One Piece RPG
Quarto Ato: Caught in the Spider's Web. - Página 6 XwqZD3u


One Piece RPG : A GRANDE ERA DOS PIRATAS
 
InícioBuscarMembrosGruposRegistrar-seConectar-se
Últimos assuntos
» Apresentação 6 ~ Falência Bombástica
Quarto Ato: Caught in the Spider's Web. - Página 6 Emptypor Furry Hoje à(s) 12:39

» [ficha] Arthur D.
Quarto Ato: Caught in the Spider's Web. - Página 6 Emptypor arthurbrag Hoje à(s) 12:25

» Enuma Elish
Quarto Ato: Caught in the Spider's Web. - Página 6 Emptypor GM.Alipheese Hoje à(s) 11:22

» [Mini-Aventura] A volta para casa
Quarto Ato: Caught in the Spider's Web. - Página 6 Emptypor Fiest Hoje à(s) 10:51

» Ler Mil Livros e Andar Mil Milhas
Quarto Ato: Caught in the Spider's Web. - Página 6 Emptypor Fukai Hoje à(s) 10:10

» [MINI-ARTHURBRAG] COMEÇANDO UMA AVENTURA
Quarto Ato: Caught in the Spider's Web. - Página 6 Emptypor arthurbrag Hoje à(s) 10:07

» Cap 3: O alvorecer da névoa trovejante
Quarto Ato: Caught in the Spider's Web. - Página 6 Emptypor PepePepi Hoje à(s) 07:50

» Pandamonio, Vol 1 - Rumo à Grand Line!
Quarto Ato: Caught in the Spider's Web. - Página 6 Emptypor Thomas Kenway Hoje à(s) 06:02

» Hey Ya!
Quarto Ato: Caught in the Spider's Web. - Página 6 Emptypor GM.Mirutsu Hoje à(s) 02:56

» [E.M] - Gostosuras e Travessuras
Quarto Ato: Caught in the Spider's Web. - Página 6 Emptypor GM.Jinne Hoje à(s) 02:08

» [Ficha] Raveny Moonstar
Quarto Ato: Caught in the Spider's Web. - Página 6 Emptypor ADM.Senshi Hoje à(s) 01:38

» Raveny Moonstar
Quarto Ato: Caught in the Spider's Web. - Página 6 Emptypor ADM.Senshi Hoje à(s) 01:36

» ブルーベリーパイ ~ Blueberry Pie
Quarto Ato: Caught in the Spider's Web. - Página 6 Emptypor CaraxDD Hoje à(s) 01:11

» Escuridão total sem estrelas
Quarto Ato: Caught in the Spider's Web. - Página 6 Emptypor CaraxDD Hoje à(s) 00:39

» Capítulo I: Meu nome é Cory Atom! Filho de Kouha Atom
Quarto Ato: Caught in the Spider's Web. - Página 6 Emptypor Kiomaro Hoje à(s) 00:27

» Arco 5: Uma boa morte!
Quarto Ato: Caught in the Spider's Web. - Página 6 Emptypor Kenshin Himura Ontem à(s) 23:58

» A inconsistência do Mágico
Quarto Ato: Caught in the Spider's Web. - Página 6 Emptypor CaraxDD Ontem à(s) 23:45

» Seasons: Road to New World
Quarto Ato: Caught in the Spider's Web. - Página 6 Emptypor Volker Ontem à(s) 22:44

» Ain't No Rest For The Wicked
Quarto Ato: Caught in the Spider's Web. - Página 6 Emptypor Hoyu Ontem à(s) 21:55

» I - O bêbado e o soldado
Quarto Ato: Caught in the Spider's Web. - Página 6 Emptypor Domom Ontem à(s) 21:49



------------
- NOSSO BANNER-

------------

Naruto AkatsukiPokémon Mythology RPG
Naruto RPG: Mundo Shinobi
Conheça o Fórum NSSantuário RPG
Erilea RegionRPG V Portugal
The Blood OlympusPercy Jackson RPG BR
A Song of Ice and FireSolo Leveling RPG
Veritaserum RPGPeace Sign RPG
Pokémon Adventure RPG

------------

:: Topsites Zonkos - [Zks] ::


 

 Quarto Ato: Caught in the Spider's Web.

Ir em baixo 
Ir à página : Anterior  1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9  Seguinte
AutorMensagem
ADM.Tidus
Duque Azul
Duque Azul
ADM.Tidus

Créditos : 62
Warn : Quarto Ato: Caught in the Spider's Web. - Página 6 10010
Masculino Data de inscrição : 10/06/2011
Idade : 27
Localização : 1ª Rota - Karakui

Quarto Ato: Caught in the Spider's Web. - Página 6 Empty
MensagemAssunto: Quarto Ato: Caught in the Spider's Web.   Quarto Ato: Caught in the Spider's Web. - Página 6 EmptyQui 18 Jan 2018, 03:18

Relembrando a primeira mensagem :

Quarto Ato: Caught in the Spider's Web.

Aqui ocorrerá a aventura dos(as) piratas Buzz Bee e Jacob Allan. A qual não possui narrador definido.


____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

Olá Convidado, seja bem-vindo ao One Piece RPG.
Links para ajuda: [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo

AutorMensagem
Pedrão
Civil
Civil


Data de inscrição : 15/10/2015

Quarto Ato: Caught in the Spider's Web. - Página 6 Empty
MensagemAssunto: Re: Quarto Ato: Caught in the Spider's Web.   Quarto Ato: Caught in the Spider's Web. - Página 6 EmptySab 21 Abr 2018, 04:29




RISE OF THE DRAGON


[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

Não havia nada melhor que o cheiro da comida em nossa mesa, e ainda assim eu nem sequer me arrisquei a beliscar. A garganta doía, e além do mais eu tinha acabado de fazer uma refeição no quarto. Eu estava mais interessado é nas informações do Nimura. Supernova, yonkou... Esses termos eram novos para mim, entretanto uma coisa era certa: o tal punhos de merda, que nos deu tanto trabalho, não passava de um mero capacho, e o pior de tudo, era um dos mais fracos!

Diante dessa eu informação era impossível eu ficar calmo. Involuntariamente cerrei os punhos com força, fazendo com que as unhas lacerassem pele deixando escorrer um pouco de sangue. Apesar da dor, eu sorri de felicidade e excitação. A gargalhada era fraca, rouca, mas o suficiente para assustar as pessoas a minha volta. Sinceramente, eu não me importava que me vissem como um louco.


[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]


- An... Aniki... Você... Ouviu... O que... Ele... Falou? Ha... Ha... Aquele cara... Era um dos mais fracos... Eu estou feliz... – E ao mesmo tempo temeroso! A força do tal Milles era algo que eu não podia imaginar. Perto do que ele representava... Eu não era nada, o que tornava ainda mais urgente a minha decisão em ficar mais forte. De todo jeito pensar nisso agora não nos levaria a lugar algum. Tentando me acalmar, relaxei o corpo jogando-me de vez no apoio da cadeira à medida que cruzava as pernas sedutoramente.

A música que tinha acabado de começar colaborava para que o meu espírito se acalmasse um pouco. Eu fechei os olhos apreciando a canção, e antes mesmo que eu me desse conta a apresentação chegava ao seu final. Cruzei os braços atrás da cabeça, e olhando para o palco observei a sedutora cantora se aproximar da nossa mesa.

Ela era de fato muito bonita, mas apesar de toda a sua elegância e do decote exagerado, a sensação que eu tinha é de que essa mulher era fria. Esse não era o tipo de beleza que me atraía, ao contrário do meu aniki. Balancei a cabeça negativamente já sabendo o que ele estava planejando, e antecipando-o, levantei-me suavemente, tentando puxá-lo pela gola de trás da camisa antes que ele pudesse fazer algo.

Ficando entre os dois, tomaria a mão da dama com minha destra, e curvando-me beijaria suavemente a sua mão exibindo um sorriso confiante.


[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]


- Ryu Tetsuya... Ao seu dispor senhorita. – Dito isto olharia para Li Wan dando uma leve piscadela. Eu não queria que ela fosse humilhada na frente de tantas pessoas. O aniki podia ser o meu irmão, mas eu jamais deixaria que ele ferisse a minha amiga. Se ele quisesse ir atrás de outras mulheres, então que o fizesse discretamente. Em seguida eu olharia para o cozinheiro com um olhar sério, e dando um leve cascudo voltaria a sentar-me na cadeira.

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]


- Menino Bee... He... He... Eu não sei... O que mudou... Em você... Mas eu gostei... Nossa próxima parada... É a cidadela... Mas antes precisamos nos organizar. Deixarei as provisões... E os casacos ao... Seu encargo está bem? Nos encontraremos aqui... Dentro de trinta minutos... Até lá façam o que tiverem que fazer. – Eu estava exausto, e precisava descansar nem que fossem alguns minutos. Sentado na cadeira, colocaria os pés em cima da mesa e cruzando os braços atrás da cabeça tentaria dormir nem que fosse um pouco para me recuperar.


Histórico de Pedrão:
 
Codigo do Caçador:
 


(As imagens são ilustrativas)





Quarto Ato: Caught in the Spider's Web.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Hoyu
Olhos de Deus
Olhos de Deus
Hoyu

Créditos : 76
Warn : Quarto Ato: Caught in the Spider's Web. - Página 6 10010
Masculino Data de inscrição : 27/04/2013
Idade : 20
Localização : Grand Line - Jingle Bell Island

Quarto Ato: Caught in the Spider's Web. - Página 6 Empty
MensagemAssunto: Re: Quarto Ato: Caught in the Spider's Web.   Quarto Ato: Caught in the Spider's Web. - Página 6 EmptyTer 24 Abr 2018, 22:00




Preparação para a exploração!


  • Todos


Uma nova figura havia aparecido para os piratas: a bela Anastasia de imediato roubava o coração do cozinheiro, que não tirava os olhos de sua beleza estonteante. Depois de uma breve apresentação, as duas garotas a cumprimentaram com um aperto de mão, mas Buzz (ou melhor, Staz) chamou mais a atenção, dando-lhe um beijo na mão, o que foi apreciado pela cantora, mas surpreendeu sua companheira Umika. Mesmo sendo mais cafajeste do que Buzz, o jovem se apressou a se justificar. Jacob estava se levantando do seu lugar e havia segurado delicadamente o queixo dela quando Ryu o puxou pela gola e o jogou de volta na cadeira antes que aquilo passasse dos limites, ainda mais que Li Wan estava presente. Um ultimo cumprimento, outro beijo na mão, por parte de Ryu, e a mulher se virou, se despedindo, para ir embora. - Vocês são um grupo interessante. - Um ultimo sorriso, e a mulher sumiu atrás das cortinas do palco, deixando para trás um silencio morbido, como se nunca tivesse passado por ali.

- Bom, já vou indo também. Tenho muitas coisas para resolver. Tenham uma boa estadia. - Assim, Nimura também se foi, junto com outros hospedes que saiam do salão, até o momento que os cinco eram os únicos presentes. - Concordo com o Buzz. O Nimura parecia não querer falar muito sobre a Cidadela, e lá deve ser um bom lugar para procurar. - Com o sinal positivo de Ryu, Buzz abriu a bolsa qu carregava para pegar os casacos, mas logo que o ziper foi aberto ele viu uma coisa estranha lá dentro: um par de manoplas azuis, como se fossem feitas de gelo. As manoplas que Orfeu usava. - Ah, quase me esqueci. Vocês estavam tão ocupados com o que estava acontecendo que quase deixaram as manoplas dele para trás. Ai eu peguei e guardei para ver se algum de vocês podia aproveitar, porque parece ser uma ótima arma. - Os casacos eram entregues para cada um, e logo Buzz saia do salão, acompanhado de Umika. - Vamos nos preparar também. - A mink disse, levando Jaccob para o quarto de modo a trocarem as roupas sujas de sangue.

  • Ryu


Somente Ryu havia ficado ali, naquele salão silencioso. Nem mesmo o barulho de pratos podia ser ouvido, já que os próprios cozinheiros haviam terminado de limpar a cozinha e se retirado. Ryu estava muito cansado, principalmente depois daquela lute, e precisava descansar, mesmo que fosse em um local como aquele. Aos poucos suas pálpebras ficaram ficando mais pesadas, sua visão escureceu e ele caiu no sono. Não dava para saber quanto tempo ficou desacordado, mas sua consciência retornou ao sentir alguém o cutucando. Ao abrir os olhos, o pirata pode ver uma jovem o cutucando com uma espada embainhada. - Ei, você não tem um quarto não? Você tá dormindo aqui faz uns 40 minutos. - A garota parecia mais curiosa do que qualquer outra coisa, mas de uma coisa ele sabia: Ele estava atrasado para o horário que ele mesmo estipulou.

  • Buzz


Em outro ponto, Buzz e Umika seguiram juntos para a área das lojinhas, onde o jovem procurou por uma pequena livraria, que estava mais para uma bancada com alguns livros, e perguntou se havia o que queria. - Na verdade tem muitas chances. Quase não tem livros literários para vender, e ninguém quer comprar livros didáticos, então fica tudo por ai. - Olhando um pouco, Buzz/Staz não demorou para encontrar exatamente o que queria, ambos os livros com etiquetas com os preços (1.500.000 no total). O preço foi pego, e os dois se afastaram, com Umika o tempo todo meio inquieta, mas sem falar nada. Ambos voltaram juntos para a entrada da Estalagem, onde Staz começou a ler um dos recém comprados livros, e tudo ficou quieto por um tempo, até que a garota quebrou o silencio. - Você é o outro, né? Achei que o Buzz estivesse exagerando, mas a diferença entre os dois é muito... Nítida. Parece até que você vira outra pessoa. - Houve mais um silencio, e logo ela fez a pergunta. - Quem é você?



Legenda:
 

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.][Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]


[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

Grupo:
 


2017:
 
Voltar ao Topo Ir em baixo
Jacob Allan
Super Nova
Super Nova
Jacob Allan

Créditos : 29
Warn : Quarto Ato: Caught in the Spider's Web. - Página 6 10010
Masculino Data de inscrição : 19/08/2015
Idade : 27
Localização : Bingo Bingo Island - 2ª Rota

Quarto Ato: Caught in the Spider's Web. - Página 6 Empty
MensagemAssunto: Re: Quarto Ato: Caught in the Spider's Web.   Quarto Ato: Caught in the Spider's Web. - Página 6 EmptyQua 25 Abr 2018, 10:11

Preparando-se para Explorar!

O cozinheiro vai a mata!






—Hei Hei...  

Meu irmão me puxava para longe da mulher, não era algo que eu gostaria mais tinha que admitir, quando ele me puxou vi em suas atitudes o que ele queria dizer, estava sendo o “ Cafajeste Amável “ de novo e sinceramente? Pequena Li poderia sentir-se mal, o que me fez sentir um pouco de incomodo pela situação causada, me vi sentado na cadeira de novo o que me fez pensar ” Como diabos fui arremessado com um solavanco? “ parece que meu irmão estava ficando mais forte e com uma risadinha baixa mantive-me observando as conversações seguintes.

O “Sorriso de Boneca” saiu da sala pouco depois daquela beldade sair remexendo delicadamente o sues quadris e que quadris, quase pude imaginar contorcendo o meu eu mais profundo, mas não era hora de prazeres “ marotos “ era a hora de ter um plano. Foi quando as palavras de Li vieram falando sobre o comportamento de “Sorriso de Boneca” que eu logo me ative a concordar com o acenar de cabeça, ele sabia muito, falava pouco e isso era preocupante, que outros perigos poderíamos enfrentar despreparados?  O “Borra Botas” que derrotamos na outra sala era uma amostra grátis do que tínhamos que enfrentar por ai e talvez não fosse nada sábio sair sem preparo ou não ser cauteloso.

Logo me dignifiquei a levantar-me para seguir caminho para meu quarto, mas foi quando ia dar o primeiro passo que pude escutar o comentário do “ Broto” do meu amigo e irmão “Buzz-Boy “, me virei com um olhar curioso e aproximando-me dos dois estiquei minha mão para pegar as manoplas daquele “ Borra Botas “ o tão rápido quanto pude enquanto falava:
:



[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]


— “Punhos de Merda”...vai ver são uteis...combinam com meu...terno de linho...


Dei uma leve risada, era uma piada boba que uma vez Obeha me contou, uma piada sobre como os ternos de linho eram desconfortáveis mais elegantes, era isso que a luva era, uma lembrança desconfortável das incapacidades que tive ao enfrenta-lo, mas era elegantes no seu tom de cor, não podia negar.

Com um pescotapa dado na cabeça de Ryu joguei as manoplas em suas pernas observei o mesmo com um olhar solicito e risonho, ele compreenderia o que eu estava falando, aquilo era um presente, ele abateu a presa, ele precisaria de “ Um terno de Linho” no fim das contas. Após fazer tal ação me retiraria lentamente, segurando Li Wan pela cintura e com um olhar de lado gentil e também galanteador falaria para o “ Broto “ Mink:


[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]


— Podemos tomar um ...café,  um ...drink, um...banho, que tal “Broto” ?


Sempre foi meu hobbie pessoal ver Li Wan sem graça e uma deixa dessa sempre foi um bom começo, mas já tínhamos estabelecido nossa relação, erámos Nakamas, bem ao menos assim eu pensava.



[...]





No quarto de Hotel eu aproveitaria para me banhar, eram muitas as sensações da água tocando a pele para não aproveitar o momento para relaxar rapidamente e pensar um pouco nos acontecidos. Eu agora era diferente de antes, muito até, não pelas diferenças de forças que estava clara que tinham mudado o meu eu, mas também pela clara situação de que agora eu era efetivamente um ser alheio aos normais, eu era um Maldito HOMEM BUFFALO e isso não era algo fácil de se acostumar.

Meu corpo era ensaboado enquanto eu pensava comigo mesmo
” Não pense em transformar-se em um Homem Buffalo, Não pense em transformar-se...” mas nem sempre o que pensamos é o que conseguimos não é mesmo? E se meus pensamentos não fossem efetivos eu poderia sentir rapidamente meus músculos se contraírem, minhas mãos se alongarem, meus pelos crescerem, chifres surgirem, meus olhos se estreitarem e logo em seguida lá estaria eu com patas e cascos, com o corpo repleto de pelos loiros e marrons mesclando-se uns nos outros e com o porte de um Buffalo completamente molhado em um chuveiro que não estava cabendo devidamente.

Sairia de lá sem toalhas, sem roupas e olhando para meu corpo de novo com uma cara de surpresa e com um olhar assustado mais uma vez, aquela maldita fruta era de fato uma verdadeira maldição e amaldiçoado fosse eu e minha tentativa de ser herói nas horas vagas, no fim eu teria que lidar com aquilo sempre aparentemente:



—Fruuuta Maldita!!! De nooovo, com essa forma de “Vaca” !!!!


Apesar de diferente da primeira vez, ainda era um Homem Buffalo, estava mais parecido comigo eu pude notar, não era uma cabeça de animal no corpo de gente como antes, mas não era nem de longe gente normal, era como se eu fosse uma grande salada de frutas entre animal e homem, bem, ao menos tinha lá suas vantagens, eu pude notar, “transa do que estou falando?”.

Mas foi após esbravejar e bater os cascos que repararia em algo, eu estava sem roupas, sem roupa alguma, num quarto com uma mulher e transformado em um animal. Minhas bochechas se enrubesceriam e logo pegaria qualquer pedaço de pano me cobrindo enquanto falaria em tom misto de vergonha e surpresa:




– Descuuulpe, Broto!!

Logo voltaria correndo par ao banheiro para me secar da melhor maneira possível e coberto pegaria roupas para me vestir e tentar me adequar aquele corpo enquanto pensava comigo mesmo o quão era constrangedor transformar-se em animal e meio animal constantemente em meio a situações como essa. Era algo que me acostumaria com o tempo, algo que teria que lidar para o resto dos meus dias, mas não era de todo mal, ao menos de terno eu ficaria bem apeçoado e após devidamente arrumado e tratado, sairia dali com Li Wan tentando não parecer mais desanimado do que eu já estava.


[...]




No ritmo de meus batimentos desceria as escadas, o desanimo era evidente, eu não tentava esconder, ter algo que não compreende como se controla é algo tão bom quanto ser o homem mas capaz na cozinha mas não saber ascender o fogo de um fogão. Minha mente encontrava-se um turbilhão pensava comigo ” Eu não quero muito, só quero ficar normal de novo...vamos lá me ajuda nessa frutinha...” A decepção as vezes é algo muito deprimente para qualquer ser. Se concentrar-se deu certo da ultima vez talvez dessa fosse o suficiente para que próximo ao ultimo degrau da escada pudesse pouco a pouco voltar ao normal, os cascos sumiriam, os pelos diminuiriam, o rosto voltaria ao que era, os chifres sumiriam e no fim encontraria meus pés descalços e ao olhar minhas mãos poderia falar com alegria:


[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]


– Estou de Volta!!! Nada Peludo!!!


E acompanhando Li Wan serelepe e feliz continuaria cantando que estava normal de novo, contando que minha felicidade fosse duradoura e que os pensamentos...” Pare de me fazer pensar nesse maldito Buffalo!!!! e se os pensamentos voltassem a serem efetivos voltaria a sentir a transformação acontecer enquanto me aproximaria de meus amigos se lá já estivessem , carrancudo e nada amistoso falaria para Ryu:




– Nem mesmo... UUUUM PIO!!!!!

E logo em seguida esperaria a decisão deles mantendo a transformação ate eu compreender melhor como isso tudo funcionava.

bichaelson



Menu Completo:
 

Historico Afro:
 

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]


Última edição por Jacob Allan em Qua 25 Abr 2018, 10:16, editado 1 vez(es) (Razão : Correção de partes soprepostas --)
Voltar ao Topo Ir em baixo
BuzzB
Pirata
Pirata
BuzzB

Créditos : 83
Warn : Quarto Ato: Caught in the Spider's Web. - Página 6 10010
Masculino Data de inscrição : 03/04/2016
Idade : 21
Localização : Nos anais do Acre

Quarto Ato: Caught in the Spider's Web. - Página 6 Empty
MensagemAssunto: Re: Quarto Ato: Caught in the Spider's Web.   Quarto Ato: Caught in the Spider's Web. - Página 6 EmptyQui 26 Abr 2018, 21:41

Myself


Staz


Eu acho que fui bem suave no cumprimento, vocês não? É como eu expliquei: Cavalheirismo e coisas de macho de respeito. Felizmente a garota entendeu minha nobre intenção e não pareceu se ofender muito com aquilo. Sim, eu disse 'muito' mesmo. Dava para ver que ela se incomodava com a minha abordagem, e coloco a culpa inteiramente no moleque por ser um mole e nunca ter feito nada nem perto disso com ela. Você só saberá um dia o significado de vergonha alheia no dia que você conhecer esse cara. - Você devia ser um pouco mais cortes com a sua dama, sabia? - Sussurraria para mim mesmo, mandando a mensagem para Buzz. Logo que terminei a ação, foi a vez de Jacob cumprimentar a cantora, e como esperado ele agiu da maneira galanteadora de costume. Assim que vi a cena, esperava que Li Wan desse uma paulada na cabeça dele ou algo do tipo, porém foi Ryu que o afastou do caminho da tentação, ou pelo menos tentou fazê-lo. - Só eu que acho que isso ainda vai dar uma dor de cabeça daquelas? -

Assim que a cantora saiu, passamos a discutir algumas coisas sobre o rumo da situação. Com a fala da mink, percebia que havia esquecido completamente de me apresentar a mesma, já que quando o fiz mais cedo ela estava desacordada. Sem perder tempo, diria. - Acho que ainda não fomos apresentados. Meu nome é Staz, e eu divido o corpo com o outro carinha que vocês já conhecem. Se precisar que eu elabore melhor, deixemos isso para mais tarde. Por hora, sigamos com o plano. - Depois de definirmos os próximos passos, seguia com Umika em busca de alguns livros que me seriam úteis durante a jornada. A escolha dos assuntos, apesar de estranha, era bem óbvia. Por não saber como seriam as outras ilhas, o melhor seria aproveitar a vegetação aparentemente variada que havia ali para juntar plantas que poderiam ser usadas de forma medicinal. Já possuía algumas amostras de plantas deste tipo, mas queria mais. Preferia ter minha enfermaria topada até o talo de folhas que ter apenas a droga de um band-aid. Esse é o tipo de coisa que faz você ter vergonha de dizer que é o médico da galera.

Iniciava a leitura do conteúdo, apesar de que isso era muito mais a área do garoto do que minha e obviamente aquilo cobrava o preço. Além de não conseguir ler aquilo no ritmo que gostaria, sentia-me um pouco enfadado com tudo aquilo. Mesmo assim, não desistia de prosseguir com o que já havia começado e focava em cada palavra. Entretanto, fui interrompido quando Umika resolveu retirar suas dúvidas sobre a situação. Achava que ela tinha aceitado aquilo numa boa, por mais estranho que fosse. Contudo a realidade não era nem perto disso. Aparentemente ela achava que o moleque estava tirando uma com a cara dela e não acreditou em nada do que ele disse. E agora, adivinha de quem era o abacaxi? E pra piorar, nem dava pra usar esse abacaxi pra fazer aquele suco bolado. Calmamente fecharia o livro que estivesse em minhas mãos e o repousaria no meu colo, direcionando posteriormente meus olhos na direção da jovem. Levaria ambas as mãos para próximo da minha boca e colocaria os indicadores apontados para baixo e na frente das minhas presas, enquanto dizia. - Eu sou um vampiro imortal e muito foda... - Daria alguns poucos segundos para dar tempo da piada finalizar e baixaria as mãos, repousando-as sobre os joelhos. - ...Pelo menos, era isso que eu gostaria de dizer. O mais correto é falar que eu sou uma parte do verdadeiro Buzz. O que você conhece é só a fração chata e medrosa dele. Eu sou a fração legal e 'tudo de bom' dele. Juntando as duas você tem a verdadeira personalidade, mas isso é impossível de se fazer. Então somos como dois caras tendo que dividir o mesmo corpo, cada um com sua vez de controlar. E antes que pergunte, ainda vou ficar mais um tempinho por aqui antes de deixar ele assumir. - * Infelizmente. * - Resolveu falar agora? Tava meio calado, o que rolou? - * Só não tinha o que tratar com você. E para de me responder em voz alta, vai parecer que a gente é doido. * - Ué, realidade senhor. Nós só trabalhamos com fatos aqui, nada de gracinhas. -

Após a explicação, resolvia que era hora de voltar ao estudo e abriria o livro na página onde parei. Entretanto, antes de reiniciar a leitura, resolvia dar uma colher de chá pras duas crianças. - Olha... Se tiver mais alguma pergunta para mim, é só fazer. Eu não me incomodo em responder o que quer que seja. E se quiser falar com o Buzz, apenas fale normal. Mesmo ele não estando no comando, nós compartilhamos a visão e a audição um com o outro. Então... Só pra avisar mesmo. Ele... Quer tentar tornar tudo isso menos estranho porque ele gosta de você e tem medo que você possa acabar... - Finalizaria com um movimento de mãos indicando afastamento. * ARG, por que você sempre faz isso? * - Não tenho a menor ideia do que você tá falando. Você deveria é me agradecer por ter bolas pra falar essas coisas por você, capiche? - Sim, eu sou muito internacional. Com isso dito, voltaria minha atenção ao livro e finalizaria aquilo. Afinal, precisava daqueles conhecimentos antes de deixar o local. Daria prioridade ao livro de botânica, já que um dos meus objetivos na floresta era colher plantas. Se eu terminasse de ler ao menos o de botânica e ninguém houvesse chegado ainda, levantaria-me e avisaria para Umika. - Eu vou comprar mais uma coisa antes de irmos. Se quiser, pode vir comigo ou esperar que os outros cheguem. - Após isso, esperaria alguns segundos para saber a resposta da jovem e partiria em direção a mesma loja onde havia comprado os livros. Queria tirar uma dúvida com o atendente sobre um determinado assunto que me era pertinente. Assim que chegasse, iria até o homem e diria. - Olá novamente. Eu estou curioso sobre um assunto e acho que você pode me ajudar com isso. Com certeza você deve ter ouvido falar alguma vez sobre akumas no mi. Gostaria de saber se existe algum livro que possa me mostrar mais sobre o assunto, como os poderes e algumas imagens das frutas. Algo realmente de qualidade. - No caso de não haver, faria uma expressão de desapontamento e acenaria com a cabeça, antes de deixar o local. Mas caso houvesse, perguntaria. - Estou disposto a comprá-lo. Quanto custa? - Entregaria a quantia pedida pelo vendedor e deixaria o local junto de minha mais nova aquisição. Voltando até o local combinado, se ainda tivesse mais algum tempo, procuraria no livro na parte de zoans sobre a akuma no mi comida por Jacob e leria toda a informação.

No caso de todos já estarem presentes no local, guardaria os livros na mochila e faria um breve alongamento para as pernas e braços e só então sairia do hotel. Uma vez do lado de fora, daria uma boa olhada no cenário criado pela neve e expiraria pela boca, tentando fazer a "fumaça" costumeira que se forma com a respiração em locais frios. Não esperava sentir muito frio por conta da ilha onde havia morado. Porém, caso a temperatura me incomodasse, seguraria as mangas do casaco e retrairia um pouco ambos os braços para que eles ficassem dentro das mangas. Feito isso, ainda colocaria as mãos na região das axilas, prensando-as levemente com os braços. Começaria a seguir em frente em direção à mata com passos ligeiramente mais curtos do que de costume e com muito mais firmeza que o normal. Evitar tomar um balão no meio da neve é sempre bom. Caso notasse que alguém estava com dificuldades de se equilibrar, me aproximaria e estenderia o braço para que me usasse de apoio. Durante a caminhada, além de olhar para frente afim de ver o caminho, daria olhadas em volta para tentar achar alguma erva com algum efeito interessante, como acelerar os batimentos cardíacos ou efeitos anestésicos, por exemplo. Achando, seguiria até ela vagarosamente, arrastando por consequência quem quer que estivesse me usando de apoio, caso fosse o caso. Após averiguar mais de perto, se constatasse que não havia sido um engano, a retiraria da maneira correta e guardaria na mochila.

Off:
 

Histórico:
 

____________________________________________________

* Pensamento * (Buzz)
* Pensamento * (Staz)
- Fala

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Pedrão
Civil
Civil
Pedrão

Créditos : Zero
Warn : Quarto Ato: Caught in the Spider's Web. - Página 6 10010
Masculino Data de inscrição : 15/10/2015

Quarto Ato: Caught in the Spider's Web. - Página 6 Empty
MensagemAssunto: Re: Quarto Ato: Caught in the Spider's Web.   Quarto Ato: Caught in the Spider's Web. - Página 6 EmptySeg 30 Abr 2018, 23:44




RISE OF THE DRAGON


[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

Silêncio. Escuridão.
Por um momento foi como se o mundo estivesse vazio.
Somente a minha consciência existia ali e nada mais.

Tentei mexer meus braços e pernas, mas era como se eles não existissem. Lá ao longe, observei uma luz se aproximando rapidamente. A sensação que eu tinha era de que eu estava cruzando um túnel em extrema velocidade e perto do fim o clarão apenas se intensificou cegando-me momentaneamente.

Lentamente minha visão foi se adaptando. A primeira coisa que vi foi uma espécie de borrão verde, balançando para lá e para cá. Quando meus olhos voltaram a sua normalidade, pude ver que o que estava a minha frente era na verdade os galhos e folhas de uma árvore de copa alta e larga. A sensação que eu tinha é de que essa árvore de tronco firme e forte era um tanto quanto familiar.

O vento soprava forte carregando o cheiro de grama molhada, entretanto, o que mais chamava atenção era o pungente odor de sangue. Levantei meus braços pequenos como os de um bebê e percebi que eles estavam sujos de sangue, ainda assim não senti dor alguma. Claramente esse sangue não era meu.

Ao olhar para cima vi o rosto daquela mulher que sempre aparecia em meus sonhos. Ela era minha mãe, disse eu tinha certeza, e embora a sua aparência tivesse perdido o seu brilho, ela continuava a mesma para mim. Sangue escorria pelo canto da sua boca, e nas maçãs do seu rosto vários cortes sérios se destacavam. Ver a minha mãe desse jeito... Eu senti uma dor inexplicável. Foi a mesma sensação que eu tive ao ver o meu velho sofrendo antes de morrer.



- Não se preocupe pequena Chuchu, eu cuidarei dele como se fosse meu. Depois de tantos anos sem vê-la, dói no meu coração te ver dessa maneira. Se ao menos eu e os rapazes não tivéssemos deixado você partir... – Ouvi a voz do meu pai, e ao virar-me para o outro lado confirmei que era ele mesmo. Ele estava muito mais jovem e cheio de vigor, mas em seu semblante havia um pesar quase palpável. Minha mãe que estava na sua frente apenas sorriu gentilmente balançando a cabeça.

- Você não pode se culpar por isso Oda-chi, além do mais, eu não me arrependo da minha escolha. Se eu não tivesse ido embora... Meu pequeno Ryu jamais teria nascido. – Ela fez uma pequena pausa e olhando para mim sorriu alisando minha cabeça com uma de suas mãos trêmulas. Eu podia sentir que ela estava exausta e sem energia, mas ainda assim ela me carregava em seus braços como se guardasse um tesouro com sua própria vida. O amor da minha mãe era algo que eu jamais tinha sentido durante toda a minha vida.

- Meu pequenino, mamãe não tem muito tempo. Quando eu for embora, você deve escutar ao Oda está bem? Ele vai cuidar de você a partir de agora.– Ela pressionou os lábios tentando controlar suas emoções. Seus olhos tristes revelavam que ela não queria se separar de mim, mas infelizmente não havia outra opção. Ela respirou fundo criando coragem, e alisando meu rosto com suavidade, continuou.

- Pequenino tudo o que a mamãe deseja é que você tenha uma vida normal, cresça, encontre um trabalho digno, e tenha sua própria família. No entanto, se algum dia você desejar se aventurar no mar, mamãe não vai ficar brava com você. Apenas tenha cuidado está bem? Não importa a sua decisão, eu sempre irei te apoiar.

- Tudo o que eu mais gostaria nessa vida era te vê crescer, mas infelizmente eu não posso. Eu sei que vai ser duro para você crescer sem uma mãe, e muito provavelmente você nunca vai se lembrar do meu rosto, mas... Jamais se esqueça, mamãe sempre irá te amar.– Senti como se uma adaga tivesse apunhalado meu coração. A dor que eu senti ao ver minha mãe nesse estado era algo simplesmente impossível de se descrever. Por que? Por que as coisas tinham que ser assim? Eu não aceito isso de maneira alguma! Raiva, frustração, dor... Meu emocional estava uma verdadeira bagunça.

De repente tudo a minha volta parou. A brisa, o som dos galhos, o mover das folhas. A figura da minha mãe se espatifou como um espelho quebrado. Abri os olhos vagarosamente, e a minha frente estava uma garota que eu nunca tinha visto antes. Seu decote exagerado valorizava os seus seios volumosos, mas o que mais chamava atenção era os seus olhos ousados. Em um estado de estupor, senti meu rosto molhado.


[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]


- Heh? – Com uma expressão mais confusa do que incrédula, levei a mão direita ao rosto notando que lágrimas estavam escorrendo sem que eu notasse. Como um flash, as memórias do meu sonho recente voltaram com tudo. A dor, a raiva, a frustração foram o suficiente para que eu despertasse de volta ao restaurante e por mais que o meu anseio fosse infantil, tudo o que eu queria nesse instante era voltar para o abraço acolhedor da minha mãe. Infelizmente eu não podia ceder a esses sentimentos, não agora!

Controlando as minhas emoções, enxuguei as lágrimas com as mãos. Minha expressão foi voltando ao normal, ainda que um sorriso saudosista e triste tivesse escapado no canto dos meus lábios. O casaco que eu tinha pedido ao menino Bee estava no meu colo, e junto com ele as manoplas do punhos de merda. Só de sentir o peso, eu sabia que não conseguiria usá-las no momento. Era preciso me adaptar primeiro, mas agora eu não tinha muito tempo.


- Obrigado por me acordar senhorita... Meu nome é Ryu. Você é...? – Sorri brevemente ignorando não levando a mal a crítica da senhorita. Sem esperar uma resposta, já iria me levantando e colocando o casaco. As manoplas seriam colocadas nos bolsos que as coubessem, mas se não desse, levaria elas nas mãos mesmo, até achar um lugar onde eu pudesse guardá-las. De todo jeito muito tempo se passou e a galera ainda não chegou.

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]


- Há algo que eu possa fazer por você... Bro... Broto? – Convenhamos que diferente do meu irmão eu não sou um cara que sabe lidar com as mulheres. O sexo oposto é um verdadeiro mistério, e embora eu não me sinta nervoso conversando com as ladys, eu não tinha o gingado do meu brother, transa do que eu falo? Aliás, por que ela veio falar comigo? Não me diga que eu estava roncando e a incomodei? Fuck, por que eu falei broto? Merda, o jeito do aniki está me infectando.  Se-será que ela está atraída por mim? Nã... Olhando melhor, ela parece muito selvagem. Deve ser outra coisa, mas então, o que será?

- Oh, aniki! Menino Bee, pessoal... Por que vocês demoraram tanto? Falaria assim que a rapaziada se reunisse novamente. Quanta hipocrisia não? De todo jeito, após um pequeno descanso eu já estava um pouco mais renovado. Novo em folha? Puff, nem de longe, mas era o suficiente para me aventurar na cidadela. Eu estava empolgado, e pelo visto, o ero cook também. Caso as manoplas não coubessem nos meus bolsos ou mesmo ficassem desconfortável dificultando meus movimentos, pediria a Li Wan que as guardasse temporariamente.

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]


- Aniki por que você não se... Transforma em uma vaca e... Nós não montamos em você? - Riria alto e me aproximando da garota que estava ao meu lado, falaria próximo ao seu ouvido usando uma das mãos para impedir que escutassem. Eu precisava alertá-la a respeito do perigo que o meu irmão representava a todas as mulheres bonitas nesse mundo.

- Oe cuidado com o meu aniki... Ele não pode vê uma mulher bonita que ele fica louco. Nós estamos indo para a cidadela, se você quiser, pode nos acompanhar. - Com o aviso dado, lideraria o grupo até a parte de fora da estalagem, deixando que Bee conduzisse o restante do caminho. Se tinha uma coisa que eu tinha aprendido, é que ele era um sujeito muito mais cauteloso do que eu. No caso de seguirmos conforme o planejado, manteria o passo ligeiro, sempre atento ao meu redor. Com as mãos nos bolsos do casaco, olharia para os lados observando minunciosamente o lugar. Caso a neve estivesse muito alta e dificultasse os meus passos, diminuiria o ritmo para manter um melhor equilíbrio.


Histórico de Pedrão:
 
Codigo do Caçador:
 


(As imagens são ilustrativas)





Quarto Ato: Caught in the Spider's Web.

____________________________________________________


[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Hoyu
Olhos de Deus
Olhos de Deus
Hoyu

Créditos : 76
Warn : Quarto Ato: Caught in the Spider's Web. - Página 6 10010
Masculino Data de inscrição : 27/04/2013
Idade : 20
Localização : Grand Line - Jingle Bell Island

Quarto Ato: Caught in the Spider's Web. - Página 6 Empty
MensagemAssunto: Re: Quarto Ato: Caught in the Spider's Web.   Quarto Ato: Caught in the Spider's Web. - Página 6 EmptySab 05 Maio 2018, 22:45




A floresta nevada!


  • Jacob


De volta ao quarto de hotel, Jacob aproveitava para se banhar, pois depois daquela dura luta seu corpo estava coberto de sangue e suor, o que não era confortável. Durante o banho, o homem começou a refletir sobre seu poder, e começou a se concentrar em não se transformar no bisão. Infelizmente, quanto mais se esforça para não pensar em algo, mais difícil o é, e quando menos percebeu seu corpo haviam se transformado em um hibrido de humano com bisão. Diferentemente da primeira vez, agora, ao olhar pelo espelho, ele pode ver que seu rosto conservava mais características do seu rosto original, inclusive seu cabelo, e o resto do seu corpo também estava mais semelhante ao de um bisão. Era como se fosse uma mistura dos dois.

No seu desespero de ter se transformado de novo sem querer, Jacob acabou saindo do banheiro instintivamente, pois seu corpo havia aumentado, e seus chifres estavam até mesmo arrastando no teto. Entretanto, logo que saiu, o homem viu Li Wan seminua, com uma calça de moletom cobrindo as pernas para as proteger do frio e a parte superior do corpo apenas com um sutiã, com uma camisa em uma mão e o casaco e cima da cama. O cozinheiro, por sua vez, também estava despido, mas no caso dele se tratava de nudez total. Felizmente, seu corpo coberto por uma grande quantidade de pelo conseguia camuflar a região genital, e ele logo pegou uma toalha para se cobrir, enquanto os dois se assustavam e ele voltava para o banheiro.

Logo ele saia novamente do banheiro, dessa vez devidamente vestido, e podia ver que Li Wan também havia se vestido. Entretendo, ele continuava em forma de hibrido com bisão. - Não consegue voltar ao normal, é? - Ela parecia meio receosa, mas um sorriso de canto de rosto surgiu em seus lábios. - Não sei se eu deveria dizer isso, mas eu estou feliz que você tenha comido essa fruta. Mesmo nesse tempo que eu estive com vocês eu sempre me senti meio deslocada, talvez por sempre ter vivido com minks, mas mesmo vocês me acolhendo eu me sentia distante. Próxima, mas também distante. - A garota abaixou a cabeça, como se sentindo culpa. - Mas ver você assim, não sei, me deixa mais confortável. Como se, pelo menos um pouco, você tivesse se tornado como eu.

Li Wan percebia que suas palavras estavam criando um clima meio tenso, pelo menos para ela, e logo tentou mudar de assunto. - Bom, é melhor a gente ir. Eles já devem estar nos esperando. - Assim, ela abriu a porta e saiu, esperando seu companheiro a seguisse. Mesmo assim, antes de ela, sair, Jacob conseguiu perceber que ela deu uma olhada rápida para ele. Li Wan estava certa, aquela não era uma ferramenta para ele usar: era parte dele agora, assim como tudo que ele tinha desde o nascimento. Assim, com o ultimo vislumbre do novo Jacob, Li Wan sorriu e seguiu corredor adentro.

  • Ryu


Assim que pegou no sono, a consciência de Ryu voltou muitos anos no passado, reavendo lembranças a muito esquecidas, e que voltavam agora repentinamente. Ao ser acordado, o jovem se levantou se supetão, percebendo que lagrimas desciam pelo rosto e seus olhos estavam úmidos. Aquela lembrança havia tido uma força sobrenatural sobre ele, que mesmo sem saber se aquilo era uma invenção da sua mente ou uma lembrança de fato, conseguia ficar triste pelo que havia visto. As manoplas de Orfeu ainda estavam no colo dele, e uma garota que ele nunca tinha visto estava na sua frente.

O pirata fez uma pergunta que pareceu pegar a garota de surpresa, e logo revirou os olhos, como se pensasse que era melhor ter deixado ele dormindo, mas nada disse. - Me chamo Violet. - Respondeu ela. Sem mais o que fazer, ela se virou e foi embora, deixando o garoto ali. Sem mais o que fazer, ele se levantou e foi para a frente da Estalagem, onde deveria encontrar seus companheiros.

  • Buzz


Após comprar os livros, Staz e Umika se sentaram contra a parede perto a porta, e o jovem começou a ler. A garota parecia meio inquieta, e logo tudo fez sentido quando ela reuniu coragem e fez a pergunta. A resposta que recebeu a pegou de surpresa, mas logo o taekwondoka admitiu que não era um vampiro, e falou mais abertamente. - O verdadeiro Buzz... - Ela murmurou para si mesma, referente ao que Staz havia dito. - Isso é muito complicado, não consigo entender. Vocês são uma pessoa só, mas com consciências diferentes? Como eu deveria lidar com isso? - O silencio reinou novamente entre eles, mas dessa vez foi Staz quem decidiu falar, intercedendo por Buzz. Quando disse que o Buzz gostava dela, Umika enrubesceu, principalmente quando insinuou que ela poderia se afastar por causa daquilo.

Por algum motivo, a garota não sabia o que responder, então apenas ficou calada. O jovem se voltou para o livro de botânica, mas logo se levantou novamente e chamou a garota para ir novamente na ala de lojas. Os dois seguiram até a pequena livraria onde Staz havia comprados seus livros. - Ah, você de novo. O que deseja? - Perguntou o atendente, e com a resposta do jovem ele ficou mais sério. - Acho que tenho o que você procura. - Ele foi até um baú na parte de trás da loja e tirou um livro ainda no plástico com os dizerem "Bingo Book". - Isso aqui é um catalogo raríssimo de todas as akumas no mi já catalogadas. É uma edição de colecionador valiosa, então não esperem que seja barato. - Vendo que o jovem se dispôs a pagar, o homem sorriu. - Vendo por 30.000.000 berries. - Era um preço bem alto, mas pelo que aquele livro significava, ele certamente valia aquele valor ou mais.

O valor foi pago e Staz recebeu o livro, para logo em seguida os dois voltaram. Ao abrir o livro, o jovem pode constatar que o vendedor não o enganou: realmente ali haviam imagens, nomes e descrições de uma grande variedade de akumas no mi, e não demorou para encontrar a que Jacob havia comido: uma tal de Ushi Ushi no mi: Model Bison. Ele estava absorto na nova leitura, mas logo um comentario de Umika. - Você havia dito que o Buzz gosta de mim... Mas vocês dois não são a mesma pessoa? Quer dizer que só a outra parte dele gosta de mim? - O rosto dela parecia um pimentão de tão vermelho, mas ela teve coragem para fazer a pergunta. Entretanto, antes que ele pudesse responder, os outros três chegaram.

  • Todos


Descendo as escadas e lembrando do que Li Wan havia dito, Jacob conseguiu voltar ao normal antes de chegar no térreo, e Ryu saiu do salão de jantar quase ao mesmo tempo que ele e Li Wan apareceram na escada. O capitão brincava, reclamando da demora deles, e logo zoava Jacob falando para ele servir de montaria para os outros. Estarem juntos novamente era reconfortante, e os dava a sensação de que poderiam enfrentar o perigo enquanto se mantivesse unidos.

Os 5 então saíram para fora, e apesar de ter uma grande camada de neve acima do solo, os flocos de neve havia parado de cair, permitindo que eles passeassem pela floresta. De início foi difícil achar qualquer coisa, pois a neve que havia caído tinha coberto a maior parte das plantas e ervas rasteiras, o que os forçava a escavar a neve para procurar algo de útil. Ao menos o recém adquirido conhecimento do medico sobre plantas o estava ajudando, pois mesmo com a dificuldade ele havia conseguido encontrar dois ramos de uma erva alucinógena chamada ayhuasca, cinco flores de uma planta que poderia produzir um analgésico e calmante chamada valeriana e uma muda de boldo.

Mesmo assim, era dificil encontrar as coisas com tanta neve, e foi em meio a uma dessas escavações de procura, após ver um pedaço de uma muda se projetando acima da neve que o jovem encontrou uma fruta de aspecto estranho. De inicio ele não entendia o que havia encontrado, mas logo veio algo em sua mente. Aquela era uma akuma no mi: uma das primeiras que ele viu quando abriu o bingo book em uma página aleatória. Aquela não era uma fruta comum, era uma logia, o tipo mais forte de akuma no mi, e, se sua memória quase perfeita não estivesse enganada, pelo que ele havia lido, ela era a fruta que permitia criar, controlar e se transformar em uma espécie de doce chamado melaço. Os outros estavam mais afastados, ajudando a procurar qualquer coisa de importante e ainda não haviam percebido o que ele havia encontrado, mas pelo visto a sorte havia sorrido para o bando novamente.


OFF:
 


Akuma no mi:
 


Legenda:
 

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.][Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]


[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

Grupo:
 


2017:
 
Voltar ao Topo Ir em baixo
Jacob Allan
Super Nova
Super Nova
Jacob Allan

Créditos : 29
Warn : Quarto Ato: Caught in the Spider's Web. - Página 6 10010
Masculino Data de inscrição : 19/08/2015
Idade : 27
Localização : Bingo Bingo Island - 2ª Rota

Quarto Ato: Caught in the Spider's Web. - Página 6 Empty
MensagemAssunto: Re: Quarto Ato: Caught in the Spider's Web.   Quarto Ato: Caught in the Spider's Web. - Página 6 EmptyTer 08 Maio 2018, 03:29

Homem-Bisão, Esse sou Eu!

Seja sempre melhor!







Não era algo fácil de se acostumar, tornar-se um animal por completo, tornar-se algo que não sou, era difícil, mas eu conseguia compreender o que Li Wan estava me dizendo e pela primeira vez eu me senti envergonhado. Li Wan estava ao nosso lado todo tempo, nos ajudou na tumba do rei, nos ajudou com Pancho, me deu uma noite de rei e ainda abriu seu coração para nós, tudo isso sem esperar nada em troca, mas quando eu podia dar a ela a única coisa que poderia a deixar mais feliz eu apenas repudiei. Ela não vê um Mink ou alguém de sua terra a tempos, ela sente saudade de ser o que ninguém aqui faz ela de fato sentir-se, ela senta falta de ser apenas " mais uma mink" e não " a única mink " .


Não demorou para que nos chegássemos ao ponto de encontro, estava nervoso eu não podia negar, mas isso ainda sim não foi um problema para que eu voltasse ao normal. O alivio veio de imediato, talvez tenha ficado um pouco irritado com os comentários de Ryu a primeiro momento, mas ele apenas estava divertindo-se, mas pela primeira vez eu não me ofendia com aquilo. Li Wan mostrou para mim algo que a muito não via, ela mostrou que eu era aquilo, eu era o Homem Bisão e isso era a minha real natureza agora e por isso, no termino das falas de meu irmão uma risada foi a primeira coisa que dei, uma risada genuína e feliz enquanto falava em tom ameno:



[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]


— Posso ser um "mimoso" mas sou o "mimoso" mais forte que você conhece moleque.


Um soquinho no ombro foi dado, um soquinho sem intensão de machuca-lo, um soquinho mostrando que eu estava bem com aquilo, digo, ao menos estava tentando me acostumar da melhor maneira possível.

Dando uma piscadela para a bela Mink tentava mostrar para ela que a suas palavras sinceras e profundas tinham feito algo dentro de mim, algo que poderia me ajudar a quem sabe em algum momento tornar-me um homem melhor e era isso que eu buscava ser naquele momento. Logo virava para meu irmão e falava em um tom brincalhão mais sereno enquanto caminharíamos na direção da neve e de nosso destino incerto:


[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]


— Como meus "Velhos Batutas" Cristus e Obeha costumavam dizer " Uma Alma Ardente, é isso que um homem tem dentro de si, ela é a força inabalável e inquebrável que jamais se rende, ela é o poder da amizade.", ver nossos "amigos" juntos de novo e ver onde estamos "Anaki-boy" me fez ver o poder que isso tem.


Meu comentário podia ser to-lo, mas era de coração, era a primeira vez naquela ilha que podia sentir todos os meus amigos em " segurança " mesmo que momentaneamente e isso era algo que me fazia acreditar em fazer o Impossível Possível, assim como o que aqueles velhos sempre falavam.



[...]





Andar naquela fria terra era uma verdadeira prova de força e determinação, mas naquele momento eu estava acompanhando meus amigos, o calor de meu casaco e de meu corpo me mantinham quente, mas era a presença deles ali buscando e pela primeira vez divertindo-se mesmo com o perigo nos espreitando que me fazia relaxar.

Logo meu olhar voltaria-se para única que ali me foi a mais ferida e também a que mais força tinha para continuar, Li Wan, a nossa noiva aventureira, a mulher que me fez ter uma possibilidade de perspectiva, talvez os outros não compreendessem a importância, mas foi aquela Panda que nos fez enfrentar o invensivel Orfeu, foi ela que nós fez derrotar Lancelot, foi ela que nós motivou a derrubarmos uma família inteira de mafiosos, Li Wan era a força que nos movia assim com Ryu, Bee ou Umika, mas acima de tudo, ela a força que me fez ver quem eu era ali.

Quando próximo o suficiente dela me viraria então, era talvez o único momento que teria para mostrar isso de forma tão tenra, a olharia nos olhos e seguraria a suas mãos a medida que me concentrando-se e respirando calmamente tentaria focar minha mente no que eu me recordava ser a minha forma de Homem Bisão.

Se tudo desse certo me tornaria pouco a pouco e  tentaria manter-me tranquilo enquanto mesmo mais alto que ela e mais largo e robusto me inclinaria lentamente ate ficar o mais próximo da sua altura e encostaria testa a testa na dela enquanto falaria em um tranquilo e grato:



— Você e eu somos iguais "Broto".


Muitas palavras poderiam ser ditas, muitas verbetas poderiam ser executadas, mas existem coisas e votos de confiança que não precisam de palavras intensas, de discursos belos, de cargas emocionais indescritíveis, as vezes e só as vezes uma frase, um sentimento e uma ação mostram a alguém que gostamos o que é importante para ela e para nós, eu não me destranformaria, não mais, não enquanto Li Wan estivesse conosco, não enquanto ela precisa-se sentir que existia mais um Mink ali.


E seria com um abraço firme que esperaria a resposta da mesma antes de me levantar e voltar a ajudar meus companheiros a procurar o que eles procuravam e ficaria também atento a tudo que se passava a nossa volta, afinal de contas era uma ilha nova, inimigos, ingredientes e ate mesmo possíveis descobertas poderiam ser encontradas ali.

Naquele momento encontrava-me leve, ainda era difícil me acostumar com a vontade ruminante de comer capim, mas bem, eu teria que me adaptar aquilo da melhor maneira possível.




bichaelson



Menu Completo:
 

Historico Afro:
 

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
BuzzB
Pirata
Pirata
BuzzB

Créditos : 83
Warn : Quarto Ato: Caught in the Spider's Web. - Página 6 10010
Masculino Data de inscrição : 03/04/2016
Idade : 21
Localização : Nos anais do Acre

Quarto Ato: Caught in the Spider's Web. - Página 6 Empty
MensagemAssunto: Re: Quarto Ato: Caught in the Spider's Web.   Quarto Ato: Caught in the Spider's Web. - Página 6 EmptyTer 08 Maio 2018, 21:58

Sweet Temptation


Staz


Ela estava confusa. Já esperava que isso fosse acontecer devido a toda a situação, então não tinha nenhum sentimento aflorado em particular. Apesar de que, sentia uma ponta de incômodo por ter que fazer uma garota passar por tal problema. Acho que causar problemas aos outros é meio que a minha - ou nossa - especialidade, contudo essa era a primeira vez que eu amaldiçoava tal fato. Por sorte, consegui achar um conjunto muito louco de palavras que parece ter tido um efeito legal nela e a fez corar. Aquilo não era nem de longe um remédio para a situação, mas era um começo. Contudo, eu com certeza teria que ter uma nova conversa com ela para tentar fazê-la relaxar sobre tudo isso. Era informação demais jogada de uma vez, sabia disso. Ela precisava de tempo para processar tudo aquilo com calma, e também precisava saber que ela tinha tal tempo. Pelo modo como agia, transparecia que ela parecia ter uma urgência em conseguir uma resposta, o que não a faria bem nenhum. Tentando mudar um pouco de assunto, partia junto à garota para comprar um outro livro que seria de suma importância na nossa viagem dali para frente. Por sorte o vendedor tinha tal item consigo, o que era bom. Porém o livro custava praticamente um rim, o que não era tão bom. Mesmo assim, o comprei. Tive sorte que meus instintos me guiaram a não comer a fruta da vaca, mas futuramente eu poderia acabar comendo uma ainda pior ou deixando passar uma super fruta foda, e por isso aquele livro se fazia necessário.

Com a compra feita e o bolso bem mais leve, seguimos de volta para o local de encontro do nosso grupo e eu resolvi dar uma olhada no que havia comprado. Tinha que admitir que era bem legal ler sobre todas aquelas coisas fantasiosas e ver aquelas frutas de formato curioso, então já nem me abatia tanto pelo preço cobrado. Durante a vistoria que fazia, acabei achando TOTALMENTE ao acaso a fruta da vaca que o cozinheiro havia comido, porém o nome dela e algumas partes da informação estavam erradas. - Como assim bisão? O que diabos é um bisão? Eu sei que tá meio peluda, mas ele obviamente virou uma vaca feia, né? - Questionaria olhando para Umika. - O cara que escreveu esse livro tá de brincadeira com a minha cara. E tomara que isso aqui não seja falso, porque se eu acabar deixando passar a incrível fruta do carrinho sem saber, esse vendedor tá ferrado. - Enquanto me preocupava com o fato de não poder virar o relâmpago marquinhos, Umika me fazia um novo questionamento filosófico profundo. Formular uma resposta satisfatória poderia demorar um tempo, mas por sorte o resto do grupo chegou e me conseguiu uma oportunidade de pensar.

Agora reunidos, finalmente deixávamos a estalagem e caminhávamos em direção à floresta da ilha. Eu sempre gostei de neve e da decoração que ela faz na paisagem, e mesmo ela atrapalhando minha coleta de itens na ocasião, não conseguia deixar de apreciá-la. Escavando o tapete branco do local, consegui algumas coisas interessantes para brincar futuramente. - Alucinógenos e analgésicos, deve ser a droga do meu aniversário e eu não sei. Seria mais legal se eu também achasse alguma saia-branca e um pé de café para pegar as sementes. Tenho umas ideias bem loucas pra essas coisas. - Continuando a minha procura, acabei me deparando com algo surpreendentemente inesperado por conta dos fatos ocorridos mais cedo no dia. - Vine buscando cobre y encontré oro. - Diria com uma expressão séria no olhar. Agora era oficial: Era realmente o meu aniversário e por algum motivo eu tinha esquecido disso.

Demorou um pouco para notar, porém aquele design facilitava ainda mais para a minha memória. Não havia mais dúvidas, era mesmo uma akuma no mi. - Quais as chances, bicho? - Usaria um tom baixo, falando apenas para mim mesmo. *Se não a tivéssemos visto no livro pouco tempo atrás, eu acharia que seria uma fruta venenosa ou uma armadilha. E sabendo que essa é uma logia, aconselho que a comamos. * - Você sabe que deve ter pelo menos uma dezena de akumas bem mais fortes que essa, né? - * E quais as chances de darmos sorte e encontrá-las por ai? * - Eu devo dizer... Que é bem próximo a zero. - Sim, eu também sou bom de matemática. Top, né? Contudo, até uma pedra conseguiria chegar a essa conclusão sozinha, o que estragava um pouco o momento. Meio relutante, pegaria a fruta com minhas mãos e a olharia de todos os ângulos possíveis, como uma criança pequena quando ganha um brinquedo novo. Eu poderia divagar mais sobre o assunto ou até guardar ela para mais tarde, entretanto eu não conseguia deixar de pensar em como seria foda ver a cara de todos quando vissem que eu tinha me tornado o mais forte do bando em uns cinco minutos. - O cozinheiro só precisou dar uma mordida e já podia virar vaca, então acho que não preciso comer tudo. Além disso, uma fruta bonita dessas dá um belo souvenir para por na minha enfermaria. - Animado, daria uma bela mordida na fruta e a mastigaria rapidamente para que pudesse engolir tudo sem ser notado. Assim que terminasse, guardaria o restante da fruta, bem como as plantas colhidas, dentro da minha mochila. - É uma ferramenta surpresa que usaremos mais tarde. -

Não sabia quanto tempo demoraria para os poderes se manifestarem, tão pouco tinha ideia de como eles se mostrariam. Apenas manteria a calma todo o tempo e fingiria que nada acontecera, continuando a olhar pelo local a procura das plantas que visava. Vez ou outra olharia para meus companheiros e, caso constatasse que nenhum deles estivesse me olhando, abriria a mão esquerda com a palma virada para cima e me concentraria nela. Logias tinham a capacidade de permitir que o usuário criasse, controlasse e transformasse o próprio corpo em um determinado elemento. A ame ame, em específico, tinha como elemento um doce chamado melaço. Mesmo sendo um doce, aparentemente ele era intragável ou algo do tipo, o que impedia que algum engraçadinho tentasse me devorar. O que eu tentaria fazer era produzir apenas um pouco do material em minha mão, para ver se meus poderes haviam se manifestado e aproveitar para treinar um pouco. Concentraria-me em fazer apenas o bastante para cobrir a palma em si, sem deixar escorrer ou sobrepor meus dedos. Após isso, no caso de ter conseguido realizar o feito, fixaria meu olhar no melaço e começaria a tentar movê-lo de um lado para o outro com a mente. Imaginaria a movimentação que ele faria e respiraria fundo para não perder o foco. Pararia vez ou outra para olhar novamente em volta e ver se não estava sendo observado por ninguém do grupo, e no caso de estar, sorriria para a pessoa e usaria a destra para pegar o melaço e estender para quem me observasse. - Achei isso aqui pelo chão. Tem uma consistência meio engraçada e parece musgo, mas não tenho tanta certeza. - Transmitiria normalidade em minha voz e esperaria conseguir ludibriar quem quer que fosse com essa história.

A medida que fôssemos adentrando mais a floresta, indo em direção à cidadela, passaria a prestar mais atenção aos arredores do que ao treinamento, já que estávamos explorando águas novas por ali. Se não estivesse ocorrendo nada que necessitasse tanto da minha atenção, me aproximaria de Umika para lhe responder a pergunta feita anteriormente. - Creio que você tenha me feito uma pergunta antes de sairmos. Sim, juntos eu e o moleque somos a personalidade completa de Buzz Bee. Separados, temos características e aspectos que nos diferem um do outro e por isso temos alguns gostos iguais e outros diferentes. Mas você meio que levou ao extremo a coisa. Eu gosto de você, só não romanticamente como o outro gosta, entende? Eu te vejo mais como uma amiga ou até uma irmã mais nova. Hum, a segunda opção parece legal... - Massagearia o queixo com o polegar, o indicador e o dedo médio, enquanto fazia uma expressão pensativa. Se ela quisesse falar mais alguma coisa, continuaria seguindo em frente vigilante, porém me atentaria a suas palavras.

Histórico:
 

____________________________________________________

* Pensamento * (Buzz)
* Pensamento * (Staz)
- Fala

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Pedrão
Civil
Civil
Pedrão

Créditos : Zero
Warn : Quarto Ato: Caught in the Spider's Web. - Página 6 10010
Masculino Data de inscrição : 15/10/2015

Quarto Ato: Caught in the Spider's Web. - Página 6 Empty
MensagemAssunto: Re: Quarto Ato: Caught in the Spider's Web.   Quarto Ato: Caught in the Spider's Web. - Página 6 EmptyQua 09 Maio 2018, 03:57




RISE OF THE DRAGON


[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

“Violet...”

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]


“Yare yare, mas que garota estranha. Será que eu disse algo de errado? Não me diga que foi porque eu a chamei de broto?”


Sem dúvidas Violet era uma garota muito bonita, sua comissão de frente se destacava, e, no entanto essa não era a parte que mais tinha chamado minha atenção. Embora tivéssemos trocado olhares por um breve momento, a profundidade dos seus olhos me marcou. De todo jeito isso não tinha muita importância agora.

Minhas pernas moviam-se automaticamente ignorando a dificuldade de andar na neve. Ainda que eu estivesse presente fisicamente, meu "coração" não estava ali. Meus olhos, perdidos, miravam ao longe ignorando a beleza da paisagem, pensando no sonho que eu tinha tido recentemente. Meu peito estava "apertado", e não fosse pelo aniki, talvez eu tivesse continuado nesse estado por um bom tempo.

Cristrus... Obeha... Alma ardente...

Essas poucas palavras foram o suficiente para que o meu coração saltasse, quase saindo pela boca. Subitamente retive meus passos, e com os olhos arregalados olhei para o meu irmão em estado de choque.

Eu nunca fui um cara muito inteligente, mas a situação a minha frente era óbvia demais. Somente o meu velho e os seus amigos conheciam sobre esse “lema”, e a julgar pelos nomes que o meu aniki tinha acabado de citar, estava claro que se tratavam das mesmas pessoas.


“Como pode? É coincidência demais. Tio Obeha, e o aniki...”


Minhas pernas ficaram trêmulas, e sem força para ficar de pé, acabei caindo de bunda na neve. Tio Obeha... A comida dele era deliciosa. De todos os meus amigos do meu pai, ele era o que menos comparecia nas reuniões e até hoje eu não sei o que aconteceu com ele. Tudo o que o meu velhote dizia é que ele era um homem ocupado, e não tinha tempo.

Com dificuldade, e me recuperando do choque, levantei-me dando pequenas palmadas na calça para sacudir a neve. Minha cabeça baixa fazia com que meus cabelos cobrissem o meu rosto, entretanto, era impossível não notar um curto sorriso no canto dos meus lábios. Quem diria que eu e o aniki tínhamos um vínculo em comum.

Aproximando-me do meu irmão, ergueria o indicador direito encostando-o suavemente em seu coração. Burning Soul (alma ardente)... Somente quem conhecia esse lema poderia compreender o que meu simples gesto significava. Esse “poder” transmitido de geração em geração no boxe do meu velho, era algo surgia do fundo do coração, despertando o calor da alma.


[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]


- Aniki, parece que foi realmente o destino quem nos uniu. Como está o tio Obeha? Faz muitos anos não tenho notícias dele, e nem do tio Cristrus. – Mostraria um sorriso vibrante no rosto, cheio de excitação. Depois de todos esses anos, era inevitável que eu estivesse ansioso para saber o que tinha acontecido com os meus tios. Muito provavelmente eles sequer sabiam da morte do meu pai. Eu também queria saber o porquê deles terem deixado de nos visitar.

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]


- Depois de todos esses anos sem notícias, eu sempre me perguntei o que tinha acontecido com eles. – Voltaria a caminhar enquanto conversava. O sorriso nos meus lábios aos poucos perdia o seu “brilho”, enquanto meus olhos revelavam um misto de tristeza e saudosismo. Meu humor ultimamente era algo que nem mesmo eu conseguia compreender direito. Em pouco tempo muita coisa tinha acontecido e eu simplesmente não tinha tempo para colocar minha cabeça em ordem.

Histórico de Pedrão:
 
Codigo do Caçador:
 


(As imagens são ilustrativas)





Quarto Ato: Caught in the Spider's Web.

____________________________________________________


[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Hoyu
Olhos de Deus
Olhos de Deus
Hoyu

Créditos : 76
Warn : Quarto Ato: Caught in the Spider's Web. - Página 6 10010
Masculino Data de inscrição : 27/04/2013
Idade : 20
Localização : Grand Line - Jingle Bell Island

Quarto Ato: Caught in the Spider's Web. - Página 6 Empty
MensagemAssunto: Re: Quarto Ato: Caught in the Spider's Web.   Quarto Ato: Caught in the Spider's Web. - Página 6 EmptyQui 10 Maio 2018, 17:50




A Cidadela!


  • Todos


Em sua caminhada pela floresta nevada, dentre os muitos achados, um se destacou de todos os outros. Enquanto seus companheiros estavam espalhados procurando mais coisas interessantes, Buzz acabou encontrando um pequeno fruto escondido pela neve: uma akuma no mi. Seu formato não deixava duvida do que era, e a promessa de um poder como aquele quase hipnotizava o jovem. Graças ao bingo book, ele sabia de que fruta se tratava, e por mais incrível que pareça se tratava de uma logia! Em tão pouco tempo, grande parte do bando receberia o poder daqueles frutos lendários. Após refletir um pouco, Staz pegou o fruto e mãos e o olhou bem. Ao seu alcance estava um poder muito maior do que qualquer um de seu bando, e talvez maior até do que Orfeu, e ele tinha a oportunidade de ter esse poder para ele.

Olhando em volta para ver se não estava sendo vigiado, ele deu uma mordida na fruta. A primeira coisa que invadiu sua boca foi um gosto horrível de merda, como se ele tivesse pegado fezes e enfiado na boca; era o pior gosto que ele já tinha sentido na vida, e era difícil imaginar que uma fruta teria um gosto daqueles. Entretanto, o pirata sabia que ele precisava aguentar, e, mesmo contra o reflexo do seu corpo de vomitar, ele se forçou a engolir. Mesmo depois de tudo, um vestígio horrível do gosto ainda estava em sua boca, mas ele ia sumindo com o tempo. Por alguns instantes nada aconteceu, mas repentinamente algumas gotas de uma substancia melada e verde começou a escorrer pelas extremidades do seu corpo. Os outros quatro continuavam avançado pela floresta, então ele teve que se apressar para não ser deixado para trás.

Em outro ponto, enquanto procuravam por ervas para Buzz, mesmo não entendendo muito do assunto, ou qualquer outras coisas que parecesse ser útil, Jacob e Li Wan andavam juntos, mas com um silencio ligeiramente constrangedor. A mink parecia ter se arrependido de dizer o que disse, mas não falou nada para não deixar o clima ainda mais estranho. De um momento para outro Jacob entrou na frente dela e segurou suas mãos, o que deixou a garota surpresa e confusa. Com a neve caindo ao seu redor, pelos negros foram crescendo pelo corpo de Jacob, sua estatura aumentou, chifres cresceram em sua cabeça e ele novamente entrou em sua forma hibrida. - Jacob... - Li Wan não sabia o que dizer diante daquilo tudo, e nem se deu ao trabalho. O cozinheiro encostou sua testa com a dela e disse tudo que havia para ser dito.

Fungando, Li Wan abraçou forte o homem, como se não quisesse largar mais. No fundo ela provavelmente sabia que aquilo não tornava ele um mink, mas o reconhecimento aquecia seu coração. Mesmo que ele ainda fosse humano no fundo, aquele gesto significava muito para ela. Lagrimas solitárias escorreram de seu rosto quando o abraço foi retribuído, e os dois passaram alguns momentos assim até se soltarem. - Obrigada. - Ela disse, enquanto secava as lagrimas do rosto. Uma palavra e mais nada. Quando iam prosseguir, a panda segurou a mão de Jacob, e os dois seguiram de mãos dadas.

Enquanto caminhavam, a floresta ia ficando cada vez mais densa e escura, enquanto as copas das arvores iam ficando mais altas e impediam a neve de chegar até o solo. Mesmo com a tempestade que havia havido, aquela parte densa e escura da floresta não havia sido nem ao menos tocada pela neve, e o frio do local era a o único indicio dela que existia. O terreno era mais irregular, com uma fina grama no chão e arvores com as raízes saltadas pela terra; ao que tudo indicava, eles haviam chegado na cidadela. Haviam pequenas aranhas por todo o lugar: nas arvores, em troncos caídos, em grandes bolsões que haviam embaixo de algumas raízes e até mesmo correndo pelo chão. Umika se aproximou de Staz, tremendo de medo das aranhas e se esquecendo completamente que ele era Staz, e não Buzz. Distraído com sua companheira e com a escuridão do local, o médico acabou quase tropeçando em uma raiz saltada na terra e, ao se equilibrar, acabou pisando em uma grande aranha que passava.

Ela se contorceu abaixo da bota do jovem e parou. Da mesma forma que mal havia percebido a raiz, um objeto voou pela escuridão sem que ninguém percebesse. Um barulho de algo sendo fincado se fez ouvir, e todos viram uma flecha atravessar o peito de Buzz, bem no seu coração. O jovem, apesar de não ter sofrido nada, parecia aos olhos dos outros com uma ferida seria, e mesmo intangível ele ainda sentia uma pontada de dor, provavelmente por ter conseguido o poder não fazia nem 5 minutos. Um velho apareceu por entre as árvores, com um arco de madeira na mão e seguido de uma grande quantidade de aranhas, algumas inclusive andando pelo seu corpo. - Quem são vocês, por que estão aqui e por que estão matando as aranhas?


Legenda:
 

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]
[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.][Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]


[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

Grupo:
 


2017:
 
Voltar ao Topo Ir em baixo
Jacob Allan
Super Nova
Super Nova
Jacob Allan

Créditos : 29
Warn : Quarto Ato: Caught in the Spider's Web. - Página 6 10010
Masculino Data de inscrição : 19/08/2015
Idade : 27
Localização : Bingo Bingo Island - 2ª Rota

Quarto Ato: Caught in the Spider's Web. - Página 6 Empty
MensagemAssunto: Re: Quarto Ato: Caught in the Spider's Web.   Quarto Ato: Caught in the Spider's Web. - Página 6 EmptySex 11 Maio 2018, 17:50

Lembranças

Jacob Allan e Ryu, Filhos dos Burning Souls







As palavras de Ryu vieram ao meu ouvido, sua empolgação, sua nostalgia, tudo isso eu pude sentir, esbocei um sorriso e isso era o que eu esperava que acontecesse, ele tinha falado do velho Cristus a algum tempo, uma duvida estava dentro de mim, mas ao ver ele falar ate mesmo do velho ranzinza Obeha eu pude compreender, ele era o filho de Oda o velho amigo do homem que me criou como um filho.  Naquele momento não tinha como o responder, existiam coisas mais urgentes mas teríamos a nossa conversa, sem duvida alguma, ela aconteceria.


Minhas ações perante Li Wan tinham lá o seu significado, para muitos talvez fosse apenas eu sendo mais uma vez um "Galanteador Barato" mas aquele broto merecia mais do que isso, estava decidido que já tivemos um lance e que sucumbiríamos a ele quando isso fosse de fato o nosso interesse, mas acima disso eramos outra coisa, eramos amigos, eramos família e por mais que de fato eu não fosse um Mink a minha atitude de estar como eu estava " Um Homem Bisão " mostrava para ela que ao seu lado eu era igual, eu era a pessoa que a faria companhia em um momento duro que é estar longe de sua própria zona de conforto, o abraço, as mãos dadas, os sorrisos, isso me deixava bem, isso me fazia lembrar de algo, não tão romantizado, mas ainda sim emocionante.




[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]



Estava de tarde, me recordo muito bem, era a terceira vez que tentava socar aquele maldito javali gordo da mata de Revan, Obeha estava como sempre sentado próximo vendo tudo acontecer, era seu estilo de me ensinar as coisas, por mais que fosse extremamente confuso para mim estar treinando caçar animais do soco sendo que ele devia estar me ensinando a cozinhar, mas quem era eu para questionar " O Grande Bode Velho " que ele era em suas metodologias teimosas.

Eu corria na direção daquele animal e ele na minha, quando meu pulso atingiu o mesmo pude sentir o "crack" e tive duas certezas: A dor viria em sequência e não conseguiria manejar uma faca decentemente por um mês, mas essa foi a menor das minhas preocupações, pois ao cair no chão pude ver que o Javali continuava de pé e não parecia nada contente com o soco que levou.




[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]


— Vamos lá "Borra Botas", levante esse seu traseiro gordo, você não derrubou ele ainda.


Obeha falou em tom duro comigo, não era a primeira vez ou a ultima vez que ele de fato seria duro comigo, afinal essa era a sua metodologia. Com dores que não conseguia descrever apoiei a mão quebrada no chão e fiquei de pé levando ao rosto os punhos cerrados e machucados para uma batalha que se seguiria. Pude perceber de relance, Obeha continuava com um sorriso nos lábios, estava satisfeito, quando o Javali veio na minha direção e meus calcanhares fizeram uma leve rotação e meu corpo inclinou-se para um soco preciso pude ver ele atento no movimento, o Javali por outro lado apenas aproximou-se o suficiente para um golpe certeiro em sua testa que o fez desmaiar enquanto eu caia de joelhos com mais uma fratura agora no outro pulso.


[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]


— AHHHHHHH!!!!


A dora era incomensurável, mas não posso negar, naquele momento eu nunca me senti tão vivo, Obeha aproximou-se e colocando a mão em minha cabeça, ao jeito dele era como ele conseguiria me dizer que estava ao meu lado não importante quão duro fosse tudo aquilo. Me levantou e me levou para um descaso, lembro-me pouco do caminho de volta, das coisas faladas e dos sentimentos sentidos, mas lembro-me que ele cuidou de meus pulsos a noite inteira para que eu estivesse melhor mais rápido do que o normal.


No dia seguinte me levantei cedo, mesmo com os braços na tipoia fui ate a floresta e encontrei o tronco de treinamento, tirei meus braços da tipoia e comecei a socar, Obeha surgiu logo depois, me lembro de ouvir a desespero em sua voz e as palavras exatas que ele disse para mim naquele dia:



[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]


— JACOB ALLAN, VOCÊ ESTÁ LOUCO GAROTO? EU MANDEI VOCÊ DESCANSAR, EU MANDEI VOCÊ NÃO SE FERIR!!!!


Nunca tinha visto aquele bode velho tão nervoso, nunca ou tão espantado em ver que mesmo com os punhos feridos eu continuava a treinar, eu virei para ele e com um olhar de dor e determinação falei em meio as sensações confusas que senti por estar tomando uma bronca com ele não como um mestre que doutrina seu dicipulo, mas como um pai preocupado com o bem estar de sua cria:



[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]


— Eu tenho que continuar "Obeha-Oji-San" eu não posso continuar fraco se não sempre vou me ferir, sempre vou ser fraco...


Ele foi ate mim segurou meus punhos sangrando, olhou para mim no fundo dos olhos e falou com uma ternura que nunca esperei daquele velho bode, uma ternura que permeava ate mesmo o mais grosso dos corações:


[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]


— Você tem de respeitar a si mesmo "Jac-boy". Não é socando arvores que vai conseguir tornar-se mais forte é respeitando a si, aos outros que confiam em você e acima de tudo sentindo-se grato pelo que " A Grande Cozinha " que é o mundo te dá para sobrevier. Você me lembra Oda, um velho amigo meu, turrão, intransigente e nem um pouco flexível, mas sabe de uma coisa? Nunca nos odiamos, pois nos eramos gratos um pelo outro...sua próxima lição "Jac-Boy" é a mais importante do seu treinamento com a comida, vamos ser gratos, esse é o principio de algo que irei te ensinar depois...


Algumas lagrimas desceram e no momento seguinte eu me vi abraçado com o homem que sempre me tratou como um filho, Obeha e eu sempre tivemos os nossos momentos mas me recordo que esse momento, esse único momento foi quando eu deixei de ser um simples "aprendiz de cozinheiro" e comecei a ser "grato" para tornar-me um profissional.





[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]



[...]




Ao piscar os olhos muitas imagens tinham passado por minha cabeça, meu passado, meu treinamento, os ensinamentos de meu pai, bem, tudo isso sempre me deixava mais emocional, mais inflamado. Me preocupei em ajudar os outros e dar um pouco de atenção a Li Wan, sempre cordial tentei ajuda-la em afazeres um pouco mais complicados para com sua força e consequentemente testando a a minha também, algo que acreditava ter aumentado de forma um tanto curiosa com a fruta que tinha comigo agora que era um usuário.

Tentava utilizar meus sentidos animais aguçados de audição e faro para detectar o que encontrava-se ao redor, era interessante compreender melhor a fruta, era interessante saber o que podia ser feito e por isso a tentativa de experimentar os sentidos de um Bisão
(-20 de energia) e então em seguida continuaria a explorar com meus companheiros e Li Wan.

Após encontrar o que fosse preciso me direcionaria ate Ryu e dando um leve tapa em suas costas falaria para meu irmão de maneira tranquila e muito feliz pela constatação que tivemos a pouco tempo atrás:



— Então quer dizer que você conhece os "Velhos Batutas" do orfanato? Essa é uma boa surpresa "Anaki-boy".


As palavras viriam a medida que o som de "Crack" do pisão na aranha se tornaria audível e o som da flecha zunindo e acertando meu companheiro em cheio. Espanto momentaneo, fúria descabida e um disparo na direção do inimigo com uma aceleração impar e com um olhar fumegante seriam dados no momento que as primeiras palavras do ser surgiam a nossa frente. Fomos pegos despervinidos, mais inimigos, mais crueldade, eles queriam lutar contra os Chavaliers, eles teriam que passar pelo "O Touro " da equipe.


Com um jogo de pés típico do Box, tentaria movimentar-me pelas laterais e diagonais em um zig zag incoerente para pior dificultar a mira de meu inimigo, buscaria em suas movimentações a brecha perfeita para aproximar-me de maneira eficaz e disparar um poderoso soco de baixo para cima em seu queixo, um upercut eficaz e direto, todos os movimentos seriam feitos com o máximo de precisão, mas logo um dos cascos colocaria-se próximo a perna do homem bloqueando o lado esquerdo para uma esquiva e a parte traseira também, tentando o forçar a ficar na rota de colisão do Upercut enquanto bradava:



— NÃO OUSE MACHUCAR OS MEUS AMIGOS " VELHOTE"!!!






bichaelson



Menu Completo:
 

Historico Afro:
 

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Conteúdo patrocinado




Quarto Ato: Caught in the Spider's Web. - Página 6 Empty
MensagemAssunto: Re: Quarto Ato: Caught in the Spider's Web.   Quarto Ato: Caught in the Spider's Web. - Página 6 Empty

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
Quarto Ato: Caught in the Spider's Web.
Voltar ao Topo 
Página 6 de 9Ir à página : Anterior  1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9  Seguinte

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
One Piece RPG :: Grand Line - Paradise (Paradaisu) :: Ilha Aracne-
Ir para: