One Piece RPG
[MINI-Ivar] O espírito da nobreza XwqZD3u


One Piece RPG : A GRANDE ERA DOS PIRATAS
 
FAQCalendárioInícioBuscarMembrosGruposRegistrar-seConectar-se
Últimos assuntos
» [Ficha] Hakuho
[MINI-Ivar] O espírito da nobreza Emptypor Van Hoje à(s) 13:42

» [Mini - Lind] Testando novas águas
[MINI-Ivar] O espírito da nobreza Emptypor Roy Collins Hoje à(s) 13:37

» [Mini - Chikara] - Vamos para algum lado ?
[MINI-Ivar] O espírito da nobreza Emptypor Roy Collins Hoje à(s) 13:02

» [Mini Shelvinho] O Início da Lenda
[MINI-Ivar] O espírito da nobreza Emptypor Khrono Hoje à(s) 12:44

» [Ficha] Song Jun Wang
[MINI-Ivar] O espírito da nobreza Emptypor Visastre Hoje à(s) 00:53

» [Mini - Inim] O errante
[MINI-Ivar] O espírito da nobreza Emptypor Khrono Ontem à(s) 23:25

» [Ficha] Miyamoto Ryuma
[MINI-Ivar] O espírito da nobreza Emptypor Miyamoto Ontem à(s) 22:52

» [Mini - Van] Seguindo conselhos
[MINI-Ivar] O espírito da nobreza Emptypor GM.Hisoka Ontem à(s) 21:12

» [MINI-*JAUM11*] *O INÍCIO*
[MINI-Ivar] O espírito da nobreza Emptypor Fanalis B. Ria Ontem à(s) 20:19

» Anitha Degar
[MINI-Ivar] O espírito da nobreza Emptypor Degar Ontem à(s) 19:34

» [Ficha] Boney Pepino
[MINI-Ivar] O espírito da nobreza Emptypor Pepino, o Breve Ontem à(s) 14:44

» Alipheese Fateburn
[MINI-Ivar] O espírito da nobreza Emptypor GM.Alipheese Ontem à(s) 13:46

» [Kit - Gyro Zeppeli] Blum vai pegar
[MINI-Ivar] O espírito da nobreza Emptypor Blum Ontem à(s) 13:25

» Ficha~Pierce~
[MINI-Ivar] O espírito da nobreza Emptypor Pierce Ontem à(s) 09:58

» [Mini - Kyoki] Uma Jornada Inesperada.
[MINI-Ivar] O espírito da nobreza Emptypor GM.Hisoka Ontem à(s) 02:20

» [Ficha] Violet
[MINI-Ivar] O espírito da nobreza Emptypor Nana. Dom 21 Jul 2019, 22:17

» [Mini-SWGSwordWarrior]O Começo
[MINI-Ivar] O espírito da nobreza Emptypor Khrono Dom 21 Jul 2019, 21:56

» [MINI - Gust ] O Início do fim
[MINI-Ivar] O espírito da nobreza Emptypor ReiDelas Dom 21 Jul 2019, 21:00

» [MINI - Pepino, o Breve] Rascunho
[MINI-Ivar] O espírito da nobreza Emptypor ReiDelas Dom 21 Jul 2019, 20:54

» Maya Snow
[MINI-Ivar] O espírito da nobreza Emptypor ADM.Hoyu Dom 21 Jul 2019, 20:14



------------
- NOSSO BANNER-

------------

Naruto AkatsukiPokémon Mythology RPG

Conheça o Fórum NSSantuário RPG
Erilea RegionRPG V Portugal
The Blood OlympusPercy Jackson RPG BR
A Song of Ice and Fire

------------

:: Topsites Zonkos - [Zks] ::


Compartilhe
 

 [MINI-Ivar] O espírito da nobreza

Ir em baixo 
Ir à página : 1, 2  Seguinte
AutorMensagem
Ivar
Membro
Membro
Ivar

Créditos : 6
Warn : [MINI-Ivar] O espírito da nobreza 10010
Masculino Data de inscrição : 14/02/2017
Idade : 21

[MINI-Ivar] O espírito da nobreza Empty
MensagemAssunto: [MINI-Ivar] O espírito da nobreza   [MINI-Ivar] O espírito da nobreza EmptyTer 03 Abr 2018, 12:52

Nome: Edmund Lucius Britain
Idade: 18
Sexo: Masculino
Raça: Humano
Tamanho: 1,76 m
Estilo de Combate: Espadachim
Localização: East Blue - Loguetown
Grupo: Civil
Vantagens: Ambidestro
Desvantagens: -x-
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Skyblazer
Soldado
Soldado
Skyblazer

Créditos : 13
Warn : [MINI-Ivar] O espírito da nobreza 10010
Masculino Data de inscrição : 28/04/2014
Idade : 28
Localização : Lvneel - North Blue

[MINI-Ivar] O espírito da nobreza Empty
MensagemAssunto: Re: [MINI-Ivar] O espírito da nobreza   [MINI-Ivar] O espírito da nobreza EmptySex 06 Abr 2018, 22:20

~Mini-Aventura APROVADA~


Olá, seja bem-vindo ao OPRPG!!

Eu sou um Orientador, minha função é lhe ajudar a se adaptar neste universo do OPRPG.

Sendo assim irei lhe orientar de todas as formas possíveis, a partir de dicas no decorrer desta Mini-Aventura. Como esse fórum é bem complexo em suas regras, também irei tentar responder suas dúvidas, por isso, no menu de navegação (parte superior do site) existe um link M.P. O mesmo corresponde às mensagens privadas. Lá você poderá, em qualquer momento que achar necessário, me enviar dúvidas de como prosseguir no jogo; ou pode entrar no seguinte link: https://www.onepiecerpg.com/f3-duvidas-criticas-e-sugestoes , e criar um tópico para algum membro da Staff responder; mas caso tenha dúvidas durante a Mini, pode colocar em "off" no próprio post.

Sim... Vamos ao que importa?

Abaixo seguirão algumas dicas para que leia antes de criar seu primeiro post.

DICAS:


  • Lembre-se que você apenas narra as ações de seu personagem, seu personagem nunca FAZ ele sempre TENTA e também demonstre desde o 1º post qual o seu objetivo na aventura.
  • O ambiente que você se encontra, NPC's e todo o resto que compõe sua aventura, quem cuidará disso sera seu narrador.
  • As mini-aventuras servem para corrigir seus erros na narração durante a aventura e também formas melhores de deixar sua narração mais interessante.
  • Caso a Mini-Aventura fique sem post durante 5 dias por parte do player, a mesma será cancelada.


O 1º post é seu e eu serei o seu Orientador.

____________________________________________________


Ficha | Aventura
[MINI-Ivar] O espírito da nobreza FcTJa9C
Aqui é Divine Tools, pô!!!:
 

Never Forget!:
 

ஜ۩۞۩ஜ
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Ivar
Membro
Membro
Ivar

Créditos : 6
Warn : [MINI-Ivar] O espírito da nobreza 10010
Masculino Data de inscrição : 14/02/2017
Idade : 21

[MINI-Ivar] O espírito da nobreza Empty
MensagemAssunto: Re: [MINI-Ivar] O espírito da nobreza   [MINI-Ivar] O espírito da nobreza EmptySex 06 Abr 2018, 22:31

Cap I

"Os raios de sol transpassavam o tecido fino da cortina da janela, dando cor e vida de pouco em pouco ao quarto bem arrumado e ornamentado. Mais um dia havia chegado. Pontualmente acordara, como de costume. Levantou-se ainda sonolento, à passadas tímidas dirigiu-se ao banheiro em seu quarto, parado em frente ao espelho, notou em seu olhar que estava embriagado de sono, logo, decidiu banhar-se. Mais animado após a ducha, percorreu o quarto até seu guarda roupa, buscando suas vestimentas. Vestiu-se e deixou o quarto.

Caminhando pelo enorme corredor repleto de portas, pensamentos lhe corriam. "Como de praxe, nenhuma alma viva para me dar um sorridente bom dia. Mas eu compreendo, já estou com dezoito anos, não preciso mais de mimos, já sei o significado de independência. Me será de grande valor quando eu finalmente bater as asas. Devo tudo isto a meu tutor.". Apertando o passo, chegara ao fim do corredor, para deparar-se com mais corredores e mais portas. "Me pergunto se conheço todos os cômodos desta casa, se é que posso chamá-la disso.". Retrucou para si mesmo. Voltou-se para a caminhada, mas parecia que não haveria um fim, algo lhe inquietava o couro cabeludo, era como se já tivesse vivenciado aquilo. Desesperou-se em meio ao labirinto sem fim, ofegante em correria, com a visão embranquecendo... "

Acordou de súbito, compreendendo a situação. "Novamente este pesadelo, meu tutor me dissera que é por conta do medo, o medo de ser um membro desta família. Ele deve ter razão. O próprio, meu prestável mordomo, já deve estar a me esperar.". Edmund Lucius Britain, um nome nobre carregado de força, o rapaz haveria de honrá-lo nos campos da justiça e do auxilio ao próximo.

Repetiria o começo de seu desagradável sonho, como um diabólico dejavu, mas desta vez não teria um labirinto sem fim, assim esperaria. Iria ao encontro de seu fiel tutor, haveria de ter mais lições a aprender, neste dia em especifico, na arte de manusear a espada. "Ele deve estar no lugar de sempre. Talvez não. Irei encontrá-lo.".

Com avidez, o rapaz de fisionomia esbelta, olhos e cabelos castanhos, iria a procura do responsável por sua tutela, buscando pelos cômodos que tivesse acesso e que seriam mais prováveis, conforme imaginava. "Ele poderia estar na cozinha, ainda é bem cedo.". Partiria convicto, mas já imaginando outras possíveis opções para a sua banal busca.

____________________________________________________

Ivar, filho de Freya
Legendas:
"Flashback/Sonho"
"Pensamentos"
-Fala
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Skyblazer
Soldado
Soldado
Skyblazer

Créditos : 13
Warn : [MINI-Ivar] O espírito da nobreza 10010
Masculino Data de inscrição : 28/04/2014
Idade : 28
Localização : Lvneel - North Blue

[MINI-Ivar] O espírito da nobreza Empty
MensagemAssunto: Re: [MINI-Ivar] O espírito da nobreza   [MINI-Ivar] O espírito da nobreza EmptyDom 08 Abr 2018, 13:35


Orientação - Fase 01 - Interação e diálogo!

Edmund acordava, após um sonho não muito agradável e uma noite de descanso que, sinceramente, quase não serviu para descansar. Por um motivo que apenas ele conhecia bem; quanto mais ele se aproximava a maioridade, mais e mais sonhos icônicos como este aconteciam – E agora que já a havia atingido, eles eram praticamente diários em sua rotina de descanso, ou melhor, que deveria ser de descanso.

Lá fora, pela janela, o sol entra faceiro e forte. Sombras são criadas dentro da casa projetando sombras dos mais diversos tipos, formas e tamanhos. Deveria ser algo entre 06 e 07 horas da manhã. Mesmo vasculhando cada canto, não encontrou ninguém. Quando decidiu desistir de sua busca e ir comer algo na cozinha, encontra um simples bilhete dobrado por cima da mesa; preso à esta por um peso de papel na forma de um pequeno navio. Ao lado, havia uma tigela com frutas e café quente repousando ali. O bilhete dizia:

Jovem Edmund, quando acordar, preciso que venha se encontrar comigo no campo de trigo na plantação a oeste da cidade. Tome um café reforçado, você vai precisar.

Att, Seu tutor


Aquilo era, para dizer o mínimo dos mínimos, enigmático. Edmund sabia aonde ficava a saída oeste da zona urbana de Loguetown; mas nunca havia explorado por lá e não tinha informações exatas de onde isso ficava. Nada, claro, que não pudesse ser resolvido com um pedido de informação. O grande problema não era, de fato, encontrar o lugar em si; mas, sim, entender – Por que seu tutor precisava falar com ele lá? Que assunto era este que precisava ser tratado e lidado tão longe da parte civilizada da ilha? Um comichão de curiosidade surgiu e atingiu nosso herói em cheio, e suas ações iriam determinar o quão rápido ele poderia se livrar dele.

Para sair, o jovem poderia se preparar; mesmo não tendo muito. Ele contava com algumas moedas de berri, suas duas espadas leais e fiéis, e um cantil que podia conter ali cerca de 1 litro de água. Se decidisse partir imediatamente após se aprontar, o cenário que o espadachim encontraria seria sua rua já conhecida, repleta de feirantes e vendedores – Isto acontecia pois morava numa região central da cidade do começo e do fim. As tendas tapavam quase que qualquer espaço para andar ali, e os mercadores gritavam seus preços e ofertas a volumes quase ensurdecedores. Uma verdadeira algazarra!

Haviam ali todos os tipos de pessoa. Compradores, mercadores, mendigos sentados ao chão com uma mão estendida, crianças e mães debatendo entre si... Mas uma figura, em si, chamou a atenção do nosso rapaz. Era um senhor de idade, de costas curvadas e que andava apoiando-se numa bengala. Aquele senhor já havia, com certeza, aparecido em algum dos sonhos de Edmund! Era um tipo de sinal, ou apenas um Déja vu?
Bom, só havia uma maneira de descobrir.



Dicas e observações:
 

____________________________________________________


Ficha | Aventura
[MINI-Ivar] O espírito da nobreza FcTJa9C
Aqui é Divine Tools, pô!!!:
 

Never Forget!:
 

ஜ۩۞۩ஜ
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Ivar
Membro
Membro
Ivar

Créditos : 6
Warn : [MINI-Ivar] O espírito da nobreza 10010
Masculino Data de inscrição : 14/02/2017
Idade : 21

[MINI-Ivar] O espírito da nobreza Empty
MensagemAssunto: Re: [MINI-Ivar] O espírito da nobreza   [MINI-Ivar] O espírito da nobreza EmptySeg 09 Abr 2018, 18:25

Cap II

A cada passo, as sombras dançavam pelo casarão, numa diabólica valsa da luz do sol com as trevas. "Esta casa as vezes me assusta". Edmund ia ao encontro do seu tutor em mais um dia aparentemente comum, porém, para sua estranheza, não encontrara seu prestável tutor em lugar algum. Vencido após seus esforços, decidira ir à cozinha tomar seu café da manhã, talvez estando bem alimentado, raciocinasse com mais clareza. Ao chegar, deparou-se, para sua surpresa, com um bilhete em cima da mesa, preso a um decorativo peso de papel. Ao lado, encontrara o seu desjejum. Sentou-se à mesa, saboreando seu café enquanto intrigava-se lendo o misterioso recado. "O que ele está tramando? Tenho uma certa ideia da direção que devo tomar, mas...". Pensou, com o desfecho da mensagem. Encucado pelo o que estava acontecendo, Edmund parou um pouco, digerindo as informações e os acontecimentos. Decidiu agir, já era hora, acharia um jeito de chegar ao local, sem dúvidas. Buscou seu cantil, encheu-o de água, armou-se com uma das suas prestativas espadas e colocou no bolso algumas moedas que lhe restavam para alguma necessidade. "Nunca vi a cor do dinheiro desta casa. Há quem cuide dele, me dizem". Preparado, deixou sua moradia, dando para sua já conhecida rua.

A cacofonia se fazia em força, tendas, barracas, vendedores, feirantes, clientes, era como uma guerra comercial, vencia quem tivesse o menor preço, ou talvez o que gritasse mais alto. "Bom, devo ir para oeste, há uma saída da área citadina. Isto, eu sei". Com um trajeto marcado, partiria para oeste. Porém, enquanto caminhava, notara diversos necessitados a deriva da rua. "Isto me comove, sim...". O rapaz agarraria então algumas moedas do seu bolso, e daria para aqueles que julga-se serem mais carentes, dizendo um simplório e sorridente. -Espero que lhe sirva. Mas tomaria cuidado, há vigaristas que permutam pela cidade, lobos em pele de ovelha, zombando das boas ações. Edmund fora bem educado por seu tutor, porem esta comoção para com o próximo sempre estivera com ele, está no sangue. Após isso, voltaria então para suas prioridades. No entanto, novamente algo lhe chamou a atenção, uma silhueta em meio a via lhe parecia curiosamente familiar. "É como um dejá vu, talvez...". O rapaz sem pestanejar iria ter com a misteriosa e idosa figura, o tocaria de leve no ombro para lhe chamar a atenção, caso o conhecesse a primeira vista, sendo apenas um encontro casual entre conhecidos, o cumprimentaria cordialmente e se despediria em seguida, mas caso não, diria curioso. -Olá, me chamo Edmund. Por acaso já nos conhecemos?. Em sinal de afirmativo, o rapaz desenvolveria a conversa lhe perguntando. -Onde? Não tenho recordações... Pode me dizer quem é?. Ouvindo a resposta, puxaria em sua memoria e lhe cumprimentaria educadamente ao lembrar-se, na circunstancia de ser o tipo de pessoa que você não o recorda por variados fatores, como o tempo sem contato, por exemplo. Em sinal de negativo na primeira pergunta, apenas desculparia-se pelo incômodo. Toda a questão se resumia no grau de importância e atenção requerida que esse indivíduo representaria para a situação geral, afinal, a prioridade de Edmund estava para lá do oeste, em teoria. Tudo poderia ser uma banalidade, ou um distinto evento, relevando que o rapaz trataria os dois opostos da mesma forma, com cautela e cortesia.

Portanto, se a situação anterior inteira sendo irrelevante para a continuidade da historia do nosso herói, Edmund seguiria pela via rumo ao oeste, visando sair da zona urbana. Próximo disso, começaria então ao questionário com quem ele visse disponível para tal. -Pois não, há algum campo rural aqui nas redondezas? De trigo? Poderia me orientar o caminho?. Haveria de alguém lhe responder, pensava o rapaz, e também de existir o tal campo, definitivamente sim. De um instante para o outro, o nobre rapaz estava solto no mundo, agora ele teria ter para si indispensável discernimento, teria de desenrolar as linhas da sua história.
OFF:
Spoiler:
 

____________________________________________________

Ivar, filho de Freya
Legendas:
"Flashback/Sonho"
"Pensamentos"
-Fala
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Skyblazer
Soldado
Soldado
Skyblazer

Créditos : 13
Warn : [MINI-Ivar] O espírito da nobreza 10010
Masculino Data de inscrição : 28/04/2014
Idade : 28
Localização : Lvneel - North Blue

[MINI-Ivar] O espírito da nobreza Empty
MensagemAssunto: Re: [MINI-Ivar] O espírito da nobreza   [MINI-Ivar] O espírito da nobreza EmptyQua 11 Abr 2018, 12:09


Orientação - Fase 02 - Combate!

Edmund Lucius Britain parecia ser como uma luz que brilhava pelas ruas dos distritos mais pobres. Contribuiu com pouco – O que, para aqueles cães desafortunados e vítimas (ou não) das correntes irrefreáveis do destino – Era muito. Com o seu passar, aqueles por ele ajudados lhe lançaram saúdes e vivas; correndo para, apenas segundos depois, gastarem tudo em um bar-taverna ali próximo. É, pois é, amigo... Nem tudo é cor de arco-íris em um mundo estrelado pelo dueto de pirataria e dor. A parte boa disto é que nosso herói não sabia disso. Não sabia do destino que dariam à sua custosa esmola; e não sabia sobretudo que talvez estivesse mantendo uma inocência linda, mas que lhe poderia ser cruel a longo prazo.

Em face ao velho que viu nos seus sonhos, lançou-lhe perguntas diretas como pontas de flecha. O senhor virou-se, lento pela idade e artrose acumulada em entremeios de seus ossos. Seus olhos encararam os de Lucius e o brilho neles contido deixou evidente que o ancião o reconhecia, mesmo que duvidasse disso – N-não pode ser... Você é real? Não! – O corpo, antes lento e encurvado, endireitava-se a ponto de ser quase ágil para fugir do nosso herói. Por que fugia? O que o velho havia visto na miríade de seus sonhos? Será que alguma previsão? Uma distorção maluca de um futuro obscuro? Bom... Não poderemos saber agora; e será tarefa do destino nos mostrar a razão do temor encrustado naqueles cabelos brancos.

Um pouco perplexo, mas jamais abalado, nosso protagonista seguiu sua particular peregrinação rumo ao oeste da área urbanizada da ilha. A paisagem foi mudando aos poucos, e logo viu-se livre do ar de pobreza e imerso em uma atmosfera um pouco mais campestre e rural. As casas davam espaço para cabanas, e as cabanas para currais, até perceber que estava bem próximo do local indicado. Algumas pessoas faziam uma colheita de rabanetes na lavoura próxima, e responderam ao espadachim com cansaço na voz – Oh, sim, costumavam plantar trigo naquela área, anos atrás! Nunca soube porque pararam... – Um jovem camponês apontou com o dedo a direção, as unhas sujas de terra por debaixo da unha.

Dali, não muito mais aconteceu. Lucius seguiu a instrução e, sob uma nuvem que parecia ter sido enviada pelos deuses para abrandar o sol que começava a incomodar, encontrou o seu mentor Alfred. Braços voltados para trás, em posição de sabedoria e contemplação. Os cabelos começando a esbranquiçar e pratear brilhavam naquela luz do dia. Estava no meio do que foi, um tempo longo atrás, um grande campo de plantio de trigo; mas que agora nada mais era do que um grande espaço quadrático sobre qual o mato crescia – Já chegou, mestre Edward? Mais rápido do que pensei... – O homem parecia taciturno, absorto em pensamentos – Foi aqui que o encontrei pela primeira vez, mas não acredito que vá se lembrar... Você era jovem demais... Acredito, no entanto, que a hora da verdade chegou. A hora de contar todos os detalhes sobre você, que você mesmo ainda não sabe... Mas, antes, precisamos fazer algo...

Alfred virou-se, espada em punho e pose de combate montada – Vamos fazer um duelo, Mestre Edward. Um duelo selará o início de toda a verdade. O início do seu novo futuro! – E avançou em uma estocada séria que visava espetar o peito do herói, que tinha tempo para reação; se optasse pelos movimentos corretos.



Dicas e observações:
 

____________________________________________________


Ficha | Aventura
[MINI-Ivar] O espírito da nobreza FcTJa9C
Aqui é Divine Tools, pô!!!:
 

Never Forget!:
 

ஜ۩۞۩ஜ
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Ivar
Membro
Membro
Ivar

Créditos : 6
Warn : [MINI-Ivar] O espírito da nobreza 10010
Masculino Data de inscrição : 14/02/2017
Idade : 21

[MINI-Ivar] O espírito da nobreza Empty
MensagemAssunto: Re: [MINI-Ivar] O espírito da nobreza   [MINI-Ivar] O espírito da nobreza EmptyQui 12 Abr 2018, 22:02

Cap III

Era enigmático. "Que dia confuso...". Cara a cara, o misterioso velhote correra em desespero após balbuciar palavras até então sem sentido, ele realmente o conhecia, ao contrário do rapazola. Nosso herói não havia entendido bulhufas do que acontecera. Estupefato em meio a via, olhando o ancião em fuga, perguntava-se como esquisito dia ainda poderia lhe surpreender. Teria de descobrir, logo, voltou-se para o oeste, seu destino estava para lá. O cenário se modificara em função do tempo da andança, o aspecto citadino dera lugar para o campestre. "O ar do campo... Que revigorante!". Os roceiros, simples e ocupados, batalhavam arduamente nas lavouras, mas não lhes faltavam humildade e gentileza para atender as perguntas do nobre rapaz. Informado, Lucius seguira a direção lhe apontada, o sol era coberto por uma milagrosa nuvem, atenuando o calor, no momento que pegaria seu cantil para dar um refrescante gole. "Que alivio... Com sede, a água fica bem mais saborosa". Distraído, não percebera, logo a sua frente estava Alfred, seu prestigioso mentor. Perplexo, soltaria seu cantil em descuido. -Alfred, qual o significado de me guiar até aqui? Não compreendo... Ávido, exigia respostas. O homem grisalho lhe recebera com cumprimentos cordiais, mas não explicara nada a seguir, apenas deixara nosso herói mais confuso. -Como assim? Edward? Verdades? Que confusão!. Atordoado, pensara. "Por que ele está me chamando pelo nome de meu pai?". Porém, não havia mais tempo para se indagar, num instante, Alfred vinha com espada em punho, em estocada, se Edmund não reagisse rapidamente, a lâmina transpassaria seu tórax. "Não há mais tempo para perguntas. Devo revidar!". Na visão do rapaz, Alfred não parecia estar para brincadeiras, se ele não desviasse daquele golpe, ele estaria em apuros.

Com olhos de gato, o rapazola fitaria suas duas laterais analisando o terreno, o que mais lhe beneficiasse para o que pretendia fazer, seria o escolhido. Sendo a direita, flexionaria levemente o joelho esquerdo para em seguida impulsionar-se com o mesmo para o sentido direito, visando desviar da estocada. Para a direção esquerda se aplicaria a mesma dinâmica, apenas obviamente mudando os fatores, o joelho e a direção da evasão, que seriam, em ordem, direito e esquerda. Este seria seu plano A. O B, seria apenas se, o terreno não lhe fosse vantajoso, ou não houvesse mais tempo para uma esquiva. Basicamente, visaria sacar sua espada rapidamente, na tentativa em seguida, com sua lâmina vindo de baixo para cima ao encontro da lâmina inimiga, aparar o golpe. Mas seria muito arriscado, poderia não haver tempo para isto também, por isso chama-se plano b. Suas esperanças se voltavam para o A, mas nos dois casos, um deles obtendo êxito, Lucius recuaria o que pudesse ou fosse necessário, para empunhar sua espada e montar uma postura mais correta. Segurando o cabo com as duas mãos, com os braços em diagonal para baixo, em relação ao próprio corpo, levemente flexionaria os cotovelos, deixando a lâmina em vertical e em paralelo ao torso. Seus joelhos ficariam também levemente flexionados, lhe ofereceriam assim mais eficiência e dinâmica em movimentação. Esta seria a postura básica que buscaria utilizar nas variadas situações que o combate poderia lhe propiciar. "Assim ficarei bem..." Pensaria, ainda meio inseguro.

Seu plano de defesa, em utopia, consistiria no jogo de pés, buscaria nunca estar ao alcance da lâmina inimiga, movimentando-se com rapidez e eficacia. Porém, é deveras difícil manter uma postura igual a esta, logo, Lucius deveria estar preparado. Para ataques com mais tempo de reação, excluindo os em diagonal, preferiria a esquiva. Daria um passo para atras inclinando-se em conjunto e em mesmo sentido, na tentativa de desviar-se de golpes mais curtos, agacharia para ataques altos em horizontal, desviaria utilizando o mesmo principio já descrito na primeira situação de combate, a da estocada, para golpes em vertical e, obviamente, também para estocadas. Para golpes menos reativos e em diagonais, visaria bloquear. Com a lâmina inimiga golpeando na horizontal, manteria a postura padrão, adequando-se se preciso, mantendo os braços e mãos firmes no cabo da espada, na tentativa de segurar o ataque lâmina com lâmina. Vindo da vertical, dobraria satisfatoriamente ambos cotovelos e inclinaria os braços, para esquerda ou direita, o que lhe fosse mais favorável, deixando assim a lâmina de sua espada na horizontal, ideal para tentar defender-se. Nas diagonais, faria um meio termo dos dois últimos casos, deixaria também sua lâmina em diagonal, mas em comparação com a de Alfred, ficaria em inverso, a fim e na tentativa de aparar a agressão. "Não devo só me defender. Também devo atacar!". Tinha razão.

Seu plano de ataque seria em sinergia com o de defesa, nos momentos certos, ou quando tivesse a chance, atacaria. Empunhando sua fiel espada, com ambos os braços estendidos levemente flexionados para uma das laterais, disferiria em seguida, estendendo os braços rapidamente com força em direção ao seu adversário, ataques em horizontal ou, se vindo de baixo para cima, em diagonal, para em sequência, levantando os braços um pouco mais para cima visando mais altura, tentar acutilar de cima para baixo na transversal. Esta seria uma sequência básica de ataque, que poderia ser utilizada quando possível e em diferentes variações intercaladas entre si. Nosso herói em sua insistência e proeza, se golpeando Alfred, se o mesmo abrindo sua guarda, aproximaria-se em investida, com os cotovelos dobrados e braços e espada voltados para suas costas, a fim de ter mais distancia e impulso na tentativa de aplicar um corte feroz em vertical de cima para baixo. Se favorável, se Alfred novamente descuidando-se, poderia também, por que não, tentar uma estocada, flexionando os joelhos e impulsionando-se em investida, empurrando fortemente a lâmina para a frente visando furar o contendor entre a região do estomago e do tórax. Estas duas ultimas situações seriam arriscadas se tentadas sem analisar o combate por inteiro, por tanto, ficariam e suas condições, logo, cauteloso, Edmund desempenharia o básico, haveria de servir.

Poderia nosso herói derrotar seu mentor com seus próprios ensinamentos? Não tinha escolha.
OFF:
Spoiler:
 

____________________________________________________

Ivar, filho de Freya
Legendas:
"Flashback/Sonho"
"Pensamentos"
-Fala
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Skyblazer
Soldado
Soldado
Skyblazer

Créditos : 13
Warn : [MINI-Ivar] O espírito da nobreza 10010
Masculino Data de inscrição : 28/04/2014
Idade : 28
Localização : Lvneel - North Blue

[MINI-Ivar] O espírito da nobreza Empty
MensagemAssunto: Re: [MINI-Ivar] O espírito da nobreza   [MINI-Ivar] O espírito da nobreza EmptySab 14 Abr 2018, 16:10


Orientação - Fase 02 - Combate!

Enquanto seu golpe era evitado pelo presto e célere “Edmund”; Alfred explicava – Sim! – Ofegante, o ar entrecortando as interjeições em seu português quase sempre perfeito – Edward, senhor! Esse é o seu... Bom, deveria ser o seu nome – Ele retraía o corpo puxando o golpe por si mesmo desferido; enquanto bloqueava com visível dificuldade uma rápida sequência de cortes aplicados pelo nosso herói, falhando em um pequeno momento e recebendo um corte superficial no antebraço. Ironicamente, sorriu.

O segundo que se instalou entre este primeiro momento de luta foi o suficiente para que ele penetrasse ainda mais nas profundezas dessa história mal contada – Foi nesse campo que tudo aconteceu, senhor. Foi aqui que seus pais o encontraram, ainda bebê. E foi aqui que eu soube que "Karma" realmente existia – Ele se posicionou, recobrando a instância combatente – Quando sua mãe biológica – Minha mulher – Morreu em seu parto; eu me desesperei e o deixei aqui. Nada nobre, não é verdade? Eu sei... Mas eu era apenas um cara perdido, em depressão pela perda da esposa... E criar você me lembraria diuturnamente da morte da minha amada... Eu jamais conseguiria! – Lágrimas verteram, fartas.

Entretanto – Ele continuou – Qual foi a minha surpresa quando meus patrões encontraram você por um acaso do destino e o adotaram! Eles o criaram como filho, e eu o eduquei como servo. Não houve um só dia em que essa situação não assombrasse minhas noites, mas eu entendi a mensagem do destino. Eu entendi que, no final, este dia tinha de chegar; e você tinha de por fim ao meu sofrimento com suas próprias mãos... – Ele parecia ter planejado aquilo com detalhes, há tempos – Mas não sem uma última lição! Uma lição dura! Uma lição de guerra, Edward, meu filho!

O segundo de explicações havia se findado tão rápido e chocante quanto tinha tido início. O herói atacou verticalmente, cortando um pouco o seu cuidador; que saltava para trás com uma agilidade superior à sua idade física. Alfred contragolpeou com um corte horizontal, este não conseguindo ser evitado totalmente pelo nosso protagonista; que pela primeira vez sentia a dor e o gosto do sangue vertendo de seu bíceps esquerdo.

Outro segundo de tensão se instalou. Os duelistas se encaravam; e o primeiro a agir mais uma vez era o pai. O seu rosto lacrimoso espelhava contra as luzes locais, e não escondia a tortura que aquele homem vivera aplicando contra si próprio. Sua lâmina ágil cortou o ar em direção ao estômago de Edmund; em um arco cortante horizontal! A adrenalina fazia o tempo desacelerar, enquanto a ansiedade o acelerava como um piloto de corrida. Que confusão! Mas nessa confusão era aonde os verdadeiros heróis eram forjados!



Dicas e observações:
 

____________________________________________________


Ficha | Aventura
[MINI-Ivar] O espírito da nobreza FcTJa9C
Aqui é Divine Tools, pô!!!:
 

Never Forget!:
 

ஜ۩۞۩ஜ
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Ivar
Membro
Membro
Ivar

Créditos : 6
Warn : [MINI-Ivar] O espírito da nobreza 10010
Masculino Data de inscrição : 14/02/2017
Idade : 21

[MINI-Ivar] O espírito da nobreza Empty
MensagemAssunto: Re: [MINI-Ivar] O espírito da nobreza   [MINI-Ivar] O espírito da nobreza EmptySeg 16 Abr 2018, 17:18

Cap IV

Era como se tivesse levado um soco, sua cabeça girava, seu cérebro chacoalhava, estremecia. A verdade tende a ser cruel. Mas não sentira raiva, apenas tristeza. Engoliu seco, desconsolado, digerindo tudo aquilo, porém, quando seus bondosos olhos encontraram o martírio no rosto do velho homem com quem se digladiava, vira uma alma em súplica, de ajuda e perdão. -Não tenho o direito de julgá-lo. Porém, antes de querer meu perdão, perdoe-se, liberte-se deste sentimento nocivo. Não quero mais me digladiar contigo, não vejo da forma que tu vês, não quero ser o executor de suas próprias punições, mas, não tenho escolhas, se tu não parares, tenho de defender-me, não quero morrer. Empunhou sua fiel espada, com nobreza e confiança aquela que nunca tivera, se impusera perante tudo aquilo, como um verdadeiro herói faria.

Após a primeira contenda, ambos haviam recebido um ferimento, nada agravante a primeira vista, mas, tudo tendia a ficar pior. De fato, não haveria mais tempo para sentimentalismo, presumia-se, a lâmina rasante falava por si só. O rapaz, quieto, presencia o aço, cortando o ar, vindo cortar-lhe. Com pulso firme, esbravejaria sua espada ao encontro do aço cortante e horizontal do seu agora, genitor, aspirando conter a ofensiva. A esquiva se faria fora de questão nesta situação, se em grande proximidade os contendores estivessem entre si, assim pensava, por conta do ângulo do golpe e, até mesmo abaixando-se, pela altura, seria deveras arriscado, porém, haveria a oportunidade se por ventura o ataque fosse precoce, dando a chance do recuo, de costas e inclinando-se em mesmo sentido, para atrás,  em metafórica dança com os pés, na tentativa de distanciar-se da área de acerto. "Não quero machucá-lo, não quero que me machuque, não quero MATÁ-LO! Teria eu uma solução para isso!?" Nosso herói não teria escolha se não de revidar, porém, ele já cogitava o que poderia ser um plano.

Tomando a ofensiva, o rapazola com espada em punhos, estes na altura e em paralelo ao seu queixo, desferiria em arco, de cima para baixo, cutiladas, visando as juntas e ligamentos dos membros, braços e pernas, de Alfred, objetivando o acerto de modo que não fosse fatal, mas que em suma, lhe impossibilita-se de prosseguir a contenda. Em meio tempo, havendo espaço necessário, aplicaria estocadas mirando as regiões dos ombros ou das coxas do velho homem. Defensivamente, o nobre rapaz permaneceria no habitual, esquivaria-se graciosamente com pés ligeiros de ataques verticais ou muito curtos, para as laterais ou retaguarda, dependeria novamente de uma precisa análise do terreno, onde caberia nosso herói desempenhar cuidadoso papel. Preferencialmente, bloquearia no decorrer do combate. Pulso rígido, firme, cotovelos flexionados e adaptativos, lâmina com lâmina, defenderia-se das agressões de qual ângulo viessem e, desta forma, por estar em proximidade, teria mais chances de contra-atacar, dando continuidade ao seu plano ofensivo. Esta seria a nova postura do nosso herói, estava decido, não desejava de modo algum ser o algoz daquele que revelara ser seu verdadeiro genitor.

____________________________________________________

Ivar, filho de Freya
Legendas:
"Flashback/Sonho"
"Pensamentos"
-Fala
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Skyblazer
Soldado
Soldado
Skyblazer

Créditos : 13
Warn : [MINI-Ivar] O espírito da nobreza 10010
Masculino Data de inscrição : 28/04/2014
Idade : 28
Localização : Lvneel - North Blue

[MINI-Ivar] O espírito da nobreza Empty
MensagemAssunto: Re: [MINI-Ivar] O espírito da nobreza   [MINI-Ivar] O espírito da nobreza EmptyQua 18 Abr 2018, 12:49


Orientação - Conclusão!

As espadas se chocaram, com o bloqueio de Edmund. O aço batendo contra o aço naquele campo aberto ressoou uma melodia metálica que se expandiu pelos pontos cardeais, criando uma sinfonia de luzes e sons. Faíscas voaram às dezenas, enquanto Alfred não mais segurava suas emoções e felicidade por ter obtido a compreensão do rapaz. Sua alma torturada e triste, entretanto, já não mais comportava espaços para tentar uma reestruturação por si só; e no fundo o que ele realmente desejava era, claramente, um descanso durador e eterno ao lado da sua amada.

O equilíbrio curto que havia entre as lâminas fora quebrado com um passo para trás de ambos; aonde recobraram fôlego. Edmund, entretanto, tinha a vantagem. Utilizando-se disto, avançou de maneira ferina contra o seu inimigo; ironicamente, em si, não portava intenções assassinas. Seus golpes foram rápidos e eficientes, atingindo articulações e ligamentos, removendo sangue e, mais do que isso, a própria possibilidade de movimentação do seu mentor e pai biológico.

Alfred ainda tentou alguns contragolpes desesperados, mas agora suas mãos não mais detinham a agilidade de outrora. Os fatores idade e cansaço pareciam somar-se, também, dado o fato que provavelmente o homem passara naquele local a noite inteira em claro, esperando ansiosamente por este momento. Desequilibrou-se, por fim, no meio de seus diversos ferimentos; e caiu de joelhos frente à Edmund – Sorriso no rosto e espada nas mãos – Termine com isso, por favor – Ele falou, já completamente rendido e sem vontade de lutar – O maior gesto de piedade que você pode ter por este velho é acabar com sua miséria – Explicava sobre si mesmo em terceira pessoa

Saber que a mão que vai me fazer ver ela de novo é a sua... É muito bom – Ele claramente se referia à amada, mãe biológica do nosso herói – Não seja covarde, meu senhor e eu não te criamos assim. Você está destinado a grandes coisas, mas, para isso, precisa antes superar todas as barreiras que surgirem – Uma tosse com sangue acometeu o velho, que curvou-se para frente – No momento, eu sou apenas uma barreira. Supere-me e escolha seu destino, mestre Edmund. Viva sem arrependimentos!

Os céus fechavam-se, tempestuosos de súbito. Como que de supetão a mãe natureza parecia criar uma tela triste para um momento igualmente triste. Na vida – E na morte – Sempre haviam pontos cruciais e definidores para todos; e esse com certeza era um para o nosso protagonista. Como ele iria emergir de toda essa situação definiria, exatamente, que tipo de homem ele seria, e, mais importante que isso, qual o peso de sua existência nos mares revoltosos da vida e da Grand Line!



Dicas e observações:
 

____________________________________________________


Ficha | Aventura
[MINI-Ivar] O espírito da nobreza FcTJa9C
Aqui é Divine Tools, pô!!!:
 

Never Forget!:
 

ஜ۩۞۩ஜ
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Conteúdo patrocinado




[MINI-Ivar] O espírito da nobreza Empty
MensagemAssunto: Re: [MINI-Ivar] O espírito da nobreza   [MINI-Ivar] O espírito da nobreza Empty

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
[MINI-Ivar] O espírito da nobreza
Voltar ao Topo 
Página 1 de 2Ir à página : 1, 2  Seguinte

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
One Piece RPG :: Personagem e Mundo :: Mini-Aventura :: Mini-Aventuras Concluídas ou Canceladas !-
Ir para: