One Piece RPG
Ascensão - Parte 1 - Página 6 XwqZD3u


One Piece RPG : A GRANDE ERA DOS PIRATAS
 
InícioBuscarRegistrar-seConectar-se
Últimos assuntos
» Apenas UMA Aventura
Ascensão - Parte 1 - Página 6 Emptypor Mirutsu Hoje à(s) 03:07

» O Ronco do Bárbaro
Ascensão - Parte 1 - Página 6 Emptypor Ghastz Hoje à(s) 02:29

» Sangue e Pólvora! O Caminho do Atirador!
Ascensão - Parte 1 - Página 6 Emptypor rafaeliscorrelis Ontem à(s) 23:50

» Nox I - Loucura
Ascensão - Parte 1 - Página 6 Emptypor Jin Ontem à(s) 23:18

» Unbreakable
Ascensão - Parte 1 - Página 6 Emptypor Hooligan Ontem à(s) 22:05

» Bizarre Adventure: Smooth Criminal
Ascensão - Parte 1 - Página 6 Emptypor Achiles Ontem à(s) 21:42

» I - Pseudopredadores
Ascensão - Parte 1 - Página 6 Emptypor Domom Ontem à(s) 21:03

» Galeria Volker ~
Ascensão - Parte 1 - Página 6 Emptypor Volker Ontem à(s) 19:27

» Untraveled Road
Ascensão - Parte 1 - Página 6 Emptypor Layla Morningstar Ontem à(s) 19:07

» Arthas Mandrake
Ascensão - Parte 1 - Página 6 Emptypor Wing Ontem à(s) 18:17

» [Ficha] Coldraz Vermiillion
Ascensão - Parte 1 - Página 6 Emptypor Coldraz Ontem à(s) 16:42

» Coldraz Anne Stine
Ascensão - Parte 1 - Página 6 Emptypor ADM.Ventus Ontem à(s) 15:59

» Karelina Lawford
Ascensão - Parte 1 - Página 6 Emptypor ADM.Ventus Ontem à(s) 15:57

» O vagabundo e o aleijado
Ascensão - Parte 1 - Página 6 Emptypor Tensei Ontem à(s) 15:32

» [Mini - Polyn] Sorriso afetado.
Ascensão - Parte 1 - Página 6 Emptypor Polyn Ontem à(s) 15:09

» Bastardos Inglórios
Ascensão - Parte 1 - Página 6 Emptypor Dante Ontem à(s) 14:14

» [Ficha] Mikhail Vermillion
Ascensão - Parte 1 - Página 6 Emptypor Homero Ontem à(s) 13:43

» [Mini- Alvin] O garoto e a serpente
Ascensão - Parte 1 - Página 6 Emptypor Alvin Stigma Ontem à(s) 13:11

» Latiffa Blackheart
Ascensão - Parte 1 - Página 6 Emptypor Sunken Ontem à(s) 12:45

» Gato de Convês
Ascensão - Parte 1 - Página 6 Emptypor Ainz Ontem à(s) 09:37



------------
- NOSSO BANNER-

------------

Naruto AkatsukiPokémon Mythology RPG

Conheça o Fórum NSSantuário RPG
Erilea RegionRPG V Portugal
The Blood OlympusPercy Jackson RPG BR
A Song of Ice and FireSolo Leveling RPG

------------

:: Topsites Zonkos - [Zks] ::


Compartilhe
 

 Ascensão - Parte 1

Ir em baixo 
Ir à página : Anterior  1, 2, 3, 4, 5, 6
AutorMensagem
Raiden Fuji
Narrador
Narrador


Data de inscrição : 17/09/2017

Ascensão - Parte 1 - Página 6 Empty
MensagemAssunto: Re: Ascensão - Parte 1   Ascensão - Parte 1 - Página 6 EmptySab 19 Maio 2018, 12:56

Ascensão - Parte 1
The Lost
Qiáng Hu

Dano: 4 Acerto: 5 Pontaria: 0
Esquiva: 3 Bloqueio: 11 Resistência: 1
Percepção: 2 Manipulação: 0


A coleta dos impostos não chegou a ter muitos problemas, a maioria dos cidadãos nos dava todo o dinheiro que estava na lista, houve apenas dois problemas, o primeiro fora por parte de um homem careca com diversas tatuagens, que não quis pagar o imposto, então anotei o tudo o que ele disse, para ão dar problemas para mim. Mas o segundo problema não era de somente uma pessoa, e sim um quarteirão inteiro, que reclamavam de um vazamento de água na rua, os moradores diziam que não pagariam o imposto até que o vazamento estivesse concertado, Magni frente a isso disse que eu deveria resolver o problema, já que eu era o encarregado do grupo.

A situação não era nada agradável, e ainda punha uma pressão sobre mim, que tinha de resolver esse vazamento, mas Magni parecia não saber que eu nunca tinha tido de resolver esse tipo de problema antes, portanto a inexperiência podia me atrapalhar bastante ali. Apesar das dificuldades, eu não podia dar para trás, pois meu superior me pôs como o encarregado do grupo, essa confiança não é algo que se pode fugir sem mais nem menos, eu devia honrara a posição que recebi. Apesar da determinação, eu não sabia exatamente o que fazer, por isso, começaria a caminhar na direção da multidão, lentamente para poder pensar em alguma coisa. - Yuri, Ellis, venham comigo, e tentem pensar em ideias para resolvermos isso, eu tive uma mas não sei se vai ser suficiente para resolver essa questão. – Eu diria para os outros dois agentes pouco depois de começasse a caminhar.

Assim que eu estivesse perto dos moradores, eu respiraria fundo, tentando ganhar um pouco de coragem, e começaria a falar. - Moradores, eu tenho uma sugestão para resolvermos esse problema. – Eu começaria com estas palavras para chamar a atenção das pessoas ali, já que de nada adiantava eu dizer minha ideia se ninguém parava para escutá-la. - Estamos coletando os impostos como missão, e meu superior é um pouco rabugento. – Eu riria sem graça antes de continuar falando. - Então, eu gostaria que vocês pagassem o imposto agora. – Eu tinha ideia de que os moradores provavelmente ficariam furiosos com o que eu falei, e me interromperiam com alguns insultos, mas eu tentaria reestabelecer um diálogo. - Calma pessoal, deixe-me continuar falando. – Eu pediria para ter minha ideia escutada por todos ali. - Sem o problema do imposto, eu vou tirar do meu bolso o dinheiro para consertar esse vazamento. – Eu acreditaria que um dos agentes do Governo tendo algum prejuízo, eles se sentiriam satisfeitos a ponto de aceitarem pagar o imposto para depois concertar o vazamento na rua. Se Ellis ou Yuri dessem uma sugestão do que fazer, eu escutaria atentamente, mas algumas coisas teriam de ser avaliadas, afinal eu não sabia como concertar esse vazamento, mas se alguém soubesse deixaria que essa pessoa o fizesse.

Caso os moradores aceitassem minha ideia, eu me aproximaria deles com um sorriso simples nos lábios e diria. - Se vocês pudessem pegar o dinheiro agora, eu agradeceria. Eu prometo que vou resolver isso assim que tivermos o dinheiro. – E assim esperaria que todos nos trouxessem o dinheiro dos impostos, eu não questionaria caso alguém não desse a quantia completa, apenas anotaria na lista, como me foa ensinado, e em seguida entregaria a lista e o dinheiro arrecadado para Yuri. - Entregue para Garden. Não perca essa lista e o dinheiro de forma alguma, entendeu? Proteja ela com sua vida, se necessário. – Eu diria para o atirador, procuraria frisar para ele que a possibilidade de perder aquela lista não poderia existir, mas como eu não tinha total confiança nele, eu virar-me-ia para Magni e diria. - Pode ir com ele, Magni? – E em seguida eu começaria a resolver o problema do vazamento. - Ellis, você pode procurar por alguém que saiba concertar isso? Eu ainda não conheço bem as ruas daqui. Vou tentar encontrar a origem do vazamento, para não perdermos tempo com isso. – E eu esperaria que a azulada se fosse. E assim que ela o fizesse, eu ajoelhar-me-ia perto do vazamento, tiraria meu terno e a camisa social, para não molhá-las demais, e poria a mão no local do vazamento, e com os dedos indicadores e médios das duas mãos, eu tentaria encontrar alguma ruptura ou até mesmo um pequeno buraco, que seria a causa do vazamento.

Se eu achasse esperaria que Ellis voltasse com alguém, e diria para essa pessoa. - Eu achei uma falha aqui, acredito que deve ser a causa do vazamento. – Diria, tirando a mão do local do vazamento, e deixaria que a pessoa trabalhasse. Assim que esta terminasse seu trabalho, eu o agradeceria com um Obrigado, e lhe perguntaria o quanto ele queria pelo concerto. Eu pagaria a quantia que ele pedisse, afinal não queria problemas ali, e em seguida virar-me-ia para os cidadãos ali. - O problema de vocês está resolvido, tenham um bom dia. – E com isso, eu pegaria meu terno e minha camisa social, poria as roupas e me retiraria dali.

Se os cidadãos quisessem que concertássemos o vazamento primeiro, eu faria o mesmo processo supracitado, somente pediria que Yuri fosse junto, e pediria aos moradores o dinheiro do imposto assim que encerrasse o concerto do vazamento. - Agora, precisamos do dinheiro. – Eu diria sem esboçar uma expressão facial, afinal eu estava irritado, mas necessitava ser profissional ali, pois eu estava em uma missão. E tendo o dinheiro, eu entregaria o mesmo junto da lista para Magni, e voltaria com todos, sendo esses, Ellis, Yuri e Magni. Durante o caminho de volta para o QG, eu manteria meus olhos atentos a tudo, espionando ambos os lados da rua, procurando possíveis ameaças vindo a nós, minha lança estaria sendo segurada pelas minhas duas mãos, sendo a esquerda mais próxima da lâmina, e a direita mais próxima do fim da haste.

Se houvesse algum movimento suspeito em nossa direção, eu me poria à frente de todos, com minha lança posta horizontalmente, e com isso eu me prepararia para interceptar um possível golpe, mas isso era apenas de fachada, afinal bloquear um golpe poderia piorar a situação da minha costela, que ainda não estava totalmente curada, por isso na hora do bloqueio, eu abaixaria minha Naginata e saltaria para trás, caso fosse eu golpe horizontal ou diagonal, e se o salto não fosse suficiente para escapar totalmente do golpe, eu realizaria mais de um, até conseguir escapar sem maiores ferimentos. Se fosse um golpe vertical ou uma estocada, eu saltaria para o lado, esquerdo de preferência, para não ser acertado na costela ferida caso o salto fosse insuficiente para escapar ileso da investida, sendo que se isso viesse a acontecer, eu procuraria girar meu corpo para a direita no ar, ficando de frente para a possível arma do suspeito, e assim facilitaria minha esquiva completa. Após essa primeira investida, eu saltaria para trás, procurando pôr uma distância entre mim e a figura suspeita, para que eu pudesse analisá-la e pensar em um plano de ataque.

Se não houvesse problema algum na caminhada, nós chegaríamos ao escritório de Garden ao final da caminhada, e eu procuraria entrar primeiro, mas não ligaria se não o fizesse. - Aqui está a lista e o dinheiro, Garden. Mais alguma coisa? – Eu diria, e entregaria tudo nas mãos do mesmo, esperando que o mesmo dissesse mais alguma coisa, fosse uma ordem ou que estávamos liberados. Se fosse uma ordem, eu procuraria escutar o que o mesmo me dissesse e tentaria executar o que me fosse pedido. Se ele me liberasse, eu sairia do escritório dele, e esperaria que Yuri e Ellis saíssem, para depois perguntar a eles. - Eu vou em um bar, para desestressar um pouco, vocês querem ir? – Eu esperaria uma resposta por parte dos dois, e começaria a andar depois da resposta, fosse com algum deles ou sozinho.

Assim que eu saísse do QG, eu perguntaria para Ellis ou Yuri caso eles viessem comigo, ou para um marinheiro perto do portão caso nenhum deles viessem comigo. - Você sabe onde tem um bar por aqui? – Se meus companheiros ou o marinheiro não soubessem responder, eu repetira a pergunta para alguma pessoa que passasse por ali. Tendo um caminho para seguir, eu começaria a andar na direção que me fora indicada, dessa vez mais despreocupado, embora minha nagintata ainda estivesse comigo. Assim que eu adentrasse o bar, eu olharia o ambiente, avaliando-o, mas nada diria mesmo se este não me agradasse, e após isso, eu dirigir-me-ia ao balcão, e pediria para o(a) barman. - Eu preciso de uma cerveja bem gelada para combinar com esse incrível tigrão! – Eu aproveitaria esse momento para relaxar, esquecer a formalidade de trabalho que eu procurava manter durante minhas missões, e procuraria um assento para sentar e esperar minha bebida, e assim que essa chegasse, eu daria um longo gole, sorrindo em satisfação após esse. - Que delícia de bebida! – Eu exclamaria, um pouco mais alto do que de costume. Se eu estivesse sozinho, aproveitaria minha bebida até que esta acabasse, e eu pediria uma nova, degustando essa com mais calma, mas se Ellis ou Yuri estivessem comigo, eu beberia a primeira cerveja de forma rápida e pediria uma nova, e quando essa chegasse, eu virar-me-ia para o(s) agente(s) e diria. - Fale-me mais sobre você(s) – E com isso recostaria minhas costas sobre o encosto do assento, caso esse tivesse um.





Histórico:
 

Objetivo:
 
Voltar ao Topo Ir em baixo
Achiles
Pirata
Pirata
Achiles

Créditos : 38
Warn : Ascensão - Parte 1 - Página 6 10010
Masculino Data de inscrição : 01/09/2017
Localização : Loguetown - East Blue

Ascensão - Parte 1 - Página 6 Empty
MensagemAssunto: Re: Ascensão - Parte 1   Ascensão - Parte 1 - Página 6 EmptyDom 20 Maio 2018, 11:49



Ascensão
Parte 1


Yuri e Ellis ficavam em prontidão junto a Qiáng esperado as suas ações, concordando em segui-lo e tentar pensar em algo que poderiam ajudá-los ali. Com uma respirada fundo e concentração, Hu começava a falar e os moradores faziam um leve silêncio esperando a solução. Assim como previsto, os moradores ficavam irados com aquela fala do tigre, seus insultos eram dos mais terríveis e Yuri ficava assustado com aquilo chegando a cutucar o mink com o seu cotovelo não entendo o que estava fazendo. Os moradores não queriam ouvir o tigre mais, já haviam dado sua oportunidade e ele havia desperdiçado a mesma de uma maneira arrogante, mas cobrar do bolso de um agente parecia ser algo aceitável.

Ele se aproximava de um dos moradores com um sorriso no rosto pedindo para que pagassem. - Não cairemos na lábia de um agente idiota até que conserte. – Ele cuspia o chão de maneira rude respingando nos sapatos do tigre. Ellis recebia o comando do encarregado e assentia a cabeça como um “Sim”, partindo diretamente atrás de um mecânico fora da multidão que a deixava passar mesmo não gostando daquela atitude. Encontrando o vazamento, o tigre começava a tentar procurar a sua causa, era um cano que faziam várias junções e distribuíam água para as casas, destas várias, algumas despejavam a água para fora não sendo um único problema, como um conjunto inteiro.

Demorava um pouco até que Ellis voltasse com um homem de macacão azul, a garota ainda estava machucada e dava para ver um sangramento escorrendo de seu terno, a agente era forte e aguentava sem dizer uma única palavra e o homem perguntava onde estava o problema, localizando-o, começava a trabalhar, com um kit de ferramentas e sabedoria, o problema estava resolvido demorando um bocado de tempo até que finalmente havia terminado e a água havia parado de vazar, tampando-a para protegê-la.

O homem cobrava cem mil berries por aquele conserto, um pequeno preço a se pagar visto o que poderia ter acontecido com aqueles furiosos cidadãos do quarteirão provocando o que seria uma manifestação. Com o término do trabalho e o homem dispensado, os moradores começavam a pagar as quantias exatas de seus impostos, anotando-os em sua lista e protegendo a quantia em sua mochila.

Qiáng e companhia faziam a sua volta para o quartel sem maiores problemas, Garden os aguardava dentro de sua sala e assim que tudo havia sido colocado em sua mesa, começava a falar. - Vocês quase chegaram atrasados, fora isso, estão bem. Vocês estão liberados e Magni fica. Aproveitem o resto do dia, não esqueçam de pegarem os seus salários no banco mundial. – O rabugento começava a olhar para a lista que foi entregue em suas mãos esperando que todos saíssem de sua sala. O trio saia do escritório e Hu fazia um convite aos seus companheiros para um bar da região. - Não estou bem para isso, deixo para outro dia. – Ellis negava e Yuri aceitava assentindo a cabeça. A garota de cabelos azuis saia em uma direção oposta ao da dupla e ambos seguiam diretamente para um bar da região que Yuri sabia ao ter sido perguntado pelo tigrão.

O bar tinha uma aparência bem elegante, rústica e arrumada, haviam homens e mulheres aproveitando das bebidas alcoólicas e de fundo uma música de ritmo lento por uma bela música e seu violão, tendo o término de suas missões realizado, eles poderiam relaxar diante de uma boa bebida que o bartender lhe atendia com um sorriso no rosto. Enquanto que o tigrão aproveitava da sua bebida de maneira mais rápida e terminava antes que Yuri pudesse tomar um único gole, pedindo uma outra em seguida. - E-eu?! – Ele continua o mesmo medroso de sempre. - Vim do North Blue, Micqueot Island. Sou filho de um dos produtores de vinho da região. Meu pai cansou de mim jogando xadrez e olhando seus papéis, pois segurando ele, quando eu tinha que me mostrar um homem, apenas tremia e nada fazia, não tinha firmeza. Então ele me mandou para cá em busca de me tornar um verdadeiro homem… – Sua expressão era um pouco de tristeza com empolgação misturada com medo, não dava para entender bem o que se passava de sentimento no garoto naquele momento. - Ele me fez vir para cá para eu poder me virar sozinho e não ficar correndo atrás de suas asas… Vou mostrar para ele que sou alguém melhor que ele no auge de sua vida! – Ele demonstrava determinação pela primeira vez, mas parecia compartilhar a curiosidade do tigre sobre os seus companheiros. - E você?! Um mink tigre de três metros aproximadamente não é nada comum em canto nenhum. De onde vem? Quem eres?! – A sua bebida era esvaziada até a metade e ele parecia ficar meio tonto por não estar acostumado a beber.


Considerações:
 


____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Ficha na Sign
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Raiden Fuji
Narrador
Narrador
Raiden Fuji

Créditos : 26
Warn : Ascensão - Parte 1 - Página 6 7010
Masculino Data de inscrição : 17/09/2017
Idade : 25
Localização : Las Camp - West Blue

Ascensão - Parte 1 - Página 6 Empty
MensagemAssunto: Re: Ascensão - Parte 1   Ascensão - Parte 1 - Página 6 EmptyDom 20 Maio 2018, 23:44

Ascensão - Parte 1
The Lost
Qiáng Hu

Dano: 4 Acerto: 5 Pontaria: 0
Esquiva: 3 Bloqueio: 11 Resistência: 1
Percepção: 2 Manipulação: 0


Acabou que no final das contas, não tivemos outros problemas além do vazamento de água, que logo foi resolvido e o dinheiro dos impostos recolhidos. No caminho as coisas foram tranquilas também, e conseguimos não nos atrasar para entregar o dinheiro e a lista para Garden, que nos liberou, com a folga, decidi ir para o bar, convidei meus colegas, já que Magni teve de ficar para discutir certas coisas com o outro agente, mas Ellis não quis ir, disse que não estava se sentindo bem, e com isso acabei me amaldiçoando internamente. - Que droga, eu esqueci que ela estava ferida também. Não devia ter mandado ela ir procurar o mecânico para concertar o vazamento. – Mas mesmo me sentindo arrependido de tal decisão, não deixei de seguir ao bar, com Yuri.

O bar era mais pomposo do que eu esperava, minha intenção era um local qualquer, com alguns assentos, um balcão e um barman, mas ao invés disso, estava em um local com algumas mesas e cadeiras de madeira bem polida, as cadeiras com encostos mais chiques, o piso também era de madeira, no geral, tudo ali era bem-arrumado e limpo, algo que para mim era inesperado de um bar, já que na ilha onde acabei fazendo meu treinamento, os bares eram bem pobres, assim como a ilha o era no geral. Sem muita demora tive minha bebida, junto de Yuri, que respondeu ao meu questionamento sobre si melhor do que eu esperava, dizia sua origem, sendo esta de Micqueot e estava ali por culpa de seu pai, e no geral aproveitaria a oportunidade para se mostrar melhor que seu progenitor em seu auge, este que era um produtor de uvas, e em seguida se mostrava curioso sobre mim também, o que não era surpresa nenhuma, afinal não era todo dia e nem em qualquer lugar que se via um Mink tigre de três metros e trinta centímetros com uma pelagem branca com listras negras.

- Cara, você vai se surpreender com o quão bizarra são minhas origens. – Eu diria inicialmente, com uma leve risada, antes de dizer de fato o que meu colega queria saber. - Para começo de conversa, meus pais eram piratas. – Eu daria uma pausa para ver a reação de Yuri, se fosse engraçada, eu riria um pouco mais alto, mas caso o mesmo não se surpreendesse eu somente daria mais gole na minha cerveja. - Eu não sei exatamente onde fica a terra natal deles, afinal eu sempre estive junto deles no navio pirata que eles comandavam. – Eu daria outra pausa para beber um pouco da cerveja. - E assim vários anos se passaram, até que paramos em uma ilha não muito longe daqui por alguns meses, que era para eu treinar. – Eu daria uma nova pausa, mas dessa vez seria para limpar uma lágrima que poderia vir a cair ao lembrar-me do dia mais triste da minha vida. - E quando estávamos prestes a partir, eu tirei um dia inteiro somente para enfrentar alguns animais daquela ilha, mas acabei demorando demais, e meus pais e os tripulantes vieram me procurar, mas acabaram dando de cara com uma outra tripulação de piratas, que parecia desgostar da nossa espécie, porque matou todos ali, somente minha mãe conseguiu fugir, mas estar mortalmente ferida. Ela só teve tempo de me falar algumas coisas antes de morrer nos meus braços. – Agora as lágrimas seriam em mais quantidade, deixando a tristeza que eu punha atrás da minha máscara de convencido sair. Sem nem me preocupar em limpar as possíveis lágrimas, eu continuaria a falar. - E abalado com isso, eu fiquei nessa ilha e treinei por 16 anos, antes de vir para Conomi Island e começar minha aventura, onde eu vim para cá, Loguetown, me alistar. – Eu concluiria minha história, parando para limpar as lágrimas.

Depois de tanto falar, eu terminaria de beber a cerveja que ainda estaria em minha caneca, para depois pedir outra. - Me dê uma outra cerveja. Bem gelada, de preferência - Eu diria ao barman. Se Yuri me perguntasse do motivo de eu ingressar no Governo Mundial eu diria com um pequeno sorriso. - Minha mãe me ensinou a jamais matar uma fêmea grávida ou um filhote. Hoje mais cedo eu vi alguns agentes protegendo uma nobre com uma criança de colo. Eu não sei o motivo, mas algumas pessoas tentaram atacar essa mulher e sua criança, e os agentes os protegeram, isso me deixou admirado, além da força deles. Isso me motivou a me alistar. – Eu diria, bastante orgulhoso de minha escolha. Assim que eu recebesse a outra bebida, eu recostaria minhas costas no encosto da cadeira, se isso me fosse possível, caso contrário, eu apenas me manteria ereto, e começaria a beber a cerveja com calma, sem dizer mais nada. Assim que terminasse de beber, eu levantar-me-ia e poria a(s) caneca(s) no balcão, e diria ao barman. - Obrigado pela bebida, este lindo tigrão lhe agradece. Quanto que ficou? – E eu pagaria a quantia que o mesmo me cobrasse, e em seguida, virar-me-ia para Yuri. - Vou sair daqui, dar uma volta por aí. Até mais tarde. – Eu diria para o mesmo, virando de costas e deixando minha mão direita levantada, em um cumprimento.

Depois de me despedir de meu companheiro, eu sairia do bar, com as mãos dentro dos bolsos da calça social, se a vestimenta tivesse, caso contrário poria ambas as mãos atrás do pescoço. Me sentindo confortável, eu começaria a caminhar, ainda deveria ser de tarde, por isso pararia um momento e olharia para cima, tentando ver se me era possível ver o sol, mesmo que estivesse sob nuvens, que poderiam expelir neve novamente. Independente do que acabasse observando no céu, eu voltaria a caminhar, bem devagar, afinal não tinha nada de urgente para fazer no momento. Lembrando-me de repente do que Garden disse para todos nós, de passar no Banco Mundial para pegarmos nossos salários, eu achei melhor ir logo resolver isso, para depois eu poder ficar livre. - Isso foi uma boa escolha, mas onde é que fica esse Banco Mundial? – Eu pensaria comigo mesmo, com a mão esquerdo sob meu queixo, quando eu lembrar-me-ia de perguntar para alguma outra pessoa que passava perto de mim.

- Olá, como vai? Espero que bem. Preciso que você dê uma informação para esse lindo tigre que está a sua frente. – Diria para quem quer que eu encontrasse, e se fosse uma mulher, eu piscaria para esta, enquanto passava a mão sobre minha cabeça. - Eu não sei aonde fica o Banco Mundial, pode me dizer aonde fica? – Eu continuaria se a pessoa aceitasse me dar a informação, caso contrário procuraria outra pessoa e repetiria o processo. Quando eu conseguisse a informação que precisava, eu acenaria a cabeça, confirmando que entendera o que me fora dito e agradeceria. - Muito obrigado. Eu lhe desejo um ótimo dia por ajudar um ser tão incrível quanto eu. – Eu daria de forma convencida meu agradecimento à pessoa que me ajudasse.

Tendo um caminho a seguir, eu o faria com uma caminhada apressada, pois eu queria resolver isso de uma vez, para poder fazer outra coisa, com mais calma. Assim que eu chegasse ao Banco Mundial, eu adentraria o mesmo de forma descontraída, os braços balançando ao lado do corpo, os passos largos e uma expressão levemente entediada. Se algum guarda viesse falar comigo o que eu queria ali, eu tiraria minha insígnia de dentro do meu terno e mostraria para o mesmo. - Sou um agente, e gostaria de retirar meu salário. – E esperaria que o mesmo me indicasse aonde ir, ou até mesmo me levasse até o local correto. Quando estivesse no local onde eu pudesse retirar meu salário, iria para a(o) atendente quando fosse minha vez. - Eu quero retirar meu salário como agente. Fiz duas missões hoje. – Eu mostraria minha insígnia para a(o) atendente antes de falar, para mostrar que eu estava falando a verdade.

Assim que eu recebesse a quantia pelas missões realizadas, eu retirar-me-ia do Banco e voltaria para as ruas, mas pouco antes de sair do estabelecimento uma ideia me veio à mente. - O que acontecerá se no meio de uma missão minha arma quebrar, e eu não puder voltar para o QG buscar uma nova? Eu poderia aprender a forjar, para que se isso acontecer eu possa forjar uma arma para mim em uma forja qualquer. – A ideia não me parecia ser absurda, mas eu não tinha ninguém em mente que pudesse me ensinar, mas foi quando minha mente voltaria a funcionar. - Será que no QG não tem ninguém que saiba isso? – A ideia me parecia boa, portanto eu me poria em movimento. Empolgado com a ideia de aprender a forjar, eu caminharia de forma rápida para o QG, mas procuraria não esbarrar nas pessoas, afinal dependendo de quem eu esbarrasse, a pessoa poderia sair bastante ferida. E quando eu chegasse no QG, procuraria por um marinheiro, e logo me encaminharia na direção do mesmo, um pouco mais rapidamente dessa vez, afinal não haviam mais pessoas para serem esbarradas, e a minha empolgação começaria a aumentar agora, já que minha ideia poderia já ser posta em prática.

- Ei, cara. Sabe me dizer se tem alguém aqui que forja armas? – Caso houvesse uma resposta negativa, eu procuraria outro marinheiro e assim por diante, até que eu obtivesse uma resposta positiva. Quando eu obtivesse uma resposta positiva, eu continuaria minha pergunta. - Pode me levar até essa pessoa? Estou querendo aprender a forjar. – Se o marinheiro me levasse até essa pessoa, ou me desse o caminho para encontrá-la, eu a agradeceria com um simples obrigado, já que minha empolgação não daria espaço para que eu me sentisse convencido. Quando eu encontrasse a pessoa que me fora indicada para que eu pudesse aprender a forjar, eu iria na direção desta. - Oi, me disseram que você é um(a) cara/mulher muito bom com forja. – Eu aproveitaria para elogiar a pessoa que poderia me ensinar a arte da forja, já que isso muitas vezes ajudava a deixar a pessoa de bom humor. - Eu estou querendo aprender a forjar, e gostaria de saber se você pode me ensinar. – Eu diria dessa vez de forma confiante, afinal acreditava que assim minhas chances de falhar eram menores. Se meu pedido fosse negado, eu perguntaria. - Mas por quê? – Eu não aceitaria um porque não como resposta, já que dependendo do motivo, eu poderia vir a procurar uma outra pessoa para me ensinar.





Histórico:
 

Objetivo:
 

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

Objetivos Futuros:
 
Voltar ao Topo Ir em baixo
Achiles
Pirata
Pirata
Achiles

Créditos : 38
Warn : Ascensão - Parte 1 - Página 6 10010
Masculino Data de inscrição : 01/09/2017
Localização : Loguetown - East Blue

Ascensão - Parte 1 - Página 6 Empty
MensagemAssunto: Re: Ascensão - Parte 1   Ascensão - Parte 1 - Página 6 EmptySeg 21 Maio 2018, 21:40



Ascensão
Parte 1


Yuri sentia a tristeza que aquela história havia com o tigre, seus olhos chegavam a brilhar como se estivesse a quase chorar, mas segurava o seu choro tomando mais da sua deliciosa cerveja, as únicas palavras que ele conseguia esboçar naquele momento era: - Eu sinto a sua tristeza… Não sei bem o que dizer, mas se o governo confia em você, eu confio. Não é muito comum eles aceitarem membros filhos de pirataria, mas eles viram algo em você. Acredite, eles sabem. – O barmen trazia mais uma das suas grandes canecas para a mão do mink. - Seu motivo é mais nobre que o meu, gosto disso em você. – Yuri não gaguejava, não sentia mais medo do grandalhão ao seu lado, Qiáng havia adquirido a sua confiança e sempre ter companheiros dos quais confiam é importante em mundo mais do que perigoso. Ambos não diziam mais nada a partir daquele momento, aproveitavam do momento, ouviam as risadas de fundo do bar e a doce música soando com uma melódia mais triste deixando o coração de ambos mais partidos. - Eu devo ir também. Até mais. – O valor de trinta mil berries eram pagos para o bartender que sorria, Yuri pagava a parte dele. Ambos seguiam em direção ao banco mundial com o nerd estranhado já que ambos deveriam ter seguido direções opostas. - Parece que nosso caminho é o mesmo, por enquanto. – Ele dava uma leve risada.

Não era necessário pedir informações, não demoravam muito para verem o estabelecimento com um grande letreiro escrito “Banco Mundial”. Assim como era esperado, um dos guardas vinham falar com ele, desarmando-o para poderem prosseguir e mostrando a direção com o indicador. Sem mais delongas, a recepcionista havia recebido instruções do tigre enquanto que Yuri havia de dizer o seu nome para que pudessem retirar. Ambos recebiam os sessenta mil devido as suas missões e partiam para ali. Era o momento de se separar após terem recebido suas armas de volta, enquanto que Yuri seguia um caminho oposto, Qiáng seguia em direção ao QG. Seu caminho era tranquilo, andava rápido tentando não esbarrar nas pessoas que costumavam se afastar ao ver o tamanho do tigre, seu terno e sua enorme naginata passando por eles. Alguns marinheiros olhavam curiosos para o mink, mas eles viam como estava trajado e reconheciam ele das vezes que passara por ali.

Hu conversava com a recepcionista perguntando sobre alguém e sua forja. - Nós temos um bom ferreiro, ele fica para lá, siga por aqui, vire a esquerda, direita e reto. – A mulher mostrava com as mãos as direções que deveria tomar. - Ele se chama Caio. – O caminho não era complicado de seguir, mas era na outra parte do QG totalmente oposta a qual entrava, o tigre estava um pouco embriagado devido as cervejas que tomara recentemente de maneira rápida e cansado depois de andar bastante pela cidade e da missão de mais cedo, mas não parecia ceder ao cansaço e encontrava a pessoa que fora indicado. - Bom com forja? Comigo mesmo. – Era um homem careca com bastante fuligem em suas roupas e avental branco, seu uniforme todo em branco e azul com um semblante sério em seu rosto. - Te ensinar?! Não será fácil! É bom que preste muita atenção, se deseja aprender! – Ele não parecia ser a pessoa mais amigável e era de cara de se lembrar de Garden, mas o homem estava disposto a ensiná-lo. A forja era completa dos mais variados metais, o calor emanado dali dentro era enorme e uma grande chaminé expulsava toda a fumaça gerada por diversos canos de metais, bigornas e fornalhas dos mais diversos tamanhos, moldes e bastante material para que trabalhassem. Caio não era o único ali, haviam pelo menos mais quatro marinheiros trabalhando pesado com o metal e fazendo de munição e facas para armas mais complexas.


Considerações:
 


____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Ficha na Sign
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Raiden Fuji
Narrador
Narrador
Raiden Fuji

Créditos : 26
Warn : Ascensão - Parte 1 - Página 6 7010
Masculino Data de inscrição : 17/09/2017
Idade : 25
Localização : Las Camp - West Blue

Ascensão - Parte 1 - Página 6 Empty
MensagemAssunto: Re: Ascensão - Parte 1   Ascensão - Parte 1 - Página 6 EmptyQua 23 Maio 2018, 22:48

Ascensão - Parte 1
The Lost
Qiáng Hu

Dano: 4 Acerto: 5 Pontaria: 0
Esquiva: 3 Bloqueio: 11 Resistência: 1
Percepção: 2 Manipulação: 0


Por sorte tive sucesso na minha procura por alguém que pudesse me ensinar sobre forja, o que viria a ser proveitoso para mim no futuro, afinal nunca se sabe quando uma situação de aperto poderia surgir, e eu não queria esperar que a mesma acontecesse para que eu tivesse que mudar, por isso começaria desde agora. Além de conseguir alguém para me ensinar a forja, ainda tive sorte de abordá-lo da forma correta, e consegui fazê-lo me ensinar a forjar, ato que me deixou imensamente feliz. - Isso!!! – Comemoraria intermante, mas não mostraria nenhuma outra expressão facial, além de um pequeno sorriso. Caio, o ferreiro do QG, disse-me que não seria fácil aprender o que tinha para me ensinar, mas isso não me era um obstáculo, tanto que eu diria ao mesmo logo em seguida. - Se eu fosse desistir por ser difícil, eu não seria tão incrível quanto eu sou agora. – Diria com uma pose arrogante, uma expressão de desdém enquanto minha mãos direita se poria na cintura.

Mas logo desfaria a expressão, já que não sabia se isso faria com que o ferreiro ficasse irado comigo. E depois disse vi que outras pessoas se encontravam na forja, onde muitos materiais se mantinhas ali, todos voltados para a produção de armamentos para a Marinha e o Governo. - Vamos lá. – Eu diria para o ferreiro bastante animado com a oportunidade de aprender algo novo.


~ Aprendizado de Perícia~





Vou editar depois Ascensão - Parte 1 - Página 6 3997999705


~Fim do Aprendizado de Perícia~





Com o fim do aprendizado, eu estaria bastante exausto, mas havia mais uma coisa na qual eu poderia ter mais conhecimento, o que poderia me ajudaria na hora de forjar armas, ou não. - Ei, Caio. Eu também estava precisando aprender um pouco sobre Mecânica. Tem alguma coisa por aqui que pode me ajudar? Eu pago o quanto for necessário. – Eu esperaria que a oferta tornasse mais fácil que o mesmo me entregasse algo que me ajudasse.

Se Caio recusasse a me ajudar com o novo aprendizado, eu ficaria um pouco entristecido, mas não desistiria do aprendizado, tanto que eu voltaria a falar com o mesmo. - Então o que eu posso fazer para você em troca do aprendizado? – E com isso eu esperaria que o ferreiro me dissesse algo que quisesse em troca de me ensinar sobre Mecânica, eu me ateria ao que me fosse dito, para que eu pudesse cumprir o pedido sem problemas. Tendo a confirmação do aprendizado, eu esperaria que Caio me dissesse ou me entregasse algo que me permitisse aprender sobre o assunto que eu almejava, já que isso poderia me ser importante para o futuro.

Se Caio continuasse a me negar a oportunidade de aprender sobre Mecânica, eu procuraria outra pessoa na forja e faria a mesma coisa, ofereceria primeiro dinheiro para aprender, e se isso não fosse possível, eu perguntaria se poderia fazer algo em troca para aprender sobre o assunto que eu desejava. Se ainda que perguntasse a todo ali, eu voltaria à área mais comum do QG e perguntaria para algum marinheiro de passagem por ali. - Ei cara. Você sabe me dizer se conhece alguém que tenha algum entendimento de Mecânica. – Eu esperaria por uma resposta por parte do mesmo, e se me indicasse a forja para procurar, eu lhe responderia. - Eu já fui lá, mas eles não aceitaram me ensinar. Se souber de outra pessoa, eu agradeceria.

E se não tivesse uma resposta positiva, eu procuraria por outra pessoa, e seguiria assim até que perguntasse para a maioria das pessoas do QG, inclusive Garden, Magni, Modi, Ellis ou Yuri. Se ainda assim não tivesse uma resposta positiva, eu sairia do Quertel e recomeçaria a fazer as perguntas, mas dessa vez as faria para as pessoas da rua. E quando eu obtivesse uma resposta positiva, eu diria a essa. - Este belíssimo tigre lhe agradece pela ajuda. – E eu daria um belo sorriso em resposta, e logo em seguida virar-me-ia na direção de onde pudesse encontrar essa pessoa, e quando a encontrasse refaria as propostas feitas para os ferreiros da Marinha.

Se eu tivesse sucesso em aprender sobre Mecânica, eu o faria onde recebesse o material de aprendizado, independente do lugar onde me encontrava. Demoraria o tempo que fosse necessário, mesmo que tivesse de ficar até o local fechar, e tivesse de ser expulso pelos funcionários. E assim que terminasse meu aprendizado, eu me encaminharia para o QG, bastante cansado, já que além do aprendizado de Mecânica, que provavelmente despenderia bastante tempo, eu tinha aprendido a forjar também, coisa que provavelmente seria ainda mais exaustiva do que o aprendizado de Mecânica. Com os passos lentos, eu me sentiria feliz, já que minhas costelas estariam quase que totalmente recuperadas, por isso, quando eu chegasse ao QG, eu perguntaria ao guarda que estaria de vigiando. - Boa tarde/noite. Eu sou o agente Qiáng Hu, estou precisando dormir no alojamento, sabe me dizer aonde fica? – Eu mostraria minha insígnia de admissão enquanto perguntasse ao mesmo, para poder me identificar com o marinheiro. Se este não soubesse me responder, ou não houvesse ninguém no portão, eu procuraria por um marinheiro dentro do QG e faria a pergunta supracitada.

Assim que obtivesse o caminho do alojamento, eu o seguiria para chegar ao local onde eu poderia dormir, mas não antes de soltar um Obrigado, cara!. Quando eu chegasse ao alojamento, eu procuraria por uma cama vazia, e deitar-me-ia na mesma, mas antes eu tiraria meu uniforme, e poria minha Naginata apoiada na parede, caso fosse uma cama normal, mas se fosse um beliche e eu estivesse na parte de cima, apoiaria minha arma na parede, só que ao lado da cama, para que a mesma não caísse em cima de ninguém, causando um acidente ou me perfurasse, se eu viesse a me mexer durante o sono. Para minha sorte, o cansaço estaria tão grande, que não me deixaria ter os pesadelos que já eram normais para mim.

Assim que eu acordasse, eu poria meu uniforme novamente e pegaria minha Naginata ao descer da cama. Iria ao banheiro e realizaria minhas higienes sem muita pressa, afinal não tinha nenhum comunicado de Garden para que eu tivesse que comparecer no seu escritório, mas o faria mesmo assim, pois não sabia se ele estaria precisando de mim. Assim que eu estivesse pronto, eu sairia do alojamento, eu me encaminharia ao escritório do meu superior, que a essa hora, eu já saberia o caminho para alcançá-lo. E assim que eu adentrasse o mesmo, logicamente após que eu batesse na porta, eu o adentraria sem pressa. - Está precisando de alguma coisa que eu possa ser útil? – Eu perguntaria ao mesmo, encarando-o de forma suave. - Eu sei que não pediu para que eu viesse aqui, mas achei que seria bom verificar se havia alguma coisa para fazer antes de tirar o dia de folga.

Eu esperaria que o mesmo dissesse-me alguma ordem, se fosse para realizar algo, eu me ateria a suas palavras, de forma que não tivesse dificuldade a compreender e realizar o que me seria pedido, e se Garden me liberasse, eu menearia a cabeça, positivamente, e retirar-me-ia do local. Se estivesse com o dia de folga, eu iria até a ala médica, onde eu já saberia o caminho por ter ido ali pelo menos três vezes, e assim que eu chegasse ao local, eu perguntaria para a primeira pessoa que eu visse. - Sabe me dizer aonde está a agente Ellis? – Esperaria que a resposta que recebesse fosse objetiva, para que assim eu não tivesse de refazer a pergunta a outras pessoas, mas se me fosse necessário, eu o faria, pois queria saber como estaria o estado dela. Se ela ainda estivesse na ala médica, eu me dirigiria até onde a mesma estaria.

- Bom dia. Parece que você ainda não se recuperou. – Eu diria de forma observatória, o que provavelmente me faria receber uma resposta irônica, esta que eu não ligaria muito, e continuaria a falar, tendo recebido a resposta ou não. - Me desculpe ter feito você se esforçar mais do que deveria para achar o mecânico, eu esqueci de falar com o Yuri. – Eu me sentiria culpado com aquela situação, e tentaria demonstrar isso através das minhas palavras. - Eu ainda não sei como está seu estado, mas quer comer alguma coisa comigo? – Eu perguntaria sem muitos rodeios. Se recebesse uma resposta negativa, eu daria de ombros e lhe diria em seguida. - Tudo bem, descanse enquanto isso. Estive mais cedo no escritório de Garden, ele nos deu folga hoje aproveite para descansar. – Eu diria para a mesma, e virar-me-ia para sair dali.

Mas se ela aceitasse vir comigo, eu esperaria fora da maca dela, que ela se aprontasse, e assim que estivesse pronta para sairmos dali, eu perguntar-lhe-ia. - Consegue andar sozinha? – Se sim, eu não ligaria, mas se a mesma estivesse necessitando, eu a abraçaria durante a caminhada para aliviar o peso de seu corpo, mas se nem isso fosse suficiente, eu pegaria uma cadeira de rodas com um(a) enfermeiro(a), e assim a levaria para fora do QG. Assim que saíssemos dali, eu perguntaria à azulada. - Sabe onde tem uma lanchonete ou algo do tipo para comermos? – Se ela não soubesse, eu refaria a pergunta a uma pessoa qualquer que estivesse passando por ali. Assim que chegássemos ao estabelecimento, eu diria à Ellis. - Pegue o que quiser, eu pago. – E esperaria que ela fizesse o pedido, para fazer o meu logo em seguida. - Bom dia, eu quero um suco de laranja (Dat Beard) e um sanduíche que vocês tiverem aí, pode ser de qualquer coisa. – E depois que fizéssemos os pedidos, eu perguntaria para mesma, como eu fizera com Yuri no dia anterior. - Fale-me mais sobre você. É muito estranho eu não saber nada sobre meus companheiros. – Eu diria de forma descontraída.
– E esperaria que a mesma começasse a responder, e se durante isso os nossos pedidos chegassem, eu comeria o meu calmamente enquanto escutava minha colega.

[/color]



Histórico:
 

Objetivo:
 

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

Objetivos Futuros:
 
Voltar ao Topo Ir em baixo
Achiles
Pirata
Pirata
Achiles

Créditos : 38
Warn : Ascensão - Parte 1 - Página 6 10010
Masculino Data de inscrição : 01/09/2017
Localização : Loguetown - East Blue

Ascensão - Parte 1 - Página 6 Empty
MensagemAssunto: Re: Ascensão - Parte 1   Ascensão - Parte 1 - Página 6 EmptyQui 24 Maio 2018, 01:00



Ascensão
Parte 1


Caio não gostava daquela atitude de convencido que o tigre havia, mas parecia ainda sim querer ensiná-lo e não poupava esforços para aquilo, um bom tempo se passava desde que os dois começavam a praticar as artes da forja e todas as suas características. Tendo o tempo passado, Qiáng ainda não parecia esgotado de conhecimento, queria aprender cada vez mais sobre as coisas relacionadas naquela arte de ferreiro e agora perguntava mais sobre Mecânica, oferecendo a pagar pelo conhecimento. - Ensiná-lo mais?! Você só pode estar de brincadeira comigo! Acha que eu tenho tanto tempo assim?! – Ele estava visivelmente irritado, já havia passado tempo o suficiente com aquele mink e estava cada vez pensando mais em como queria colocar a cabeça dele em uma daquelas fornalhas, mas independente daquilo, era um professor e mestre naquela área e sabia que uma de suas funções na marinha era ensinar os mais novos, não podia fugir disso. - Meu tempo vale dinheiro, volte amanhã com quinhentos mil(500.000) berries e lhe ensinarei mais sobre a mecânica. – Cobrando um certo valor por aquele conhecimento, parecia ser agradável para Hu, mesmo que tivesse que voltar depois que passasse um tempo.

As costelas de Qiáng tinham tido uma melhora significativa do qual não sentia nada além de uma pontada ali ou lá, mas de qualquer forma, não o impedia de realizar qualquer atividade física que fosse exigir daquela parte do corpo. Seguindo pelo corredor encontrou um dos guardas fazendo a ronda pelo quartel e lhe perguntou para onde ficava os dormitórios e o mesmo lhe explicou as direções que deveriam ser tomadas. Um lance de escadas e estava em uma das grandes salas cheias de camas e homens deitados, as luzes estavam bem fracas naquela parte deixando apenas o corredor longo dividindo as camas e o espaço entre elas iluminados, encontrando uma das camas de solteiro vazia, prosseguia retirando o seu uniforme e deixando a sua arma próxima, os pesadelos contínuos que haviam, não lhe atormentavam nesta noite, o que era de bom grado para Hu que não havia de acordar assustado.

Era manhã quando acordava, o dia havia passado rápido e o agente já se arrumava e fazia todas as suas necessidades assim que acordava, haviam marinheiros e outros agentes passeando pelos corredores, alguns fazendo tarefas e outros apenas pelo simples fato de terem que passar por ali. Quase como uma obrigação mesmo sem ter algum comunicado de Garden, prosseguiu para o seu escritório onde o encontrou vazio, parecia que seu superior ainda não havia chego. Sua próxima localização era a enfermaria, perguntando sobre a agente Ellis para uma das enfermeiras, a mesma indicava que a garota de cabelos azuis estava deitada. Ela parecia estar melhor, mesmo estando em uma das macas, ao ver o grande tigre lhe procurando, a garota estranhava tal ação. - Bom dia, estou melhor hoje. Não tem problemas, estávamos em uma missão e você confiou em mim para tal ação, fico grata. – Ela exibia um sorriso meio torto de quem sentia vergonha de ainda estar ferida vendo que o mink já havia se recuperado por completo. - Podemos ir comer alguma coisa no refeitório do QG. – Ellis já estava pronta para prosseguir junto com o grandalhão, estava vestida com o seu terno usual, mas este estava limpo mostrando que já havia se trocado. - Consigo andar sozinha, obrigada. – Mesmo que parecia sentir dor e colocar uma de suas mãos em seu ferimento, ela não aceitava a ajuda de Qiáng.  

Ambos não saiam do QG, permanecendo naquele local, mas indo até o refeitório. - Pagar?! – Ela ria. - Mas a comida é de graça para nós. – Os pedidos eram feitos e ambos eram iguais, recebendo-os de imediato em uma bandeja e se encaminhando para uma das mesas de metais que haviam por ali. O refeitório era como qualquer outro ambiente do quartel, com a mesma temática da marinha de branco e azul, o lugar estava cheio de outros marinheiros e agentes tomando o seu café da manhã e aproveitando a refeição mais importante do dia, antes de comerem, Qiáng perguntava mais sobre a garota. - Eu sou daqui. Filha de um marinheiro, meu pai sempre me ensinou como combater e eu acabei sempre me metendo em encrencas, lutando sozinha para sair delas e meu pai me ensinou a ser forte. Mesmo ele sendo um marinheiro, decidi tomar um rumo diferente e vim servir para o governo mundial. – Ela comia um pedaço do seu lanche. - Provarei o meu valor assim como meu pai faz todo os dias servindo a marinha. Infelizmente ele não está mais nos blues para ver o meu sucesso, mas irei até ele na Grand Line. E você?! Quem é Qiáng Hu?! – A pergunta era feita com um tom de felicidade, ela parecia gostar de dizer aquilo e despertava uma curiosidade sobre o mink. O clima estava tranquilo, na média entre o frio e calor. Neve caia do lado de fora, mas não afetavam os protegidos com um bom calor que fazia dentro do quartel.


Considerações:
 


____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Ficha na Sign
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Raiden Fuji
Narrador
Narrador
Raiden Fuji

Créditos : 26
Warn : Ascensão - Parte 1 - Página 6 7010
Masculino Data de inscrição : 17/09/2017
Idade : 25
Localização : Las Camp - West Blue

Ascensão - Parte 1 - Página 6 Empty
MensagemAssunto: Re: Ascensão - Parte 1   Ascensão - Parte 1 - Página 6 EmptyQui 24 Maio 2018, 13:58

Ascensão - Parte 1
The Lost
Qiáng Hu

Dano: 4 Acerto: 5 Pontaria: 0
Esquiva: 3 Bloqueio: 11 Resistência: 1
Percepção: 2 Manipulação: 0


Mesmo tendo dado algumas mancadas na hora de ir com Ellis até o refeitório, tudo transcorreu tranquilamente, apesar de eu perceber que a azulada ainda estava ferida, e sentia um pouco de dor ao andar, mas ela se mostrava orgulhosa demais para aceitar minha ajuda para andar sozinha. Ao chegarmos ao refeitório, acabei por rolar os olhos, afinal já estava ficando de saco cheio de ver as paredes azuis e brancas aonde quer que eu fosse. - Mas que coisa, será que não dá pra variar um pouco? – Eu pensaria me sentindo incomodado pela pintura excessiva no local, mas logo tive de mudar isso. Acabei me oferecendo para pagar para Ellis, mas ela riu e disse que tudo era de graça para nós, eu coraria de vergonha com a mancada que havia dado. - Eu já sabia disso. Era só para descontrair um pouco. – Diria com um tom convencido.

Depois disso pegamos nossos pedidos, que eram iguais, e nos sentamos em uma das mesas que haviam por ali. Enquanto comíamos, ela me respondia, dizendo um pouco sobre si, era filha de um marinheiro de Loguetown, mas acabara escolhendo o Governo Mundial para tomar um rumo diferente, para provar seu valor para seu pai, o homem que lhe ensinara a ser forte, sendo que o mesmo se encontrava na GL. Fiquei admirado com sua convicção de que atingiria seus objetivos., mas em seguida ela perguntou de mim, e fechou com uma pergunta que achei engraçada. - Quem é Qiáng Hu?

A primeira coisa que eu faria após a pergunta, seria dar minha risada estranha. - Kiriririririr. – E isso provavelmente a deixaria com uma expressão estranha, ou até chamaria a atenção de outros marinheiros e/ou agentes, mas eu não ligaria para nada disso. - Eu achei bem engraçada essa sua pergunta, mas vamos lá. Qiáng Hu sou eu, um belo espécime de Mink tigre branco, algo bem raro na nossa espécie, e pelo que meus pais disseram-me, os Minks como eu são destinados a terem um futuro grandioso, independente do que escolham fazer, mas eu acho isso uma baboseira, afinal somos nós que fazemos nosso destino, eu não acredito em um futuro já escolhido para mim, se eu vou ter sucesso ou fracasso vai depender de mim e das minhas escolhas, e não porque esse era o meu destino. – Eu diria de forma convicta, para depois trocar de assunto. - Mas deixando isso um pouco de lado, eu vou te dizer, um pouco sobre meu passado. – E com isso eu me aproximaria de Ellis. - Eu nasci em um barco pirata, meus dois eram piratas, meu pai o capitão e minha mãe a imediata. – Eu sussurraria para ela, afinal não sabia o que poderia acontecer se outros ali escutassem isso. - Mas não se preocupe com isso, não pretendo seguir os passos deles, tanto que estou aqui no Governo Mundial. - Eu diria de forma a apaziguar uma possível confusão, afinal a azulada era filha de um Marinheiro, e eu, de dois piratas, um acaso bastante confuso.

- Voltando a minha história, eu cresci com meus pais e seu bando pirata, ficamos mais de dez anos vagando pelos mares, até ancorarmos em uma ilha bastante peculiar, onde eu fiquei treinando por bastante tempo, e nessa ilha meus pais morreram, junto com sua tripulação. – Eu diria, abaixando a cabeça. Mesmo tendo se passado muito tempo, a tristeza ainda invadia meu corpo, quando eu lembrava da morte de meus pais. - Enfim, meus motivos de entrar no Governo são um pouco diferentes do normal. Eu só quero ter poder para proteger as pessoas que me são queridas. E quando eu vim para Loguetown, eu vi dois agentes protegendo uma nobre com um filho de colo de umas pessoas. Isso me deixou puto, porque não me interessa seu histórico ou coisas do tipo, eu jamais vou deixar uma fêmea com um filhote ou que esteja grávida morrer pelas mãos de pessoas que deixam o ódio consumi-las. – Eu diria de forma convicta.

Depois disso, eu terminaria de comer meu café da manhã, e esperaria que Ellis fizesse o mesmo. Assim que terminássemos de comer, eu virar-me-ia para a azulada e diria. - Quer que eu te leve de volta para a enfermaria? – Se a mesma aceitasse meu pedido, eu caminharia ao lado desta, acompanhando seu ritmo, já que por ainda estar ferida, Ellis não se moveria tão rápido, assim que nós chegássemos à enfermaria diria à mesma. - Está entregue. – E com um pequeno sorriso, me retiraria do local. Caso a mesma preferisse ir sozinha, eu me despediria da mesma com um Até mais. – E sairia do refeitório.

Assim que voltasse à área comum do QG, eu logo caminharia para a forja, afinal estava ansioso pelo aprendizado de Mecânica, e assim que chegasse ao local, procuraria por Caio, e logo que o encontrasse, iria até o mesmo. - Bom dia Caio. O que tem para esse belo tigrão? – Diria, e ao mesmo tempo, tiraria a quantia requerida pelo mesmo no dia anterior, 500.000 Berries. - Aqui está o dinheiro, agora me ensine, por favor. – E após isso, esperaria que o mesmo me desse o material para o aprendizado de Mecânica. Se não encontrasse Caio de primeira, eu esperaria no local até que o mesmo aparecesse, e então eu faria a abordagem da mesma forma que o faria caso o encontrasse rapidamente.


~ Compra de Perícia


Assim que meu aprendizado se desse por encerrado, eu agradeceria Caio com um simples Obrigado!, e retira-me-ia da forja. Como Garden ainda não havia chego quando fui a seu escritório mais cedo, decidi que iria ao local primeiro, para ver se o mesmo precisava de mim para algo, e assim eu começaria minha caminhada para o local no qual eu já havia ido muitas vezes.

Assim que chegasse ao escritório, eu adentraria o mesmo, sem muitas cerimônias, e falaria com Garden, caso o mesmo estivesse lá. - Bom dia Garden. Está precisando de mim para alguma coisa? – Se o mesmo me perguntasse do porquê de eu estar ali, eu o responderia levemente confuso. - Como você não disse se era para passar aqui ou não, achei melhor ver por precaução. É melhor do que deixar de comparecer por não ser avisado, não concorda? – Eu diria, e no final, daria um riso anasalado. Se o mesmo me desse algo para fazer, eu me ateria ao que me fosse dito, para que eu cumprisse sem perder tempo ficando parado à toa, mas se o mesmo me dispensasse por não ter nada, eu sairia do escritório, e posteriormente do QG.

Assim que eu saísse do QG, não teria nada para fazer, mas, de repente, um pensamento me veio à mente. - Eu estou sem nada para fazer, então por quê não conhecer um pouco mais da ilha. – E com algo para fazer, eu abordaria uma pessoa que estivesse passando perto de mim. - Bom dia, eu sou novo em Loguetown, então estava querendo conhecer um pouco mais sobre a cidade, sabe me dizer aonde eu posso comprar um mapa? – Se a pessoa me indicasse uma loja, eu iria até a mesma rapidamente, pois estava ansioso para conhecer mais sobre o local aonde eu estaria por um tempo. - Bom dia, estou querendo comprar um mapa da ilha, quanto custa um? – E esperaria que o(a) vendedor(a) me dissesse o preço, mas independente do valor, eu compraria o mapa, pois estava precisando. - Aqui está. – Diria, e entregaria o valor pedido pelo(a) vendedor(a). Se a pessoa que eu abordasse não soubesse me dizer aonde eu poderia encontrar um mapa, eu refaria a pergunta para outra pessoa, e assim suscetivamente, até ter uma resposta concreta.

Quando eu finalmente tivesse o mapa em mãos, eu o abriria e começaria a olhar, enquanto pensaria. - Por onde será que eu começo?





Histórico:
 

Objetivo:
 

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

Objetivos Futuros:
 
Voltar ao Topo Ir em baixo
Achiles
Pirata
Pirata
Achiles

Créditos : 38
Warn : Ascensão - Parte 1 - Página 6 10010
Masculino Data de inscrição : 01/09/2017
Localização : Loguetown - East Blue

Ascensão - Parte 1 - Página 6 Empty
MensagemAssunto: Re: Ascensão - Parte 1   Ascensão - Parte 1 - Página 6 EmptySex 25 Maio 2018, 14:52



Ascensão
Parte 1


Ellis ouvia atentamente as palavras do convencido tigre e sua risada mais do que estranha, mas independente disso, não provocava uma expressão de estranheza diante dele, para ela, era como se fosse uma velha risada comum. O tigre começava a contar sobre si mesmo, mas em meio as suas palavras, parecia sempre desviar para algum lado não focando totalmente em si mesmo, ela parecia um tanto surpresa quando ouvia que os pais dele eram piratas. - Você é filho de piratas e o governo te deixou entrar tranquilamente? – Ela parecia não entender muito bem o por quê. - O governo sabe disso, eles sempre avaliam e verificam a história de qualquer recruta deles. – Era algo em que ela acreditava plenamente, ambos não pareciam atrair a atenção de ninguém. A história continuava e ela ficava um pouco sentida com as mortes dos pais de Hu, mas apoiava os seus motivos para virar um agente do governo. - Entendo... – Ambos comiam e o clima continuava meio estranho devido ao tom triste que a história de Qiáng havia. Ao terem terminado, ambos se despediam vendo que Ellis não precisava de ajuda até a enfermaria, prosseguindo sozinha enquanto que o Tigre começava a ir em direção a forja do quartel procurando por Caio.

O ferreiro olhava para o mink entrando pela porta e após um bom dia de ambos, Qiáng entregava o valor pedido anteriormente. - Ótimo! Aprenderá sobre mecânica hoje. – E o treinamento para o conhecimento começava, usando das ferramentas da oficina para que conseguisse entender o valor de cada coisa, de como consertar, realinhar e entre outras funções das quais aquele tópico em si havia. Algumas horas haviam passado desde o começo do aprendizado e Hu seguia em direção a sala de Garden, encontrando-o arrumando alguns papéis em sua mesa. - Hoje não tenho nada. Vejo que está melhor. Volte amanhã com o trio inteiro às três horas da tarde, terá uma missão importante para realizar. – O rabugento estava calmo naquela parte do dia e sem mais nada a realizar dentro do QG, o tigre saia.

Sem nada para fazer, era hora de conhecer melhor sobre a ilha e comprar um mapa que te ajudasse nesse quesito, não sabendo onde poderia encontrar uma loja, perguntava para um cidadão próximo que ficava curioso sobre o tigre. - Siga naquela direção, há um centro turístico. – Ele apontava para um estabelecimento próximo do qual tinha um letreiro chamado “Apple” e algumas imagens de Zeppelim, ao entrar, via uma placa dizendo: “O zeppelim está localizado no sul da ilha, este estabelecimento serve para locais turísticos de Loguetown e compras de bilhetes”.

A balconista lhe atendia e retirava da parte de baixo do balcão um pergaminho rico de conteúdo exemplificando com perfeição a ilha de Loguetown. - [b]Cem mil berries, senhor.[b] – Ela sorria para ele que retirava o seu dinheiro do bolso e pagava a moça, recebendo o pergaminho em suas mãos. Ao sair do estabelecimento e olhar diretamente para o mapa, conseguia ver diversos locais dos quais poderia possuir interesse. Mais ao norte, via o desenho do Quartel General, explicado no guia de legendas na extrema direita-sul do mapa. Conseguia ver o banco mundial onde havia passado, uma grande loja de armas do qual possuía um símbolo uma espada, um machado e um rifle cruzados por trás de um escudo, um lugar com símbolo vermelho chamado “Red Pub” onde parecia ser um grande bar, uma grande empresa chamada “Lich Corp” e como estava exemplificado na entrada da estação Apple, o Zeppelim no sul da ilha. Além de todas essas construções, estavam localizado parques, praias e outros lugares de interesses.


Considerações:
 


____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Ficha na Sign
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Conteúdo patrocinado




Ascensão - Parte 1 - Página 6 Empty
MensagemAssunto: Re: Ascensão - Parte 1   Ascensão - Parte 1 - Página 6 Empty

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
Ascensão - Parte 1
Voltar ao Topo 
Página 6 de 6Ir à página : Anterior  1, 2, 3, 4, 5, 6

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
One Piece RPG :: Oceanos :: East Blue :: Conomi Island-
Ir para: