senhor. Ele nos emboscou e fugiu ... Aquele maldito do Vanguard!! Mas ainda vamos pegar senhor, é o meu dever. Concluiria e esperaria algo da parte dele. Em seguida tomaria novamente a dianteira. - Tem alguma outra missão para mim senhor?! Perguntaria já em mente de manter os pensamentos ocupados, ficar apenas com o peso do que aconteceu me deixaria péssimo.

Posteriormente bateria continência e iria ao vestiário para tomar um banho. Trocaria as vestes da marinha por novas e depois descansaria no alojamento do prédio, mentalizando o que deverei fazer de diferente nessa missão em comparação com a anterior. Principalmente em ser mais ágil e observador em cada passo dado. Afinal, a missão vem em primeiro lugar para que não ocorra nada do tipo novamente. Se sentir frustrado por deixar um bandido fugir não desejo a ninguém.

Histórico:
 
Off:
 
Voltar ao Topo Ir em baixo
Far
Pirata
Pirata
Far

Créditos : 53
Warn : 1° Act - It's Navy Time - Página 4 10010
Masculino Data de inscrição : 05/07/2015
Idade : 21
Localização : Your worst nightmare

1° Act - It's Navy Time - Página 4 Empty
MensagemAssunto: Re: 1° Act - It's Navy Time   1° Act - It's Navy Time - Página 4 EmptyQui 06 Set 2018, 15:29

Narração


Para o garoto nada poderia ser mais frustrante do que receber essa informação, afinal de contas seus princípios batiam diretamente contra isso, deixar um criminoso escapar impune? De fato, doía em sua alma apenas de pensar que algo do gênero havia acontecido. No entanto, sabia que não era capazes de bater de frente com tal sujeito nesse momento, sua recompensa enaltecia o quanto de poder um homem desses poderia ter, sua influência era grande demais para ser detido por um Sargento e soldado da marinha, e o garoto fora obrigado a entender isso da pior forma possível. Levi por outro lado também desgostava dizer tais palavras, no entanto era obrigado a ser aquele a segurar as rédeas, afinal sabia que não era uma situação nada favorável e caso algo de ruim acontecesse, todo o resultado seria descido a cima de si e sua irresponsabilidade. Portanto, contentou-se com um suspiro e o conforto das palavras de Roy, mais determinado do que nunca.

- Nós pegaremos ele Roy, tenha certeza disso... Você tem o potencial para isso, faz muito tempo que não vejo um soldado com tamanha determinação. Mas agora não é o momento para isso. - Afirmava Levi, mostrando que confiava em sua capacidade, ainda assim pretendia tomar mais tempo antes de realmente partir para cima de um dos peixes grandes. - Vamos soldados, temos uma missão para terminar, levamos esse aí até as mãos da justiça. - Finalizava, deixando a sala para com que o garoto lidasse com a situação, afinal confiava nele para isso, e além do mais havia ainda uma dupla de marinheiros a serem resgatados. Sendo assim, não demorou muito para que o jovem se deslocasse de volta ao QG, assim como lhe foi dito para fazer, seguia as ordens para entregar o sujeito que havia causado tamanho problema. Mesmo que o prato principal ainda estivesse a solta, revirando a mente e o estômago de ambos os marinheiros.

Chegando ao QG, passava pela secretária como de praxe e logo podia encontrar o Sargento que procurava, Thor permanecia no centro do pátio realizando algumas flexões, seu martelo pesava as costas mas pouco lhe importava, continuando a manter o exercício. Ao notar a presença de Roy, juntamente ao malfeitor logo se colocou de pé com um sorriso no rosto, animado que havia feito a escolha certo. No entanto o garoto começava a apresentar todo o relatório da missão, e isso acabava mudando as expressões do marinheiro, indo da água a vinho em poucos segundos, de fato sua feição era mais séria e um tanto quanto irritada ao ouvir sobre Vanguard. - Fez bem garoto, Vanguard é um homem muito perigoso e deve ser lidado pelo mais alto escalão, informarei imediatamente o Quartel de Loguetown, o mais próximo da Reverse Mountain... - Afirmava, levando a mão ao queixo preocupado.

- Sei como é frustrante que isso ocorra... Mas não havia nada que pudesse fazer, não se preocupe, nós pegaremos esse cara! - Colocava um sorriso no rosto, antes de ouvir o garoto questionar sobre uma nova missão. - Sempre temos coisas para fazer, caro Roy. Alguns crimes... Algumas pessoas para proteger... Posso lhe dar os detalhes, mas pensei que estaria interessado em seguir com a frota de suporte até Loguetown, sabe-se lá o que mais esse tal Vanguard pode aprontar. Pense bem, e me de sua resposta Soldado, mas não demore ou podem acabar deixando-o para trás... Comentava o sargento, esperando ver alguma reação animada por parte do garoto, seja com a missão com ou com o fato de poder acompanhar seu mais novo inimigo e quem sabe receber alguma informação além das que já possuía.

Bom, deixando com que o boxeador tomasse a decisão por conta própria, Thor tomou um comunicador Den Den Mushi em mãos e passou a discar ao QG de Loguetown, informando-os sobre o ocorrido, enquanto Roy se afastava em direção ao vestiário. Nada como um bom banho e roupas limpas para comemorar o fim de uma missão, mas mais importante que isso, preparar-se para a próxima, e por fim fazer a decisão que haviam lhe direcionado.


off:
 

Legenda:
 

____________________________________________________


Fala (#B22222 - FireBrick)
Pensamento (#4682B4 - SteelBlue)

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Roy Collins
Estagiário Orientador
Estagiário Orientador
Roy Collins

Créditos : 17
Warn : 1° Act - It's Navy Time - Página 4 10010
Masculino Data de inscrição : 23/11/2012
Idade : 22
Localização : East Blue - Loguetown

1° Act - It's Navy Time - Página 4 Empty
MensagemAssunto: Re: 1° Act - It's Navy Time   1° Act - It's Navy Time - Página 4 EmptySex 07 Set 2018, 23:16

Uma luz no fim do túnel

A medida que ia caminhando ao QG da marinha, a cada pasmo de raiva que sentia, apertava o sujeito que capturamos. Como algo que aliviasse minha raiva da fuga do mentor desse cara. Só de imaginar o que Vanguard poderá fazer daqui para frente, impondo suas garras e ao mesmo tempo sem ninguém conhece-lo. Isto depois de um bom tempo de estrada no crime. Meus punhos tremiam no momento que cheguei ao prédio. Ainda mais no momento que encontrei o sargento Thor, este que de certo modo não pesou na minha e compreendeu a situação. Foi algo humilde da parte dele, entretanto, jogando limpo comigo mesmo, não posso admitir criminosos desse calibre escapar dessa maneira tão vaga.

Enquanto ele falava não comentei nada. Na verdade fiquei envergonhado por esse resultado. Não sabia como me expressar ou muito menos explicar isso. E o engraçado que cada palavra dita por Thor a respeito do Vanguard era como uma martelada no meu ego. Eu, um cara que abomina falhar em missão, mesmo não falhando nessa por ter interceptado o malfeito, porém deixar o mentor escapar. É como jogar na minha cara que sou fraco e estou apenas engatinhando na Marinha. ~ Cresça Roy. Apenas isso. Sem falar, pelo contrário. FAÇA!! Naturalmente me cobrava ainda no término das palavras do meu superior.

Em seguida ele me dava uma chance de se redimir comigo mesmo.  Continuar na cola do lixo do Vanguard pra pega-lo. Percebi que Thor queria uma reação animada da minha parte, contudo, meu interior dizia que não posso me animar com uma coisa dessa sendo um fraco. É preciso ser mais forte. E apenas com o tempo e muito trabalho duro. Ele discou para a base de Loguetown onde provável que seja a minha próxima missão e relatou os ocorridos. A principio pensei e preferi primeiramente ir me arrumar, tomando um banho no vestiário e posteriormente trocando as vestes da Marinha por novas. Precisava mudar meu traje para o novo e tentar aliviar todo aquele peso de certo modo.

Certamente ir atrás do cara será perigoso e desafiador para um novato na Marinha. Ele nunca foi conhecido pela marinha, ao menos, seu rosto. Sem dúvidas é alguém que merece a atenção especial de nós. Mas também merece uma pessoa empenhada e determinada a captura-lo com toda a força necessária, e se preciso, fazer até milagre. Anteriormente não conhecia sua existência e nem que ele era o cabeça por trás. E isso prejudicou o resultado dessa missão. Entretanto, nessa nova missão tudo pode ser bem diferente e com mais chance de pegarmos. Além de poder evoluir na minha força e aprimorar meus conhecimentos sobre o que for necessário para ser um marinheiro mais capacitado.

Participar dessa missão é uma como comprar a galinha que choca ovos de ouro. A oportunidade perfeita para entender melhor como funciona a mente desses "peixes grandes" e ter mais capacidade de encurrala-los e vence-los. Não será um ladrãozinho de esquina que simplesmente o aborda e prende. Muito provável que exigirá investigação, compreensão do que ele trabalha, como executa seus serviços e descobrir os próximos passos. Essencialmente uma missão que cobrará o melhor de mim. Quem sabe dessa forma consigo me sentir melhor, principalmente quando desta vez terei mais aptidão e mais preparo para captura-lo. É uma luz no fim do túnel que não posso deixar apagar.

Sairia do vestiário e procuraria no hall da entrada o sargento Thor novamente. Na chance dele não estar lá, procuraria pelo mesmo na região por perto, salas e corredores próximo até encontra-lo. E em respeito a ele, bateria continência com meu punho direito primeiramente. - Senhor!! Daria uma pequena pausa até ter o seu consentimento e prosseguiria. - Refleti sobre o que me falou e acertou na mosca que estou interessado. Engoliria em seco as palavras guardando a raiva que ainda sobra desse Vanguard. - Não posso deixar um lixo desse fugir de nós. Escapar impune? NÃO! Enalteceria o "não" confirmando o orgulho e senso de justiça que os marinheiros têm. - Então, estou dentro sargento Thor ... E em seguida questionaria. - Qual meu próximo passo? Sigo o senhor ou outro superior?

Aguardaria sua resposta e seguiria suas ordens conforme o que for necessário para irmos a Loguetown. Se precisasse acompanhar o superior em algum problema, ou mesmo carregar algo ou pegar alguma papelada e assim que solicitado, seguiria o chefe dessa missão. Rumando com total disposição para encontrar novamente o malfeitor do Vanguard, esperando cautelosamente e contando passo-a-passo desta vez. Calculando, recalculando, colhendo informações, planejando e executando o que for preciso. Pois dessa vez, Vanguard ... Me aguarde.  

Histórico:
 

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Olá, Convidado seja bem-vindo ao One Piece RPG.
Links para ajuda:
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Far
Pirata
Pirata
Far

Créditos : 53
Warn : 1° Act - It's Navy Time - Página 4 10010
Masculino Data de inscrição : 05/07/2015
Idade : 21
Localização : Your worst nightmare

1° Act - It's Navy Time - Página 4 Empty
MensagemAssunto: Re: 1° Act - It's Navy Time   1° Act - It's Navy Time - Página 4 EmptySeg 10 Set 2018, 04:33

Narração


Deixa alguém escapar dessa maneira, mesmo sendo um procurado de renome, acabara abalando o psicológico do garoto, e por mais que palavras reconfortantes fossem ditas por parte de seus superiores, isso não parecia ser o suficiente, apenas enaltecendo ainda mais o sentimento de culpa. Roy não pode conter a frustração, portanto passava a considerar a proposta feita por Thor, mas sem uma resposta feliz já de imediato afinal seu subconsciente ainda lhe pregava a falha em suas memórias mais recentes. Fora necessário um bom banho e descanso, além de roupas novas para que o rapaz se acalmasse um pouco mais, e por fim pudesse raciocinar chegando a uma conclusão. Aproximava-se do Sargento em questão com sua resposta, o soldado, por mais recente que fosse sua entrada na marinha, estava disposto a enfrentar os riscos que aquele peixe grande poderia lhe oferecer, e mesmo assim partir para a sua caça, afinal alguém precisava fazê-lo.

- Exatamente esse tipo de animação que estava esperando, sabia que estaria interessado garoto... Mas verá que não é fácil. - Afirmava, encarando os olhos do garoto, sabia da dificuldade, das consequências e de todas as possibilidades ruins que poderiam lhe acontecer durante essa perseguição. - Acima de tudo, tome cuidado! - Afirmava, enquanto o segundo sargento se aproximava, Levi se colocava de prontidão ao lado cumprimentando Thor, ainda um tanto cabisbaixo. - Soldado Collins... Também lhe acompanharei nessa missão, esse maldito não ficará impune, precisamos garantir com nossas próprias mãos. - Afirmava, mais confiante, agora que toda marinha havia se colocado de prontidão ao caso.

- Siga-me! - Bradou Levi, distanciando-se do sargento Thor, que apenas acenava em despedida de seus colegas e era igualmente retribuído. - Se está pensando que serei seu superior, bom... Não é isso. Não está em minha jurisdição e nem poder realizar essa busca, agora estaremos a mando do Tenente Trent, você gostará dele. - Disse, colocando-se a andar em direção ao porto, que após alguns minutos de caminhada logo encontravam um barco da marinha aportado, alguns marinheiros embarcando-o e um sujeito em destaque no centro, sua expressão era séria e fria, não demonstrava sequer algum sinal de felicidade. Ríspido como a mais sólida pedra, apenas permanecia de pé, existindo de sua própria maneira. - Está vendo? - Indagava, apontando para o local com a face.

Não demorava para que se aproximassem do barco em questão, adentrando-o aos poucos, Levi logo prestava continência colocando-se em posição, ao aguardo de que Roy fizesse o mesmo.- Ora ora, então foram vocês... Aqueles que se juntaram a frota de busca a Vaguard. Aqueles que relataram o ocorrido... - Cruzava seus braços um tanto quanto descontente, almejava por possíveis explicações, ou quem sabe até mesmo um pouco mais, bom, ninguém podia dizer ao certas intenções, mas se havia uma certeza em suas mentes é que aquele seria o seu superior pelo resto de sua viagem até Loguetown. - Sem descanso, desçam as velas! Colocaremos esse barco para navegar, e será agora! - Ordenava de maneira dura, digna de um superior de mais alto escalão, devendo tomar a rédea de seus subordinados.



off:
 

Legenda:
 

____________________________________________________


Fala (#B22222 - FireBrick)
Pensamento (#4682B4 - SteelBlue)

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Roy Collins
Estagiário Orientador
Estagiário Orientador
Roy Collins

Créditos : 17
Warn : 1° Act - It's Navy Time - Página 4 10010
Masculino Data de inscrição : 23/11/2012
Idade : 22
Localização : East Blue - Loguetown

1° Act - It's Navy Time - Página 4 Empty
MensagemAssunto: Re: 1° Act - It's Navy Time   1° Act - It's Navy Time - Página 4 EmptySex 21 Jun 2019, 10:31

Viajando rumo ao objetivo. Loguetown, aqui vamos nós.

Sargento Thor ficou feliz em ver que continuaria minha missão em ajudar a marinha, particularmente, trabalhar duro para captura de Vanguard. Fixei meu olhar sério nos dele demonstrando convicção na minha decisão, independente do nível de perigo que correria neste trabalho. Um bom marinheiro nunca foge da justiça, principalmente quando envolve a relevância da missão. Este cara mesmo possuindo uma recompensa de 80 milhões não pode permanecer arruaçando por ai, o minimo que nós marinheiros devemos fazer é confrontar quem atrapalha a justiça. - Terei cuidado senhor. Assentiria para Thor com respeito e acompanhado de Levi, partíamos para o porto com uma única coisa em mente. Pegarmos Vanguard.

Saber que ele continuaria comigo nessa missão é reconfortante. Esse sargento provou ser alguém forte que está buscando crescer na marinha, assim como eu. Vê-lo ao meu lado me motivará e será um parâmetro para sempre aprimorar minhas habilidades. Além de ele ter participado da missão também, criando um objetivo em comum. Não sou muito de sorrir, porém, ao longo de nossa caminhada, acabei soltando um pequeno sorriso que aliviou minha tensão após muita fúria decorrente da fuga do mentor que estamos atrás. Em seguida recebi as instruções que dessa vez o Tenente Trent ficará encarregado da gente e que gostarei dele. Confesso que isso me deixou com uma pulga atrás da orelha. Tive pouco contato com o sargento Levi, ele já me diz que gostarei desse marinheiro. ~ Espero que esteja certo. Não poderei desfocar do nosso objetivo principal e ter alguém que goste de trabalhar junto será de grande valia.

Ao chegarmos no porto avistamos o Tenente Trent e logo de cara percebo pela sua postura que o marinheiro é um cara mais sério. Acredito que esse seja um dos motivos que Levi me disse que gostaria desse tenente, me colocando no lugar do meu companheiro me avaliaria da mesma maneira. Sou um cara muito focado nas missões e não brinco em serviço, portanto, a principio coincide com este tenente. Ora ora, então foram vocês... Aqueles que se juntaram a frota de busca a Vaguard. Aqueles que relataram o ocorrido.. Por um instante senti descontamento de sua parte por essas palavras e isso gerou raiva só de lembrar de Vanguard. O cara apareceu pouco mas já mexeu com o meu ânimo e da marinha. - Sem descanso, desçam as velas! Colocaremos esse barco para navegar, e será agora!

- Sim senhor!! Confirmaria e o acompanharia para dentro do barco aguardando alguma conversa com o mesmo. Pelo fato dele ser superior pode ser que no interior do navio o mesmo esteja ocupado administrando as tarefas e responsabilidade. Na possibilidade do homem estar livre por alguns instantes me apresentaria de uma maneira mais formal, pois ele só ouviu relatos da missão e de mim, então nada como se apresentar formalmente. - Tenente Trent. Meu nome é Roy Collins, sou um soldado da marinha e estou a disposição do que precisar!! Diria com convicção. É bom que conheça com quem trabalho e colocando-se no lugar do tenente, saber quem está a suas ordens traz mais segurança para a equipe.

Posteriormente ouviria e se solicitado algo, ajudaria da melhor forma possível. Terminado o serviço não pararia para admirar a viagem, para o crescimento de um marinheiro, treinar é o mínimo que deve ser feito. Andaria pelo barco a procura da cozinha para forrar o estômago. Para comer uma fruta ou carne, nada em grande quantidade. Apenas que me dê mais energia para meu treinamento durante a viagem. Mesmo não sabendo quanto tempo levará, o máximo que utilizar para treinar aqui dentro ajudará nas missões da marinha.

Em seguida percorreria no barco as salas para conhecer o local e procuraria uma sala de treinamento. Meu foco nesse treinamento será usar a agilidade e lapidar o manejo na luta com meu punho esquerdo. Como sou destro, possuo pouca força no braço esquerdo e menos facilidade para usar em luta. Acredito que se tiver 20% da força que tenho na minha mão direita é muito. E para um boxeador exercer com maestria numa luta os dois punhos é uma das prioridades. Seria interessante encontrar com alguém que possa treinar, afinal, nada melhor outro oponente para ganhar mais experiência em combate. Só de imaginar a fúria dentro de mim acorda, o choque de realidade vem e meus punhos tremem de excitação.

E como um Collins, não posso desonrar a família nem por um momento. Além de ser um marinheiro, o sangue do meu pai corre nas minhas veias. Ele lutou bravamente para alcançar o cargo onde está e ser forte como é. Essas tatuagens são marcas de que se um dia tiver, obrigatoriamente deve ser melhor que seu antepassado não importando quão longe foi. Essa rigidez da tradição de minha família me policiou para não apenas olhar pro que acontece ao meu redor, mas cuidar de mim mesmo. Focar no crescimento, pois, se um dia recebi essa tatuagem um antepassado meu, ele chegou longe e também acreditou que poderia chegar. E até ultrapassa-lo. E isso só depende de mim.  
Histórico:
 

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Olá, Convidado seja bem-vindo ao One Piece RPG.
Links para ajuda:
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Faktor
Soldado
Soldado
Faktor

Créditos : 2
Warn : 1° Act - It's Navy Time - Página 4 10010
Masculino Data de inscrição : 04/01/2019

1° Act - It's Navy Time - Página 4 Empty
MensagemAssunto: Re: 1° Act - It's Navy Time   1° Act - It's Navy Time - Página 4 EmptySeg 24 Jun 2019, 22:23







Narração


Ao adentrar no navio, Roy se colocava na presença do Tenente Trent, onde procurava lhe informar que o estava ali pra o que der, nesse mesmo momento, Trent pede rapidamente para que um dos guardas que tivera em sua sala, para tomar conta dos negócios em sua cabine e qualquer coisa avisa-lo. Então botava a mão para o lado de fora da cabine indicando a passagem do Soldado, assim que ele passasse iria junto, nisso ficara de costas para ele brincando com um fio que tirara de sua roupa. -Bom, vou direto ao ponto... Precisamos de uns serviços na área de trás da cozinha, depois de um conflito, tivemos alguns problemas aqui no barco. Umas paredes foram perfuradas por tiros e algumas estão descancando. -


Assim o Tenente se virava em direção ao soldado, onde com uma expressão bem animadora, termina sua fala. -HEhe, você vai pegar um emboço e ir cobrindo o que estar furado, depois raspar as paredes, passar uma camada fina de emboço, e depois pintar tudo, não quero moleza, isso é uma avaliação também, então não fique de moleza!!- Após terminar sua fala se virava e iria novamente para sua sala. Nisso, Roy rapidamente ia para o quartinho de serviços, pega uma lata de tinta azul marinho e um cimento já pronto. Alguém iria fazer isso naquele dia, para completar pegou uma espátula para raspar a parede e se dirigia para o local indicado. Ao passar pela cozinha, via uma mulher na mesma, mas não dava atenção a isso.


Já no local pronto para começar o serviço, começava pela início "claro", começava a raspar as paredes rapidamente parte por parte, com movimentos de cima pra baixo com ela virada pra baixo, em alguns outros lugares, movimentos da direita pra esquerda com ela virada pro lado certo(a mesma coisa da esquerda pra direita), e de baixo pra cima com ela virada pra cima. Em mais ou menos 30 minutos, ou meia hora, acabara o serviço, encostava na parede com o suor escorrendo até de suas sobrancelhas, mas não poderia parar, logo com o emboço, com a mesma espátula, pegava ele e começava a passar nos lugares necessários; assim cobrindo uma boa parte mesmo das paredes. Não demorava muito pra fazer esse trabalho, no mínimo uns 10 minutos, sendo que um trabalho maior seria lhe dado, o trabalho que lhe rendeu 40 minutos, onde teria que passar uma primeira mão com 20 minutos para secar, e depois mais 20 minutos para uma segunda mão.


Depois de todo o tempo passado, Roy foi direto pra cozinho onde avistou a mesma mulher ao passar pela entrada antes, ele se sentou em uma mesa para descansar um pouco, e logo ela chegou ao seu lado. -Olá, sou Loliet, estou preparando uma comida pra todo mundo, está quase ficando pronta, vai querer?- A mesma falava de um jeito bem doce, com um sorriso de canto, seus olhos fechados, pernas cruzadas e com as mãos juntas a cima um pouco de seus joelhos. O soldado não poderia recusar, aliás estava morto de fome, logo assim que a comida ficou pronta, que não demorara muito, ele botara em um prato e a Loliet, tinha saído para dar a comida aos outros. Ao acabar de comer, foi até a pia o jovem e lavou seu prato e os talheres, que ao estar terminando, a linda menina que parecia não ter menos de 22 anos, chegou com a panela de comida, e botou em um prato pra finalmente comer. -Aff, deu mó trabalhão pra fazer isso, ainda bem que meu dia de fazer a comida passou, mas devo admitir que pelas as expressões dos outros, a comida deve estar boa.- Ela terminava de falar esperando uma resposta por ele. Logo assim ele respondia que a comida estava mesmo boa, e perguntaria a ela se conhecia alguém para ajudar ela a treina-lo.


Loliet com um sorriso no rosto, se sentava com suas pernas cruzadas para comer. -Eu posso lhe ajudar nisso, não sou a vice tenente atoa, mesmo que o Trent não ligue muito pra mim, ajudar os "novatos" é sempre um prazer.- Ao terminar sua fala o garoto tinha uma surpresa por saber que a Vice Tenente estava em sua frente e ele não estaria agindo com respeito, mas só reparou em que teria sua chance de treinar então esperou ela acabar de comer, e ela o guiou para a sala de treinamento. Chegando lá, ela pegara um bastão e o girava por suas mãos de um lado para o outro, ao começar o treinamento, percebera que o garoto não estava dando seu máximo, seus ataques estavam um pouco a baixo dos níveis de um soldado normal, então percebera que sua mão direita não estava sendo usada, e sua esquerda não era tão boa, Loliet querendo o ajudar, abaixou seu nível para se igualar um pouco, e o treinamento continuou por um bom tempo.




Off:
 

Legenda:
 

"Eu fico mais forte em proporção direta com o quão forte o meu adversário é."

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]<|>[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

____________________________________________________

Record - [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
First Adventure I - [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Roy Collins
Estagiário Orientador
Estagiário Orientador
Roy Collins

Créditos : 17
Warn : 1° Act - It's Navy Time - Página 4 10010
Masculino Data de inscrição : 23/11/2012
Idade : 22
Localização : East Blue - Loguetown

1° Act - It's Navy Time - Página 4 Empty
MensagemAssunto: Re: 1° Act - It's Navy Time   1° Act - It's Navy Time - Página 4 EmptyTer 25 Jun 2019, 11:30

Treine soldado Collins!!
Ter a consciência de que é o inicio da vida de um marinheiro é o que prevalece na minha mente. O que eu mais queria é estar por dentro do que estaria rolando ou mesmo fazer algo a respeito de missões que envolvam importância para a marinha. Mas quase sempre pode-se ocupar com algo a parte enquanto não é possível fazer nada diretamente a missão. Mesmo que isso custe um trabalho braçal. Este que fora dado pelo tenente Trent. Algumas paredes no navio tinham sido recebido tiros, causando algumas perfurações e que necessita de que seja arrumada. A tarefa ficou de cobrir todos os furos e em seguida preencher as paredes, até mesmo pintando o espaço.

Sem titubear encarei essa tarefa como uma obrigação e com a cabeça sinalizei concordando. - Para já senhor. E saí para pegar os materiais que usaria nesse serviço. Obtive uma lata de tinta azul marinho condizente com a cor da bandeira da marinha, cimento pronto e espatula para raspar as paredes. Sem dúvidas demandaria um tempo, dedicação e esforço da minha parte para conseguir um bom resultado. Ao longo do caminho deparo-me com uma mulher na cozinha, pressuponho que seja a cozinheira do navio e logo partia para o local.

Com a responsabilidade do trabalho comecei a raspa-la com a espátula. De várias maneiras raspei, e como nunca tive experiência com isso, tentei fazer essa parte com muita força e prestando atenção na parede para ver se não deixava nada de sobra. Esse tipo de coisa deve ter técnicas próprias, porém, como não possuo tal, o melhor jeito de fazer seria tomando cuidado para não deixar nada para trás. Até porque o próximo passo seria encobrir com o emboço. Não tenho a mínima noção exata do tempo, mas pelo andar da carruagem e o estado que estou de cansaço e suor, isso deve ter levado um tempo considerável. Minhas costas grudando na camiseta, sobrancelha derrubando gotas que parece que está chovendo. - Malditos homens que causaram esse dano. Agora tenho que arrumar essa bagunça deles. Meus punhos tremiam de fúria só de pensar nesses malditos atirando no navio. Ao menos o tempo era consumido de acordo com a viagem para Loguetown, e com isso em mente, para ocupar o tempo e não ficar ansioso em chegar lá, continuava com o serviço.

Depositei o cimento em cima do emboço com firmeza para fazer com que fique na parede, utilizando a espátula novamente como instrumento. Reforcei onde presumi que fosse necessário. E com o objetivo de terminar esse trabalho, passei a tinta azul marinho no navio. Sem dúvidas ajeitar essa parede com essa cor deixava-a bonita e imponente, digna de como a marinha é. Sem manchas ou buracos, somente a perfeição de como a justiça dela é. - Se for pensar bem, nós marinheiros sempre devemos arrumar a bagunça que esses piratas deixam e mostrar pra eles como ela manda. Pensava alto passando mais rápido na parede e me animando com a ideia de deixar o melhor possível. Logo após de terminar a primeira mão descansava por um tempo meu corpo. Sentei um pouco afastado da parede parando pra observar onde deveria passar uma segunda mão, contudo, após um tempo de descanso para tinta.

Aproveitei para poupar energia que sobrava. Respirei com mais calma e relaxei os músculos do braço com tudo isso. Esse trabalho mesmo sendo algo menos relevante ainda sim é uma tarefa de um marinheiro, e como tal, realizar é obrigação. O bom disso é que se for feito uma ánalise mais fria, até mesmo consigo tirar conclusões como de sempre limparmos o que o mundo tem de ruim. - Esse sempre é o dever de nós marinheiros. Arrumar o que foi danificado por arruaceiros. Olhava para meus punhos que estavam sujos pelo trabalho feito. - Vocês estão sendo usados para pouco agora. Mas com o tempo vão trabalhar muito na cara de muitos procurados nesse mundo. E com essa determinação minha fúria tomava mais uma vez o controle de mim. Depositei ela na segunda mão na parede pintando onde fosse mais viável reforçar. E com o trabalho finalizado parti para a cozinha em buscar de repor minhas energias.

Voltei a cozinha e sentei para descansar do trabalho realizado. Aquela mulher continuava na cozinha, e no momento que me viu de novo veio a mim oferecendo comida por estar quase pronto. Não pude recusar afinal tinha gastado bastante energia arrumando aquela parede. - Claro que aceito, não sei ainda como meu estômago não roncou. Batia de leve na minha barriga como se fosse acalmar um animal feroz. A forma que ela falava era doce e meiga, totalmente diferente de mim porém muito prestativa. Uma boa marinheira sem dúvidas. Ela trouxe a comida num prato e sem delongas devorei o alimento, saciando minha fome e conforme comia sentia minha energia sendo revigorada. Comer faz um bem inimaginável, quando realmente estamos famintos percebemos isso. Comida é uma coisa divina.

Ao terminar a refeição lavei meus pratos e talheres na pia. Disciplina é algo que sempre cultivei e com um pai marinheiro seria ilógico não ter presenciado. Confesso que quando criança era um pouco díficil seguir, entretanto, com o tempo fui ganhando a noção do que isso é valioso para o crescimento e maturidade. Paralelo a isso a cozinheira retornou com a comida e como todo ser humano, saciou sua própria fome já comentando comigo. -Aff, deu mó trabalhão pra fazer isso, ainda bem que meu dia de fazer a comida passou, mas devo admitir que pelas as expressões dos outros, a comida deve estar boa. Com o olhar fixo nela respondi de maneira efetiva. - Estava sim, digno de uma boa marinheira. Obrigado pela comida Loilet ... A propósito não me apresentei antes. Meu nome é Roy Collins, sou um soldado.

Posteriormente a mulher respondia a indagação sobre treinamento, demonstrando que ela não é qualquer marinheira. Dificilmente ouvi meu pai comentar sobre mulheres na instituição, uma coisa que poderia ter com mais frequência na instituição. Quanto mais pessoas engajadas na causa de fazer com que a justiça prevaleça, melhor será para a marinha. - Certo, então vamos partir para a sala de treinamento. Preciso treinar algumas coisas. E deste modo acompanhei já entrelaçando meus punhos para estralar e mexendo a cabeça circularmente fazendo com que aquela energia de uma luta volte.

No inicio executei uns movimentos com os dois punhos e nenhum foram com exatidão, Loilet mostrava que ela não é uma marinheira qualquer. ~ Essa mulher é forte ... Observava seus movimentos estudando a maneira como ela se esquivava. Nesse treinamento focaria em aprimorar as habilidades com a mão esquerda principalmente, afinal sou destro. Um bom boxeador exercer seu estilo de combate com as duas mãos é uma grande fonte de oportunidades para derrotar seus inimigos.

Aproximaria dela deixando uma distância entre nós de 1 metro mais ou menos, para na possibilidade dela me atacar em diagonal, esquivaria para o lado oposto do ataque e com o punho esquerdo aplicaria um cruzado diretamente no lado direito de sua face. Mesmo ela sendo uma mulher, ela aceitou o desafio do treinamento logo a mesma não é uma marinheira qualquer. E se ela topou, ela sabe que numa luta pode apanhar assim como eu tenho ciência da minha parte. Esse meu soco precisamente não seria tão forte como com o punho direito, entretanto, enrijeceria os músculos do meu braço esquerdo para aplicar uma pressão mais forte no soco. Trabalhar esse lado juntamente com a força muscular possibilitará ter mais ataques mais potente.

O ritmo que manteria seria de sempre estar no ataque. Após essa tentativa, circularia em sua volta procurando um melhor ângulo para o ataque e se caso ela passar uma rasteira, pularia. Se for atacado diretamente com as mãos, abaixaria o máximo possível ficando fora de alcance de seus punhos e com o punho esquerdo levantaria com toda força através do impulso do dash no queixo de Loilet. Utilizando de minha aceleração e agilidade nos ataques, para sempre manter a maior velocidade possível nos ataques e movimentos executados. Recuaria alguns passos pós-este ataque e prepararia um ataque em zigue-zague, abusando de minha aceleração e agilidade para saltar caso ela tente bloquear meu caminho com algum ataque de altura baixa. Já havendo a chance dela atacar numa altura mais alta, continuaria com meus movimentos zigue-zagues para assim desviar e ao chegar nela, manteria meu corpo no nível de seu peitoral desferindo um soco de esquerda em suas costelas com o objetivo de tirar sua concentração e penetrar na sua defesa.

Havendo a chance dela contra-atacar ou esquivar, saltaria usando movimentos acrobáticos e pressionaria seu posicionamento atacando com o punho direito para fazer com que ela corresponda de forma defensiva este ataque. Isto é, se ela bloquear o ataque ou esquivar, concentraria minhas forças no braço esquerdo aplicando um soco onde for aberto uma brecha na sua defesa. Ou seja, se seu abdômen, costela, estômago ou qualquer outra parte estiver vulnerável e próximo do punho esquerdo pois deixei preparado e mais próximo dela para o ataque, aplicaria o soco em linha reta e desse modo concentrando de uma melhor forma meu ataque. Saltaria algumas vezes para trás posteriormente a esse ataque e se ela tentar me perseguir utilizando de um contra-ataque, soltaria meu corpo para trás levemente esquivando do ataque direto e subiria meu ombro direito potencializando a força no punho esquerdo e em seguida giraria ao contrário aplicando um outro cruzado de esquerda na região mais exposta e fácil para o ataque.


Histórico:
 

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Olá, Convidado seja bem-vindo ao One Piece RPG.
Links para ajuda:
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Faktor
Soldado
Soldado
Faktor

Créditos : 2
Warn : 1° Act - It's Navy Time - Página 4 10010
Masculino Data de inscrição : 04/01/2019

1° Act - It's Navy Time - Página 4 Empty
MensagemAssunto: Re: 1° Act - It's Navy Time   1° Act - It's Navy Time - Página 4 EmptyQui 27 Jun 2019, 20:07








Narração

Sargento Collins acabou de entrar em uma "briga com a Vice Tenente Loliet, em meio dela, os dois demonstram grandes habilidades, Collins com seus ataques rápidos e acrobacias e Loliet na verdade estaria pra começar. Roy a estudava para saber como seria sua sequência, mas oque ele não esperava era que a Tenente mudava seu estilo de vez em quando para dificultar a vida de seus adversários. Então com Collins sem muitas experiências sobre ela, se aproximou Loliet inocentemente avançou para um ataque do qual o mesmo desviou e lhe aplicou um bom soco em sua face a fazendo bambear um pouco.


Após o ataque nem tão efetivo do Soldado mas que foi bonito de se ver, a Tenente viu que não podia se conter tanto com ele, então sua postura mudava, com seu bastão de madeira o girava no ar e ao mesmo tempo com seu pé direito na frente e esticado e o esquerdo atrás para apoio, ela parara de girar o bastão e o botava inclinado na diagonal na direção de seu pé com o outro lado mais ou menos um pouco acima da altura de seu cotovela. Collins sem descansar se aproximava de novo, mas ao invés de ir logo contra ela a rodeava esperando um brecha, mas rapidamente a Tenente com uma velocidade acima um pouco da espera virava com sua lança fazendo um movimento rotacional do lado dela em direção a Collins, ele consegue se abaixar mais logo ela quebra sua lança ao meio e continua a rotação, e ao estar de novo em direção a Collins o golpeia e seu peitoral o fazendo ir um pouco longe, um ataque de pura surpresa pro soldado aliás.


Após o lindo ataque de Loli, ela ia se aproximando devagar do soldado com o bastão atrás de sua nuca sendo segurado pelos seus braços que estavam pendurados nele. Ao estar a 1m do mesmo se preparava para um outro ataque, mas foi interrompida quando uma grande e bela nalça de metal passa em sua frente quase cortando seu rosto, mas com uma corrente voltava. Trent havia jogado e com um olhar sério e piedoso sua boca se abria. -Oque pensa que esta fazendo Loliet?!! Não pode fazer assim!!!- Loli achava que levaria uma bronca mas logo Trent mudava toda sua feição pra uma de brincadeira e começava. -Se acabar com a luta agora como vamos terminar as apostas?!! De uma chance ao garoto MULHER!! Aliás Collins tenta não se machucar, apostei uma grana em você.- Assim que acabara de falar com Loli distraída por estar de boca caída com a cena que havia passado Trent reforçava mais uma coisa. -Collins se você se machucar vai lavar os banheiros até chegar na próxima ilha e depois voltar pra Shell's. Apostei em você então trate-se de ganhar!-




____________________________________________________________________

Legenda:
 

"Eu fico mais forte em proporção direta com o quão forte o meu adversário é."

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]<|>[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

____________________________________________________

Record - [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
First Adventure I - [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Roy Collins
Estagiário Orientador
Estagiário Orientador
Roy Collins

Créditos : 17
Warn : 1° Act - It's Navy Time - Página 4 10010
Masculino Data de inscrição : 23/11/2012
Idade : 22
Localização : East Blue - Loguetown

1° Act - It's Navy Time - Página 4 Empty
MensagemAssunto: Re: 1° Act - It's Navy Time   1° Act - It's Navy Time - Página 4 EmptySab 29 Jun 2019, 11:48

Não posso perder.

Esse treino é uma oportunidade para melhorar minhas habilidades com a mão esquerda. É dificil ser um boxeador sem conseguir utilizar o punho esquerdo com maestria, me sinto limitado numa luta de uma maneira gritante. Só de pensar o que poderia sair melhor nos combates utilizando esse punho me faz com que tenha mais vontade de exercitar e praticar com o punho. Loliet é uma marinheira perfeita para começar, afinal ela não é uma mulher indefesa. Pelo contrário. Ela é forte ... E isso potencializa minha chance de desenvolver mais meu combate, principalmente com minha mão esquerda. Ser um marinheiro importante requer muito esforço e além disso, força para atingir seus objetivos. Certo é que o caminho que vou trilhar não será de rosas, mas com muitos espinhos e como um Collins ... Passarei por ele custe o que custar. A justiça deve ser absoluta e minhas mãos precisa estar pronta para fazê-la acontecer. Devo ser o canal que ofereça a chance de limpar toda essa bagunça de hoje, se não, só tende a piorar. Portanto, ser forte não é opção, porém uma obrigação.

A marinheira mostrava ter diversas habilidades em luta. E talvez isso tenha deixado-a autoconfiante, aproximando-se de mim não temendo nada. ~ Me menosprezando Loliet ... Arquitetava uma investida e quando ela atacou, desviei com facilidade e apliquei um soco diretamente na sua face. Após o choque do meu punho com sua face, mesmo ela sendo uma mulher meus punhos tremiam de excitação pelo calor da luta. Aquela adrenalina por estar em combate me empolga a lutar. Uma espécie de combustível. E mesclando com minha fúria natural, era como um descarrego de certo modo.

Após o ataque sua postura na luta mudou. Finalmente ela começou a me encarar como um alguém que pode se preocupar. Mesmo nesse treinamento eu estar treinando meu punho esquerdo, esse desafio de lutar contra ela começou a me motivar. Certamente se eu apenas utilizar meus socos com a mão esquerda acabará dificultando muito para ganhar dela, pois não possuo muita força para concentrar desse lado. Então vou trabalhar com o direito também. A minha frente ela posicionou seu bastão de madeira, posicionando seus pés rente ao bastão e como apoio. Assumindo uma tática totalmente diferente de antes. Ela está entrando na luta. Sem delongas me aproximei para ataca-la novamente e circularmente me movi em volta de Loliet. Ela virou sua lança rotacionalmente tentando desferir um ataque, entretanto, sem êxito pois abaixei-me com sagacidade evitando o ataque. Essa luta sem dúvidas a cada momento fica mais interessante.

A marinheira quebra a lança no meio e continua a rotação. Ao virar contra mim novamente ela golpeia em meu peitoral, me jogando pra longe. - Arrrrggghhhhhh!!! Absorvia a dor daquele ataque através do grito de fúria. Ela não é fraca em força, pra me jogar longe realmente ela deve ter treinado arduamente. No momento que recompus minha consciência totalmente, ela caminhava em minha direção com sua arma apoiada na nunca e com seu braços envolto. ~ O que ela está tramando?? Tentava calcular seu próximo passo e imaginava um ataque direto. Ao chegar a 1 metro de distância, muito próximo inclusive, a mesma já preparava um ataque quando uma nalça de metal passava em sua frente por pouco não cortando. Esbugalhei meus olhos e suor corria pela minha testa pela tensão daquele momento. - Quem fez esse movimento???

O tenente Trent havia chegado e olhando com piedade pra mim me auxiliou. A fúria no meu coração aumentou as batidas do coração por ter sido ajudado por alguém num combate, demonstrando como ainda estou fraco. E ainda mais com olhar de misericórdia!!! Meus punhos tremiam mais do que antes por estar raivoso comigo pela incapacidade de estar nessas condições. Trent advertia a mulher para não finalizar a luta logo e admitia que tinha apostado em mim numa luta. ~ Tenho que sair dessa situação humilhante. Passava meu braço direito na testa secando o suor que aquela luta proporcionava. E no fim ouvia o que aconteceria caso perdesse pra Loliet. - Obrigado pela confiança em apostar em mim tenente. Proferia aquelas palavras olhando com sangue nos olhos de Loliet. Derrota-la é a única opção e nenhum momento poderei sequer pensar em perder. Esse desafio por mais que seja um treino, é muito produtivo para forçar-me ao chegar ao meu extremo. Tudo que um Collins necessita, um belo de um aperto e empurrão para resolver.

Assumiria a postura de boxeador novamente, dessa vez com o intuito de utilizar ambos os punhos. Posicionaria minha perna esquerda a frente da direita flexionando para conseguir impulso, deste modo aplicaria um dash em direção a marinheira utilizando de minha aceleração. Durante o trajeto, se ela aplicasse algum ataque direto com seu bastão buscando evitar meu contato com ela, rolaria para frente abaixando-me do golpe. Já se ela forçar algum ataque rasteiro, usando minha acrobacia saltaria com a ajuda do dash e aceleração para pegar mais velocidade, um pouco acima de seu rosto preparando os próximos ataques. Primeiramente socaria Loliet com o punho direito concentrando a força nos músculos do braço, tendo o objetivo de desestabiliza-la na hora de recompor sua postura e em seguida, sem perder time no fim desse ataque, aplicaria um soco com o punho esquerdo, focando que os ossos que antecedem os dedos tenha contato com seu rosto. Para assim ter mais dano no ataque.

Posteriormente afastaria-me em volta dela outra vez. Rotacionando e procurando uma brecha de onde ela esteja mais vulnerável. Na possibilidade dela contra-atacar diretamente durante essa rotação, soltaria o peso do meu corpo para trás levemente pendendo meu corpo para o lado direito e conforme esse movimento, deixando meu ombro direito indo para trás também. Com isso em mente, fecharia e abriria meu punho direito simultaneamente concentrando força novamente e adiante, executaria um soco de baixo para cima no queixo da mulher. Se a mesma conseguir desviar ou bloquear o ataque, acompanharia ela usando de minha agilidade movimentos em zigue-zague. Dando a chance de esquivar caso ela ataque verticalmente e propiciando um ataque direto novamente contra ela. E no momento que Loliet estiver bem próximo de mim, visaria esquivar-me no zigue-zague dentro dos ataques verticais dela, já se ela vier com algum em horizontal, utilizaria de minhas acrobacias e saltaria para cima de seu bastão de madeira. Com o impulso do salto e subindo na arma, daria um dash em sua direção, atacaria com o punho direito seu rosto na região do supercílio procurando deixa-la tonta e em sequência, transferiria o máximo de força para o ombro esquerdo potencializando e concentrando a força no punho dessa mão, podendo assim aplicar o soco com esse punho no meio da face da marinheira.

Pousaria meus pés no chão e rolaria para o lado contrário que cheguei para evitar qualquer ataque inesperado. Sem delongas partiria em diagonal contra Loliet, utilizando de minha visão aguçada para encontrar algo que ela esteja sentindo mais desconforto. No momento que ela atacar-me diretamente, jogaria meus ombros em direção oposta ao ataque levando o corpo junto. Caso a mulher tentar alguma artimanha que ataque em área com seu bastão, através de minha aceleração impulsionaria o salto para esquivar e no momento da queda, miraria um soco duplo no punho que ela estiver empunhando sua arma. Afetar o membro dela pode fazer com que ela tenha dificuldade em atacar e desse modo possa dificultar no êxito deles contra mim. Sem perder tempo,  abaixaria-me rente a altura de seu peito, impulsionando para frente e em direção a ela e aplicaria um soco com a mão direita no seu estômago. Tendo o enfoque em forçar seu corpo a reagir para frente devido ao ataque, desferiria outro soco com a mão esquerda de lado na região da bochecha de seu rosto. Mesmo não sendo exímio com este punho, adquirir a maestria com ele requer tempo, prática e treinamento. Nada como nesses ataques buscar aprimorar essa habilidade e fortificar o impacto dos ataques.

Manteria-me atento aos seus contra-ataques usando a visão aguçada a todo tempo. Caso necessário, até mesmo saltaria levemente para trás em zigue-zague se ela vier violentamente contra atacar de algum modo. Tomando cuidado de não pisar em falso ou mesmo esbarrar com alguma coisa pelo caminho que impossibilite de executar tais movimentos. Fazendo com que no fim possa adquirir uma visão mais ampla de onde estamos e espaço para se locomover a fim de planejar os próximos ataques. Afinal, conseguindo uma área maior para lutar facilita minhas esquivas e até mesmo possibilita contra-ataques com maior chance de sucesso. Perder para a marinheira não está dentro de minhas pretensões. Atingir um novo patamar é o foco e para isso dar o melhor é obrigatório. Até porque para um bom marinheiro, temos de estar preparados para todo tipo de situação. E ser forte só me assegurará que estarei no caminho certo de manter a justiça em ordem.

Histórico:
 

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Olá, Convidado seja bem-vindo ao One Piece RPG.
Links para ajuda:
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Vincentão
Revolucionário
Revolucionário
Vincentão

Créditos : 31
Warn : 1° Act - It's Navy Time - Página 4 10010
Masculino Data de inscrição : 12/06/2017

1° Act - It's Navy Time - Página 4 Empty
MensagemAssunto: Re: 1° Act - It's Navy Time   1° Act - It's Navy Time - Página 4 EmptyQua 03 Jul 2019, 23:41

Roy Collins

Até aquele momento o combate entre Loliet e Roy estava equilibrado, com alguns momentos de glória para a mulher que quase vencerá o embate. Com a interrupção do Tenente o jovem soldado agradecia pela confiança do homem ter apostado em sua vitória - Não me decepcione rapaz ele dizia calmamente, enquanto que com uma das mãos desferia alguns tapas nas costas de Collins - Se eu ganhar, quando chegarmos em Loguetown a cerveja fica por sua conta utilizando seu bastão a mulher apontava para Trent que apenas fazia um sinal com as mãos se afastando da dupla combatente - Agora, podemos recomeçar nosso treinamento, pode vir com tudo! ela dizia voltando toda a sua atenção naquele momento para o boxeador. O jovem rapaz transparecia raiva em seu semblante, estava bravo com seu desempenho na luta e mesmo sendo um treino queria a derrotar acima de tudo buscando chegar até o seu máximo.

Em meio a essa pausa, Roy passava a reparar melhor naqueles que estavam consigo e também no lugar onde estava. Trent era um homem alto e corpulento, que exalava respeito aos seus subordinados tanto por sua patente quanto pelas decisões que tomava, em variados momentos ele conseguia ainda ser um tanto descontraído. Seu olhar dourado se assemelhava a uma águia, os cabelos eram negros assim como a escuridão e estavam amarrados num rabo de cavalo, utilizava o típico casaco dos superiores com uma roupa também preta por baixo. Loliet era ao contrário do Tenente, esta transpassava um ar mais leve e repleto de animação sempre mantendo um sorriso no rosto. Ela era relativamente baixa  com o corpo magro, ainda assim possuía força física o suficiente para executar seus ataques e derrubar seus inimigos com uma ótima maestria. Seus cabelos eram longos esverdeados e os olhos amarelados caracterizando o âmbar, utilizava as roupas de um marinheiro comum com algumas diferenças por causa de sua patente, além de obviamente os diferes físicos por ser uma mulher.

Em todo aquele momento o rapaz também não havia observado nada daquele local de treinamento, talvez a desatenção quanto a esses detalhes o cercava ou então ainda não havia sido apresentado tanto para os que estavam consigo quanto para o cenário onde estavam. Era uma das únicas salas que existiam na embarcação da marinha e logicamente por estarem num navio não era lá muito espaçoso. O chão era coberto por uma espécie de tapete acolchoado, já que os marinheiros praticamente não utilizavam equipamentos e acabavam por fazer apenas exercícios para manter a forma física durante a viagem. Normalmente não havia espaço ali para que fosse realizado um combate, mas extraordinariamente todos os outros marinheiros tinham tarefas e com isso a sala de treinamento estava livre para uso da dupla. O que poderia ser útil se o jovem quisesse usar era um boneco João-bobo que ele poderia escolher a melhor forma para aproveita-lo.

Roy se colocou novamente na posição de luta e logo colocou sua perna esquerda na frente da direita, a flexionando para conseguir um impulso fazendo também um Dash para alcançar Loliet mais rapidamente. Quando ele se aproximou o suficiente da mulher, preparou de imediato um soco com sua mão direita concentrando sua força no braço para tentar desestabilizar a mulher - Vai ter que fazer mais que isso, se quiser ganhar de mim ela se esquivou rapidamente do ataque. Em seguida, Collins tentou usar seu punho esquerdo, mas a sua ineficiência nesta mão fez o movimento ser mais desengonçado e de menos impacto do que seria com a predominante - Precisamos resolver essa sua deficiência logo ela parou de por um instante e falou com o rapaz. De repente, ela utilizou o bastão para passar uma “rasteira” com a arma e assim o jovem cairá no chão - Tente me focar mais com sua mão esquerda ela disse enquanto se afastava do rapaz que estava ainda no chão.






Spoiler:
 

Offzão:
 

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]


[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Roy Collins
Estagiário Orientador
Estagiário Orientador
Roy Collins

Créditos : 17
Warn : 1° Act - It's Navy Time - Página 4 10010
Masculino Data de inscrição : 23/11/2012
Idade : 22
Localização : East Blue - Loguetown

1° Act - It's Navy Time - Página 4 Empty
MensagemAssunto: Re: 1° Act - It's Navy Time   1° Act - It's Navy Time - Página 4 EmptyQui 04 Jul 2019, 21:35

Em treinamento com Loliet
O tenente Trent sem dúvidas tem uma presença fora do comum. Sua roupa de superior e seus olhos são de pessoas diferentes. Geralmente há uma diferença entre o olhar de alguém sem nada para lutar, em relação a alguém que luta por algo. Ao mesmo tempo que ele sabe ser bem humorado, seu olhar demonstra confiança e assim por dizer, mostra que se conhece. Nunca o vi lutar, mas já da para perceber que ele não é um marinheiro qualquer. Chegou no posto pelos seus méritos. Esse tipo de homem me faz querer evoluir para chegar sempre acima do que estou. Afinal meu caminho na marinha é uma construção da vida nela e dá força para adquirir ao longo das experiências e batalhas que for travar. A marinheira Loliet com toda sua peculiaridade em ser risonha, passava uma outra faceta. Com os cabelos esverdeados e os olhos da cor de âmbar, a mesma tinha sua singularidade. Visualmente qualquer pessoa não acredita que ela seja uma marinheira forte, no entanto, quando você está num combate contra a mesma ela possibilita a chance do adversário entender que ela não é uma donzela indefesa. Jamais. Dois marinheiros que me mostram quanto preciso evoluir e isso instiga minha vontade para tal. Na mesma proporção que cresce a fúria esvaindo em cada poro do meu corpo, tornando minha respiração mais ofegante do que o usual. Não pela energia já gasta em luta, porém por ainda ser fraco. Meus punhos tremiam de nervoso por ser um juvenil

O chão dessa sala de treinamento do navio era acobertado por um tapete acolchoado. Relativamente simples para o treinamento de qualquer marinheiro, mas compreensível porque como é um navio para viagem de ilhas, é algo bem temporário. Apenas para acomodar durante o trajeto e não permitir que os tripulantes percam seu ritmo de treino e aptidão física. Ótima ideia da marinha inclusive, até mesmo porque com as coisas mais amenas ainda é possível manter o ritmo de treino. Além disso, um joão-bobo estava na sala para praticar ataques nele. Nunca treinei com um boneco desse, ao que tudo indica, o mesmo parece ser útil para receber pancadas e até mesmo treinar quando for preciso.

Retomando a luta, posicionei meus pés um a frente do outro e apliquei um dash contra a marinheira. Novamente ela mostrou suas proeminentes habilidades em luta. Com maestria e atenção neste combate, ela acabou esquivando de dois socos meus. Um de direita que sem dificuldades desviou do ataque, e em sequência com a mão esquerda, apliquei um outro. Este que fora vergonhoso pelo andar da carruagem. Como sou destro, meu cérebro não consegue enviar o comando em uma velocidade tão rápida para meu braço esquerdo como para o direito, além da falta de habilidade com este braço. Minha vontade e imaginação para usar esse punho são variadas, entretanto, de nada adianta caso não ter a habilidade para usa-lo. E em consequência meu ataque fora desengonçado obrigando-me a dar um urro de revolta. - AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAHHHHHHHHH!!!! Urrava consternado com o péssimo ataque.

Loliet advertia e orientava que precisarei treinar esse punho. Certamente já estou com isso em mente, contudo, minha imaturidade em usar esse membro é de deixar com os cabelos em pés. Sou um boxeador e possuo tal fraqueza? INTOLERÁVEL!! Essa é a palavra que determina minha indignação em falhar com esse braço. Enquanto se recompunha do ataque a mulher de cabelos verdes aplicou uma "rasteira" com o bastão em mim, não tendo a menor chance para desviar. Não quero perder esse combate, mas pelo que está acontecendo nesse momento é difícil concluir outra coisa. Mesmo que minha vontade seja continuar a tentar obter a vitória, algo me diz que ouvir as orientações de Loliet em treinar com essa mão seria mais viável. Independente do resultado, pois um superior consegue enxergar de uma maneira melhor as coisas.

Me abstive em relutar contra sua orientação. As vezes falar é o que não devemos fazer. Mas agir, mostrar resultado. Olhei para meu punho esquerdo que por si só não está sendo útil. Fechei-o e logo percebi que ele tremia freneticamente, a medida que a fúria do meu coração permutava e mantinha a aceleração do batimento cardíaco alto. Meu peito inflava e aliviava com mais frequência. A respiração depois do ataque demorou um pouco para estabilizar. Levantei pós-rasteira e observei a garota com o próximo ataque em mente que desferiria contra ela. Certamente a marinheira é superior nas habilidades, e sua ordem é usar meu membro esquerdo, logo. Farei.

Utilizaria de minha aceleração para se aproximar da forma mais veloz possível dela, indo pelo lado contrário do meu membro esquerdo para quando chegar próximo dela, ter mais facilidade em ataca-la. Caso ela aplique outra vez uma rasteira com seu bastão, saltaria através do uso de acrobacia para cima de sua arma, fazendo com que meu peso por um momento inutilize o uso de sua arma, flexionaria minhas pernas, podendo assim aplicar um dash pra frente e com mais proximidade possível socar com a mão esquerda pra tentar diminuir minha dificuldade em usar este punho. Fazer isso pode facilitar minha chance de sucesso mesmo que o ataque tenha um dano pequeno, porém, desenvolver a habilidade com este punho é primordial para posteriormente aumentar a força dos ataques. Portanto, ter uma abertura maior para esse ataque amplia minhas chances de ter sucesso nesse ataque, mesmo que não saia como esperado.

Já se ela tentar interceptar meu ataque de forma direta verticalmente, soltaria meu tronco para o lado contrário de seu ataque buscando desviar, com um jogo de perna posicionaria a de apoio na frente de acordo com o lado que seguir, abaixaria rente ao peito de Loliet e com a outra perna impulsionaria meu corpo para frente. Tomando cuidado para não tropeçar ou perder o equilíbrio, aplicaria um soco primeiramente com o punho direito em seu estômago tentando forçar com que seu corpo reaja para frente. Em seguida com a abertura da brecha de sua defesa, concentraria o máximo possível de força no punho esquerdo fechando-o e desferiria um soco de baixo para cima no queixo da marinheira. Sempre tendo o enfoque de manter o máximo possível de espaço para atacar, pois como não tenho tanta força e nem manejo com esse membro, melhor é aprimorar a técnica de luta.

Recuaria alguns passos e rotacionaria em volta dela a medida que ela for atacando, afunilando novamente o espaço entre nós. Esquivando através de rolagens para os lados, estes que serão contrários aos seus ataques. Até que na hora que estiver mais próximo dela e ela estiver se recompondo de algum ataque, investiria contra a mesma levantando-se rapidamente da rolagem pela aceleração e socaria com o punho esquerdo de forma abrangente. Isto é, um cruzado de esquerda na região de seu rosto tentando dificultar sua visão para seus próximos ataques. Nesse momento tomaria também cuidado ao atacar para que este consiga ter abertura maior e desse modo impactar na precisão do ataque.

Saltaria para trás afastando dela e por alguns segundos conteria meu cansaço. Observaria rapidamente e iria em sua direção em zigue-zague para dificultar a precisão de seu ataque. No momento que for possível desferir um soco de direita, miraria em seu punho ao qual está com a arma para machucar e quem sabe fazer com que ela tenha dificuldade no manejo do bastão. Em seguida estaria atento a qualquer contra-ataque tendo em mente que se vier algum, saltaria para cima ou para os lados se necessário, dependendo da forma do ataque. E desse modo buscaria ângulo para atacar com o punho esquerdo mais uma vez o rosto da marinheira Loliet, este ataque visando acertar com ossos do punho para até ter um impacto maior na hora do golpe. Mesmo que se for pequeno.

Histórico:
 

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Olá, Convidado seja bem-vindo ao One Piece RPG.
Links para ajuda:
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Conteúdo patrocinado




1° Act - It's Navy Time - Página 4 Empty
MensagemAssunto: Re: 1° Act - It's Navy Time   1° Act - It's Navy Time - Página 4 Empty

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
1° Act - It's Navy Time
Voltar ao Topo 
Página 4 de 7Ir à página : Anterior  1, 2, 3, 4, 5, 6, 7  Seguinte

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
One Piece RPG :: Oceanos :: East Blue :: Shells Town-
Ir para: