One Piece RPG
What Does The Fox Say? XwqZD3u


One Piece RPG : A GRANDE ERA DOS PIRATAS
 
InícioBuscarMembrosGruposRegistrar-seConectar-se
Últimos assuntos
» 1º Cap: O começo de uma grande aventura
What Does The Fox Say? Emptypor Muffatu Hoje à(s) 15:20

» Unidos por um propósito maior
What Does The Fox Say? Emptypor Muffatu Hoje à(s) 15:10

» Busca Implacável
What Does The Fox Say? Emptypor Gyatho Hoje à(s) 14:08

» [MEP - Kuroper]
What Does The Fox Say? Emptypor Kuroper Hoje à(s) 12:16

» [Mini-Kuroper] Começo da Jornada
What Does The Fox Say? Emptypor Kuroper Hoje à(s) 12:12

» Mini - Themis
What Does The Fox Say? Emptypor Themis Hoje à(s) 11:29

» Vamos nos aventurar! Anjinhas me aguardem...
What Does The Fox Say? Emptypor Pippos Hoje à(s) 10:52

» The Claw
What Does The Fox Say? Emptypor Achiles Hoje à(s) 09:31

» Gregory Ross
What Does The Fox Say? Emptypor GM.Noskire Hoje à(s) 08:43

» Xeque - Mate - Parte 1
What Does The Fox Say? Emptypor Jacob Allan Hoje à(s) 04:19

» [LB] O Florescer de Utopia III
What Does The Fox Say? Emptypor GM.Noskire Hoje à(s) 01:06

» Hello darkness my old friend...
What Does The Fox Say? Emptypor Alek Hoje à(s) 01:03

» Rumo à Grand Line?
What Does The Fox Say? Emptypor Takamoto Lisandro Hoje à(s) 01:02

» The Victory Promise
What Does The Fox Say? Emptypor Akise Hoje à(s) 00:00

» VI - Seek & Destroy
What Does The Fox Say? Emptypor ADM.Senshi Ontem à(s) 22:56

» What do You do For Money Honey
What Does The Fox Say? Emptypor Lancelot Ontem à(s) 21:46

» O início da pesquisa.
What Does The Fox Say? Emptypor BlackHole99 Ontem à(s) 20:18

» Island End! Goodbye Utopia!
What Does The Fox Say? Emptypor Wander Ontem à(s) 16:49

» III ~ Uma Loira na Ilha das Aranhas?
What Does The Fox Say? Emptypor Noelle Ontem à(s) 16:40

» Kizumonogatari
What Does The Fox Say? Emptypor yaTTo Ontem à(s) 15:36



------------
- NOSSO BANNER-

------------

Naruto AkatsukiPokémon Mythology RPG
Naruto RPG: Mundo Shinobi
Conheça o Fórum NSSantuário RPG
Erilea RegionRPG V Portugal
The Blood OlympusPercy Jackson RPG BR
A Song of Ice and FireSolo Leveling RPG
Veritaserum RPGPeace Sign RPG

------------

:: Topsites Zonkos - [Zks] ::


 

 What Does The Fox Say?

Ir em baixo 
Ir à página : 1, 2, 3  Seguinte
AutorMensagem
ADM.Tidus
Duque Azul
Duque Azul
ADM.Tidus

Créditos : 53
Warn : What Does The Fox Say? 10010
Masculino Data de inscrição : 10/06/2011
Idade : 26
Localização : 1ª Rota - Karakui

What Does The Fox Say? Empty
MensagemAssunto: What Does The Fox Say?   What Does The Fox Say? EmptySex 08 Jun 2018, 16:05

What Does The Fox Say?

Aqui ocorrerá a aventura do(a) agente Roxanne. A qual não possui narrador definido.


____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

Olá Convidado, seja bem-vindo ao One Piece RPG.
Links para ajuda: [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Luna
Agente em Treinamento
Agente em Treinamento
Luna

Créditos : Zero
Warn : What Does The Fox Say? Banido10
Masculino Data de inscrição : 22/12/2011
Idade : 24
Localização : Lvneel - North Blue

What Does The Fox Say? Empty
MensagemAssunto: Re: What Does The Fox Say?   What Does The Fox Say? EmptySex 08 Jun 2018, 16:51



P.T. - Partiu Transar.



[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]




.......- "Devo ser sincera com vocês, a manhã de hoje foi a melhor que tive nos últimos anos. Não sei se pelo fato de, ainda cedo, ter acordado sozinha na cama, sóbria e com minhas roupas íntimas no lugar, ou pelo simples fato de ter toda a noite passada clara como água em minha memória. Se havia alguma cabeça de cavalo enterrada com meu nome costurado dentro nessa maldita ilha, sem sombra de dúvidas alguém já havia a encontrado." -

.......A porta do quarto se abriu e timidamente, Roxanne seguiu caminho para o pátio do quartel general. A noite anterior havia sido bastante bíblica, digna de uma crente, de modo que o sol ainda estava a pino quando se levantou e, no segundo passo que deu, sentiu-o cegar sua vista. Afinal o dia já havia raiado apesar de aparentemente quase todos dentro do estabelecimento ainda estarem dormindo, a noite anterior havia passado um pouco dos limites e, a última lembrança que Rox tinha dela envolviam balas, lixo, sangue e suor.

.......Alguns marinheiros naquele horário do dia já deviam estar passando pela rua interna do quartel, geralmente a essa hora havia certo movimento, acordar cedo não era algo que fazia parte da rotina pouco regrada da garota, o que por sua vez quase sempre não lhe permitia ter bom discernimento de que horas eram logo cedo, isso e o fato de quase sempre ainda estar um pouco embriagada, é claro. Enquanto andava, Roxanne sentia um embrulho em seu estômago, o enjoo matinal novamente a incomodava, era comum as primeiras horas do dia serem um pouco difíceis para a mulher, parte pelas drogas, parte pelo sexo e bebidas. Contudo, isso não mais fazia parte de seus hábitos e rotinas, por exemplo, a noite anterior havia envolvido apenas drogas e vinho, transa? Apenas alguns dedilhados no baixo.

.......A sensação do líquido quente e grosso escorrendo por sua boca, garganta e barriga inundou os sentidos. O gosto de bile matinal, tão comum quanto um pote de cereais e um copo de leite. Tonta e desconsertada, Roxanne buscou apoio em uma parede próxima, quando alcançou a mesma, se encostou e respirou fundo. Diabos, o hábito de vomitar diariamente era tão forte em sua rotina que quando isso não acontecia, seu corpo parecia sentir falta.

.......~ Deus, ainda tem gente que chama isso de estilo de vida saudável. ~ - Novamente em pé, Rox inconscientemente partia a esmo indo em direção a sala de Dagny, qualquer marinheiro assíduo do quartel general sabia onde a garota ia após sua costumeira cerimônia matinal.

.......- "Os primeiros anos do vício foram diferentes pra mim, sentia uma ansiedade, alguns sintomas anormais e no mesmo instante a vontade de fumar minha erva surgia, não obstante, os últimos anos foram mudando essa minha péssima rotina, sabe, não tinha mais aquela ansiedade, nervosismo, nem nada. Doença? Nunca nem vi. A vida pra mim por muito tempo se resumiu a toda manhã ir ia até o comércio, comprar minha maconha, fumar tudo comprado e então iniciar de fato meu dia. Para minha tristeza, morar em um quartel general era um maldito impeditivo, afinal, comprar maconha de traficante era justamente financiar alguém que um dia eu teria que combater." - Vou ter que começar a plantar essa merda. - Resmungava no caminho até a sala de missões do governo, ao encontrar Dagny, - a responsável pelo governo local - acenaria descontraidamente, puxaria uma cadeira e com um sorriso no rosto, questionaria. - Qual a missão de hoje? Nadar em meio a tubarões? Não, essa não, essa você já me deu ontem. - Ironicamente brincava com a agente, a garota havia dado a brecha para esse tipo de tratamento e, sem dúvidas após ter voltado viva de sua última missão, essa relação estreitara-se mais ainda.

.......~ Talvez hoje encontre alguém de bom coração para proteger, ou só algum vilão para matar, ou um inocente... Mais um dia na cidade cinza. ~ - Hoje Lvneel Island sem dúvida alguma viraria de cabeça para baixo, afinal, Roxanne d'Lamour estava na pista. - "Ah, antes que eu esqueça, me chamo Roxanne d'Lamour, você já deve me conhecer e nesse caso adianto que os íntimos me chamam de Rox, geralmente quase todos que eu conheço são bastante íntimos, tenho tentado mudar isso na última semana, mas não é nada fácil!! Bom, Rox ou Roxanne, é vodca ou água de cocô, pra mim tanto faz. E se estiver curioso, eu fumo é maconha, maconha doido, maconha, maconha maconha, maconha doido.... Sim, aqui há uma ritmo musical."







Objetivos:
 

Histórico:
 

FALAAAAAAAAA FIOOOTEEE:
 

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

Você não me vê na batalha?
É claro que estou lá, veja só o terror e o medo neles.


||Legenda||

|- "Roxanne - Intervenção" - |
|~Roxanne - Pensamentos~ |
|Roxanne - Fala|


[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Meursault
Agente em Treinamento
Agente em Treinamento
Meursault

Créditos : 3
Warn : What Does The Fox Say? 8010
Masculino Data de inscrição : 28/01/2018
Idade : 23
Localização : Loguetown - East Blue

What Does The Fox Say? Empty
MensagemAssunto: Re: What Does The Fox Say?   What Does The Fox Say? EmptyDom 10 Jun 2018, 00:25

Lembens assidue eliciet canis ore cruorem ♪


...... Meus pés sangravam ao percorrer aquele campo de espinhos, cada passada era um esforço árduo, o líquido rubro que era despejado marcava os meus passos, demarcando uma trilha que era seguida implacavelmente por três cachorros, que exalavam uma bestialidade grotesca, meu coração acelerava e o medo que percorria pelo meu corpo fazia com que as pernas continuassem a se mover apesar do sofrimento. As sombras que me cercavam encobriam qualquer destino com incerteza, mas qualquer lugar era melhor que aquele, meus instintos mais básicos me forçavam a fugir daquela situação, costumava negar tais impulsos, mas, depois dos últimos eventos, percebi que eram um aspecto fundamental de qualquer ser, benéficos, desde que não sucumbisse perante tais estímulos, sem medo, um homem não saberia quando se retirar de um confronto já perdido, sem fúria, não teria ímpeto para derrotar os seus inimigos.        

...... O cenário macabro que atormentava a minha mente aos poucos se dissipava, sendo substituído por um dos alojamentos do governo mundial, o suor encharcava as minhas vestes e fazia mechas de meu cabelo grudarem contra o rosto, minha respiração estava ofegante, irregular e meu peito era torturado pela saudade e pela dor. - ''Ela era tudo para mim, mas foi tomada de meus braços, junto com ela, levaram também parte da minha bondade e compaixão, esse foi o maior erro.'' - Pensaria, antes de reunir coragem para me levantar, a imagem daquele belo rosto alvo, com olhos de esmeralda e adornado por cabelos negros como a noite costumava ser uma lembrança prazerosa, mas agora tal memória era corrompida com amargura.

...... Sentaria na cama e pentearia o cabelo para trás com as mãos, em seguida, rumaria em direção ao vestiário do governo mundial, ficaria despido e caminharia até um dos chuveiros, com a vã esperança de que a água pudesse expurgar os fantasmas do passado que insistiam em me atormentar. Lavaria meu corpo com afinco e diligência, como se água e o sabão fossem capazes de lavar o peso das minhas escolhas e a minha culpa na tragédia que sucedeu. De banho tomado, caminharia até a pia e os espelhos, onde faria o resto do meu ritual de higiene matinal. Meu reflexo era um tanto quanto estranho, não condizia com a imagem que tinha de mim mesmo, a cicatriz em meu olho imprimia certa hostilidade e austeridade em meu semblante, algo que não condizia muito com a minha personalidade. - ''Um lembrete cruel, para assegurar que meus pesadelos são reais.'' - Passaria com delicadeza os dedos médio e indicador da mão direita sobre o ferimento, enquanto refletia.  

...... Já limpo, caminharia lentamente até o meu armário, esperando encontrar o terno sob medida que fora prometido, encontrando o mesmo, vestiria conjunto e calçaria os sapatos sociais, devidamente arrumado, perderia bons minutos me olhando no espelho, para avaliar se o terno me caía bem ou não, na verdade, a certeza era de que ficaria ótimo, afinal, até as piores roupas ficam boas em um corpo escultural como o meu. A falsa vaidade colocava um leve sorriso em minha expressão. Na hipótese de não encontrar o terno, vestiria as únicas roupas que tinha, que consistiam em um par de botas e uma calça, ao menos já havia me livrado do sangue, fuligem e terra do dia anterior, era um avanço considerável.

...... De forma mais apresentável possível, rumaria até a recepção do quartel-general, chegando ao meu destino, falaria com o responsável pela área. - Bom dia. Tem algum jornal sobrando aí? - Se a resposta fosse positiva, pegaria o objeto e me acomodaria em algum sofá, ou similar, disponível. Se a pessoa responsável pelo atendimento fosse uma mulher capaz de despertar o meu lado mais luxurioso, diria. - Bom dia, amor da minha vida, razão do meu viver, minha noite foi ótima, pois sonhei com você. - As palavras seriam acompanhadas por um sorriso sarcástico e malicioso. - Você pode me emprestar um jornal? E um beijo também se não for pedir demais. - Com ou sem o jornal, aguardaria por ordens em algum assento confortável. Acreditar no beijo era ser otimista demais, a dama da sorte não costumava sorrir para mim com tanta frequência, um tapa era muito mais provável.        

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

Histórico Bjarke:
 
Considerações.:
 

____________________________________________________


Voltar ao Topo Ir em baixo
Johnny Bear
Pirata
Pirata
Johnny Bear

Créditos : 17
Warn : What Does The Fox Say? 9010
Masculino Data de inscrição : 20/04/2016
Idade : 19

What Does The Fox Say? Empty
MensagemAssunto: Re: What Does The Fox Say?   What Does The Fox Say? EmptySab 16 Jun 2018, 18:11


Ring-ding-ding-ding-dingeringeding!


Os raios de luz salpicavam ao campo e a floresta, cingindo-os com a luz que trespassava por entre os galhos, agora secos, frutos da longa temporada de inverno que fustigara as ilhas, fez-se água aquele grande lençol branco de neve, pingava pelos galhos encontrando o fim no solo, a bela alvorada, caracterizada pelo limpo céu azul, trazia de volta o entonar vivido dos pássaros. Da pequena cidade, erguida à sombra do grande império, cujo sentido transpõe o literal; nasce ao ceio da primavera, cuja parteira campestre despeja ao solo o punhado de sementes secas, uma nova safra, depois de um longo tempo de infertilidade.

Vê-se de manhã, pelas janelas do quartel, saltavam para fora daquelas quatro simples moradias, carregando garfos e sacas abarrotadas, caindo a cabeça um chapéu velho cor creme – embora o desgaste do tempo já os tornasse amarelado como papiro -, e as roupas de lã escura, moradores da pequena cidade, rumavam à planície, acompanhavam dois burros que puxavam pequenas carroças que, aos poucos e na medida em que se agrupavam, os homens, repousavam as sacas e os instrumentos de plantio.


O Fruto Bíblico



A calmaria da manhã, vinda do ceio da primavera, como um todo realçava a beleza local, cabeças apareciam por fora das portas dos alojamentos vizinhos, muitos carregavam ao cenho um sorriso, cumprimentavam-se no corredor. “Bom dia!” “Belo dia!” Ecoavam por ali, logo a agitação era tamanha que se concentrava um grande público no pátio, celebravam o fim de uma longa temporada de inverno e, as mãos daquelas que chegavam da recepção, pousavam folhas acinzentadas de Jornal que anunciara o fim de um longo tempo de inverno, mais parecia local, dada a tipografia escrita a nanquim e o caráter jovial da impressão.

Tateou em devaneios até o fim do corredor, onde pelo trajeto recobrava aos anseios, a cobiça que maculava a alma, era seu fruto proibido, provara-o e não mais conseguia parar, cujas primeiras experiências são marcadas pelo profundo prazer, mas no decorrer, torna-se inerte, a vontade parecendo jamais ser saciada, sempre dependente de mais para recobrar o resquício daquilo que fora um dia, tal como é toda droga – independente da característica –. A alegoria bíblia que marca esse trecho se posiciona de forma sucinta, que como a brisa leve, passa a prelúdio, carrega um interior, um significado.

No fim daquele corredor, lá se iam os pensamentos, passou o arco de aço que delimitava a entrada de uma enorme sala, pintada de branco nas paredes, os azulejos reluzentes de uma coloração que mesclava o escuro azul com o branco salpicado, em pequenos pingos, como a noite estrelada. Nesse mesmo local, donde guardava grande quantidade de equipamentos e papéis importantes, encontrara a mulher que remexia alguns papéis, trajando as roupas habituais para um agente do governo – camisa social branca, um paletó, calça e sapatos; sendo esses três últimos itens de cor preta –, carregando a mão esquerda uma prancheta com alguns papéis presos, nesta mesma, pendia sob uma pequena corda de barbante uma caneta, na outra mão tinha uma xícara de café fumegante, logo podia se notar as olheiras roxas logo abaixo dos olhos, apesar de sua movimentação agitada, tinha a pele do rosto mais pálida do que o habitual, e em sua concentração devota, não percebera de imediato a aproximação de Roxanne.

Por pouco não se engasgara com o café, cuspiu o jato do gole ainda na boca, comprometera três ou quadro papéis em sua pilha acima de um balcão pousado frente a um quadro negro móvel – completo de cartazes de piratas e/ou suspeitos que o governo estava de olho na ilha – a mulher olhara estarrecida pelos papéis, trejeitou ameaças com a mão antes de engolir o pouco de café que tinha ainda na boca, além de limpar os pingos de seu paletó com o lenço que puxara do bolso.

– Então é você! Quase me mata de susto, disse a mulher colocando a mão sob os olhos cansados; Olha só o que me fez fazer, agora tenho que reescrever esses papéis! Arrgh, esse trabalho ainda me mata de exaustão.

A mulher faz uma breve pausa ao repousar sobre uma cadeira giratória ao lado do balcão, ela suspira, coça os olhos outra vez antes de se levantar e tornar a atenção inteiramente para Roxanne, quando mais rápido pudesse resolver o caso, mais rápido a agente poderia voltar a ficar sozinha e terminar seu trabalho agora aumentado.

– Ah claro, sua missão! Tenho algo aqui que requer certa atenção, ela sacava do seio um envelope, carregava o símbolo nobre no lacre; Aqui está, um nobre vem me contatando para dizer que os arredores de sua casa vem sido alvo de vandalismo, começou com simples atos, entende? Jogar lixo no chão, danificar o gramado, mas de um tempo pra cá ele vê me contatando que um grupo atormenta sua família, muitas ameaças chegam à sua porta o insultando e ameaçando sua imagem pública, quero que vá lá verificar e colher informações desse grupo, ouvi o homem dizer também que alguns desses peraltas se alojam no galpão ao entardecer, ele contratou homens para garantir a segurança do local, mas ontem esses homens sumiram, quem sabe esse desaparecimento esteja ligado com esse grupo também.


Mácula


Vagando desatinado, inerte na mácula de suas escolhas, o que lhe causaram e como afetam seu presente, a água corria pelo corpo limpando apenas a sujeira que se prendia à casca que era seu corpo limitado e esgotável, e nesse meio tratou de seguir em frente, correu a mão pelo armário que abrigara seu nome, puxou a porta encontrando lá o que já esperava vestir, seu paletó, camisa branca, um par de sapatos social, a calça preta e o chapéu. Caprichoso, com o ar da graça de um jovem garção, cuja idade já não era mais marcada pela presença de salientes pelos desconexos no buço, partiu para a recepção.

– Esse é o último exemplar por aqui, disse-lhe o homem por detrás do balcão ao entregar o jornal que estava segurando ao rapaz, não havia muito que se fazer, pôs-se a ler inerte num canto, naqueles papéis, em primeira página, o grande anúncio do fim do rigoroso inverno, claramente não sendo original do jornal, uma vez que a fonte e o papel usado na impressão era diferente.[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

O homem que entregava o jornal tinha uma aparência única. A cabeça era larga, quase que quadrada assim como seu queixo, pelos tingiam uma barba mal feita por todo o maxilar, o nariz grande e okhos pequenos com a pele bronzeada e a estatura baixa, porém, o que mais chamava a atenção era sua forte maquiagem no rosto, sombreando os olhos, os cílios postiços e o batom na boca a formar um coração, além, é claro, de seu cabelo preso com duas chuchinhas rosa carregando o símbolo de um unicórnio. Trajava um uniforme feminino, embora, não se diferenciasse muito do modelo masculino.




____________________________________________________


[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Mephisto
Caçador de Recompensas
Caçador de Recompensas
Mephisto

Créditos : 94
Warn : What Does The Fox Say? 10010
Masculino Data de inscrição : 06/04/2017
Idade : 21
Localização : Wars Island (North Blue)

What Does The Fox Say? Empty
MensagemAssunto: Re: What Does The Fox Say?   What Does The Fox Say? EmptySab 16 Jun 2018, 20:14

A participação do Player Bjarke nessa aventura foi Cancelada

____________________________________________________

Make love, not war


[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

2017 Achievements:
 


2018 Achievements:
 
Voltar ao Topo Ir em baixo
Luna
Agente em Treinamento
Agente em Treinamento
Luna

Créditos : Zero
Warn : What Does The Fox Say? Banido10
Masculino Data de inscrição : 22/12/2011
Idade : 24
Localização : Lvneel - North Blue

What Does The Fox Say? Empty
MensagemAssunto: Re: What Does The Fox Say?   What Does The Fox Say? EmptySeg 18 Jun 2018, 13:37



Se Relar Leva Bala.



[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]




......."Ah as manhãs, como eu as amava, todo aquele sentimento de noite mal dormida, de remela seca nos olhos, bafo quente na boca, todo o suor do sono acumulado em áreas nada higiênicas, os dentes amarelados e o melhor, aquele bom-humor digno de um psicopata."

.......O gabinete de Dagny aquela manhã estava como sempre padronizado, digo, mantinha aquele padrão onde não se consegue achar nem mesmo uma caneta em meio as imensas pilhas de papel, lembro como se fosse hoje o primeiro dia ali naquela sala, gostaria de dizer que estava diferente, que me conhecer havia a afetado de uma maneira 'positiva', que aquela bagunça era fruto de minha má influência sobre seus hábitos. No entanto, não era. – Certo, irei sozinha então? – Chiava baixinho, não dando muita bola para seu suspiro ao notar minha chegada. – Tudo bem, tudo bem, cuidarei disso. Pode considerar essa missão cumprida. - Com um sorriso no rosto e certa traquinagem no olhar, apanhava as orientações que me levariam até o local alvo. – ~ Ora, não é atoa que precisam de uma guarda, minha calcinha sem dúvidas é mais grosseira que as pessoas que moram nessa casa, e olha que hoje nem estou de calcinha. ~ – Ria baixinho, guardando seus pensamentos em silêncio, pela expressão no rosto de Dag, uma piada aquela hora da manhã não seria muito bem-vinda, por mais que em um panorama geral, fosse verdade.

.......Estou de partida então.– Seguia em direção a saída, sentindo a ressonância em minhas palavras, meu tom estava mudando? Parecia alguém importante falando?! Céus, o poder estava me subindo a cabeça. Seguiria até a mansão nobre, e chegando ao local procuraria um responsável com quem pudesse falar. – Bom dia, me chamo Roxanne D'lamour, estarei a seu serviço hoje, talvez pelos próximos dias.~ O mínimo possível. ~ – Acenava, com um leve sorriso de gentileza no rosto.  – Enfim, é um prazer, estou aqui para ajudá-lo com os inoportunos vizinhos. – Acenava com uma pequena e singela inclinação do meu tronco, o fato era que àquela época não sabia nem mesmo lidar com os pedintes da rua, quanto mais para com os nobres de um reino. – ~ Santo Deus Roxanne, será que não pode uma vez na vida começar algo da maneira certa??!! ~O que você pode me adiantar sobre os ocorridos? Possuem alguma suspeita? Pistas? Sou toda ouvidos. – Com bastante seriedade e profissionalismo, ouviria a cada orientação, para em seguida seguir meu caminho caso alguma delas levasse até outro destino. – Muito bem, irei checar isso então.– Sem delongas, partiria até o local indicado.

.......Seguiria até as imediações suspeitas e no caminho prestaria atenção, logo que entrássemos na floresta ou em alguma zona de clima pesado, começaria a focar a relva/pontos de pouca visibilidade, e vasculha-los com meus olhos treinados, não sacaria nenhuma arma, apenas manteria minha guarda alta para qualquer engraçadinho, sair tão cedo não era a melhor ideia, àquele horário todos animais acordavam, o seu som camuflava o de possíveis assassinos e por vez, logo cedo a desatenção de nossa mente era também maior se comparada a outros períodos do dia. Mas claro, não era louca de esperar anoitecer para fazer isso, mesmo não sendo o mais amigável dos cenários, teria que ser de manhã essa caçada.

......."Lembro que quando fui levada para longe de minha mãe, comecei a cogitar me tornar uma doutora. Era um sonho de criança, quando contei à Elayne ela simplesmente me disse que ser médica era uma tarefa ingrata. Que quando era paga pelos ricos, corria o risco de ser considerada como uma criada, quando era paga pelos pobres, uma ladra. Bom, sem sombra de dúvidas, para os nobres, nós éramos suas criadas."





Objetivos atualizados:
 

Histórico:
 

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

Você não me vê na batalha?
É claro que estou lá, veja só o terror e o medo neles.


||Legenda||

|- "Roxanne - Intervenção" - |
|~Roxanne - Pensamentos~ |
|Roxanne - Fala|


[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Johnny Bear
Pirata
Pirata
Johnny Bear

Créditos : 17
Warn : What Does The Fox Say? 9010
Masculino Data de inscrição : 20/04/2016
Idade : 19

What Does The Fox Say? Empty
MensagemAssunto: Re: What Does The Fox Say?   What Does The Fox Say? EmptyQui 21 Jun 2018, 12:11

Citação :

Bárbaros


Dagny demonstrara conforto, soube que poderia contar desde o início com Roxanne e ao ouvir as palavras permanecera aliviada, podia lidar com outros problemas agora, resolvera mais um naquela pilha de papéis que pendia sobre a mesa, muitos deles apenas aguardavam o carimbo ou alguma assinatura para que fosse enviado para outro alienado de tanto trabalho, e por mais essa e muitas outras coisas que rodeavam a mente da mulher, correu para trás do balcão novamente, acenou como que estivesse ocupada demais para despedidas, e de fato estava.

A situação do lado de dentro se repetia, era fácil notar o clima agradável dentro das paredes do QG, embora, muitas das situações comuns e cotidianas se repetissem ainda, portanto, era só mais um dia em Lvneel, por enquanto, e do lado de fora a normalidade se estende para o além, sem movimento nas ruas, sem qualquer tipo de carroça passando ou pessoa, a diferença entre aquela manhã e muitas outras no duro inverno eram as cores que pintavam o céu e o ambiente, pois o verde tímido escorregava pelos campos, mas não estava por compô-lo por completo, e para a surpresa, o som da natureza se fazia presente mais uma vez.

Lá se ia a percorrer a trilha que dividia a pequena vila do grande reino do outro lado da Ilha, era estranho ver que o único ponto de agrupamento da marinha se concentrava justamente depois de um enorme caminho tortuoso regado de perigos e a mercê de surpresas da floresta, o fato é que de lá partir-se-ia para passar uma manhã inteira de viagem, e embora este não seja o principal foco na missão, é importante ressaltar que nenhum perigo fez-se no caminho de Roxanne, os galhos secos não escondiam as criaturas da floresta nem os gatunos peraltas batedores de carteira, estava tudo tão calmo e vazio, uma solidão profunda.

Chegara no reino quando o sol dava o beijo arisco encima da cabeça, lá a vida era diferente, as casas eram diferentes, muita coisa acontecia e muitas pessoas passavam, Roxanne passou por todas estas não se prendeu a detalhas tal como farei, embora, explorar a riqueza cultural e visual que a cidade pudesse prover fosse muita, digna de caprichosas palavras.

Saltando sobre essa parte de viagem até a casa do nobre, não tarda para encontrá-la, as informações foram dadas por Dagny e não haveria motivos para se ter complicações, embora, a primeira vista, o homem relutante a abrir a porta acreditando ser uma mendiga qualquer a pedir pão em sua porta – Ah, você que mandaram resolver meus problemas? A marinha deve esta ficando louca mandando uma única mulher para conter aqueles malditos saxões! –

Ele abria a porta e podia se ver também sua família mais ao fundo da sala, era um local grande com muitas esculturas e peças artesanais, algumas com ouro, o homem trajava um manto simples, porém de tecido refinado, era velho, gordo como qualquer clichê rico nobre que se vê em obras a rodear do mundo, a verdade, é que todos os homens com esse perfil são considerados escrotos, e não foge da realidade.

- Creio que queira saber mais sobre essa praga no meu galpão, eles ficam lá, se alimentam de minhas plantações, roubam minhas sementes, bebe do leite de minhas vacas, muitos animais sumiram desde a última semana, o que sei sobre eles é que são bárbaros, eles matam em nome de seus deuses, são saxões e imundos, selvagens é a melhor definição para esse tipo de gente! -





____________________________________________________


[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Luna
Agente em Treinamento
Agente em Treinamento
Luna

Créditos : Zero
Warn : What Does The Fox Say? Banido10
Masculino Data de inscrição : 22/12/2011
Idade : 24
Localização : Lvneel - North Blue

What Does The Fox Say? Empty
MensagemAssunto: Re: What Does The Fox Say?   What Does The Fox Say? EmptyTer 26 Jun 2018, 14:52



MEUS AMIGOS VOLTEI, EU TAVA FICANDO DOIDO!!



[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]




.......– "Se o sistema fracassar as consequências ainda serão muito penosas. Quanto mais o sistema crescer mais desastroso será o resultado de seu fracasso, de forma que se vai fracassar, melhor fracassar logo do que depois. Veja, não me entenda como uma revolucionária, naquela época não sabia o que meus atos dentro do governo faziam com o mundo. A verdade era que a civilização estava morrendo e mesmo que não soubesse, eu era um dos tumores que estava matando a sociedade."

.......Aquela manhã definitivamente estava sendo uma droga para Dag, digo, nunca tinha visto a mulher daquele jeito, se fosse um homem muito provavelmente concluiria que 'aqueles' dias haviam chego, mas sabia que menstruação alguma deixava alguém daquela maneira, existia algo sério, algo que a preocupava logo cedo, algo com que o governo mundial inevitavelmente teria de lidar e que com toda certeza custaria algumas vidas, inocentes ou não. – ~ Merda, vou voltar dessa missão para ser jogada em outro inferno. ~ – Amaldiçoava sua maldita sorte enquanto caminhava para seu destino.

.......A mãe natureza castiga uma vez só e após matar aquelas criaturas horripilantes a algumas semanas atrás, nenhum mal mais havia me assolado, o caminho tranquilamente passava e aos poucos as pedras começavam a surgir pelo solo, as árvores tornavam-se mais escassas e consequentemente o som dos animais e folhas farfalhando ficava para trás, sendo muito provavelmente substituído agora pelo costumeiro burburinho de cidades civilizadas.

.......~ Então temos uma maconheira sendo esteriotipada por uma bola de banha. ~ – Os olhos disfarçadamente analisando o nobre, andava ereto, tinha a postura típica de alguém superior, inflava o peito para respirar como se quisesse sugar cada milímetro do ar a sua volta, como se quisesse possuir tudo a sua volta. – ~ Sorte a sua que não sou mais a mesma. ~ – Ponderava a possibilidade de uma noite divertida, antigamente se esbarrasse com aquele homem, sequer pensaria duas vezes antes de ter com ele sob balas, sangue e suor, mas agora não poderia sair por aí matando a Deus e o mundo, parte de ser uma agente era manter discrição em certos lugares, não tinha nada de discreto em ser uma mulher conhecida por metade dos taberneiros, marinheiros e homens locais.

.......Um dos benefícios de se fazer de tola estava nas respostas quase sempre nervosas, impacientemente descuidadas que as pessoas soltavam em situações assim, respostas que involuntariamente podiam revelar muito. Por exemplo, um filho fica ao lado da mãe por horas questionando o porquê do céu ser azul, a mãe vai dizer alguns: "porque sim meu filho", e o garoto poderá se contentar com isso, mas caso persista naquela tola pergunta, logo receberá uma bufada seguida de um: "o céu é azul porque o mar é azul, meu filho" como resposta. Mas então, por que o mar é azul? E assim segredos se revelam, sendo os sentidos de proteção discretamente burlados pelo aborrecimento e cansaço mental. Talvez essa fosse a chave para conseguir o que aquele homem não queria revelar.

.......~ É um vermezinho ardiloso, irritá-lo não vai funcionar, mas esse novo jogo eu também sei jogar. ~Tudo bem senhor, como você apenas repetiu o que me foi informado, acredito que isso seja tudo, sim?  – Sorria um pouco sem jeito, coçando os cabelos da nuca e olhando para o chão ao seu lado enquanto me afastava. – Como não é nada pessoal, de acordo com suas próprias palavras, não terá de se preocupar com esses 'saxões' quando eu der cabo deles, mas caso seja algo pessoal, apenas nesse caso, aconselho o senhor a esconder-se bem dentro dessas paredes. – Ali teria que ser na dor, como quem não quer nada, tentava amedrontar o homem, se é que aquela altura isso fosse possível, e conforme prosseguíamos nosso diálogo, dava uma leve mordida em meus lábios, sinal claro de insegurança. –  ~ Vamos lá gordão, morda a isca.~ Saxões são homens que não ligam para morte, já me relacionei com alguns, se passar, somente passar pela cabeça deles que sua desgraça foi culpa sua, bom, isso seria bastante ruim. – Partia rumo aos galpões daquele home, esperava que alguma resposta viesse por minhas tentativas extras, mas independe disso, iria para o ponto de interesse, afinal, missão dada era missão cumprida.

.......Lvneel nem de perto era uma cidade interiorana, lar da família Montblanc, o local era bastante desenvolvido se comparado ao restante do North Blue. As manhãs eram quase sempre todas iguais e aquela não demonstrava nada de diferente, os moradores transitavam pelas ruas em uma profusão de tarefas e atividades. Olhava com certo ranço para as pessoas em suas atividades simplistas, não expresso em meu rosto é claro, apenas um sentimento interno diante de toda aquela pseudo inteligência de uma vida segura.  – Não posso me atrasar. – Constava o fato em minha mente, não era de esquecer as coisas, mas reforçar a memória era sempre bom.

.......As ruas passavam e prosseguia cidade a dentro, durante o percurso mantinha minha guarda erguida e os sentidos a postos, com o auxílio de minha visão sem igual ia vasculhando possíveis ameaças distantes, antes mesmo que viessem a se tornar um perigo eminente, estava em busca do alvo e não o contrário, precisaria apenas me manter atenta a possíveis investidas  e não teria problemas, algo que eu procurava contornar com olhadas discretas de tempo em tempo intercaladas entre as checagens frontais e traseiras, averiguações é claro. – Melhor lembrar de vocês. – Ponderava ao notar qualquer supspeito, encarando-o nos olhos, anotando suas faces em minha memória fotográfica para futuramente poder descrever possíveis suspeitos, ao mesmo tempo 'caçaria' rotas laterais de fuga em caso de ataque e traçaria um mapa mental para a inevitável retirada em caso de ser atacada.

.......~ É estranha demais essa sensação, estar do outro lado de uma arma que pode possivelmente existir ou não. Preciso me acostumar. ~ – Mantinha as mãos na lateral do corpo, próximas aos coldres escondidos, pronta para sacar diante de uma ameaça, e era justamente isso que faria, percebendo um ataque, sacaria minhas pistolas atirando nos rivais e girando o corpo enquanto disparava em todos que se aproximassem com o intuito de feri-los, se por ventura notasse algum risco eminente de ser ferida, giraria para em um salto lateral seguir disparando no atacante. Se identificasse um atirador, enfiaria a mão em cima da cabeça a fim de proteger meu principal ponto vital e, sem parar, seguiria correndo lateralmente até algum ponto de cobertura, parede, loja, barril, o que fosse.

.......Caso conseguisse chegar sem grandes problemas, procuraria por pistas no local, primeiramente traçando rotas de fuga, para só então começar a vascular as imediações. Trajava um terno, estava em um local nada empresarial, parecia ter uma seta apontando direto para mim, teria de ser o mais discreta possível se quisesse sair dali, de modo que inicialmente apenas me manteria escondida, observando a movimentação entorno daquele galpão, procurando por rotinas nas movimentações dos bárbaros, se é que fossem e por fim, anotando e guardando mentalmente rostos, e rodízios de pessoal, inicialmente tinha um objetivo, ficar de tocaia até saber quantos eram, quão fortes eram e quando se dividiam.





Objetivos atualizados:
 

Histórico:
 

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

Você não me vê na batalha?
É claro que estou lá, veja só o terror e o medo neles.


||Legenda||

|- "Roxanne - Intervenção" - |
|~Roxanne - Pensamentos~ |
|Roxanne - Fala|


[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Grim
Pirata
Pirata
Grim

Créditos : Zero
Warn : What Does The Fox Say? 10010
Masculino Data de inscrição : 24/03/2018
Idade : 21
Localização : North Blue - Micqueot

What Does The Fox Say? Empty
MensagemAssunto: Re: What Does The Fox Say?   What Does The Fox Say? EmptyTer 26 Jun 2018, 18:50



Street Scourge

 

As invasivas porém necessárias e profissionais perguntas da agente, somadas à importância que cada informação adquirida significava vida ou morte no ofício pareceram claramente assolar o fidalgo, esse que aparentemente não possuía nenhum motivo para se acanhar perante um simples interrogatório, agora exalava uma desajeitada falta de argumentos.  Boquiaberto e de papo trêmulo, desviava o olhar enquanto balbuciava suas palavras: —M-mas é-é... é claro que não! Que tenho eu a tratar com... com... com p-patifes?! Não há nada de m-motivo particular nisso! Eles... —Seu discurso recheado de uma privacidade inexplicavelmente ferida fora cortado, o causador? Um pequeno e rechonchudo garoto que possuía mijo entre as pernas, lhe marcando no branco tecido do pijama. A expressão agora adotada pelo aristocrata era de puro escárnio, aparentemente não acostumado a ter seus motivos explicados para terceiros —...Cuide disso.

Conversa feita e com serviço em mãos, o Flagelo agora trafegava pelas pacatas, porém não medíocres ruelas da cidade. Seus habitantes estavam centrados nos afazeres diários como lhes era costumeiro, movidos por uma incessante e questionável vontade de se manterem presos numa atarefada rotina que não lhes dava mais do que a chance de sobreviver mais uma semana. O ressoar do converseiro aglomerado percorria cada viela, cada esquina, e só não superava o incansável sapateado de passos da multidão sob o mármore das ruas. As construções de pedra escura se mesclavam com decorações feitas através de madeira velha como varandas e parapeitos, nos quais se encontravam olhares cheios de suspeita que seguiam a mulher com uma inocente curiosidade, e recebiam o mesmo tratamento dela. Não aparentavam ser um problema maior do que a costumeira curiosidade pública que agentes tinham de lidar dia após dia, no entanto, conforme a alarmante orquestra de conversas e passos do comércio se dissipava com a distância em suas costas, o cenário adiante se modificava bastante para Roxanne.

As casas, agora compostas inteiramente por construções de madeira chamuscada e velha, claramente demonstravam a gritante pobreza naquele distrito longínquo. Os únicos civis presentes se encontravam sentados em bancos ou até mesmo no chão diante de suas empobrecidas residências, idosos cuja esperança não se mostrava presente em seus olhos cerrados, tragando de cigarros cuja posse era duvidosa. Talvez um local não tão inteligente para se estabelecer um galpão, mas o fidalgo não parecia do tipo que aceitava ser questionado. De qualquer forma, seu caminho não fora impedido e tampouco notado pelos ali presentes, e a alguns metros dali encontrou seu destino: um largo galpão cujo cinza do mármore se mostrava tão presente quanto a constante vegetação que com a ausência de cuidados crescia ao redor do mesmo, visto que aquele distrito não era asfaltado. A construção não se mostrava sozinha no recinto, contendo ainda a presença de pequenos barracos em ambos os lados da rua, estes que antes aparentavam ter sido também um local de armazenamento, agora se encontravam abandonados.

Com aparente facilidade encontrou seu caminho até o mais próximo dos barracos, esses que possuíam portas arrombadas e janelas sem vidraça, com somente um cômodo cada. Num total de três barracos em cada lado da pequena rua, cada um possuindo uma pequena porta que os interligava. O cheiro forte do abandono e da falta de cuidados se misturava com a presença de teias de aranha e poeira, criando uma ambientação repulsiva que deixava "fora de lugar" a aparência aparentemente comportada de Roxanne e seu terno.

Skall! —sua rotina silenciosa foi quebrada por um grito agudo que vinha da única rua, essa que momentos atrás havia sido percorrida pela agente. Seu portador era um sujeito esguio, estabanado e de poucos fios no queixo que vinha correndo às pressas. Trajava trapos amarelados que acusavam sua pobreza, bem como também uma pequena faca embainhada na cintura direita. Corria para o galpão, sendo recebido por um ruivo sujeito barbudo e de porte alto e ameaçador, portador de um sobretudo de peles negras de urso. Tinha o semblante preocupado, mas as marcas de liderança foram claras quando o mesmo rapidamente recobrou dos sentidos, apanhando o esguio garoto nos ombros —Skall...!

Que houve?—a voz maciça e trovejante do homem parecera acalmar os prantos do rapaz que, aos poucos, encontrava uma respiração mais calma —Problema?

S-s'nhor... eles... temos de ir! —chorava em meio aos soluços, não caindo de joelhos apenas por conta das mãos firmes do mais alto que o seguravam com diligência —O f-fidalgo desgraçado ch'mou o g'verno, vi a agente deles c-conversando com ele na porta mais cedo... Deve estar vindo... nós—

Jord! —rugiu Skall, a preocupação lhe tingindo as maçãs do rosto de um rubro tão presente quanto sua juba capilar —...Se acalme, vá pra dentro e avise os outros. Erik e Karl estão bêbados e Ivar morreu na última noite... não temos muito, mas... —o suspiro que se seguiu exalava certa insegurança no líder do bando, talvez não contando com uma resposta tão ligeira do governo local —...não temos escolha. Ela vai'star aqui logo, avise às mulheres e crianças que se escondam nos fundos, cuidaremos disso.

O garoto, obedecendo as ordens de seu líder, correu para dentro do galpão com devida pressa, deixando o barbudo leão de tocaia. Portava um enorme machado que, agora, tinha preparado em mãos para o embate, e possível morte. Seus motivos eram desconhecidos para Rox, mas não era esperado que agentes questionem as missões propostas, e o chamado do dever agora lhe batia na porta.


-

Info;:
 



@Lilah

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Luna
Agente em Treinamento
Agente em Treinamento
Luna

Créditos : Zero
Warn : What Does The Fox Say? Banido10
Masculino Data de inscrição : 22/12/2011
Idade : 24
Localização : Lvneel - North Blue

What Does The Fox Say? Empty
MensagemAssunto: Re: What Does The Fox Say?   What Does The Fox Say? EmptyQua 27 Jun 2018, 00:32



Olho no lance.



[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]




......."Os nobres iludem-se: enquanto se queixam da perda progressiva dos valores tradicionais, apoiam entusiasticamente o progresso e o crescimento da economia. Aparentemente nunca lhes ocorreu que não se pode mudar rápida e drasticamente a tecnologia e a economia da sociedade sem também causar mudanças rápidas em todos os outros aspectos da sociedade, e que tais mudanças acabam inevitavelmente por sacrificar os valores tradicionais. Parte do crescimento tecnológico do mundo atual foi graças a mim, inevitavelmente, sinto orgulho por ter ajudado a criar o monstro que rompeu esse ciclo corrupto e vicioso em que vivíamos."

.......A guerra é desde o início dos tempos uma fonte de avanço intelectual e tecnológico, digo, nações surgem e morrem por meio dela, ela está presente em todos âmbitos da sociedade, sejam eles micro ou macro e, por vezes o estudo de sua arte trás benefícios. Território, poder, riquezas, ideais, religião, traição, qualquer um desses motivos já iniciou uma sangrenta disputa e levou centenas de milhares à morte, o que poucos entendem é que por de trás de todos esses motivos o verdadeiro incitante do combate sempre se mostrou ser o orgulho. As pessoas em um geral tendem a querer manter as aparências, se mostrar fraco é suficiente para se tornar fraco perante os outros. Os nobres eram nada mais que simples pessoas nascidas em famílias privilegiadas, e isso os fazia menos sujeitos as artimanhas do caos? Nem pensar, estava claro pra mim e para aqueles bárbaros.

.......Entendo, se eu fosse alguém como você também teria receio de sair pelas ruas sozinha. Quero dizer, sendo quem sou, uma simples garota em meio a uma sociedade de homens às vezes já me sinto um pouco alvo, não sinto medo porque não posso me dar ao luxo de sentir. – Porca mentira, não ligava nenhum pouco para ser uma mulher em meio a uma sociedade masculina, era mais homem que a maioria deles, mas isso era algo que aquele gordo não podia saber, devia ficar implícito em minha fala disfarçadamente depreciativa, dissimuladamente ofensiva.

.......As provocações funcionavam como planejado, o velho agia como o bebezão mimado que era e com toda sua humorística masculinidade tentava se impor, ora, queria controlar a controladora. Obedeci e parti, meu trabalho por ali já estava feito, era evidente que havia algo além de uma simples aleatorieadade nas ações daqueles criminosos. Pelo caminho, refleti, o solo de pedra parecendo querer me segurar quando fui aos poucos saindo do centro para a periferia, parecia besteira de minha cabeça, mas aos poucos ia sentindo a paisagem mudar, tornar-se mais natural, bruta, velha e pobre, era exatamente isso, enfim havia chego ao destino da missão, uma zona barra pesada judiada pelo tempo, em certos aspectos lembrava um cenário pós-guerra daqueles filmes onde os personagens após uma batalha assoladora voltam para sua cidade e estão traumatizados demais para ficarem com a família, estão podres demais por dentro para abraçar a mulher e os filhos. A única coisa aqui é que os soldados velhos e insanos me olhavam como se a sua frente estivesse um exército inimigo de uma mulher só, como se se entricheirasem minha posição ali.

.......A resposta para minha chegada veio logo, ou quase isso pois ao ouvir o desespero e descaso daquele homem em relação a minha posição, pude notar que ainda não havia sido descoberta, não completamente pelo menos. – ~ Estou literalmente na merda, literalmente atolada na merda. ~ – Não era para menos, meu efeito surpresa tinha sido jogado no lixo quando aquele rapaz chegou anunciando que o governo logo estaria ali, eu já estava e eles se preparariam para isso, meu prazo que já era curto agora tornava-se minúsculo. – ~ Preciso agir rápido, BEM, rápido. Vejamos... São dois bêbados, um morto, mulheres, crianças e esses dois que estão em prontos para o combate. Ontem a guarda daquele gordo sumiu, isso justifica a morte do amigo deles, então possivelmente, provavelmente estão dizendo a verdade. Não, eles não sabem que estou aqui, não sabem que eu sabia do confronto entre eles e os guardas daquele maldito, não tem como terem feito essa relação, realmente esse homem está sendo sincero, são em quatro homens, mulheres e crianças. ~ – Queria agir, acabar com aqueles arroaceiros ali e encerrar de uma vez por todas com suas ações, mas isso não fazia parte de minha missão, observar e reportar, era isso que tinha de fazer e talvez essa tenha sido uma boa decisão visto que lá seria apenas uma em meio a possíveis quatro homens armados, para fim de combate apenas uma dupla. – ~ Bebida, dinheiro, violência e maconha. Por que escolhi essa vida de merda? Por que???!!! ~Você está aqui para cumprir sua missão Roxanne, apenas isso. ~ Puta que pariu, ter que ficar sussurando para me lembrar do que preciso fazer? O que estou me tornando? Aqueles miseráveis mal devem ter o que comer, provavelmente estão se vingando daquele gordo porco que não precisa de nada disso aqui para viver, e mesmoa ssim aqui estou eu, colhendo informações para um grupo vir até aqui, com contigente suficiente e por fim a esses rapazes, não serei eu quem matarei vocês, mas seu sangue estará em minhas mãos tanto quanto na dos homens que fizerem isso. ~ – Erguia-me lentamente de minha posição, circulando o local sorrateiramente, olhando os galpões, criando rotas e imaginando um mapa visto de cima daquele local, com possíveis acessos, saídas e pontos de fraqueza, procuraria o máximo de informação possível do terreno enquanto manteria-me acima de tudo na surdina, longe de olhos curiosos, longe dos rapazes, não queria confronto, não precisava de um.

.......Partiria cercando a região, procurando por pontos elevados ou colaterais para ter uma melhor visão do local, visaria sempre me manter coberta por obstáculos que impedissem a localização de minha posição, priorizaria também  becos fechados onde armadilhas pudessem ser implantadas, caçaria pequenos corredores ligados a região central onde emboscadas pudessem ser armadas. Criaria possíveis rotas de fuga anotando-as mentalmente em uma imagem 2 d da região, traçando um mapa mental, entre meus pontos de emboscadas, corredores e edificações, essa vantagem era o que me tornava mais perigosa que os demais, uma memória precisa aliada a uma mente traiçoeira. Feito isso, partiria para o quartel general novamente, tomando todos os cuidados e medidas de combate já citadas anteriormente caso fosse descoberta em algum momento.

.......Por fim, ao chegar no quartel, se assim conseguisse, iria até a sala de Dagny e, chamando a mulher de cabelos loiros, informaria o coletado. - São quatro homens, dois encontram-se bêbados, dois estão saudáveis, há mulheres e crianças também. Ouvi isso da própria boca de um deles, você pode até achar que estou sendo inocente, mas meu conhecimento sobre a psique humana revela que aquele homem estava dizendo a verdade, além disso, ele não sabia que eu estava lá quando disse isso tudo. Ah, existe outro fato que corrobora também, um deles morreu na noite passada, não foi na noite passada que ocorreu um embate entre os guardas do nosso cliente com os supostos arruaceiros?! Bom, posso adiantar que eles são bárbaros, até o momento da chegada da equipe que fará a missão de apreensão pode ser que os dois debilitados já estejam recuperados e se você me trouxer um escrivão, desenhista ou qualquer coisa do gênero, posso lhe passar com detalhes o mapa mental que montei das imediações dos suspeitos, com pontos de interesse, rotas de fuga e emboscadas. Creio que minha participação nisso acabe aqui, certo, senhora? - Diria um pouco exausta mentalmente, esperando minha liberação, afinal, havia completo a missão, merecia um descanso, um digno de uma moça de bem, ou quase isso.


......."Na sociedade como conhecemos hoje a lealdade de cada indivíduo tem de ser primeiro ao sistema e só secundariamente à pequena comunidade porque, se as lealdades internas das pequenas comunidades fossem mais fortes do que a lealdade ao sistema, essas comunidades atuariam para se favorecerem à custa do sistema. Bom, isso foi o que previmos na proposta de sociedade do futuro, o que aconteceu foi bem diferente."





Objetivos atualizados:
 

Histórico:
 

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

Você não me vê na batalha?
É claro que estou lá, veja só o terror e o medo neles.


||Legenda||

|- "Roxanne - Intervenção" - |
|~Roxanne - Pensamentos~ |
|Roxanne - Fala|


[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Conteúdo patrocinado




What Does The Fox Say? Empty
MensagemAssunto: Re: What Does The Fox Say?   What Does The Fox Say? Empty

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
What Does The Fox Say?
Voltar ao Topo 
Página 1 de 3Ir à página : 1, 2, 3  Seguinte

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
One Piece RPG :: Oceanos :: North Blue :: Lvneel Kingdom-
Ir para: