One Piece RPG
Baile do Fundão XwqZD3u


One Piece RPG : A GRANDE ERA DOS PIRATAS
 
InícioBuscarMembrosGruposRegistrar-seConectar-se
Últimos assuntos
» Supernova
Baile do Fundão Emptypor Shroud Hoje à(s) 11:56

» ブルーベリーパイ ~ Blueberry Pie
Baile do Fundão Emptypor CaraxDD Hoje à(s) 02:30

» Amaya
Baile do Fundão Emptypor Misterioso Hoje à(s) 02:21

» [Ficha] Mika Mizushima (Em Construção)
Baile do Fundão Emptypor Revescream Ontem à(s) 23:47

» Livro Um: Graduação
Baile do Fundão Emptypor ADM.Noskire Ontem à(s) 22:31

» ~ Acontecimentos ~ Utopia
Baile do Fundão Emptypor ADM.Noskire Ontem à(s) 21:51

» Cap. 2 - The Enemy Within
Baile do Fundão Emptypor Takamoto Lisandro Ontem à(s) 21:10

» Pandamonio, Vol 1 - Rumo à Grand Line!
Baile do Fundão Emptypor Dogsofain Ontem à(s) 20:52

» Arco North Blue: Uma Odisseia no Santuário
Baile do Fundão Emptypor Alê Ontem à(s) 20:17

» II - Growing Bonds
Baile do Fundão Emptypor War Ontem à(s) 19:57

» Apresentação 5 ~ Falência Sensacionalista
Baile do Fundão Emptypor Licia Ontem à(s) 18:40

» Drake Fateburn
Baile do Fundão Emptypor CrowKuro Ontem à(s) 17:13

» Ficha - Alejandro Martínez
Baile do Fundão Emptypor Domom Ontem à(s) 15:50

» Arco 4: Segredos enterrados em gelo!
Baile do Fundão Emptypor Kenshin Himura Ontem à(s) 14:11

» O Legado Bitencourt Act I
Baile do Fundão Emptypor Fran B. Air Ontem à(s) 13:18

» Art. 4 - Rejected by the heavens
Baile do Fundão Emptypor Ryoma Ontem à(s) 13:09

» Ryuzaki Loster
Baile do Fundão Emptypor Revescream Ontem à(s) 12:37

» Bakemonogatari
Baile do Fundão Emptypor ADM.Tidus Ontem à(s) 11:44

» 7º Capítulo - A Guerra do Apocalipse!
Baile do Fundão Emptypor Far Ontem à(s) 10:34

» III - Grand Line
Baile do Fundão Emptypor PepePepi Ontem à(s) 02:45



------------
- NOSSO BANNER-

------------

Naruto AkatsukiPokémon Mythology RPG
Naruto RPG: Mundo Shinobi
Conheça o Fórum NSSantuário RPG
Erilea RegionRPG V Portugal
The Blood OlympusPercy Jackson RPG BR
A Song of Ice and FireSolo Leveling RPG
Veritaserum RPGPeace Sign RPG
Pokémon Adventure RPG

------------

:: Topsites Zonkos - [Zks] ::


 

 Baile do Fundão

Ir em baixo 
Ir à página : 1, 2  Seguinte
AutorMensagem
ADM.Tidus
Duque Azul
Duque Azul
ADM.Tidus

Créditos : 59
Warn : Baile do Fundão 10010
Masculino Data de inscrição : 10/06/2011
Idade : 27
Localização : 1ª Rota - Karakui

Baile do Fundão Empty
MensagemAssunto: Baile do Fundão   Baile do Fundão EmptyTer 01 Ago 2017, 22:19

Baile do Fundão

Aqui ocorrerá a aventura dos(as) civis Nino Tiradritto & Auguste Lameprécis. A qual não possui narrador definido.


____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

Olá Convidado, seja bem-vindo ao One Piece RPG.
Links para ajuda: [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.] | [Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Makoto
Civil
Civil
Makoto

Créditos : Zero
Warn : Baile do Fundão 10010
Data de inscrição : 21/07/2012
Idade : 16

Baile do Fundão Empty
MensagemAssunto: Re: Baile do Fundão   Baile do Fundão EmptyQua 02 Ago 2017, 17:03

POSTS: 01;
| Revólver ( )
| Capturar um NPC ( )
| Recompensa ( )
| Furtividade ( )
| Corrida ( )

| Pensamentos
| Falas
Nem mesmo a minha visão enaltecida poderia vislumbrar a linha de chegada das minhas ambições intermináveis. Levantaria-me melhor do que nunca. Fuja. Ecoava entre meus ouvidos, encruado nas minhas lembranças. Você é um assassino. Ela sussurrava. Eu deveria ter acordado mal para ter essas alucinações.

Bastaria levar os meus dedos finos e longos até a cintura para constatar que as minhas armas não estavam lá. — Droga! — A sensação de não ter um meio de proteção nessas ruas selvagens fazia meu coração acelerar de uma maneira não muito agradável. A minha infância tinha me ensinado algo: uma pistola carregada valia mais do que qualquer atributo ou influência, isso me remetia a tempos difíceis... Eu ainda deveria ter medo das coisas banais como monstros no armário ou debaixo da cama, mas não existiam camas ou armários nas esquinas homicidas onde eu me criei.

A logística na gangue que me acolheu era bem simples já que consistia em roubar para investir em drogas para ter armas mais pesadas, assaltar lugares mais caros e repetir o ciclo sempre aumentando a quantidade ou a qualidade dos feitos. Eu era novo, é claro, mas ingressar naquela vida tão cedo me arrastaria até o topo antes que eu percebesse. Até mesmo fui conhecido pela minha frieza com armas de fogo que me concedeu o nome “Nino Tiradritto”.

Até os mafiosos mais próximos tinham certo receio de mim. Eu era uma espécie de animal raro e perigoso, mas que gostavam de admirar. A minha pontaria foi tão exaltada que decidi largar os crimes na ilha para me tornar o melhor atirador do mundo, acreditando que eles estavam entre os piratas. Mesmo que quisesse entrar pra Marinha o meu histórico jamais me permitiria. Aqui chegamos ao ponto. Como alguém com os meus objetivos poderia estar sem um revólver sequer?

Se eu não tivesse batido a cabeça com muita força e esquecido onde a loja de armas ficava, procuraria por informações com sujeitos que reconhecesse com algum armamento. É claro, marinheiros não estariam inclusos. — Olá, prazer! Eu gostaria de saber onde fica a loja de armas. — Esse seria o aspecto da abordagem até que obtivesse êxito.

Na loja entraria com certa cautela, cuidando-me aos olhares indiscretos. — Gostaria de um revólver e munições, por favor. — Pediria olhando calmamente por cima do balcão. Entregaria o dinheiro conforme fosse necessário e sairia atrás de uns cartazes de “procura-se”, afinal seria uma maneira interessante de juntar algum dinheiro.



[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Johnnyh
Civil
Civil
Johnnyh

Créditos : Zero
Warn : Baile do Fundão 1010
Masculino Data de inscrição : 06/06/2013

Baile do Fundão Empty
MensagemAssunto: Re: Baile do Fundão   Baile do Fundão EmptySab 05 Ago 2017, 00:22

Baile do Fundão
Acordando perante o Mundo





Tsc, onde eu estou ? Que horas são ? - Pensamentos na mente ao levantar provavelmente em meu pequeno lar. Nem lembrava direito do dia anterior, outra briga ? A dor no corpo não era elevada, parecia ser apenas por ter dormido de mal jeito. Os dias estavam se passando e eu adiando meus planos, mas de hoje não passaria, hoje seria o dia da verdade, o dia que o mundo começaria a me conhecer, ou ao menos é o que eu achava enquanto a iluminação do sol despertava minha visão, que facilmente se incomodava com a luminosidade presente.

Pegaria sobre a cômoda a bandana que meu pai havia me dado quando era criança e então colocaria no bolso da minha blusa, estaria disposto a fazer a cidade pagar por tudo que paguei a ela até então. A fome seria suportável, no passado já havia passado por dias piores, parece irônico para um cozinheiro, porém era a verdade. Já disposto me levantaria e se possível faria minha higiene matinal, de preferência não muito demorada para não atrasar os planos.

A decisão que tomaria hoje mudaria o rumo de minha vida, meu caminhar pela cidade seria o mais atencioso possível, tentado buscar informações de onde estaria o pescador, com meu bom olfato talvez não fosse uma tarefa tão complicada, porém não estaria totalmente focado inicialmente, ja que poderia ser interrompido diversos momentos para manter as aparências saudando a pessoas da cidade. -Bom dia - seriam as palavras leves que sairiam em direção a eles, sem tirar nem pôr.

Após o tempo necessário procurando o pescador teria de alguma forma convencer o mesmo a me ensinar sobre a pesca, demonstraria que era importante porém sem demontrar desespero, afinal, se ele não quisesse ajudar, ele não deveria ser o único pescador em uma grande ilha. Saudaria o pescador como teria feito normalmnte com qualquer um da cidade, porém perguntaria se o dia estava bom para a pesca, e com isso demonstraria o pouco que sei sobre peixes sendo um cozinheiro, também comentaria sobre o All Blue de forma leve, já que tentaria de alguma forma fazer o homem me ensinar.





Off:
 

Objetivos:
 

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ken Rock
Pirata
Pirata
Ken Rock

Créditos : Zero
Warn : Baile do Fundão 9010
Data de inscrição : 27/05/2015

Baile do Fundão Empty
MensagemAssunto: Re: Baile do Fundão   Baile do Fundão EmptyQui 10 Ago 2017, 15:48

Era mais uma manhã em Micqueot. O sol estava coberto pelas nuvens pesadas,  que combinado com o frio extremo da ilha deixava qualquer um com preguiça de levantar da cama e começar mais um dia de trabalho ou afazeres. Mas, a vida não é fácil para ninguém e é exatamente por isso que aproximadamente as 08:00 horas da manhã a população já tomava conta da rua para mais uma rotina.

E em algum canto dessa ilha, o jovem Nino, despertava de seu suposto sonho. Não era agradável despertar daquela forma, como se uma voz o ordenasse a acordar de uma forma brusca e violenta. Seu coração palpitava, dava a impressão de não saber onde estava ou o que poderia ter acontecido com o mesmo na noite anterior. Aos poucos o atirador recuperou o seu centro e fez o check-up de costumo e notou que não estava armado com a sua companheira tão preciosa.

Por já ser residente da ilha o rapaz não teve dificuldades para encontrar a loja de armas, exceto pelo frio que parecia rasgar a sua pele.

Ao adentrar o local, o rapaz com seus olhares aos objetos a sua volta dirigiu-se ao vendedor ... — Gostaria de um revólver e munições, por favor... De início o homem rio, afinal não é todo dia que uma criança entra na sua loja e solicita uma arma. Ao notar que o Nino estava levando a negociação a sério, o homem então deixou o seu sorriso de lado, abaixou-se no balcão e começou a procurar por algo! Não demorou muito e o mesmo retornou com o objeto e iniciou a negociação com o pistoleiro! – Muito bem rapaz, tenho essa arma aqui que iria presentear o meu neto com ela. Faço um valor legal , B$ 1.250 nela e se quiser pode levar essa pulseira para colocar os projéteis por apenas B$ 800! Oque me diz? Vamos fechar o negócio?
Arma:
 
Munição:
 
Um pouco distante dali, em um quarto alugado de aproximadamente 8x8m² o ninja Auguste acordava de uma longa e dolorosa noite de sono muito mal dormida. Apesar dos raios de sol não estarem cintilando em sua janela, o “clarão” da manhã foi o suficiente para coloca-lo para fora da cama. Assim que colocou sua bandana, partiu para o banheiro realizar sua necessidades. Infelizmente a privada estava entupida e acabará de ser usada por um dos hospedes de hostel (o banheiro é comunitário). Não demorou muito e retirou-se do local não antes de escutar a dona do local gritar ao fundo -  Você está me devendo 2 meses, se não me pagar jogarei as suas cuecas sujas na rua !

Na rua, o frio era tamanho e o rapaz não se importava e foi atrás de algum pescador, próximo a  zona portuária o cozinheiro ninja, encontrou com um velho barbudo cheio de tatuagens e com apenas um olho. O velho homem aparentemente apenas olhava para o mar com uma expressão segura. Auguste já chegou conversando com aquele homem que o apenas comprimento com um balançar de positivo com a cabeça enquanto o nonja despejava suas palavras e fantasias para o homem que sorriu e com uma voz rouca respondeu... – Vejo que os jovens de hoje em dia mudaram a sua forma de pedirem emprego hohohoho,  Muito bom! Não deve demorar muito e um dos barcos já devem estar retornando, se quiser você pode ajuda-los a descarregar !

O homem sentou-se com uma certa dificuldade no píer e voltou a falar... – Preciso de um café quente! Vá pegar para mim, se conseguir voltar a tempo, convenço os homens a deixa-lo embarcar na próxima viagem!

Infelizmente para o jovem cozinheiro, não havia nenhum local ali para comprar um café.


Histórico:
 


Dicas e Sugstões:
 

Apresentação:
 

____________________________________________________

Legendas:
 
Voltar ao Topo Ir em baixo
Makoto
Civil
Civil
Makoto

Créditos : Zero
Warn : Baile do Fundão 10010
Data de inscrição : 21/07/2012
Idade : 16

Baile do Fundão Empty
MensagemAssunto: Re: Baile do Fundão   Baile do Fundão EmptyQui 10 Ago 2017, 17:14

POSTS: 01;
| Revólver ( )
| Capturar um NPC ( )
| Recompensa ( )
| Furtividade ( )
| Corrida ( )

| Pensamentos
| Falas
O clima daquela maldita ilha me açoitava como um dedo gélido deslizando pela minha espinha. Abracei agasalho, tentando me apegar ao seu calor inconstante. Ao menos não era tão frio na loja. E as coisas estavam para esquentar... As primeiras palavras do velho diziam sobre uma arma para presentar o próprio neto. Deve ser algo raro, me dei bem. Pensei, mas antes de poder continuar com meu delírio juvenil, veria que o homem não tinha levado o pedido muito a sério. Era uma maldita pistola de brinquedo. Senti as palpitações aumentarem com a raiva, decepção e insatisfação com a brincadeira. Pelo o jeito os traficantes me levavam mais a sério do que um lojista engomadinho e idiota. O que eu mais queria agora era arrancar a garganta do netinho que estava para ser presenteado.

A bem da verdade era que me cabia esteticamente. Seria muito fácil passar despercebido com um ferro desses. Instigante. Visionário. Genial. Esquentava minhas mãos dentro do bolso central no moletom. — Eu achei muito interessante, de verdade. — Não sabia se estava sendo convincente, também não fazia questão nenhuma de passar credibilidade nessas palavras. — Mas eu quero um berro e não um brinquedo, tio. — Tentaria subir na mesa do balcão me apoiando com as mãos limpas e dando um breve impulso para sentar e olhar no fundo dos seus olhos, evitando hostilidades.

— Eu sou órfão. Não tenho tempos para brinquedos, nunca tive o amor de um pai. Muito menos o carinho de um avô. Então não me trate como esses garotos que nasceram com a dádiva de um lar onde podem se sentar no tapete e brincar com armas falsas. — Escarraria a verdade com o prazer que puxava um gatilho. — Então ao menos que queira me suprir financeiramente com o que se gasta para criar um menino até os treze anos, pagar tratamento médico para lidar com os meus traumas e cuidar de mim até a maior idade, prefiro que me venda algo com alguma serventia. — Então desceria da mesa, esperando receber o dinheiro que pedia em troca de alguma um revólver e munições para tal.

Caso recebesse o armamento, deixaria a loja cabisbaixo. Era um pouco frustrante, é claro. Ver exibições de pecinhas coloridas e caras para moleques ranhentos só remetia a infância que nunca tive oportunidade de ter. Tentava evitar pensar nisso, não poderia me perder em pormenores... Eu era um assassino e nada além disso.

Se o clima não tivesse mudado abruptamente, encontraria-me com o vento álgido de antes. Provavelmente teria deixado todo o meu dinheiro lá, então estaria resmungando e chutando pedrinhas pelo caminho. — Ótimo, agora preciso de mais dinheiro... — Reclamaria. A única maneira de arrecadar alguns trocados que eu conhecia era roubando ou traficando.

Procurar por serviços num bar seria essencial, mas uma criança como eu chamaria atenção indesejada. Ser um criminoso mirim era mais difícil do que parecia. — Droga! — balbuciaria cuspindo na calçada. Eu precisava ser acolhido por algum criminoso logo ou arrumar algo para digno para me sustentar. Sairia em busca de vielas em que o tráfico reinasse, perguntaria por vagas para aviãozinho ou coisa do tipo, afinal eu precisava comer no fim do dia. Havia a chance de não conseguir na primeira, então insistiria. Se falhasse em todas, procuraria um cartas de recompensas.

Histórico:
 



[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Johnnyh
Civil
Civil
Johnnyh

Créditos : Zero
Warn : Baile do Fundão 1010
Masculino Data de inscrição : 06/06/2013

Baile do Fundão Empty
MensagemAssunto: Re: Baile do Fundão   Baile do Fundão EmptySex 11 Ago 2017, 14:28

Baile do Fundão
A Saga do Café





Seguindo pela sombra ao acordar evitando o sol cintilante ao longo ouvia a cobrança da propretário do quarto. Eu não vou mais precisar dessa desgraça mesmo. - Pensava... Era o que achava, estava disposto naquele dia, a mudança da minha vida deveria começar por ali, faltaria pouco pro mundo me conhecer, cerca de... Isso pode demorar alguns anos - Me colocava então a buscar um pescador.

Já no local objetivado, o homem parecia de certa forma zombar da minha cara... - Desculpa o mal entendido, eu sou um Cozinheiro, não um pescador... Obviamente não quero um emprego, apenas preciso aprender sobre pesca, se o senhor puder me ajudar ficarei grato e poderei de certa forma recompensa-lo. Quanto ao seu café, verei o que posso fazer, prefere com muito ou pouco açucar ? - Diria olhando em seus olhos.

Como conheceria a localidade, não lembrando de nenhum local que vendesse café por ali, buscaria perceber e haveria alguma localização favorável a plantação de café, caso achasse e notasse o plantio, recolheria alguns frutos e não seria uma dificuldade para alguém como eu executar seu preparo. Porém isso só seria feito caso notasse ao alcance da minha visão algo do tipo, e fosse um local de fácil acesso.

Caso não fosse possível o plano A, usaria de meu olfato aguçado em busca do cheiro forte do café, por ser cedo, muitas pessoas poderiam estar fazendo, caso achasse alguma casa com a janela aberta e a garrafa em visão, buscaria procurar o morador da residência em tom alto e breve -Ô de casa! - Chamaria 3 vezes em cada residência até ser atendido e algum m concedesse o que queria, no caso, o café. Em caso de observar uma oportunidade de roubar a garrafa e um copo sem ser notado, também o faria, porém colocaria o café no copo e devolveria a garrafa com o restante de seu conteúdo.

No caso do plano B falhar, havia também preparado o plano C, e ultima opção... Em caso de tudo dar errado, chegaria alguma hora a alguma loja, onde compraria o café segundo as exigências do senhor, caso houvesse. E então voltaria ao local, não iria querer demorar mais de 20 minutos então faria tudo o mai rápido possível e provavelmente ao voltar estaria cansado.

-Aqui está seu café, pode me ajudar ? - Buscaria agradar o senhor quanto ao possível para criar um sentimento de relação no mesmo, facilitando com que o mesmo me ajudasse quanto ao meu primeiro objetivo do dia.





Off:
 

Objetivos:
 

Histórico:
 

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ken Rock
Pirata
Pirata
Ken Rock

Créditos : Zero
Warn : Baile do Fundão 9010
Data de inscrição : 27/05/2015

Baile do Fundão Empty
MensagemAssunto: Re: Baile do Fundão   Baile do Fundão EmptySeg 14 Ago 2017, 13:55

O clima dentro da modesta loja de armas esquentou e muito comparado com o frio massacrante das ruas da ilha.

Tentando transparecer seu ar de intimidador o jovem senta-se no balcão e com meias palavras começa a dialogar com o vendedor que espantado com o pedido do rapaz e com a forma que o mesmo lançava seu olhar acabou reagindo de uma forma inesperada no mesmo momento em que Nino descia do balcão. Seria um pedala bem dado no pé da orelha do rapaz, isso se o mesmo não tivesse descido do balcão, mas para a sorte do rapaz o tapa apenas peou de leve em seu pescoço.

-Seu fedelho de merda! Você quer a porra de um berro? Eu vou encher a sua bunda de chumbo, pouco me importa se você é a porcaria de um órfão! Quem você pensa que é para vir a minha loja e falar comigo dessa forma!

Irritado, o vendedor transbordava ilha pelos seus olhos devido a ousadia do jovem, o homem parecia procurar algo para arremessar ou até mesmo acertar o garoto. Porém o mesmo já havia saído da loja e posto seus pés nas ruas frias da cidade.

Nada havia saído como planejado até o momento, talvez o tempo dirá ao nosso jovem atirador o que lhe faltou para conseguir o que tanto almejava naquela loja. Porém a bronca do homem não pareceu surtir efeitos nele e sim o brinquedo que nunca receberá de um parente seu. Não ter infância é uma coisa muito dura, Nino mais que ninguém sabia disso e por isso que resolveu guardar aquela frustação em seu intimo e continuar o seu caminho.

Em sua cabeça ainda passava a necessidade de conseguir a sua arma e quem sabe de quebra mais dinheiro e para isso resolveu procurar os becos sombrios, gélidos e mau frequentados de Micqueot. Não demorou muito tempo para achar um meliante e acabou conhecendo um homem de seus vinte e poucos anos, asiático, tatuagens pelo corpo, olhar sem expressão que atendia pelo nome de Japa.

Naquele região era ele que recrutava jovens promissores para o mundo do crime e ao saber que Nino estaria a procura de algo, não demorou muito para que seus caminhos se encontrassem. Japa como sempre foi direto ao assunto com o atirador... – Muito bem cria de gente, sem rodeios e sem perder o meu tempo. O papo aqui é reto, se quiser é pegar e fazer as entregas se não quiser rapa fora e se tu pular por aqui de novo vou te passar tá ligado. Se vai levar esses 4 papelotes de prum boy que trabalha na Adega One a fita lá tem que ser rápida ele é conhecido como Jr, ele é só pó pele e osso tem cabelo vermelho e pá ta ligado!. E assim que tu pegar os galo ($) se volta aqui pra receber um novo serviço.

O japa estendia a mão com os quatro papelotes de droga. Cabia a Nino aceitar ou não aquela que poderia ser o seu primeiro degrau no mundo das drogas...

Na outra parte da cidade.

O cozinheiro começava a sua busca pelo café do senhor. É claro que com a sua habilidade o mesmo não teria nenhuma dificuldade em preparar algo desse nível. Infelizmente, não havia nenhuma área de plantio de café por perto, até mesmo por ser tratar de uma área portuária e esse pequeno detalhe não desanimou ou tirou o foco do ninja. Usando o seu olfato ele começou a farejar pelo local, inicialmente foi um pouco nojento já que o cheiro do local era algo entranho um forte cheiro de bacalhau (se é que você me entende).

Passaram-se alguns minutos e o rapaz achou o cheiro que tanto buscou até o momento. Vinha de uma casa simples que estava com a janela da cozinha aberta. O cozinheiro chamou por alguém algumas vezes e ninguém atendeu ao seu pedido. Sem pensar duas vezes o jovem adentrou a cozinha da residência e serviu um copo de café.... quando estava prestes a sair pela janela, deparou-se com a moradora do local que acabará de entrar dentro da cozinha nua e com a toalha enrolada na cabeça.
Escandalosa, a mulher de seus vinte e poucos anos começou a gritar, chamando o cozinheiro de pervertido e tarado. Sem dar muito ibope o mesmo saiu correndo indo em direção ao velho do porto. Apo entregar o café o rapaz poderia notar que dois barcos pesqueiros haviam atracado e estariam descarregando a mercadoria.

- Muito obrigado meu jovem pelo café... daria uma golada simples e voltaria a conversar... pelo visto esse café foi passado por uma linda jovem virgem e decidida. Vou lhe ajudar sim... Compreendo que você é um cozinheiro e quer saber mais sobre a pesca e por isso não há nada melhor do que aprender com os pescadores! .... Outra golada... Suba no navio e converse com o capitão do mesmo Sr. Blue, ele irá aceita-lo e com certeza irá te colocar para trabalhar em sua embarcação! E lembre-se você não será um pescador, irá aprender sobre o que tanto busca.

O velho dava as costas e deixaria o jovem ninja cozinheiro de frente ao navio pesqueiro. Se o mesmo decidisse subir a bordo e conversar com o capitão, bastava entrar na única cabine visível e é claro passar pelos pescadores que passavam com caixas e mais caixas de peixes.

Para melhorar ainda mais o humor do rapaz, uma forte brisa gélida soprava do mar dando uma grande impressão de que o seu rosto estaria sendo rasgado por navalhas...


-----
Nino:
 

____________________________________________________

Legendas:
 
Voltar ao Topo Ir em baixo
Makoto
Civil
Civil
Makoto

Créditos : Zero
Warn : Baile do Fundão 10010
Data de inscrição : 21/07/2012
Idade : 16

Baile do Fundão Empty
MensagemAssunto: Re: Baile do Fundão   Baile do Fundão EmptySeg 14 Ago 2017, 16:24


A agressividade do velho só mostrava as diretrizes na qual a humanidade tinha sido constituída: ele tinha prateleiras de armas a disposição, logo tinha “coragem suficiente” para agredir um garoto. Eu era ingênuo o suficiente para me esquecer desse maldito detalhe, tinha deixado de lado a covardia humana. Uma criança armada é como o diabo recitando um salmo, mas sem isso eu não passava de um pastor de ovelhas cuidando do meu rebanho. De qualquer jeito aquele velho não era um lobo, faltava muito para ele se aproximar de um verdadeiro predador. — Eu poderia ter enfiado meu cotovelo em sua garganta e ferrado com a sua mercadoria igual um touro numa loja de porcelana, eu vou voltar pra enfiar o cano tão fundo na cara dele que vão me chamar de doutor quando virem o estrago que fiz no crânio dele... — Eu estava mais enfurecido que nos meus dias normais e isso sem dúvida tinha algum valor. As ofensas que ele havia proferido não tinham significado algum, no entanto eu não tinha apreço por ser estapeado.

O meu maldito erro foi ter deixado o crime e tentar fazer as coisas como um cidadão, eu não sou um cidadão. Sou mais um que fortalece a estatística da criminalidade nessa ilha. Eu financio o crime e levo os marinheiros a recrutar mais garotos, apenas para matar eles e continuar o ciclo de ódio que floresce nessas ruas manchadas de sangue inocente. A escapatória que encontrei entre becos e vielas foi uma correria como aviãozinho, um tal de Japa. Nunca tinha ouvido falar, mas não me parecia grande coisa. Mais um criminoso genérico: muita tatuagem, gírias em excesso e a voz carregada de presunção. O seu único diferencial eram os olhos sem expressão... ele era como eu ou apenas tinha entupido o nariz de gesso? Eu estava para descobrir, mas não agora. Escutei humildemente o que ele tinha para dizer e acenei com concordância, mostrando que havia absorvido suas palavras. — Tranquilo, eu posso fazer isso. — Diria, tentando transmitir alguma segurança em meu tom.

Papelote? Se não me engano isso significa cocaína. Conferiria aquilo na frente do meu fornecedor. Me perguntava se ele me conhecia ou já tinha escutado algo ao meu respeito, pensei em perguntar, porém temi que eu soasse arrogante. Me abstive e guardei a mercadoria no bolso da bermuda. A tarefa de repassar droga dentro de uma grande empresa era uma idiotice, ainda mais pedir para uma criança. Eu chamaria tanta atenção quanto uma barata sobre uma mesa lilás. — Por isso eu prefiro trabalhar com os mafiosos, alguns homens desse novo meio tendem a ser muito burros... — Resmungaria em tom inaudível e fora dos alcances do ouvido do Japa, claramente. Também existia o fato da Adega One ser a maior potência de Micqueot e a sua produção era tão gigantesca que a fábrica era composta por uma boa fatia da ilha.

Encontrar a empresa mais importante de todas não seria um empecilho e se fosse eu sairia perguntando para transeuntes, assim poderia facilitar a busca. Não poderia negar certa insegurança naquela missão, já que constantemente procurava com cautela e discrição por um revólver que não tinha. Se dispusesse da informação necessária para chegar até Adega One, colocaria o resto da minha cabeça para pensar como acessaria. Se tivesse seguranças patrulhando a entrada eu tentaria contornar a situação tentando matar dois coelhos com uma cajadada só. Eu queria um emprego honesto, então... — Olá. Eu gostaria de er... procurar um emprego. — Se isso não desse certo eu aguardaria a saída dos funcionários para abordar o Jr. num momento oportuno e discretamente, seguindo-o até que se separasse da massa. — Tô com seu pó, cadê o dinheiro? O Japa mandou eu vir te entregar. — Perguntaria e só entregaria o produto com as berries em mãos. Depois disso voltaria até o Japa para entregar os seus "galos".

Narradorzinho-chan:
 

Histórico:
 

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Johnnyh
Civil
Civil
Johnnyh

Créditos : Zero
Warn : Baile do Fundão 1010
Masculino Data de inscrição : 06/06/2013

Baile do Fundão Empty
MensagemAssunto: Re: Baile do Fundão   Baile do Fundão EmptyTer 15 Ago 2017, 15:38

Baile do Fundão
Adentrando à Navegação ?





Uma zona portuária não era tão fácil de achar um cafezal, então comecei o plano B enquanto a brisa do mar me alcançava. Segui pela sombra, como um soldado que não tomba, não iria ficar com a sobra do dia, eu queria o bom e talvez o melhor, mas como era pro velho eu tinha que achar um café e não estava disposto a pagar.

O Sol que ja invadira uma casa cuja qual sua dona tivera deixado a porta aberta, e eu seria o segundo naquele dia, com certeza ali tinha café, em busca do silencio fazia de forma lenta e calma cada movimento, ao terminar de despejar o café no copo uma mulher aparecia apenas de toalha, nao conseguia distinguir se era bela, mas não era importante naquele momento, então me coloquei afora me locomovendo em direção ao velho.

Chegando estava la ele, de forma folgada na minha percepção dava uma reposta que eu pouco processei, só entendi que eu devia ir ao barco, que já estava chegando... Eu não poderia acrditar tão facilmente naquele senhor então analisaria a situação, em caso favorável de realmente aquele homens aparentarem possui algum conhecimento adentraria a navegação buscano rapiamente falar com quem era dono a mesma.

No caso do mesmo me atender, explicaria a situação como foi anteriormente explicada ao velho que mais parecia um explorador, então oferecia meus serviços no que for necessário em troca de aprender, e em caso dele nao me atender falaria com o senhor pra dar um jeito, ou eu teria que tomar minhas providência em relação a ele.

Caso eu percebesse que era uma armadilha por qualquer desconfiança minima saltaria da navegação, de preferência na areia ou no raso, e caso percebesse muito tarde, tentaria não aparentar ser ofensivo, nem forte, porém não cederia caso tentassem me prender.





Off:
 

Objetivos:
 

Histórico:
 

____________________________________________________

[Você precisa estar registrado e conectado para ver esta imagem.]

[Você precisa estar registrado e conectado para ver este link.]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ken Rock
Pirata
Pirata
Ken Rock

Créditos : Zero
Warn : Baile do Fundão 9010
Data de inscrição : 27/05/2015

Baile do Fundão Empty
MensagemAssunto: Re: Baile do Fundão   Baile do Fundão EmptyQua 16 Ago 2017, 12:18

Na cidade...

Nino sai do estabelecimento pensando em ter dito algo ao vendedor como enfiar o cotovelo em seu rosto e quebra-lo como porcelana. Infelizmente o mesmo já estava transitando na rua em busca de algo como um emprego modesto no mundo do crime. Pelo seu conhecimento vasto, o atirador encontrou um ser do submundo que era conhecido como Japa.

A ilha era a penúltima na rota dos mares do Norte. Então era normal figuras novas surgirem de vez em quando tentado fixar o seu domínio ou até mesmo chamar atenção para algo mais grandioso. Enfim, não é esse o foco no momento.

Retornando ao rapaz.... o mesmo estava a caminho da Adega. O local aparentava um ar rustico, o forte cheiro de destilados rodeava alguns quarteirões das proximidades, A construção era feita de madeira, gasta mas visivelmente aquentavam a pressão do local, muitos entravam e saiam do local, alguns turistas, compradores, trabalhadores e até mesmo marinheiros. Na parte de trás estaria a linha de produção, a arquitetura era completamente diferente, paredes de concreto, inúmeras caldeiras, apesar da fumaça que saiam delas o clima passado era um pouco mórbido muito diferente da construção de madeira da parte da frente que aspirava um ar de luxuria.

Nino sabendo que seria difícil uma criança adentrar ao local, partiu para uma abordagem mais simples e esperada em um dia a dia comum... — Olá. Eu gostaria de er... procurar um emprego... O segurança franzino e com cara de sono, pela postura do rapaz estava claro que esse poderia ser o seu primeiro dia ou algo do tipo, não prestou muito atenção no rapaz que lhe falava e de forma automática apontou um balcão na parte interna da adega onde uma jovem loira, magra de seios médios, cabelo curto empilhava algumas pilhas de papéis pelo balcão.

Caso Nino decidisse ir conversar com a mulher, teria que passar por uma grande porta de vidro e teria que seguir um pouco mais de 6 metros por um tapete vermelho largo. Caso decidisse olhar ao seu redor notaria belos lustres de ouro, quadro de nobres e algumas celebridades conhecidas pelos Blues, pessoas bem vestidas com corte de cabelo impecável também estariam por ali apreciando a bebida do local. Diferente da rua, o clima era agradável, quentinho e aconchegante, o cheiro era completamente diferente do lado de fora, teria uma fragrância amadeirada mistura com canela que transmitira uma sensação de serenidade.

No porto...


O cozinheiro subia a bordo da embarcação e de imediato se encaminhou a cabine do capitão do navio. Muitos que ali estavam olhavam o rapaz com um olhar de desconfiados. Sem se importar, o mesmo seguiu o seu objetivo.

Lá dentro, ele encontrou um rapaz jovem, dificilmente alguém acreditaria que ele fosse o capitão de alguma coisa, sentado na cadeira do capitão rabiscava com o seu lápis diversos papéis e usava uma régua para traçar alguma coisa similar a uma rota ou qualquer coisa do tipo. Por estar debruçado sobre a mesa, não dava para ver o que realmente ele estaria fazendo ali.

Ao notar a presença de Auguste, o jovem levantou apenas os seus olhos e com um tom de sério deu permissão para que o rapaz conversa-se com ele. Ao explicar o seu desejo de estar ali no momento, o jovem capitou respirou fundo, parou de rabiscar, colocou o seu lápis na orelha, cruzou os braços e começou a falar... – Pelo o que você notou ao embarcar aqui, possuo um grande número de homens que almejam também alguma coisa na vida como pagar a comida para os filhos bastardos, remédios para a mãe que está doente e de cama ou até mesmo bebidas. Enfim... O jovem capitão colocou-se de pé, caminhou até a janela olhou para o porto por alguns segundos e retornou a conversar com Lameprécis... Aqui nós temos um ditado, não importa o seu motivo, aqui todos eles são simples perante ao motivo do seu capitão, se quiser algo terá que superar aquele que está ao seu lado e conquistar o seu direito de lutar... ainda em pé, voltou a olhar ao cozinheiro... Destaque-se entre os meus homens, descarregue as caixas e lhe darei a permissão de subir a borda para a próxima saída. O que me diz? Seu motivo vale esse pequeno esforço e a propósito, qual a vossa graça?


Off:
 

____________________________________________________

Legendas:
 
Voltar ao Topo Ir em baixo
Conteúdo patrocinado




Baile do Fundão Empty
MensagemAssunto: Re: Baile do Fundão   Baile do Fundão Empty

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
Baile do Fundão
Voltar ao Topo 
Página 1 de 2Ir à página : 1, 2  Seguinte

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
One Piece RPG :: Oceanos :: North Blue :: Budou Island-
Ir para: